Por Cleber Aguiar – Santos FC lança campanha institucional “Nós Fazemos a História”

Fonte: Santosfc.com.br

O soco no ar, o gol de placa, uma guerra parada para ver uma partida de futebol, o cabelo moicano, 12 mil gols. Momentos eternizados na história e no futebol, com comportamentos responsáveis por influenciar pessoas em todo o mundo e de todas as idades. O Santos FC, ao longo dos seus quase 102 anos, transformou meninos em ídolos e agora traduz o orgulho de ser santista em ações que remontam o passado para explicar o presente sob o tema “Nós Fazemos a História”.

Com uma campanha audaciosa e inovadora, o Peixe mostra como deixou sua marca no mundo por meio dos mais variados canais e formatos. “O Santos é um time de tradição, com uma história rica que se confunde com a de povos, países e pessoas. Queremos que o torcedor perceba que ele é parte disso e que o Clube influencia o cotidiano de todo brasileiro”, explicou Fenando Montanha, gerente de Marketing do Santos FC.

 

A imagem representa a nova campanha institucional do Clube (Arte/Divulgação Santos FC)

No ano em que o Brasil volta a sediar uma Copa do Mundo, o único time que tem um atleta tricampeão da competição aproveita o momento para renovar a comunicação com sócios, conselheiros, torcedores, patrocinadores e colaboradores. “Nenhum clube tem uma história como a do Santos, que soma tradição e pioneirismo. Fomos os primeiros a acreditar em uma equipe de meninos e agora acreditamos que um projeto irreverente é o melhor caminho para falar dos feitos do clube”, completou Beatriz Andrade, coordenadora de Marketing do Clube.

Confira o manifesto que rege a campanha:

Somos o clube do Rei do futebol e dos meninos talentosos e ousados.
Das tabelinhas e das pedaladas.
Acreditamos que qualquer estádio pode ser a nossa praia.

Mudamos o vocabulário do futebol.
Existia o gol bonito. E nós fizemos o gol de placa.
Fomos embaixadores do futebol-arte pelo mundo.
E inspiramos gerações.

Demos um novo significado ao número 10.
Contra a gente até o juiz foi expulso.
Paramos uma guerra.

Devolvemos a alegria ao Maracanã.
Decidimos Copas do Mundo para o Brasil.
E fomos o primeiro Clube brasileiro a conquistar o mundo.

Imortalizamos o soco no ar.
Para nós, comemorar é prolongar o gol. E como gostamos de balançar as redes!
Alcançamos a incrível marca de 12 mil gols marcados.

Nossa história é tão absurda que parece mentira.
Tudo isso porque não nos contentamos em apenas jogar futebol.
Aqui no Santos, Nós Fazemos a História.

Por Cleber Aguiar – Chegada de Lucas Lima acirra disputa por vaga no meio-campo do Santos

Fonte: Globo.com

lucas-lima-santos-640x480-Ricardo-Saibun-Divulgação-Santos-FC

Contratado por R$ 5 milhões, meia deve brigar com Alan Santos por um lugar no time titular do Peixe, que ocupa a primeira colocação do Grupo C do Campeonato Paulista

Depois de uma novela que durou um mês e meio, o Santos oficializou a contratação do meia Lucas Lima na última sexta-feira. O ex-jogador do Internacional já teve sua inscrição confirmada e pode estrear na próxima rodada do Campeonato Paulista, contra o Comercial, terça-feira. Com mais um jogador à disposição, o técnico Oswaldo de Oliveira vê crescer a briga por uma vaga no meio-campo do Peixe, que lidera o Grupo C do Paulistão, com 16 pontos.

Cícero tem dado conta do recado na articulação do meio-campo santista. Na última rodada, por exemplo, deu um passe para o primeiro gol e participou da jogada do segundo na vitória por 2 a 1 sobre o Linense. Além disso, o técnico já disse que vê o seu camisa 8 como o cérebro do time e até fez lobby para que ele assumisse a 10. Quem vem usando o número é o jovem Geuvânio, que não é armador, mas atacante.

Como Oswaldo Oliveira não vai abrir mão de Cícero, Lucas Lima terá muito trabalho para convencer o técnico. Uma opção seria o novato entrar no lugar do volante Alan Santos. Nesse caso, Cícero seria recuado para jogar como segundo volante, posição na qual ele atuou em parte do Campeonato Brasileiro do ano passado.

Alison

Lucas Lima não deve ser o único reforço de Oswaldo de Oliveira para o meio-campo do Santos na próxima semana. O volante Alison, que encerrou a temporada como titular, mas ainda não atuou em 2014 por causa de uma lesão na coxa esquerda, já começou a treinar com bola e retornará aos trabalhos com o restante do elenco.

ICFUT – COPA NORDESTE 2014

oficial

PROGRAMA #3 – CLIQUE AQUI !

LINK AO VIVO 1 – COPA NORDESTE 2014 – CLIQUE AQUI !

LINK AO VIVO 2 – COPA NORDESTE 2014 – CLIQUE AQUI !

Confira os duelos das quartas de final:
CRB x América-RN

Vitória x Ceará

Sport x CSA

Santa Cruz x Guarany de Sobral

Confira os classificados de cada grupo:

Grupo A
América-RN
Vitória

Grupo B
CSA
Santa Cruz

Grupo C
Ceará
CRB

Grupo D
Guarany de Sobral
Sport

Por Cleber Aguiar – Muricy volta a cobrar mais presença de Ganso: ‘Precisa entrar na área’

Fonte: Globo.com

Treinador diz que meia teve três oportunidades para concluir ao gol adversário no jogo contra a Ponte, mas preferiu dar o passe e cometeu três erros consecutivos

Com a saída de Jadson, que seguiu para o Corinthians na troca que levou Alexandre Pato para o São Paulo, Paulo Henrique Ganso ficou com a responsabilidade de armar o Tricolor. E a oscilação do agora camisa 10 está começando a chamar a atenção. Ao mesmo tempo em que faz boas partidas e se destaca, o meio-campista some em outros confrontos. No duelo contra a Ponte Preta, ele não foi notado em campo, assim como já havia ocorrido no clássico contra o Palmeiras.

Pior. Quando teve a chance para arrematar ao gol adversário no confronto do último domingo, disputado em Campinas, optou pelo passe, errou e irritou o técnico Muricy Ramalho, que voltou a bater na tecla que seu principal armador precisa ser mais notado no ataque.

– Converso com ele desde o Santos. Isso é um defeito dele. Ele prefere dar o passe a chutar para o gol. Ele teve duas ou três vezes livre e não chutou. No Santos mesmo para fazer gol era difícil. O camisa 10 precisa entrar na área e fazer gol – afirmou o comandante são-paulino.

Muricy Ramalho jogo São Paulo (Foto: Miguel Schincariol / Agência Estado)
Muricy Ramalho espera mais atitude de Ganso em campo

Muricy vai insistir com Ganso, principalmente porque a opção imediata para o lugar do meia é o garoto Boschilla, que se destacou na Copa São Paulo e ainda está se adaptando ao fato de ter sido promovido ao time profissional. Cañete, que foi contratado como meia, tem sido utilizado como segundo atacante.

– Ainda estamos buscando o time. É início de temporada e todos estão se ajustando. O importante é aproveitar essa fase para corrigir o que está errado. Lá na frente, é preciso que tudo esteja pronto porque aí será briga pelo título e não poderemos errar – ressaltou.

Paulo Henrique Ganso (Foto: Rubens Chiri / Site oficial do São Paulo FC)
Paulo Henrique Ganso em ação contra a Ponte
(Foto: Rubens Chiri / Site oficial do São Paulo FC)

Por Cleber Aguiar – Operário morre após acidente de guindaste na Arena Amazônia .

Fonte: O Globo – RJ

É a terceira morte no estádio desde o começo das obras

manaus
MANAUS – Mais um operário morreu nas obras da Arena Amazônia, em Manaus. O português Antônio José Pita Martins, de 55 anos, foi atingido na cabeça por uma peça durante o desmonte de um guindaste, na manhã desta sexta-feira. Ele foi levado para o Hospital Dr. João Lúcio com traumatismo craniano e morreu à tarde, durante cirurgia. Foi a quarta morte ocorrida em canteiros de obras em Manaus, e a oitava em construções ou reformas de estádios da Copa no Brasil.

Nas obras do Mundial de 2010, na África do Sul, dois trabalhadores morreram. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Estado do Amazonas (Sintracomec-AM) garantiu que haverá greve a partir de segunda-feira como forma de protesto à morte desta sexta.

O pedreiro Raimundo Nonato Lima Costa, de 49 anos, e Marcleudo de Melo Ferreira, de 22, morreram em 2013 nas obras da Arena Amazônia. José Antônio do Nascimento, de 49 anos, faleceu ao sofrer infarto quando trabalhava no Centro de Convenções ao lado do estádio amazonense. Em junho de 2012, o ajudante de carpinteiro José Afonso de Oliveira Rodrigues, de 21 anos, caiu de uma altura de 50 metros no Estádio Mané Garrincha e não resistiu. Um mês depois, durante expediente na reforma do Mineirão, Antônio Abel de Oliveira, de 55 anos, faleceu ao sofrer uma parada cardiorrespiratória. Fábio Luiz Pereira, 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, 44, morreram em novembro de 2013 na queda de um guindaste na Arena Corinthians, em São Paulo.

O técnico português morto nesta sexta trabalhava para a Martifer Construções Metalomecânicas S.A, uma empresa terceirizada. A obra é da construtura Andrade Gutierrez. O procurador do Ministério Público do Trabalho Jorsinei Dourado do Nascimento garantiu que o fato de o empregado estar vinculado à empresa terceirizada não tira da construtora a responsabilidade pelo ocorrido. Ele disse ainda que a cena do acidente, no exterior do estádio, teria sofrido alterações.

— A cena onde ocorreu o acidente estava sendo alterada pela empresa, a exemplo da escada onde o trabalhador estava, que foi retirada do local. Além disso, foi jogada areia sobre os vestígios de sangue no chão — disse Jorsinei.

Demora no atendimento

Um dos operários, que preferiu não se identificar, afirmou que o socorro ao colega português levou 40 minutos para chegar à Arena Amazônia. Nesse período, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores, Francisco Sarmento, teria sido proibido de entrar no estádio pelos seguranças.

O presidente do Sintracomec-AM, Cícero Custódio, garantiu que as obras da Arena Amazônia serão interrompidas a partir de segunda-feira. Ele prometeu uma greve da categoria para reivindicar os direitos dos trabalhadores.

— A Arena estará parada. Não tem Ministério Público do Trabalho, não tem governador, não tem nada. Na segunda-feira, ninguém entra. Vamos para a frente e protestar. Decretamos luto por ele e pelos direitos dos trabalhadores — garantiu Custódio.

O acidente aconteceu justamente no dia em que o governador do Amazonas, Omar Aziz, faria uma vistoria nas obras do estádio, que estão atrasadas. A inauguração deveria ter acontecido na segunda quinzena de janeiro deste ano. Após a morte do operário Marcleudo de Melo, em dezembro de 2013, o estádio chegou a ser interditado por 72 horas. A obra está 98,58% concluída, e havia a chance de o estádio ser finalizado na próxima sexta-feira. Mas ainda não há previsão para o jogo inaugural.

ICFUT – Para ser o 10 do Palmeiras, é preciso ter o couro duro – Entrevista da Folha com Valdivia

Fonte: Folha de São Paulo

Índice

O chileno, que joga hoje, comenta as cobranças que recebe e critica a diretoria do Corinthians

DIEGO IWATA LIMA DE SÃO PAULO

Alternando jogos e descanso neste ano, Valdivia volta a campo hoje, contra o Audax, às 17h, no Pacaembu.

Com 100% de aproveitamento em seis jogos no Paulista, o Palmeiras talvez nem precisasse dele. Mas o técnico Gilson Kleina quer o meia em campo. E ele quer jogar.

Em entrevista exclusiva à Folha, fala sobre a Copa, tanto sobre o desejo de jogá-la pelo Chile quanto dos problemas de organização.

Também critica a conivência do rival Corinthians com as torcidas organizadas e a violência de um modo geral.

E revela se arrepender de ter jogado muitas vezes sem o tempo adequado de recuperação durante a última gestão Felipão no clube, em 2012.

Folha – Qual a sua expectativa para a Copa?
Valdivia – A ansiedade é grande. Disputá-la aqui seria maravilhoso. Por isso, tenho me preparado muito, para jogar bem pelo Palmeiras e para poder ser convocado.

Você acha que o Brasil está pronto para receber a Copa?
Não, não está. Rivaldo, Romário e muitos jornalistas dizem isso, e eu concordo. Aqui há problemas de segurança, trânsito, aeroportos.
Leio que há centros de treinamentos que não estão prontos, como o da Rússia, em Itu, que há ampliações com lonas em aeroportos. A imagem que vai ficar para os estrangeiros será ruim.
Mas será a melhor Copa de todos os tempos porque o Brasil é o país do futebol, e os melhores jogadores estarão aqui. O povo e os jogadores vão fazer a diferença.

A imprensa chilena diz que o técnico da seleção do país, Jorge Sampaoli, está questionando sua convocação. Como é sua relação com ele?
Ele foi um dos poucos a acreditar que eu ainda tinha como jogar pelo meu país. Para preservar a minha sanidade mental, não leio a imprensa chilena.

Você parece mais leve, mais feliz. Está mesmo?
Estou, mas não que eu fosse infeliz. No passado, havia muita fofoca no Palmeiras. Agora, comissão técnica, diretoria e jogadores não permitem isso. O Gilson Kleina deposita confiança em todos, a responsabilidade é dividida.

Você foi muito cobrado. Acha que foi injusto?
Sim. Quando o Palmeiras não conseguia os resultados positivos, o fato de eu não jogar era mais importante do que os erros dos que estavam em campo. Eu era culpado por derrotas em que não havia atuado. Aqueles que podem mais têm de ser mais cobrados. Mas a cobrança não pode ser sobre um jogador só. Isso mexia comigo.
Passei por cima dos protocolos médicos, voltei a jogar antes do tempo e me machuquei. Fiz isso muitas vezes. Até porque as pessoas me pediam “por favor, me ajude, jogue…”

Na época do Felipão?
Sim.

E por que você jogava?
Acho que faltou autoridade do departamento médico para me vetar. Eu poderia ter sido mais firme. Isso prejudicou minha imagem. Parecia que eu não queria jogar.

Hoje você sente dores?
Sinto. Mas hoje trabalho com um especialista cubano em reabilitação física, o José Amador, que atua também na seleção do Chile.

Como você vê os atos de violência contra jogadores?
Bater esperando mudança do jogador é um erro. Quando torcedores arremessaram uma xícara em mim no aeroporto da Argentina [em março de 2013, após jogo pela Libertadores], disse para a diretoria que queria ir embora. Mas uma parte minha queria ficar e dar a volta por cima.

Participa do Bom Senso F.C.?
Sim. Aos poucos, o movimento vai dar certo. Os jogadores do futuro é que vão se beneficiar. Se os sindicatos fossem mais duros, não precisaria do Bom Senso.

Você apoiaria uma greve?
Depende. Pela violência da torcida do Corinthians, como se comentou recentemente, não. Não adianta nada a gente fazer greve se a diretoria do Corinthians não fizer como o [presidente do Palmeiras] Paulo Nobre, que tem postura firme com as torcidas organizadas.

Olhando para sua carreira, acha que deveria ter saído menos à noite?
Muitos jogadores sempre saíram à noite e se tornaram fenômenos. E existem muitos jogadores crentes que nunca saíram e nunca jogaram bem. Quando mais saí, entre 2006 e 2008, foi quando joguei melhor. Não há regra.

É difícil ser o Valdivia?
Muito difícil. É muita responsabilidade. Para ser o camisa 10 do Palmeiras, que já teve Ademir da Guia e Alex, é preciso estar sempre de cabeça erguida para receber críticas. O couro precisa ser duro. Mas não tem problema. Pode vir que eu aguento. Responsabilidade e caráter há de sobra aqui.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1409525-protestos-fizeram-governo-mudar-discurso-sobre-copa.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.
Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1409525-protestos-fizeram-governo-mudar-discurso-sobre-copa.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.
Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1409525-protestos-fizeram-governo-mudar-discurso-sobre-copa.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.

Por Cleber Aguiar – Infiel torcida

Fonte: O Estado de São Paulo

Quando falta a política, a cidadania morre e bestas-feras invadem CTs para esganar hoje seus heróis de ontem

Carlos Melo

Quando o Boca Juniors e o juiz Carlos Amarilla eliminaram o Corinthians na Libertadores da América de 2013, vi meu filho amargurado com a perda do bicampeonato. “Tá assim por quê?”, perguntei. “O Corinthians é isso. Demorei 47 anos para ver o título que você viu, ano passado, aos 7. A vitória é sempre passageira. Se não quiser viver nessa oscilação de euforia e sofrimento, esqueça o futebol. Esqueça o Corinthians. Melhor torcer pelo São Paulo“, provoquei.

Rostos da conquista do Mundial agora merecem 'porrada'. - Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão
Rostos da conquista do Mundial agora merecem ‘porrada’.

Mas mesmo os tricolores hão de convir: essa é a dor e a delícia do futebol. Felicidade que vem, tristeza que vai. Vice-versa. Tudo recomeça. A boa fase ilude, a má fase chateia. Tudo tem seu tempo. Os fantasmas – o rebaixamento, a aporrinhação dos adversários. Mas até o glorioso Palmeiras caiu duas vezes… Calma! Se nova queda for inevitável, sem tapetão, épica sempre será a volta. “Vida que segue”, dizia Saldanha.

O garoto pondera. Sabe que nada é tão racional. No fundo, intui, o pai também está aflito. Acerta. Mas o difícil mesmo é fazê-lo compreender que o que ocorreu agora, no CT Joaquim Grava, é muito mais grave que a perda de um título e nada tem a ver com futebol. Não foi paixão, não foi torcida, nem decepção. Vincula-se, antes, a problemas mais profundos que as mazelas de um time. Está atado aos nós de uma dinâmica social complexa, fruto da ineficácia da política brasileira.

O vandalismo, a miséria, a ignorância e a bandidagem, a confusão entre democracia e barbárie, a adesão à violência como método de ação. O mal-estar é evidente e está em qualquer canto. A política claudica quando seus mais relevantes atores abandonam a mesa e encerram a negociação. A tensão, a ameaça, a pancadaria, tornaram-se recursos de última instância. Partidos, movimentos, sindicatos, ilustrados intelectuais – à direita e à esquerda – não dialogam, não criam consensos. Há pouca, quase nenhuma tolerância. A fragmentação é evidente. Anomia? Talvez. O centro, por fisiológico, abre-se numa imensa rachadura, que se alarga no exaurido presidencialismo de coalizão.

Nessas condições, natural é a volta ao estado de natureza. Nas periferias, as chacinas; massacres nos presídios. O País assimilou o UFC como esporte nacional. “Quem nunca deu uma porrada no rosto de alguém?”, perguntou, quase inocente, um quase líder de torcida. Ora, ora, ora… Nem isso causa espanto. Impossível distinguir a barbárie do Maranhão da pancadaria das arquibancadas. Cabeças decepadas ou chutadas diferem na força que as agride, não na volúpia nem na intenção de quem as atinge. Repetidas, imagens da barbárie redesenham o ethos do País nos dias que antecedem a Copa. Que momento!

Vândalos em cólera, então, exalam suor de cachaça; dispostos a esganar pessoas como se fossem patos de verdade, vomitam um fel de muitas misérias. Estão em qualquer canto. Quem tiver estômago, que leia comentaristas de notícia na internet. Entre uma e outra “curtida”, um festival de “mata, esfola, prende” – nessa ordem. No velório da ponderação, enterrada foi também a ternura que o País, um dia, teve. Adeus bossa nova. Na era da comunicação total das redes, o diálogo escasseia; brotam o cinismo e a provocação. Cada qual com sua sede, discute se o copo está cheio ou vazio. A hidrofobia não consegue divisar o meio.

Não são apenas os pobres das fiéis torcidas. Às mancheias, playboys ateiam fogo a índios; atropelam, jogam pedaços das vítimas nos rios. Alguém, é claro, clamará por ordem, autoridade, força. A histeria já tem suas divas nos telejornais, mas quem relincha não escuta. No mais, com viseiras ideológicas não é possível enxergar pelo ângulo da construção política. A ausência de política é o maior e mais lamentável vazio.

No passado a Política amalgamava, dava sentido à massa. Mas, o cretinismo eleitoral, se expandindo, obscureceu quem aprendeu a somar, não dividir. Então, em cada bloqueio de rua, ônibus incendiado, revolta ou excesso policial, em cada quebra-quebra, saque ou arrastão, é a Política que falta. Nos motoboys que nos proíbem mudar de faixa, nos PCCs, nas milícias, nos justiceiros, na corrupção, na arrogância elitista, é a cidadania que morre. E as bestas-feras proliferam: invadem CTs; buscam esganar hoje o herói que adoravam ontem.

O que se entende por democracia é patético. Onde há violência, não há liberdade. E assim, o futebol imita a sociedade, no mesmo pacto de mediocridade. Exceções de praxe, jogadores de futebol são parte da mesma galera que os tocaia; notabilizam-se pelo mesmo individualismo. Mas – ironias do país do futebol -, talvez essa seja a chance de serem heróis de verdade. E, com todos os riscos, dizer “basta!”; paralisando a loucura, colocando-se como exemplos. Igualar 5 x 1 no placar não é tão difícil quanto recuperar uma oportunidade perdida, que, perdida, escapará para sempre. Cito Drummond para meu filho: “A vida é isso (…) hoje beija, amanhã não beija, depois de amanhã é domingo e segunda-feira ninguém sabe o que será”. Pondero, quem não controla o tempo, jamais compreenderá o futebol, a política ou o amor. “Salve o Corinthians!”   CARLOS MELO É CIENTISTA POLÍTICO,  PROFESSOR DO INSPER, AUTOR DE COLLOR: O ATOR, SUAS CIRCUNSTÂNCIAS (NOVO CONCEITO)

ICFUT – ESTADUAIS 2014

oficial

PROGRAMA #3 – CLIQUE AQUI !

 

LINK 1 – AO VIVO  DOS ESTADUAIS – CLIQUE AQUI !
LINK 2 – AO VIVO DOS ESTADUAIS – CLIQUE AQUI!

PAULISTA SÉRIE A-1

7ª RODADA
07/02 – 19h30 Oeste 1 x 2 Ituano
08/02 – 19h30 Bragantino 1 x 1 Botafogo
08/02 – 19h30 Rio Claro 3 x 0 XV de Piracicaba
09/02 – 17h00 Palmeiras 1 x 1 Osasco Audax
09/02 – 17h00 Ponte Preta 2 x 1 São Paulo
09/02 – 19h30 Portuguesa 4 x 0 Linense
09/02 – 19h30 Mogi Mirim 1 x 1 Corinthians
11/02 – 19h30 São Bernardo x Atlético Sorocaba
11/02 – 19h30 Santos x Comercial
11/02 – 19h30 Paulista x Penapolense

PAULISTA A-2

5ª RODADA
08/02 – 10h00 Guarani 0 x 1 Marília
08/02 – 16h00 São Caetano 4 x 0 Velo Clube
08/02 – 16h00 Santo André 1 x 5 Ferroviária
08/02 – 16h00 Monte Azul 2 x 2 Red Bull
08/02 – 17h00 Catanduvense 1 x 0 Rio Branco
08/02 – 17h00 União Barbarense 0 x 0 Batatais
08/02 – 17h00 São Bento 2 x 1 Itapirense
08/02 – 19h00 Capivariano 1 x 0 Grêmio Barueri
09/02 – 10h00 Guaratinguetá 0 x 0 Grêmio Osasco
09/02 – 10h00 Mirassol 4 x 0 São José

PAULISTA A-3

3ª RODADA
08/02 – 10h00 Internacional 0 x 3 Novorizontino
08/02 – 17h00 São Carlos 2 x 2 Noroeste
09/02 – 10h00 Francana 0 x 0 Cotia
09/02 – 10h00 Taubaté 0 x 0 Independente
09/02 – 10h00 Rio Preto 3 x 1 Sertãozinho
09/02 – 10h00 Juventus 0 x 0 São José “B”
09/02 – 10h00 Votuporanguense 1 x 3 América
09/02 – 10h00 Tupã 4 x 3 Água Santa
09/02 – 10h00 Santacruzense 1 x 1 Matonense
09/02 – 16h00 Guaçuano 0 x 1 Flamengo

Copa Rio Grande do Norte

1ª RODADA
08/02 – 18h30 América 2 x 0 Santa Cruz
09/02 – 18h00 Corintians 1 x 1 ABC
09/02 – 18h00 Globo 4 x 0 Baraúnas
09/02 – 18h00 Potiguar-M 1 x 2 Alecrim

AMAZONENSE

2ª RODADA
08/02 – 17h30 Iranduba 1 x 4 Fast Clube
08/02 – 17h30 São Raimundo 0 x 0 Penarol
08/02 – 17h30 Sul América 0 x 2 Princesa do Solimões
08/02 – 17h30 Holanda 0 x 2 Nacional

SUL-MATO-GROSSENSE

6ª RODADA
09/02 – 17h00 Novoperário 1 x 0 Aquidauanense
09/02 – 17h00 Costa Rica 2 x 0 Maracaju
09/02 – 17h00 Naviraíense 3 x 0 Urso
09/02 – 17h00 Misto 2 x 2 CENE
09/02 – 19h00 Sete de Dourados 1 x 2 Ivinhema
09/02 – 19h00 Itaporã 2 x 2 Águia Negra

CARIOCA

7ª RODADA
08/02 – 17h00 Botafogo 0 x 1 Friburguense
08/02 – 17h00 Madureira 2 x 1 Cabofriense
08/02 – 19h30 Flamengo 0 x 3 Fluminense ( pague a serie b )
09/02 – 17h00 Audax 0 x 0 Volta Redonda
09/02 – 17h00 Nova Iguaçu 1 x 1 Vasco da Gama
09/02 – 17h00 Boavista 4 x 1 Duque de Caxias
09/02 – 17h00 Bonsucesso 1 x 1 Resende
09/02 – 17h00 Bangu 0 x 2 Macaé

ALAGOANO – COPA MACEIO

2ª RODADA
08/02 – 17h30 Iranduba 1 x 4 Fast Clube
08/02 – 17h30 São Raimundo 0 x 0 Penarol
08/02 – 17h30 Sul América 0 x 2 Princesa do Solimões
08/02 – 17h30 Holanda 0 x 2 Nacional

BRASILIENSE

4ª RODADA
08/02 – 16h00 Brasília 2 x 2 Gama
08/02 – 16h00 Sobradinho 1 x 2 Brasiliense
08/02 – 16h00 Ceilândia 1 x 0 Unaí
09/02 – 10h30 Capital 1 x 1 Santa Maria
09/02 – 10h30 Legião 0 x 2 Luziânia
09/02 – 16h00 Atlético Ceilandense 3 x 2 Formosa

PARAIBANO

9ª RODADA
09/02 – 17h00 Sport Campina 0 x 9 CSP
09/02 – 17h00 Santa Cruz-PB x Atlético Cajazeiras
09/02 – 17h00 Sousa 0 x 0 Queimadense
09/02 – 17h00 Auto Esporte x Campinense

CEARENSE

14ª RODADA
08/02 – 17h00 Tiradentes 1 x 1 Horizonte
09/02 – 17h00 Quixadá 4 x 1 Icasa
09/02 – 17h00 Crato 1 x 2 Fortaleza
09/02 – 17h00 Itapipoca 0 x 1 Guarani-J

CATARINENSE

5ª RODADA
08/02 – 19h30 Juventus 0 x 1 Joinville
09/02 – 17h00 Avaí 0 x 0 Criciúma
09/02 – 17h00 Brusque 0 x 0 Marcílio Dias
09/02 – 17h00 Atlético Ibirama 1 x 1 Figueirense
09/02 – 17h00 Chapecoense 2 x 0 Metropolitano

MATO – GROSSENSE

6ª RODADA
09/02 – 17h00 Mixto 1 x 0 Operário
09/02 – 21h00 Sinop 3 x 1 Mato Grosso

PARAENSE – TAÇA CIDADE DE BELÉM

Semifinal

1ª RODADA
05/02 – 21h30 Paragominas 1 x 1 Paysandu
06/02 – 21h30 Cametá 0 x 2 Remo
2ª RODADA
08/02 – 17h00 Paysandu 2 x 2 Paragominas
09/02 – 17h00 Remo 4 x 1 Cametá

GAÚCHO

7ª RODADA
08/02 – 17h00 Caxias 3 x 0 São José
08/02 – 20h00 São Luiz 3 x 0 Esportivo
09/02 – 17h00 Pelotas 1 x 1 Brasil
09/02 – 19h30 Passo Fundo 2 x 1 Juventude
09/02 – 19h30 Grêmio 1 x 1 Internacional
09/02 – 19h30 Cruzeiro 2 x 1 Aimoré
09/02 – 20h00 São Paulo 2 x 4 Veranópolis
10/02 – 20h00 Novo Hamburgo x Lajeadense

PARANAENSE

5ª RODADA
08/02 – 17h00 J. Malucelli 2 x 2 Rio Branco
09/02 – 17h00 Maringá 0 x 1 Prudentópolis
09/02 – 17h00 Operário 1 x 3 Paraná
09/02 – 17h00 Arapongas 1 x 0 Londrina
09/02 – 19h00 Toledo 0 x 2 Cianorte
09/02 – 19h30 Atlético 3 x 0 Coritiba

MARANHENSE

5ª RODADA
09/02 – 18h00 Imperatriz 0 x 1 São José
09/02 – 18h00 Moto Club 1 x 0 Cordino

MINEIRO

4ª RODADA
08/02 – 17h00 Tupi 2 x 0 Atlético
09/02 – 17h00 Cruzeiro 2 x 0 América
09/02 – 17h00 Minas 1 x 2 Boa Esporte
09/02 – 17h00 Tombense 1 x 1 Caldense
09/02 – 18h30 Nacional 3 x 2 Guarani
12/03 – 20h30 Villa Nova x URT

GOIANO

7ª RODADA
09/02 – 17h00 Goianésia 3 x 1 Atlético
09/02 – 17h00 Vila Nova 0 x 1 Trindade
09/02 – 17h00 Anapolina 3 x 0 Crac
09/02 – 17h00 Aparecidense 1 x 1 Anápolis
10/02 – 20h30 Grêmio Anápolis x Goiás