Por Cleber Aguiar – Com punição mantida em novo julgamento, Portuguesa é rebaixada à Série B

Fonte: Folha Online

A Portuguesa não conseguiu anular no julgamento desta sexta-feira no pleno do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), segunda e última instância esportiva, a punição da perda de quatro pontos por escalar um jogador irregular na última rodada do Campeonato Brasileiro.

A Portuguesa perdeu por 8 votos a 0.

A decisão rebaixou a equipe à segunda divisão do Brasileiro-2014 e manteve o Fluminense na primeira divisão. Na classificação original, a Portuguesa ficou com o 12º lugar, com 48 pontos, e o rival teve o 17º lugar, na zona de rebaixamento, com 46.

No último dia 16, a Portuguesa já havia sido punida pelo STJD, em primeira instância, pela escalação irregular do meia Héverton no empate sem gols com o Grêmio, no dia 8 de dezembro. Os cinco auditores daquele julgamento foram favoráveis a punição à Lusa.

Héverton deveria ter cumprido suspensão contra o Grêmio, mas ficou no banco de reservas e entrou no campo aos 32 min do segundo tempo. A Portuguesa sempre alegou que não sabia que o jogador estava suspenso e não poderia atuar naquela partida.

O relator do caso, Décio Neuhaus, foi o primeiro a votar e foi favorável a manutenção da punição. Caio César Vieira Rocha, vice-presidente do STJD, e os auditores Alexander dos Santos Macedo, José de Arruda Silveira Filho, Miguel Ângelo Cançado, Gabriel Marciliano Júnior e Ronaldo Botelho Piacente acompanharam o relator. Flávio Zveiter, presidente do STJD, último a votar, também foi favorável a punição.

“Um jogador [Héverton] reserva, que atuou durante todo o campeonato. Atuou só em seis jogos e entrou no segundo tempo. É jogador que não tem uma qualidade técnica para desequilibrar uma partida. Não teve e nem poderia ter uma vantagem desportiva. O jogo não valia. A proporcionalidade não se aplica? Onde está a proporcionalidade? No campo de jogo, a Portuguesa conseguiu às duras penas se manter na Série A”, foi um dos argumentos do advogado de defesa da Portuguesa, João Zanforlin.

Zanforlin usou também o BID (Boletim Informativo Diário) de suspensões da CBF e o Estatuto do Torcedor para defender que o jogador tinha condições de jogo.

Para o advogado, a pena a Héverton não constava no BID na sexta-feira, anterior ao jogo contra o Grêmio. Ainda segundo ele, o Estatuto do Torcedor não foi cumprido porque a punição não foi comunicada no site da CBF no dia do julgamento.

“É mentira que esta partida {Portuguesa x Grêmio] não valia nada. O código não fala em má ou boa fé. Estamos falando do maior campeonato do mundo, não de um jogo qualquer de várzea. E o atleta [Héverton] não está aqui, não compareceu aos autos. Ele deveria estar aqui”, rebateu o procurador geral do STJD, Paulo Schmidt.

“Para a Portuguesa, moralidade é 37 rodadas do Brasileiro valerem uma coisa, e uma rodada, outra”, disse o advogado do Fluminense, Mário Bittencourt, que participou do julgamento como terceiro interessado. “Se o atleta [Héverton] não valia de nada, por que a Portuguesa não entrou com 10?”.

Daniel Marenco/Folhapress
O presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa, no julgamento do pleno do STJD
O presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa, no julgamento do pleno do STJD

PRÓXIMOS PASSOS

Derrotada pela segunda vez na justiça esportiva, a Portuguesa já sinalizou o desejo de procurar a Justiça comum -ou “aconselhar” um ou mais torcedores a fazer isso.

Ir até a Fifa e apresentar o problema seria mais uma maneira de tentar evitar a ira da entidade máxima do futebol do que conseguir reverter a punição. Em casos assim, a Fifa costuma manter as decisões dos tribunais esportivos locais.

A Fifa orienta aos clubes acionarem apenas a Justiça desportiva, evitando a comum. Há até casos em que a entidade ameaçou de desfiliação as confederações ou os clubes –como fez com Brasil de Pelotas-RS e Treze-PB, que acionaram a Justiça no ano passado.

No meio jurídico, contudo, há dúvidas se clubes podem acionar a Justiça comum.

Reportagem da Folha no dia 23 mostrou que o estatuto da Fifa tem um dispositivo que pode impedir que a Portuguesa e a CBF sejam punidas -uma exceção ao artigo 68, que determina que as federações nacionais insiram em seus estatutos a proibição de que as partes levem demandas à Justiça comum.

ENTENDA O CASO

Na última rodada do Brasileiro, a Portuguesa, que tinha chance mínima de rebaixamento, empatou com o Grêmio sem gols, no Canindé.

Aos 32 min do segundo tempo, o técnico Guto Ferreira colocou em campo o meia Héverton. Ele atuou por 13 minutos.

Héverton não poderia ter jogado contra o Grêmio por ter sido suspenso pela segunda partida, dois dias antes, por causa da expulsão diante do Bahia, na 36ª rodada –ele já tinha ficado fora contra a Ponte Preta, na 37ª.

Com isso, a Portuguesa foi denunciada no STJD por escalar um jogador de forma irregular. A pena prevista em casos assim é a perda de três pontos mais o ponto ganho na partida, totalizando os quatro pontos da penalização aplicada ao time paulista.

Assim, o time do Canindé foi rebaixado para a Série B do Brasileiro. A medida beneficiou o Fluminense, que se livrou do rebaixamento, e o Flamengo, que também foi punido com a perda de quatro pontos pela escalação irregular do lateral esquerdo André Santos diante do Cruzeiro e poderia cair se a Portuguesa não fosse punida.

A Portuguesa sempre alegou que não foi avisada do segundo jogo de suspensão de Héverton pelo advogado que a representou naquele julgamento, Osvaldo Sestário, e por isso o meia foi relacionado para a partida contra o Grêmio.

No entanto, Sestário deu entrevistas garantindo que comunicou o clube.

Por Cleber Aguiar – Confusão na arquibancada mancha festa beneficente de Neymar em Goiânia

Fonte: Portal Terra

  • João Paulo Di Medeiros Direto de Goiânia

faixastorcidagoianiajpdimedeiros

Era para ser um jogo festivo, um programa para as famílias goianienses, e elas compareceram com essa expectativa. Ocorria tudo bem até a metade do segundo tempo da partida beneficente entre os amigos do cantor Leonardo e os amigos de Neymar, quando um princípio de confusão assustou muitos torcedores que deixaram o estádio Serra Dourada correndo. Apesar do susto, o motivo da confusão não foi grave e cinco torcedores acabaram detidos pela Polícia Militar.

Existe um movimento entre torcedores goianos, não ligado às torcidas uniformizadas, que defende que os goianos precisam torcer para os clubes locais. Representantes deste movimento dos três clubes de Goiânia – Goiás, Vila Nova e Atlético-GO – levaram faixas reforçando o tema e as colocaram uma ao lado da outra, dando um recado de paz.

No entanto, foram essas faixas que causaram uma confusão nas arquibancadas, que espantou um grande número de torcedores do estádio. A Polícia Militar identificou cinco torcedores ligados à organizada do Goiás que tentaram roubar umas das faixas dos rivais que estavam colocadas ao lado da esmeraldina. Os cinco adolescentes ficaram detidos até o fim do jogo e depois foram liberados.

Responsável pela detenção, o tenente Gonzaga explicou que a ocorrência não foi tão grave quanto pareceu. “Tinha muitos torcedores que não estão habituados a frequentar o estádio, e o início da correria por causa da faixa assustou bastante as pessoas. Aí começou a correria, até mesmo do outro lado do estádio”, frisou.

O fato é que o corre-corre nas arquibancadas fez com que os jogadores paralisassem a partida por alguns instantes. Os torcedores que não saíram correndo com medo de uma possível briga entoaram o grito de “Vergonha!”.

O que era para ser um jogo de festa e atrair um público que não está acostumado a ir aos estádios acabou dando um efeito contrário para muitos que saíram do Serra Dourada às pressas. O ex-jogador Denílson pediu que no próximo ano o futebol não volte a conviver com a violência, sem fazer ligação com o que aconteceu no Serra Dourada.

“Que o ano de 2014 seja repleto de paz, principalmente no esporte, porque esse ano vivemos situações constrangedoras de muita violência. Espero que no ano que vem sejamos mais educados nos estádios para que as famílias, as crianças possam voltar a frequentá-los”, desejou.

Por Cleber Aguiar – Com contratos de 2 anos, Inter apresenta Dida e Wellington Paulista

Fonte: Portal Terra

O Internacional apresentou na tarde desta quinta-feira o goleiro Dida e o centroavante Wellington Paulista. O arqueiro, de 40 anos, estava no Grêmio, acabou não acertando a sua renovação com o tricolor gaúcho e foi direto para o maior rival. Durante a entrevista coletiva, o novo camisa 1 do Inter agradeceu a confiança da direção do Inter, que ofereceu um contrato de dois anos para o experiente goleiro.

Wellington Paulista e Dida reforçam Internacional em 2014 Foto: Edu Andrade/Fato Press / Gazeta Press

“Não tenho medo da rejeição, sempre fui profissional. Para conquistar o torcedor eu tenho que fazer o que sempre fiz, que é trabalhar e fazer o meu melhor. Tenho convicção de que posso contribuir muito com a minha qualidade. Em relação à escolha de jogar no Inter, o que pesou em relação as outras propostas que recebi foi que no Inter o contrato é de dois anos, e a minha ideia era de ir para uma equipe e permanecer por um período maior. O Inter confiou em mim e isto é importante para dar tranquilidade”, disse o novo goleiro colorado.

Sobre a sua saída do Grêmio Dida evitou entrar em polêmica com o seu ex-clube, que ainda deve salários e direito de imagem para o goleiro.

“O meu contrato com o Grêmio termina no dia 31 de dezembro. Sobre este assunto eu falo com a direção do Grêmio, que são pessoas corretas e eu não estou aqui para julgar ninguém. Não tenho mágoas do Grêmio, sou profissional e quero fazer aqui no Inter as mesmas coisas que fiz lá no Grêmio. É  a primeira vez na minha carreira que eu saio de um clube direto para o maior rival. É um desafio bom e eu estou gostando muito disto”, disse Dida, novo goleiro colorado.

É a primeira vez na minha carreira que eu saio de um clube direto para o maior rival. É um desafio bom

Dida

Já o centroavante Wellington Paulista, que disputou o Brasileiro pelo Criciúma marcando 11 gols na competição, evita comparações com Leandro Damião, ex-jogador do Inter e que foi negociado com o Santos.

“Eu não quero que o torcedor esqueça o Damião, mas eu venho para buscar o meu espaço, assim como fez o Damião. Eu vim para deixar o meu nome na história do Inter. Não prometo gols, mas prometo empenho e determinação e os gols sairão naturalmente”, disse Wellington Paulista.

O novo atacante colorado tem por característica marcar gols contra o Grêmio: nesta temporada foram dois, nos dois confrontos entre Criciúma e Grêmio no Brasileiro. “Tive sorte de fazer gols contra o Grêmio e espero seguir com esta sorte, não só contra o Grêmio, mas contra as outras equipes também. Joguei vários clássicos, mas aqui tem uma rivalidade maior, e isto é muito bom”, destacou o novo atacante do Internacional, que firmou acordo de dois anos.

Por Cleber Aguiar – Perto de acertar mangas, Peixe volta a tratar com Caixa por patrocínio master

Fonte: Globo.com

Banco retoma conversas com o Santos depois de fracasso anterior nas negociações. Enquanto isso, Alvinegro encaminha acerto que pode render R$ 6 milhões em 2014

Por Lincoln ChavesSantos, SP

camisa santos (Foto: Divulgação)Santos espera anunciar patrocínios master e de mangas em janeiro (Foto: Divulgação)

Depois de renovar com a Corr Plastik (barras da camisa e calção) e encaminhar a extensão dos contratos com Minds Idiomas (próximo à gola) e CSU (números), o Santos está perto de fechar o patrocinador para as mangas da camisa por R$ 6 milhões – o nome da empresa é mantido em sigilo. Além disso, o Peixe retomou as conversas com a Caixa Econômica Federal para ser o novo patrocinador master do clube após o fracasso nas negociações há alguns meses. O acerto com os anunciantes só deve ser concluído em janeiro.

As tratativas com a Caixa se iniciaram depois da recuperação da Certidão Negativa de Débito (CND), em maio. O Santos, porém, não aceitou a oferta de R$ 18 milhões do banco para estampar a marca no peito da camisa. Os santistas, na ocasião, queriam R$ 25 milhões. Mas, após passar a temporada 2013 sem o patrocinador master, o Peixe já aceita fechar negócio por valores menores – cerca de R$ 20 milhões.

A ausência do patrocínio master deu trabalho ao Santos em 2013, que deixou de receber quase R$ 1,5 milhão por mês com o término do contrato com o Banco BMG – que repassava quase R$ 20 milhões anuais ao clube. Sem um anunciante principal, o Peixe negociou acordos pontuais e utilizou o espaço disponível na camisa para divulgar ações como o programa “Sócio Rei”, a loja oficial do clube e até o Instituto Neymar Jr., no primeiro semestre.

No que diz respeito ao patrocínio de mangas, o Santos esteve próximo de fechar com a Zurich Seguros, mas encerrou as negociações em outubro devido a um entrave referente a exigências da empresa – que pagaria R$ 6 milhões ao Peixe, valor que o clube recebia da Netshoes até o ano passado.

Atualmente, o Santos recebe R$ 12 milhões em patrocínios, com CSU, Corr Plastik, Minds Idiomas e Seara (omoplatas). O contrato com esta última, que rende R$ 3 milhões ao clube, vence em fevereiro, mas a renovação ainda é uma incógnita.

Por Cleber Aguiar – Brunoro diz que Palmeiras pode pensar em Ronaldinho se craque não ficar no Atlético-MG

Fonte: Folha Online

280182-970x600-1

O diretor-executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, não descartou tentar contratar o meia Ronaldinho, do Atlético-MG, em 2014.

O contrato do jogador com o time mineiro vence este mês, e ele negocia a sua renovação. Se não chegar a um acordo para ficar no clube, o Palmeiras pode entrar na briga para ter o atleta.

“Nessa fase do ano, de dia 26 [de dezembro] a 1º [de janeiro], é muito difícil. Após isso, se ele não tiver fechado com o Atlético-MG, podemos pensar, sim”, disse Brunoro para a Rádio Globo.

O dirigente afirmou que é natural que rumores sobre a contratação do meia apareçam em vários clubes, mas apontou que Ronaldinho deve querer ganhar um alto salário.

“Vai se falar do Ronaldinho em todos os clubes, porque é um jogadorzaço. O Palmeiras nunca fará uma contratação dessa arcando totalmente com o salário. O presidente passa que as finanças são importantes para não atrasarmos nenhum dia o salário ou a imagem.

Em 2014, o Palmeiras completará cem anos de fundação, e os dirigentes buscam reforços.

“O nome do Ronaldinho constou numa lista de grandes jogadores para o centenário, mas não avançou nada”, afirmou Brunoro “A gente acha que ele se paga [com ações de marketing], mas queremos sair consolidados disso. Se formos fazer com ele ou qualquer outro jogador, temos de ter a garantia que tudo seja pago.”

MARCELO OLIVEIRA

O lateral esquerdo Marcelo Oliveira acertou a sua permanência no Palmeiras em 2014. O acordo deve ser por mais 12 meses.

“O Marcelo renovou, mas não consolidou a situação porque eu viajei hoje de manhã. Parece que tinha sido aceito nos moldes que estavam, mas só divulgaremos as coisas quando estiverem assinadas”, declarou Brunoro.

Se o lateral continua, o atacante Ananias vai voltar para o Cruzeiro. O clube tinha emprestado o jogador para o Palmeiras em 2013.