ICFUT – River Plate dá a volta por cima e volta a ser campeão argentino; Boca é vice

Fonte: lancenet

Clube esteve em crise e chegou a estar na Segundona recentemente

River Plate x Quilmes (Foto: Marcos Brindicci/ REUTERS)
River Plate voltou a ser campeão argentino (Foto: Marcos Brindicci/ REUTERS)

Já eram seis anos sem ser campeão argentino, com direito a uma passagem pela Segunda Divisão. Mas neste domingo, enfim, o River Plate voltou a levantar o caneco, o do Torneo Final. Os Millonarios golearam o Quimes no Monumental de Núñez por 5 a 0, chegou aos 37 pontos, e ficou com cinco de vantagem sobre Boca Juniors, Estudiantes e Godoy Cruz, todos com 32. É o 36º de sua história.

O River Plate precisava vencer para não ter que depender de tropeços de rivais, e não deu brechas. Com 25 minutos já vencia por 2 a 0. O primeiro com Cavenaghi, que aproveitou rebote do goleiro e chutou com facilidade. O segundo veio em cobrança de escanteio. Houve desvio no meio do caminho e Mercado completou.

No segundo tempo, com o Monumental já em festa, vieram os outros dois. Ledesma ampliou com um golaço, e depois Cavenaghi fez o seu segundo. Nesta altura, o grito de campeão já ecoava no estádio. Mesmo assim, Teo Gutiérrez fez o quinto.

O Estudiantes, que precisava vencer e ainda torcer por tropeço do River, não fez sua parte. Perdeu para o Tigre por 2 a 1. O Boca Juniors, que é o vice-campeão, por causa dos critérios de desempate, derrotou o Gimnasia La Plata fora de casa por 2 a 1.

CONFIRA A ÚLTIMA RODADA DO TORNEO FINAL
Sexta-feira
All Boys 0x0 Belgrano

Sábado
Rosario Central 3×2 Argentinos Juniors

Domingo
Arsenal 1×2 Atlético Rafaela
Colon 2×1 Olimpo
Godoy Cruz Malta 2×1 Racing
Gimnasia LP 0x1 Boca Juniors
River Plate 5×0 Quilmes
Tigre 2×1 Estudiantes
Lanus x Newell’s Old Boys (21h30, de Brasília)

Segunda-feira
San Lorenzo x Vélez Sarsfield

ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE A: Resultados, gols e classificação

Fonte: futebolinterior

Figueirense azeda Itaquerão e Internacional lidera sozinho

Milhares de corintianos viram time perder no Itaquerão, enquanto São Paulo deixou Flamengo em crise

O Figueirense foi o destaque deste domingo pela quinta rodada do Campeonato brasileiro – o BRASILEIRÃO CHEVROLET – ao vencer o Corinthians, por 1 a 0, na inauguração da Arena Corinthians, em Itaquera, na capital paulista. O São Paulo venceu o Flamengo, por 2 a 0, no Maracanã, e manteve o Flamengo em crise. Os quatro primeiros colocados não vão mudar nesta rodada: Internacional (11 pontos), Cruzeiro, Grêmio e Goiás todos com 10 pontos.

O técnico Abel Braga prometeu jogar como líder em Criciúma, mas teve dificuldades diante de um adversário guerreiro, embora limitado tecnicamente. Mesmo assim, o Colorado lidera sozinho, com 11 pontos.

GRÊMIO DERRUBA FLUSÃO

O Grêmio derrubou o Fluminense, por 1 a 0, na Arena do Olímpico e a Chapecoense, com um gol no final arrancou o empate com o Atlético-PR, em Maringá, interior do Paraná, noEstádio Willie Davis.

À noite, o Santos vacilou, ou melhor, cansou e perdeu para o Atlético MIneiro, por 2 a 1, de virada, na Arena Pantanal. O Galo tem sete pontos, enquanto o Santos tem seis.
O Palmeiras, cuja diretoria foi covarde ao demitir o técnico Gilson Kleina, venceu de novo. Desta vez foi até o Estádio de Pituaçu, em Salvador e superou o Vitória, por 1 a 0. Assim chegou aos nove pontos, em sexto lugar.

OS AMEAÇADOS

Apesar destes resultados, os clubes catarinenses estão mal na tabela de classificação. A Chapecoense, com dois pontos, é o lanterna, enquanto oFigueirense, com três pontos, é o 18.º, tendo a mesma pontuação do Coritiba, em 19,ª e do Criciúma, em 17.º, com quatro pontos.

A rodada só teve um jogo sábado, na vitória do Cruzeiro sobre o Coritiba, por 3 a 2, no MIneirão. O confronto entre Sport e Bahia foi cancelado por causa da greve da Polícia Militar que gerou muitos transtornos em Recife durante a semana.

Confira os resultados da 5ª rodada
Goiás-GO
2
x
0
Botafogo-RJ
Cruzeiro-MG
3
x
2
Coritiba-PR
Flamengo-RJ
0
x
2
São Paulo-SP
Corinthians-SP
0
x
1
Figueirense-SC
Atlético-PR
1
x
1
Chapecoense-SC
Grêmio-RS
1
x
0
Fluminense-RJ
Santos-SP
1
x
2
Atlético-MG
Vitória-BA
0
x
1
Palmeiras-SP
Criciúma-SC
0
x
0
Internacional-RS
Próximos Jogos
Sport-PE x Bahia-BA
18/05/2014 16:00

Gols

Classificação

5ª Rodada

 

  Clube PG J V E D GP GC SG A%
Internacional-RS 11 5 3 2 0 7 4 3 73,3
Cruzeiro-MG 10 5 3 1 1 10 8 2 66,7
Grêmio-RS 10 5 3 1 1 5 3 2 66,7
Goiás-GO 10 5 3 1 1 4 2 2 66,7
Fluminense-RJ 9 5 3 0 2 7 3 4 60,0
Palmeiras-SP 9 5 3 0 2 7 6 1 60,0
São Paulo-SP 9 5 2 3 0 9 4 5 60,0
Corinthians-SP 8 5 2 2 1 4 2 2 53,3
Bahia-BA 7 4 2 1 1 5 3 2 58,3
10º
Sport-PE 7 4 2 1 1 5 4 1 58,3
11º
Atlético-MG 7 5 2 1 2 5 5 0 46,7
12º
Santos-SP 6 5 1 3 1 4 3 1 40,0
13º
Atlético-PR 5 5 1 2 2 7 8 -1 33,3
14º
Vitória-BA 5 5 1 2 2 5 6 -1 33,3
15º
Botafogo-RJ 4 5 1 1 3 8 8 0 26,7
16º
Flamengo-RJ 4 5 1 1 3 4 8 -4 26,7
17º
Criciúma-SC 4 5 1 1 3 2 9 -7 26,7
18º
Figueirense-SC 3 5 1 0 4 1 8 -7 20,0
19º
Coritiba-PR 3 5 0 3 2 4 6 -2 20,0
20º
Chapecoense-SC 2 5 0 2 3 3 6 -3 13,3
LegendaPG – Pontos Ganhos | JG – Jogos Disputados | VI – Vitórias | EM – Empates
DE – Derrotas | GP – Gols Pró | GC – Gols Contra | SG – Saldo de Gols
%A – Porcentual de Aproveitamento de Pontos


 

 
Classificados à Taça Libertadores

 
Classificados à Sul-americana

 
Rebaixados à Serie B

 
Classificado à Libertadores 2014 – Atual Campeão

ICFUT–ARENA CORINTHIANS: Autoridades comemoram uso de transporte público e aprovam teste

Fonte: gazetaesportiva

O principal teste do estádio de Itaquera para a Copa do Mundo foi comemorado por autoridades de todos os níveis após a vitória por 1 a 0 do Figueirense sobre o Corinthians. A administração do estádio, a Prefeitura de São Paulo, o Governo do Estado e o Comitê Organizador Local (COL) do Mundial mostraram satisfação com os resultados apresentados.

O principal motivo da celebração foi a adesão aotransporte público. Cerca de 90% dos torcedores foram à arena de metrô ou de trem e seguiram as recomendações específicas do trajeto que deveriam fazer. Os problemas registrados foram uma goteira decorrente da tempestade, dificuldades técnicas em um elevador e as falhas na orientação aos veículos que tinham estacionamento autorizado no estádio.

“Atendeu a expectativa. Evidentemente, não funcionaria 100%, mas é para isso que servem os testes. Estamos satisfeitos com a operação de nossas equipes. Agradeço muito aos voluntários, foram mais de 300 e estamos muito contentes. Alguns detalhes são de bastidores, como a chegada do ônibus ao vestiário, do jeito que será feito na Copa, a manobra para sair. Parece detalhe, mas é muito importante para nós”, afirmou o gerente de integração operacional do COL, Thiago Paes.

Declarações semelhantes deram Andrés Sanchez, responsável do Corinthians pelo estádio, NádiaCampeão, vice-prefeita de São Paulo, Raquel Verdenacci, coordenadora executiva do comitê paulista da Copa, e Ricardo Trade, chefe executivo do COL. Os responsáveis pela segurança também apresentaram um relatório parcial satisfatório e agradeceram a colaboração dos corintianos.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Corintianos não gostaram do que viram em campo, mas colaboraram com a organização fora dele

O teste não foi feito com a capacidade total do estádio, que receberá 68 mil pessoas na abertura do Mundial e em outros cinco jogos. Ainda não foram liberadas as arquibancadas móveis, atrás dos gols, e o setor Oeste Superior foi utilizado apenas para profissionais de imprensa, sem ingressos vendidos. Incluídos os jornalistas, o público foi de 36.694 pessoas.

De acordo com o COL, as arquibancadas já passaram por quase todos os testes de carga e balanço, porém só serão efetivamente ocupadas no dia 12 de junho, quando o Brasil abrirá a Copa enfrentando a Croácia. O atraso nas obras, decorrente especialmente do acidente que matou dois operários em novembro, impediu um teste com arena cheio e estruturas finalizadas.

Fotógrafo reclama de furto
Pouco após a entrevista na qual as autoridades comemoraram o resultado do teste, o fotógrafo Alan Morici, que participava da cobertura do jogo, reclamou do furto de parte de seu equipamento. De acordo com ele, uma mala na qual estavam guardadas as lentes de sua máquina foi levada, tendo ficado para trás uma mochila. O fato teria ocorrido cerca de uma hora e 15 minutos após o apito final.

Morici informou que registrará um boletim de ocorrência e recebeu a atenção de voluntários e de profissionais de imprensa do COL. Estes prometeram acionar a segurança e ceder as imagens do local onde teria acontecido o furto – ao qual, em tese, só tinham acesso jornalistas, voluntários, funcionários da segurança e membros do COL.

Por Edgar – Copa da Alemanhã, Robben faz de novo no fim, e Bayern leva Copa da Alemanha com polêmica

Holandês abre o placar no segundo tempo da prorrogação e inicia a jogada do gol derradeiro de Müller. Borussia reclama de gol não assinalado ainda no tempo normal

Robert Lewandowski era naturalmente o centro das atenções. Artilheiro do Campeonato Alemão, o polonês fazia o seu último jogo com a camisa do Borussia Dortmund, encerrando quatro anos de mais alegrias que tristezas. O adversário era justamente o Bayern de Munique, clube no qual passará a defender em julho. Ele tentou, flertou com a glória, mas despediu-se vendo Arjen Robben novamente decidir. O meia-atacante holandês abriu o placar no primeiro minuto do segundo tempo prorrogação e foi o grande herói na vitória por 2 a 0 dos bávaros, neste sábado, no Estádio Olímpico, em Berlim, que se consagraram bicampeões da Copa da Alemanha.

Robben comemoração Bayern de Munique contra  Dortmund Copa da Alemanha final (Foto: Reuters)Robben é novamente o herói de uma final entre Bayern de Munique e Borussia Dortmund (Foto: Reuters)

Robben também participou diretamente do segundo gol da decisão, marcado por Thomas Müller, já nos acréscimos – foi dele o passe para Pizarro lançar o alemão em rápido contra-ataque. Desta forma, credenciou-se como um dos maiores carrascos recentes dos aurinegros, já que ele marcou o gol do título da Liga dos Campeões de 2013, em Wembley, e também deixou o seu na vitória por 3 a 0 no Signal Iduna Park, também no ano passado, ainda pelo primeiro turno da Bundesliga.

O destino da final, no entanto, poderia ter sido diferente se o árbitro Florian Meyer houvesse assinalado o gol de Hummels aos 19 minutos do segundo tempo. Dante, titular durante os 120 minutos (assim como o lateral Rafinha), conseguiu cortar, mas a bola já havia ultrapassado a linha com alguma folga. A posição do zagueiro alemão era duvidosa no lance.

Foi o segundo título consecutivo (o 17º geral) do Bayern na DFB Pokal, que havia derrotado o Stuttgart na decisão de 2013. Já Pep Guardiola encerra sua primeira temporada à frente do time alemão com quatro títulos: a Supercopa Europeia, o Mundial de Clubes e o Campeonato Alemão também já estão no currículo do treinador catalão, que perdeu a Supercopa da Alemanha e deixou a Liga dos Campeões na semifinal.

 Philipp Lahm  troféu comemoração Bayern de Munique contra  Dortmund Copa da Alemanha final (Foto: Reuters)O capitão Philipp Lahm ergue o troféu da Copa da Alemanha: Bayern bicampeão (Foto: Reuters)

LAHM SE MACHUCA

Borussia e Bayern passaram a maior parte do primeiro tempo no modo cautela. Os 45 minutos iniciais foram brindados apenas com duas chances reais de gol, uma para cada lado. Müller parou em Weidenfeller; Lewandowski finalizou para fora. A nota negativa ficou por conta da lesão de Philipp Lahm, substituído por Franck Ribéry logo aos 30 minutos com uma lesão no pé esquerdo.

Mesmo com tantos desfalques – o Bayern já contava com seis no banco de reservas pelas ausências de Mandzukic (opção técnica), Alaba, Schweinsteiger e Thiago (machucados) -, o segundo tempo ganhou em técnica e emoção. Guardiola contava com uma atuação de gala de Javi Martínez para proteger a sua defesa e da bela participação do jovem dinamarquês Hojberg (18 anos). Klopp tinha Reus e Lewandowski afim de jogo. Foi mais do que o suficiente.

Philipp Lahm Borussia Dortmund e Bayern de Munique (Foto: Agência AP )Philipp Lahm deixou o jogo ainda no primeiro tempo com uma lesão no pé esquerdo (Foto: Agência AP )

E A TECNOLOGIA?

Müller, Kirch e Robben assustaram em diferentes momentos. Mas foi com zagueiros o grande lance da partida – ao menos o mais polêmico: aos 19, Sahin cruzou, Hummels desviou, e Dante, depois de a bola ultrapassar a linha, afastou. Os jogadores do Borussia saíram correndo para comemorar o gol, mas o árbitro Florian Meyer ignorou – o zagueiro estava em posição duvidosa, já que o pé de Javi Martínez parecia dar condições. O irônico é que, no início de abril, clubes alemães vetaram o uso da tecnologia na linha do gol.

Dante jogo Bayern de Munique e Dortmund (Foto: Reuters)Dante tira a bola já dentro do gol, enquanto Neuer pede impedimento de Hummels: lance gera discussão (Foto: Reuters)

ROBBEN, O PREDESTINADO

O Borussia também esteve perto de abrir o placar no primeiro minutos da prorrogação. Neuer saiu mal, Aubameyang recebeu de Reus e chutou colocado. A bola tocou na rede do lado de fora. Ironia ou não, uma saída errada de Weidenfeller e um cochilo de Grosskreutz retribuíram a chance ao Bayern. E Robben não perdoou. Após cruzamento de Boateng, o holandês completou e novamente marcou numa decisão contra o Borussia. Com espaço para contra-atacar, houve tempo ainda para Thomas Müller ampliar nos acréscimos, dando ao Bayern um fim de temporada satisfatório com quatro títulos.

Lewandowski e Kroos Borussia Dortmund e Bayern de Munique (Foto: Agência Reuters)Lewandowski fez o seu último jogo pelo Borussia Dortmund. Polonês vai para o próprio Bayern (Foto: Agência Reuters)

Por Edgar – Espanhol, Barcelona não faz dever de casa e Atletico quebra longo jejum

Colchoneros sofrem, perdem Diego Costa e Arda Turan lesionados no 1º tempo, mas conseguem gol em escanteio para comemorar o primeiro título espanhol

Como não lembrar da síndrome dos “pupas” logo aos 20 minutos de jogo, quando Diego Costa e Arda Turan desabaram no chão lesionados? Como não pensar no desastre quando Alexis Sánchez tirou da cartola um chutaço para abrir o placar? O Atlético de Madrid, com uma história pautada pelos insucessos e falta de sorte, perdia o título depois de tanto se esforçar e encantar. Mas com este time comandado por Diego Simeone as coisas não funcionam assim. Os colchoneros mudaram a postura no intervalo, marcaram com o uruguaio Godín e seguraram a pressão dos catalães para escrever um dos mais belos capítulos do futebol espanhol. O empate por 1 a 1, na tarde deste sábado, no Camp Nou, encerrou um dos torneios mais equilibrados dos últimos tempos.

Diego Simeone Barcelona e Atlético de Madrid (Foto: Agência AP )Diego Simeone é jogado para o alto durante a comemoração do título (Foto: Agência AP )

Foi o primeiro título conquistado por uma equipe que não seja o Barcelona ou o Real Madrid desde 2003/04. O último a quebrar o duopólio havia sido o Valencia de Rafa Benítez, mas num momento em que a disparidade econômica era grande – e não enorme como nos dias atuais. O Atlético desafiou esta lógica e, com um elenco de escassas opções, chegou aos 90 pontos (28 vitórias, seis empates e quatro derrotas) e voltou a levantar um troféu do Espanhol – o 10º de toda a sua vida, o primeiro desde 1996.

O Real Madrid segue como maior campeão, com 32 títulos; o Barcelona, que viu o técnico Tata Martino renunciar depois da partida, é o segundo no ranking, com 22 – e agora 23 vice-campeonatos, pois ficou à frente dos merengues graças ao confronto direto. Ambos ficaram empatados com 87 pontos. O quarto colocado e que também vai à Liga dos Campeões da próxima temporada é o Athletic Bilbao, com 69 pontos (ainda visitará o Almería no domingo).

Neymar teve a chance de se tornar herói, mas falhou com a falta de profundidade dos donos da casa. O brasileiro começou o jogo entre os reservas após um mês de ausência, entrou aos 21 minutos do segundo tempo e pouco produziu. Lionel Messi, que acabou dando uma assistência involuntária para o gol de Sánchez, até marcou, mas viu o gol ser corretamente anulado por impedimento. O argentino novamente teve atuação abaixo da média e despediu-se da temporada sob críticas. Coube a Filipe Luis e Miranda, fora da lista dos 23 de Felipão para a Copa do Mundo, sorrirem por último – o meia Diego não saiu do banco.

Godin comemora gol do Atlético de Madrid contra o Barcelona (Foto: Agência Reuters)Godín empatou o jogo no início do segundo tempo com bonita cabeçada: gol do título (Foto: Agência Reuters)

Ao Atlético, o empate vitorioso no Camp Nou não significa um fim de temporada épico. A festa, ao menos por ora, será contida, já que no próximo sábado há outro título em jogo: a finalíssima da Liga dos Campeões contra o arquirrival Real Madrid, em Lisboa. Será uma semana cercada por expectativas e possivelmente de mistério em torno das possíveis escalações de Diego Costa e Arda Turan, ambos lesionados.

DIEGO COSTA E TURAN LESIONADOS

Havia um clima de decisão. A torcida do Barcelona, tão desconfiada durante a temporada, havia comprado um barulho. A imagem era clara: um mosaico com os dizeres “Somos o Barça” recheava as lotadas arquibancadas do Camp Nou, com quase 97 mil presentes. O hino, cantado em alto e bom som, deixava claro que o orgulho ainda estava intacto, apesar de todos os pesares durante a temporada.

Mosaico Barcelona Final (Foto: Agência EFE)Torcida do Barcelona fez um lindo mosaico para recepcionar o time no Camp Nou (Foto: Agência EFE)

Pois o Barcelona também mostrou em campo alguma evolução comparado aos confrontos recentes contra o Atlético. Há o fator sorte incluído, proporcionalmente um golpe duríssimo para os visitantes, que perderam Diego Costa e Arda Turan com menos de 20 minutos de jogo – os dois de imediato se transformaram em dúvidas para a final da Liga dos Campeões, no próximo sábado, diante do Real Madrid, em Lisboa.

Por mais que as chances fossem raras até ali, o Barça vivia o seu momento. Pedro, de cabeça, jogou para fora. Não era a dele. Mas Alexis Sánchez, um pouco depois, tratou de furar o bloqueio com um chutaço praticamente sem ângulo indefensável para Courtois. O golaço dava o título aos catalães, quase uma afronta aos prognósticos das últimas rodadas.

ATLÉTICO VIRA OUTRO TIME

O Atlético acusou o golpe e desceu para os vestiários praticamente sem reagir. Aí entrou em cena a estrela de Diego Simeone. Bastaram os protocolares 15 minutos para o técnico argentino mudar a sua equipe. O curioso é que não precisou substituir ninguém – embora já houvesse realizado duas modificações forçadas.

Pedro e Neymar Barcelona e Atlético de Madrid (Foto: Agência AP )Neymar entrou no lugar de Pedro aos 21 minutos do segundo tempo e pouco fez (Foto: Agência AP )

Virou questão de tempo para o Atlético chegar ao empate. Villa, com 45 segundos, carimbou a trave em linda finalização de canhota. O próprio atacante quase marcou aos três, em lance que Pinto se antecipou. Só não houve jeito quando Godín subiu no segundo andar para escorar escanteio cobrado por Gabi. O Barça era mais uma vez vítima da bola aérea.

Papeis se inverteram. O Atlético controlava o jogo à sua maneira, defendendo-se na maior parte do tempo. Os catalães perderam Busquets, lesionado, e arriscaram com Neymar e Xavi. Messi chegou a ter um gol corretamente anulado por impedimento. Daniel Alves forçou Courtois a fazer boa defesa. Piqué, de atacante, também tentou. Neymar, Messi, Iniesta… Todos esbarraram na muralha rival. Não houve tempo – e nem futebol para forçar um desempate.

Felipe Luis e Messi Barcelona e Atlético de Madrid (Foto: Agência AFP )Sob olhares de Messi, Filipe Luis e Juanfran se abraçam após o apito final (Foto: Agência AFP ) 

Por Edgar – FA CUP – Arsenal vira em cima do Hull City e quebra longo jejum

De virada, Gunners vencem por 3 a 2, com gol na prorrogação, e conquistam a Copa da Inglaterra. Equipe não levantava uma taça desde 2005, justamente neste torneio

A agonia durou nove longos anos e não terminou sem mais um pouco de sufoco para o Arsenal. Após estarem perdendo por 2 a 0, os Gunners reagiram e derrotaram o Hull City por 3 a 2, de virada, na prorrogação, conquistando a Copa da Inglaterra e encerrando um jejum de títulos que durava desde 2005. Ramsey foi o autor do gol que garantiu a taça à equipe de Arsène Wenger.

A última vez que o Arsenal havia faturado um título havia sido justamente na Copa da Inglaterra, em 2005, contra o Manchester United. Desde então, perdeu uma Copa da Liga para o Birmingham em 2011 e pouco conseguiu competir no Campeonato Inglês. Ao Hull City, sobra a consolação de uma vaga na Liga Europa. Nos Gunners, o triunfo alivia a pressão sobre o técnico Arsène Wenger, bastante questionado durante a temporada.

Texto: globoesporte.com