Por Edgar – Real Madrid atropela Bayern e vai a final da liga após 12 anos

CR7 e Sergio Ramos 2 vezes cada garantem vitoria com autoridade e humilham atuais campeões.

Foi muito mais fácil do que se imaginava. Depois de ter vencido o atual campeão Bayern de Munique por 1 a 0 no duelo de ida, semana passada, na Espanha – pelas chances desperdiçadas poderia ter sido mais -, o Real Madrid abriu 3 a 0 logo no primeiro tempo da partida decisiva, acabou anotando 4 a 0 nesta terça-feira, na Alemanha, e se classificou para a grande final da Champions League depois de 12 anos de tentativas frustradas.

Por Edgar – Invicto no Bernabéu, Pep teme CR7, Benzema, Di María e Bale juntos

Técnico do Bayern de Munique, que nunca perdeu no estádio do Real, acredita que chave da vitória está na boa marcação do veloz quarteto dos donos da casa 

Pep Guardiola nunca perdeu no Santiago Bernabéu para o Real Madrid quando era treinador do Barcelona. O desejo do técnico é sair mais uma vez ileso do estádio, desta vez no comando do Bayern de Munique, que disputa nesta quarta-feira o primeiro jogo da semifinal contra os merengues, às 15h45 (de Brasília) –

Além de falar aos jornalistas em quatro línguas com perfeição – alemão, inglês, espanhol e catalão – mostrou bom humor e humildade. Com quase um ano de Bayern, Pep acredita que ainda tem muito com o que se adaptar à cultura e à língua alemã e, com isso, aumentar o nível de atuação de sua equipe.

guardiola bayern munique (Foto: Reuters)Guardiola jamais perdeu no Santiago Bernabéu (Foto: Reuters)
Apesar da marca impressionante de sete jogos – cinco vitórias e dois empates – sem ter sido derrotado pelo Real Madrid em seu estádio, Guardiola lembra que nunca foi fácil e faz questão de enaltecer a força dos merengues. Para o treinador do Bayern, não importa ano ou época: o Real sempre tem “algo de especial”. Atualmente, ele considera a velocidade de seu quarteto de ataque como a maior força dos madrilenhos.

– Não sei como fazem, mas eles sempre tem gente que corre muito. Agora é Benzema, Di María, Cristiano e Bale. Não é fácil se defender contra eles.

Será um duelo de grandes treinadores. Do outro lado, Ancelotti nunca perdeu para o Bayern de Munique quando treinava o Milan, em seis partidas. Guardiola está preparado para um duelo tático e diz que vem estudando o Real Madrid e suas possibilidades há um tempo. O catalão credita ao trabalho do italiano a grande fase vivida pelos merengues

– O Real evoluiu porque todo treinador precisa de tempo, e o Ancelotti está o tendo para fazer as mudanças. Serão um rival muito forte. Se não têm Ronaldo, têm o Isco, mudam as posições, mas a equipe continua tendo muita capacidade.

Bom retrospecto fica no passado

O treinador do clube bávaro também preferiu deixar para trás a invencibilidade no Santiago Bernabéu que construiu nos tempos de Barcelona, mantendo uma postura cautelosa para o jogo desta quarta-feira

– A estatística era com outro clube, em outro tempo e outra situação. Não tem nada a ver. Teremos que fazer um jogo muito bom para ganhar. Isso é necessário sempre diante do Real Madrid e ainda mais e uma semifinal – afirmou.

Retirado de http://globoesporte.globo.com/futebol/liga-dos-campeoes/noticia/2014/04/guardiola-afasta-favoritismo-por-seu-historico-no-bernabeu-outro-tempo.html

Por Edgar – Bale comanda Real Madrid que vence copa do Rei em cima do Barça

Sem CR7, Bale brilha, Real vence o Barça e é campeão da Copa do Rei

Há vida sem Cristiano Ronaldo no Real Madrid. Desfalcado do melhor do mundo, lesionado na coxa, os merengues venceram o Barcelona por 2 a 1 no estádio Mestalla, em Valência, e conquistaram a Copa do Rei pela 19ª vez. Bale atuou na função do português, não decepcionou e foi o destaque da partida, fazendo o gol do título após uma longa arrancada de cerca de 50 metros, do meio de campo até a quina da pequena área, aos 39 minutos do segundo tempo. Assim como Messi, o brasileiro Neymar teve uma noite discreta. Foi punido com cartão amarelo por uma discussão com Fábio Coentrão e Pepe, logo aos 14 de jogo, e apareceu com destaque novamente só quase no fim, ao acertar a trave aos 44 da etapa final.

Bale Barcelona x Real Madrid - Copa do Rei (Foto: AP)
Texto: Globoesporte.com

 

ICFUT – Zidane critica transferência recorde do Real: "ninguém vale 100 milhões"

Fonte: terra

Zidane disse que nem ele, no auge, valia 75 milhões de euros Foto: Getty ImagesZidane disse que nem ele, no auge, valia 75 milhões de euros

Ex-craque e hoje assistente técnico do Real Madrid, Zinedine Zidane criticou o alto valor da transferência do meia-atacante Gareth Bale, contratado na última semana pelo clube espanhol junto ao Tottenham, da Inglaterra, por aproximadamente 100 milhões de euros (R$ 310 mi). Em declarações à emissora francesa Canal +, ele se mostrou contrário ao mercado inflacionado do futebol mundial e às altas cifras envolvidas nas negociações.

“Dez anos atrás eu mesmo disse que não valia 75 milhões de euros”, disse Zidane, que custou 78 milhões de euros para o Real tirá-lo da Juventus, da Itália. “Hoje em dia continuo pensando da mesma forma, que nenhum jogador vale isso. Assim é o futebol, por desgraça. Não dá para entender, é incompreensível com tudo o que está acontecendo”, acrescentou, citando a crise financeira que assola a Europa – principalmente a Espanha.

O valor exato da compra de Bale vem causando divergência: o Tottenham mantém a versão de que fechou a negociação em 101 milhões de euros (a maior da história), enquanto o Real alega que pagou um valor menor: 91 milhões (5 milhões de euros a menos do que foi envolvido na compra de Cristiano Ronaldo, em 2009). Independentemente do dinheiro envolvido, Zidane elogiou o novo camisa 11 da equipe merengue.

“É um jogador que demonstrou durante os últimos três anos que é um dos melhores em atividade. Além disso pode melhorar, pois só tem 24 anos. Acredito que poderá agregar muito à equipe”, destacou Zidane, que reconhece a pressão que Bale enfrentará nos primeiros meses no Santiago Bernabéu.

“Ele está vindo ao melhor clube do mundo. Eu vivi isso durante três meses e foi muito complicado, cheguei até a perguntar se não era melhor ir embora. Mas depois você se concentra no que acontece dentro de campo e as coisas fluem com mais naturalidade. Meu papel será orientá-lo para que jogue como sabe e que não se pressione demais”, explicou.