Por Cezar Alvarenga – Após início de ano irregular, Caio Júnior já convive com sombra de Luxemburgo.

Fonte: UOL Esportes

O Grêmio ainda não conseguiu empolgar neste ano. Apesar das contratações, o rendimento está longe do ideal. Por isso, Caio Júnior está pressionado. Mais do que as más atuações, a “sombra” de Luxemburgo ronda o Olímpico. Sem clube, o técnico foi o predileto dos cartolas anteriormente, agora é lembrado a cada infortúnio. Entretanto, publicamente a direção descarta a queda prematura de Caio.

No Gre-Nal deste domingo, o Grêmio foi melhor e esteve perto de vencer. Tal situação acabaria com qualquer tipo de resistência ao trabalho de Caio. Não fosse do outro lado um time formado por reservas e jovens das categorias de base do Inter, que ainda conquistaram o empate no fim do jogo com gol de Bolívar.

Até agora o Grêmio disputou 5 jogos oficiais. Venceu 2, empatou 1 e perdeu 2. Os7 pontos conquistados geram aproveitamento de 46%. Não o suficiente para colocar o Grêmio entre os classificados para a próxima fase do Gauchão. A Taça Piratini – primeiro turno do Estadual – caso acabasse hoje não teria o time tricolor nas quartas de final.

O rendimento melhorou em relação ao próprio Grêmio, mas está longe do esperado para um elenco que recebeu 9 reforços. Sendo que destes, ao menos dois fora considerados de altíssimo nível: Marcelo Moreno e Kleber.

Os problemas de Caio Júnior, porém, não estão na falta de um melhor rendimento do Grêmio, mas no que aconteceu com Vanderlei Luxemburgo no Flamengo. O técnico era o predileto da direção gremista quando Caio foi contratado, e só não acertou por uma multa rescisória milionária prevista em seu contrato com o Fla.

No entanto ele não resistiu a pressão e, segundo o próprio, foi “fritado” pela direção do clube rubro-negro por pressão de Ronaldinho Gaúcho. Demitido, Luxemburgo é uma “sombra” que ronda o Olímpico a cada infortúnio da equipe. Além disso, na queda, pessoas ligadas ao Flamengo citaram a possível ida para o Grêmio como futuro do treinador. O nome da equipe gaúcha virou algo frequente, mesmo que o cargo de técnico não estivesse vago.

“Não está na minha pauta a demissão de Caio Júnior”, garante o presidente do Grêmio, Paulo Odone. Mesmo assim, ficar fora das finais do turno é algo que não passa pela cabeça dos dirigentes, que não pensariam duas vezes em mudar de ideia.

Nem mesmo os valores incomodariam. Luxa recebia R$ 750 mil mensais no Fla. Sua comissão técnica inteira, composta por mais três profissionais, beirava R$ 1 milhão em vencimentos. Ele não abre mão disso, mas o Grêmio não encontraria empecilho, já que Caio trouxe, por exemplo, mais dois profissionais com ele. O embate seria na preparação física. O clube portoalegrense não abre mão de Paulo Paixão. Luxemburgo trabalha com Antônio Mello.

Porém, a direção descarta troca no comando. Ameaçado, pressionado por resultados, desconfortável, Caio acredita que tenha crédito e vê o time em evolução. No Gre-Nal, por exemplo, ele disse que o primeiro tempo foi “brilhante”. Vendo o time evoluir, o técnico não tem motivos para temer Luxa, chamado de “craque” nos bastidores do Olímpico.

ICFUT – Falcão estreia sem brilho, mas Inter vence Santa Cruz pelo Gauchão

Fonte: estadao.com.br

Equipe colorada bate adversário por 1 a 0 e se classifica às semifinais do 2.º turno da competição

Poderia ter sido melhor a estreia de Falcão no comando doInternacional. No Beira-Rio com pouco público, o time colorado teve um jogador a mais em campo a partir da metade do primeiro tempo, enfrentou um adversário muito mais limitado e mesmo assim venceu o Santa Cruz neste sábado apenas pela diferença mínima: 1 a 0.

Divulgação/Vipcomm

Divulgação/Vipcomm

Falcão comemora gol da vitória do Internacional com o atacante Leandro Damião, no Beira-Rio

Se não encantou, o Inter pelo menos se classificou às semifinais do segundo turno do Campeonato Gaúcho. Agora, espera o vencedor de Juventude e Lajeadense, que se enfrentam no domingo em Caxias do Sul. Na quarta-feira, mais uma decisão, dessa vez pela Libertadores, contra o Emelec, novamente no Beira-Rio.

No seu primeiro jogo como treinador do Inter, Falcão apresentou, no papel, poucas modificações em relação ao time que vinha jogando com o Celso Roth. Na zaga, Índio deu lugar a Rodrigo. Na frente, Sóbis ganhou a vaza de Zé Roberto. Titular incontestável, Oscar foi poupado para o jogo contra o Emelec e Andrezinho começou jogando.

Contra um adversário muito mais fraco, o Inter conseguiu se impor no começo. Logo com 2 minutos, Bolatti teve boa chance após cruzamento de D’Alessandro. No lance seguinte, Sóbis tentou de cabeça e César defendeu.

A superioridade ficou ainda maior depois dos 22 minutos. Por duas faltas em Sóbis, Rodrigo Rizo levou dois cartões amarelos e foi expulso, deixando o Santa Cruz com dez homens em campo. Aí ficou ainda mais fácil para o Inter criar oportunidades de gol. A bola, porém, só entrou aos 32. D”Alessandro lançou Andrezinho pela direita. O meia chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro para Leandro Damião marcar pela 14.ª vez no Gauchão.

Novidade no time, Rafael Sóbis elogiou a atuação da equipe na saída para o intervalo: "Nosso primeiro tempo foi excelente. Em termos de marcação e criação de jogadas, estamos muito bem", analisou.

Na segunda etapa, apesar da vontade do Santa Cruz em reverter a vantagem colorada, foi o Inter que continuou melhor. Aos 23, os donos da casa quase ampliaram. D’Alessandro chutou de fora da área e César deu rebote. Leandro Damião teve a chance de fazer o segundo, mas o goleiro se recuperou e fez grande defesa.

Confira o gol do Inter:

ICFUT – Carlos Alberto é expulso e Grêmio perde para Cruzeiro

Fonte: lancenet

Time visitante faz dois em pleno Estádio Olímpico

Na tarde deste sábado, Carlos Alberto tinha tudo para ser o grande nome do Grêmio, já que era o único titular. Mas após simular uma falta, foi expulso no segundo tempo e piorou a situação gremista no Estádio Olimpico. O Cruzeiro venceu o Tricolor por 2 a 0 em jogo que poderia ter sido uma goleada tamanha as chances perdidas do time visitante.

Na próxima rodada do Gauchão, o Grêmio pega o Porto Alegre, no domingo, e o Cruzeiro enfrenta o Juventude, no mesmo dia.

A equipe reserva do Grêmio teve um bom começo de partida. Com segundos de jogo, Carlos Alberto já mostrou que tentaria aproveitar a chance ao máximo ao roubar bola no meio-campo. Mesmo desentrosado, a equipe demonstrou que poderia criar boas chances aos 2, quando Bruno Collaço deu grande lançamento para Emerson. Estreante, o meia encobriu Fabio mas observou Faísca conseguir tirar em cima da linha.

A chance de gol foi sucedida por boas chegadas do Grêmio aos cinco minutos e aos oito, em boas jogadas coletivas. Só que a partir desses momentos o Tricolor parou em campo. Com qualidade técnica, o Cruzeiro cresceu e criou chances de gol como aos 12, quando o estreante Matheus abafou finalização de Jô dentro da área.

Sem Fábio Rochemback, o Grêmio tinha problemas na saída de bola. Fernando não conseguia impor a mesma qualidade, e Carlos Alberto recuava bastante para tentar armar o jogo. O Cruzeiro adiantou seu time e passou a incomodar e marcou até, mas Rafael estava impedido aos 23 minutos. Não demorou muito, aos 32, e Diego Torres consolidou a boa atuação com abertura do placar. Após receber grande passe de Almir, venceu Matheus e mandou para o gol.

Monótono até então, o jogo melhorou, mas não para o Grêmio. O Cruzeiro incrivelmente continuou em cima do time reserva gremista. Matheus teve de trabalhar outra vez e tirar a bola da cabeça de Rafael, salvando o Tricolor. Aos 42, Clementino perdeu a melhor chance do Grêmio, depois de boa arrancada. Renato Gaúcho tinha muito o que conversar no intervalo.

O Grêmio até começava bem o segundo tempo, mas em jogada pela direita, Carlos Alberto se atira e é expulso com um minuto. Coroando uma atuação apagada no jogo e no Grêmio, o capitão e jogador mais experiente de um time de reservas deixou o campo junto com Renato Gaúcho, também expulso por reclamação. Com um jogador a menos, no entanto, o Grêmio se postou mais a frente e até melhorou sua atuação em relação a primeira etapa.

Levou inclusive perigo aos dez minutos, quando Neuton arrancou desde o campo de defesa e, sem companheiros na área do Cruzeiro para cruzar, bateu no gol da linha de fundo. Fábio se atrapalhou e quase engoliu um frango. Só que a vantagem dava ao Estrelado a possibilidade do contra-ataque, e Diego Torres acionou Jô pela esquerda. O atacante serviu Rafael no meio da área, e Matheus fez um milagre ao evitar o gol aos 15. Mas o espaço que a defesa gremista dava não seria sempre preenchido pelo goleiro. Aos 17 minutos, após troca de passes envolvente, Almir recebeu de Diego Torres na entrada da área. De frente, mandou a bola para as redes de Matheus. 2 a 0 em pleno Estádio Olímpico.

Apesar das tentativas, faltava qualidade a equipe reserva do Grêmio. Os garotos não conseguiam criar, e pareciam também sentir a falta de liderança, tanto dentro como fora de campo. Em outras duas oportunidades, Matheus salvaria o time tricolor. Com naturalidade, o Cruzeiro manteve o domínio até o fim da partida, inclusive acertando uma bola na trave quando o relógio batia 37 minutos do segundo tempo.