ICFUT – Com Vila lotada, Santos faz ‘lição de casa’ diante do Avaí e assume a liderança

Fonte: A Tribuna Online

Nathalia Perez

No retorno do Peixe ao seu estádio, vitória por 3 a 1 com gols de Derlis González, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan

O Campeonato Brasileiro tem novo líder. E esse líder é o Santos. Na tarde deste domingo (28), o Santos retornou à Vila Belmiro após a parada da Copa América com vitória sobre o Avaí. Com os três pontos, o Alvinegro assumiu o primeiro lugar do Brasileirão, alcançando a quinta vitória consecutiva. Com gols de Derlis González, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan, o Peixe fez 3 a 1 na equipe catarinense.

O torcedor do Peixe marcou presença na Vila Belmiro, o primeiro jogo como mandante após o retorno do Brasileirão. Com a vitória, o Santos chegou aos 29 pontos, dois a mais que o agora segundo colocado, Palmeiras. No próximo fim de semana, o Santos tem oportunidades de conquistar mais três pontos jogando em casa. Na Vila Belmiro, o Peixe recebe o Goiás, às 11h, no domingo (4).

O jogo

Com o Palmeiras tendo desperdiçado pontos diante do Vasco e de estar enfrentando o Avaí, o lanterna do campeonato, em casa, o Santos iniciou a partida se lançando ao ataque. A primeira ocasião de gol foi aos seis minutos. Soteldo, atuando como ponta-esquerda, recebeu pelo seu lado e bateu cruzado na meta de Lucas Frigeri, mas o goleiro defendeu sem dificuldades o chute fraco do santista.

Nem um minuto depois, mais uma chance de perigo do Peixe. Dessa vez, com Diego Pituca. O volante arriscou uma finalização de fora da área e a bola saiu pelo lado, rente à trave e com desvio da defesa do Avaí.

A pressão era tanta que era questão de tempo até os donos da casa abrirem o placar. Foi aos oito minutos de bola rolando que Derlis González, figurando no time titular de Jorge Sampaoli pela primeira vez desde o fim da Copa América, fez 1 a 0 para o Santos. Em cobrança de falta, Carlos Sánchez levantou a bola para a área, a zaga do Avaí afastou mal, e, na sobra, o paraguaio chutou no canto direito de Frigeri. Foi seu gol de estreia no Brasileirão deste ano.

Aos 11 minutos, o arqueiro avaiano ainda evitou o que seria o segundo gol do Alvinegro no duelo. Só dava Santos e o time dirigido por Sampaoli amassava o adversário com o que o treinador tem como filosofia de jogo: tendo a posse de bola e convertendo isso em criação e finalizações. Não a toa, sua equipe é a que mais chuta a gol nesta edição do torneio nacional.

O argentino, porém, não poderá comandar seu elenco do banco no próximo jogo. Isso porque, aos 15 minutos da primeira etapa, Sampaoli reclamou de um cartão amarelo recebido por Diego Pituca após o árbitro ter assinalado falta do jogador no meio de campo, e, com isso, foi amarelado também. O comandante estava pendurado.

A primeira jogada do Avaí que preocupou os santistas foi aos 23 minutos, com Felipe Aguilar interceptando uma bola que viajou na grande área. Aos 27, os catarinenses empataram. Depois de troca de passes no ultimo terço do campo, Bruno Sávio deu um corta-luz para João Paulo, que bateu no canto esquerdo e saiu comemorando com os demais companheiros.

O empate não esmoreceu o Peixe, que continuou buscando mais gols. Aos 32 minutos, os santistas conseguiram ficar à frente no placar novamente. Sánchez, de cabeça, fez para o time da Vila Belmiro. O gol, no entanto, teve uma grande participação de Soteldo. O venezuelano costurou a defesa do Avaí, passou pelo lateral-direito, por um zagueiro, achou um espaço e levantou a bola para o companheiro fazer o 2 a 1.

Na volta do intervalo, o Santos teve uma ótima chance, aos 13 minutos, de esticar o placar a seu favor. Após cruzamento, a bola passou por todo mundo na área do Avaí, mas não apareceu ninguém para empurrá-la para a rede. Dez minutos depois, Felipe Jonatan, que entrou no lugar de Alison, finalizou de longe, o goleiro espalmou, e Sasha e Sánchez perderam a chance de alargar a vantagem em dois rebotes.

Porém, o gol do reforço contratado junto ao Ceará nesta temporada estava guardado. Aos 24 minutos do segundo tempo, ele ainda desenhou um belo lance para Marinho. O camisa 11 saiu de cara com Lucas Frigeri, mas o arqueiro do Avaí acabou levando a melhor no confronto entre os dois.

Aos 31 minutos, Felipe Jonatan levou a Vila Belmiro à loucura com um golaço. Lateral de origem, o jogador, atuando como um meia-esquerdo, driblou seu marcador e, por cobertura, anotou: 3 a 1 para o Santos, o placar final da partida, embora o Santos tenha feito o goleiro adversário trabalhar ainda algumas vezesapós o ultimo gol marcado.

O Peixe poderá se estabilizar na ponta da tabela e e até mesmo se isolar ainda mais na liderança na próxima rodada, quando encara o Goiás. A vantagem para o Peixe é que a partida também sera realizada na Vila Belmiro, no próximo domingo (4), às 11h (de Brasília).Ficha técnica:

Santos 3 x 1 Avaí
12ª rodada do Campeonato Brasileiro
28 de julho de 2019 (domingo)
16h (de Brasília)
Estádio Vila Belmiro (Santos, SP)

Escalações:

Santos (4-3-3): Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Alison (Felipe Jonatan) e Carlos Sánchez; Soteldo (Marinho), Derlis González (Jean Mota) e Sasha. Técnico: Jorge Sampaoli

Avaí (4-1-4-1): Lucas Frigeri; Léo, Betão, Marquinhos Silva e Igor Fernandes (Julinho); Pedro Castro; Richard Franco, Lourenço, João Paulo e Gustavo Ferrareis (Caio Paulista); Bruno Sávio (Gegê). Técnico: Alberto Valentim

Gols: Derlis González (8’1T), Carlos Sánchez (32’1T) e Felipe Jonatan (31’2T), pelo Santos; João Paulo (28’1T), pelo Avaí

Cartões amarelos: Diego Pituca (15’1T) e Jorge Sampaoli (16’1T), do Santos; Léo (8’2T), do Avaí

Árbitro: Wagner Reway (PB)

Assistentes: Fabio Pereira (TO) e Ivan Carlos Bohn (PR)

VAR: Adriano Milczvski (PR)

Público: 12.787 pessoas

Renda: R$ 461.520,00

ICFUT – De Rossi assina contrato com o Boca Juniors e comemora chance de jogar em La Bombonera

Fonte: Globoesporte.com

Volante italiano de 36 anos tem compromisso de uma temporada com os argentinos

Reforço do Boca Juniors para esta temporada, o volante De Rossi chegou, literalmente, nos braços do povo. Em um vídeo publicado na conta oficial do Twitter do clube argentino, o italiano fala da sua paixão pelo estádio La Bombonera e também os motivos que o fizeram assinar contrato aos 36 anos. O compromisso do italiano com os argentinos vale por uma temporada.

– Meu coração é da Roma, mas eu gosto muito do Boca desde quando era pequeno. Por Maradona, pelo estádio, porque me encantou o estádio – disse De Rossi.
O sonho de De Rossi, segundo o próprio, é subir pelo túnel que dá acesso do vestiário ao gramado da Bombonera, além de sentir de perto a paixão dos torcedores argentinos:

– Eu queria ir para a América, subir a escadaria, entrar em La Bombonera com os jogadores do Boca. Isso será um prazer. Um clube fundado por italianos que me faz sentir como se estivesse em casa.

ICFUT – Everton revela design do novo estádio

Fonte: Portal Terra

Na manhã desta sexta-feira, a diretoria do Everton revelou o design da sua nova casa. O estádio será construído ao norte de Liverpool e promete ser um dos mais modernos do mundo. Atualmente, os Toffees jogam no tradicional Goodison Park.

O projeto de Dan Meis foi inspirado nas diversas estruturas subaquáticas espalhadas pela cidade. Além disso, com o intuito de imortalizar o estádio que sediou partidas do Everton por 127 anos, o arquiteto escolheu fazer a base de tijolos.
Denise Barrett-Baxendale, diretora executiva dos Toffees, demonstrou muita ansiedade durante o evento de apresentação. “Hoje é um marco para nós. O novo estádio vai mudar o patamar comercial e social do nosso clube. O projeto é inspirado na história marítima da cidade e nas tradições do nosso clube”, explicou.

Denise ainda comentou a respeito do que acontecerá com Goodison Park após a demolição. “Os planos ainda não estão prontos, mas estamos trabalhando em algo que beneficiará a comunidade. Residências, escolas, unidades de saúde e espaços públicos: nosso objetivo é servir àqueles que tanto nos apoiam”, finalizou.

ICFUT – Dorval diz que ídolos foram proibidos de assistir a jogos nas cativas da Vila; Santos nega

Fonte: Gazetaesportiva.net
Foto: Pedro Azevedo/Divulgação

Dorval, um dos ídolos eternos do Santos, disse ter sido proibido de assistir a jogos na cadeiras cativas da Vila Belmiro. O veto se estenderia a Mengálvio, Edu, Pepe e família de Coutinho. O Peixe nega.

O fato ocorreu nesta quinta-feira, na tentativa de retirar ingressos de cortesia para o setor social para o jogo de domingo, contra o Avaí, e a liberação apenas para o Portão 17.

Dorval foi gravado sobre a suposta proibição do Peixe e lamentou a decisão e a possibilidade de tomar chuva aos 84 anos. Ele vê as partidas no mesmo local há 50 anos.
O Alvinegro emitiu nota oficial: “O Santos FC esclarece que houve um mal entendido com relação aos ingressos dos Ídolos do clube e que os mesmos permanecem no mesmo local que sempre utilizaram”.

O Santos anunciou nesta quinta-feira o resgate de 70 cadeiras cativas da Vila Belmiro e a possibilidade de reaver mais de 400 por inadimplência. Na nota oficial, porém, o clube não citou qualquer impacto para os ídolos.

ICFUT – Morre o jornalista Juarez Soares aos 78 anos

Fonte: Gazetaesportiva.net

Juarez Soares morreu na tarde desta terça-feira. O jornalista de 78 anos foi diagnosticado com um câncer no reto e frequentava a Santa Casa de Misericórdia, em São Paulo. Com uma carreira condecorada, “China” foi responsável por coberturas esportivas em emissoras como a Globo, SBT, Bandeirantes, Record e RedeTV.

Contudo, suas competências não se resumiam ao jornalismo. Juarez também foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) por 21 anos. Em 1988, com 40 mil votos, ele foi eleito o sexto vereador mais votado de São Paulo. Durante sua aventura como político, recebeu um convite para assumir a Secretaria dos Esportes. Seu maior feito neste cargo foi trazer a Fórmula 1 de volta ao Autódromo de Interlagos.

Via redes sociais, jornalistas esportivos de todo o Brasil expressaram sua tristeza.

ICFUT – Goiás divulga nova camisa com imagens sensuais de mulheres

Fonte: Portal Terra

Internautas questionaram o Esmeraldino sobre a presença de duas modelos em vídeo. Escudo do uniforme também gerou polêmica para os torcedores

O Goiás causou polêmica nas redes sociais por conta de um vídeo utilizado pelo clube esmeraldino para promover o novo uniforme do clube. O material foi divulgado no último domingo e tem gerado uma onda de críticas dos usuários das redes sociais.
Seguidores do time esmeraldino criticaram o fato de o clube ter usado duas modelos para divulgar o material, ao invés da utilização de jogadores ou da própria torcida, por exemplo. O principal ponto da crítica foi a necessidade de usar duas mulheres em um vídeo sensual na campanha.

Escudo também polemiza

Entre os torcedores do clube, também chamou a atenção o escudo utilizado no novo uniforme. No ano passado, o Goiás mudou seu escudo nas redes sociais usando uma versão mais “retrô”, sem os dizeres com o nome do clube e a data de fundação.

Porém, no novo uniforme ainda será usado o modelo antigo, com o nome do clube e a data de fundação. O Goiás afirmou, em nota, que o modelo retrô é usado apenas nas redes sociais.

Vale lembrar que esta será a primeira temporada em que o Esmeraldino vai produzir o próprio uniforme. O contrato com a Topper, antiga fornecedora de material esportivo, foi rompido. A previsão para a estreia do novo uniforme é o dia 4 de agosto, fora de casa, contra o Santos, na 13ª rodada do Brasileirão.

ICFUT – CBF define saída de Vadão do cargo de técnico da Seleção feminina

Fonte: Gazetaesportiva.net

Vadão não é mais técnico da Seleção Brasileira feminina de futebol. Em almoço nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro, o profissional teve sua saída comunicada por dirigentes da CBF. O coordenador de futebol feminino Marco Aurélio Cunha continua na entidade.

A saída de Vadão acontece quase um mês depois da eliminação do Brasil para a França nas oitavas de final da Copa do Mundo. Durante o torneio, o treinador recebeu críticas e tinha o trabalho contestado por grande parte da torcida. Após a queda, ele chegou a projetar uma renovação e a disputa dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.
Esta foi a segunda passagem de Vadão pela Seleção feminina. Em seu primeiro trabalho, ele foi eliminado nas oitavas de final da Copa de 2015 e levou o time até as semifinais dos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016.

Em novembro daquele ano, deixou o cargo numa saída previamente combinada com a CBF. Voltou a assumir a Seleção em setembro de 2017, após uma curta passagem de Emily Lima. Neste retorno, Vadão sagrou-se campeão da Copa América 2018.

Em nota oficial, a CBF garantiu estar “trabalhando para a definição do próximo nome a dirigir a Seleção Feminina Principal no prazo mais curto possível. Agradecemos ao treinador Vadão pelo trabalho e dedicação, reiterando por ele nosso respeito pessoal e profissional”.

Ao todo, Vadão dirigiu o Brasil em 22 partidas ao longo desta segunda passagem. O treinador obteve um aproveitamento de apenas 45%, com dez vitórias e 12 derrotas.

ICFUT – CLUBES: Rio Branco Football Club – Acre

 

Fonte: Wikipedia

Rio Branco Football Club, conhecido por Rio Branco ou Estrelão, e cujo acrônimo é RBFC, é um clube poliesportivo brasileiro, sediado na cidade de Rio Branco, no estado do Acre. Tem como principal modalidade o futebol.

As cores do clube – presentes no escudo, uniforme e bandeira oficial – são o vermelho e branco. Seu mascote é a Estrela Altaneira, símbolo da Revolução Acriana, que também está presente na bandeira do Estado do Acre.

Suas principais conquistas consistem em 47 títulos do Campeonato Acreano, três do Copas da Amazônia e uma da Copa Norte, conquistada de forma invicta no ano de 1997. Este último garantiu ao clube uma vaga na Copa Conmebol, tornando-se o primeiro clube da Região Norte do Brasil a disputar uma competição oficial sul-americana.

História

O Rio Branco foi fundado na noite do dia 8 de junho de 1919, em uma reunião ocorrida no Eden Cine Theatro (no local do Cine Teatro Recreio), na Rua 17 de Novembro no 2° Distrito da cidade de Rio Branco. A reunião foi convocada pelo advogado amazonense Dr. Luiz Mestrinho Filho, o qual estava na cidade para presidir uma comissão de inquérito na Agência dos Correios. Compareceram ao todo 16 pessoas, entre os quais estavam Nathaniel de Albuquerque, Conrado Fleury, José Francisco de Melo, Mário de Oliveira, Luiz Mestrinho Filho, Alfredo Ferreira Gomes, Manoel Vasconcelos, Francisco Lima e Silva, Pedro de Castro Feitosa, Jayme Plácido de Paiva e Melo, que assinaram a primeira ata do clube.

No mesmo dia da fundação, foram sugeridos por Luiz Mestrinho o nome do clube (em louvor à cidade e ao Barão do Rio Branco) e as cores vermelho e branco. Como primeiro presidente do Rio Branco, foi escolhido Nathaniel de Albuquerque.

Após eleita a primeira diretoria, o clube recebeu a doação de um terreno no local onde hoje está situada a Praça Plácido de Castro, por parte do prefeito, Dr. Augusto Monteiro. O terreno doado consistia em uma área de mata nativa, que em poucos dias foi substituída por um campo de terra batida para, mais tarde, tornar-se a sede social do clube.

A primeira partida oficial disputada pelo Rio Branco ocorreu no dia 14 de julho de 1919, com vitória por 5 a 0 sobre o Militar Foot-Ball Club, equipe da Polícia Militar do estado. O primeiro uniforme do Rio Branco era totalmente branco, com uma grande estrela vermelha no local do distintivo da camisa.

No dia 18 de julho de 1920, o Rio Branco faria sua primeira partida intermunicipal, com vitória sobre a Seleção de Xapuri pelo placar de 1×0.

Primeiros títulos

O ano de 1919 marca o início dos campeonatos no Acre [1]. Promoveu a disputa de um torneio, a Liga Torneio Initium, no dia 9 de julho daquele ano. O Rio Branco sagrou-se campeão, vencendo o Acreano por 10×0 e o Ypiranga por 2×0.

No de 1921 é criaçda a Liga Acreana de Esportes Terrestres (LAET). O Rio Branco foi um de seus fundadores, juntamente com o Acreano Sport CIub e o Ypiranga Sport Club. No dia 1 de agosto de 1919, teve início o primeiro campeonato oficial da LAET, disputado em dois turnos. No primeiro, o Rio Branco goleou o Acreano por 4×0 e o Ypiranga por 8×0. No segundo turno, 3×0 no Acreano e 1×0 no Ypiranga. O time do Rio Branco que foi campeão da competição estava assim formado: Alfredo; Zé Bezerra e Olavo; Nobre, Bandeira e Joca; Fortenelle, Gaston, Mello, Jacob e Carlos.

Infelizmente, o Delegado Chiquinho pôde somente registrar quatro jogos estrelados em 1921, pelo campeonato, ainda os três clubes, mas é fácil saber que o Estrelão faturou o bicampeonato, aferindo-se pelos escores do primeiro turno, agora já minguados talvez pela retrancagem:

16 de julho — Rio Branco 1 x 1 Militar
23 de julho — Rio Branco 1 x 0 Rio Negro A.C.
30 de julho — Rio Branco 1 x 0 Militar
05 de agosto — Rio Branco 1 x 0 Militar.
No dia 1 de outubro de 1921, o Rio Branco disputou um amistoso para a entrega das faixas de campeão, contra um Combinado Acreano-Ypiranga. Vitória do Estrelão pelo placar de 3 x 2.

Entre 1922 e 1927, a LAET não organizou o seu campeonato. Os clubes acreanos tiveram de se contentar com amistosos. Somente em 1928 houve um novo campeonato, faturado pelo Rio Branco sobre o Ypiranga. Em 1929, o Rio Branco foi campeão[2], após o fato rompeu relações com a mentora e decidiu não mais participar dos torneios. O retorno para competições só aconteceu em 1935, com mais um título estadual, desta vez em cima do América.

Dez anos depois de sua fundação, o Rio Branco inaugurava o seu estádio próprio no dia 8 de junho de 1929, em um terreno oferecido pelo fundador e chefe de Polícia, José Francisco de Melo e a sua esposa, dona Isaura Parente. O estádio foi batizado de Stadium José de Melo, e está localizado na Avenida Ceará. É lá onde a sede do clube se encontra até os dias de hoje.

Estrela Solitária

Nas décadas de 30 e 40, o Rio Branco reinava absoluto no futebol do Acre, conquistando nada menos do que 12 títulos estaduais, entre 1935 e 1947, sendo onze deles organizados pela LAET e o primeiro campeonato organizado pela Federação Acreana de Desportos (FAD) (criada em 24 de janeiro de 1947). Na anos 1950, o clube faturou mais cinco títulos estaduais.

Entre 1964 e 1970, o Rio Branco amargou um jejum de títulos, algo incomum para um clube acostumado com conquistas. A torcida teve que esperar até 1971 para comemorar outro campeonato.

O tricampeonato da Amazônia

Sem poder participar de campeonatos nacionais e de categoria profissional devido a não serem regularizadas profissionalmente, as federações de Acre, Amapá, Rondônia e Roraima criaram o Torneio Integração, mais conhecido como Copão da Amazônia. A primeira edição aconteceu em 1975 em Porto Velho. O Rio Branco debutou na competição na sua segunda edição, e já faturando o título diante do Baré-RR no Estádio José de Melo. Em 1977, em Macapá, o Estrelão buscou o bicampeonato, mas perdeu a grande final para o Moto Clube-RO nos pênaltis, depois de um empate em 1×1 no tempo normal. Em 1978, nova derrota na final para o Moto Clube, desta vez por 1×0 em Boa Vista. A revanche aconteceu em 1979, na casa do adversário, com um 2×1 em pleno estádio Aluízio Ferreira, faturando o bicampeonato. O tricampeonato só aconteceu 5 anos depois, em 1984, depois de vencer o Baré por 2×0 no dia 23 de Outubro no estádio Glicério Marques, em Macapá. Em 1986, novo vice-campeonato: Depois de dois empates (1×1 em Rio Branco e 2×2 em Macapá), o título foi decidido em um terceiro jogo, com vitória do Trem-AP por 2×1, na capital amapaense. O torneio deixou de existir após a profissionalização das federações e dos clubes. O Rio Branco é o segundo maior vencedor do Copão, atrás apenas do Trem-AP, que faturou 5 títulos.

A conquista do Norte

Após a implantação do profissionalismo no futebol acriano em 1989, o Rio Branco consolidou seu domínio local, conquistando, até hoje, 13 títulos estaduais. Em 1989, o Estrelão estreou em competições nacionais (representando o futebol estado pela primeira vez) disputando a Série B do Campeonato Brasileiro. O clube foi a grande surpresa da competição, sendo eliminado apenas nas oitavas-de-final diante do Ceará, terminando entre os 16 primeiros e garantindo vaga na Série B de 1990.

O ano de 1997 ficou marcado como o ano mais importante da história do clube, com a principal conquista da história do clube: a Copa Norte. Após estrear na competição com um empate sem gols com o Ji-Paraná-RO, o Rio Branco passou por Baré-RR (1×0), Independência (1×0) e goleou o Nacional-AM (4×1), garantindo o primeiro lugar em seu grupo e, consequentemente, a vaga para a final.

O adversário da decisão foi o Remo. No primeiro jogo, no José de Melo, um empate sem gols. Na decisão em Belém, o Rio Branco não tomou conhecimentos do time mandante e venceu o Remo em pleno Estádio Mangueirão pelo placar de 2 x 1, com gols de Palmiro e Vinícius, fazendo do Rio Branco o primeiro campeão do torneio e ganhar a alcunha de “O Melhor do Norte”. A conquista do título regional permitiu que o Rio Branco fosse a primeira equipe da região Norte a disputar uma competição sul-americana: a Copa Conmebol.

No dia 27 de agosto, o clube estreou na Copa Conmebol, um marco importante no futebol da região. O jogo era na Colômbia, contra o Deportes Tolima. Em um jogo bastante equilibrado e pegado, o Estrelão saiu da Colômbia com uma derrota por 2 x 1. No jogo de volta, dia 03 de setembro, com o Estádio José de Melo lotado, o Rio Branco foi em busca do resultado. e a estrela do atacante Gomes brilhou. O atacante marcou o único gol da partida, aos 41′ do segundo tempo, levando o jogo para os pênaltis. Nas penalidades, o Estrelão saiu derrotado por 3×1, com Hélio, Vinícius e Testinha perdendo as suas cobranças, fechando assim a sua única participação na competição.

Também em 1997, o clube conquistaria o Campeonato Acriano, eliminaria o Goiás (venceu o primeiro jogo no José de Melo por 1×0, e no segundo jogo perdeu por 2×1 no Serra Dourada, conseguindo a classificação para a próxima fase) e venceria o Flamengo (2×1 em casa), ambos pela Copa do Brasil, e terminaria na oitava colocação na classificação geral da competição, sua melhor participação.

Queda e reestruturação

Depois do auge, veio a queda. O Rio Branco passou por uma grande reformulação e não conseguiu forças para continuar crescendo no cenário nacional. O clube acumulou dívidas e não conseguia repetir os bons resultados em competições nacionais, chegando a desistir de participar das edições de 2002 e 2005 da Série C por motivos financeiros.

Somente a partir de 2002, o Estrelão voltou a se impor na região. Entre 2002 e 2005, o Estrelão sagrou-se tetracampeão estadual, o primeiro e único desde a profissionalização do futebol local. Em 2004, o clube deu o primeiro passo na tentativa de voltar à Série B. Em uma excelente campanha na Série C, O Rio Branco só foi parado na última fase antes do quadrangular final, diante do Gama, que seria vice-campeão e conquistaria o acesso. O clube ainda lamenta que, naquela oportunidade, teve de jogar no Estádio Biancão, em Ji-Paraná, no interior de Rondônia, por ter sido punido pelo STJD após uma lata ter sido arremessada para dentro do gramado do José de Melo na vitória diante do Grêmio Coariense-AM na fase anterior.

Em 2007, conquistou o Campeonato Acriano com uma campanha impecável, vencendo os dois turnos do campeonato de forma invicta.

Entre 2007 e 2009, o clube fez belíssimas campanhas pela Série C do Campeonato Brasileiro. Em 2007, o Estrelão chegou à terceira fase da competição. Em um grupo com ABC-RN, Bahia e Fast-AM, o Rio Branco acabou perdendo a vaga para o octogonal final no terceiro critério de desempate: o número de gols marcados. A vaga ficou com o Bahia, em meio à muita polêmica. A equipe terminaria na 10ª colocação na classificação geral da competição.

Em 2008, a vaga no octogonal final veio após incontestável campanha nas fases anteriores, sendo líder nos 3 grupos das 3 primeiras fases. Porém, na fase final, o Rio Branco teria que se superar, viajando mais de 53 mil km em busca da vaga para a Série B. A tabela o desfavoreceu: Foi o único time do octogonal a não ter jogos seguidos em casa. Com jogos no meio e fins de semana, as viagens longas e os pouquíssimos treinos antes das partidas fez o elenco se desgastar bastante, não conseguindo manter o ritmo das fases anteriores, e terminou o octogonal na última colocação, a 2 pontos do acesso para a Série B, ficando em 3º lugar na classificação geral da competição, consolidando novamente a sua força na Região Norte. O atacante Marcelo Brás foi o vice-artilheiro da série C com 19 gols, e os jogadores Ley e Zé Marco foram considerados os melhores lateral e volante da competição, respectivamente.

Em 2009, novamente em busca do acesso à Série B, o clube fez parcerias com o Atlético Paranaense e com a empresa inglesa fornecedora de materiais esportivos, a Umbro. A princípio parecia o que faltava ao clube: parcerias. Mas os esforços não resultaram nos objetivos. O clube não conseguiu o tricampeonato acriano, perdendo de quebra também a vaga para a Copa do Brasil 2010. Na nova Série C, porém, apesar de só conquistar pontos dentro de casa, o clube conseguiu ser o líder do grupo mais equilibrado da competição, vencendo na última partida o Águia de Marabá por 2×1 em um jogo dramático. No jogo do acesso, porém, o Rio Branco acabou sendo eliminado pelo ASA-AL, depois de dois empates, terminando na 7ª colocação da competição. O camisa 10 Testinha figurou na seleção do campeonato, sendo considerado o melhor meio-campo do torneio.

2010 – 2011

O Estrelão começou bem a temporada 2010, conquistando seu 41º título estadual e a vaga para a Copa do Brasil 2011. Entretanto, o clube não fez uma boa campanha no Campeonato Brasileiro. O clube elaborou um projeto em busca tão sonhado do acesso, contratando jogadores experientes como o goleiro Marcelo Cruz (ex-Bahia, Coritiba, Fortaleza e Nacional-POR), o zagueiro João Vitor (ex-Paraná Clube), e os atacantes Marcelo Maciel (ex-Remo, Paysandu e Guarani), Valdir Papel (ex-ABC, Fortaleza, Sport e Vasco), além do retorno do treinador Tarcísio Pugliese, que comandou o clube no Octogonal Final da Série C em 2008. O Rio Branco estava no Grupo A da Série C, junto com os times: São Raimundo-PA, Águia de Marabá-PA, Paysandu-PA e Fortaleza-CE. No entanto, os resultados não foram satisfatórios, fazendo com que a diretoria decidisse demitir toda a comissão técnica e mais 5 jogadores, incluindo o veterano Valdir Papel, pelos péssimos resultados obtidos no primeiro turno.

O Alvirrubro terminou o primeiro turno como o lanterna do seu grupo, com 2 empates e 2 derrotas. Já no segundo turno, com nova comissão técnica comandada por Everton Goiano, a equipe enfim se encaixou, conseguindo 2 vitórias e 2 empates, fazendo a segunda melhor campanha do segundo turno entre todos os clubes da competição. Porém, a reação foi tardia e o time acabou apenas permanecendo para a Série C de 2011.
Em 2011, o Rio Branco entrou em campo para jogar 3 torneios: Copa do Brasil, Campeonato Acriano e a Série C do Brasileirão. No Estadual, a equipe conquistou o bicampeonato. A primeira partida foi contra o Náuas, no dia 13 de março, na inauguração da Arena do Juruá, em Cruzeiro do Sul, onde o Estrelão venceu o Cacique do Juruá por 2×1. Durante a competição, a equipe teve altos e baixos, terminando a primeira fase na terceira colocação. Classificado, o Estrelão enfrentou o arquirrival AC Juventus, segunda melhor equipe e com o melhor ataque da competição. Pela primeira fase, o Rio Branco perdeu os 2 clássicos que disputou (5×3 no primeiro turno e 2×1 no segundo). Porém o time estrelado superou o rival nas duas partidas das semifinais, com um 4×2 no primeiro jogo e 3×0 no segundo, se classificando para a grande final. O adversário da final foi o Plácido de Castro, quarto colocado na primeira fase e que superou o Atlético Acreano, o então primeiro colocado. Na primeira partida, o Estrelão cedeu o empate aos 47′ do segundo tempo, terminando 1×1. No segundo jogo, no dia 3 de julho, com o gol de Juliano César, o Rio Branco venceu por 1×0 o Tigre do Abunã e conquistou o seu 42º título estadual, o oitavo em 10 anos. Cerca de 8 mil pessoas presenciaram o título do maior clube do Acre na Arena da Floresta, recorde de público de toda a história do Campeonato Acriano.

Pela Copa do Brasil, o Rio Branco enfrentou o seu antigo parceiro, o Atlético-PR, na primeira fase da competição. Na primeira partida, o Estrelão se saiu vitorioso pelo placar de 2×1 na Arena da Floresta. Já no jogo de volta, o clube acabou perdendo por 3×1 na Arena da Baixada e acabou sendo eliminado do torneio, ficando na 35ª posição na classificação geral da competição.

Na Série C, o Rio Branco esteve no Grupo A, ao lado de Águia de Marabá-PA, Araguaína-TO, Luverdense-MT e Paysandu-PA. Sua estreia foi no dia 24 de julho, onde o Rio Branco arrancou um empate de 1×1 contra o Paysandu, no Estádio Mangueirão, em Belém do Pará. Mais uma vez, o Estrelão teve altos e baixos na competição. Desta vez, porém, a reação foi no tempo certo. O clube acabou vencendo todos os jogos do segundo turno e terminou na primeira colocação do Grupo A, com 16 pontos, se classificando para a segunda fase, onde formou um quadrangular com Paysandu, América-RN e CRB-AL. No entanto, começava ali uma briga judicial intensa e que resultaria na maior crise da história do clube.

O Caso Arena da Floresta

No início da Série C 2011, a Procuradoria da Defesa do Consumidor do Acre (PROCON-AC), órgão ligado ao Ministério Público, decidiu vetar a Arena da Floresta e todos os demais estádios acrianos para jogos oficiais, fazendo com que o Estrelão ficasse incapacitado de realizar jogos com a presença de seus torcedores. O Rio Branco e o Governo do Estado do Acre acionaram a Justiça Comum para recorrer da decisão. Conseguindo uma liminar favorável, o Rio Branco obteve o direito de que os seus jogos fossem realizados com a presença do torcedor. Porém, por ter o seu nome em uma ação fora da esfera esportiva, A CBF decidiu colocar o clube no banco dos réus da Justiça Desportiva. O clube acreano foi condenado com a exclusão da Série C 2011 por ter infringido o artigo 231 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que proíbe o acesso do clube à Justiça Comum. O julgamento, realizado pela 4ª Comissão Disciplinar, ocorreu ao final da primeira fase, quando o Rio Branco já estava classificado para a segunda fase da competição.
Com um pedido de efeito suspensivo, o Estrelão conseguiu continuar no torneio até que o caso fosse julgado pelo Pleno do STJD, a última instância da esfera esportiva. Este julgamento aconteceu no dia 13 de outubro, quando o Rio Branco encerrou a sua participação no primeiro turno do quadrangular da Série C e se preparava para o segundo turno (O clube havia feito 3 jogos, sendo 1 empate contra o CRB e 2 derrotas, para Paysandu e América-RN. Por 5 votos a 1, a decisão de exclusão da equipe foi decretada e, mesmo com 3 jogos ainda por fazer, o Rio Branco foi retirado da competição.

Começava aí uma extensa briga judicial. Graças a uma ação da Procuradoria Geral do Estado do Acre protocolada nos Tribunais de Justiça do Acre(TJ-AC) e do Rio de Janeiro (TJ-RJ) que revogava a decisão da Justiça Desportiva, em 17 de outubro de 2011 a CBF anunciou a volta do Rio Branco à Série C. A entidade recorreu e, quatro dias depois, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu suspender os jogos do Grupo E até que o caso fosse julgado. No entanto, em 26 de outubro de 2011, o Rio Branco abdicou de sua vaga na segunda fase e aceitou a sua exclusão do torneio. Um dia depois, a CBF anunciou que o Luverdense-MT, terceiro colocado do Grupo A, substituiria o Estrelão na segunda fase e faria os 6 jogos determinados.

O caso se encerrou após Rio Branco, CBF e STJD firmarem um acordo extrajudicial em uma audiência de conciliação no TJ-RJ. No acordo, confirma-se a exclusão do Rio Branco da Série C 2011, ocorrida pelo Pleno do STJD, confirma-se a participação do clube na Série C 2012 e o caso se encerra, não sendo levado para a FIFA, com o Rio Branco ficando imune a possíveis punições. O ponto conquistado pelo clube na segunda fase foi anulado e o Rio Branco encerrou a sua participação na competição, terminando em 9º colocado, com 16 pontos.

A grave crise

O ano de 2012 começou de maneira ruim para o clube. Com uma nova diretoria, o clube passou por grandes reformulações no elenco e se preparava para a disputa da Copa do Brasil 2012, onde enfrentaria o Cruzeiro-MG. O que ninguém esperava é que o Estado do Acre passasse pela maior enchente de sua história, onde mais de 140 mil pessoas foram afetadas pelas águas do Rio Acre. O grande volume de chuvas na região prejudicou o planejamento do Rio Branco, onde muitos treinos acabaram por ser cancelados. Sem jogar oficialmente por mais de 5 meses, a falta de ritmo também prejudicou o elenco. O resultado não poderia ser pior: Jogando em casa, o Estrelão levou a maior goleada de sua história e a primeira dentro de casa, perdendo para o clube mineiro por 6×0 e encerrando a sua pior participação na Copa do Brasil.

Todavia, a goleada serviu para mudar os rumos do clube. Depois de uma estreia no estadual abaixo do esperado e alguns jogos sem demonstrar um bom futebol, a comissão técnica liderada pelo treinador Samuel Cândido acabou sendo demitida, juntamente com alguns jogadores e o diretor de futebol Artur Oliveira. Uma nova mudança começou no decorrer do estadual e a equipe finalmente se encontrou. Próximo da disputa da Série C, a diretoria acertou a contratação do experiente técnico Guilherme Macuglia, que assumiu o clube na semifinal do Campeonato Acreano. O interino, o ex-jogador e ídolo Ico, assumiu o comando de Diretor de Futebol do clube. Ico impôs um novo padrão de jogo e, com os reforços do goleiro Vanderlei (ex-Brasil de Pelotas), do lateral-esquerdo Xaro (ex-São Luiz de Ijuí), do zagueiro Luciano (ex-CRAC-GO) e do meia Thomaz (ex-Caxias-RS), o Rio Branco conquistou, de maneira invicta e suprema, o seu 43º título estadual, com uma campanha impecável de 14 vitórias e apenas 4 empates, em um aproveitamento de 85%, tendo o melhor ataque (60 gols), uma média superior a 3 gols por partida. O clube ainda teve o domínio na seleção do estadual, com 6 jogadores premiados.

Completando 93 anos, a diretoria do clube iniciou uma grande reforma no estádio José de Melo, que completava 83 anos. O projeto consiste em transformar o estádio em um moderno Centro de Treinamentos. As arquibancadas laterais (popularmente conhecidas pela torcida do clube como “Vietnã”) foram demolidas para ampliar o espaço e construir mais um campo de futebol, este especialmente para as categorias de base do clube. O projeto segue a passos lentos.

A grave crise começou no segundo semestre. Na Série C de 2012, o “Caso Arena da Floresta” voltou à tona. Treze-PB (5º colocado da Série D 2011) e Araguaína-TO (clube rebaixado para a Série D) contestaram no STJD a participação do Rio Branco na competição, alegando que o clube havia sido excluído rebaixado judicialmente. Nos julgamentos, o STJD, de forma unânime, julgou improcedente as contestações, voltando a afirmar que a participação do Rio Branco era legítima, uma vez que o clube terminou a Série C 2011 em 9º lugar. As duas equipes, porém, não aceitaram a decisão e procuraram a Justiça Comum para pleitearem a vaga do Estrelão, onde conseguiram liminares favoráveis em seus respectivos estados. Tendo a participação ameaçada, o Governo do Acre, como patrocinador do clube, também entrou com uma ação na justiça, garantindo a participação do Alvirrubro. O STJD decidiu, então, suspender a Série C, que iniciaria no dia 27 de junho, até possuir alguma posição final. Temendo represálias e ameaça de desfiliação, o Araguaína-TO acabou desistindo da ação após uma reunião com o presidente da CBF. O Treze-PB, porém, permaneceu lutando para participar da Série C, sendo incluído após uma nova liminar a seu favor e retirando o Rio Branco da Série C de 2012. CBF e Rio Branco tentaram caçar as liminares que favoreciam o clube paraibano, mas sem sucesso. O Treze participou da Série C assegurado por uma liminar e o Rio Branco acabou de fora da edição. Com folha salarial próxima de R$ 500 mil e contratos até o fim do ano, o Estrelão se viu em uma situação de grave crise financeira por não participar da competição nacional. Alguns atletas não admitiram a rescisão de seus contratos de forma amigável. A situação foi parar na Justiça do Trabalho.

Retorno à Série C e rebaixamento
Com a grave crise devido à exclusão da Série C, o Rio Branco só voltou às competições no ano de 2013. O clube focou as suas atenções para o estadual e para a Copa do Brasil. Lutando pelo tetracampeonato acreano, o clube montou uma equipe modesta. De uma folha salarial que girava em torno dos R$ 500 mil em 2012, o clube fez um orçamento de pouco menos de R$ 80 mil para o primeiro semestre. O ano começou com título, vencendo o Torneio Início do Campeonato Acreano, depois de 6 anos. Mesmo com a crise e o baixo orçamento, a equipe demonstrava ampla superioridade sob os adversários estaduais, mas uma invencibilidade de mais de 2 anos no torneio foi quebrada, perdendo também o título e o sonhado tetracampeonato para o Plácido de Castro.

Extracampo, o pensamento continuava nos tribunais, já que o clube permanecia na tentativa de voltar à Série C. Através de uma ação no Supremo Tribunal Federal, o relator da causa, o Ministro Luiz Fux, convocou a CBF, STJD, Federação Paraibana de Futebol e os clubes Treze e Rio Branco, para uma audiência de conciliação, pretendendo pôr fim ao caso que se arrastava desde 2011. O ministro Fux propôs a extinção de todas as ações e a figuração de ambos os clubes na Série C do Brasileirão. Com o acordo firmado, o Rio Branco passou a ser o 21º figurante da Série C de 2013. O clube entrou no Grupo A da competição e seu retorno ocorreu no dia 13 de junho, diante do Fortaleza na Arena da Floresta, na qual o Estrelão foi derrotado pelo placar de 2×0, diante de 4.243 pagantes. A entrada inesperada na competição, associada à falta de planejamento e de patrocinadores agravou a situação financeira do clube, e isso se refletiu no campo. Em 20 jogos, o clube venceu apenas 2 partidas e foi derrotado 18 vezes, realizando a sua pior participação e sendo rebaixado para a Série D de 2014.

Vitória sobre o Campeão Mundial

Após eliminar o Sul América de Manaus na primeira fase da Copa do Brasil de 1993, o Rio Branco enfrentou o São Paulo, então campeão do Mundial Interclubes. Na primeira partida da segunda fase da competição, no Estádio José de Melo, o Rio Branco não se intimidou perante ao Campeão da América e do Mundo e venceu por 1×0, gol de Vinicius, no segundo tempo. No mesmo ano, o São Paulo conquistava os bicampeonatos da Libertadores e do Mundial. Esse jogo efetivou-se dia 20 de abril e os clubes estavam assim escalados:

Rio Branco: Kleber; Evandro, Carlos, Chicão e Mano; Merica, Paulo Henrique e Mundoca (Marcos Piauí); Vinicius, Palmiro (Pitiú) e Siqueira. Técnico: Otacir Viana.
São Paulo: Gilberto Félix; Pavão, Nelson, Sérgio e Marcos Adriano; Suélio, Carlos Alberto e Pereira; Vaguinho, Cláudio e Amilton. Técnico: Márcio Araújo.

Torcidas organizadas

Torcida Pano Branco
Torcida EstrelAmor
Torcida Distrito Alvi Rubro

Títulos

01 Copa Norte – 1997
47 – Estaduais ( Maior Vencedor do Estado )

 

 

ICFUT – Clube japonês cobra quase R$ 40 milhões de ex-jogador do Remo e do Athletico

Fonte: OLiberal.com.br

Revelado pelo Clube do Remo, de onde saiu em 2015 rendendo R$ 321 mil, o atacante Rony, do Athletico, supervalorizou o seu passe em quatro anos. Tanto é que há um ação na Fifa em que o Albirex Niigata, clube do Japão, ex-clube do jogador, cobra do Furacão e do próprio atleta o valor de US$ 10 milhões (aproximadamente R$ 37,5 milhões), referentes à multa de um contrato de três anos que o Albirex alega ter sido quebrado.As informações são do site a Tribuna do Paraná e foi divulgada no mesmo dia em que Rony se tornou o herói da classificação do Athletico contra o Flamengo-RJ, pelas quartas de final da Copa do Brasil. O jogo, no Rio de Janeiro, foi 1 a 1, com um gol de Rony. Nos pênaltis, o Furacão garantiu a sua vaga nas semifinais. O casoEm 2018, Rony entrou com uma ação na Fifa solicitando a sua liberação do Albirex Niigata. O clube asiático acusa o atleta de ignorar um contrato de três anos, assinado em fevereiro de 2017, porém o atacante não reconhece o referido contrato.Rony e Albirex assinaram contrato por um ano. O valor da negociação, realizada em 2017, foi de R$ 4 milhões. O clube japonês alega que Rony assinou uma prorrogação de três anos. O imbróglio judicial levou Corinthians-SP e Botafogo-RJ a desistirem do atleta. O Fogão chegou a anunciá-lo como contratado. O Athletico não comenta o caso.Rony é de Magalhães Barata, nordeste paraense. Tem 23 anos e é um jogador extremamente veloz. Nos últimos anos, aumentou o seu poder de finalização e se tornou um atleta valioso no mercado.