ICFUT – Tiago Nunes não é mais técnico do Corinthians

Fonte: Globo.com

Por Ana Canhedo, André Hernan, Marcelo Braga e Victor Pozella

Treinador foi informado do desligamento nesta sexta-feira; Dyego Coelho assume

O Corinthians demitiu o técnico Tiago Nunes um dia depois da derrota para o Palmeiras, na Neo Química Arena, em Itaquera.

O treinador foi informado de seu desligamento no início da manhã desta sexta-feira, comandou um treino para os reservas na sequência, e uma reunião à tarde sacramentou a decisão da diretoria em desligá-lo de suas funções.

Tiago Nunes estava balançando no cargo há algumas semanas. A derrota no Dérbi foi, portanto, a gota d’água para a diretoria. O presidente Andrés Sanchez chegou a dizer que a pressão para demiti-lo estava “insuportável”.

Nos últimos quatro jogos, o Corinthians conquistou apenas uma vitória e um empate. Foram duas derrotas. O aproveitamento no Brasileirão é de pouco mais de 40%.

Dyego Coelho é quem comandará a equipe na partida deste domingo, contra o Fluminense, no Maracanã, pela décima rodada do Campeonato Brasileiro.

Confira nota oficial divulgada pelo Corinthians:

“A diretoria de futebol do Corinthians comunica o desligamento do técnico Tiago Nunes. Ele assumiu a equipe no início de 2020 e foi vice-campeão Paulista. Em 28 jogos sob seu comando, o Alvinegro venceu 10, empatou 10 e teve oito derrotas.
O Corinthians agradece o profissional pelos serviços prestados desde janeiro, e deseja sucesso na sequência de sua carreira.

Para o jogo contra o Fluminense – domingo (13), às 16h, no Maracanã –, Dyego Coelho, treinador do sub-20, assume a equipe interinamente.”

ICFUT – Palmeiras bate Corinthians nos pênaltis conquista o Paulista

Fonte: Portal Terra

Ciro Campos

No Allianz Parque, times empatam por 1 a 1, mas equipe alviverde faz 4 a 3 nas cobranças e garante a taça

Ser campeão, superar o maior rival no retrospecto em decisões estaduais e ainda impedir o tetracampeonato histórico do adversário. O Palmeiras conquistou tudo isso neste sábado, ao bater o Corinthians nos pênaltis, no Allianz Parque, por 4 a 3 depois de um empate por 1 a 1 no tempo normal. Após sair na frente com Luiz Adriano e levar o empate com Jô no último lance, o clube volta a conquistar a taça estadual pela primeira vez em 12 anos.
O sábado alegre do Palmeiras quase foi estragado por um pênalti cometido por Gómez aos 51 minutos do segundo tempo no próprio corintiano Jô. Ainda assim, o time controlou o nervosismo e levou a melhor sobre o rival graças a Weverton, que defendeu as cobranças de Michel Macedo e Cantillo. O gol decisivo foi marcado pela principal revelação deste Estadual. Aos 20 anos, o volante Patrick de Paula deixou o dele e sacramentou a conquista.
Tricampeão nas últimas temporadas, o Corinthians sonhava com um tetra inédito na era profissional do futebol paulista. No entanto, viu o rival jogar melhor e ainda voltar a ficar na frente no retrospecto. Em sete finais estaduais com confronto direto entre os clubes em 103 anos de história, o Palmeiras agora tem vantagem: 4 a 3.

A conquista tem um peso especial para o técnico Vanderlei Luxemburgo. O treinador é o único a ter conduzido o Palmeiras a vencer o Estadual desde que Oswaldo Brandão foi campeão em 1976. O atual comandante conquistou em 1993, 1994, 1996 e em 2008. Nesse último ano, a comemoração foi ainda no antigo Palestra Itália. Agora foi a vez de o Palmeiras poder festejar pela primeira vez um título paulista dentro da nova arena.
O Allianz Parque ganhou uma decoração especial para o jogo. A torcida espalhou bandeiras, mosaicos e imagens de antigos ídolos do clube, enquanto que no vestiário justamente a aparência causou um problema. O Corinthians não gostou de ter visto as paredes e armários com imagens de títulos do rival e improvisou uma reforma. Membros da comissão técnica colaram por cima papéis em branco e preto e bandeiras para mudar o visua do local.

Depois de um empate sem gols de poucas emoções no jogo de ida, na quarta-feira, os rivais estavam mais dispostos a procurar o ataque no Allianz Parque. Os times conseguiram se movimentar mais e apostar principalmente no setor esquerdo. Inclusive, foi por essa região do campo que o palmeirense Zé Rafael encontrou Willian, que aos seis minutos obrigou Cássio a fazer uma defesa espetacular.

Apesar da disposição dos times para atacar, o primeiro tempo da final não teve uma grande lista de melhores momentos. Os times rondavam a área sem ter alguém mais capacidade para encontrar uma assistência precisa e de qualidade. Embora os volantes ajudassem o ataque e os laterais dessem espaço, parecia existir um medo em ousar mais e dar espaço para algum contra-ataque.

O Corinthians conseguiu assustar o Palmeiras algumas vezes. A principal delas foi um gol anulado de Jô aos 27 minutos da primeira etapa e mais alguns chutes de Ramiro e Mateus Vital. Mas foi só. A insatisfação com as atuações ficou evidente quando os dois treinadores fizeram três alterações voltadas a dar mais velocidade aos times. Quem conseguiu mais resultado com a mudança foi o Palmeiras.
Após a final passar um jogo inteiro e mais o primeiro tempo todo sem ter gols, finalmente o placar saiu do zero. O Palmeiras saiu na frente graças à visão do lateral Viña. O uruguaio cruzou com perfeição para Luiz Adriano subir e de cabeça, tirar de Cássio. Foi o primeiro gol alviverde em cinco clássicos no ano. Mesmo com o estádio vazio, o sistema de som com os gritos da torcida aumentou de volume para vibrar com o time.

A vantagem deixou o Palmeiras mais confiante. O time dominou os minutos seguintes e obrigou Cássio a trabalhar duas vezes pouco depois. O gol finalmente deixou a decisão emocionante, pois obrigava o Corinthians a se arriscar no ataque. Quem ganhava o jogo, passou a administrar o placar e a ter espaços no contra-ataque. Finalmente a decisão do Campeonato Paulista teve emoção.

O relógio corria e deixava o técnico corintiano, Tiago Nunes, cada vez mais agitado na área técnica. O time não respondia e ainda perdeu o lateral Fagner, machucado. Nas poucas vezes em que o Corinthians conseguia chegar à área adversária, chutava torto e sem perigo. Ansioso pela conquista, o Palmeiras recuou bastante nos minutos finais e só teve um grande susto. Gómez errou o tempo de bola e derrubou Jô na área.

O desânimo não fez o Palmeiras perder a concentração para se dar bem nos pênaltis. Embora tenha sido campeão paulista sem vencer clássicos, isso não tirou do time a festa pela taça nem dos jogadores a sensação de ter conseguido uma revanche após em 2018 o Corinthians ter sido campeão estadual em pleno Allianz Parque.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1×1 CORINTHIANS

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Roccha, Felipe Melo, Gómez e Viña; Patrick de Paula, Gabriel Menino (Bruno Henrique) e Ramires (Rony); Willian (Lucas Lima), Zé Rafael (Raphael Veiga) e Luiz Adriano (Gustavo Scarpa). Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Michel Macedo), Gil, Danilo Avelar e Carlos Augusto (Sidcley); Gabriel (Cantillo), Éderson e Ramiro (Araos); Luan, Mateus Vital (Everaldo) e Jô. Técnico: Tiago Nunes.

Gols: Luiz Adriano, aos 3, e Jô, aos 51 minutos do segundo tempo.

Nos pênaltis: Palmeiras 4 (Raphael Veiga, Gustavo Scarpa, Lucas Lima e Patrick de Paula; Bruno Henrique perdeu); Corinthians 3 (Danilo Avelar, Sidcley e Jô; Michel Macedo e Cantillo perderam)

Cartões amarelos: Gabriel, Gil, Patrick de Paula, Cantillo

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira

Local: Allianz Parque

ICFUT – São Paulo 2 x 3 Mirassol – Quartas de Final do Paulistão Sicredi 2020

São Paulo e Mirassol fizeram um jogo eletrizante no Morumbi. Zé Roberto marcou duas vezes para os visitantes, enquanto Pablo e Vitor Bueno empataram para o tricolor. Daniel Borges marcou um golaço na etapa final e garantiu a vaga nas semifinais para o Mirassol

ICFUT – Campeonato Paulista de Futebol 2020 – Última Rodada da Primeira fase

REBAIXADOS: OESTE & ÁGUA SANTA

ICFUT – Dezesseis clubes da Série A assinam manifesto apoiando MP dos direitos de transmissão

Fonte: Gazetaesportiva.net

Dezesseis dos 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro assinaram um manifesto nesta quinta-feira em apoio à Medida Provisória 984, que dá aos mandantes os direitos de transmissão dos jogos no Brasil.

Athletico-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Bahia, Ceará, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fortaleza, Goiás, Internacional, Palmeiras, Red Bull Bragantino, Santos, Sport e Vasco avaliam positivamente a mudança e esperam a aprovação da MP no Congresso Nacional. Na nota, os apoiadores chamam a medida de “Lei de Democratização das Transmissões de Futebol”.
Botafogo, Fluminense, Grêmio e São Paulo não assinaram a nota.
Publicada pelo governo federal no último dia 18 de junho, a resolução acaba com a lógica de direito de transmissão conjunto das duas equipes e repassa o poder aos mandantes das partidas. A MP tem um mês para ser aprovada no Congresso Nacional, com possibilidade de prorrogação de mais 30 dias para análise.

Confira o manifesto:
Por que os Clubes apoiam a MP 984 e a criação da Lei de Democratização das Transmissões de Futebol

1. Porque o torcedor é diretamente beneficiado. A MP acaba com os “apagões”, isto é, os jogos sem nenhuma transmissão, que ocorriam quando um canal tem o direito de um time e outro canal tinha o direito do outro. A situação anterior impedia, por exemplo, que mais da metade dos jogos do Campeonato Brasileiro fossem exibidos na TV fechada. Com mais partidas sendo exibidas, teremos um futebol mais democrático, mais acessível e mais barato.

2. Porque ela empodera os clubes a negociar seus direitos e incentiva a união entre as equipes. Esse formato prevalece nos principais mercados de futebol do mundo. O Brasil está pronto para esse passo libertador, que certamente será o ponto de partida para outros aprimoramentos. Com a MP, quanto mais os clubes estiverem unidos, mais vão ganhar.

3. Porque a concorrência vai aumentar. O modelo que vigorava no Brasil gerou concentração do futebol nas mãos de poucos investidores. Consequentemente, não alcançou todo o seu potencial e ainda gerou distorções no seu modelo de distribuição. A MP viabiliza a entrada de novos investidores no mercado, sem afastar os atuais, aumentando a disputa. E isso é bom para os clubes e melhor ainda para o torcedor.

4. Porque devemos seguir o exemplo de quem fez e deu certo. A legislação anterior tinha mais de 50 anos e não refletia uma forma moderna de negociação dos direitos esportivos. A ampliação de investimentos gera aumento de receitas para os clubes, viabilizando a manutenção dos nossos craques por mais tempo no país, além do investimento em estrelas internacionais.

EM RESUMO

Os torcedores ganham com o fim dos apagões de jogos, com mais craques em campo e com um melhor espetáculo no Brasil. Os clubes ganham com mais liberdade e receitas. E o país ganha com os clubes mais sólidos financeiramente, maior geração de empregos e crescimento de impostos pagos aos governos.

Por todas estas razões, APOIAMOS a MP 984/2020 e pedimos a sua CONVERSÃO imediata em Lei!