Por Cleber Aguiar – ‘Cristiano Ronaldo não vai resolver todos os problemas’, diz técnico de Portugal

Fonte: O Estado de São Paulo

Paulo Bento se rende ao craque do Real Madrid, mas avisa que não adianta esperar que o atacante jogue sozinho

Raphael Ramos – O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – Alvo de uma brincadeira de 1.º de abril do jornal Record, que publicou que a lista de convocados para a Copa foi esquecida num guardanapo de restaurante, o técnico português Paulo Bento faz mistério sobre quem serão os 23 escolhidos. Só há uma certeza: para fazer a sua melhor campanha no Mundial, superando o terceiro lugar de 1966, Portugal depende – e muito – de Cristiano Ronaldo. Mas o treinador evita colocar tanta responsabilidade nas costas do melhor jogador do mundo. “Ninguém pode esperar que faça as coisas sozinho”, diz em entrevista ao Estado.

Paulo Bento está otimista com Portugal - Brian Snyder/Reuters

ESTADO – Portugal possui grande número de torcedores no Brasil. Como isso pode ajudar a seleção?
PAULO BENTO –
Os portugueses sentem-se em casa no Brasil, tal como os brasileiros se sentem em casa em Portugal. Isso deve-se não só à grande comunidade de portugueses e brasileiros que vivem no chamado “país irmão”, mas também porque há ligações históricas e culturais fortíssimas entre os dois povos. É normal que por isso estejamos muito entusiasmados com o apoio que acreditamos que vamos ter no Mundial, não só dos portugueses e descendentes, mas também dos brasileiros que obviamente vão torcer pela sua seleção acima de tudo, mas que por certo nos vão acolher. Já temos sentido esse carinho e esse apoio nas visitas que fizemos ao Brasil.

ESTADO – Na sua opinião, quem são as seleções favoritas ao título?
PAULO BENTO –
Num Mundial tudo pode acontecer, mas acho que pela qualidade futebolística, pela tradição e pela história, podemos afirmar que Brasil, Alemanha, Espanha e Argentina têm alguma dose de favoritismo.

ESTADO – O senhor acredita que teremos alguma inovação tática ou técnica na Copa do Mundo?
PAULO BENTO –
As equipes que estão no Mundial chegaram à competição através de um processo. Para se qualificarem, esse processo teve de ser bem-sucedido. Por isso, acho pouco provável que os técnicos mudem em pouco tempo processos que porventura estão treinados e preparados há bastante tempo. Mas como na preparação para o Mundial vamos ter entre três a quatro semanas de trabalho, o que só acontece antes da Eurocopa e da Copa do Mundo, é possível que sejam introduzidas algumas inovações ou aperfeiçoamentos táticos.

ESTADO – Na sua opinião, Neymar está no mesmo nível de Messi e Cristiano Ronaldo e poderá ser eleito o melhor jogador do mundo?
PAULO BENTO –
Essas classificações fazem mais sentido como fruto do interesse jornalístico e mediático. Os momentos de forma ditam muito o trabalho das equipes nas quais os jogadores estão integrados. Até lesões ou problemas físicos podem influir em classificações e rankings. O fundamental é que todos sabemos que o Brasil tem, com certeza, alguns dos melhores jogadores do mundo.

ESTADO – O senhor enfrentou recentemente Camarões, adversário do Brasil na Copa do Mundo. Quais foram as suas impressões sobre o time de Camarões?
PAULO BENTO –
O resultado foi muito favorável (5 a 1), mas não quer dizer que Camarões seja uma equipe menos forte. Têm valores individuais de grande qualidade e consegue criar dificuldades a qualquer adversário.

ESTADO –Portugal disputará dois jogos às 13h. O calor preocupa?
PAULO BENTO –
As condições serão iguais para as duas equipes em campo. Estou confiante que saberemos estar preparados para todas as condições que viermos a encontrar. Há locais mais quentes, mais úmidos, outros mais frescos e secos, mas, sejam quais forem as condições, temos de estar preparados para dar o máximo, estando concentrados naquilo que podemos e devemos fazer.

ESTADO – Além do senhor, mais dois treinadores portugueses estarão na Copa. O desempenho de Portugal, Grécia (Fernando Santos) e Irã (Carlos Queiroz) pode transformar os treinadores portugueses em referência mundial?
PAULO BENTO –
É um motivo de satisfação e orgulho para os portugueses que três técnicos do nosso país estejam no Mundial. Somos treinadores de gerações diferentes, com ideias diferentes, mas que demonstramos que os treinadores portugueses têm muita qualidade e são reconhecidos em todo o mundo. Espero que sejamos felizes na nossa participação.

ESTADO – Portugal enfrentou dificuldades nas Eliminatórias e se classificou apenas na repescagem. Em qual nível a seleção chegará à Copa do Mundo?
PAULO BENTO –
Espero que consigamos chegar nas melhores condições possíveis. Vamos ver como chegam os jogadores ao estágio de preparação, que começa no fim de maio. Depois vamos estabelecer um plano para que todos consigam chegar em condições ótimas à competição, tendo pelo meio três amistosos.

ESTADO – O que os torcedores podem esperar de Cristiano Ronaldo?
PAULO BENTO –
É natural que esperem muito porque ele é um jogador capaz de fazer coisas fantásticas, mas sempre tenho dito que apesar de ele ser extremamente importante para nós, não espero e ninguém pode esperar que faça as coisas sozinho. Temos de jogar como uma equipe que pode e deve aproveitar as melhores qualidade de cada um.

ESTADO – O senhor concorda com a avaliação de que o futuro de Portugal na Copa depende de Cristiano Ronaldo?
PAULO BENTO –
Repito o que disse anteriormente. Ele é muito importante para nós, mas não esperamos que resolva todos os problemas que os adversários nos vão colocar.

ESTADO – Qual é a sua expectativa para a estreia com a Alemanha, uma seleção que conta com uma das melhores gerações de sua história e está cotada para o título?
PAULO BENTO –
Vai ser um jogo muito difícil, contra umas das sempre candidatas ao título. Já jogamos contra eles no primeiro jogo da Eurocopa de 2012 e, apesar de termos perdido por 1 a 0, fizemos uma boa exibição. Esperamos repetir a boa partida, mas desejamos que o resultado não nos seja desfavorável desta vez.