ICFUT – DAS ANTIGAS : Pequena Taça Do Mundo (Venezuela) – 1953/54

Fonte: Portal Uol

A Pequena Taça do Mundo de 1954 foi a terceira edição do torneio a ser realizada e foi disputada entre os meses de julho e agosto de 1953, mas é referente ao ano de 1954, como fica evidente nos fatos de já ter sido disputado uma edição do campeonato em 1953 (vencida pelo clube colombiano Millonarios) e de não ter sido disputada no ano seguinte, o único ano em que não foi disputada (porque já o havia sido no ano anterior). Com a condição de campeão nacional (já que o Rio-São Paulo, ganho pelo clube em 1953, era o campeonato mais importante do país à época e que reunia os melhores times nacionais, dando status ao vencedor), o Corinthians é convidado a participar do torneio. Considerado uma grande zebra pelos participantes, o alvinegro, pouco conhecido internacionalmente, provou que tinha uma das melhores equipes da época, ganhando o título com 100% de aproveitamento (6 vitórias em 6 jogos).

Participantes – 4

Anfitrião – Venezuela

Período – 11 de julho de 1953 – 2 de agosto de 1953

Gols – 40

Campeão – Corinthians

Vice-Campeão – Roma

Melhor Marcador – Luizinho (Corinthians)
(5 Gols)


Participantes:

Corinthians – Campeão Paulista de 1952 e campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1953

Barcelona – Campeão Espanhol de 1952 e 1953 e campeão da Copa Latina de 1952

Roma – Desconhecido

Caracas XI – Time anfitrião

Fórmula de disputa

Os 4 participantes jogaram em grupo único, todos contra todos, em turno e returno. O time que marcou mais pontos ao final do campeonato é declarado campeão.

Jogos: 6

Vitórias: 6

Empates: 0

Derrotas: 0

ICFUT – DAS ANTIGAS – 30 ANOS DE UMA FINAL IMPROVÁVEL – BANGU X CORITIBA 1985

IMG_7819

Coritiba-1985-

placar_marinho

im5644

IMG_3696

CORITIBA CAMPANHA

PRIMEIRO TURNO
Jogo 1 (Curitiba)
27/Janeiro/1985 Coritiba 3 x 1 São Paulo
Gols: Indio (2) e Tobi; e Sidney (S.Paulo)
Jogo 2 (Curitiba)
31/Janeiro/1985 Coritiba 2 x 1 Cruzeiro
Gols: Indio (2); e Tostão (Cruzeiro)
Jogo 3 (Salvador)
03/Fevereiro/1985 Coritiba 1 x 2 Bahia
Gols: Indio; e Marinho e Robson (Bahia)
Jogo 4 (Rio de Janeiro)
06/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 3 Vasco da Gama
Gols: Roberto Dinamite (2) e Vitor
Jogo 5 (Curitiba)
10/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 0 Goiás
Jogo 6 (Coritiba)
13/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 1 Flamengo
Gol: Gilmar
Jogo 7 (Porto Alegre)
23/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 4 Internacional
Gols: Luís Freire (2), Jussiê e Silvinho
Jogo 8 (São Paulo)
27/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 1 Portuguesa
Gol: Luis Pereira
Jogo 9 (Curitiba)
03/Março/1985 Coritiba 2 x 0 Náutico
Gols: Indio e Edson
Jogo 10 (Santos)
10/Março/1985
Classificação … » Coritiba 0 x 1 Santos
Gols: Formiga
8º c/ 07 pontos – grupo A
SEGUNDO TURNO
Jogo 11 (São Paulo)
09/Março/1985 Coritiba 1 x 0 São Paulo
Gol: Heraldo
Jogo 12 (Belo Horizonte)
13/Março/1985 Coritiba 3 x 2 Cruzeiro
Gols: Indio (2) e Paulinho; e Dedé e Carlinhos (Cruzeiro)
Jogo 13 (Curitiba)
17/Março/1985 Coritiba 1 x 2 Bahia
Gols: Lela; e Celso e Leandro (Bahia)
Jogo 14 (Curitiba)
20/Março/1985 Coritiba 0 x 0 Vasco da Gama
Jogo 15 (Goiânia/GO)
24/Março/1985 Coritiba 2 x 0 Goiás
Gols: Lela e Vicente
Jogo 16 (Rio de Janeiro)
27/Março/1985 Coritiba 1 x 0 Flamengo
Gols: Marildo
Jogo 17 (Curitiba)
31/Março/1985 Coritiba 0 x 0 Internacional/RS
Jogo 18 (Curitiba)
07/Abril/1985 Coritiba 0 x 2 Portuguesa
Gols: Toninho e Jones
Jogo 19 (Recife/PE)
10/Abril/1985 Coritiba 0 x 2 Nautico
Gols: Neto e Baiano
Jogo 20 (Curitiba)
14/Abril/1985
Classificação … » Coritiba 2 x 1 Santos
Gols: Lela e Vavá e Marcio (Santos)
1º. c/ 12 pontos – grupo A
Jogo 21 (Recife/PE)
03/Julho/1985 Coritiba 1 x 1 Sport Recife
Gols: Marildo; e Milton Cruz (Sport)
Jogo 22 (Curitiba)
07/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Corinthians
Gol: Lela
Jogo 23 (Curitiba)
10/Julho/1985 Coritiba 2 x 1 Joinville/SC
Gols: Lela e Dida; e Reginaldo (Joinville)
Jogo 24 (São Paulo)
13/Julho/1985> Coritiba 0 x 1 Corinthians
Gol: Vladimir
Jogo 25 (Joinville/SC)
17/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Joinville
Gol: Lela
Jogo 26 (Curitiba)
21/Julho/1985
Classificação … » Coritiba 0 x 0 Sport Recife

08 pontos somente uma equipe se classificava – grupo F
Jogo 27 SEMIFINAL
(Curitiba/PR)
24/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Atlético/MG
Gol: Heraldo
Jogo 28 SEMIFINAL
(Belo Horizonte/MG)
28/Julho/1985 Coritiba 0 x 0 Atlético/MG
DECISÃO
JOGO 29
FINAL
PARTIDA ÚNICA
31/Julho/1985
ESTÁDIO DO MARACANÃ
RIO DE JANEIRO/RJ
PUBLICO PAGANTE: 91.527
CORITIBA 1 x 1 BANGÚ / RJ (penais 6 x 5)
Arbitro: Romualdo Arppi Filho (SP); Gols: Indio aos 25 e Lulinha aos 35 do 1o. tempo.
C. Amarelo: Mário, Gomes, Dida e Rafael.
CORITIBA: Rafael, André, Gomes, Heraldo e Dida; Almir (Vavá), Marildo (Marco Aurélio) e Tóbi; Lela, Índio e Édson. Técnico: Ênio Andrade
BANGÚ /RJ: Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha (Gílson) e Mário; Marinho, João Cláudio (Pingo) e Ado. Técnico: Moisés.

vice-campeao-brasileiro-de-1985

BANGU C A M P A N H A
Primeira Fase – Grupo D
27/01/1985 – Bangu 1 x 0 Brasília-DF – (Moça Bonita)
Gol: Pingo
30/01/1985 – Bangu 2 x 0 Vila Nova-GO – (Moça Bonita)
Gols: Pingo e Fernando Macaé
03/02/1985 – Corumbaense-MS 0 x 1 Bangu – (Corumbá)
Gols: Marinho
06/02/1985 – Uberlândia-MG 1 x 2 Bangu – (Uberlândia)
Gols: Fernando Macaé e Marinho
10/02/1985 – Bangu 4 x 1 Desportiva-ES – (Moça Bonita)
Gols: Marinho(3) e Fernando Macaé
14/02/1985 – Pinheiros-PR 1 x 1 Bangu – (Curitiba)
Gol: Ado
24/02/1985 – Joinville-SC 1 x 0 Bangu – (Joinville)
27/02/1985 – Brasil-RS 0 x 1 Bangu – (Pelotas)
Gol: Marinho
03/03/1985 – Bangu 0 x 0 Ponte Preta-SP – (Moça Bonita)
06/03/1985 – Bangu 1 x 1 Vila Nova-MG – (Moça Bonita)
Gol: Márcio
10/03/1985 – Leônico-BA 1 x 2 Bangu – (Salvador)
Gols: Marinho e Pingo
17/03/1985 – Brasília-DF 2 x 1 Bangu – (Brasília)
Gol: Fernando Macaé
21/03/1985 – Vila Nova-GO 3 x 2 Bangu – (Serra Dourada)
Gols: Pingo e Ado
24/03/1985 – Bangu 4 x 0 Corumbaense-MS – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé(2), Ado e Roberto Biônico
27/03/1985 – Bangu 2 x 0 Uberlândia-MG – (Moça Bonita)
Gols: Pingo e Pedrinho Gaúcho
31/03/1985 – Desportiva-ES 0 x 1 Bangu – (Cariacica)
Gol: Roberto Biônico
03/04/1985 – Bangu 1 x 1 Pinheiros-PR – (Moça Bonita)
Gol: Fernando Macaé
07/04/1985 – Bangu 3 x 1 Joinville-SC – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé, Pingo e Mário
10/04/1985 – Bangu 3 x 1 Brasil-RS – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé, Pingo e Ado
14/04/1985 – Ponte Preta-SP 2 x 2 Bangu – (Campinas)
Gols: Mário e Fernando Macaé
17/04/1985 – Vila Nova-MG 0 x 2 Bangu – (Nova Lima)
Gols: Ado e Marinho
21/04/1985 – Bangu 1 x 0 Leônico-BA – (Moça Bonita)
Gol: Marinho
Classificação……Pts…J…V…E…D…GP…GC…SG
1º Bangu…………33..22..14…5…3…37…16..+21
2º Ponte Preta……32..22..12…8…2…37…18..+19
3º Joinville……..27..22..11…5…6…28…16..+12
4º Brasil/RS……..27..22..10…7…5…36…25..+11
5º Brasília………23..22…8…7…7…22…22….0
6º Pinheiros……..23..22…7…9…6…21…17…+4
7º Vila Nova/GO…..20..22…7…6…9…25…34…-9
8º Leônico……….17..22…7…3..12…21…33..-12
9º Desportiva…….17..22…7…3..12…18…30..-12
10º Uberlândia……17..22…6…5..11…26…26….0
11º Villa Nova/MG…15..22…5…5..12…18…31..-13
12º Corumbaense…..13..22…4…5..13…16…37..-21
Segunda Fase – Grupo H
03/07/1985 – Bangu 1 x 1 Internacional-RS – (Maracanã)
Gol: João Cláudio
07/07/1985 – Mixto-MT 1 x 4 Bangu – (Cuiabá)
Gols: Marinho(2), Gílson e João Cláudio
11/07/1985 – Vasco 0 x 2 Bangu – (Maracanã)
Gols: João Cláudio(2)
14/07/1985 – Bangu 1 x 1 Mixto-MT – (Moça Bonita)
Gol: Pingo
17/07/1985 – Bangu 3 x 1 Vasco – (Maracanã)
Gols: Marinho(2) e Mário
21/07/1985 – Internacional-RS 1 x 2 Bangu – (Beira Rio)
Gols: Marinho e João Cláudio
Classificação……Pts…J…V…E…D…GP…GC…SG
1º Bangu…………10…6…4…2…-…13….5…+8
2º Internacional…..7…6…2…3…1….9….7…+2
3º Vasco………….5…6…1…3…2….9….9….0
4º Mixto………….2…6…-…2…4….4…14..-10
Semi-final
24/07/1985 – Brasil-RS 0 x 1 Bangu – (Porto Alegre)
Gol: Jorge Batata (contra)
28/07/1985 – Bangu 3 x 1 Brasil-RS – (Maracanã)
Gols: Marinho(2) e Ado
Final
31/07/1985 – Bangu 1 x 1 Coritiba-PR – (Maracanã)
Gol: Lulinha
Bangu 0 x 0 Coritiba (Prorrogação)
Bangu 5 x 6 Coritiba (Penalidades)
Gols: Gílson, Pingo, Marinho, Mário e Baby

 

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro – Final
Local:
Maracanã
Renda:
Cr$ 848.064.000,00
Público:
91.527 pagantes
Árbitro:
Romualdo Arppi Filho, auxiliado por Osvaldo Campos e Joel Caires
Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha (Gílson) e Mário; Marinho, João Cláudio (Pingo) e Ado
Técnico: Moisés
 
Rafael, André, Gomes, Heraldo e Dida; Almir (Vavá), Marildo (Marco Aurélio) e Tóbi; Lela, Índio e Édson
Técnico: Ênio Andrade
Bangu 0 x 1: Índio, aos 25min do 1º tempo
Bangu 1 x 1: Lulinha, aos 35min do 1º tempo
Bangu 5 x 6 (pênaltis): Gílson, Pingo, Baby, Mário e Marinho marcaram para o Bangu. Índio, Marco Aurélio, Edson, Lela, Vavá e Gomes marcaram para o Coritiba
Dida, Gomes e Rafael (Coritiba); Mário (Bangu)

ICFUT DAS ANTIGAS – PRIMEIRO TITULO DA GAVIOES DA FIEL NO GRUPO ESPECIAL DE 1995

Samba Enredo 1995 – O Que É Bom É Para Sempre

G.R.E.S. Gaviões Da Fiel (SP)

Amor, são 25 anos de felicidade,
Amor, nossa bandeira vai cobrir toda a cidade

Gaviões fiel!

Me dê a mão, me abraça
Viaja comigo pro céu
Sou gavião, levanto a taça
Com muito orgulho, pra delírio da fiel
Me dê a mão, me abraça
Viaja comigo pro céu
Sou gavião, levanto a taça
Com muito orgulho, pra delírio da fiel

Ai, um brinde,
Um brinde ao jubileu de prata
Convido a massa, pra comemorar
Explode um grito na galera
Tem gol de fera, para delirar
Explode um grito na galera
Tem gol de fera, para delirar
Oi, hoje,
Hoje sou criança reino encantado de brinquedo e fantasia
Na minha lembrança
Sonhei dourado e brinquei de poesia
Vou te levar pro infinito
Vou te beijar do jeito mais bonito
Ai que gostoso
Ai que gostoso amor, ai que saudade
Te amo, te amo de verdade

Maravilhas
Fadas e rainhas, mil heróis na minha história
O que é bom pra sempre
Fica guardado na memória
Tem pierrô
Pierrô arlequim colombina
Todo mundo quer sambar
Se enroscar na serpentina
Olha pra mim abre o teu sorriso
É carnaval sou rei do riso
Vou gargalhar, quero alegria
Lavar a alma com o som da bateria
Olha pra mim abre o teu sorriso
É carnaval sou rei do riso
Vou gargalhar, quero alegria
Lavar a alma com o som da bateria
Me dê a mão
Me dê a mão, ma abraça…

ICFUT DAS ANTIGAS – FLUMINENSE CAMPEÃO BRASILEIRO DE FUTEBOL DA SÉRIE C – 1999

O Campeonato Brasileiro de Futebol – Série C de 1999 foi a terceira divisão do futebol brasileiro disputado entre 29 de Agosto e 23 de Dezembro. A fórmula de disputa foi a seguinte: primeira fase com 36 equipes, divididas em 6 grupos de 6, jogando em turno e returno dentro das chaves. Classificavam-se para a próxima fase os dois primeiros de cada grupo, mais os quatro melhores terceiros colocados independente da chave. Na segunda fase as equipes se enfrentavam em mata-mata, classificando os 4 melhores para uma fase final em turno e returno.

O campeão foi o Fluminense do Rio de Janeiro, que junto com o São Raimundo-AM do Amazonas ganharia o direito de disputar a Série B em 2000. No entanto este campeonato não ocorreu, por conta de problemas jurídicos ocasionados por aquele que ficou conhecido como o “Caso Sandro Hiroshi”, envolvendo inicialmente o Botafogo (RJ), São Paulo (SP) e Gama (DF), mas depois, com a não realização do Campeonato Brasileiro, outras dezenas de clubes.

Com a realização da Copa João Havelange, que tinha como critério convidar apenas os grandes clubes do Brasil, todos os times da Série B e C foram convidados a participar dessa copa, o Fluminense foi convidado a disputar o Módulo Azul, ficando o São Raimundo no Módulo Amarelo, que reunia a maior parte dos clubes da Série B de 1999.

Fluminense FC Campeão Brasileiro da 3a Divisão de 1999

O Fluminense FC foi tão mal administrado nos anos 90 que foi parar na 3a Divisão do Campeonato Brasileiro.

O Rio de Janeiro tem 2 títulos da 3a Divisão: Olaria (1981) e Fluminense (1999).

Na foto estão: em pé: Diogo. Emerson. Flávio. Alexandre Lopes. Valber e Paulo Cesar.
Agachados: Marcos Brito. Julio Cesar. Yan. Tobert Brum e Magno Alves.

A Campanha:
1ª Fase:

0-2 Villa Nova (MG) – f
1-0 Serra (ES) – c
3-0 Goiânia (GO) – c
1-0 Dom Pedro II (DF) – c
3-4 Goiânia (GO) – f
2-0 Dom Pedro II (DF) – f
WO-0 Anapolina (GO) – c (1-0)
2-3 Anapolina (GO) – f
1-0 Serra (ES) – f
2a Fase:
1-1 Moto Club (MA) – f
1-0 Moto Club (MA) – c
2-1 Moto Club (MA) – c
3a Fase:
1-1 Americano (RJ) – f
4-0 Americano (RJ) – c
2-1 Americano (RJ) – c
Fase Final:
2-1 Náutico (PE) – c
WO-0 São Raimundo (AM) – f (1-0)
1-2 Serra (ES) – c
2-2 Serra (ES) – f
2-0 São Raimundo (AM) – c
2-1 Náutico (PE) – f

OBSERVAÇÃO: O MILAGRE DA COPA JOÃO HAVELANGE DE 2000 LEVOU O FLUMINENSE PARA PRIMEIRA DIVISÃO SEM DISPUTAR A SÉRIE B.
FONTE:Wikipedia – Esporterio

ICFUT DAS ANTIGAS – EM HOMENAGEM AO FERIADO DE 15 DE NOVEMBRO – VAMOS FALAR DO CLASSICO XV DE JAU vs XV PIRACICABA.

Confrontos de  1952 a 1992, Campeonato Paulista 37 jogos.

XV PIRACICABA 19 VITORIAS – Gols 63

XV JAU 09 VITORIAS – Gols 46

EMPATES – 09

ULTIMO CONFRONTO

O XV de Piracicaba conquistou uma vitória em cima do XV de Jaú por 1 a 0, no Barão de Serra Negra, valendo pela fase única do Campeonato Paulista 1992.

Esporte Clube XV de Novembro (Jaú)

images

Esporte Clube XV de Novembro mais conhecido como XV de Jaú, é um clube de futebol brasileiro da cidade paulista de Jaú. Fundado em 15 de novembro de 1924, suas cores são verde e amarelo. Tradicional time do Campeonato Paulista, atualmente disputa o Campeonato Paulista de Futebol – Série B.

História

Reunidos no bar São Pedro, alguns esportistas, entre os quais José Piragine Sobrinho e Herminio Cappabianca, decidiram fundar um quadro de futebol, formado com jogadores locais. Aquela época, estava em evidência o Esporte Clube Sírio, que mediante proposta de Cappabianca, foi então denominado Esporte Clube XV de Novembro de Jaú.

O Esporte Clube XV de Novembro de Jaú foi fundado no dia 15 de novembro de 1924, como homenagem à Proclamação da República. As cores que o clube ostenta, verde e amarela, também fazem alusão às cores da Bandeira Brasileira. Em 1931, o clube recebeu o apelido de “Galo da Comarca” e o animal continua como mascote.

Inicialmente, XV de Jaú passou duas décadas disputando torneios amadores pelo interior do Estado e apenas em 1948 resolveu se profissionalizar, quando participou de sua primeira competição profissional: o Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Disputou a competição até 1951, quando foi campeão ao derrotar na final o Jabaquara, obtendo o acesso à Primeira Divisão.

A 8 de março de 1953, o XV de Novembro fez um jogo amistoso em Jaú contra o Flamengo, que terminou empatado em 2 a 2. Posteriormente o XV de Novembro retribuiu a visita do Flamengo, fazendo amistoso no Maracanã a 10 de setembro de 1953, resultando num empate de 4 a 4.

O clube conseguiu manter-se na elite do futebol estadual por oito anos, mas em 1959 acabou rebaixado à Segunda Divisão. O XV de Jaú participou de nove edições da Segundona e, em 1968, resolveu fazer uma pausa no futebol profissional, retornando apenas em 1975, no Campeonato Paulista da Primeira Divisão, equivalente à atual Série A2.

Durante o tempo em que ficou inativo, o clube aproveitou para inaugurar seu estádio, o Zezinho Magalhães, que tem capacidade para 18 mil pessoas. Em jogo contra o Juventus, no dia 15 de agosto de 1973, o XV de Jaú não estreou com vitória em seus domínios e foi derrotado por 2 a 1. O gol do time da casa foi de Dejair Godoy, o primeiro da história do estádio.

Em 1976, o XV de Jaú chegou a mais uma conquista: foi campeão paulista da Primeira Divisão, conseguindo acesso à Série Especial (equivalente à atual Série A1), competição que disputou por quase duas décadas, até 1993, quando foi rebaixado à Série A2. Nesse meio tempo, em 1977, o estádio Zezinho Magalhães registrou recorde de público: 24.533 pessoas para assistir à partida entre XV de Jaú e Corinthians, pelo Campeonato Paulista.

Após disputar a Série A2 do Estadual nos anos de 1994 e 1995, o clube conseguiu voltar à A1 em 1996, mas logo no ano seguinte foi rebaixado. Em 1998, o XV de Jaú não fez boa campanha e amargou mais um rebaixamento, para a Série A3. Já em 2006, o clube foi vice-campeão desta divisão, conseguindo retornar à A2. Mas três anos depois voltou à 4 DIVISAO do Campeonato Paulista, onde permanece atualmente.

Títulos

Estaduais

  •  Campeonato Paulista do Interior: 1951.
  •  Campeonato Paulista – Série A2: 2 vezes (1951 e 1976).

Categorias de base

  • Campeonato Paulista Sub-20: 2005.

Estádio

vai-torcida-3

Avenida Caetano Perlatti, s/nº
Jardim Estádio – Jaú-SP – 17205-040
Tel/Fax: 14 3624-9911

Nome: Estádio Zezinho Magalhães (Jauzão)
Capacidade: 12.978 pessoas
Inauguração: 15 de Agosto de 1973
Medidas: 105 x 69 m
Presidente: Ivo Ferraz

Celeiros de craques

Ao longo de toda a sua existência o XV de Jaú é reconhecido como um dos maiores celeiros de craques de todo o Brasil. A força de suas categorias de base é o motor das grandes conquistas e campanhas do Galo da Comarca.

Abaixo uma pequena lista das principais revelações:

  • Sormani (ponta… Santos, Milan e Seleção Italiana)
  • Dino Sani (volante… Boca Juniors, São Paulo, Milan)
  • Carlos Silva (meia… Santos e Ponte)
  • Toninho (meia… Portuguesa e Vasco)
  • Américo Murollo (ponta… Flamengo e Palmeiras)
  • Marolla (goleiro… Santos e Seleção Brasileira)
  • Wilson Mano (zagueiro…Corinthians, Bahia e futebol japonês)
  • Alfinete (lateral-direito…Corinthians e Grêmio)
  • Sonny Anderson (atacante… Barcelona, Lyon e Seleção Brasileira)
  • Andrei (zagueiro…Palmeiras, Santos, Fluminense, Atlético de Madri e seleção brasileira)
  • Edmilson (volante… Lyon, Barcelona e Seleção Brasileira)
  • França (atacante… São Paulo, Bayer Leverkusen, Japão e Seleção Brasileira)
  • Edu (atacante… Celta de Vigo, Bétis e Internacional)
  • Nilson (centroavante… Inter, Grêmio, Flamengo, Corinthians, Palmeiras e Seleção Brasileira)
  • Kazu (meia… Santos, Coritiba e Seleção Japonesa)
  • Daniel Marques (zagueiro…Palmeiras e Paraná Clube)
  • Ralf (volante…Cortinthians e Seleção Brasileira)
  • Leandro Castán (volante…Corinthians e Roma)
  • Afonsinho (meia…Botafogo)
  • Nelson Ricardo Lopes (Lateral Direito…Internacional)
  • Dú Lopes (zagueiro…Portuguesa, Sport recife e Vitória)
  • Sangaletti (zagueiro/volante…Corinthians, Naútico e Internacional)

Esporte Clube XV de Novembro (Piracicaba)

XV-de-Piracicaba

O Esporte Clube XV de Novembro, mais conhecido como XV de Piracicaba, é uma agremiação brasileira de esporte da cidade de Piracicaba, interior de São Paulo. Fundado em 15 de novembro de 1913, o XV de Piracicaba é um tradicional clube paulista que já foi vice-campeão do Campeonato Paulista da Primeira Divisão, quando seu presidente era o lendário Romeu Italo Ripoli. Além disso, conquistou cinco títulos no Campeonato Paulista da Série A2 e um título no Campeonato Brasileiro da Série C.

Atualmente, o XV de Piracicaba disputa a Série A1 do Campeonato Paulista e a Copa Paulista.

História

O XV de Novembro foi fundado no ano de 1913, tendo por diversos anos participado do Campeonato Paulista da primeira divisão. Seu título mais expressivo foi o vice-campeonato em 1976. O clube já conquistou vários títulos, dentre os quais se destacam os campeonatos paulistas da segunda divisão de 1947, 1948, 1967, 1983 e também de 2011. O XV conquistou também o Campeonato Brasileiro da Série C de 1995. O seu mascote é o Nhô Quim, criado por Edson Rontani, e retrata o típico torcedor piracicabano descendente de italiano.

O Início

A cidade de Piracicaba era conhecida nos anos 1910 como pérola paulista, devido ao nível intelectual avançado de sua população. Nesta época, duas tradicionais famílias piracicabanas, Pousa e Guerrini, comandavam o futebol amador no município. A família Pousa gerenciava o Esporte Clube Vergueirense, enquanto os Guerrini tomavam conta do 12 de Outubro.

Em outubro de 1913, as duas famílias se reuniram e resolveram montar uma única equipe que representasse a cidade. Convidaram então Carlos Wingeter, cirurgião dentista e capitão da Guarda Nacional, para ser o presidente do clube que estava se formando com a fusão das duas famílias.

Wingeter, filho do religioso alemão Jacob Philip Wingerter, aceitou o convite prontamente, mas com apenas uma exigência: o nome do novo time teria que ser XV de Novembro, em homenagem à data marcada pela proclamação da República. Este foi o pontapé inicial para o surgimento do Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba, equipe rapidamente acolhida pela população piracicabana.

Nos 60 até anos 90

Em 1964, sob o comando de Ripoli, o XV fez uma excursão pela Europa e pela Ásia. Naquela época, o Brasil já era bicampeão mundial e apenas o Santos e o Botafogo faziam esse tipo de viagem. Nessa época, o XV de Piracicaba jogou na Suécia, na Polônia, na Alemanha (Ocidental e Oriental, divisão política da época), na Dinamarca, e nas então repúblicas soviéticas da Rússia, Ucrânia, Moldávia, Cazaquistão e Uzbequistão.

Em 1973, Ripoli voltou à presidência do XV e levou o time à sua maior conquista, o vice-campeonato paulista de 1976, ano em que o Palmeiras foi campeão. Em 1979, o XV foi o 13º colocado do Campeonato Brasileiro de Futebol, a melhor colocação de sua história no torneio. Nesse mesmo campeonato, o XV goleou a grande equipe do Grêmio por 3×0, em Piracicaba3 . As polêmicas de Ripoli com a Federação Paulista de Futebol mantiveram o time sempre em grande destaque na imprensa, até o falecimento do presidente em 1983.

Em 1980, o XV foi rebaixado no Paulistão de 1980, voltando em 1984. O clube se manteve no Paulistão de 1984 até 1995, último ano em que o XV participou da primeira divisão do futebol paulista até então. Depois desceu para a segunda e posteriormente para a terceira divisão. Jogou a segunda divisão em 1996, 1997, 1998, 1999 e 2000.

Recordes

Mesmo rebaixado em 1995 no Campeonato Paulista e ausente dele por 17 anos, a equipe piracicabana ia muito bem na Série B Brasileirão. Em 1998, por exemplo, o XV obteve sete vitórias consecutivas no início do campeonato. Até hoje, esse é o recorde de vitórias nas rodadas iniciais da segunda divisão nacional.

Anos 2000

De 2001 até 2005, jogou a terceira divisão estadual. No ano de 2005, o time subiu para a segunda divisão, porém, devido à fraca campanha na Série A2 de 2006, voltou a ser rebaixado. Disputou a terceira em 2007, 2008, 2009 e em 2010, esse último, em que voltou à Série A2. Mesmo estando nas divisões inferiores do futebol paulista, a média de públicos nos jogos em Piracicaba era grande. Havia jogos em que o público era de 10 mil espectadores, como no jogo entre XV e Olímpia pela terceira fase da A3 de 2007.

Atualidade

Nos últimos anos, o XV vem passando por uma reestruturação na organização e planejamento, ou seja, apostando nas categorias de base, a qual conseguiu pela primeira vez chegar à final da primeira divisão do campeonato paulista Sub-20, em 2007, que teve como campeão a equipe do Santos F.C.

Em 2008, com um mau planejamento, o XV não conseguiu o tão sonhado acesso no campeonato paulista da série A3. Porém, o ano não foi de todo ruim para o time piracicabano, pois, no segundo semestre, o clube chegou à final da Copa Paulista 2008, sendo derrotado apenas pelo Atlético de Sorocaba (no estádio Barão de Serra Negra) por 3×2.

No segundo semestre, embora não tenha conseguindo a vaga na Copa do Brasil 2008, o XV formou uma equipe muito boa e a base desse time foi mantida para a disputa do Campeonato Paulista da Série A3 de 2009. Porém, o time fracassou na fase final da série A3 e não conseguiu o acesso. Já em 2010, o XV disputou novamente a Série A3, terminando a primeira fase em 7º lugar e classificando-se para a fase seguinte. Na segunda fase, conseguiu ficar em segundo lugar no seu grupo e garantiu o acesso à série A2.

No ano de 2011, o XV fez uma excelente campanha e terminou a primeira fase como segundo colocado de seu grupo na Série A2. Na fase seguinte, foi o primeiro colocado de seu grupo e se qualificou para disputar a final do campeonato. Empatou com o Guarani por 2×2 no tempo normal e na prorrogação, venceu nos pênaltis por 4×2. Dessa forma, conquistou seu segundo acesso seguido e voltou a elite paulista depois de 17 anos fora dela.

Em 2012, o ano tinha tudo pra ser inesquecível para os torcedores do XV, porém, não foi assim que aconteceu. De volta a Série A1, o XV ficou mais da metade do campeonato na Zona do rebaixamento, se livrando da degola apenas na última rodada, num empate com a equipe do Mogi Mirim Esporte Clube por 2×2, na casa do adversário.5 No segundo semestre, a equipe disputou a Copa Paulista de Futebol e, após ótimas campanhas nas duas primeiras fases, foi eliminada nas quartas de final.

2013: O Centenário do XV

O selo do centenário do XV de Piracicaba.

No dia 15 de novembro de 2013 o XV se tornou mais um clube centenário no Brasil, e a primeira meta do time piracicabano já foi cumprida em 2012: não ser rebaixado e disputar o Campeonato Paulista de Futebol de 2013 – Série A1. Para o Paulistão, a nova diretoria do XV, contratou 21 jogadores e entre eles, os experientes atletas Fabiano, com passagens por São Paulo, Internacional e Santos, e Danilo Sacramento, vice-campeão paulista com o Guarani em 2012.

Outra aposta certeira da diretoria alvinegra, foi a contratação do experiente técnico Sérgio Guedes, que quase livrou o Sport do rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2012. Houve muitas especulações de que o técnico, que estava emprestado ao time pernambucano, não voltaria para comandar o XV no Paulista, mas o treinador honrou sua palavra dada ao presidente Celso Christofolletti e veio para Piracicaba. Com Sérgio no comando, o XV busca se classificar entre os 8 melhores do Paulistão 2013 e se classificar ao Brasileiro da Série D. Se isso acontecer, a equipe voltará a disputar um campeonato nacional após 10 anos.

O selo dos 100 anos do XV de Piracicaba já está pronto e a camisa centenária, produto muito aguardado pelos torcedores, foi divulgada ao público no dia 16 de janeiro, ao vivo no Jornal da EPTV.

Em 2013, o XV encerrou sua participação na 1ª fase do Paulistão na 10ª colocação, com 6 vitórias, 7 empates e 6 derrotas. Marcou 31gols e sofreu 30. Na Copa Paulista, disputada no segundo semestre, atingiu as semifinais.

2014

No corrente ano, o clube terminou o Campeonato Paulista na 14ª posição, tendo obtido 5 vitórias, 4 empates e 6 derrotas. Marcou 18 gols e sofreu outros 18.

Títulos

Nacionais

  • Campeonato Brasileiro – Série C: 1
(1995)

Estaduais

  •  Campeonato Paulista do Interior: 4
(1931, 1932, 1947 e 1948)
  •  Campeonato Paulista – Série A2: 5
(1947, 1948, 1967, 1983 e 2011)
  •  Torneio Início: 1
(1949)
xvvice                                            VICE CAMPEAO PAULISTA DA 1 DIVISAO DE 1976

Outras conquistas

  • Taça dos Invictos: 1 (1967)
  • Copa Brasil Central: 1 (1969)

Basketball.svg Basquete

  • Campeonato Paulista: 2 (1957 e 1960)
  • Campeonato Paulista Feminino: 3 (1962, 1964 e 1966)
  • Campeonato Paulista do Interior: 6 (1955, 1957, 1958, 1959, 1960 e 1974)
  • Torneio Novo Milênio de Basquete: 1 (2011)

Jogadores cedidos para a Seleção Brasileira

1º-Neves, em uma oportunidade:

  • Brasil 4×0 Paraguai; Taça Oswaldo Cruz, em 25 de julho de 1968.

2º-Doriva, em três oportunidades:

  • Brasil 4×2 Valencia-ESP; (amistoso), em 27 de abril de 1995;
  • Brasil 2×1 Israel; (amistoso), em 17 de maio de 1995;
  • Brasil 3×0 Japão; (Copa Umbro), em 6 de junho de 1995.

Sedes e estádios

Barão de Serra Negra

Piracicaba

O estádio em que o XV manda seus jogos chama-se Barão de Serra Negra, em Piracicaba, e localiza-se na Rua Silva Jardim, próximo à Rua XV de Novembro, rua essa que dá nome ao time. O estádio tem capacidade para 26.500 pessoas, mas por questões de segurança, a CBF só libera 19 mil lugares.

O jogo de inauguração do Barão, como é popularmente conhecido, foi contra o Palmeiras e terminou com o placar de 0x0.

Torcidas

Torcidas organizadas

  • Torcida Uniformizada Esquadrão
  • AR-XV
  • Super Raça XVzista
  • Torcida São Dimas (TSD-XV)
  • Torcida Unidas do XV
  • Coração XVzista
  • Metal XV

ICFUT DAS ANTIGAS – 1º JOGO DE FUTEBOL NO BRASIL FOI DISPUTADO EM SÃO PAULO NO BAIRRO DO BRÁS ENTRE FUNCIONÁRIOS DA COMPANHIA DE GÁS X CIA. FERROVIARIA SÃO PAULO RAILWAY EM 14 DE ABRIL DE 1985.

miller2Charles Miller em destaque

O primeiro jogo de futebol no Brasil foi realizados em 14 de abril de 1895 entre funcionários de empresas inglesas que atuavam em São Paulo. Os funcionários também eram de origem inglesa. Este jogo foi entre FUNCIONÁRIOS DA COMPANHIA DE GÁS X CIA. FERROVIARIA SÃO PAULO RAILWAY.

O primeiro time a se formar no Brasil foi o SÃO PAULO ATHLETIC, fundado em 13 de maio de 1888.

No início, o futebol era praticado apenas por pessoas da elite, sendo vedada a participação de negros em times de futebol.

ICFUT DAS ANTIGAS – FUTEBOL FEMININO NO BRASIL : 1º JOGO E 1º CLUBE.

Futebol feminino no Brasil
 
No Brasil, a primeira partida de futebol feminino foi realizada em 1921, em São Paulo, onde se enfrentaram os times das senhoritas de Santa Catarina e de Tramenbé – catarinenses e tremembeenses. A partida foi anunciada no jornal A Gazeta como atração curiosa das festividades de São João. Pouco tempo depois o futebol feminino chegou a ser exibido em circos, como atrações de curiosidades.
images
O Araguari Atlético Clube – de Minas Gerais – é considerado o primeiro clube do Brasil a formar um time feminino no Brasil. Em 1958, selecionou 22 meninas para um jogo beneficente em dezembro deste mesmo ano.
 
Primeiro time de Futebol Feminino do Brasil- Araguari Atletico Clube
 
 
 
 
Fonte de Persquisa: ultimadivisao.com.br, marciagomes01.blogspot.com.br

ICFUT DAS ANTIGAS – A 1º TORCIDA ORGANIZADA DO BRASIL – CHARANGA RUBRO-NEGRA

A PIONEIRA CHARANGA RUBRO-NEGRA

A Charanga que animou a torcida do Flamengo

Cumprindo promessa que fez a um amigo, Jaime de Carvalho criou a primeira torcida musical do futebol brasileiro no início dos anos 194

Rexona (Foto: Divulgação)
Remanescentes da Charanga do Flamengo: apoio musical ao Rubro Negro (Foto:Fernando Maia/Ag. O Globo)

Jaime Rodrigues de Carvalho foi um dos flamenguistas mais fanáticos da história do Rubro-Negro e pioneiro na criação de uma torcida musical.
Em 1942, esse baiano nascido em Salvador teve a ideia de levar um grupo musical para dentro de um estádio de futebol. Ele juntava assim duas de suas paixões. A maior delas, o Flamengo, e também a música. A iniciativa aconteceu na véspera da decisão do Campeonato Carioca de 1942, entre Flamengo e Fluminense. Naquele sábado, Jaime prometeu a um amigo que iria criar tal tipo de torcida. Eles ficaram até de madrugada tingindo um tecido com a inscrição “Avante, Flamengo” em vermelho e preto.
No dia seguinte, 11/10, para surpresa dos presentes nas Laranjeiras, um grupo de cerca de 15 músicos liderados por Jaime chegou ao estádio. Os músicos carregavam um trombone, duas clarinetas e mais de dez instrumentos rítmicos. Aquela turma animada e ruidosa se destacou, tocando durante toda a partida em sinal de apoio ao Fla. Afinal, naquele tempo, as torcidas somente se manifestavam de forma contida. Até aquele dia, a música como forma de torcida nunca havia entrado em um estádio, fazendo parte somente das comemorações e festividades fora do campo de jogo.
O jogo terminou empatado em 1 a 1, mas ficou marcado pela torcida musical que mudou para sempre o ambiente dos jogos de futebol no país.
Nos dias seguintes àquela final, o conhecido músico Ary Barroso, torcedor rubro-negro e então locutor de um programa na Rádio Tupi, cravou: “Me desculpem, mas isso não é banda nem aqui nem no caixa-prego. Isso é uma verdadeira charanga”, disse ele em relação à qualidade musical do grupo. Afinal, segundo o dicionário, charanga significa conjunto musical desafinado e barulhento.
Jaime de Carvalho não se incomodou e decidiu adotar o apelido. Nascia assim a Charanga do Mengão. Além da alegria, da festa e da sonoridade, a Charanga também trouxe sorte ao Mengão, já que o clube conquistou o tricampeonato carioca de 1942 a 1944.
Criado com cerca de 20 integrantes, o grupo logo cresceu e fez história. Laura, mulher de Jaime, era quem costurava as faixas e bandeiras da turma. A Charanga ficou célebre e se transformou em um símbolo do Flamengo. A ordem na Charanga era torcer sempre a favor do Fla, sendo proibido xingar e criticar os jogadores. O sucesso da Charanga foi tanto que ela acabou inspirando novas charangas de futebol pelo Brasil nas décadas de 1940 e 1950.
Curiosamente, no início a Charanga sofreu uma forte resistência no meio esportivo, justamente pelo fato de incomodar os adversários do Flamengo por conta de seu barulho e de sua tradicional desafinação. Os rivais do Mengão alegavam que a Charanga atrapalhava a concentração, já que se posicionava estrategicamente atrás do gol adversário.
Outro fato é que a Charanga do Mengão também é considerada a primeira torcida organizada do Brasil.
Por conta de todo o seu trabalho à frente da Charanga do Mengão, Jaime foi o chefe oficial da torcida brasileira nas Copas do Mundo de 1950, no Brasil; 1954 na Suíça; e 1966 na Inglaterra.
Funcionário público aposentado, ele permaneceu no comando da Charanga até o seu falecimento, em 4/5/1976, devido a um câncer. Antes disso, passou o comando para a esposa Laura, que manteria o grupo na ativa durante a década de 1980. Nessa época começaram a pipocar outros tipos de torcidas organizadas, mais numerosas e que adotaram rivalidade violenta e ligação política com as diretorias dos clubes. Isso descaracterizou o papel de torcida organizada e a Charanga do Mengão foi perdendo espaço. Como reflexo dos novos tempos o grupo acabou desalojado da arquibancada do Maracanã, indo fazer a sua festa nas cadeiras do anel inferior. Atualmente, a Charanga sobrevive graças à dedicação de integrantes para manter viva a tradição de apoio ao time.
 
Fonte:Blog Mengo 1895
Charanga-Rubro-Negra
180px-Charanga1
header_charanga2

ICFUT – DAS ANTIGAS – CONFRONTO DE BRASIL X CHILE EM COPAS DO MUNDO.

CHILE 2X4 BRASIL 1962

13 de junho de 1962
14:30
Santiago, Estádio Nacional de Chile
Árbitro: Yamasaki (Peru)
Público: 76500
Brasil 4×2 Chile
Garrincha 9′ (Brasil)
Garrincha 32′ (Brasil)
Toro 42′ (Chile)
Vavá 47′ (Brasil)
Sánchez 61′(pen) (Chile)
Vavá 78′ (Brasil)

Oitavas-de-final – 27/junho/1998
Brasil 4 x 1 Chile
Local: Parc des Princes (Paris)
Árbitro: Marc Batta (França)
Gols: César Sampaio 11, César Sampaio 26, Ronaldo (pen.) 46 do 1º tempo; Salas 23, Ronaldo 25 do 2º.
BRASIL: Taffarel; Cafu, Júnior Baiano, Aldair (Gonçalves), Roberto Carlos; Dunga, César Sampaio, Leonardo, Rivaldo; Bebeto (Denílson), Ronaldo.
CHILE: Tapia; Reyes, Margas, Fuentes; Cornejo, Ramírez (Vega), Acuña (Musrri), Sierra (Estay), Aros; Salas, Zamorano.

Ficha do jogo Brasil x ChileOitavas de Finais
Brasil 3 x 0 Chile
Data – 29/06/2010
Dia da Semana – Segunda-feira
Horário Local – 20:30h
Horário de Brasília – 15:30h
Estádio – Ellis Park
Cidade – Joanesburgo
Escalação do Brasil – Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto SIlva, Ramires, Daniel Alves e Kaká (Kleberson); Robinho (Gilberto) e Luis Fabiano (Nilmar) | Técnico – Dunga
Escalação do Chile – Bravo, Isla (Millar), Contreras (Rodrigo Tello), Jara e Fuentes; Carmona, Vidal e Beausejour; Sánchez, Suazo e Mark González (Valdivia) | Técnico – Marcelo Bielsa
Cartões amarelos – Kaká, Ramires (Brasil); Vidal, Fuentes, Millar (Chile)
Gols – 1º Tempo – Juan (Brasil), aos 34 minutos, e Luis Fabiano (Brasil), aos 37 minutos | 2º Tempo – Robinho (Brasil), aos 14 minutos
Árbitro – Howard Webb (Inglaterra)
Auxiliares – Darren Cann (Inglaterra) e Michael Mullarkey (Inglaterra)
Público – 54.096
Homem do Jogo – Robinho (Brasil)