HUMOR ICFUT – STAND UP – Copa do Mundo (Jonathan Nemer)

A Copa do Mundo parou o Brasil. Uns foram contra, outros a favor. Mas quando o assunto é STAND UP, é UNANIME… TODO MUNDO É A FAVOR DE DAR RISADA. Assista este Stand Up sobre Copa do Mundo e se divirta. Deixe um like no vídeo, e se ainda não é inscrito, corra e se inscreva no canal. Toda semana um vídeo novo pra você. Siga no instagram: @JonathanNemer Curta: Facebook.com/JonathanNemer

Anúncios

ICFUT – DAS ANTIGAS : Pequena Taça Do Mundo (Venezuela) – 1953/54

Fonte: Portal Uol

A Pequena Taça do Mundo de 1954 foi a terceira edição do torneio a ser realizada e foi disputada entre os meses de julho e agosto de 1953, mas é referente ao ano de 1954, como fica evidente nos fatos de já ter sido disputado uma edição do campeonato em 1953 (vencida pelo clube colombiano Millonarios) e de não ter sido disputada no ano seguinte, o único ano em que não foi disputada (porque já o havia sido no ano anterior). Com a condição de campeão nacional (já que o Rio-São Paulo, ganho pelo clube em 1953, era o campeonato mais importante do país à época e que reunia os melhores times nacionais, dando status ao vencedor), o Corinthians é convidado a participar do torneio. Considerado uma grande zebra pelos participantes, o alvinegro, pouco conhecido internacionalmente, provou que tinha uma das melhores equipes da época, ganhando o título com 100% de aproveitamento (6 vitórias em 6 jogos).

Participantes – 4

Anfitrião – Venezuela

Período – 11 de julho de 1953 – 2 de agosto de 1953

Gols – 40

Campeão – Corinthians

Vice-Campeão – Roma

Melhor Marcador – Luizinho (Corinthians)
(5 Gols)


Participantes:

Corinthians – Campeão Paulista de 1952 e campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1953

Barcelona – Campeão Espanhol de 1952 e 1953 e campeão da Copa Latina de 1952

Roma – Desconhecido

Caracas XI – Time anfitrião

Fórmula de disputa

Os 4 participantes jogaram em grupo único, todos contra todos, em turno e returno. O time que marcou mais pontos ao final do campeonato é declarado campeão.

Jogos: 6

Vitórias: 6

Empates: 0

Derrotas: 0

Por J. Edmar–COPA DO MUNDO: BRASIL – 4X1 – CAMARÕES

BRASIL – 4X1 – CAMARÕES

LOCAL – ARENA MANÉ GARRINCHA/DF

DATA – 23/06/2014

GOLS – Neymar (2)

Fredi

Fernandinho.

Pois é…

Acho que a Seleção do Brasil deu uma bela duma calada de boca nos derrotistas e oportunistas de plantão pois não só ganhou como, também, goleou!

Fez 4×1 com uma facilidade tão espantosa que, acredito, se não fosse o tal do “respeito ao adversário”, caberia, ainda, mais uns 3 ou quatro outros gols…

E a Seleção vai avançando!

E as fétidas bocarras dos “formadores de opiniões” vão se fechando automaticamente…

Não podemos, (como brasileiros e amantes do futebol), colaborar com os “gringos” que vêm nos visitar e, (acho), imaginando-se com direitos à amizade e à hospitalidade, nos tripudiam, nos zoam e nos desprezam…

Será que já não nos basta o exemplo (manjado) de uma certa torcidinha, de um certo time localizado num certo bairro de São Paulo que torce para um time de colônia estrangeira?

Nem é necessário que se diga o nome deste time e desta torcida pois todos, em nosso País, sabem que estou falando de um time que “vende o almoço pra poder comprar a janta”, que é o único clube brasileiro a ostentar em suas galerias o “POMPOSO”, o “FENOMENAL”, o “COBIÇADO”, o “DISPUTADÍSSIMO” troféu de “BI-CAMPEÃO DA SEGUNDA DIVISÃO…

Não se pode zoar um futebol Penta-Campeão Mundial…

Não se pode, por pretextos bairrísticos, por idiotices regionalistas, por interesses venais, tripudiar em cima da nossa Seleção!

Temos que deixar isso para os gringos que, por não nos igualarem, nos tripudiam.

O tanto que a nossa mídia esportiva badalou e encheu a bola da Espanha, não está escrito e o que foi que “eles” fizeram?

Saíram, eliminados, nas três primeiras partidas!

E a Inglaterra?

E a Itália?

E Portugal?

E por aí a fora!

E por que não falar, também, de um tal de “Luizito” Soares que se esqueceu de jogar bola e resolver partir para o canibalismo?

E a mídia esportiva brasileira ainda me vem badalar estes idiotas?

Dá-lhes, Brasil!!!

1.

A nossa Seleção calou (novamente),

Uma certa “súcia” de corneteiros;

Um número (diminuto) de maus brasileiros,

Que vive criticando sua atuação…

Um bando (babão), que vive a buscar,

“Possíveis” falhas, só pra criticar

E dizer, depois, que tinha razão!

2.

Foi assim no jogo contra os Mexicanos

(Já tinha sido assim contra a Croácia);

“Eles” usam tantos chavões e falácia,

Tentando confundir os mal informados…

Prevalecem-se de tudo, fazem “auê”,

Criticam sem nem mesmo saber por quê,

Um belo bando de maus intencionados!

3.

A vitória do Brasil foi tão “maiúscula”,

Que nem há como discutir o mérito;

Os comentários venais são pretéritos,

São, todos, águas podres, passadas…

O que assistimos já nos compensou

Pois um monte de gringos já chorou,

Tendo as suas seleções eliminadas!

4.

Itália, Espanha, Inglaterra…

(Seleções pra lá de badaladas)

Já se encontram, (tarde), eliminadas

E não vão disputar a final…

E já tem outras no mesmo rumo,

Desconectadas, perdendo o prumo

E, entres estas, está Portugal!

5.

Paralelo a tudo isso, nossa gente,

Segue assistindo belas exibições;

(Vibrando com nossos Pentacampeões,

Aguardando outra safra de choradeiras)…

Quanto esta Copa do Mundo terminar

Somente uma torcida irá comemorar

E será, com certeza, a BRASILEIRA!

RÚSSIA EMPATA COM COREIA EM JOGO COM FRANGO E “DÉJÀ VU” PARA CAPELLO

Com pouca emoção nos primeiros 60 minutos, equipes ficam no 1 a 1 com gols de dois atletas que saíram do banco de reservas para animar o jogo.

Parecia que a emoção não passaria perto da Arena Pantanal. Foi um primeiro tempo morno, até com muitos passes, mas pouca precisão. Quando a torcida começava a silenciar, se deixando levar pela pouca emoção, dois personagens improváveis trataram de lembrar que aquela era sim uma estreia de Copa do Mundo. Com o maior frango do Mundial de 2014, até o momento, e a estrela de um reserva, Rússia e Coreia empataram por 1 a 1 pela primeira rodada do Grupo H, em Cuiabá. Os gols foram marcados por Lee Keun Ho e Aleksandr Kerzhakov.

No banco, Fabio Capello não parecia gostar do que via. Se no primeiro tempo pouco gesticulou, no segundo estava mais incomodado, com as mãos todo o tempo na cintura. Para ele, aquilo parecia um filme repetido. Na Copa de 2010, o italiano comandava a seleção inglesa e também viu sua equipe empatar com os Estados Unidos. Naquela ocasião, também houve uma falha, mas do goleiro Green.

O veterano Kerzhakov mostrou que experiência, de fato, faz diferença. Único do time a ter disputado uma Copa anteriormente (em 2002), ele teve a frieza de marcar o gol de sua equipe logo depois de entrar em campo, quando sua equipe perdia. Além de ficar mais perto de ser o maior goleador da Rússia (sem contar o período soviético), ele deu ânimo ao abatido companheiro Akinfeev. O goleiro havia falhado feio no gol sul-coreano.

Pelo Grupo H, a Bélgica venceu a Argélia, por 2 a 1, nesta terça-feira. Com esses resultados, os belgas lideram a chave com três pontos. Russos e sul-coreanos estão empatados na segunda colocação. Na segunda rodada, a Rússia enfrenta a Bélgica no Maracanã,

enquanto a Coreia do Sul encara a Argélia, em Porto Alegre. Os dois jogos serão no próximo domingo.

Igor Akinfeev frango goleiro Rússia x Coreia (Foto: Getty Images)

Primeiro tempo morno na Arena Pantanal

Muitas trocas de passes e pouca precisão. Russos e sul-coreanos demoraram para criar boas oportunidades de gol. Jogando de formas bem parecidas, as duas seleções iam ao ataque através de triangulações, mas falhavam no último passe. O jogo estava morno e a torcida até começou a perder o ânimo.

As melhores chances só apareceram depois de meia hora de bola rolando. Aos 31 minutos, o zagueiro russo Ignashevich apareceu no ataque chutando forte. Jung então fez uma bonita defesa de peito. No lance seguinte, outra boa chance para os europeus. Desta vez, o jovem Kokorin puxou contra-ataque e encontrou Zhirkov pela esquerda. O meia, no entanto, mandou para fora. Apesar das falhas no ataque, os times marcavam bem.

As jogadas de perigo da Rússia acordaram o time do técnico Hong Myung Bo, que respondeu de imediato. Koo roubou a bola da intermediária e chutou com muita força. Para sorte russa, a bola desviou e saiu pela linha de fundo. Aos 38 minutos, o destaque coreano Son Heung Min ainda perdeu uma grande chance. Livre de marcação na área, ele puxou para a perna direita e soltou uma bomba que foi parar na arquibancada.

Andrei Yeshchenko jogo Russia x Coreia (Foto: AFP)

Etapa final segue ritmo sonolento até o primeiro gol

O primeiro tempo sonolento influenciou até os treinadores. Capello e Hong Myung Bo assistiram ao início da etapa complementar sentados no banco de reservas. Logo no primeiro minuto, no entanto, parecia que a partida ganharia um ânimo extra. Kombarov cobrou escanteio para os russos e o zagueiro Berezutski cabeceou, sem marcação, perto da trave. Mas só parecia.

Fabio Capello no jogo Russia x Coreia (Foto: Getty Images)Capello mostra insatisfação (Foto: Getty Images)

Os russos e coreanos que viajaram até o Brasil para a Copa do Mundo cantavam. Palavras de incentivo que não animavam mais a maioria brasileira que foi à Arena Pantanal. Os espectadores de verde e amarelo preferiam apenas cantar o tradicional grito: ”Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”.

Conforme o tempo passava, mais jogadas de perigo iam aparecendo. Perto dos 15 minutos, a Coreia teve uma boa chance em uma falta na entrada da área. Kim chutou uma bomba e o goleiro Akinfeev deu rebote, mas recuperou. O time coreano aparecia melhor no ataque. A Rússia respondeu com um chute forte de Kombarov, que arriscava mais de longe.

Goleiro russo engole frango, e goleador Kerzhakov aparece

Para os dois lados, faltava um diferencial. Alguém que driblasse. E não por acaso o gol saiu através de uma falha clara do goleiro Akinfeev. Aos 22, Lee Keun Ho, que entrou na segunda etapa, arriscou de longe pela direita, o russo tentou segurar, mas a bola escapou. Graças ao maior frango da Copa até então, a Coreia abriu o marcador.

O jogo, enfim, ficou movimentado. E a estrela do experiente treinador Fabio Capello apareceu. O atacante Kerzhakov, que havia acabado de entrar em campo empatou o jogo. Após a tentativa de Dzagoev, o goleiro Jung espalmou, a zaga não conseguiu afastar e a bola sobrou no pé do artilheiro que, em posição duvidosa, mandou para o fundo da rede, aos 28 minutos. Com isso, ele está a um gol de se tornar o maior goleador da seleção russa (sem contar o período soviético).

Por mais uns dez minutos, as equipes tentaram correr atrás do gol da vitória, mas sem muito sucesso nas finalizações. Aparentemente, russos e coreanos se conformaram com o empate na estreia, especialmente a equipe asiática. Os anfitriões da Copa de 2018 ainda se arriscaram um pouco em jogadas de linha de fundo sem conseguir, porém, serem realmente efetivos para evitar a igualdade.

Fonte: Globo Esporte

Ochoa para o Brasil e Seleção fica no empate com o México

Brasil x México - Ochoa (Foto:Yuri Cortez/AFP)

Ochoa defende a cabeçada de Neymar no primeiro tempo (Foto:Yuri Cortez/AFP)

Faltou combinar com Ochoa… O goleiro mexicano parou Neymar em duas grandes chances – e ainda fez um milagre em cabeçada de Thiago Silva – e foi o grande “responsável” pelo primeiro tropeço da Seleção na Copa do Mundo de 2014. No Castelão, em Fortaleza, a torcida fez festa, mas Brasil e México ficaram no 0 a 0 nesta terça-feira.

As duas torcidas chegaram cedo, cantaram, “duelaram” nas ruas e nas arquibancadas, mas viram um jogo fraco. O Brasil, sem Hulk e com Ramires, mostrou algumas deficiências do jogo contra a Croácia, quando ganhou por 3 a 1. E o pior: desta vez, sem os gols e nem o pênalti mal marcado pelo árbitro Yuichi Nishimura, que resultou na virada da Seleção sobre os europeus.

O empate desta terça quebrou uma grande sequência de Felipão na Seleção Brasileira: o técnico tinha oito vitórias em oito jogos oficiais pela Seleção. Agora, são oito triunfos e um empate.

Sem Hulk, Ramires não conseguiu fazer a mesma função do atacante. O Brasil perdeu força ofensiva. Na parte defensiva, também não mudou muita coisa. O México sonhou com um contra-ataque que não veio e resolveu chutar de fora da área. Até assustou Julio Cesar, mas não teve nenhuma grande finalização.

O Brasil chegou na bola aérea. Em bom lance tramado no ataque, Neymar recebeu cruzamento, subiu mais que Rafa Marquez e cabeceou para o milagre de Ochoa. Logo depois, Paulinho recebeu passe de peito de Thiago Silva e também parou no goleiro.

No intervalo, Felipão resolveu colocar Bernard na vaga de Ramires. O time teve um (pequeno) aumento da produção ofensiva. O camisa 20 chegou com força logo em sua primeira jogada e criou perigo. Depois, o Brasil ficou com a bola, mas faltou criar.

Neymar, o que mais “pensa”, teve outra chance. Recebeu na área, cortou o zagueiro e Ochoa fez outra grande defesa, desta vez com o peito, em chute do brasileiro.

O jogo voltou a ficar chato, a torcida mexicana fez festa e foi o “destaque”. Na parte final do jogo, aos 40 minutos, Thiago Silva teve outra grande chance de fazer. Mas Ochoa parou o Brasil de novo. Depois, os mexicanos também assustaram.

Neymar tentou pedir a bola, mas sozinho não conseguiu fazer muito. Faltou pensar. Faltou jogar…

Com o resultado, o Brasil se mantém como o líder do Grupo A com quatro pontos, a mesma pontuação do México, mas ganha no saldo de gols (2 contra 1). Vale lembrar que, na estreia, os mexicanos venceram por 1 a 0, mas tiveram dois gols mal anulados e poderiam estar na primeira colocação. Croácia e Camarões se enfrentam nesta quarta e não têm nenhum ponto.

O Grupo A será decidido na próxima segunda-feira. A Seleção pegará o Camarões, em Brasília, às 17h. No mesmo horário, terá México e Croácia.

FICHA TÉCNICA:
BRASIL 0 x 0 MÉXICO

Local: Castelão, em Fortaleza (CE)
Data/Horário: 17/6/2014, às 16h
Árbitro: Cuneyt Cakir (TUR)
Assistentes: Bahattin Duran (TUR) e Tarik Ongun (TUR)
Renda e público: não disponíveis
Cartões amarelos: Ramires, Thiago Silva (BRA); Aguilar, Vázquez (MEX)

BRASIL: Julio Cesar, Daniel Alves, Thiago Alves, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho, Ramires (Bernard – Intervalo) e Oscar (Willian – 38’/2ºT); Neymar e Fred (Jô – 22’/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

MÉXICO: Ochoa, Rodríguez, Rafa Márquez e Moreno; Aguilar, Vázquez, Herrera (Fabián – 31’/2ºT), Guardado e Layun; Giovani dos Santos (Jiménez – 38’/2ºT) e Peralta (Chicharito Hernández/28’2ºT). Técnico: Miguel Herrera.

Fonte: LANCE!

ICFUT – LINKS AO VIVO DE FUTEBOL

linksaovivo

Vídeo

==========

http://www.rojadirecta.me/

http://atdhe.tv/

http://www.livesoccertv.com/

http://tvbola.org/

http://www.aovivo.br.com/

http://www.aovivo.br.com/

http://www.tvgolonline.me/

http://www.tvfutebol.tv/

http://www.assistirtv.tv/tv-online-gratis-justin-tv-futebol-ao-vivo-pfc.html

http://www.vertvgratis.eu/futebol-ao-vivo/

Áudio

==========

Rádios de São Paulo

http://radio.estadao.com.br/player/

http://cbn.globoradio.globo.com/Player/playerAoVivoSP.htm

http://radiobandeirantes.com.br/

http://playersradios.band.com.br/?r=rb_bandnewsfm_sao

http://transanet.telium.com.br/player.php#

Rádio de Santos

http://www.radiocultura.com.br/am/ronline.htm

Rádio – Gaúcha

 
Rádio –  Cuiabá

http://aovivoagora.com/AoVivo/radio-cbn-cuiaba-590-am-cuiaba-mato-grosso/#

Rádio –  Goiânia

http://player.globoradio.globo.com/MusicCenter/0,,8476,00.html

Rádio –  Belo Horizonte

http://cbn.globoradio.globo.com/Player/playerAoVivoBH.htm

Rádio –  Rio de Janeiro

http://radioglobo.globoradio.globo.com/estudiorg/estudiorg.htm?praca=RJ&id=0

Rádio – Brasília

http://www.esportesbrasilia.com.br/

Rádio – Natal
http://www.guiademidia.com.br/acessar-site-da-radio.htm?

Rádio – Recife

http://87fmnatal.com.brhttp://www.cbnrecife.com/aovivo/

Rádio – Salvador

http://www.cbnsalvador.com.br/

Rádio – Curitiba

http://www.guiademidia.com.br/ouvir/pr/radio-transamerica-fm-100-3-curitiba.htm

Rádio – Fortaleza

http://radioglobofortaleza.com.br/player_globoam/index.php#

Rádio – Florianopolis

http://www.radioguaruja.com.br/

Radio – Manaus

http://www.radios.redecol.com.br/2012/06/ouvir-radio-cbn-915-de-manaus-ao-vivo-e.html

ICFUT – DAS ANTIGAS – Copa do Mundo FIFA de 1934

poster1934A Copa do Mundo de 1934 foi a primeira na qual os países tiveram que se classificar na disputa das Eliminatórias para poder participar. Dessa vez, a maioria esmagadora das nações era do continente Europeu.

O Mundial de 1934 como o de 1938 teve interesses políticos em jogo: o regime fascista subjugava a Itália, e o ditador Benito Mussolini planejou transformar o evento numa espécie de propaganda pró-regime.

A influência indiscutível de Mussolini se impôs em diversos aspectos, como por exemplo a escolha pré-determinada de árbitros “suspeitos” nas partidas da anfitriã Itália. O sueco Ivan Eklind, que apitou a semifinal e a final, teria se encontrado com Mussolini antes das partidas. Misteriosamente, decisões polêmicas foram tomadas, sempre em favor da Itália ( expulsões e gols anulados de adversário.)

Alguns árbitros influenciaram tanto nos resultados da Itália que foram expulsos por suas pátrias após o torneio, caso do suíço René Mercet e do belga Louis Baert.

Duas peculiaridades marcaram a Copa do Mundo de 1934: O defensor do título, Uruguai, recusou o convite para participar, num boicote aos europeus por terem ignorado a edição anterior, em 1930 (Apenas 4 seleções européias participaram do torneio: Bélgica, França, Iugoslávia e Romênia), tornando-se assim o único defensor de título que não competiu no torneio seguinte. Além disso, a anfitriã Itália teve que passar pelas Eliminatórias, na única ocasião em que um país-sede precisou disputar Eliminatórias.

O modelo do mundial aconteceu em estilo “mata-mata”, composto por 5 fases com os confrontos das oitavas definidos por sorteio: Oitavas, Quartas, Semifinal, Disputa do 3º Lugar (ausente em 1930) e Final. Participaram doze seleções européias: Áustria, Tchecoslováquia, Alemanha, Hungria, Itália, Espanha, Suécia, Suíça, França, Romênia, Bélgica e Holanda; Duas sul-americanas: Brasil e Argentina; Uma norte-centro-americana: Estados Unidos e uma africana: Egito.

A maior goleada da Copa ocorreu logo na primeira fase, Itália 7×1 Estados Unidos. O Brasil, outra vez desfalcado devido às eternas brigas entre cariocas e paulistas, deu vexame: Perdeu por 3 x 1 da Espanha e voltou para casa. Outra decepção foi a Argentina, vice-campeã do mundo, que foi eliminada pela Suécia por 3 x 2. As grandes forças Mundial de 1934 eram a Itália, a Espanha, a Hungria e a Tchecoslováquia.

O primeiro jogo-desempate da história das Copas foi entre Itália e Espanha. No primeiro jogo, empate em 1 x 1 após a prorrogação (neste tempo ainda não havia disputa por pênaltis). No desempate, deu Itália: 1 x 0. Nas semifinais, em Milão a Itália venceu a Áustria por 1×0 e em Roma a Tchecoslováquia bateu a Alemanha por 3 x 1. Na Disputa pelo 3º lugar a Alemanha venceu a Áustria por 3×2.

1934 ITALIA

A final foi disputada no Estádio Nacional do PNF (Partido Nacional Fascista), sob presença do imponente Mussolini e de outros 50 mil espectadores. A Itália empatou o jogo com a Tchecoslováquia no tempo normal, e na prorrogação Angelo Schiavio fez o gol do título italiano: 2×1.

ICFUT – DAS ANTIGAS – Copa do Mundo FIFA de 1930 – URUGUAI CAMPEÃO

copa-1930-uruguai-posterA Copa do Mundo FIFA de 1930 foi a primeira edição da Copa do Mundo de Futebol. Sediada no Uruguai, a competição ocorreu entre 13 e 30 de julho envolvendo treze seleções. Todas as partidas foram disputadas na capital Montevidéu, a maioria no Estádio Centenário, que foi construído especialmente para o torneio. A FIFA escolheu o Uruguai como país sede numa conferência em Barcelona em 18 de maio de 1929 pois o país celebraria o centenário de sua independência e a Seleção Uruguaia vinha de dois títulos olímpicos.

Não houve eliminatórias e apenas treze nações se inscreveram: sete da América do Sul, quatro da Europa e duas da América do Norte. Poucas equipes europeias decidiram participar por causa dos custos e da duração da viagem. Uma briga entre cartolas paulistas e cariocas impediu que a seleção brasileira levasse sua força máxima ao Mundial. Um único paulista, Araken, integrou a delegação.

As duas primeiras partidas da história da Copa do Mundo ocorreram simultaneamente e foram vencidas pela França e pelos Estados Unidos, que bateram respectivamente o México por 4 a 1 e a Bélgica por 3 a 0. O primeiro gol das Copas foi marcado por Lucien Laurent da França. Na final, o país-sede e favorito Uruguai bateu a Argentina por 4 a 2 em frente a uma torcida de 93.000 pessoas e se tornou a primeira nação a vencer uma Copa do Mundo.

Origens

Em 1914 a FIFA concordou em reconhecer o torneio olímpico de futebol como um “campeonato mundial de futebol para amadores”,1 e tomou a responsabilidade por comandar o evento nas próximas três Olimpíadas: de 1920 a 1928 (Nos Jogos Olímpicos de 1908 e nos de 1912 as competições futebolísticas foram organizadas pela The Football Association e pela Svenska Fotbollförbundet respectivamente).

Nos Jogos Olímpicos de 1932, realizados em Los Angeles, não havia o futebol no programa de competições por causa da baixa popularidade do esporte nos Estados Unidos, uma vez que era o futebol americano que crescia em popularidade. A FIFA e o Comitê Olímpico Internacional também divergiram na questão dos jogadores amadores e assim o futebol foi excluído dos jogos.2 Em 26 de maio de 1928, na conferência de Amsterdã e dia de abertura do torneio olímpico de futebol, o presidente da FIFA Jules Rimet anunciou planos de criar um torneio distinto das Olimpíadas, aberto a todos os membros da FIFA. Itália, Suécia, Países Baixos, Espanha e Uruguai se inscreveriam para sede do evento.1 3

Eliminatórias

Todos os países afiliados à FIFA foram convidados a competir. 28 de fevereiro de 1930 foi a data estabelecida para que os times se registrassem para o torneio no Uruguai. Brasil, Argentina, Peru, Paraguai, Chile, Bolívia, Estados Unidos e México se inscreveram a tempo, mas a data se passou sem que uma nação do outro lado do Oceano Atlântico se inscrevesse. Uma vez que viagens trans-atlânticas eram longas e caras, poucas equipes européias se interessaram o bastante para competir. A Asociación Uruguaya de Fútbol chegou a mandar uma carta à Football Association (à época ainda não filiada à FIFA). O convite foi declinado pelo comitê da FA em 18 de novembro de 1929 [1]; até dois meses antes do início do torneio, nenhuma seleção européia tinha oficialmente se inscrito.4 O presidente da FIFA Jules Rimet interveio, junto com o governo uruguaio, prometendo custear as despesas de viagem de qualquer equipe européia.

Quatro times europeus acabaram viajando: Bélgica, França, Romênia e Iugoslávia. Os romenos (que perderam para a Iugoslávia um mês antes da competição mas venceriam a Copa dos Balcãs em 1931), dirigidos por Constantin Radulescu e treinados pelo capitão Rudolf Wetzer e Octav Luchide, embarcaram o SS Conte Verde em Gênova. Os franceses embarcaram em Villefranche-sur-Mer em 21 de junho de 1930 [2]; e os belgas embarcaram em Barcelona.5 O Conte Verde seria o mesmo barco pelo qual viria Jules Rimet, a taça e três árbitros europeus: os belgas Jean Langenus e Henri Christophe além de Thomas Balvay, um parisiense de possível origem inglesa. O Brasil pegou o mesmo barco quando este atracou no Rio de Janeiro em 29 de junho de 1930 antes que ele chegasse ao Uruguai em 4 de julho de 1930.4 Foi no Rio que Balway soube que sua esposa havia morrido na França. Os iugoslavos viajaram no navio correio “Florida” partindo de Marselha.

Índice

FINAL

A final marcou o reencontro entre os finalistas dos Jogos Olímpicos de 1928, Uruguai e Argentina. Uma vez que a disputa do terceiro lugar não se estabeleceu até a Copa seguinte, a Copa de 1930 é única no fato em que não ocorreram partidas entre as semifinais e a final. Porém, algumas fontes, notadamente um Boletim da FIFA de 1984, afirmam que houve sim uma partida do terceiro lugar e que foi vencida por 3 a 1 pela Iugoslávia.13 Essa informação nunca foi oficialmente confirmada.

A final foi disputada no Estádio Centenário em 30 de julho. Os portões do estádio foram abertos às oito da manhã, seis horas antes do pontapé inicial, e ao meio-dia os lugares estavam tomados, oficialmente comportando 93.000 pessoas.14 Antes do início da partida ocorreu uma discordância em relação a bola que seria usada na partida, forçando a FIFA a interferir decretando que a bola argentina seria usada no primeiro tempo e uma uruguaia no segundo.3 O jogo acabou 4 a 2 para os uruguaios (que perdiam de 2 a 1 no intervalo) que adicionaram ao seu palmarés o título de campeões do mundo, assim que Jules Rimet os presenteou com a Copa do Mundo, que seria depois nomeada em sua homenagem. O dia seguinte à partida foi declarado feriado nacional no Uruguai;14 em Buenos Aires arruaceiros jogaram pedras no consulado uruguaio.

O argentino Francisco Varallo, que era o último sobrevivente dentre os que atuaram na final, faleceu em 31 de agosto de 2010, aos 100 anos de idade.

França, Iugoslávia e Estados Unidos jogariam amistosos na América do Sul após a competição. O Brasil enfrentaria a França em 1 de agosto, a Iugoslávia em 10 de agosto e os Estados Unidos em 17 de agosto [4], enquanto a Argentina recebeu a Iugoslávia em 3 de agosto [5]. Todas as copas tem os mesmos efeitos de jogos das eliminações, a escolha do país da copa e os países que irão participar desse tipo de comemoração esportiva.

Fonte: Wikipédia