ICFUT – Entenda o que oito clubes pretendem ao visitar Bolsonaro em apoio à MP que muda regras para direitos de transmissão

Fonte: Globo.com

Entenda o que oito clubes pretendem ao visitar Bolsonaro em apoio à MP que muda regras para direitos de transmissão

Dirigentes de oito clubes estiveram em Brasília nesta terça-feira para encontrar o presidente Jair Bolsonaro. Em pauta, a MP 984/2020. Na verdade, muito mais. O movimento alcança os direitos de transmissão do futebol e até a legislação sobre a televisão fechada.

O bloco é formado pelo octeto que assinou contratos com a Turner na última renegociação pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro. Na época, tratava-se do Esporte Interativo. A emissora brasileira foi comprada na sequência pela gigante americana.

Athletico-PR
Bahia
Ceará
Coritiba
Fortaleza
Internacional
Palmeiras
Santos

Para entender o que eles queriam de Bolsonaro, é preciso contextualizar separadamente dois assuntos complexos. Um, os direitos de transmissão do futebol. Outro, a lei sobre a televisão fechada.
Direitos de transmissão
A jogada vem sendo ensaiada por esses dirigentes desde a publicação da MP 984 por parte de Jair Bolsonaro. Liderado por cartolas como Guilherme Bellintani (Bahia), Mario Celso Petraglia (Athletico-PR) e Maurício Galiotte (Palmeiras), este grupo está preocupado com os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro já em 2020.
A Turner não vinha tendo resultados satisfatórios com o negócio montado em 2016. A emissora comprou as partidas desses oito clubes e pode transmitir apenas o confronto entre eles – Bahia x Palmeiras, Palmeiras x Bahia, Palmeiras x Santos, assim sucessivamente.

A pandemia piorou o que já não ia bem. E os clubes, desde abril, entraram numa difícil renegociação com a emissora. Por parte da Turner, há reclamações sobre cláusulas não cumpridas pelos dirigentes. Por parte do octeto, cobranças para receber o dinheiro no meio da crise.

No mercado, todos aguardam pelo rompimento dos contratos. Isto deixaria os clubes em posição de fragilidade comercial. Uma vez que todos os outros adversários no Brasileirão negociaram seus direitos com a Globo, restaria a eles acertar com a emissora ou buscar um concorrente que se interessasse pelo pacote de 56 partidas entre eles.

A mudança proposta pela MP 984 muda as regras. Os clubes não mais precisariam da anuência de visitantes para vender seus direitos; eles poderiam comercializá-los apenas enquanto mandantes. Na prática, o pacote de jogos aumenta em quantidade para 152 e passa a ter partidas de alto valor comercial, como aquelas em que o visitante é o Flamengo.

A visita a Bolsonaro trata disso: demonstrar apoio ao conteúdo da MP 984 e abrir concorrência para valorizar os direitos que ainda pertencem à Turner, mas em breve poderão estar livres no mercado.

Lei da televisão fechada

Neste caso, a questão envolve interesses e quantias ainda maiores do que o futebol brasileiro. No contexto, está a gigante de telecomunicações americana AT&T. Ela comanda um conglomerado de empresas de mídia que inclui Warner, HBO e Turner, entre outros.

O problema para os envolvidos no Brasil é a legislação que rege a televisão fechada. A Lei 12.485/2011 proíbe que a produtora de conteúdo para a plataforma seja também proprietária de uma distribuidora de sinal. Em termos práticos, significa que a Turner não pode produzir conteúdo e ao mesmo tempo ser sócia da Sky, a emissora.

A Turner vem tentando mudar a legislação para que a proibição acabe. O argumento da empresa americana ao poder público brasileiro é que, com o crescimento de sua operação, ela fará mais investimentos em conteúdo, empregará mais gente. A questão hoje está emperrada no Senado por causa da pandemia – e da morosidade habitual, claro.

O que o futebol tem a ver?

O octeto que ainda mantém contratos com a Turner foi até Bolsonaro para pressionar na busca por solução. Se a empresa afirma que precisa da mudança na legislação para investir no Brasil, por que ela fala em romper contratos pelos direitos de transmissão do futebol?

No fim das contas, pode ser que a mudança na lei realmente aconteça em tempo e coloque a companhia americana em nova posição para arcar com seus compromissos perante os clubes. No mínimo, dirigentes aproveitaram a reunião com o presidente para cobrar do governo federal celeridade na resolução deste emaranhado de problemas.

@rodrigocapelo

ICFUT – 100 GOLS INCRÍVEIS DA HISTÓRIA DO FUTEBOL BRASILEIRO

 

 

Alguns dos gols mais bonitos da história do Futebol Nacional

DIBRADA CAST #36 – BREVE HISTÓRIA DOS ESTÁDIOS | PARTE 2

Alô alô Dibradores! Está no ar o podcast mais ouvido nos estádios do Brasil. Dibrada Cast #36. Novamente Caiçara, Aguiar e OitoMeia vieram para falar dos estádios no nosso Brasil varonil. Dessa vez pegaram os estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo para contar as histórias e as experiencias vividas nos templos sagrados do nosso futebol. Não perca tempo e dê o play, antes que seu time volte a jogar em casa. Link: https://bit.ly/30IJzz2 Trilha sonora: Elvis Presley – A Little Less Conversation Demonios da garoa – Trem das 11

DIBRADA CAST #35 – BREVE HISTÓRIA DOS ESTÁDIOS

Alô alô Dibradores! Está no ar o podcast mais lembrado nos estádios do Brasil. Dibrada Cast #35. Nesse episódio Caiçara, Aguiar e OitoMeia vão contar um pouco da história de alguns dos principais estádios do Brasil. Curiosidades, nomes engraçados, e muito mais. Não perca tempo e dê o play, antes que seu time venda a sua casa. Link: https://bit.ly/2MiuDzq Trilha sonora: Elvis Presley – A Little Less Conversation Gabriel o Pensador – Rap das torcidas

DIBRADA CAST #34 – QUARENTENA, GRIPEZINHA E TRETAS

Alô alô Dibradores, Está no ar a sua salvação dessa quarentena. Dibrada Cast #34, o podcast mais tretoso de todos, o único com a participação do Anjo Caído. Nesse episódio Caiçara, Aguiar e OitoMeia falaram sobre como está sendo a quarentena, também discutiram sobre as últimas tretas. Além é claro daquele contato maroto com o outro lado com o AC. Link: Trilha sonora: Elvis Presley – A Little Less Conversation Jorge Ben e Mano Brown – Umbabarauma Acesse: http://www.dibrada.com.br

ICFUT – TORCIDAS ORGANIZADAS DE CORINTHIANS, SANTOS, PALMEIRAS & SÃO PAULO FAZEM MANIFESTO CONTRA O GOVERNO.

A Gaviões da Fiel e outras torcidas organizadas de São Paulo fazem neste domingo, 31, um protesto antifascismo e pela democracia na Avenida Paulista. A manifestação foi organizada em repúdio aos atos que vêm sendo realizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. O movimento foi convocado por coletivos antifascistas da torcida do Corinthians e lideranças da Gaviões da Fiel, mas também reúne outros grupos, como do Palmeiras e do Santos. “Ditadura nunca mais!” e “Democracia” são alguns dos gritos dos manifestantes, de acordo com vídeos compartilhados nas redes sociais. As imagens são dos Jornalistas Livres. | Estamos construindo um jornalismo financiado exclusivamente pelo povo. Faça parte desta evolução: https://apoia.se/independentejor

ICFUT – Todos os times que disputarão o Brasileirão Série A, B, C e D em 2020

Nesse vídeo você irá conhecer todos os 128 times que disputarão as Séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro, no ano de 2020!

  • Mudanças na Série D! No lugar do Red Bull (que sai por causa da parceria com o Bragantino) entrou o Mirassol! E houve uma outra mudança, o Baré não irá disputar nada em 2020, fechou o departamento de futebol, entrou no lugar o Atlético de Roraima Essas alterações ocorreram depois que saiu o vídeo, mas fica a correção!

ICFUT: Corte de salários durante a pandemia já atinge 16 clubes da Série A; veja medidas de cada um

Fonte: Globo Esporte

Por GloboEsporte.com — São Paulo

O corte de salários durante a pandemia de coronavírus já chegou a 16 dos 20 clubes que integram a Série A do Campeonato Brasileiro em 2020. As diminuições variam de 15% a 50% (veja na lista abaixo a situação de cada um deles).

Em levantamento feito pelo GloboEsporte.com, Atlético-MG, Bahia, Ceará, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport e Vasco tomaram medidas para enxugar os gastos.

O Cruzeiro, rebaixado para a Série B no ano passado e em grave crise financeira, também optou pela redução de 25% dos salários dos jogadores e funcionários, após o retorno das férias (termina nesta quinta).

A lista pode aumentar nos próximos dias com o Atlético-GO e Botafogo. Ambos se comprometeram a pagar integralmente os vencimentos até abril, mas cogitam reduções a partir de maio por conta da diminuição na arrecadação.

O único clube que anunciou que não fará cortes nos salários é o Bragantino, amparado pela parceria com a Red Bull. Para minimizar o impacto da paralisação do futebol, o clube optou por diminuir investimentos em outros setores, como a contratação de jogadores. Só em 2020, a equipe do interior de São Paulo injetou R$ 84 milhões em reforços.

O Athletico ainda não se manifestou sobre o assunto.

Milionários também cortam

Flamengo e Palmeiras não conseguiram escapar da dificuldade financeira em meio à pandemia. Com grandes investimentos no futebol nos últimos anos, os clubes já anunciaram os cortes. O Rubro-Negro iniciou as demissões de funcionários das categorias de base nesta quinta-feira e ainda não comunicou se mexerá nos salários dos jogadores.

Verdão reduziu 25% dos salários dos atletas, da comissão técnica e dos dirigentes do departamento de futebol. Os demais funcionários farão parte de outro acordo, ainda a ser elaborado pela diretoria.

Jogadores negociam

O Santos teve problemas para colocar em prática o plano de contenção de gastos. O elenco recusou a oferta de diminuir os vencimentos em 50% e entendeu que 30% é o valor ideal para reduzir. A discussão, porém, ainda não teve fim. Jogadores e diretoria discutem a forma como a diferença salarial será paga após a pandemia.

No São Paulo, a proposta de cortar 50% dos salários e suspender o pagamento do direito de imagem desagradou o grupo. Mesmo assim, o clube optou por efetuar a redução, abrindo brecha para uma disputa jurídica no futuro.

O clube garante um pagamento mínimo mensal de R$ 50 mil (jogadores que recebem abaixo disso, obviamente, não tiveram redução) como piso e promete reembolsar todos os descontos no período em seis parcelas iguais a partir do momento em que a situação estiver normalizada. Comissão técnica e dirigentes também entraram nos cortes.

– Essa conversa foi bem aceita pelos atletas, depois eles conversaram entre eles. Como falei, não existiu um acordo formal, um de acordo, existem muitas dúvidas entre eles. É difícil conversar não estando pessoalmente com o grupo todo. Conversamos com lideranças e depois teve conversa entre eles. Mas desde do que aconteceu diretamente conosco não teve nenhuma manifestação, pelo contrário, os jogadores que estão se alternando no treinamento e na comunicação, no contato que a gente teve é todo mundo entendendo a situação – afirmou Raí, diretor-executivo de futebol do São Paulo, ao GloboEsporte.com.

A Medida Provisória 936 apresentada no início de abril pelo governo federal autoriza os empregadores a reduzir salários e jornadas de trabalho por até 90 dias ou suspender contratos de trabalho por até 60 dias, com direito a estabilidade temporária do empregado e recebimento de benefício emergencial.

A redução de jornada e salário pode ser de 25%, 50% ou 75% por acordo individual e até de 100% para acordo coletivo.

Veja abaixo a situação de cada time da Série A:

Athletico

O Furação não informa se estuda algum tipo de medida semelhante. Até agora, o clube não se movimentou neste sentido.

Atlético-GO

O Dragão teve conversas preliminares, mas ainda não concluiu a negociação. Segundo o clube, o elenco saiu de férias até o fim de abril ainda sem sofrer qualquer redução salarial. A diretoria aguarda o retorno dos atletas para finalizar o acerto. A redução deve variar de 30% a 50% e vai durar até a retomada dos jogos.

Atlético-MG

Em 29 de março, o Galo informou via nota oficial que cortaria em até 25% os salários dos colaboradores, isso em uma escala pré-definida. Quanto maior o salário, maior o corte. Até o momento, a redução não incide nos direitos de imagem dos jogadores e comissão técnica. Não há prazo para a duração.

Bahia

O Tricolor reduziu em 25% os salários de jogadores, comissão técnica e diretoria. A medida foi anunciada esta semana pelo presidente do clube, Guilherme Bellintani. Os salários só voltarão a ser pagos normalmente quando os jogadores retornarem. Além da redução dos salários de jogadores, comissão e diretoria, o presidente anunciou que o próprio salário será suspenso enquanto durar a pandemia. Ele só volta a receber após a retomada do futebol.

Botafogo

O Alvinegro é um dos clubes brasileiros que optaran por não cortar salários ainda e vai pagar integralmente os vencimentos de março e abril. Terminadas as férias nesta quinta-feira, os dirigentes vão se reunir para analisar novamente essa situação. A partir de agora, a tendência é que cheguem a um acordo com os atletas para uma redução. Recentemente, o meia japonês Keisuke Honda usou seu Twitter para se manifestar a favor da diminuição dos salários.

Bragantino

O Bragantino optou por manter os salários integrais de jogadores e funcionários durante a paralisação. Prevendo queda na receita, o clube preferiu reduzir custos de outros setores. Um deles, segundo Thiago Scuro, é a contratação de atletas. No início do ano, a equipe investiu mais de R$ 80 milhões em reforços. Para o Brasileirão, o clube deve colocar o pé no freio ao buscar novos jogadores.

ICFUT – Ministério da Saúde se diz favorável ao retorno do futebol, mas avisa sobre “saturação” de testes rápidos

 

Fonte: Globoesporte.com

Por Raphael Zarko 

Órgão do Governo Federal diz que “futebol é atividade esportiva relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social”

Em resposta ao protocolo médico nacional da CBF, o Ministério da Saúde se disse favorável à retomada do futebol. No documento, uma minuta de parecer, que já chegou à CBF e a diversos clubes, o órgão do Governo Federal faz diversas ressalvas sobre o “Guia para Retomada Progressiva” do futebol, elaborado por médicos de clubes e da entidade nacional do futebol, mas conclui que “o futebol é uma atividade esportiva relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social através da teletransmissão dos jogos para domicílio”.

A principal questão apontada pelo Ministério diz respeito à falta de testes rápidos frente à necessidade de atender à população. No documento, o Ministério da Saúde sugere que a CBF “garanta a realização dos testes e avaliações constantes não apenas nos atletas, mas também que seja ofertado aos membros das comissões técnicas, funcionários e colaboradores, assim como respectivos familiares e contactantes próximos”.

No entanto, faz ressalva importante:


“Cabe ressaltar que no momento, a disponibilização de testes rápidos no sistema de saúde encontra-se saturada diante das necessidades da população brasileira… Diante da afirmação acima, na proposta apresentada, não fica evidenciado onde serão realizados os testes, periodicidade e critérios de retestagem, e como serão assistidos caso o diagnóstico dos atletas seja positivo.”
Ainda assim, o Ministério da Saúde se diz favorável, pois “reconhece que o futebol é uma atividade esportiva relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social”.

O GloboEsporte.com informou mais cedo, nesta quinta-feira, que a CBF enviou ao Ministério da Saúde o protocolo – de acordo com o texto do Governo Federal, “através de canais não oficiais”.

Em outro trecho, o Ministério da Saúde ressalta “a importância de apresentação de um Plano estratégico detalhado, pactuado entre os diversos setores… para o retorno das atividades futebolísticas sem a presença de público externo e planos de ação locais contendo a descrição das medidas de saúde, segurança e higiene, periodicidade de execução e responsáveis, que devem ser apresentados e validades pela autoridade de saúde local”.

Isto é, a autorização sobre o início das atividades de treinamento nas localidades deve ser do Secretário Municipal, “pois o Ministério da Saúde não irá contrapor uma decisão de gestor local que é quem está vivenciando o problema”.


Sugestão de “discussão mais aprofundada”


Em outra parte do documento, novas ressalvas do Ministério da Saúde. Há referência ao momento mais crítico e com necessidade de medidas específicas, do treino coletivo, por isso “sugere discussão mais aprofundada sobre as ações previstas nestas fases para que haja consenso em relação aos procedimentos de saúde e segurança essenciais em cada uma delas.”

Por fim, entre as recomendações, o Governo Federal pede ajustes para a retomada segura e adequada “considerando as diferenças epidemiológicas loco-regionais.”

ICFUT – Felipe Melo alfineta Santos para defender futebol do Palmeiras

Fonte: Terra.com.br

Lorenzo Meyer

O Palmeiras, de Luiz Felipe Scolari, tem como estilo um futebol vertical, com poucos passes, mesmo com tamanha qualidade técnica de seus jogadores. Quando questionado sobre as críticas refentes ao modo de jogo do Verdão, Felipe Melo citou o Santos para defender sua equipe.

“São várias formas de jogar futebol, cada treinador tem uma. Jogamos contra o atual líder do Campeonato Brasileiro, que tem posse de bola, e o jogo foi 4 a 0 para o Palmeiras. Muito se fala, é bonito ver o Santos jogar, muito bonito. Já saiu de três competições. Enquanto o Palmeiras ou Flamengo, equipes que estão em outra competições viajando para jogar, o Santos está descansando, com tempo para trabalhar”, disse.

“Quando é um clube gigante como é o Santos, com uma comissão técnica importante, com grandes jogadores, se você tem tempo para trabalhar ajuda bastante. Cada um tem uma maneira de jogar, não vejo crítica. O Liverpool jogou contra o Barcelona, que toca muito a bola, e o Liverpool passou e foi campeão da Champions League. Essa é a nossa forma de jogar, um time que muito verticaliza”, completou.

O meio-campista do Palmeiras ainda foi abordado sobre as recentes contratações do futebol brasileiro, especialmente a de Daniel Alves pelo São Paulo. Ao discorrer sobre o assunto, Felipe Melo ressaltou que as chegadas de treinadores estrangeiros são positivas, mas é preciso valorizar o que surge dentro país.

“É bom, estão vindo jogadores de renome. Os clubes estão se fortificando. Torna o campeonato ainda mais difícil de ser vencido. Isso faz com que os estádios encham, a rivalidade dos clássicos afloram ainda mais. É importante grandes treinadores virem para o nosso futebol. Mas eu creio que temos de saber valorizar o nosso produto. É muito fácil valorizar o produto de fora”, analisou.

“Temos profissionais competentes. Falo de treinador e jogador também. Um jogador vem de fora e faz uma coisa ou outra e “nossa, é ídolo”. E a gente vem grandes jogadores que vêm da base, que não tiveram oportunidade de ir para a Europa e fazem melhor do que os gringos. Temos de valorizar nosso produto, o brasileiro. Mas é importante, os treinadores de Santos e Flamengo, que dirigiram grandes clubes e seleções, fazem com que nosso campeonato fique mais rico”, finalizou.