ICFUT – Grêmio permite virada ao Caracas e deixa escapar a liderança do grupo

Tricolor gaúcho mantém segundo lugar, e time venezuelano, ainda de luto pela morte de Hugo Chávez, fica na cola e embola de vez a classificação.

Ainda de luto pela morte do presidente do Hugo Chávez, a Venezuela voltou a sorrir. Pelo menos por 90 minutos. Dentro do quase impraticável gramado do Estádio Olímpico, na noite desta terça-feira, o Caracas derrotou o Grêmio por 2 a 1 , de virada, e embolou a classificação do Grupo 8 da Taça Libertadores. Enquanto o Tricolor gaúcho desperdiçou a chance de assumir a liderança isolada, a equipe venezuelana encostou e manteve vivas as chances de classificação.

O time de Vanderlei Luxemburgo poderia ter alargado o placar quando vencia. Jogou fora contragolpes fulminantes, desperdiçou lances imperdoáveis. Acabou, portanto, castigado e derrotado por um time limitado, mas que jogou com o coração também para alcançar um marco: após 14 confrontos, enfim venceu um clube brasileiro na competição continental.

O resultado deixa o Grêmio ainda em segundo lugar, com seis pontos, porém ameaçado pelo próprio Caracas, com a mesma pontuação, mas saldo de gols inferior (-1 contra 4). O líder é o Fluminense, com sete. O Huachipato tem quatro e segura a lanterna. A próxima rodada ocorre nos dias 3 e 10 de abril, com Caracas x Huachipato e Grêmio x Fluminense, respectivamente. Antes, o Tricolor gaúcho volta as suas atenções ao estadual: no sábado, enfrenta o Lajeadense em seu primeiro confronto pelo Gauchão na Arena.

Por Cezar Alvarenga – Luis “Mimimi” Fabiano é expulso e reclama da arbitragem e dos jogadores argentinos por ofensas.

Fonte: UOL Esportes

Expulso após o fim da partida contra o Arsenal (ARG), Luis Fabiano mostrou-se bastante chateado. Ao deixar o vestiário, ele desabafou, se defendeu e fez uma acusação grave contra jogadores da equipe argentina, ao dizer que foi chamado de macaco por algumas vezes durante o confronto.

“Deve ter vídeos, ter algo gravado, podem ver. Eu vou me defender, dessa vez não falei nada. Cada um que tire sua conclusão. (O árbitro) Ficou sempre me intimidando, muitas vezes querendo falar que ia me tirar do jogo. Recebi várias provocações (dos rivais), me chamaram de macaquito (macaco), mas eu me contive e não ia ser idiota de depois do jogo xingar para tomar o vermelho”, reclamou o atacante são-paulino.

Assim que o árbitro Wilmar Roldán apitou o fim do empate por 1 a 1, no Pacaembu, os jogadores do São Paulo o cercaram para reclamar do pouco tempo de acréscimo dado no segundo tempo, já que os argentinos abusaram da catimba e das paralisações na etapa complementar. No meio de alguns companheiros, Luis Fabiano recebeu o vermelho e perdeu a paciência.

Reclamou ainda mais e chegou a discutir com o juiz colombiano. Só deixou o gramado quando Rogério Ceni o tirou de campo e levou para o vestiário da equipe. O goleiro, aliás, foi outro que discordou da atuação de Roldán no confronto desta quinta-feira.

“Esse árbitro não tem condições. Já tinha prejudicado a gente antes. O pênalti pode até ter pego a bola na mão, mas para dar um pênalti desse não basta ter pulso, tem que ter é muita vontade. O goleiro deles trabalhou bem, mas não fizemos um bom jogo. Até o gol, estávamos jogando bem”, afirmou o capitão.

Quem também comentou sobre o assunto foi o técnico Ney Franco. No entanto, o treinador disse que o atacante não falou com ele sobre o assunto e defendeu seu atleta.

“O meu contato com o Luis foi muito rápido. Apenas reunimos os jogadores para falar da programação de amanhã, ele não falou nada sobre isso e ninguém me falou nada sobre esse problema de racismo. O que volto a dizer é que ele apenas reclamou do acréscimo e não merecia ser expulso”, falou Ney Franco.

Opinião Pessoal: Já cansou esta estória de sempre, se o São Paulo não consegue o resultado esperado, Luis Fabiano e Rogério Ceni reclamam da arbitragem como se sempre fossem prejudicados. Ontem perderam vários chances de gol, o Cortez comete um pênalti imbecil e a culpa é do árbitro? E ainda por cima, o cara consegue ser expulso após o fim do jogo? É muito mimimi.  Parei.

Por Cezar Alvarenga – Conmebol libera Fiel e Corinthians terá torcida nos jogos em casa.

Fonte: UOL Esportes

 

Em julgamento realizado nesta quinta, a Conmebol decidiu que o Corinthians poderá jogar com portões abertos em São Paulo, mas não poderá contar com sua torcida nas partidas fora de casa durante 18 meses. Em contato com a reportagem do UOL Esporte, Luiz Felipe Santoro, advogado do clube, confirmou a informação. Além disso, o time foi multado pela entidade em R$ 391 mil (aproximadamente US$ 200 mil). O jurídico do clube promete recorrer da decisão que bane sua torcida em estádios estrangeiros durante esse período.

A reunião desta quinta foi feita por teleconferência para definir a punição do Corinthians por conta da tragédia de Oruro. O julgamento era para ter acontecido na quarta, mas um dos integrantes do Tribunal Disciplinar da Conmebol não compareceu.

O julgamento é um desdobramento da morte do jovem Kevin Beltrán Espada, de 14 anos, que morreu atingido por um sinalizador de navio atirado por torcedores corintianos que assistiam ao empate por 1 a 1 com o San Jose, na Bolívia. O clube brasileiro, no entanto, não foi denunciado pela morte, e sim pelo uso do sinalizador, infração prevista no regulamento da Libertadores.

A posse do artefato poderia até causar a expulsão do Corinthians pela Libertadores, pela letra fria do regulamento. A Conmebol, no entanto, optou por não ser tão rigorosa e adotou uma medida parecida com aquela que foi aplicada ao Vélez, na última terça.

O clube argentino recebeu uma multa e foi obrigado a atuar uma vez com portões fechados. Além disso, terá de jogar sem torcida quando for visitante até a semifinal, caso chegue tão longe na competição.

Por Cezar Alvarenga – Fluminense empata em casa com Huachipato do Chile.

Fonte: MSN Esportes

 

O Fluminense dominou o confronto, mas vacilou, cedeu o empate e ficou no 1 a 1 com o Huachipato, do Chile, nesta quarta-feira à noite, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro. Com o tropeço, o time brasileiro segue sem vencer dentro de casa na Libertadores e saiu de campo sob os gritos de “time sem vergonha” da torcida, mas está na liderança provisória do grupo 8, com um jogo a mais do que o Grêmio.

A superioridade e o número de chances criadas pelo Fluminense no primeiro tempo deu a impressão que a vitória aconteceria sem maiores dificuldades. O atacante Fred, de pênalti, abriu o placar após uma lambança do goleiro Veloso. Após o intervalo, porém, uma leve melhora do Huachipato foi suficiente para Nuñez igualar o marcador. Apesar da pressão do time carioca no final, o empate persistiu para a frustração dos pouco mais de 10 mil torcedores presentes no Engenhão. Foi o segundo tropeço do Flu em dois duelos dentro de casa na competição sul-americana, já que antes perdeu para o Grêmio.

Com o resultado, o Fluminense está na primeira colocação do grupo 8, com sete pontos em quatro jogos disputados. Mas o Tricolor carioca pode ser ultrapassado pelo Grêmio, que soma seis pontos em três partidas e visita o Caracas na próxima semana. o Huachipato, com quatro pontos, está na terceira posição, enquanto o Caracas tem três pontos.

Pela Libertadores, as duas equipes só voltam a campo daqui a cerca de um mês. No dia 4 de abril, o Fluminense enfrenta o Grêmio, em Porto Alegre, enquanto o Huachipato visita o caracas, na Venezuela, dia 3 de abril. Pelo Campeonato Carioca, o Flu encara o Audax, dia 17 de março, pela primeira rodada da Taça Rio.

O jogo – O técnico teve apenas um problema para armar o time nesta quarta-feira e fez uma mudança em relação à formação que venceu no Chile semana passada: o zagueiro Leandro Euzébio, que sentiu dores no tornozelo. Como Anderson também está machucado, o treinador escalou Digão para formar a dupla de zaga com Gum.

Com a responsabilidade de cumprir o seu papel e vencer dentro de casa, o Fluminense sufocou o Huachipato desde o início. Com boa movimentação de Thiago Neves e Jean no meio-campo e destaque para as subidas de Carlinhos pela lateral esquerda, os donos da casa criaram diversas chances.

Nos primeiros minutos, o goleiro Ney Veloso chegou a fazer boas defesas, evitando gols em chutes de Thiago Neves, duas vezes, e Jean. O camisa sete tricolor e Wellington Nem ainda tiveram outras oportunidades, mas erraram o alvo na finalização. Fechado atrás e sem força para sair nos contragolpes, o time chileno nem sequer ameaçou o goleiro Diego Cavalieri. A equipe carioca ainda chegou a ter um gol anulado, pois Gum estava em posição de impedimento após passe de Nem.

Mas se o gol do Fluminense não saia, apesar da pressão, o goleiro chileno resolveu dar um bela contribuição. Veloso furou um chute após recuou, foi pressionado, deu um chapéu em Deco, mas se atrapalhou todo e a bola voltou para o meia luso-brasileiro, que acabou sendo derrubado na área por Nuñez: lambança total de Veloso e pênalti para o Flu. Aos 30 minutos, o atacante Fred cobrou com categoria, fez 1 a 0 e quebrou um pequeno jejum de três jogos sem balançar as redes.

Em vantagem no placar, o time brasileiro diminuiu o ritmo no final do primeiro tempo. No intervalo, o Huachipato trocou o zagueiro Labrín pelo lateral Contreras, abriu mão do esquema 3-5-2 e adotou o 4-4-2, formação que havia usado no duelo no Chile.

A alteração fez os visitantes chegarem ao campo de ataque com mais frequência do que antes, apesar de o Fluminense ainda ter o domínio da partida. Wellington Nem e Fred tiveram chances, mas Nuñez também assustou Cavalieri. Bem marcado e com dificuldades para se movimentar para abrir espaços, o meia Deco foi substituído por Wagner.

Logo depois, no entanto, a animação do Huachipato na segunda etapa resultou no empate. Aos 25 minutos, após cobrança de falta na direita que ficou na barreira, Arrué pegou a bola, driblou e cruzou para Nuñez, que desta vez não desperdiçou e balançou as redes: 1 a 1.

Ciente da importância da vitória em casa, o Fluminense se lançou ao ataque e pressionou. Fred parou nas mãos do goleiro Veloso, Abel trocou o lateral Bruno pelo meia-atacante Rhayner e, à medida que o tempo passava, o apoio da torcida tricolor se trasnformava em impaciência. Diego Cavalieri ainda salvou o Flu de uma derrota após chute cruzado de Braian Rodríguez.

Com o apito final e o empate no placar, parte dos torcedores do Flu vaiaram a equipe e gritaram “time sem vergonha”, decepcionados com o segundo tropeço em dois jogos dentro de casa pela Libertadores.

FICHA TÉCNICA FLUMINENSE-BRA 1 X 1 HUACHIPATO-CHI

Local: Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 6 de março de 2013 (Quarta-feira)

Árbitro: German Delfino (Argentina)

Assistentes: Diego Bonfa (Argentina) e Gustavo Rossi (Argentina)

Cartão Amarelo: Carlinhos, Digão (Flu); Nuñez (Huachipato)

Público: 10.991 pagantes (13.678 presentes)

Renda: R$ 261.980,00

Gols: FLUMINENSE: Fred aos 30 minutos do primeiro tempo HUACHIPATO: Nuñez aos 25 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno (Rhayner), Gum, Digão e Carlinhos; Edinho, Jean, Deco (Wagner) e Thiago Neves (Samuel); Wellington Nem e Fred

Técnico: Abel Braga

HUACHIPATO: Nery Veloso, Muñoz, Labrín (Contreras) e Aceval; Yedro, Reyes, Núñez, Crovetto e Martín Rodríguez (Arrué); Braian Rodríguez e Falcone (Llanos)

Técnico: Jorge Pellicer

Por Cezar Alvarenga – Palmeiras vacila, toma gol no último minuto e perde para Tigre na Argentina.

Fonte: MSN Esportes

 

O clima não foi hostil como se temia, o estádio estava praticamente vazio, sem pressão dos torcedores locais, e o Palmeiras foi superior, especialmente no segundo tempo. Mas o time brasileiro vacilou, levou um gol aos 49 minutos do segundo tempo e perdeu do Tigre por 1 a 0, na Argentina, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores.

O Alviverde desperdiçou boas chances de marcar no final da partida diante de um Tigre mais ‘manso’ do que aquele que protagonizou cenas de violência no intervalo da decisão da Copa Sul-Americana, ano passado, contra o São Paulo, no Morumbi.

A mais clara delas com Kleber, que sozinho na área com o goleiro preferiu dar mais um drible no marcador que o perseguia. Foi desarmado. Na sequência o Tigre cavou falta, a zaga palmeirense bobeou, e Peñalba completou para o gol na última jogada antes do apito final.

Como o Sporting Cristal empatou com o Libertad por 2 a 2, fora de casa, no Paraguai, também nesta quarta, o grupo 2 agora está embolado. O Sporting Cristal tem quatro pontos contra três do Tigre e do Palmeiras, que na rodada anterior havia perdido fora de casa para o Libertad, líder do grupo, com sete pontos.

Na Libertadores o time alviverde só volta a jogar em 2 de abril, novamente contra o Tigre, desta vez no Pacaembu. Em seguida a equipe brasileira faz mais um duelo em casa, contra o Libertad, dia 11 de abril, para uma semana depois encerrar a participação na fase de grupos diante do Sporting Cristal, no Peru.

Depois de folgar pelo Campeonato Paulista no última final de semana, no próximo domingo o Palmeiras faz clássico com o São Paulo, pelo Estadual, no Morumbi.

O jogo

O Tigre começou a partida levando mais perigo, mas o Palmeiras conteve o esboço de pressão e passou a chegar com frequência no gol argentino. Kleber não alcançou passes de Valdivia, pela direita e de Vinícius, pela esquerda, mas conseguiu finalizar depois de jogada de Weldinho. O chute parou no marcador adversário.

Mas a chance de gol mais clara do primeiro tempo foi mesmo do Tigre. Aos 30 minutos Echeverría apareceu cara a cara com Fernando Prass na pequena área em sobra de escanteio, mas o goleiro foi bem e saiu com os pés para salvar o time brasileiro. Antes do fim da etapa inicial o goleiro argentino Cousillas fez sua primeira defesa em cobrança de falta rasteira de Wesley.

O segundo tempo só ganhou emoção quando o técnico Gilson Kleina mexeu no time e colocou Patrick Viera e Maikon Leite em campo. Patrick exigiu boa defesa em chute de fora da área, e Valdivia chegou muito perto de dar a vitória aos brasileiros em jogada que começou também com Patrick e terminou em cruzamento rasteiro de Márcio Araújo pela direita. Valdivia foi bloqueado na finalização. Charles, que também entrou na etapa final, ainda ‘tirou tinta’ da trave em chute rasteiro da entrada da área.

Vílson foi expulso aos 42 minutos dando início a uma sequência de lances trágicas para o clube brasileiro. Kleber perdeu gol feito logo depois, e Peñalba marcou o gol da vitória argentina no última lance da partida.

FICHA TÉCNICATIGRE-ARG 1 X 0 PALMEIRAS

Local: Estádio Monumental Victoria, em San Fernando (Argentina)

Data: 06 de março de 2013, quarta-feira

Horário: 19h45 (de Brasília)

Árbitro: Omar Ponce (do Equador)

Assistentes: Luis Alvarado e Carlos Herrera (ambos do Equador)

Cartões amarelos: Leguizamón e Galmarini (Tigre). Kleber (Palmeiras)

Cartão vermelho: Vilson (Palmeiras)

GOL: TIGRE: Peñalba, aos 49 minutos do segundo tempo

TIGRE: Cousillas; Paparatto, Echeverría e Orban; Galmarini, Ferreira, Peñalba, Rusculleda (Torassa), Botta e Matías García (Leguizamón); Santander (Lucas Janson)

Técnico: Néstor Gorosito

PALMEIRAS: Fernando Prass; Weldinho, Henrique, Mauricio Ramos e Marcelo Oliveira; Vilson, Márcio Araújo, Wesley (Patrick Vieira) e Valdivia; Vinicius (Maikon Leite) (Charles) e Kleber

Técnico: Gilson Kleina

 

Por Cezar Alvarenga – Corinthians perde para Tijuana no México e interrompe série invicta na Libertadores.

Fonte: MSN.esportes

Pouco mais de dois anos depois da trágica derrota para o Tolima, na pré-Libertadores de 2011, na Colômbia, o Corinthians voltou a perder pelo torneio sul-americano. O atual campeão do torneio não foi páreo para o Tijuana e seu estádio com gramado sintético e perdeu por 1 a 0, nesta quarta-feira, na divisa do México com os Estados Unidos. O único gol da partida foi marcado no segundo tempo por Gandolfi depois de Cássio sair mal em lançamento na área.

Com a derrota o Corinthians deixou de igualar um recorde de invencibilidade na Libertadores. O time brasileiro ficou 16 partidas sem perder. A maior sequência é do Sporting Cristal, do Peru, que na década de 1960 ficou 17 jogos invicto.

Corinthians e Tijuana voltam a se encontrar na próxima quarta-feira, no Estádio do Pacaembu. Nesta quinta deve sair uma decisão da Conmebol sobre a punição que obriga o time paulista a jogar de portões fechados, como aconteceu na segunda rodada da Libertadores, em vitória contra o Millonarios-COL.

Antes o Corinthians enfrenta o Ituano, sábado, pelo Campeonato Paulista, no Pacaembu, provavelmente com os reservas.

O Tijuana é o líder do grupo com nove pontos, 100% de aproveitamento. O Alvinegro de Parque São Jorge é o segundo, com quatro, seguido por Millonario, com três e San José-BOL, com um.

O jogo

Pouco acostumado com o gramado sintético do Estádio Caliente, o Corinthians começou o jogo sob pressão do adversário. Rapidamente, porém, a equipe visitante equilibrou a partida. Paulinho chegou a fazer dois gols, os dois anulados por impedimento.

O Tijuana também esteve bem próximo de balançar a rede, com Riascos, que saiu cara a cara com Cássio e chutou por cima e com Martínez, que só não escorou uma bola para o gol após cruzamento rasteiro porque Alessandro chegou antes e desviou para escanteio.

O Corinthians mostrou-se ainda mais ambientado ao terreno na segunda etapa, mantendo mais a posse de bola. Guerrero fez jogada individual aos 12 minutos e chutou rasteiro para boa defesa de Saucedo. Logo em seguida Cássio também espalmou bonito chute de Riascos de longe.

Os mexicanos cresceram na partida, e aos 19 Cássio já não foi tão bem em saída do gol após falta alçada na área. Gandolfi aproveitou bate-rebate na área e tocou de letra para o gol: 1 a 0. Tite tirou até Paulo André para colocar Romarinho, mas o Corinthians não evitou a derrota.

FICHA TÉCNICATIJUANA 1 X 0 CORINTHIANS

Local: estádio Caliente, em Tijuana (MEX)

Data: 6 de março de 2013, quarta-feira

Horário: 22h (de Brasília)

Árbitro: Victor Hugo Carrillo (PER)

Assistentes: Jonny Bossio (PER) e César Escano (PER)

Cartões amarelos: Alfredo Moreno, Javier Gandolfi e Pablo Aguilar (Tijuana); Paulinho, Fábio Santos e Guerrero (Corinthians)

Gol: Javier Gandolfi, aos 19 minutos do segundo tempo

TIJUANA: Cirilo Saucedo; Juan Carlos Núñez, Javier Gandolfi, Pablo Aguilar e Joshua Ábrego; Fernando Arce, Cristian Pellerano, Joe Corona e Fidel Martínez (Greg Garza); Duvier Riascos (Raúl Enríquez) e Alfredo Moreno (Richard Ruíz)

Técnico: Antonio Mohamed

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro (Edenílson), Gil, Paulo André (Romarinho) e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Renato Augusto (Douglas) e Danilo; Alexandre Pato e Guerrero

Técnico: Tite

Por Cezar Alvarenga – Jogadores do Palmeiras são ameaçados e agredidos por torcedores organizados na Argentina.

Fonte: UOL Esportes

 

Torcedores da uniformizada Mancha Alviverde agrediram atletas do Palmeiras nesta quinta-feira de manhã no aeroporto Aeroparque, em Buenos Aires. A informação foi divulgada pelo jornais Lance! e pelo argentino TN. De acordo com as publicações, oito torcedores não aceitaram a derrota do time diante do Tigre 1 a 0, na quarta-feira, na Argentina, e partiram para cima dos jogadores. O goleiro Fernando Prass se feriu na cabeça.

A confusão começou, segundo o repórter Caio Carrieri, do jornal Lance, quando integrantes da uniformizada cobraram Valdivia e Wesley no saguão antes do embarque do time para o Brasil. Com o chileno, que tomava um lanche no momento, a cobrança foi mais forte. Seguranças e jogadores tentaram intervir. Um vidro estilhaçou e fez um corte na cabeça de Prass.

Valdivia correu para o banheiro para se proteger, conforme relato. Seguranças e o zagueiro Maurício Ramos protegeram o meia, enquanto Henrique e Bruno dialogaram com os torcedores.

A reportagem do UOL Esporte entrou em contato por telefone com a polícia argentina, que confirmou que houve uma ocorrência com brasileiros no aeroporto. O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, deixou a Argentina antes do elenco e não presenciou a briga.

O Palmeiras divulgou uma nota oficial em site e disse repudir as agressões sofridas pelo elenco no aeroporto em Buenos Aires e o presidente Paulo Nobre deve se pronunciar ainda nesta quinta-feira sobre o caso.

“A diretoria da Sociedade Esportiva Palmeiras está reunida neste momento para decidir quais providências serão tomadas a respeito das agressões sofridas pelos jogadores e comissão técnica do clube, hoje de manhã, no saguão do Aeroparque Jorge Newbery, em Buenos Aires, na Argentina. O Palmeiras repudia os atos de violência, que feriram o goleiro Fernando Prass, e não reconhece como verdadeiros palmeirenses os que participaram de mais este triste episódio. O presidente Paulo Nobre classificou como ‘bandidos irracionais, e não torcedores apaixonados os participantes da selvageria’. O dirigente deve falar à imprensa, ainda hoje, em entrevista coletiva na Academia de Futebol do Palmeiras, em horário a ser divulgado posteriormente”, disse a nota.

O elenco do Palmeiras vem sofrendo com ataques de torcedores de uniformizadas. Em outubro de 2011, o volante João Vitor foi agredido na entrada do Palestra Itália. O atleta teve a camisa rasgada e enfrentou torcedores. Ninguém foi detido.

Três meses antes do incidente com João Vitor, jogadores foram ameaçados após chegarem a Porto Alegre para duelo. Na ocasião, Marcos Assunção discutiu rispidamente com um integrante de uniformizada.

O atacante Vagner Love também se envolveu em uma briga com torcedores do Palmeiras em dezembro de 2009 e posteriormente acabou deixando o clube. Já neste ano, o lateral direito Fabinho Capixaba discutiu e trocou socos com um torcedor, integrante da Mancha Verde, nos arredores do Palestra Itália.

Em 2008, o técnico Vanderlei Luxemburgo, então comandante do time, foi agredido por torcedores no aeroporto de Congonhas. Uma bomba foi encontrada em poder dos torcedores.

Derrota complica time na Libertadores

Após três rodadas, o Palmeiras soma três pontos. O problema é que time foi ultrapassado pelo Sporting Cristal-PER, que empatou por 2 a 2 com Libertad, Assunção, no Paraguai. O time peruano tem quatro pontos. O paraguaio lidera com sete. O próximo jogo de Palmeiras e Tigre na Libertadores é justamente o confronto de volta no Pacaembu, marcado apenas para o dia 2 de abril. No domingo, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista, o alviverde faz o clássico contra o São Paulo, no Morumbi.

Por Cezar Alvarenga – Flamengo perde para o Olimpia e cai para terceito do seu grupo na Libertadores.

Fonte: UOL Esportes

O Flamengo começou a quarta rodada com chances de assumir a liderança do grupo 2 da Copa Libertadores. Porém, a equipe da Gávea perdeu para o Olimpia-PAR por 3 a 2 na noite de quarta-feira e se complicou na competição. O resultado negativo consolidou o Rubro-Negro como o pior time brasileiro no torneio continental com apenas 29,8% de chance de classificação para as oitavas de final. Mesmo com cenário desanimador, o técnico Joel Santana não joga a toalha e já trava batalha contra a matemática para levar o clube ao mata-mata.

Com a derrota, o Rubro-Negro vê Lanús e Olimpia alcançarem 83% de classificação, segundo o site Chance de Gol. Os dois primeiros colocados do grupo 2 se enfrentam na próxima terça-feira, às 18h45 (horário de Brasília), na Argentina, em jogo de extrema importância para o Flamengo. Com uma vitória, dois empates e uma derrota, a equipe da Gávea tenta reverter o cenário às 22h de quarta contra o lanterna Emelec, no Equador.

“Não tem ninguém classificado. A Copa Libertadores se disputa até o final. Nós temos um jogo muito difícil contra o Emelec, no Equador. O nosso grupo é muito equilibrado. Não tem nada definido e vamos nos preparar para a próxima partida”, disparou Joel Santana. O último adversário do Flamengo na fase de grupos da Libertadores é o atual líder Lanús, no próximo dia 12.

Porém, antes de tentar reverter o quadro nada animador de apenas 29,8% de chance de classificação no torneio continental, o Flamengo tem duelo contra o Bangu, pela Taça Rio. Como a equipe jogará no domingo e a viagem para o Equador será no início da semana. O mais provável seria poupar alguns jogadores, mas Joel Santana descartou a possibilidade.

“O Flamengo não entra para fazer parte, mas para ganhar. Vencendo o Bangu, temos de jogar com o Emelec lá em cima e, depois, tem o Vasco. Poupar o quê? Não estamos ganhando nada. Não é questão de sacrifício. É um compromisso moral com o torcedor”, disse o treinador após a derrota para o Olimpia.

Por Cezar Alvarenga – Santos vence Juan Aurich na grama sintética e é vice em sua chave.

Fonte: MSN Esportes

O gramado sintético do Estádio Elias Aguirre, em Chiclayo, no Peru, não impediu que o Santos vencesse o Juan Aurich por 3 a 1 na noite desta quinta-feira e assumisse a segunda colocação do Grupo 1 da Libertadores. Fucile, Paulo Henrique Ganso e Borges marcaram os gols do time brasileiro, que saiu perdendo, jogando mal, mas se recuperou e conseguiu a virada de forma convincente.

Neymar não foi brilhante como na partida anterior da Libertadores, quando fez três gols no Internacional, mas participou ativamente do jogo. Até tentou dar um drible de carretilha, mas preferiu cavar a falta a completá-lo. O melhor santista, desta vez, foi mesmo Ganso, que fez um gol e deu uma assistência.

O resultado fez o Santos chegar aos mesmos seis pontos que já tinham Internacional e The Strongest (Bolívia). O time santista fica atrás dos gaúchos porque tem pior saldo de gols: cinco a três. Os peruanos, que não pontuaram ainda, seguem na lanterna.

O JOGO

O Santos demorou para achar a melhor forma de jogar no gramado artificial. Enquanto os jogadores de linha tentavam se entender no piso diferente, Rafael não teve tempo de adaptação. Logo teve que trabalhar. Aos 5 minutos, ele defendeu em dois tempos cobrança de falta de Valencia. No lance seguinte, espalmou chute forte de Tejada.

Aos 14, Rafael não teve o que fazer. Tejada recebeu na área, girou fácil sobre Durval e bateu firme, sem a menor chance de defesa para o goleiro alvinegro. O gol adversário não intimidou o Santos, que começava a se encontrar no jogo. O empate veio aos 35, depois que Juan cruzou, Borges não alcançou, e Fucile pegou a sobra para marcar o seu primeiro gol com a camisa do Santos.

A virada sairia ainda no primeiro tempo, com Ganso. O meia bateu falta pela esquerda do ataque, tirando da barreira, e colocou rente à trave direita. O goleiro Penny, parecendo temer trombar com o poste, aceitou. Ganso só havia feito um gol na temporada até então.

Inspirado, o meia quase fez o terceiro no começo do segundo tempo. E seria o ‘gol que Pelé não fez’. Penny saiu jogando errado e a bola caiu para Ganso. O santista arriscou do meio de campo, sem goleiro, mas mandou por cima.

O jogo já parecia na mão dos Santos quando Guadalupe recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso, aos 12 minutos. Aí tudo ficou ainda mais fácil. Até Borges encerrou a má fase. Ganso fez o que se espera dele, deu bela assistência de primeira, o atacante bateu na saída do goleiro e fez apenas o segundo gol dele no ano.

Nos minutos finais, Neymar decidiu aparecer. Quase deu um drible lindo de carretilha: chegou a encobrir o marcador, mas foi para o choque e caiu pedindo falta – o árbitro nada marcou. Aos 41, ele fez jogada individual na área e carimbou o travessão peruano.

FICHA TÉCNICA:

JUAN AURICH 1 X 3 SANTOS

JUAN AURICH – Penny; Guizasola, Guadalupe, Fleitas e Valência; Rojas, Quina, Cueto (Contreras) e Kahn; Zuñiga e Tejada. Técnico – Diego Umaña.

SANTOS – Rafael; Fucile, Durval, Edu Dracena e Juan; Henrique, Arouca, Ibson (Adriano) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges (Alan Kardec). Técnico – Muricy Ramalho.

GOLS – Tejada, aos 14, Fucile, aos 35, e Paulo Henrique Ganso, aos 39 minutos do primeiro tempo; Borges, aos 23 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Roberto Silvera (Uruguai)

CARTÕES AMARELOS – Guizasola, Fleitas, Valencia, Quina, Contreras, Fucile, Juan e Henrique.

RENDA E PÚBLICO – Não disponíveis.

LOCAL – Estádio Elias Aguirre, em Chiclayo, no Peru.