ICFUT – COPA DO MUNDO 2018 : Canarinho Pistola o melhor mascote até hoje !!!!

DOSSIÊ CANARINHO – ORIGEM, EVOLUÇÃO E FASE CANARINHO PISTOLA

Brasil x Sérvia Canarinho Pistola é ‘PRESO’ na Rússia

CANARINHO PIST0LA – Pelo Youtuber Davy Jones 

OS MEMES DO CANARINHO PISTOLA

 

ICFUT – Manifesto de atletas pedirá exclusão de times que deverem salários

Fonte: uol

Primeira reunião presencial do Bom Senso F.C. foi realizada na última segunda-feira, em São Paulo

Primeira reunião presencial do Bom Senso F.C. foi realizada na última segunda-feira, em São Paulo

Depois da primeira reunião presencial, o Bom Senso F.C., grupo que reúne jogadores das duas primeiras divisões do futebol brasileiro, divulgou na última segunda-feira um documento com os cinco primeiros tópicos que o coletivo pretende discutir. Um desses assuntos já tem um desdobramento claro: em busca de práticas de fair play financeiro, os atletas pretendem exigir punições severas para times que tiverem dívidas salariais.

O Bom Senso F.C. foi lançado oficialmente na terça-feira da semana passada, quando 75 jogadores apresentaram um manifesto pedindo uma reunião com a CBF para discutir mudanças no futebol brasileiro. A primeira reunião aconteceu na última segunda, em São Paulo.

Depois do evento, os atletas apresentaram um plano de ação baseado em cinco tópicos: calendário, férias, pré-temporada, adoção de práticas de fair play financeiro e inclusão de jogadores em conselhos técnicos das entidades que regem o futebol.

Os três primeiros assuntos são reações do coletivo ao calendário proposto pela CBF para a temporada 2014 do futebol brasileiro. A entidade marcou o início dos Estaduais para o dia 11 de janeiro, o que obrigaria os jogadores a fracionarem férias e abdicarem da preparação no início do ano.

O primeiro foco do grupo de atletas, portanto, será uma extensa reforma no calendário. A Globo, detentora dos direitos de transmissão do futebol nacional, já sinalizou com mudanças na temporada 2015 – férias e pré-temporada de pelo menos 30 dias, por exemplo.

O assunto seguinte que os atletas pretendem atacar é a gestão. Antes da reunião de segunda-feira, os jogadores falavam em pleitear práticas de fair play financeiro, conceito difundido no futebol europeu.

A ideia inicial dos atletas era brigar por um modelo de fair play financeiro passivo (redução gradual da dívida dos clubes) ou ativo (os clubes projetariam no início do ano alguns aspectos do balanço, como gastos e custos, e teriam de cumprir esses limites). No entanto, esse espectro foi ampliado para incluir também a questão salarial.

Além do fair play financeiro, o que o grupo de jogadores pretende é exigir que os clubes cumpram obrigações salariais. Caso contrário, os atletas pleiteiam punições como multas e até a exclusão de campeonatos.

A proposta dos atletas coincide com um plano debatido fortemente na CBF desde o ano passado. A FPF (Federação Paulista de Futebol) também instituiu em 2012 uma punição para times que não pagarem salários (três pontos a menos por partida de atraso).

Ao colocar esse assunto no debate, os jogadores do Bom Senso F.C. querem mostrar que o movimento não é focado apenas nos atletas das primeiras divisões nacionais. O que os atletas pretendem não é apenas brigar por normas, mas criar mecanismos para que esses regulamentos sejam seguidos.

O Bom Senso F.C. deve encaminhar ainda nesta semana um ofício à CBF com pedido de reunião. A entidade, porém, ainda não se posicionou sobre a possibilidade.

ICFUT – CBF espera contato oficial do movimento dos jogadores

Fonte: futebolinterior

A entidade disse que, por enquanto, o que se vê é uma "ação midiática"

Rio de Janeiro, RJ, 25 (AFI) – A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não quis se manifestar sobre o movimento dos jogadores que pede mudanças no calendário nacional. Segundo o diretor de comunicação Rodrigo Paiva, a entidade espera receber um comunicado oficial dos atletas para se posicionar sobre o assunto e agendar uma possível reunião para discutir o caso.

Nesta terça-feira, um grupo com 75 jogadores dos principais clubes do futebol brasileiro, incluindo grandes nomes como Rogério Ceni, Alexandre Pato, Dedé, Dida e Juninho Pernambucano, divulgou um comunicado para anunciar que iria agir de forma organizada para discutir o calendário do ano que vem, apresentado pela CBF na semana passada.

Na nota divulgada para a imprensa nesta terça-feira, o movimento dos jogadores reivindicou uma reunião com a CBF para tentar alterar o calendário, que prevê cinco dias de pré-temporada em 2014 se for cumprida a lei trabalhista que determina 1 mês de férias. Eles defendem também um número máximo de partidas a serem disputadas por mês.

Mas, apesar da grande repercussão do caso na imprensa, a CBF ainda espera um contato oficial do movimento dos jogadores para se posicionar. Rodrigo Paiva explicou que, por enquanto, o que se vê é uma "ação midiática". Ele ressaltou, porém, que o presidente da entidade, José Maria Marin, está sempre disposto a conversar com os atletas.

ICFUT – Pressão cresce e ameaça poder de José Maria Marin na CBF

Fonte: lancenet

 

Presidente sofre ataques por seu envolvimento com a ditadura militar, por críticas ao ministro do Esporte e pelo atraso das obras da Copa

José Maria Marin (Foto: Mowa Press)
José Maria Marin tem sofrido pressão de todos os lados (Foto: Mowa Press)

As declarações de Ronaldo – membro do Comitê Organizador Local da Copa de 2014 – que em entrevista ao "O Globo" defendeu a saída de José Maria Marin da presidência da CBF, intensificaram a movimentação dos que vêm pedindo a mudança de comando das duas entidades. Nos últimos meses, o desgaste do cartola tem se acentuado principalmente pela ligação de seu nome com a prisão e morte do jornalista Vladimir Herzog, durante a ditadura militar, e a divulgação de fitas gravadas em que ele critica o ministro do Esporte Aldo Rebelo, afirmando que ele não tem poder e nada decide no governo.

No próximo dia 19, os presidentes das 27 federações estaduais estão convocados a participarem de uma assembleia geral da CBF. Foi num evento como esse que Ricardo Teixeira, pressionado pelas denúncias de corrupção e sem apoio do governo brasileiro ou da Fifa, anunciou a sua renúncia, abrindo caminho para a ascensão de Marin. Um presidente de Federação ouvido peloLANCE!Net afirma que "ainda é prematuro julgar que alguma coisa semelhante possa ocorrer agora", mas admite que as pressões em torno do presidente da CBF e do COL estão crescendo "além do esperado para um período de véspera de Copa das Confederações".

Por mais que não haja sinais claros de uma oposição a Marin na CBF, a situação do cartola já não é tão cômoda. Há algumas semanas, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Barros Carvalho, tentou articular uma carta desagravo em favor do presidente, no mesmo momento em que crescia o movimento "Fora, Marin", patrocinado pelo deputado Romário (PSB-RJ), presidente da Comissão de Esporte e Turismo da Câmara. A falta de apoio dos colegas presidentes de federações, contudo, fez Carvalho desistir da ideia e a carta sequer chegou a ser redigida.

Romário tem sido peça chave na campanha contra Marin. O ex-jogador não poupa críticas ao andamento das obras de preparação para a Copa de 2014, atribuindo ao COL e à gestão de Marin boa parte dos problemas que, segundo ele, podem comprometer o evento e a credibilidade do país no exterior. Em outra frente, o deputado e o filho de Herzog, Ivo, entregaram na segunda-feira passada na sede da CBF uma petição intitulada "Fora, Marin", pedindo a saída do dirigente com o apoio de 54 mil assinaturas coletadas na Intenet.

O mesmo presidente de federação ouvido pelo LANCE!Net – e que faz questão de dizer que não é a favor da destituição de Marin – diz que "essa briga política" pode ser considerada hoje a maior ameaça à sobrevivência de Marin no COL e na CBF:

– O presidente abriu o leque de seus inimigos. Não estão apenas dentro do esporte, esse pessoal ligado aos direitos humanos e à luta contra os efeitos da ditadura é muito mais ativo. Eles são mais mobilizadores e gritam mais alto.

Na avaliação desse dirigente, isso pode aumentar as pressões do governo federal – já insatisfeito com o imobilismo do COL e as críticas a Aldo – e levar uma aliança com a Fifa para destituir Marin da organização da Copa de 2014.

ICFUT – Marin lança ofensiva para barrar a CPI de Romário

Fonte: uol

CBF lançou nesta semana uma ofensiva para tentar barrar a instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que pretende investigar as contas da entidade.

José Maria Marin durante entrevista

José Maria Marin durante entrevista

Desde anteontem, dirigentes da confederação negociam com presidentes de federações estaduais e deputados federais em Brasília para esvaziar o requerimento de abertura da comissão.

Na noite de anteontem, o deputado federal Romário (PSB-RJ) protocolou o documento para a instalação da CPI após obter 184 assinaturas. Ele precisava conseguir o apoio de, no mínimo, 171 parlamentares.

O presidente da CBF, José Maria Marin, e seu vice, Marco Polo del Nero são os mais atuantes no contato com as federações estaduais.

Antes de embarcar para o Japão, onde acompanhará o Mundial de Clubes, Marin ligou para dezenas de presidentes pedindo que entrassem em contato com os deputados de suas regiões.

Com a CPI já protocolada, a CBF precisa que pelo menos 93 parlamentares retirem em bloco as suas assinaturas do requerimento para derrubar o pleito de Romário.

Nas conversas, Marin e Del Nero cobravam solidariedade dos cartolas aliados.

Em julho, Marin levou mais de uma dezena de presidentes de federações para os Jogos Olímpicos de Londres com todos os custos bancados pela confederação.

No pacote do chamado "voo da alegria", os cartolas tinha direito a levar acompanhante, hospedagem no exclusivo hotel que serviu de concentração ao time de Mano Menezes e a assistir aos jogos nos estádios britânicos.

Além dos telefonemas, o representante da CBF em Brasília, Vandenberg Machado, passou o dia em contato com deputados, também trabalhando para impedir a implantação da comissão.

A CPI pretende devassar as contas da entidade. O contrato firmado entre a CBF e a TAM será o principal ponto da investigação da CPI.

O caso foi revelado pela Folha em outubro. A reportagem mostrou que empresas de Wagner Abrahão, amigo de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, recebiam o dinheiro do patrocínio.

Há mais de dez anos, com a seleção em crise, a CBF foi investigada por duas CPIs.

Na do Senado, o então presidente da entidade, Ricardo Teixeira foi acusado, entre outros crimes, de apropriação indébita dos recursos da confederação, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

André Borges – 6.set.12/Folhapress

Romário no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília

Romário no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília

ICFUT – CBF entrega troféu para o Fluminense em festa regada a política

Fonte: lancenet

Cartolas e políticos subiram ao palco para discursar ou entregar prêmios para os jogadores

Confira imagens do Prêmio Brasileirão 2012 (Foto: Tom Dib)
Time do Fluminense levantou a taça do Brasileirão pela segunda vez (Foto: Tom Dib)

Na festa da CBF para premiar os melhores do Campeonato Brasileiro de 2012, realizada nesta segunda-feira, no HSBC Brasil, em São Paulo, a política chamou mais a atenção do que o futebol. Diversos cartolas e políticos subiram ao palco para discursar ou entregar prêmios aos jogadores, que deveriam ser as estrelas da noite. Vale lembrar que foi a primeira premiação da CBF sob o comando do presidente José Maria Marin.

A lista de políticos no palco foi extensa: Marco Polo del Nero (vice da CBF), Geraldo Alckmin (Governador de São Paulo), Flávio Zveiter (Presidente do STJD), Rubens Lopes (Presidente da Federação do Rio de Janeiro), Paulo Sérgio Miranda (Presidente da Federação de Minas Gerais), Benedito Fernandes (Secretário de esportes de São Paulo), Márcia Lins (Secretária de esportes do Rio de Janeiro) e Aldo Rebelo (Ministro dos Esportes) foram alguns dos "destaques" da festança.

Agora falando de futebol, a seleção do Brasileirão-2012 ficou com Diego Cavalieri (Fluminense); Marcos Rocha (Atlético-MG), Leonardo Silva (Atlético-MG), Réver (Atlético-MG) e Carlinhos (Fluminense); Paulinho (Corinthians), Jean (Fluminense), Lucas (São Paulo) e Ronaldinho (Atlético-MG); Fred (Fluminense) e Neymar (Santos). O melhor técnico foi o campeão Abel Braga. O único que não apareceu para pegar o troféu foi o volante Paulinho, que embarcou nesta noite para o Japão, onde o Corinthians disputará o Mundial.

Fred, camisa 9 do Fluminense, também ganhou o prêmio de Craque do Brasileirão e o troféu de artilheiro, com 20 gols marcados. Ronaldinho Gaúcho foi escolhido o "Craque da Galera"; Neymar teve o seu gol contra o Atlético-MG escolhido como o mais bonito da competição; Bernard foi a revelação do torneio e Wilton Pereira Sampaio, Altemir Hausmann e Cleber Lucio Gil eleitos o melhor trio de arbitragem.

FESTA COMEÇA COM UM APAIXONADO MARIN

O presidente José Maria Marin discursou na abertura da festa. E ele fez uma declaração apaixonada para sua esposa Neusa, que estava ao seu lado. Ele celebrou os 54 anos de união entre os dois, não se fez de rogado e a beijou. Depois do momento romântico, Marin fez questão de elogiar os políticos presentes, a equipe do Fluminense e os cartolas tricolores. Em seguida, passou o bastão para os apresentadores Cleber Machado e Carolina Galan.

Apresentando a festa, a dupla mostrou segurança e não cometeu grandes falhas, costumeiras nas edições anteriores. A única gafe que chamou atenção foi quando Cleber Machado chamou o Peter Siemsen, presidente do Fluminense, de "Peter Siemens".

Com todos os jogadores premiados, foi a vez dos campeões nacionais ganharem seus troféus. Sampaio Corrêa, Oeste e Goiás, respectivamente campeões das séries D, C, B, finalmente levantaram seus troféus.

Após os goianos, foi a vez do Tricolor carioca fazer a festa. Com todo o elenco e dirigentes no palco, o capitão Fred levantou mais uma vez a taça – desta vez de forma definitiva. Vale lembrar que a CBF havia liberado o troféu para o Flu dar a volta olímpica após a partida contra o Cruzeiro, pela 36ª rodada do Brasileirão.

Para finalizar a festa dos políticos, nada melhor do que um deles para fazer as considerações finais. Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, subiu ao palco e parafraseou Nelson Rodrigues com uma de suas citações mais famosas: "O melhor time é o Fluminense, e se os fatos provarem o contrário, os fatos estão errados!". Ele ainda desejou sorte ao novo técnico da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari.

ICFUT – Marin avisa ao Corinthians que não chefiará a delegação no Mundial de Clubes

Fonte: espn

432_e731877b-14e7-3aa8-9817-41f848e225c6

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, informou ao Corinthians em ofício nesta quinta-feira que não será o chefe da delegação alvinegra durante o Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão. Ele explicou ao clube que estará no país asiático, mas como membro da delegação da Fifa.

Antes de Marin, o Corinthians cogitou colocar Luís Inácio Lula da Silva, presidente da República entre 2003 e 2010 e torcedor corintiano, na posição. O político, porém, informou que não poderia participar do evento e a cúpula, então, fez o convite a Marin. Com a recusa do dirigente, o cargo não deve ser ocupado na viagem para a disputa do Mundial.

Esta foi uma semana conturbada para o dirigente da CBF. Depois de anunciar na última sexta a demissão de Mano Menezes, Marin viu Andrés Sanchez, ex-presidente corintiano, pedir a saída da direção de seleções da entidade, por não concordar com as atitudes que o mandatário vinha tomando, como na saída do treinador e na chegada de Luiz Felipe Scolari.

Nesta quinta, Felipão foi anunciado como novo comandante da equipe brasileira, visando a Copa das Confederações e o Mundial de 2014, com Carlos Alberto Parreira ao seu lado, no cargo de coordenador. Marin não escondeu sua satisfação com a escolha, e explicou que não queria conturbar o Corinthians antes do torneio do Japão, para justificar não ter levado Tite para a equipe nacional.

“Tornou realidade o grande sonho de milhões de corintianos, a conquista da Libertadores. Todos nos transformamos em torcedores do Corinthians. Queremos que o treinador e a equipe tenham a maior tranquilidade para o Mundial de Clubes, que o foco esteja voltado exclusivamente para esse título. É também um reconhecimento ao presidente Mário Gobbi que a delegação viaje tranquila, concentrada totalmente nessa disputa em Tóquio”, dissera o dirigente, no mesmo dia que declinou o convite corintiano para fazer parte da delegação no Mundial.

ICFUT -Romário ataca a CBF

Fonte: globo

A queda de Mano Menezes e o pedido de demissão de Andrés Sanchez motivaram as mais diversas críticas de Romário no Twitter. Usando até palavrões contra os dirigentes da CBF, ele pediu ao presidente José Maria Marin e ao vice Marco Polo del Nero que seguissem o exemplo de Sanchez.

“Bom dia, galera, sábado será o sorteio da Copa das Confederações em SP, o Brasil será a única Seleção sem técnico no evento, uma vergonha.”

“Outro assunto, acho muito estranho o Marín dizer que está irritado com a presença do Andrés Sanchez na Seleção. Quem manda de fato na CBF???”

“Bagunça generalizada, clubes reclamam do abandono da CBF depois q Marín assumiu, mtos compromissos n foram cumpridos. Ou seja, está uma m***”

“Depois do Sanchez pedir demissão, o presidente e vice da CBF poderiam pedir tb…”

“Já q o Br. vai participar do sorteio das Confederações sem técnico e diretor de Seleção, podia tb participar sem presidente e vice”

ICFUT – Fiquei arrepiado quando o Felipão aceitou o Parreira, diz Marin

Fonte: uol

O presidente da CBF, José Maria Marin, disse na quarta-feira que duas razões o levaram a antecipar para esta sexta o nome de Luiz Felipe Scolari como o técnico da seleção brasileira.

Primeiro, e mais importante, o pedido direto do presidente da Fifa, Joseph Blatter, e do secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke.

"Eles me disseram que o anúncio produziria uma agenda positiva para o sorteio dos grupos da Copa das Confederações no sábado."

A segunda razão para antecipar seu cronograma (pretendia anunciar o técnico em janeiro) seria para evitar um efeito ruim no mercado de renovação de técnicos no futebol brasileiro: muitos poderiam ficar esperando para saber se tinham chance de serem escolhidos pela CBF.

"Principalmente o Tite, do Corinthians, que eu desejo que vá totalmente focado com o time para o Mundial de Clubes no Japão", diz Marin.

O cartola disse que o novo técnico terá "total liberdade na montagem do time e nas convocações". Mas deixou claro que quer ver a lista 48 horas antes da divulgação.

Christophe Simon/AFP

Marin (esq.) conversa com Ronaldo durante evento no Rio de Janeiro, na segunda

Marin (esq.) conversa com Ronaldo durante evento no Rio de Janeiro, na segunda

Folha – É oficial a nomeação de Luiz Felipe Scolari para técnico e de Carlos Alberto Parreira como coordenador?
José Maria Marin – É oficial. Eles serão anunciados amanhã [hoje], às 10h30. Só não vai ser na sede da CBF porque o local não comportaria o número de jornalistas presentes. Será em um hotel.

Já conversou com ambos?
Claro. Mas quero deixar registrado que antes de acertar em definitivo com o Parreira eu falei com o Felipão. Ele me disse que recebia o nome do Parreira com a maior alegria. Fiquei até arrepiado, porque o Felipão me disse que dava nota mil para o Parreira. Teremos dois campeões do mundo ajudando a seleção.

O sr. disse que iria anunciar o novo técnico em janeiro. Depois, antecipou para a semana que vem. Agora, ficou para esta semana. O que aconteceu?
Eu percebi que se fosse em janeiro iria prejudicar o mercado brasileiro de contratações neste final de ano. Muitos técnicos estão para renovar seus contratos e poderiam ficar desfocados de seus clubes esperando a definição na seleção. Principalmente o Tite, do Corinthians, que eu desejo que vá totalmente focado com o time para o Mundial de Clubes no Japão. Então, eu iria antecipar para a semana que vem o anúncio do novo técnico.

Mas acabou ficando para esta semana. Por quê?
Por uma razão muito simples. E essa foi a razão principal. Numa conversa hoje [ontem] com o Joseph Blatter [presidente da Fifa] e com o Jérôme Valcke [secretário-geral da Fifa] eles me disseram que o anúncio do Felipão e do Parreira produziria uma agenda positiva para o evento desta semana, de sorteio dos grupos da Copa das Confederações. Inclusive porque há uma entrevista coletiva dos técnicos na sexta-feira [amanhã] e seria uma pena a cadeira do Brasil estar vazia. Em consideração ao Blatter e ao Valcke, que fizeram uma ótima sugestão, vou anunciar os nomes oficialmente nesta quinta-feira [hoje].

O sr. cogitou contratar José Carlos Brunoro para ser o coordenador técnico?
Antes, eu quero dizer que ouvi que o Américo Faria [ex-supervisor] seria convidado. Não existe a menor hipótese de isso acontecer. Sobre o Brunoro, ele é um amigo, muito preparado e eu gosto dele. Mas não está cogitado.

Por que o sr. extinguiu o cargo de diretor de seleções?
Primeiro, porque acho que um coordenador técnico já é suficiente para desempenhar essa função. Segundo, porque há uma limitação estatutária na CBF sobre o número de diretores. E quero criar uma diretoria de Relações Internacionais, para representar a CBF no exterior

Houve algum contato do sr. com Abel Braga?
Como eu disse, não quero mexer com a estrutura dos clubes brasileiros. Não acho correto.

Um ano e meio é tempo suficiente para preparar a seleção para a Copa do Mundo?
É mais do que suficiente. Não tenho a menor dúvida.

Mas não teria sido melhor, se essa era a intenção, demitir o técnico Mano Menezes antes?
Foi no momento certo. O Mano, neste final de ano, certamente receberá muitas propostas de trabalho. O calendário do futebol ajuda.

Milton Cruz, auxiliar técnico do São Paulo, será convidado a integrar a comissão técnica?
Repito que não quero mexer nas estruturas do clubes.

Como será o seu método de trabalho com Scolari?
Ele terá acesso direto ao presidente da CBF. Terá total liberdade na montagem do time e nas convocações. Ele terá independência total, mas continuarei a ver a lista de convocados antes de sua divulgação. Já disse que não quero empresários de jogadores no hotel onde a seleção esteja hospedada.

O sr. chegou a cogitar convidar Pep Guardiola para ser o técnico da seleção?
Eu respeito o Guardiola, mas ele é um técnico de equipe, não de seleção. O Brasil foi campeão mundial cinco vezes com técnicos brasileiros. Enquanto eu for presidente da CBF, o técnico será um brasileiro.

Houve um desentendimento entre o sr. e Andres Sanchez?
Eu respeito o posicionamento dele e fiquei esperando a carta que ele disse que enviaria. A carta chegou, muito educada. A CBF estará de portas abertas para ele.

Mas o sr. queria que ele tivesse saído antes?
Prefiro não entrar nesses detalhes.

O ex-jogador Romário tem defendido a sua demissão do cargo de presidente da CBF…
Quando eu cumprir com a minha missão, eu saio. Meu mandato vai até 2015 [a eleição será em abril de 2014].

No sábado, no evento da Copa das Confederações, o sr. estará com a presidente Dilma Rousseff. O que vai dizer a ela?
Eu estou só preocupado com o futebol, com a seleção brasileira e com a CBF.