ICFUT – Champions League 2017/2018 – QUARTAS DE FINAIS

Roma 3 x 0 Barcelona – Champions League – 10/04/2018 – Liga dos Campeões

Manchester City 1 x 2 Liverpool – Champions League – 10/04/2018

Bayern de Munique 0 x 0 Sevilla – Champions League – 11/04/2018

Real Madrid 1 x 3 Juventus – Champions League – 11/04/2018

Anúncios

ICFUT – TORCIDAS: Gaviões da Fiel ( Corinthians )

História

A Gaviões foi criada em 1969,[mas desde 1965 já vinham sendo realizadas reuniões entre torcedores corintianos com o objetivo de criar uma entidade que pudesse não apenas atuar como uma torcida organizada, mas também tivesse atuação na área político-administrativo do Corinthians. Seu principal objetivo, à época, era o de derrubar o dirigente Wadih Helu, presidente do clube desde 1961.

Flávio La Selva foi o sócio número um dos Gaviões da Fiel. Desde o começo, integrantes da agremiação participavam ativamente dos desfiles de escola de samba, inicialmente como uma ala da Vai-Vai, escola que também possui as mesmas cores do Corinthians. No início, a sede era numa garagem na Zona Norte, sendo transferida posteriormente para a Rua Santa Efigênia, no ano de 1974, sendo esta a primeira sede social da n

tidade. Em 1975 a torcida passou a desfilar no desfile oficial de blocos da cidade de São Paulo, desfile este que venceria doze vezes, em treze anos de disputa.No ano de 1978 foi inaugurada a quadra atual, no Bom Retiro.

A Gaviões passou a desfilar como escola de samba em 1989, ficando em segundo lugar no grupo 1 (atual grupo de acesso). Em 1990, terminou a disputa em nono lugar, entre dez escolas, e foi rebaixada. Porém em 1991 ganhou o Grupo de Acesso, ficando em oitavo Lugar no Grupo Especial de 1992.

Em 1993, a escola ficou em quinto lugar com o enredo A Chave do Tempo, e em 1994 a escola foi vice campeã só atrás da Rosas de Ouro campeã naquele ano.No ano seguinte sendo campeã pela primeira vez em 1995, com um enredo que até hoje é lembrado por muitos e também entre os sambistas de São Paulo, Coisa Boa é pra Sempre.

Graças ao inusitado fato de até então ser ao mesmo tempo uma escola de samba e uma torcida, a Gaviões ganhou muita visibilidade no Carnaval, não só em São Paulo, mas também atraindo a curiosidade de gente de outros estados, como o Rio de Janeiro, por exemplo, bem como ganhando a simpatia também dos torcedores do Corinthians, mesmo os que torciam para outras escolas.

Em 1996 a escola foi a quarta colocada com enredo “Quem Viver Verá o Vinte Virar” assinado pelo carnavalesco Raul Diniz. Em 1997 a Escola foi a quinta colocada com o enredo “Mundo da Rua”. Já em 1998 a escola fez uma de suas muitas homenagens ao Corinthians.
Em 1999, vence novamente o Carnaval com o enredo “O Príncipe Encoberto ou a busca de S. Sebastião na Ilha de São Luís do Maranhão”, terminando empatada com a Vai-Vai. Nesse ano, teria vencido sozinha se houvesse critérios de desempate.

No ano 2000 a escola foi a última a desfilar naquela noite, apresentando o enredo “Um Voo Para a Liberdade”, no Carnaval temático dos 500 anos de Descobrimento do Brasil.

Em 2001 a escola apostou num investimento muito grande sobre o seu carnaval,com carros alegóricos e fantasias com um ótimo acabamento e muito com muito luxo,além de ter sido a escola que teve o abre-alas na época mais caro do que de todos as outros escolas adversarias.”Mitos e Magias na Triunfante Odisseia da Criação” que fala da origem da criação do mundo foi a aposta da escola de samba com o carnavalesco que daí então era Jorge Marcos Freitas a escola só consegui novamente um quarto lugar.Mesmo assim do título ficou com a Nenê de Vila Matilde
Em 2002, a escola teve como seu tema , Xeque-Mate, que fazia uma homenagem ao jogo de xadrez e ainda aproveitava para fazer duras críticas políticas e sociais, foi inclusive usado no horário político,assim tornou-se campeã novamente do carnaval paulistano.Saindo praticamente campeã do Anhembi.
Bateria da Gaviões, em apresentação no mundo árabe

No ano de 2003 a escola sagrou-se bi-campeã do carnaval paulistano com enredo que falava sobre as cinco regiões do Brasil.”As Cinco Deusas Encantadas na Corte do Rei Gavião” Novamente com a assinatura de Jorge Freitas. Para 2004, quase dez anos após o seu primeiro título no Grupo Especial e já consolidada como uma das maiores escolas de samba de São Paulo, a Gaviões da Fiel era favorita para um tricampeonato consecutivo, quando, em meio ao seu desfile sobre os 450 anos da cidade de São Paulo, um carro alegórico que falava sobre a “revolução corintiana” teve problemas no seu eixo, tendo uma alegoria que representava um jogador do Corinthians ficado presa na caixa de som e no relógio do Sambódromo, chegando até mesmo a derrubar este último. Isso fez a escola estourar o tempo em cinco minutos, perdendo oito pontos no total, além de levar algumas notas baixas no quesito evolução, terminando aquele desfile em último lugar.
m 2005, a Gaviões teve alguns problemas novamente na saída do desfile, mas contou com a ajuda da Liga que permitiu-lhe mais tempo para começar o desfile, fazendo assim com que a escola vencesse novamente o Grupo de Acesso.

O ano de 2006 foi o primeiro em que duas escolas ligadas à torcidas organizadas estiveram ao mesmo tempo no Grupo Especial: a Gaviões (primeira a desfilar na sexta-feira) e a Mancha Verde (penúltima da madrugada de sábado para domingo). A Gaviões, porém, ganhou na Justiça o direito de participar normalmente do campeonato no Grupo Especial e a Mancha Verde então disputou sozinha durante dois anos o grupo das escolas desportivas.

Nesse ano, havia um temor entre alguns sambistas de que brigas entre torcidas organizadas pudessem atrapalhar o espetáculo. Por isso, o regulamento passou a prever que as escolas de torcida deveriam desfilar num dia em separado (no caso, a madrugada de domingo para segunda), disputando assim, num grupo à parte, o Grupo Especial das Escolas de Samba Desportivas. Porém, faltando menos de uma semana para o carnaval, a Gaviões da Fiel conseguiu uma liminar que garantia que ela disputasse o título do Grupo Especial, abrindo o desfile de sexta-feira.

Este deveria ser um desfile de recomeço, porém a escola acabou estourando o tempo regulamentar, causando perda de pontos. Na apuração, a escola ainda foi punida em mais pontos: por mostrar o escudo do Corinthians em um de seus carros alegóricos (mesmo tendo ganho na justiça o direito de exibi-lo), e por uma suposta propaganda em outro carro alegórico (a marca da empresa de geradores apareceu durante o desfile, quando deveria ter sido escondida), perdendo no total quatro pontos. A isto, somado ao fato de os jurados terem dado notas muito baixas a escola, como, por exemplo, no quesito Bateria, resultou em outro rebaixamento. A diretoria da escola, chegou a afirmar que abandonaria os desfiles de escola de samba da Liga-SP.[13]

Em 2007, a Gaviões da Fiel desfilou pelo Grupo de acesso com quatro carros alegóricos e 3.000 componentes. O enredo dedicado ao padre José de Anchieta[14] contribuiu para que a Gaviões da Fiel se sagrasse novamente campeã da Categoria de Acesso.

Para 2008, inicialmente havia duas possibilidades: a Gaviões deveria participar do Grupo Especial das Escolas Esportivas juntamente com a Mancha Verde, ou poderia haver a possibilidade de a escola competir no tradicional Grupo Especial, resguardada pela mesma liminar que lhe garantiu este direito em 2006. No entanto, em julho de 2007, após uma nova reunião da LigaSP, ficou decidido que tal divisão seria extinta, voltando as escolas participantes desse grupo a disputar o Grupo Especial.

Para o carnaval daquele ano, a Gaviões teve como tema a cidade de Santana do Parnaíba, que fica na região metropolitana de São Paulo. Como então campeã do grupo de acesso, foi a primeira escola a desfilar. A escola impressionou com suas alegorias e fantasias luxuosas, porém, apresentou um nível abaixo em relação a outras agremiações e, até mesmo, em relação a desfiles seus anteriores. Novamente, seus integrantes tiveram que correr no final do desfile para não ultrapassar o tempo máximo (65 min), o que resultou na perda de pontos nos quesitos evolução e harmonia. O resultado foi um tímido 11° lugar.

Para o carnaval 2009, a Gaviões trouxe o carnavalesco Zilkson Reis, vindo da Mocidade Alegre, mantendo o diretor de carnaval Igor Carneiro. Nesse ano, o enredo “O sonho comanda a vida, quando o homem sonha,o mundo avança”, a escola falou da invenção da roda e homenageou seu torcedor mais ilustre e mais amado: o piloto brasileiro Ayrton Senna, que é até hoje, homenageado pelo clube.
Em 2010, a escola homenageou o centenário do Corinthians, com o enredo “Corinthians… Minha vida, minha história, meu amor!”. Além disso, houve a troca de madrinha de bateria, saindo Lívia Andrade e entrando Sabrina Sato. Durante a apuração, os torcedores, revoltados com as notas do quesito Enredo, jogaram garrafas na pista do Sambódromo, após a revolta dos dirigentes da escola.[15] A escola terminou em 5º lugar.[16]

Em 2011, apresentou como enredo a cidade de Dubai. Mesmo não desenvolvendo um enredo que tenha caído ao gosto da torcida pela auto identificação {[carece de fontes] a escola ficou novamente com a 5ª colocação. no ano de 2012, a escola homenageou o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. O homenageado que se recuperava de um tumor na laringe, por recomendação médica, não participou do desfile, assistindo-o pela televisão em sua residência. Gravou, no entanto, um vídeo agradecendo a homenagem da escola, vídeo este que foi reproduzido em um telão no último carro alegórico, onde desfilou sua mulher. A bateria desfilou fantasiada de Lula operário e, ainda no recuo, se transformou em presidente. Apesar da escola ter vindo com luxo e com um enredo bem desenvolvido, teve problemas em sua evolução, obtendo uma nota 8.9, obtendo nota máxima somente em bateria e enredo.

Antes do clássico contra o Palmeiras no dia 25 de março de 2012, torcedores corintianos e palmeirenses, brigaram na Avenida Inajar de Souza, e dois palmeirenses morreram. A Federação Paulista de Futebol proibiu a Gaviões da Fiel e a Mancha Alviverde de entrarem nos estádios da cidade com qualquer material que levasse o nome dessas duas torcidas, até que o caso da briga das torcidas fosse apurado. O presidente da Gaviões, Donizete, passou 18 dias preso, acusado de omissão.

Em 2013, a escola abordou a história da propaganda e da publicidade brasileira no enredo: “Ser Fiel é a alma do negócio”, desenvolvido pelo mago das cores Max Lopes. Diferente de outros anos a escola veio muito colorida. Empatou em número de pontos com a Nenê de Vila Matilde e com a X-9 Paulistana. No desempate, obteve a 9ª posição.

Ainda em fevereiro de 2013, torcedores corintianos, membros da agremiação, foram presos na Bolívia, após a tragédia no estádio de Oruro na Bolívia, onde um adolescente boliviano foi morto por um sinalizador disparado pela torcida. Em abril de 2013, a Gaviões elegeu novo presidente.

No Carnaval de 2014 homenageou um dos grandes ídolos do futebol mundial: Ronaldo Fenômeno, relembrando a história de vida do ex-atleta, sua infância pobre em Bento Ribeiro.

Em 2015, a agremiação apresentou o enredo “No jogo enigmático das cartas, desvendem os mistérios e façam suas apostas, pois a sorte está lançada!”, onde contou a história do baralho, levando truques e magias para o desfile. A escola empolgou o público e permaneceu em primeiro lugar durante metade da apuração, mas perdeu pontos nos quesitos Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Fantasia e Evolução, caindo para o 9º lugar.

Em 2016 a escola levou ao Anhembi o enredo “É fantástico! Imagine, admire e sinta”. A tradicional escola mostrou um belo desfile ao responder a pergunta: “o que é fantástico?”. Com um grande desfile a escola levantou as arquibancadas lotadas de torcedores que esperavam ansiosos, na apuração a escola obteve algumas notas baixas principalmente em Evolução e Harmonia terminando em 7º lugar.

Para 2017, a Fiel escolheu para seu desfile, retratar os migrantes que foram pra São Paulo e ajudaram no desenvolvimento da cidade. A escola terminou a apuração em 9º lugar chegando a estar entre as 5 primeiras colocadas.

Os Gaviões da Fiel apresentaram o enredo que será levado para o Anhembi em 2018: “Guarus – Na Aurora da Criação, a Profecia Tupi… Prosperidade e Paz aos Mensageiros de Rudá” que contará, sob a visão da mitologia tupi, a saga dos índios Guarus, que deram origem ao nome do município de Guarulhos, importante cidade da região metropolitana de São Paulo.


Nós somos Gaviões da Fiel

Nós somos Gaviões da Fiel…Força independente em prol do grande Corinthians (Flávio La Selva – sócio no. 1 dos Gaviões da Fiel)

“Nosso lema está expresso em nossa própria designação – força–independente nosso verdadeiro ideal.

Lutamos, vibramos, torcemos e seguimos todas as atividades esportivas nas quais o Corinthians esteja presente, procurando sempre colaborar com a mística corinthiana, seja um fator concreto de desenvolvimento moral e físico.

Se a nossa presença pioneira nos estádios leva a vibração e o alarido da geração moderna durante o espetáculo, não é menos verdade que, como participantes efetivos da família corinthiana, com a qual colaboramos em tudo, inclusive financeiramente, nos reservamos o direito inalienável de participar da vida política e administrativa do clube, atuando atráves da observação que fazemos dos atos e atitudes dos dirigentes – simples mandatários da vontade da grande massa corinthiana – aplaudindo, orientando e criticando quando isso atende aos interesses maiores do nosso clube.

Observamos, esclarecemos e atuamos, conforme o fizemos quando da vitória da revolução corinthiana, cujas realizações e atos seguimos atentamente, reservando-nos o direito de opinar na hora oportuna.

Nascemos num momento de desalento, quando até a própria torcida parecia não mais acreditar no grande Corinthians. nós acreditamos sempre e por isso partimos para a luta. Luta que sempre existirá, pois o ideal de perfeição é eterno. Quando adentrarmos nos estádios, poucos podem calcular quanto de sacrifício nos custa: financeiro, de trabalho, de despreendimento pessoal, etc. mas vamos continuar sempre: hoje, amanhã, depois, pois sempre existirá o grande e eterno Corinthians.”
Nosso lema: Lealdade, Humildade e Procedimento

Nosso lema: Lealdade, Humildade e Procedimento (Roberto Daga – sócio no. 3 dos Gaviões da Fiel)

“Dia 1º de julho de 1969, marca a data oficial da fundação do Grêmio Gaviões da Fiel Torcida. Um grupo de corinthianos autênticos que vieram a se conhecer nas gerais dos estádios onde o Corinthians se apresentava e isto lá pelos anos de 1965. Movidos pelo ideal de colaborar com a vida do clube, não só incentivando o time mas também, participando efetivamente da vida política administrativa do Sport Club Corinthians Paulista. Enquanto torcia pelas vitórias, fiscalizava o dia-a-dia do clube e denunciava os demandos.

Gaviões da Fiel e Corinthians são um só coração. Este ideal de participação nada mais é do que o exercício do direito de influenciar, e dar aos mandatários do clube, a legitimidade ao mandato exercido, e ao mesmo tempo obrigá-los à cumprir os verdadeiros anseios na Nação Corinthiana. Fomos poucos no começo. Hoje somos milhares, a maior torcida organizada do país.

Todo gavião precisa de um ninho. Em nosso caso, desde 1969, as arquibancadas dos estádios do Brasil tornaram-se o verdadeiro reduto alvinegro. Nesse “habitat” corinthiano temos a função de gritar os 90 minutos em prol de nossa ideologia mosqueteira. Ser Gavião é amar e lutar pelos cores do Coringão, não importando se existem ditadores contrários a nossa filosofia. Preto e branco são reflexões de uma vida inteira de dedicação, glórias e, acima de tudo de muita paixão pelas cores do Sport Club Corinthians Paulista. Hoje essa união de corações, chamada GAVIÕES DA FIEL, formam a maior, melhor, mais respeitada e invejada torcida organizada do país. E a anos seguimos o mesmo lema… LEALDADE – HUMILDADE – PROCEDIMENTO.

Nascemos num momento de desalento, quando até a torcida parecia não acreditar no Corinthians. Nós acreditamos sempre, por isso partimos para a luta. Uma luta que sempre existirá pois o ideal de perfeição é eterno. Nosso lema está expresso em nossa própria designação (Força Independente). Lutar, vibrar, torcer e seguir todas as atividades esportivas nas quais o Corinthians esteja presente, buscando o ideal de participação da torcida. Nas vitórias ou nas derrotas procurando sempre colaborar para que a mística corinthiana, construída por tantos abnegados, seja um fator concreto, de desenvolvimento moral e físico, dentro do mundo esportivo. Obs. o gavião se for preciso protesta, mas nunca vaia o time e também não grita olé contra sua camisa.

Desde a nossa fundação segue o lema: “Seja mais corinthiano, seja um gavião”. Nossa função há mais de 30 anos é de observar, esclarecer, e atuar conforme fizemos desde a revolução corinthiana, cujas realizações e atos seguimos atentamente. Reservando-nos o direito de opinar na hora oportuna. Quando adentramos nos estádios, poucos podem calcular quanto de sacrifício isso nos custa: financeiro, profissional, desprendimento pessoal, etc. Mas vamos continuar, hoje e amanhã, pois sempre existirá o grande e eterno Corinthians. Nós somos os GAVIÕES DA FIEL.”

Paixão, futebol e samba – uma torcida que samba!

Em 1973, os Gaviões da Fiel já possuía um número muito grande de associados e manter os Corinthianos reunidos na fase pós-campeonatos era um desafio para seus integrantes, pois muitos associados se dispersavam e só voltavam a freqüentar a quadra após o carnaval.

Este diagnóstico levou os Gaviões da Fiel a iniciar sua história no carnaval paulistano. Passaram a reunir os integrantes torcida para desfilar em uma escola de samba que possuía em comum as cores preto e branco, que imediatamente foram associadas às cores do Corinthians. Dois anos depois, não havia mais como comportar todos os integrantes em uma ala.

Ângelo Fasanelo, um dos sócios dos Gaviões da Fiel, percebeu que muitos Corinthianos ainda se dispersavam para outras entidades e, em 1975, fundou o bloco Gaviões da Fiel, que participou do último desfile de carnaval realizado na Avenida São João. Já em 1976, o bloco conquistava seu primeiro título com o enredo “Vai Corinthians”.

A partir daí, estabeleceu-se uma hegemonia da torcida Corinthiana na categoria de Bloco, quebrada apenas em 1980, quando o Gaviões ficou com o vice-campeonato.

As vitórias acabaram sendo sucessivas e, de 1981 a 1988, o bloco tornou-se imbatível. Resultado: em 13 anos de desfile como bloco, a conquista de 12 títulos chama a atenção da recém criada Liga das Escolas de Samba de São Paulo e o Bloco Gaviões da Fiel é convidado para participar do grupo de acesso das escolas de samba de São Paulo.

Já no primeiro desfile, em 1989, os Gaviões ficam com o vice-campeonato e, em 1995, a escola – já no grupo especial – ganha seu primeiro título com o enredo “Coisa boa é para sempre”, levando para a avenida um público recorde de 3.500 componentes. A partir daí, os Gaviões da Fiel se posiciona entre as melhores Escolas de Samba de São Paulo, sendo também a maior em número de componentes.

Hoje, os Gaviões da Fiel é referência também entre as escolas de samba de São Paulo e a cada ano se aperfeiçoa, buscando profissionais de diversas partes do Brasil para apresentar na avenida um carnaval inovador, sem que para isso precise abandonar a ideologia de 44 anos atrás. Por este motivo, o carnaval da escola é fiel às cores do clube que são: preto e branco.

Fontes: Site Oficial da Gaviões e Wikipédia

ICFUT – COPA BRASIL 2018 : Ponte Preta (SP) 3×0 Naútico (PE)

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 3 X 0 NÁUTICO

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 11 de abril de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Daniel Nobre Bins (RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior (RS)
Cartões amarelos: Marciel (Pone Preta); Kevyn, Jobson e Fernandinho (Náutico)
Cartão vermelho: Jobson (Náutico)
Gols: PONTE PRETA: Orinho, aos 15, Felipe Saraiva, aos 19, e Júnior Santos, aos 26 minutos do primeiro tempo

PONTE PRETA: Ivan; Emerson, Renan Fonseca, Reynaldo e Marciel; Nathan, Paulinho e Lucas Mineiro (Murilo Henrique); Felipe Saraiva (Aaron), Júnior Santos (Felippe Cardoso) e Orinho
Técnico: Doriva

NÁUTICO: Bruno; Thiago Ennes, Camutanga, Camacho e Kevyn; Negretti, Jobson, Júnior Timbó (Hygor), Gabriel Araújo (Fernandinho) e Bryan; Odilávio (Tharcysio)
Técnico: Roberto Fernandes

ICFUT – COPA BRASIL 2018 : Avaí (SC) 2×2 Goiás (GO)

Ficha Técnica – Avaí 2×2 Goiás

Local – Estádio Ressacada, em Florianópolis

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)

Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Thiago Henrique Correia (RJ)

Avaí – Aranha; Guga, Alemão, Betão e João Paulo; Luan, Judson, Renato (Maurinho) e Moritz (Marquinhos); Rômulo e Beltran (Rodrigão). Técnico: Claudinei Oliveira

Goiás – Marcelo Rangel; Caíque Sá, David Duarte, Eduardo Brock e Breno; João Afonso, Pedro Bambu e Giovanni (Léo Senna); Carlos Eduardo (Michael), Júnior Viçosa e Maranhão (Rafinha). Técnico: Hélio dos Anjos.

ICFUT – COPA BRASIL 2018 : Internacional (RS) 2×1 Vitória ( BA)

Internacional 2×1 vitoria

Ficha técnica:

Internacional (2): Marcelo Lomba; Fabiano (Brenner), Moledo, Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenilson, Rossi (Nico López), D’Alessandro e Patrick; Roger (William Pottker. Técnico: Odai Hellmann.

Vitória (1): Caíque, Rodrigo Andrade (Lucas Marques), Kanu, Ramon e Pedro Botelho; Willian Farias (Walisson Maia), Uilian Correia, Yago, Baumjohann (José Welison) e Rhayner; Denílson. Técnico: Vagner Mancini.

Gols: Patrick (I), aos 17min do primeiro tempo, Denilson (V), aos 42min do primeiro tempo, D’Alessandro (I), aos 44min do segundo tempo.

Cartões amarelos: Edenilson (I).

Público total: 18.843. Pagantes: 16.599. Menores: 967. Não pagantes: 1.277. Renda: R$ 399.820,00.

Arbitragem: Flavio Rodrigues de Souza, auxiliado por Alex Ang Ribeiro e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (trio de São Paulo).

ICFUT – SULAMERICANA 2018 : Fluminense (BRA) 1X0 Nacional Potosí( BOL)

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 3 X 0 NACIONAL DE POTOSÍ

Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 11 de abril de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Nicolás Gallo (Colômbia)
Assistentes: Eduardo Díaz e John León (ambos da Colômbia)
Cartões amarelos: Jadson, Gum, Sornoza e Pablo Dyego (Fluminense); Reina, Galvis, Galain, Romero, Alaca e Jorge Flores (Nacional de Potosí)
Gols: FLUMINENSE: Pablo Dyego, aos 27, Gum, aos 36, e Pedro, aos 43 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Júlio César, Renato Chaves, Gum e Ibañez; Gilberto, Richard, Jadson (Matheus Alessandro), Sornoza (Douglas) e Ayrton Lucas; Marcos Júnior (Pablo Dyego) e Pedro
Técnico: Abel Braga

NACIONAL DE POTOSÍ: Romero. Meza, Medina, Galaín e Alaca; Galvis (Saul Torres), Jorge Flores, Salazar e Edson Pérez e Thiago do Santos; Piñero da Silva e Reina
Técnico: Edgardo Malvestitti

ICFUT – SULAMERICANA 2018 : Blooming (BOL) 1X0 Bahia ( BRA)

FICHA TÉCNICA

Jogo: Blooming 1 x0 Bahia

Competição: Copa Sul-Americana

Local: Estádio Ramón Tahuichi Aguilera, na Bolívia

Data e horário: 11 de abril, às 21h45

Escalação do Blooming: Hugo Suárez; José Sagredo, Pablo De Miranda, Franco Coria e Cristhian Coimbra ; Paul Arano, Luis Vargas, Joselito Vaca e Leonardo Vaca; Christian Latorre e Hugo Bargas. Técnico: Erwin Sánchez.

Escalação do Bahia: Douglas Friedrich; João Pedro, Rodrigo Becão, Douglas Grolli, Mena; Nilton, Edson; Allione, Régis, Élber; Júnior Brumado. Técnico: Guto Ferreira

ICFUT – SULAMERICANA 2018 – GRUPO 8 : San Lorenzo(ARG) 1X0 Atlético Mineiro ( BRA)

FICHA TÉCNICA
SAN LORENZO 1 X 0 ATLÉTICO

Local: Estádio Pedro Bidegain, Argentina
Data: 11 de Abril de 2018, Quarta
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Leodan González (URU)

Gols: Gudiño, aos 40 minutos do primeiro tempo (San Lorenzo)
Cartões: Piris (San Lorenzo); Bremer, Gustavo Blanco (Atlético)

SAN LORENZO: Navarro, Paulo Diaz, Rodriguez, Senesi, Rojas, Gudino, Mercier, Piris, Alexis Castro, Botta (Cavallaro), Blandi (Reniero).
Técnico: Claudio Biaggio.

ATLÉTICO–MG: Victor; Patric, Bremer, Gabriel e Fábio Santos; Adilson (Gustavo Blanco), Elias e Cazares; Luan (Tomás Andrade), Otero (Erik) e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

ICFUT – LIBERTADORES 2018 – GRUPO 8 : Palmeiras (BRA) 1 X 1 Boca Juniors (ARG)

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 x 1 BOCA JUNIORES

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data: 11 de abril de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Assistentes: Nicolas Taran (URU) e Mauricio Espinosa (URU)
Renda: R$ 4.426.402,50
Público: 37.192 pagantes
Cartões amarelos: Felipe Melo e Keno (PAL); Magallan (BOC)

GOLS
PALMEIRAS: Keno, aos 44 minutos do segundo tempo
BOCA JUNIORS: Tevez, aos 46 da etapa final

PALMEIRAS: Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique (Guerra) e Lucas Lima (Moisés); Dudu, Keno e Borja (Willian)
Técnico: Roger Machado

BOCA JUNIORS: Rossi; Jara, Goltz (Vergini), Magallán e Fabra; Reynoso (Buffarini), Barrios e Perez; Pavon, Abila e Cardona (Tevez)
Técnico: Guillermo Schelotto