ICFUT – Filho de Pelé, ex-goleiro Edinho é condenado a 33 anos de prisão

Fonte: lancenet

Auxiliar do Santos é acusado do crime de lavagem de dinheiro, proveniente do tráfico de drogas. Funcionário do Peixe e outros réus ainda podem recorrer da decisão

Edinho, Pelé e Muricy Ramalho (Foto: Divulgação)Edinho ao lado de seu pai, Pelé, no CT do Santos (Foto: Divulgação)

Filho de Pelé e auxiliar da comissão técnica do Santos, Edinho foi condenado na última sexta-feira a 33 anos de prisão por crime de lavagem de dinheiro, proveniente do tráfico de drogas. A decisão foi tomada pela juíza Suzana Pereira da Silva, auxiliar da 1ª Vara Criminal de Praia Grande, no litoral sul de São Paulo.

A sentença, porém, ainda é passível de recurso. Além do ex-goleiro do Peixe, foram condenados pela mesma prática Clóvis Ribeiro, o Nai; Maurício Louzada Ghelardi, o Soldado; Nicolau Aun Júnior, o Véio; e Ronaldo Duarte Barsotti, o Naldinho.

Segundo a acusação, Naldinho era o líder da organização criminosa, baseada em Santos ecom ligação com o Comando Vermelho, facção do Rio de Janeiro. O grupo foi descoberto pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em operação realizada em 2005.

Quando o esquema foi desvendado, Edinho negou as acusações e declarou ser dependente de drogas. O atual membro da comissão do Peixe foi preso duas vezes, mas conseguiu habeas corpus em 2006 e nunca mais foi detido.

Segundo o jornal "A Tribuna", de Santos, o Denarc (Departamento de Narcóticos), com uma autorização judicial, monitorava mais de cem aperelhos de telefone durante um período de oito meses. A princípio, Naldinho era o principal alvo, mas com o decorrer das investigações, os outros acusados apareceram, entre eles, Edinho. O filho de Pelé, em uma das ligaçõe interceptadas, comentava com o chefe da quadrilha para entrar com o dinheiro, que ele entrava com o nome (provavelmente fazendo alusão ao seu pai). Este diálogo fazia menção à abertura de uma empresa.

Este não foi o primeiro episódio entre Edinho e a Justiça. O ex-goleiro já havia sido condenado a seis anos de prisão por participação em um acidente de carro, que acabou com uma vítima fatal. A sentença, porém, acabou sendo anulada. Neste ano, foi condenado a pagar uma pensão vitalícia de seis mil reais para a mulher da vítima, além de uma uma quantia de 200 salários mínimos por danos morais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s