ICFUT – Champions League 2017/2018 – QUARTAS DE FINAIS

Roma 3 x 0 Barcelona – Champions League – 10/04/2018 – Liga dos Campeões

Manchester City 1 x 2 Liverpool – Champions League – 10/04/2018

Bayern de Munique 0 x 0 Sevilla – Champions League – 11/04/2018

Real Madrid 1 x 3 Juventus – Champions League – 11/04/2018

Por Edgar – Copa da Alemanhã, Robben faz de novo no fim, e Bayern leva Copa da Alemanha com polêmica

Holandês abre o placar no segundo tempo da prorrogação e inicia a jogada do gol derradeiro de Müller. Borussia reclama de gol não assinalado ainda no tempo normal

Robert Lewandowski era naturalmente o centro das atenções. Artilheiro do Campeonato Alemão, o polonês fazia o seu último jogo com a camisa do Borussia Dortmund, encerrando quatro anos de mais alegrias que tristezas. O adversário era justamente o Bayern de Munique, clube no qual passará a defender em julho. Ele tentou, flertou com a glória, mas despediu-se vendo Arjen Robben novamente decidir. O meia-atacante holandês abriu o placar no primeiro minuto do segundo tempo prorrogação e foi o grande herói na vitória por 2 a 0 dos bávaros, neste sábado, no Estádio Olímpico, em Berlim, que se consagraram bicampeões da Copa da Alemanha.

Robben comemoração Bayern de Munique contra  Dortmund Copa da Alemanha final (Foto: Reuters)Robben é novamente o herói de uma final entre Bayern de Munique e Borussia Dortmund (Foto: Reuters)

Robben também participou diretamente do segundo gol da decisão, marcado por Thomas Müller, já nos acréscimos – foi dele o passe para Pizarro lançar o alemão em rápido contra-ataque. Desta forma, credenciou-se como um dos maiores carrascos recentes dos aurinegros, já que ele marcou o gol do título da Liga dos Campeões de 2013, em Wembley, e também deixou o seu na vitória por 3 a 0 no Signal Iduna Park, também no ano passado, ainda pelo primeiro turno da Bundesliga.

O destino da final, no entanto, poderia ter sido diferente se o árbitro Florian Meyer houvesse assinalado o gol de Hummels aos 19 minutos do segundo tempo. Dante, titular durante os 120 minutos (assim como o lateral Rafinha), conseguiu cortar, mas a bola já havia ultrapassado a linha com alguma folga. A posição do zagueiro alemão era duvidosa no lance.

Foi o segundo título consecutivo (o 17º geral) do Bayern na DFB Pokal, que havia derrotado o Stuttgart na decisão de 2013. Já Pep Guardiola encerra sua primeira temporada à frente do time alemão com quatro títulos: a Supercopa Europeia, o Mundial de Clubes e o Campeonato Alemão também já estão no currículo do treinador catalão, que perdeu a Supercopa da Alemanha e deixou a Liga dos Campeões na semifinal.

 Philipp Lahm  troféu comemoração Bayern de Munique contra  Dortmund Copa da Alemanha final (Foto: Reuters)O capitão Philipp Lahm ergue o troféu da Copa da Alemanha: Bayern bicampeão (Foto: Reuters)

LAHM SE MACHUCA

Borussia e Bayern passaram a maior parte do primeiro tempo no modo cautela. Os 45 minutos iniciais foram brindados apenas com duas chances reais de gol, uma para cada lado. Müller parou em Weidenfeller; Lewandowski finalizou para fora. A nota negativa ficou por conta da lesão de Philipp Lahm, substituído por Franck Ribéry logo aos 30 minutos com uma lesão no pé esquerdo.

Mesmo com tantos desfalques – o Bayern já contava com seis no banco de reservas pelas ausências de Mandzukic (opção técnica), Alaba, Schweinsteiger e Thiago (machucados) -, o segundo tempo ganhou em técnica e emoção. Guardiola contava com uma atuação de gala de Javi Martínez para proteger a sua defesa e da bela participação do jovem dinamarquês Hojberg (18 anos). Klopp tinha Reus e Lewandowski afim de jogo. Foi mais do que o suficiente.

Philipp Lahm Borussia Dortmund e Bayern de Munique (Foto: Agência AP )Philipp Lahm deixou o jogo ainda no primeiro tempo com uma lesão no pé esquerdo (Foto: Agência AP )

E A TECNOLOGIA?

Müller, Kirch e Robben assustaram em diferentes momentos. Mas foi com zagueiros o grande lance da partida – ao menos o mais polêmico: aos 19, Sahin cruzou, Hummels desviou, e Dante, depois de a bola ultrapassar a linha, afastou. Os jogadores do Borussia saíram correndo para comemorar o gol, mas o árbitro Florian Meyer ignorou – o zagueiro estava em posição duvidosa, já que o pé de Javi Martínez parecia dar condições. O irônico é que, no início de abril, clubes alemães vetaram o uso da tecnologia na linha do gol.

Dante jogo Bayern de Munique e Dortmund (Foto: Reuters)Dante tira a bola já dentro do gol, enquanto Neuer pede impedimento de Hummels: lance gera discussão (Foto: Reuters)

ROBBEN, O PREDESTINADO

O Borussia também esteve perto de abrir o placar no primeiro minutos da prorrogação. Neuer saiu mal, Aubameyang recebeu de Reus e chutou colocado. A bola tocou na rede do lado de fora. Ironia ou não, uma saída errada de Weidenfeller e um cochilo de Grosskreutz retribuíram a chance ao Bayern. E Robben não perdoou. Após cruzamento de Boateng, o holandês completou e novamente marcou numa decisão contra o Borussia. Com espaço para contra-atacar, houve tempo ainda para Thomas Müller ampliar nos acréscimos, dando ao Bayern um fim de temporada satisfatório com quatro títulos.

Lewandowski e Kroos Borussia Dortmund e Bayern de Munique (Foto: Agência Reuters)Lewandowski fez o seu último jogo pelo Borussia Dortmund. Polonês vai para o próprio Bayern (Foto: Agência Reuters)

Por Edgar – Ancelotti minimiza vantagem: “Não somos tontos de pensar que ganhamos algo”

Ao contrário do que diz a imprensa espanhola, técnico italiano vê equipe centrada e espera postura menos “tímida” do que na primeira partida

A vitória do Real Madrid por 1 a 0 no primeiro jogo da semifinal da Liga dos Campeões contra o Bayern de Munique não ilude o técnico Carlo Ancelotti. O comandante dos merengues sabe que, apesar de ter sido importante garantir a vantagem para a segunda partida, a diferença mínima de gols diante dos atuais campeões pode não significar tanta coisa. Pep Guardiola, treinador do time alemão, se mostrou irritado com as notícias que leu na imprensa de Madri, que, segundo ele, colocam os madrilenhos com um pé na final. Mas a equipe espanhola não compactua com o pensamento da mídia local.

– Não somos tontos de pensar que ganhamos nada! A partida de amanhã (terça-feira) é complicada e ninguém aqui acha que já ganhou. Temos uma pequena vantagem e queremos nos aproveitar dela – declarou Ancelotti.

ancelotti real madrid coletiva (Foto: EFE)
Carlo Ancelotti na sala de imprensa da Allianz Arena (Foto: EFE)

As críticas à postura do Real Madrid após a primeira partida, quando os donos da casa deixaram-se dominar pelo Bayern e exploraram somente os contra-ataques, mexeram com técnico italiano. Ciente de que o público está acostumado a ver um Real mais ofensivo, o comandante espera devolver esse tipo de identidade ao time no jogo de volta.

– Fomos muito tímidos na primeira parte do jogo. Precisamos fazer uma mudança e uns ajustes para que não deixemos o Bayern tão à vontade no começo deste jogo, porque isso pode ser muito perigoso.

A ideia de Ancelotti é botar mais pressão no Bayern, entretanto, o estilo de jogo será o mesmo, e, pelo discurso do treinador, o contra-ataque continuará sendo a principal arma dos merengues na partida desta terça-feira. Com jogadores como Di Maria, Cristiano Ronaldo, Benzema e Bale, o italiano acredita que ter a posse de bola por muito tempo é menos produtivo, já que a velocidade deles pode ser melhor explorada em saídas rápidas, buscando espaços maiores.

Bale não foi confirmado por Ancelotti no ataque, mas tudo indica que o galês começa jogando contra o Bayern. Antes da entrevista coletiva do treinador, o atacante foi o único jogador eleito para falar com a imprensa, e disse que está se sentindo bem e espera atuar contra os alemães.

Retirado de: http://globoesporte.globo.com/futebol/liga-dos-campeoes/noticia/2014/04/ancelotti-minimiza-vantagem-nao-somos-tontos-de-pensar-que-ganhamos-algo.html

Por Edgar – Real joga fechado e marca no contra ataque e leva 1×0 para Alemanhã

Gol único da partida, marcado por Benzema, sacramenta sucesso da tática de Carlo Ancelotti, e supera esquema dominante armado por Pep Guardiola

O Real Madrid precisou ser caça e caçador para sair na frente do Bayern de Munique e vencer por 1 a 0 o primeiro duelo da semifinal na Liga dos Campeões da Europa. No início, o que parecia uma situação desesperadora, quando os alemães empurravam os merengues para sua linha de fundo com passes perfeitamente sincronizados e posse de bola impressionante, se mostrou um plano perfeitamente executado para capturar o adversário.

Foi como Guardiola temia que o Real Madrid saiu de sua toca para conseguir a importante vitória no primeiro jogo decisivo entre os rivais históricos. Um dia antes da partida, o técnico alertava para os perigos da velocidade do contra-ataque dos merengues, que precisaram de apenas quatro toques impecáveis na bola para se recuperarem de um ataque dos visitantes e chegarem a Neuer, batido por Benzema, autor do único gol da partida. A jogada fulminante definiu o placar.

O garbo e a elegância dos técnicos Ancelotti e Guardiola foram repetidos em campo por seus jogadores com os pés. Os esquemas montados pelos dois fizeram desta primeira semifinal um duelo marcado por suas mentes brilhantes. Ainda que o treinador do Bayern não tenha conseguido fazer seu time marcar um gol, teve sucesso ao conseguir dominar o Real Madrid em sua própria casa. Mas o ritmo determinado pelos pupilos de Ancelotti foi determinante na definição do vencedor do duelo desta noite.

Um tabu foi quebrado. Guardiola perdeu pela primeira vez em oito jogos no Santiago Bernabéu e precisará incendiar sua equipe para igualar o nível apresentado pelo Real Madrid e superar a desvantagem desta quarta-feira. A partida de volta acontece na próxima terça, às 15h45 (de Brasília), em Munique. Repetição do placar leva a decisão da vaga para a prorrogação. Jogando pelo empate, os merengues podem até perder por diferença mínima se balançarem a rede.

benzema gol, Real Madrid x Bayern de Munique (Foto: AP)

 

 

Por Edgar – Invicto no Bernabéu, Pep teme CR7, Benzema, Di María e Bale juntos

Técnico do Bayern de Munique, que nunca perdeu no estádio do Real, acredita que chave da vitória está na boa marcação do veloz quarteto dos donos da casa 

Pep Guardiola nunca perdeu no Santiago Bernabéu para o Real Madrid quando era treinador do Barcelona. O desejo do técnico é sair mais uma vez ileso do estádio, desta vez no comando do Bayern de Munique, que disputa nesta quarta-feira o primeiro jogo da semifinal contra os merengues, às 15h45 (de Brasília) –

Além de falar aos jornalistas em quatro línguas com perfeição – alemão, inglês, espanhol e catalão – mostrou bom humor e humildade. Com quase um ano de Bayern, Pep acredita que ainda tem muito com o que se adaptar à cultura e à língua alemã e, com isso, aumentar o nível de atuação de sua equipe.

guardiola bayern munique (Foto: Reuters)Guardiola jamais perdeu no Santiago Bernabéu (Foto: Reuters)
Apesar da marca impressionante de sete jogos – cinco vitórias e dois empates – sem ter sido derrotado pelo Real Madrid em seu estádio, Guardiola lembra que nunca foi fácil e faz questão de enaltecer a força dos merengues. Para o treinador do Bayern, não importa ano ou época: o Real sempre tem “algo de especial”. Atualmente, ele considera a velocidade de seu quarteto de ataque como a maior força dos madrilenhos.

– Não sei como fazem, mas eles sempre tem gente que corre muito. Agora é Benzema, Di María, Cristiano e Bale. Não é fácil se defender contra eles.

Será um duelo de grandes treinadores. Do outro lado, Ancelotti nunca perdeu para o Bayern de Munique quando treinava o Milan, em seis partidas. Guardiola está preparado para um duelo tático e diz que vem estudando o Real Madrid e suas possibilidades há um tempo. O catalão credita ao trabalho do italiano a grande fase vivida pelos merengues

– O Real evoluiu porque todo treinador precisa de tempo, e o Ancelotti está o tendo para fazer as mudanças. Serão um rival muito forte. Se não têm Ronaldo, têm o Isco, mudam as posições, mas a equipe continua tendo muita capacidade.

Bom retrospecto fica no passado

O treinador do clube bávaro também preferiu deixar para trás a invencibilidade no Santiago Bernabéu que construiu nos tempos de Barcelona, mantendo uma postura cautelosa para o jogo desta quarta-feira

– A estatística era com outro clube, em outro tempo e outra situação. Não tem nada a ver. Teremos que fazer um jogo muito bom para ganhar. Isso é necessário sempre diante do Real Madrid e ainda mais e uma semifinal – afirmou.

Retirado de http://globoesporte.globo.com/futebol/liga-dos-campeoes/noticia/2014/04/guardiola-afasta-favoritismo-por-seu-historico-no-bernabeu-outro-tempo.html