ICFUT – LIBERTADORES, Igualdade e Fraternidade: povo brasileiro e Corinthians, destino em comum!

 

401359_325965650773519_1061939254_n

Por César de Souza

Não há dúvidas de que o Corinthians é o time do povo humilde. Mesmo o mais desinformado sobre futebol sabe disso. Não é preciso nenhum estudo ou pesquisa para constatar. Basta ver sua torcida, tanto nos estádios quanto nas ruas. A questão nem é nem essa. O interessante é como seu destino amarrado com o destino do povo brasileiro. Sim, porque as conquistas para os corintianos vêm depois assim como a melhoria na qualidade de vida do povo humilde. Recentemente isso até virou munição para os chamado “anti-corintianos”, ou simplesmente “antis”. Palmeirenses, são-paulinos e santistas gostam de dizer que são mesmo “antis” porque ganharam títulos importantes “antis” dos corintianos.

Mas é assim também acontece com o povo brasileiro. Melhorias na qualidade de vida, como saneamento básico, educação, emprego, acesso à universidade foram acessíveis primeiro para as classes mais altas e depois para as classes mais baixas. Assim como as conquistas do Corinthians nesses últimos 35 anos.

Em 1977, o Corinthians amargava 23 anos na “fila”, sem ter ganhado um título sequer. Sempre muito perto de uma conquista, acabava frustrado, muitas vezes na final, como em 1976. A agonia acabou em 1977 quando o Corinthians foi campeão do Paulistão, calando a boca dos adversários que tanto nos importunavam. De lá pra cá, foi um dos clubes mais vitoriosos do Brasil, mantendo inclusive a hegemonia de maior vencedor de Campeonatos Paulistas!

Nos anos 80, o Campeonato Brasileiro tomava o posto de maior desejo dos clubes e o Corinthians nunca havia ganhado. Até o Sport Club do Recife se gabava de seu êxito em 1987 (mesmo que pela metade, rachado com o Flamengo) menos o Corinthians. Mas em 1990 o Corinthians vence o Campeonato Brasileiro e de lá pra cá, já foram cinco títulos, sendo inclusive o maior vencedor deste torneio da década de 90.

Nos anos 90 a bola da vez foram os títulos internacionais, até então quase que ignorado pela maioria das torcidas do Brasil. Nem tanto a Libertadores, mais o Campeonato Mundial que era o grande sonho. E o Corinthians não deixou por menos e ganhou nada mais, nada menos que um mundial promovido pela FIFA, e que mundial! Era um campeonato cascudo com direito a fase de grupos e final, e não um único jogo.

Entretanto, os “antis” e os críticos da FIFA desmereciam o campeonato pelo improviso e questionando a presença do Corinthians por não ser sequer campeão da Libertadores da América. Por essa época a diretoria do clube, que tinha sido uma excelente gestão e a mais vencedora até então começava a se portar como uma oligarquia nos moldes dos coronéis. O clube, mesmo vencendo alguns campeonatos, começou a ser dilapidado por Dualib e os seus 40 ladrões, causando um colapso e em seguida o rebaixamento à segunda divisão em 2007.

Não é à toa que digo que o destino do povo humilde está entrelaçado com o destino do Sport Club Corinthians Paulista. Como citei, os títulos que chegaram tarde são como as melhorias na qualidade de vida que chegaram tarde ao povo brasileiro. O rebaixamento foi como as crises econômicas dos terríveis anos 90. Mas o Brasil reagiu, saiu das cinzas, arrumou a casa, fortaleceu a economia e está a passos largos de se tornar à 5ª maior economia mundial, já sendo maior que a do Reino Unido!

Assim como o povo brasileiro que teve mais acesso à casa própria, o Corinthians também realizou seu “sonho” de ter um estádio à altura de sua torcida, já que a Fazendinha era inviável para utilização devido a sua baixa capacidade. Ainda assim, discordo de que o Corinthians é um clube sem estádio. A Fazendinha é um estádio, razoável por sinal, mas o clube preferiu não investir na sua modernização (como fez o Santos com a Vila Belmiro) e viabilizou a construção de um estádio maior.

Por fim restava a Libertadores da América. Com a popularização da Internet e das Redes Sociais, a década de 2000 foi terreno fértil para o surgimento de um folclore: a de que o Corinthians jamais seria campeão da Libertadores. Diziam os “antis” que corintiano não tem passaporte, time de segunda divisão, jamais vão vencer a Libertadores, NUNCA SERÃO!

NUNCA SERÍAMOS! Pois fomos lá e conquistamos uma das Libertadores mais difíceis e disputadas dos últimos anos. A que mais teve times de qualidade indiscutível. Foi a oportunidade que o Corinthians teve de calar os “antis” e seus críticos!

Diziam que o melhor time do Brasileirão de 2011 era o Vasco da Gama, que era inclusive merecedor de ser o campeão. Tiramos a dúvida nas quartas de final, em duas partidas disputadíssimas, em que ganhamos com a estrela de Paulinho. Diziam que o Santos era o melhor time do Brasil, que o Corinthians jogava um futebol feio e que o talento de Neymar valia mais que um time inteiro. Pois foi justamente o conjunto do Corinthians que se saiu melhor nas semifinais, jogando bonito na Vila Belmiro. Diziam que o Boca Júnior era o melhor time da América e que a escrita ainda se faria, tanto a de que o Boca não perderia para times brasileiros em final de Libertadores, quanto a de que o Corinthians nunca ganharia a Copa.

Foi a maior calada de “Boca” que já se teve notícia em ambos os sentidos. Tanto a do Boca Juniors que foi engolido pela Fiel no “la Fielzera”, quanto a dos “antis” que tiveram que engolir a seco uma vitória incontestável e histórica, não só para o Corinthians, mas para o futebol brasileiro. A Libertadores para o Corinthians é a Copa do Mundo e as Olimpíadas que acontecerão no Brasil para os brasileiros! É a realização de um sonho, que sacramentou nosso clube como um dos maiores do mundo, com estrutura de primeira, assim como as melhorias na infraestrutura serão o legado da Copa e das Olimpíadas para o Brasil.

Povo brasileiro e os corintianos têm muito em comum! Sofreram e ainda sofrem com administrações corruptas e incompetentes, mas acima de tudo, nunca deixam de sentir orgulho por sua bandeira, por suas cores, por suas origens e pelos seus ideais. Porque por mais que queiram elitizar o futebol, esnobar, desfilar a soberba, desprezar o adversário e transformar o Futebol num circo jogadores mascarados e clubes da moda, o melhor espetáculo da última década foi a humildade, o jogo coletivo, a paixão da torcida e a estrela do Corinthians, que não precisa de títulos para ser tão amado, temido e odiado!

Os títulos foram importantes, e nos deixaram felizes! Mas quem vive de título é a Justiça Eleitoral: NÓS VIVEMOS DE CORINTHIANS!

César de Souza