ICFUT – DAS ANTIGAS – 30 ANOS DE UMA FINAL IMPROVÁVEL – BANGU X CORITIBA 1985

IMG_7819

Coritiba-1985-

placar_marinho

im5644

IMG_3696

CORITIBA CAMPANHA

PRIMEIRO TURNO
Jogo 1 (Curitiba)
27/Janeiro/1985 Coritiba 3 x 1 São Paulo
Gols: Indio (2) e Tobi; e Sidney (S.Paulo)
Jogo 2 (Curitiba)
31/Janeiro/1985 Coritiba 2 x 1 Cruzeiro
Gols: Indio (2); e Tostão (Cruzeiro)
Jogo 3 (Salvador)
03/Fevereiro/1985 Coritiba 1 x 2 Bahia
Gols: Indio; e Marinho e Robson (Bahia)
Jogo 4 (Rio de Janeiro)
06/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 3 Vasco da Gama
Gols: Roberto Dinamite (2) e Vitor
Jogo 5 (Curitiba)
10/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 0 Goiás
Jogo 6 (Coritiba)
13/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 1 Flamengo
Gol: Gilmar
Jogo 7 (Porto Alegre)
23/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 4 Internacional
Gols: Luís Freire (2), Jussiê e Silvinho
Jogo 8 (São Paulo)
27/Fevereiro/1985 Coritiba 0 x 1 Portuguesa
Gol: Luis Pereira
Jogo 9 (Curitiba)
03/Março/1985 Coritiba 2 x 0 Náutico
Gols: Indio e Edson
Jogo 10 (Santos)
10/Março/1985
Classificação … » Coritiba 0 x 1 Santos
Gols: Formiga
8º c/ 07 pontos – grupo A
SEGUNDO TURNO
Jogo 11 (São Paulo)
09/Março/1985 Coritiba 1 x 0 São Paulo
Gol: Heraldo
Jogo 12 (Belo Horizonte)
13/Março/1985 Coritiba 3 x 2 Cruzeiro
Gols: Indio (2) e Paulinho; e Dedé e Carlinhos (Cruzeiro)
Jogo 13 (Curitiba)
17/Março/1985 Coritiba 1 x 2 Bahia
Gols: Lela; e Celso e Leandro (Bahia)
Jogo 14 (Curitiba)
20/Março/1985 Coritiba 0 x 0 Vasco da Gama
Jogo 15 (Goiânia/GO)
24/Março/1985 Coritiba 2 x 0 Goiás
Gols: Lela e Vicente
Jogo 16 (Rio de Janeiro)
27/Março/1985 Coritiba 1 x 0 Flamengo
Gols: Marildo
Jogo 17 (Curitiba)
31/Março/1985 Coritiba 0 x 0 Internacional/RS
Jogo 18 (Curitiba)
07/Abril/1985 Coritiba 0 x 2 Portuguesa
Gols: Toninho e Jones
Jogo 19 (Recife/PE)
10/Abril/1985 Coritiba 0 x 2 Nautico
Gols: Neto e Baiano
Jogo 20 (Curitiba)
14/Abril/1985
Classificação … » Coritiba 2 x 1 Santos
Gols: Lela e Vavá e Marcio (Santos)
1º. c/ 12 pontos – grupo A
Jogo 21 (Recife/PE)
03/Julho/1985 Coritiba 1 x 1 Sport Recife
Gols: Marildo; e Milton Cruz (Sport)
Jogo 22 (Curitiba)
07/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Corinthians
Gol: Lela
Jogo 23 (Curitiba)
10/Julho/1985 Coritiba 2 x 1 Joinville/SC
Gols: Lela e Dida; e Reginaldo (Joinville)
Jogo 24 (São Paulo)
13/Julho/1985> Coritiba 0 x 1 Corinthians
Gol: Vladimir
Jogo 25 (Joinville/SC)
17/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Joinville
Gol: Lela
Jogo 26 (Curitiba)
21/Julho/1985
Classificação … » Coritiba 0 x 0 Sport Recife

08 pontos somente uma equipe se classificava – grupo F
Jogo 27 SEMIFINAL
(Curitiba/PR)
24/Julho/1985 Coritiba 1 x 0 Atlético/MG
Gol: Heraldo
Jogo 28 SEMIFINAL
(Belo Horizonte/MG)
28/Julho/1985 Coritiba 0 x 0 Atlético/MG
DECISÃO
JOGO 29
FINAL
PARTIDA ÚNICA
31/Julho/1985
ESTÁDIO DO MARACANÃ
RIO DE JANEIRO/RJ
PUBLICO PAGANTE: 91.527
CORITIBA 1 x 1 BANGÚ / RJ (penais 6 x 5)
Arbitro: Romualdo Arppi Filho (SP); Gols: Indio aos 25 e Lulinha aos 35 do 1o. tempo.
C. Amarelo: Mário, Gomes, Dida e Rafael.
CORITIBA: Rafael, André, Gomes, Heraldo e Dida; Almir (Vavá), Marildo (Marco Aurélio) e Tóbi; Lela, Índio e Édson. Técnico: Ênio Andrade
BANGÚ /RJ: Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha (Gílson) e Mário; Marinho, João Cláudio (Pingo) e Ado. Técnico: Moisés.

vice-campeao-brasileiro-de-1985

BANGU C A M P A N H A
Primeira Fase – Grupo D
27/01/1985 – Bangu 1 x 0 Brasília-DF – (Moça Bonita)
Gol: Pingo
30/01/1985 – Bangu 2 x 0 Vila Nova-GO – (Moça Bonita)
Gols: Pingo e Fernando Macaé
03/02/1985 – Corumbaense-MS 0 x 1 Bangu – (Corumbá)
Gols: Marinho
06/02/1985 – Uberlândia-MG 1 x 2 Bangu – (Uberlândia)
Gols: Fernando Macaé e Marinho
10/02/1985 – Bangu 4 x 1 Desportiva-ES – (Moça Bonita)
Gols: Marinho(3) e Fernando Macaé
14/02/1985 – Pinheiros-PR 1 x 1 Bangu – (Curitiba)
Gol: Ado
24/02/1985 – Joinville-SC 1 x 0 Bangu – (Joinville)
27/02/1985 – Brasil-RS 0 x 1 Bangu – (Pelotas)
Gol: Marinho
03/03/1985 – Bangu 0 x 0 Ponte Preta-SP – (Moça Bonita)
06/03/1985 – Bangu 1 x 1 Vila Nova-MG – (Moça Bonita)
Gol: Márcio
10/03/1985 – Leônico-BA 1 x 2 Bangu – (Salvador)
Gols: Marinho e Pingo
17/03/1985 – Brasília-DF 2 x 1 Bangu – (Brasília)
Gol: Fernando Macaé
21/03/1985 – Vila Nova-GO 3 x 2 Bangu – (Serra Dourada)
Gols: Pingo e Ado
24/03/1985 – Bangu 4 x 0 Corumbaense-MS – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé(2), Ado e Roberto Biônico
27/03/1985 – Bangu 2 x 0 Uberlândia-MG – (Moça Bonita)
Gols: Pingo e Pedrinho Gaúcho
31/03/1985 – Desportiva-ES 0 x 1 Bangu – (Cariacica)
Gol: Roberto Biônico
03/04/1985 – Bangu 1 x 1 Pinheiros-PR – (Moça Bonita)
Gol: Fernando Macaé
07/04/1985 – Bangu 3 x 1 Joinville-SC – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé, Pingo e Mário
10/04/1985 – Bangu 3 x 1 Brasil-RS – (Moça Bonita)
Gols: Fernando Macaé, Pingo e Ado
14/04/1985 – Ponte Preta-SP 2 x 2 Bangu – (Campinas)
Gols: Mário e Fernando Macaé
17/04/1985 – Vila Nova-MG 0 x 2 Bangu – (Nova Lima)
Gols: Ado e Marinho
21/04/1985 – Bangu 1 x 0 Leônico-BA – (Moça Bonita)
Gol: Marinho
Classificação……Pts…J…V…E…D…GP…GC…SG
1º Bangu…………33..22..14…5…3…37…16..+21
2º Ponte Preta……32..22..12…8…2…37…18..+19
3º Joinville……..27..22..11…5…6…28…16..+12
4º Brasil/RS……..27..22..10…7…5…36…25..+11
5º Brasília………23..22…8…7…7…22…22….0
6º Pinheiros……..23..22…7…9…6…21…17…+4
7º Vila Nova/GO…..20..22…7…6…9…25…34…-9
8º Leônico……….17..22…7…3..12…21…33..-12
9º Desportiva…….17..22…7…3..12…18…30..-12
10º Uberlândia……17..22…6…5..11…26…26….0
11º Villa Nova/MG…15..22…5…5..12…18…31..-13
12º Corumbaense…..13..22…4…5..13…16…37..-21
Segunda Fase – Grupo H
03/07/1985 – Bangu 1 x 1 Internacional-RS – (Maracanã)
Gol: João Cláudio
07/07/1985 – Mixto-MT 1 x 4 Bangu – (Cuiabá)
Gols: Marinho(2), Gílson e João Cláudio
11/07/1985 – Vasco 0 x 2 Bangu – (Maracanã)
Gols: João Cláudio(2)
14/07/1985 – Bangu 1 x 1 Mixto-MT – (Moça Bonita)
Gol: Pingo
17/07/1985 – Bangu 3 x 1 Vasco – (Maracanã)
Gols: Marinho(2) e Mário
21/07/1985 – Internacional-RS 1 x 2 Bangu – (Beira Rio)
Gols: Marinho e João Cláudio
Classificação……Pts…J…V…E…D…GP…GC…SG
1º Bangu…………10…6…4…2…-…13….5…+8
2º Internacional…..7…6…2…3…1….9….7…+2
3º Vasco………….5…6…1…3…2….9….9….0
4º Mixto………….2…6…-…2…4….4…14..-10
Semi-final
24/07/1985 – Brasil-RS 0 x 1 Bangu – (Porto Alegre)
Gol: Jorge Batata (contra)
28/07/1985 – Bangu 3 x 1 Brasil-RS – (Maracanã)
Gols: Marinho(2) e Ado
Final
31/07/1985 – Bangu 1 x 1 Coritiba-PR – (Maracanã)
Gol: Lulinha
Bangu 0 x 0 Coritiba (Prorrogação)
Bangu 5 x 6 Coritiba (Penalidades)
Gols: Gílson, Pingo, Marinho, Mário e Baby

 

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro – Final
Local:
Maracanã
Renda:
Cr$ 848.064.000,00
Público:
91.527 pagantes
Árbitro:
Romualdo Arppi Filho, auxiliado por Osvaldo Campos e Joel Caires
Gilmar, Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Israel, Lulinha (Gílson) e Mário; Marinho, João Cláudio (Pingo) e Ado
Técnico: Moisés
 
Rafael, André, Gomes, Heraldo e Dida; Almir (Vavá), Marildo (Marco Aurélio) e Tóbi; Lela, Índio e Édson
Técnico: Ênio Andrade
Bangu 0 x 1: Índio, aos 25min do 1º tempo
Bangu 1 x 1: Lulinha, aos 35min do 1º tempo
Bangu 5 x 6 (pênaltis): Gílson, Pingo, Baby, Mário e Marinho marcaram para o Bangu. Índio, Marco Aurélio, Edson, Lela, Vavá e Gomes marcaram para o Coritiba
Dida, Gomes e Rafael (Coritiba); Mário (Bangu)

ICFUT – CARIOCA 2015 – VASCO 2X0 BANGU.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 0 BANGU

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 28 de fevereiro de 2015 (Sábado)
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: João Batista de Arruda (RJ)
Assistentes: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Eduardo de Souza Couto (RJ)
Cartões amarelos: Rodrigo, Júlio dos Santos, Marcinho, Gilberto (Vasco); Iago Soares, Raphael Augusto, Guilherme (Bangu)
Cartão vermelho: Guilherme (Bangu)
Renda: R$ 260.815,00
Público: 13.603 (Presentes)
Gols:
VASCO: Rodrigo, aos 27min do 1º tempo. Luan, aos 23min do 2º tempo

VASCO: Martin Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Christiano; Serginho, Julio dos Santos, Bernardo (Lucas) e Marcinho (Jhon Cley); Rafael Silva (Yago) e Gilberto
Técnico: Doriva

BANGU: Márcio, Iago Soares, Rafael Sales, Luís Felipe e Guilherme; Ives (Marcos Vinícius), Magno, Raphael Augusto e Almir; Bruno Luiz (Igor Alves) e Matheus Pimenta (Victor)
Técnico: Mário Marques

ICFUT – FLAMENGO CAMPEAO CARIOCA DE FUTEBOL 2014

flamengo_novof_242520

Classificação geral

Para a definição da classificação geral, excluem-se os pontos obtidos nas fases semifinal e final do turno único. Ao final do campeonato, o campeão e o vice-campeão ocuparão a primeira e segunda colocações independente do número de pontos. O 3º e 4º serão os outros dois semifinalistas, sendo a posição entre eles definidas pela classificação na fase de grupos. Caso duas ou mais equipes empatem nas posições finais em número de pontos, serão disputadas partidas extras, em campo neutro, de ida e volta, para definição dos rebaixados.2

Classificados para a Copa do Brasil 2015
Classificado para a Copa do Brasil 2015 e para o Brasileirão 2014 – Série D
Rebaixados para a Segunda Divisão de 2015
Pos Time PG J V E D GP GS SG
1 Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Flamengo[B.A][FI] 38 15 12 2 1 36 16 +20
2 Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Vasco da Gama[B.B][FI] 29 15 8 5 2 31 11 +20
3 Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Fluminense[B.A] 31 15 9 4 2 31 16 +15
4 Bandeira cabo frio.png Cabofriense 25 15 7 4 4 21 20 +1
5 Bandeira-saquarema.png Boavista[B.D] 25 15 7 4 4 20 21 -1
6 Flag of Nova Friburgo.png Friburguense 22 15 6 4 5 18 24 -6
7 Bandeira-macae.svg Macaé[B.C] 19 15 5 4 6 22 20 +2
8 Bandeira de Nova Iguaçu.svg Nova Iguaçu 19 15 4 7 4 20 19 +1
9 Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Botafogo[B.A] 17 15 4 5 6 16 17 -1
10 Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png Bangu 17 15 4 5 6 15 19 -4
11 Volta Redonda Volta Redonda 17 15 4 5 6 15 19 -4
12 Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png Madureira[B.C] 15 15 4 3 8 19 24 -5
13 Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png Bonsucesso 15 15 3 6 6 15 18 -3
14 Resende Resende 15 15 3 6 6 20 24 -4
15 Bandeira-saojoaodemeriti.JPG Audax Rio 11 15 2 5 8 13 27 -14
16 Flag of Duque de Caxias, Rio de Janeiro.gif Duque de Caxias[B.C] 9 15 2 3 10 14 31 -17

ICFUT – Bangu xBotafogo – Semi Final da Taça Rio 2012

Fonte: O Globo – RJ

Contra o Bangu, Oswaldo de Oliveira volta às origens

Em busca do bom futebol que ainda não exibiu no Botafogo, técnico confirma retorno de Loco

LINK AO VIVO PARA BANGU X BOTAFOGO – CLIQUE AQUI !

PEDRO MOTTA GUEIROS

Oswaldo gesticula durante treino no campo auxiliar do EngenhãoFoto: O Globo / Ivo Gonzalez

Oswaldo gesticula durante treino no campo auxiliar do EngenhãoO GLOBO / IVO GONZALEZ

RIO — Defendendo o título do ano anterior, o Bangu perdeu a final de 1967 por 2 a 1 para o Botafogo e o bicampeonato só acabou sendo celebrado no ano seguinte pelos alvinegros. Adolescente à época, o atual técnico do Botafogo estava nas arquibancadas do Maracanã na torcida pelo clube que será seu adversário na semifinal da Taça Rio, neste sábado, às 18h30m, no Engenhão — se o jogo acabar empatado, a vaga será decidida nos pênaltis. Quarenta e cinco anos depois, Oswaldo de Oliveira ainda se sente diante de um clássico. Por entender que o Bangu deve ser encarado como grande, o técnico recorreu ao jogador mais alto do elenco. Com Loco Abreu de novo titular, o alvinegro tenta unir eficiência e bom futebol para que o torcedor reviva o encanto de outrora.

De volta ao time, o lateral Lucas admite que sofreu ao ver o empate sem gols quarta-feira com o Guarani. No lugar do torcedor, entende que o nível atual do futebol brasileiro faz “todo mundo querer ver Barcelona e Real Madrid”. Mesmo tendo dito que precisava de Messi e Kaká para encantar, Oswaldo ainda tem visão generosa sobre a a rivalidade regional:

— Estava atrás do gol no Maracanã em que o Roberto fez o gol da vitória sobre o Bangu em 1967. Foi um jogaço numa tarde chuvosa. Tenho um carinho especial pelo Bangu por ter sido atleta e sócio do clube. Quando o time mandava seus jogos no Maracanã, entrava com a minha carteirinha — lembra Oswaldo, que não vê hoje um confronto de grande contra pequeno. — Na década de 60, era um grande clássico. A partir do momento que o Bangu ressurge e alcança a semifinal, virou clássico de novo, com os times em igualdade.

Invencibilidade só não basta

Junto com o adversário, Oswaldo trata de valorizar suas raízes. Ao assumir o Botafogo após cinco anos no Japão, falou do privilégio de disputar o Estadual pela primeira vez. Apesar de reconhecer o esvaziamento da competição, que segundo ele deveria ser reduzida, Oswaldo conserva o entusiasmo de menino diante da possibilidade de ver seu time ser campeão carioca.

— Mexe muito comigo. Minha primeira lembrança de futebol vem do Campeonato Carioca — conta, antes de voltar aos tempos em que o torneio tinha dez times da capital além do Canto do Rio, de Niterói. — Depois, entrou o Campo Grande. No primeiro jogo, ganhou logo do Botafogo, que era bicampeão (1961/62), mas o Garrincha não jogou.

A força do ídolo tem o poder de transformar o time. Como Loco Abreu, o Botafogo busca a personalidade que ainda não exibiu no ano, apesar da invencibilidade de 20 jogos, Mais respaldado pela eficiência do que pela qualidade do jogo, o técnico sabe que chegou a hora de unir as duas pontas. Manter a invencibilidade não basta.

— Foi isso que nos faltou contra o Fluminense — afirma o técnico sobre a semifinal da Taça Guanabara, em que o Botafogo caiu nos pênaltis após abri o placar e ceder o empate.

O gol da vitória está guardado numa tarde chuvosa de 1967. Ao menos na memória do técnico, o Botafogo é capaz de dar espetáculo e fazer da decisão com o Bangu um clássico inesquecível.

Botafogo x Bangu

Horário: 18h30m

Local: Engenhão

Botafogo: Jéfferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Renato, Elkeson e Fellype Gabriel; Loco Abreu

Bangu: Willian Alves; China, Raphael, Fernando Lopes e Renan Oliveira; Oliveira, André Barreto, Thiago Galhardo e Almir (Gabriel Galhardo); Fabinho e Sérgio Junior

Juiz: Eduardo Cordeiro.

Fonte: Bangu-ac.com.br

Bangu busca vaga na final para continuar campanha histórica

Após a semana de preparações para o jogo contra o Botafogo, neste sábado (21.04), às 18h30m, no Engenhão, o Bangu partiu para a concentração no início desta tarde.

Almir, que durante a semana chegou a ser noticiado como dúvida, está confirmado para a partida, assim como, o zagueiro Santiago, que vinha continuando a fisioterapia em consequência de uma fascite plantar. Outro retorno confirmado é do meia Tiano, que havia sofrido um estiramento muscular às vésperas da última rodada do 2º Turno. O jogador foi relacionado para a semifinal e está à disposição do técnico Cleimar Rocha.

Durante a parte da manhã da última sexta –feira (20.04), o time titular do Bangu fez um recreativo, contando com Santiago que não havia treinado com bola durante a semana. O meia atacante Almir esteve no campo na primeira parte do treino, mas logo foi poupado. Outro poupado, também foi o artilheiro Sergio Junior.

Ao final, André Barreto, Oliveira, Thiago Galhardo, Gabriel Galhardo, China e Renan Oliveira treinaram cobranças de pênalti, enquanto os suplentes fizeram trabalho tático.

No detalhe, Almir conversa com o preparador físico Paulo Camello e o médico Paulo Hamdan durante o treino (Foto: João Carlos Gomes/ Ag. Bangu)

Fernando Lopes quer atenção redobrada

Autor do segundo gol na vitória diante do Resende, na última rodada da Taça Rio, o zagueiro Fernando Lopes vem se consolidado na vaga de titular ao substituir Santiago, que estava no departamento médico.

Com um currículo cheio, o jogador já defendeu clubes da Macedônia e China, além de atuar pelo Vitória – BA e disputar uma decisão no período em que esteve no Sport Recife. Para o jogo contra o Botafogo, Fernando diz que atenção na defesa será essencial.

“Agora que chegamos até aqui, vamos manter a disposição e a garra da nossa equipe para chegar a final. Entraremos neste jogo com a atenção redobrada. – declarou.”

“A presença da torcida será tão necessária quanto em Resende, pois esse apoio é fundamental para impulsionar nosso trabalho e comemorarmos juntos.” – finalizou Fernando Lopes convocando a torcida.

Fonte: Extra.globo Online

Willian Alves e Jefferson se reencontram após jogarem juntos na base do Cruzeiro

Rafael Marques e Rodrigo Stafford

No ano de 1999, dois goleiros promissores treinavam pesado em busca de um mesmo sonho: tornar-se jogador de futebol. Os anos passaram e diferentes caminhos foram percorridos, mas quis o destino que os atletas que lutavam para ser o camisa 1 do Cruzeiro se reencontrassem no Rio de Janeiro e buscando uma vaga na final da Taça Rio. Jefferson, do Botafogo, e Willian Alves, do Bangu, são os alicerces de seus times na decisão de hoje.

O goleiro botafoguense, que frequentemente aparece na lista da seleção brasileira, teve um caminho menos penoso que seu rival banguense. Dos tempos das vacas magras, Jefferson lembra da dedicação dos dois pela busca do sonho:

— Lembro que era uma época de muito trabalho. A gente lutava muito para aproveitar qualquer chance que aparecia, como acontece em todas as categorias de base.

Experiência fora

Até de se tornar o goleiro menos vazado da Taça Rio, com apenas cinco gols sofridos, Willian Alves percorreu um longo caminho. Natural de Nova Iguaçu, o camisa 1 do Bangu passou por diversos clubes de menor expressão do sul do país até se transferir para o Penafiel, da terceira divisão do futebol português. Lá, conquistou o título nacional de 2009, chegando à Série B local. Uma experiência que será sempre lembrada por ele.

— Em Portugal, amadureci bastante. Foram 3 anos fora do Brasil, onde aprendi jogando em um clube de uma divisão inferior. São as dificuldades da vida que fazem a gente crescer — lembrou o goleiro, de 30 anos.

Jefferson também experimentou jogar fora do país, no Trabzonspor e Konyaspor, ambos da Turquia. A volta ao Botafogo aconteceu em 2009 e o status de ídolo foi praticamente imediato.

Jefferson enfrentará Willian Alves, que conheceu na base do Cruzeiro
Jefferson enfrentará Willian Alves, que conheceu na base do Cruzeiro Foto: Alexandre Cassiano

As 16 convocações para a seleção brasileira não tiraram a humildade do camisa um do Botafogo, que reencontrou o amigo apenas este ano na terceira rodada da Taça Rio quando as duas equipes se enfrentaram e empataram em 1 a 1.

— Nos cumprimentamos após o jogo e falamos mais sobre como está a nossa vida, nossa famílias, até pelo tempo que não nos víamos. A gente sabe que a vida de goleiro não é fácil. Então, não sendo contra o Botafogo, espero que ele consiga realizar todos os seus objetivos — desejou o goleiro, que foi muito elogiado pelo rival de hoje:

— Eu admiro ele não só pelo goleiro que é, mas pela pessoa. Tranquilo e sereno, debaixo das traves, é o melhor do Brasil. Merece mesmo ser o camisa 1 da seleção brasileira— analisou Willian.

Jantar só depois

Apesar da amizade, Willian não quer muito papo com Jefferson até o árbitro apitar o fim da partida.

— Fiquei feliz de reencontrá-lo depois de mais de 10 anos. Antes do empate, na primeira fase da Taça Rio, demos um abraço. Agora, novamente estamos em lados opostos. Papo de amigo só vai rolar depois do jogo — brincou Willian Alves, que ainda espera um jantar para colocar a conversa em dia.

Fonte: Globo.com

Bangu x Botafogo: ingressos já estão à venda para semifinal da Taça Rio

Nas sedes dos clubes, a venda é das 10h às 17h. Os preços variam
de R$ 15 a R$ 60. O setor Sul está destinado à torcida do Alvirrubro

Já estão à venda os ingressos para o confronto entre Bangu e Botafogo, que será disputado neste sábado, às 18h30m (de Brasília), no Engenhão, pela semifinal da Taça Rio. Nas sedes dos clubes, a venda é das 10h às 17h. Os preços variam de R$ 15 a R$ 60.

Torcedor do plano “Sou Botafogo VIP” tem acesso pelo setor Oeste Inferior, enquanto os do “Sou Botafogo Acima de Tudo” entram pelo Oeste Superior e “Sou Botafogo Fanático” pelo Leste Inferior. O setor Sul está destinado à torcida do Bangu. Há gratuidade para menores de 12 anos, idosos e deficientes em todos os setores e meia-entrada para estudantes.

Preços dos ingressos

Norte: R$ 30 (R$ 15 meia)
Sul: R$ 30 (R$ 15 meia) – Bangu
Oeste Superior: R$ 40 (R$ 20 meia)
Oeste Inferior: R$ 60 (R$ 30 meia)
Leste Superior: R$ 40 (R$ 20 meia)
Leste Inferior: R$ 60 (R$ 30 meia)

Pontos de venda

General Severiano – Av. Venceslau Brás, 72 – Botafogo
Caio Martins – Av. Presidente Backer, s/nº – Niterói
Stadium Rio (Bilheteria Norte) – Rua das Oficinas, s/nº – Engenho de Dentro (Torcida do Botafogo)
Stadium Rio (Bilheteria Leste) – Rua Dr. Padilha (Torcida do Bangu)
Marechal Hermes – Rua Xavier Curado, 1.705
Sede do Bangu – Rua Sul América, 950 – Bangu
São Januário – Rua Francisco Palheta (Bilheteria 11)
Laranjeiras – Rua Álvaro Chaves, 41
Casa da Vila da Feira – Rua Haddock Lobo 195 – Tijuca
Posto de gasolina Ale – Rua General Góis Monteiro, 195 – Botafogo
Zoar Turismo – Av. Graça Aranha, 61 Sala 613 – Centro
Ou pela internet: http://www.botafogo.com.br e http://www.futebolcard.com

Estacionamento

Antecipado (até a véspera do jogo)
Sócio-proprietário – R$ 15 (Limitado a 300 no total e a 1 por pessoa) – Estacionamento Norte 1
* Comprar na Central de Atendimento ao Sócio na sede. Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira de 8h às 20h, sábados e feriados de 8h às 16h;
Sou Botafogo – R$ 15 (Limitado a 200 no total e a 1 por pessoa) – Estacionamento Norte 1
* Comprar na sala de atendimento na sede. Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira de 10h às 17h, sábado de 9h às 14h;
Sou Botafogo VIP – R$ 15 (Limitado a 200 no total e a 1 por pessoa) – Estacionamento Oeste
* Comprar na sala de atendimento na sede. Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira de 10h às 17h, sábado de 9h às 14h.

No dia do jogo
Todos os torcedores – R$ 20 – Estacionamento Norte 1

Por Rogerinho – Bangu vence o Macaé e fica a uma vitória da vaga na semi da Taça Rio

Alvirrubro ganha por 1 a 0, passa o Vasco e assume a liderança do Grupo B. Time da Região dos Lagos se complica e depende de tropeço do Botafogo

Fonte – GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

Em Moça Bonita, o Bangu suou, mas conseguiu derrotar o Macaé por 1 a 0, na tarde deste sábado, pela sétima rodada da Taça Rio – segundo turno do Campeonato Carioca. O gol da vitória foi anotado pelo atacante Sergio Junior, que chegou ao seu terceiro na competição, e o Alvirrubro segurou a pressão no fim para garantir o resultado. Com o triunfo, o time chega aos 12 pontos, passa o Vasco e assume a liderança do Grupo B. Já a equipe da Região dos Lagos, que venceu os quatro primeiros jogos do returno, sofreu seu terceiro revés consecutivo e depende de dois tropeços do Botafogo para seguir com chances de avançar na Chave A.

O resultado também serviu para tirar o Bangu da zona de rebaixamento do estadual. Na classificação geral, o time também somou 12 pontos, alcançou o Madureira na pontuação e passou o Bonsucesso, com 11, que ainda entra em campo na rodada, neste domingo, contra o Boavista.

O time de Moça Bonita chega à última rodada na zona de classificação e depende só dele para ir às semifinais. O time visita o Resende no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Estádio do Trabalhador. Nos mesmos dia e horário, o Macaé recebe o Volta Redonda no Cláudio Moacyr.

Olaria e Duque de Caxias ficam no empate

Também na tarde deste sábado, o Olaria recebeu o Duque de Caxias na Rua Bariri, mas as duas equipes não saíram do zero no placar. O empate foi ruim para o Tricolor da Baixada, que somou oito pontos e ficou longe da vaga às semifinais da Taça Rio no Grupo B. Para se classificar, o time precisa vencer o Madureira em casa na última rodada, torcer por tropeços de Flu e Vasco, além de superar este último no saldo de gols. Sem chances de avançar na chave A, a equipe da Bariri foi a nove pontos e no último jogo cumpre tabela contra o Flu, no Raulino de Oliveira.

ICFUT–Parabeniza Bangu Atlético Clube pelos 107 anos!

Bangu

 

Confira abaixo um pouco sobre o Clube:

FUNDAÇÃO

17 DE ABRIL DE 1904 – O BANGU E SUA VIDA

A história do Bangu Atlético Clube começa realmente em fins do século XIX. Dentro da Fábrica Bangu, técnicos ingleses, recém chegados, falaram do futebol. Os filhos da terra ficaram empolgados com a narrativa dos bretões, sobre a nova modalidade desportiva. Das conversações, nasceu a idéia de fazer-se um "field". "Field" era como os ingleses denominavam o campo de futebol. Mas… e as bolas? Já havia uma trazida pelo técnico Thomas Donohoe, ou melhor, seu ‘Danau" (essa bola ao que tudo indica, foi a primeira bola de futebol da Cidade Maravilhosa).
Era da Inglaterra que vinha o equipamento industrial da Fábrica, dentro de enormes caixas de madeira. Alguém foi a Londres a serviço da Fábrica. Eis que um dia ao ser aberta, na Fábrica, uma dessas Caixas, encontrou-se bem camuflado, um pacote contendo uma bola de couro para a prática do futebol, novinha, com bomba e tudo para enchê-la e alguns pares de chuteiras.
Ao iniciar-se pois, o século XX, já se praticava o futebol em Bangu, em uma área cedida pela Companhia Progresso Industrial do Brasil e que seria, como foi, um campo provisório, localizado bem ao lado direito das salas de trabalho então existentes.
Em dezembro de 1903, retornando de um passeio que fizera a sua terra natal, a Inglaterra, o Sr. Thomas Donohoe trouxe mais duas bolas de futebol.
Sentindo o entusiasmo que despertava em todos, o novo jogo o Sr. Andrew Procter sugeriu a fundação de um "club". Após uma reunião preparatória, na qual tomaram parte os Srs. Andrew Procter, John Starck, José Villas Boas, Thomas Donohoe, Clarence Hibbs, Willian French, Willian Procter, Martinho Dumiense, José Medeiros, José Soares, Frederich Jacques e Thomas Hellowell, quando se decidiu, definitivamente, fundar-se o "club", dias após, precisamente a 17 de abril de 1904, na casa nº 12 da Rua Estevão (depois Rua Ferrer e hoje Av. Cônego Vasconcelos) foi, oficialmente, fundado o Bangu Atlético Clube, com a presença dos Srs. Andrew Procter, Clarence Hibbs, Frederich Jacques, John Starck, José Soares, Segundo Maffeu, Thomas Hellowell, William French, William Hellowell e William Procter.
Deixaram de constar na Ata de fundação os nomes dos Srs. Thomas Donohoe, José Villas Boas e James Hartley. Acreditamos, todavia, que os referidos senhores terão deixado de assiná-la por algum lapso ou porque motivo relevante os tenha impedido de comparecer a essa histórica reunião. Cremos que por justiça, deverão eles serem considerados como fundadores do Bangu Atlético Clube. Seus nomes figuram, aliás, como Vice-Presidente e Membros do Conselho Fiscal da Diretoria então eleita.

NOME

Theodoro Sampaio (Theodoro Fernandes Sampaio – Engenheiro, brasileiro contemporâneo. Talvez o mais notável conhecedor de assuntos indianistas no seu tempo, 1854/1937), autor de o "Tupí na Geografia Nacional" afirma que Bangu significa: Anteparo negro; paredão escuro ou escurecido, cheio de sombras ou sombreado.
O professor Ondemar F. Dias Junior, em resposta à carta de José Franco Mercadante, diz: "não nos parece a afirmação de um só autor", lembrando a necessidade de consultar o "Tupi na Geografia Nacional" de Theodoro Sampaio. Todavia, o nome "Bangu" já aparecia em 1740.
Há, no entanto, quem diga que a origem do nome BANGU é uma corruptela da palavra "BANGUÊ" que identifica em Engenho de fazer açúcar ou local onde se colocava o bagaço da cana, depois de moída e que seria usado como combustível para a alimentação do fogo nas fornalhas (Paschoal José Granado e José Franco Mercadantes).

ESCUDO

Bangu

Desde sua fundação o clube tem por meta se desenvolver em três setores: o social, o cultural e o esportivo. Tanto isso é verdade que no nosso escudo, as letras B, A, C não são simples desenhos, cada qual representa um objeto. O "B" significa um pincenê, espécie de monóculos muito usado no século XX, e que representa o lado "intelectual" do clube. O "A" é um suporte para pintura de telas, mostrando uma vocação para o lado cultural e o "C" representa uma ferradura, desejando sorte nas atividades esportivas. Foi pensando nisso que, o chefe da seção de gravura da Fábrica Bangu, o português José Villas Boas, em 1904, desenhou o escudo mais bonito do país.

CORES

uniforme

A razão de sua camisa vermelha e branca tem versões contraditórias. Uns atribuem sua escolha aos ingleses que trabalhavam na Fábrica Bangu, uma homenagem a São Jorge, padroeiro da Inglaterra. Outros, acham que as cores são as mesmas do Southampton F.C., time antigo da Inglaterra, cujo brasão é representado por três rosas (duas vermelhas e uma branca).

HINO

O Bangu tem também a sua história a sua glória,
enchendo seus fãs de alegria.
De lá, pra cá, surgiu Domingos da Guia.
     
Em Bangu se o clube vence há na certa um feriado. 
Comércio fechado, a torcida reunida até parece a do Fla-Flu,
Bangu…Bangu…Bangu.
     
O Bangu tem também como divisa na camisa,
O vermelho sangue a brilhar,
E faz cartaz, estouram foguetes no ar.

MASCOTE

castorzinho

Em 1981 muitos críticos esportivos diziam que faltava "peso na camisa" ao Bangu para enfrentar os grandes times do país. Talvez por isso, Castor de Andrade tenha colocado um adereço novo no uniforme alvirrubro. Se do lado esquerdo estava o distintivo desenhado em 1904 por José Villas Boas, do lado direito, agora, aparecia a mascote do time, justamente um castor, simbolizado por um simpático roedor preto, de cauda longa e empinada, em belíssima e eterna homenagem ao Grande Benemérito e futuro Patrono do clube.
Mais do que nunca – parodiando o Salmo 23, Versículo I, da Bíblia Sagrada – em Bangu "O Senhor é o meu Castor e nada nos faltará…"

TÍTULOS

Ano Título
2010 . Vice-Campeão da Copa Rio
2008 . Campeão Estadual da 2ª Divisão
2006 . Campeão do Torneio Seletivo
2005 . Vice-Campeão Carioca da 2ª Divisão
2004 . Campeão da Copa Verão
1999 . Campeão do Torneio de Inverno
1998 . Campeão do Torneio Quadrangular Internacional de El Salvador
. Campeão da Taça João Galindo
1997 . Campeão da Taça Estádio Guilherme da Silveira Filho 50 Anos
1993 . Vice-Campeão do Torneio Rio-São Paulo "B" (Taça Ricardo Teixeira)
1992 . Vice-Campeão da Taça Guanabara (Primeiro Turno do Campeonato Estadual)
1989 . Vice-Campeão do 1º Torneio Internacional de Kiev (União Soviética)
1988 . Campeão do Torneio Quadrangular de Volta Redonda
1987 . Campeão Invicto da Taça Rio (2º Turno do Campeonato Estadual)
1985 . Vice-Campeão Brasileiro da 1ª Divisão (Taça de Ouro)
. Vice-Campeão Carioca
1984 . Campeão da XIV President’s Cup da Coréia do Sul
1980 . Campeão do Torneio Comitê de Imprensa
1979 . Campeão do 2º Turno do Campeonato Estadual (Taça Orlando Leal Carneiro)
1977 . Campeão do Torneio Hilton Gósling
1976 . Campeão do Torneio da Integração (Taça Almirante Heleno de Barros Nunes)
1972 . Campeão do Torneio Romeu Dias Pinto
1968 . Campeão dos Campeões (Torneio Quadrangular disputado em Campinas)
1967 . Campeão dos Campeões (Torneio Quadrangular disputado em Belo Horizonte
. Vice-Campeão Carioca
1966 . Campeão Carioca de Futebol Profissional
1965 . Vice-Campeão Carioca
1964 . Campeão do Torneio Início (Federação Carioca de Futebol)
. Vice-Campeão Carioca
1962 . Campeão do Torneio Quadrangular de Belém do Pará
. Campeão do Torneio Quadrangular Internacional do Equador
1961 . Campeão do Torneio Quadrangular de Recife
. Campeão do Torneio Triangular Internacional da Áustria
1960 . Campeão do I Torneio Internacional de Nova York
1959 . Campeão do Torneio Quadrangular Internacional da Costa Rica
. Vice-Campeão Carioca
1958 . Campeão do Torneio Triangular Internacional de Luxemburgo
. Campeão do Torneio Quadrangular Internacional da Venezuela
1957 . Campeão do Torneio Triangular de Porto Alegre
. Campeão do Torneio Quadrangular do Rio de Janeiro
. Campeão do Torneio Triangular Internacional do Equador
1955 . Campeão do Torneio Início (Federação Metropolitana de Futebol)
1951 . Campeão do Torneio Início do Rio-São Paulo
. Vice-Campeão do Torneio Início (Federação Metropolitana de Futebol)
. Vice-Campeão Carioca
. Vice-Campeão do Torneio Municipal
1950 . Campeão do Torneio Início (Federação Metropolitana de Futebol)
1949 . Vice-Campeão do Torneio Início (Federação Metropolitana de Futebol)
1943 . Campeão do Torneio da Imprensa (Taça Manoel Vargas Netto)
1934 . Campeão do Torneio Início (Liga Carioca de Football) (Primeiro torneio disputado por equipes profissionais)
1933 . Campeão Carioca (Liga Carioca de Football) (Primeiro campeonato disputado por equipes profissionais)
1930 . Vice-Campeão do Torneio Início (Associação Metropolitana de Esportes Athléticos)
1916 . Vice-Campeão Carioca da 1ª Divisão (Liga Metropolitana de Sports Athléticos)
1914 . Campeão Carioca da 2ª Divisão (Liga Metropolitana de Sports Athléticos) – Taça Francis Walter
1911 . Campeão Carioca da 2ª Divisão (Liga Metropolitana de Sports Athléticos) – Taça Francis Walter
. Campeão da Taça João Ferrer
1907 . Campeão da Taça João Ferrer