Por Cleber Aguiar – Sobrinha de árbitros, bandeirinha Patricia Carla sonha com vaga na CBF

Fonte: O Estado de São Paulo

Patricia Carla, é bandeirinha, e os tios, Luiz Flávio e Paulo César, são árbitros

Patricia Carla, é bandeirinha, e os tios, Luiz Flávio e Paulo César, são árbitros

Na família Oliveira a incomum dinastia profissional foi passada de tios para sobrinha. É Patricia Carla, de 32 anos, que dá continuidade ao ofício de Luiz Flávio e Paulo César. Porém, a professora de educação física, moradora de Cruzeiro (SP), seguiu caminho um pouco diferente e em vez de ser árbitra, optou pelo cargo de bandeirinha.

Desde 2004 Patrícia está no quadro de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) e neste ano atuou em cinco partidas da primeira fase do Estadual, incluindo um jogo do Palmeiras e outro do Santos. “Foi totalmente por causa dos meus tios que entrei na arbitragem. Falo com os dois sempre sobre o nosso trabalho, para tirar dúvidas. Ainda treinamos juntos quando é possível”, contou.

O primeiro da família a seguir a carreira foi Paulo César, que pertence ao quadro da Fifa. A posição de prestígio lhe implica ter de viajar com frequência para apitar as partidas e assim, nem sempre consegue ver a sobrinha. O irmão mais novo dele é Luiz Flávio, que tenta seguir o mesmo caminho de sucesso.

Com dois bons exemplos entre os Oliveira, a família já estava satisfeita com os dois irmãos. Mas há dez anos a mesma paixão pelo futebol foi despertada em Patrícia. A carreira dela começou acidentalmente. “Estava como mesária em um campeonato no interior de Minas Gerais. Mas como faltou um assistente, trabalhei como bandeirinha e gostei”, afirmou.

Agora a ocupação se torna cada vez mais séria, assim como os treinos. O foco é se preparar fisicamente para realizar o sonho de atuar em jogos do Campeonato Brasileiro. A realização será ainda maior se conseguir trabalhar ao lado de um dos tios, coincidência capaz de deixar a família orgulhosa e preocupada.

“Minha avó sofre bastante ao ver a gente trabalhando. Meu pai (irmão de Paulo Cesar e Luiz Flávia) só foi ao estádio uma vez para me ver em um jogo. Era na Copinha e ele não aguentou os xingamentos da torcida”, brincou Patrícia.

ICFUT – Site que monitora erros aponta o Corinthians como a maior vítima do apito no Brasileirão

Fonte: uol

Tite e elenco do Corinthians deixaram a Vila Belmiro revoltados com a arbitragem na derrota contra o Santos, 3 a 2, no domingo. O gol de André foi validado mesmo havendo três impedimentos na jogada do gol. Criado para monitorar falhas dos juízes, o site “Placar Real” fez um levantamento em que o time do Parque São Jorge é disparado o clube mais prejudicado pelo apito no Brasileirão.

A página eletrônica desenvolveu um sistema de pontuação de como seria o torneio sem os erros de arbitragens.

Nesta hipotética classificação, o Corinthians subiria sete posições em relação à pontuação original e estaria na 3ª posição. A equipe paulista teria 30 pontos, um a mais que o 4º colocado, o Grêmio.

CLASSIFICAÇÃO DO BRASILEIRO E TABELA FEITA PELO SITE PLACAR REAL

A classificação funciona da seguinte maneira: se o juiz, por exemplo, não validou um gol legal, é acrescido o gol no resultado final da partida.

SITE APONTOU VASCO COMO O CAMPEÃO BRASILEIRO DE 2011 SEM ERROS DO APITO

O site Placar Real entendeu que o Vasco deveria ter sido o campeão brasileiro do ano passado caso seu critério fosse o utilizado. O Corinthians foi o campeão original em 2011, mas seria o vice na contagem do site.
Uma taça foi entregue pelos criadores da página na internet ao presidente do Vasco, Roberto Dinamite, que guardou o presente na sala de troféus do clube

“Fizemos uma lista com 58 critérios de correções. Alguns critérios alteram o resultado do placar, outros não. Não usamos nossa opinião para decidir lances polêmicos. Coletamos a avaliação de comentaristas esportivos para apontar se houve de fato interferência no resultado”, diz Daniel Freire, um dos criadores do site.

"No ano passado o Felipão citou o nosso site na imprensa para provar que a arbitragem prejudicou bastante o Palmeiras", completou.

O site também criou um “prejudicômetro”, em que são medidos os graus de erros afetando cada clube. Nessa lista, o Corinthians tem 7 pontos, seguido pelo Coritiba, o segundo mais prejudicado na avaliação do site, com 3 pontos.

O Vasco é o time mais favorecido pela arbitragem, entende o site. Em uma competição de arbitragens perfeitas, o clube carioca teria 8 pontos a menos em relação à competição atual, caindo da 3ª para a 8ª posição.

Por Cleber Aguiar – Gutemberg mostra internet como prova

Fonte: Folha de São Paulo

ARBITRAGEM
Ex-juiz, que acusa a CBF, exibe apenas notícias antigas, e públicas, para embasar acusações

LEONARDO LOURENÇO
DE SÃO PAULO

Pivô da mais recente polêmica envolvendo a arbitragem brasileira, o ex-árbitro Gutemberg de Paula Fonseca conta com um dossiê formado basicamente por material recolhido da internet para sustentar as acusações feitas por ele contra a Comissão de Arbitragem da CBF.

Em contato com a Folha por telefone, Gutemberg se recusou a enviar os documentos que diz serem suficientes para incriminar o presidente da comissão, Sérgio Corrêa, a quem acusa de ser corrupto e de pressioná-lo antes de um jogo do Corinthians no Campeonato Brasileiro-2010.

O ex-árbitro permitiu que um fotógrafo da Folha fosse a seu escritório para fotografar os documentos reunidos em dossiê, que, segundo ele, tem mais de 1.000 páginas.

E o que se viu foi uma compilação de reproduções de reportagens publicadas em sites sobre casos que envolveram Corrêa e outro membro da comissão de arbitragem.

Todos eles amplamente divulgados à época e que foram arquivados por Ministério Público ou STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

“Eu mostrei o dossiê todo, mas tem certos documentos que eu não podia abrir porque estão sob segredo de justiça”, declarou Gutemberg.

“Eles [os acusados] não sabem a quantidade de coisas que eu tenho, e eles esperam que eu comece a botar para fora. Gostaria de colocar tudo isso na mesa e mostrar para a opinião pública”, disse.

Gutemberg diz que não tornou as provas públicas para que os acusados não se articulem para descaracterizar o material que ele diz ter.

Ele afirma que só irá mostrar os documentos quando forem solicitados pela Justiça ou pela Fifa, que pretende acompanhar o caso.

Entre os papeis que Gutemberg mostrou à Folha estão reportagens sobre denúncias feitas a partir de 2007, ano

em que Corrêa assumiu a Arbitragem da CBF.

Uma delas, retirada de um clipping com notícias de jornais preparado pelo Ministério Público de Pernambuco, é sobre a denúncia feita em 2007 pelo ex-presidente do Santa Cruz, Edson Nogueira, de um suposto esquema de manipulação na Série B.

O caso envolveria Paulo Jorge Alves, então membro da comissão de arbitragem.

Outra, retirada do site do “Zero Hora”, é sobre a acusação feita pelo chefe de arbitragem da federação do Rio, Jorge Rabello, de que Corrêa teria oferecido dinheiro para que juízes aceitassem ser excluídos do quadro da Fifa.

Ambas terminaram sem punições, tanto na Justiça comum como na desportiva.

Alves é um dos alvos de Gutemberg. Em 2007, o ex-juiz acusou o árbitro Pablo Alves, filho do dirigente, de reunir dados que demonstravam que Gutemberg tinha dívidas pendentes e entregá-los a um jornal na tentativa de prejudicar o colega, que ainda não portava o brasão da Fifa.

Segundo as regras da comissão, um juiz só entra na escala se não tiver débitos. O caso também foi arquivado.

Segundo Gutemberg, foi nessa época que ele passou a ser perseguido. “Eu buscava uma vaga da Fifa, e o Pablo era concorrente”, disse. “Mais cedo ou mais tarde a verdade vai aparecer.”

Por Cleber Aguiar – Arbitragem na mídia um péssimo sinal.

Fonte: O Estado de São Paulo

Arbitragem sob os holofotes. Um péssimo sinal

Atuação polêmica dos árbitros volta a motivar reclamações de vários clubes na reta final da competição

Nathalia Garcia – O Estado de S.Paulo

Se a frase “arbitragem boa é arbitragem discreta” estiver correta, a 30.ª rodada do Campeonato Brasileiro foi desastrosa para os comandantes do jogo. Isso porque mais uma vez os árbitros foram protagonistas em várias partidas. Os dois casos que mais chamaram a atenção ocorreram em Campinas e Porto Alegre, onde jogadores, dirigentes e integrantes da comissão técnica de Cruzeiro e Corinthians não economizaram nas reclamações sobre a atuação dos juízes.

Em Campinas, o descontentamento atingiu os corintianos, que não saíram do 0 a 0 com o Guarani. No primeiro tempo, o auxiliar Ednilson Corona marcou irregularidade em dois gols de Ronaldo. O atacante aproveitou para cutucar o juiz Sálvio Spínola. “A arbitragem foi péssima, ele (Spínola) estava perdido”, afirmou o Fenômeno. “Já fomos prejudicados no jogo contra o Vasco (gol impedido) e hoje novamente”, lembrou o presidente Andrés Sanchez.

Ainda na liderança, o time mineiro foi severo com o desempenho do árbitro Paulo César Oliveira na derrota por 2 a 1 para o Grêmio. A principal reclamação do técnico Cuca foi o gol anulado de Wellington Paulista enquanto a partida ainda estava empatada. “Em um jogo igual, 1 a 1, e equilibrado, quem fizer o segundo vai ganhar. Nós fizemos o segundo, e na minha frente. Ele (o auxiliar) tem a linha da área para olhar. Deu para ver que não estava impedido. Erros capitais. Principalmente o gol mal anulado decretou a derrota do Cruzeiro”, lamentou o treinador.

Mais revolta. A indignação com a arbitragem também atinge outras equipes neste Brasileiro. Palmeiras, São Paulo e Botafogo estão na lista dos prejudicados em rodadas anteriores.

A equipe alviverde criticou duramente a atuação de Márcio Chagas da Silva no empate por 1 a 1 com o Fluminense, pela 18.ª rodada. Felipão classificou como “absurda” a omissão do juiz que, no Maracanã, não mostrou cartões aos jogadores do time carioca depois de faltas em Valdivia e Kleber.

O São Paulo amargou a derrota por 4 a 2 para o Grêmio, no Olímpico, pela 26.ª rodada. Os jogadores são-paulinos não aceitaram a marcação de um pênalti favorável à equipe gaúcha quando a partida estava empatada por 2 a 2, e apontaram o árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro como o principal responsável pelo revés.

Na mesma rodada, o Botafogo teve um gol legítimo anulado, marcado pelo atacante Herrera, no empate por 1 a 1 diante do Corinthians, no Pacaembu. Neste caso, o erro não saiu impune. A Comissão de Arbitragem da CBF decidiu afastar o auxiliar Erich Bandeira, de Pernambuco, por 20 dias para reciclagem.

CRÍTICA ÁCIDA

RONALDO
Atacante do Corinthians

“A arbitragem (da partida contra o Guarani) foi péssima, ele (Sálvio Spínola) estava perdido”