ICFUT – Raio x da final Vitória x Santos

Fonte: O Estado de São Paulo

Meninos encaram pressão pela maior conquista

Garotos do Santos podem perder por até um gol de diferença para levar o segundo título do ano, mas terão pela frente um Vitória confiante na virada e apoiado por uma torcida vibrante no Estádio do Barradão, em Salvador, às 21h50

Fábio Hecico, enviado especial a Salvador – O Estado de S.Paulo

Neymar. Principal símbolo do atual time santista, astro tenta se rediminr de pênalti perdido na Vila Belmiro, semana passada, quando tentou dar a cavadinha à moda Loco Abreu e se deu muito mal O funk e o samba dos Meninos da Vila ou o axé dos rubro-negros baianos? Hoje, às 21h50, no Barradão, em Salvador, Santos e Vitória decidem o inédito título da Copa do Brasil. Erguer a taça significará estar na Libertadores de 2011 com antecedência e garantir tranquilidade para o restante da temporada.

O time paulista entra com enorme vantagem na decisão, depois da vitória por 2 a 0 na Vila Belmiro – apenas o Sport, em 2008, conseguiu reverter vantagem de dois gols na final em mais de 20 anos de competição. Aos santistas sobra confiança, pois não perderam nenhum jogo da atual competição por dois gols de diferença. Os baianos, por outro lado, também mostram motivação e apostam na força de seu estádio, onde ganharam seus cinco jogos, todos com placares que lhe servem hoje: um 5 a 0, três 4 a 0 e um 2 a 0, que levaria a decisão para os pênaltis.

Ao Santos, seria a consagração plena de um geração de ouro de garotos santistas. Meninos como Neymar, André e Paulo Henrique Ganso, reforçados por Robinho, encantaram o torcedor desde a estreia no ano, com futebol alegre, vistoso e abusado. Chamaram a atenção por coreografias bem ensaiadas e divertidas a cada gol, e pela facilidade em chegar até as redes adversárias. Um estilo que deixou muito adversário irritado.

Além da irreverência e do futebol envolvente, mostraram também eficiência com a conquista do título paulista. Bons de bola, os Meninos da Vila parecem preparados para novo triunfo. Depois, só deverão jogar juntos na seleção brasileira – André e Robinho estão de malas prontas para Dínamo de Kiev, da Ucrânia, e Manchester City, da Inglaterra.

“Quero me despedir com o título. E, marcando um gol, seria fantástico”, afirmou André, que desde a confirmação de sua negociação prometeu gol em todos os seis jogos que tinha pela frente. Não anotou nenhum, mas sabe que, se marcar nesta noite, pode valer por seis.

André sai para fazer seu “pé de meia”, enquanto Robinho é obrigado a voltar ao Manchester City, que o emprestou ao Santos, mas exige sua volta para a pré-temporada. “Mas espero ficar.”

Acostumado a brincar em campo, Neymar terá um peso extra na decisão de hoje. Um tropeço poderá cair em suas costas, já que, no primeiro confronto, perdeu um pênalti, na Vila, ao tentar dar a cavadinha, como fez Zidane na final da Copa de 2006 e Loco Abreu, recentemente, na África. A perda do gol parece ter motivado os baianos. “Somos muito fortes no Barradão e vamos ser bastante ofensivos nesta final”, enfatizou o atacante Schwenck. “Aqui, atacaremos com a marcação em cima dos meninos, sem dar espaços. Lá, eles jogaram soltos, agora é nossa vez. Estamos em casa e a vantagem da pressão será nossa.”

O técnico do Vitória, Ricardo Silva, deve optar por esquema mais ousado, com Elkesson, Júnior e Schwenck na frente. Ontem, a primeira parte do treino foi fechada. O mistério será levado até a hora do jogo. “A derrota por 2 a 0 lá foi boa para nós. Temos grande chance de reverter aqui no Barradão.” O santista Dorival Júnior também faz mistério. “Há duas semanas, como, durmo e respiro o Vitória.”

Desconhecido, goleador Júnior quer homenagear o pai

Com carreira no exterior, artilheiro chegou ao Vitória há 6 meses e teve de fazer teste. O pai morreu faz 15 dias

SALVADOR
Ninguém o conhecia em Salvador há seis meses. Aos 34 anos, vindo da Dinamarca após rodar por muitos clubes pequenos da Europa, o atacante Júnior, grandalhão de cabelo descolorido e fala mansa, chegou ao Barradão com a fama de goleador. Mas sem clube de expressão no currículo, acabou submetido a teste de 15 dias. Aprovado, assinou contrato, confirmou o faro de gols e hoje é a esperança para reverter a vantagem do Santos. “Quem diria que, experiente, tinha de passar por testes. Mas agora estou perto de entrar para a história do Vitória”, afirma.

Ainda aprimorando a forma física após contusão muscular, ele não sabe se será titular. Mas promete um gol para recompensar o carinho e homenagear o pai, José Luiz, morto há 15 dias. “Ele morreu lutando contra o câncer. Sempre me ensinou a nunca desistir. Estou com a cabeça boa, pronto para brotar (marcar os gols) e ser campeão”, diz esse simpático cearense, sempre observado pelas filhas Pamela, de 11 anos, nascida no Chile em sua passagem pelo União Espanhola, e por Júlia, de 9, cearense.

Júnior é o artilheiro do Vitória na temporada (22 gols). Espera fechar o ano com 40. Na Copa do Brasil já foram seis, cinco no Barradão. “Você vê o campo ruim, acha que vai me atrapalhar, mas estou acostumado”, diz o atleta, que não pensava em ser profissional. “Eu jogava futsal, mas gostava de basquete, vôlei de praia e surfe”, conta. Mesmo assim, se arriscou com a bola. Com 1,87 m, recebeu a recomendação para jogar na frente. Tomou gosto e, aos 21, saiu do País para fazer sua independência financeira. No começo do ano, voltou ao País para cuidar do pai. “Quero esse título para dedicar a ele. E vou conseguir.” / F.H.

Alguns videos

Treino do Santos

Carta do Zagueiro do Vitória