Por Cleber Aguiar – Presidente do Santos cobra Barça sobre valores da transação de Neymar

Fonte: O Estado de São Paulo

Diretoria do clube catalão diz que a diferença no valor deve estar na mão de empresários

Luiz Antônio Prósperi, Raphael Ramos e Sanches Filho

A venda de Neymar para o Barcelona rendeu, até agora, 25 milhões de euros (R$ 74,9 milhões pelo câmbio de terça-feira) aos cofres do Santos. O valor, no entanto, pode chegar a 31,5 milhões de euros (R$ 94,3 milhões) caso o craque seja finalista do prêmio de melhor jogador do mundo dado pela Fifa e se o Santos desistir de disputar um segundo amistoso com o time catalão – no primeiro jogo, perdeu por 8 a 0. Para chegar a esses valores, o Alvinegro fechou quatro contratos com o clube catalão, como explica o presidente Odílio Rodrigues Filho em entrevista ao Estado. O dirigente rebate até mesmo a diretoria do Barcelona, que anunciou ter gasto 65 milhões de euros (R$ 194,7 milhões) para contratar Neymar e diz que a diferença deve estar nas mãos de empresários. Odílio também disse que o Santos planeja assumir o Pacaembu depois que a Prefeitura privatizar o estádio e não garantiu Claudinei Oliveira para 2014.

Santos vendeu Neymar por R$ 194,7 milhões, mas só recebeu R$ 51,2 milhões - J. F. Diorio/Estadão
J. F. Diorio/Estadão
Santos vendeu Neymar por R$ 194,7 milhões, mas só recebeu R$ 51,2 milhões

ESTADO – Depois da saída de Muricy Ramalho, Neymar e outros jogadores importantes, ocupar a oitava colocação do Campeonato Brasileiro e ter chance de se classificar para a Libertadores chega a ser surpreendente?
ODÍLIO –
O Santos está numa fase de transformação. De 2010 para cá, vivemos o período mais vitorioso da história do clube desde a Era Pelé. Disputamos oito finais e conquistamos seis títulos. Quando você vence muito, há uma espécie de fastio de vitórias. O jornalista Mário Filho dizia que a vitória é uma doença que só a derrota cura. Estamos num período de remodelar o time, mesclando jogadores da base com atletas mais experientes. Dentro desse processo de adaptação, essa nossa posição no Campeonato Brasileiro, se não é a que o torcedor quer, é a que gente imagina que poderíamos conseguir.

ESTADO – Qual é a avaliação do trabalho do Claudinei Oliveira. Ele fica para 2014?
ODÍLIO –
Ele tem um carinho e uma convivência muito boa com os jogadores jovens e depois conseguiu criar um ambiente bom com os atletas mais velhos. Ele faz um bom trabalho, mas ainda estamos fazendo o planejamento para 2014 e vamos apresentá-lo na próxima semana ao Comitê de Gestão. Estamos fazendo uma série de análises e só então teremos uma ideia melhor do planejamento de 2014 com relação à comissão técnica e plantel.

ESTADO – Ainda existe a possibilidade de o Marcelo Bielsa ser contratado?
ODÍLIO –
O Santos acalentou o sonho de trazer o Bielsa ou algum treinador da chamada “Escola Bielsa”. Fizemos um esforço muito grande para trazê-lo, mas o Bielsa é muito minucioso e só trabalha em cima de um projeto. Infelizmente não chegamos a um acordo por causa das exigências dele. Ele, por exemplo, só trabalha com 18 jogadores e queria que os atletas ficassem o dia inteiro no CT e dormissem lá. É uma mudança de cultura que precisaria ser feita com cuidado, e no futebol a torcida tem pressa. Também conversamos com o Tata Martino, fomos até a Argentina para fechar com ele, mas aí apareceu o imponderável, que foi o Barcelona. Hoje, voltar a falar em contratar o Bielsa é mais difícil.

ESTADO – O Barcelona anunciou que comprou o Neymar por 57 milhões de euros (R$ 170,7 milhões) e depois disse que o valor, na verdade, era 65 milhões (R$ 194,7 milhões) porque 8 milhões (R$ 23,9 milhões) foram pagos para garantir a preferência na contratação de outros três jogadores. O Santos, no entanto, alega que recebeu apenas 17 milhões de euros (R$ 50,9 milhões). Afinal, por quanto o Neymar foi vendido?
ODÍLIO –
A primeira oferta do Barcelona foi de 16 milhões de euros (R$ 47,9 milhões), pagos em cinco anos. Depois de muita negociação, fizemos quatro contratos com o Barcelona. O primeiro de transferência do Neymar, no valor de 17,1 milhões de euros (R$ 51,2 milhões). Desse valor, 40% foram transferidos para a DIS e 5% para a Teisa. Depois, teve um outro contrato de 2 milhões de euros (R$ 5,9 milhões) caso o Neymar, no período em que estiver no Barcelona, seja indicado entre os três melhores jogadores do mundo pela Fifa. Desse valor, também são 40% para a DIS e 5% para a Teisa. Fizemos ainda um convênio com o Barcelona de troca de informações e tecnologia. Podemos mandar nossos técnicos da base para lá e vice-versa. Nesse contrato, eles têm preferência, em condições de igualdade, sobre três jogadores nossos e foi atribuído o valor de 7,9 milhões de euros (R$ 23,6 milhões), que o Santos também recebeu. E o Santos contratou também dois amistosos. O primeiro lá e o segundo será aqui. Não podendo realizar o segundo jogo, o Santos receberá 4,5 milhões de euros (R$ 13,4 milhões).

ESTADO – Mas por que a diretoria do Barcelona disse logo de cara que gastou 57 milhões de euros no Neymar?
ODÍLIO – Isso criou uma confusão danada. O Comitê de Gestão do Santos notificou o Barcelona exigindo explicação para quem ele pagou esses 57 milhões de euros. Recebemos uma carta deles confirmando que a nós foram pagos 17,1 milhões e que receberemos mais 2 milhões se o Neymar for indicado entre os melhores do mundo. A Fifa também questionou o Barcelona. Temos a cópia da resposta para a Fifa que diz a mesma coisa. Se o Barcelona gastou 57 milhões de euros e para quem foi o restante do dinheiro, o conselheiro do Barcelona é que tem de perguntar para o presidente do Barcelona. A gente até tem ideia que tenha ido de comissão para gente que estava trabalhando para eles na negociação, mas não sabemos para onde foi a diferença.

ESTADO – Como está a renovação do contrato do Neílton, nova joia da base?
ODÍLIO –
A gente fez uma proposta uniformizada para os garotos da base e renovamos com Alison, Jubal e Leandrinho. Quando a gente conversou com o representante do Neílton, fizemos a mesma proposta, mas ele falou que os outros meninos estavam ganhando mais. Mostramos os outros contratos e ele viu que era tudo igualzinho, inclusive com alguns gatilhos, estimulando a performance do atleta. O empresário disse que tinha pensado em um valor bem mais alto. É uma negociação difícil, mas estamos na expectativa de ele ter bom senso e responder. Se ele não aceitar, cumpre contrato até maio.

ESTADO – O Santos planeja construir um novo estádio em Santos?
ODÍLIO –
Não dá para os grandes clubes ficarem sem arena. É uma receita importante. Depois da Copa, o Santos será o único clube grande de São Paulo sem arena. Pela origem do clube, o local ideal seria Santos, mas lá não tem terreno. Na Baixada, participamos de dois estudos, com duas empresas diferentes, mas na hora que fechar o negócio não conseguimos. A arena precisa ter um shopping e escritórios e as taxas de retorno eram mais baixas do que o mercado esperava, então não conseguimos atrair o investidor.

ESTADO – O Pacaembu, então, surge como uma possibilidade?
ODÍLIO –
Nossa maior torcida é em São Paulo e o Santos precisa estar próximo da sua torcida. Então surgiu a possibilidade do Pacaembu. A Prefeitura vai lançar uma licitação e se perguntarem se o Santos quer o usar o Pacaembu e ter o estádio como segunda casa, a resposta é: “Queremos, sim, com muito prazer”. A Vila é nossa casa, nossa sede, mas podemos fazer uma reforma e deixá-la como um estádio-boutique, fazer um restaurante temático e ampliar o memorial. A Vila passará a ser um estádio para eventos menores e a gente vai jogar no Pacaembu, perto de uma grande massa. O Santos não iria investir um centavo, a gente não tem essa condição, mas podemos entrar com um investidor. A gente tem de pensar grande, ter um estádio maior. O Pacaembu é muito bem localizado e o santista gosta.

ESTADO – A participação da Teisa no Santos vai mudar?
ODÍLIO –
Lá atrás, a Teisa adiantou R$ 16 milhões e ajudou o Santos na participação de alguns jogadores. Hoje, ela tem participação no Mena, Cicinho e Arouca, mas isso pode ser ampliado No dia 29 deste mês, a Teisa vai apresentar um modelo novo, em que ela pode comprar jogador para ela ou para outro clube. O Santos tem a preferência e, se não quiser, ela pode emprestar para outro.

ESTADO – Após o afastamento do Luis Alvaro da presidência por problemas de saúde, o senhor remodelou a administração do clube. Quanto já foi economizado com essas mudanças?
ODÍLIO –
A gente está fazendo uma racionalização no custo administrativo do Santos. Quando você faz isso, você privilegia o futebol. Estamos remodelando o organograma do clube e diminuindo alguns salários. Desde janeiro, 39 pessoas já saíram e 15 entraram. Estamos trabalhando com menos pessoas e salários menores. Isso nos dá uma economia de R$ 550 mil por mês.

ESTADO – Quem são esses novos funcionários do clube?
ODÍLIO –
O Santos está investindo muito na profissionalização. Acabamos com a figura do diretor, que é um servidor voluntário e vai lá quando pode. Os tempos modernos não permitem mais isso. Reformulamos o estatuto, algo que considero um grande avanço. O presidente e o vice são eleitos e o Conselho Deliberativo é eleito por proporcionalidade. Assim, conseguimos democratizar o órgão. Entre os conselheiros, sete são escolhidos para formar o Comitê de Gestão junto com o presidente e o vice. O restante é tudo profissional. O Santos acredita em uma gestão colegiada e aposta muito nesse modelo. O clube não depende mais da cabeça de uma única pessoa.

ESTADO – Para o orçamento do clube é fundamental se classificar para a Libertadores de 2014?
ODÍLIO –
O orçamento do Santos é feito apenas em cima de receitas recorrentes. O clube não conta com itens como premiação e venda de jogadores porque isso pode acontecer ou não, mas é evidente que se você conquista títulos, você valoriza a marca. É importantíssimo fazer um bom Campeonato Brasileiro e ir para a Libertadores, porque isso faz a diferença.

ESTADO – O senhor é candidato à reeleição no próximo ano?
ODÍLIO –
Não temos interesse em antecipar o processo eleitoral. Quando se faz isso, você perde o foco da gestão. Existe um conflito no estatuto se eu posso ou não ser candidato, mas não tenho nenhum interesse em abrir essa discussão agora. Isso é a Comissão de Estatuto que tem de decidir e não posso falar sobre isso agora. Ano que vem estarei livre para pensar em eleição.

ESTADO – Como o senhor analisa o Bom Senso FC?
ODÍLIO –
O Santos já emitiu um comunicado de apoio aos jogadores. O clube saiu na frente lá atrás, quando fez um estudo sobre o calendário. Ninguém tem uma solução única, existem várias opções. Mas existem dois caminhos muitos importantes, que precisam ser discutidos. Uma alternativa é fazer uma mudança completa e se adequar ao calendário europeu, começando os campeonatos em agosto e terminando em junho. A segunda é mexer menos e mudar só os Estaduais, que eu acho a mais viável. O Santos está disposto a participar do debate, mas antes de qualquer coisa é fundamental que se reconheça que os atletas precisam ter 30 dias de férias e mais 30 dias de pré-temporada.

ESTADO – O senhor é a favor de que os clubes criem uma liga própria?
ODÍLIO –
Acho que a CBF devia lidar só com a seleção e os clubes deveriam ter uma forma de representação mais autônoma. O modelo da Uefa é perfeito. Lá, os clubes têm uma representação, um presidente e negociam com os patrocinadores. É um modelo de sucesso de gestão.

ESTADO – Como o Santos se posiciona no atual quadro político do futebol brasileiro? O clube está do lado de José Marin e Marco Polo Del Nero ou de Andrés Sanchez?
ODÍLIO –
É preciso esperar e deixar mais claro quem serão os candidatos para a sucessão da CBF e quais são as suas propostas. Por enquanto tem muita especulação. É preciso deixar o processo po
lítico amadurecer mais e, quem sabe, surgirem mais opções.

ICFUT – COPA SULAMERICANA 2013

Oitavas-de-final

1ª RODADA
18/09 – 20h15 Lanús-ARG 4 x 0 Universidad de Chile-CHI
18/09 – 22h30 La Equidad-COL 1 x 2 Vélez Sarsfield-ARG
19/09 – 21h15 LDU Loja-EQU 2 x 1 River Plate-ARG
24/09 – 21h00 Coritiba-BRA 0 x 1 Itagüí Ditaires-COL
25/09 – 19h30 Ponte Preta-BRA 2 x 0 Deportivo Pasto-COL
25/09 – 21h50 Libertad-PAR 2 x 0 Sport-BRA
26/09 – 21h50 Atlético Nacional-COL 1 x 0 Bahia-BRA
26/09 – 21h50 São Paulo-BRA 1 x 1 Universidad Católica-CHI
2ª RODADA
25/09 – 19h30 Universidad de Chile-CHI 1 x 0 Lanús-ARG
26/09 – 19h30 River Plate-ARG 2 x 0 LDU Loja-EQU
02/10 – 21h15 Vélez Sarsfield-ARG 2 x 1 La Equidad-COL
22/10 – 22h15 Deportivo Pasto-COL 1 x 0 Ponte Preta-BRA
23/10 – 21h50 Universidad Católica-CHI x São Paulo-BRA
23/10 – 22h10 Sport-BRA x Libertad-PAR
24/10 – 20h30 Bahia-BRA x Atlético Nacional-COL
24/10 – 23h00 Itagüí Ditaires-COL x Coritiba-BRA

Por Cleber Aguiar – Furacão recebe o Internacional com vantagem para buscar vaga

Fonte: Gazetaesportiva.net

Dos correspondentes Vicente Fonseca e Luiz F. Fagundes

ogando em casa e com a vantagem de poder empatar sem gols e ainda assim se classificar para a próxima fase da Copa do Brasil 2013, o Atlético Paranaense recebe nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), o Internacional, na Vila Capanema. Para o Colorado, que faz uma campanha irregular no Brasileirão, esta deve ser a principal chance de chegar à Libertadores da América e o clima é de decisão.

Com uma queda de produção nas últimas semanas, o técnico Vagner Mancini detectou que a maratona de jogos pode ter finalmente atingido a equipe rubro-negra fisicamente, minimizando o principal trunfo do time sua surpreendente campanha. Por isso poupou alguns titulares na derrota para o Goiás, no final de semana, em busca de reencontrar o bom futebol, especialmente no segundo tempo, para garantir sua vaga de olho na Libertadores e no título inédito para o clube.

O treinador ainda terá que superar quatro ausências para escalar o time. O volante Bruno Silva e o atacante Roger, que já atuaram na competição por outros times, além do volante João Paulo e do meia espanhol Frán Mérida, suspensos, não estarão à disposição. Em compensação, o maestro Paulo Baier, o atacante Éderson, o volante Deivid e o meia Zezinho reaparecem na equipe titular.

Divulgação/C. Atlético Paranaense

De contrato renovado, Paulo Baier volta ao time titular e é a esperança do Furacão por um lugar na semifinal

Após três semanas no comando do Inter, o técnico Clemer terá a chance de repetir pela primeira vez a escalação da equipe de um jogo para o outro. O Colorado será o mesmo que começou o Gre-Nal do último domingo. O esquema será o 4-2-3-1, com Jorge Henrique centralizado, D’Alessandro caindo pela direita e Otávio pela esquerda. Os três têm a missão de encostar no centroavante Leandro Damião.

Com isso, nomes como Alex, Scocco e Forlán ficarão no banco de reservas na partida desta quarta-feira. O zagueiro Índio está em fase final de recuperação de lesão, e seguirá em Porto Alegre. O mesmo vale para o volante Josimar. Ygor, com tendinite no joelho, só volta ao time em 2014. Quem novamente ficará à disposição é o lateral Fabrício, que também pode atuar como meia. Ele será opção no banco de Clemer.

Praticamente sem chances de G-4 no Brasileirão (a equipe está a 8 pontos do Botafogo, em 9º lugar), o Inter foca todas as suas forças na Copa do Brasil, última chance de conquista de um grande título de 2013. “A Copa do Brasil está mais perto, são cinco jogos para conquistarmos o nosso objetivo. Quarta-feira é uma final para nós, é tudo ou nada”, afirmou o zagueiro Juan, dando, pela primeira vez, um discurso de prioridade de competições no Inter em 2013.

Após o empate em 1 a 1 no jogo de ida, o Internacional realizou um treinamento de cobranças de pênalti nesta terça-feira. D’Alessandro, Juan, Kleber, Jorge Henrique, Gabriel e João Afonso foram os jogadores que obtiveram melhor aproveitamento neste fundamento. Só haverá decisão de pênaltis caso o 1 a 1 se repita em Curitiba.

Divulgação/Internacional

Em grande fase, D’ Alessandro liderará o Internacional em busca da classificação na Copa do Brasil

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-PR X INTERNACIONAL

Local: Estádio Durival Britto e Silva, Curitiba (PR)
Data: 23 de outubro de 2013, terça-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP)
Assistentes:Rodrigo Pereira Joia (Fifa-RJ) e Rodrigo F Henrique Correa (Fifa-RJ)

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo, Manoel, Luiz Alberto e Maranhão; Deivid, Zezinho, Éverton e Paulo Baier; Marcelo e Ederson
Técnico:Vagner Mancini

INTERNACIONAL: Muriel; Gabriel, Jackson, Juan e Kleber; João Afonso, Willians, Jorge Henrique, D’Alessandro e Otávio; Leandro Damião
Técnico: Clemer

Por Cleber Aguiar – Com improvável candidato a herói, Corinthians tenta sobreviver na Copa do Brasil

Fonte: Folha de São Paulo

DIEGO IWATA LIMA

O Corinthians disputa hoje, contra o Grêmio, às 21h50, uma vaga na semifinal da Copa do Brasil com um improvável candidato a herói.

O terceiro goleiro do time, Walter, titular na noite de hoje no lugar do lesionado Cássio, estreou no time há quatro dias. Teve ajuda da sorte.

Jorge Araújo/Folhapress
O goleiro Walter salta durante treino no CT do Parque Ecológico
O goleiro Walter salta durante treino no CT do Parque Ecológico

No clube desde maio, o jogador só estava no banco de reservas contra o Criciúma, em Itu, devido ao rodízio de suplentes que o técnico Tite promove no time.

“O Danilo Fernandes era o reserva imediato. Mas Walter entrou bem. O momento, agora, é dele”, disse Tite, ontem, após treino no CT do clube, ao confirmar a escolha.

“Ele angariou a confiança de todos. Se falhasse, a carreira dele no clube ficaria manchada para sempre”, crê.

Ciente de que passava por um grande teste, Walter, 25, afirmou no intervalo do jogo de sábado: “É a chance da minha vida.”

Ele havia entrado no lugar de Cássio aos 22 min do primeiro tempo. E não falhou.
Hoje, no entanto, o desafio será maior.

O Corinthians fica com a vaga se vencer ou empatar com gols. Um novo 0 a 0 –placar do jogo de ida, em 25 de setembro– leva a decisão para os pênaltis. Nesse sentido, a presença de Walter pode ser decisiva.

Nos tempos de União Barbarense e XV de Jaú, clubes pelos quais já atuou, Walter se notabilizou como hábil pegador de penais.

No último Campeonato Paulista, ele defendeu dois. Um deles contra o próprio Corinthians e o outro em partida contra o São Paulo.

SEM GUERRERO

Tite ainda não definiu o meio-campo para hoje. Como Renato Augusto, que recuperou-se de cirurgia no joelho direito, ainda não está em sua melhor forma, o treinador testou também Edenilson.

No ataque, sem Guerrero, que vai passar por cirurgia no pé esquerdo hoje pela manhã, Romarinho e Pato podem se revezar na posição de centroavante.

Assim como Cássio, o peruano corre risco de só voltar a jogar no ano que vem.

Cássio tem distensão na coxa esquerda e ficará ao menos um mês sem jogar. Não haverá cirurgia –o tratamento se baseará em fisioterapia.

É a hora e a vez de Walter.

Renato Gaúcho faz mistério sobre esquema tático do Grêmio contra o Corinthians

O treinador do Grêmio, Renato Gaúcho, garante não ter dúvida sobre qual esquema tático usará contra o Corinthians, nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pela Copa do Brasil, mas não revela se será o 3-5-2 ou o 4-4-2.

A primeira formação, com três zagueiros, impulsionou o time à vice-liderança no Campeonato Brasileiro.

A outra opção, utilizada no empate por 2 a 2 diante do Inter domingo, tem Kleber e Barcos no ataque, municiados por Vargas. Foi com ela que o Grêmio empatou sem gols com os corintianos no Pacaembu, no duelo de ida da Copa do Brasil, em 25 de setembro.

Já no triunfo sobre o Corinthians por 1 a 0, em casa, pelo Brasileiro, há uma semana, prevaleceu o 3-5-2. Mas o treinador não tinha Vargas e Kleber.

A marcação gremista começa pelos atacantes, que possuem essa característica de combate. Por isso, os donos da casa devem tentar sufocar a saída de bola corintiana.

Lucas Uebel-17.out.2013/Divulgação/Grêmio FBPA
Romarinho e Souza disputam bola durante jogo entre Grêmio e Corinthians, pelo Brasileiro
Romarinho, do Corinthians, e Souza, do Grêmio, disputam bola durante jogo em Porto Alegre, pelo Brasileiro

O Grêmio precisa vencer a partida. O empate com gols classifica o clube paulista às semifinais. A repetição do 0 a 0 provoca disputa por pênaltis.

O atual momento tricolor é bom. Nos últimos 10 jogos, foram quatro vitórias, cinco empates e uma derrota.

Nomes fundamentais no início da competição, Zé Roberto, 39, e Elano, 32, perderam espaço na equipe.

Nesta quarta-feira, a principal novidade deve ser o zagueiro Rhodolfo, ex-São Paulo, que estava lesionado. Machucado, Werley deve dar lugar a ele.

Os ingressos custam de R$ 40 a R$ 160, mas estudantes pagam meia-entrada e os sócios tricolores têm até 50% de desconto.

Júlio César é hoje só a quarta opção para gol do Corinthians

DIEGO IWATA LIMA

Campeão brasileiro em 2011, o goleiro Júlio César é hoje a quarta opção de Tite.

A despeito do rodízio para definir quem vai para o banco de reservas, Danilo Fernandes era o segundo na hierarquia da posição.

Walter “furou a fila” e vai ser o titular hoje. Danilo será seu reserva. E Júlio César nem mesmo foi cotado.

Um dos jogadores do atual elenco mais vezes campeão pelo clube, Júlio César perdeu espaço após as falhas na semifinal do Paulista de 2012, contra a Ponte Preta.

Naquele jogo, errou uma reposição que resultou no gol da eliminação.

Com os colegas, no entanto, Júlio César ainda demonstra ter muito prestígio. É sempre um dos mais festejados durante os treinos recreativos, nos quais, curiosamente, atua na linha.

Robson Ventura – 7.mai.2013/Folhapress
Júlio César participa de treinamento no CT do Parque Ecológico
Júlio César participa de treinamento no CT do Parque Ecológico

Por Cleber Aguiar – Rivalidade de alcance nacional: Fla e Bota duelam por vaga na semifinal

Fonte: Globo.com

A rivalidade mais aflorada e equilibrada dos últimos anos no Rio de Janeiro ganha nesta quarta-feira, 21 anos depois da final do Brasileirão de 1992, mais um capítulo decisivo em âmbito nacional. E desta vez, não adianta Flamengo e Botafogo repetirem a sina de empates que os tem marcado. Um terá que deixar o Maracanã como vencedor. Rivais em quatro das últimas sete finais de Carioca – e com encontro em outras duas semifinais -, rubro-negros e botafoguenses medem forças a partir das 21h50m (de Brasília), por uma vaga na semifinal da Copa do Brasil. A primeira partida, realizada no fim de setembro, terminou em igualdade: 1 a 1.

Empatar, por sinal, virou rotina desde quando a dupla iniciou a série de encontros decisivos, no Carioca de 2007. De lá para cá, foram 35 jogos, e 20 terminaram sem vencedor – o Fla levou a melhor em nove, e o Bota, em seis. Desta vez, porém, a igualdade leva para os pênaltis a decisão de quem encara Vasco ou Goiás na disputa por um lugar na final. Como as duas partidas acontecem no Maracanã, não é levado em conta o critério do gol fora de casa no confronto.

Em 11º no Brasileirão, o Flamengo já não sofre tanto com o risco do rebaixamento, mas nem por isso entra em campo menos pressionado. Em uma temporada marcada pela promessa de reconstrução administrativa pela nova gestão, a Copa do Brasil surge como única esperança de título após um Carioca em que sequer chegou a final de turno. Até por isso, a empolgação do torcedor é tão grande: o setor destinado aos rubro-negros teve os ingressos esgotados na última segunda-feira. Internamente, o clube também já trata a competição como prioridade, e Jayme de Almeida poupou Léo Moura, Elias e Paulinho da partida contra o Atlético-MG, domingo, já visando ao clássico.

A esperança no Botafogo está no bom retrospecto em clássicos na temporada, com uma série de 11 sem perder. No Campeonato Brasileiro, por exemplo, o time venceu três e empatou três. Além disso, o técnico Oswaldo de Oliveira deu um descanso para a maioria de seus titulares, incluindo Seedorf e Rafael Marques, dois dos principais nomes  do elenco.

Paulo Cesar de Oliveira (SP) apita a partida, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Fabio Pereira (TO). A Globo transmite a partida para RJ, MG (menos Uberlândia e Ituiutaba), ES, GO, TO, MS (Corumbá), BA, SE, AL, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF. O SporTV exibe o jogo para todo o Brasil, e o PremiereFC Internacional para os telespectadores de fora do país. O GLOBOESPORTE.COM detalha todos os lances em Tempo Real e com vídeos.
header as escalações 2

Flamengo: sem João Paulo, Jayme de Almeida começará a partida com André Santos na lateral esquerda. Com isso, Luiz Antonio entra no meio-campo e se torna a única novidade na escalação tida como ideal pelo treinador. O Flamengo deve encarar o Botafogo com Felipe, Léo Moura, Chicão, Wallace e André Santos; Amaral, Luiz Antonio, Elias e Carlos Eduardo; Paulinho e Hernane.

Botafogo: Oswaldo de Oliveira ainda espera para avaliar as condições físicas de Lodeiro e Gegê antes de confirmar o time para o clássico. As mudanças serão mínimas e pontuais. A única surpresa pode ser a escalação de um atacante, com Rafael Marques atuando mais recuado. A formação deve ser a seguinte: Jefferson, Gilberto, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Renato, Lodeiro, Gegê (Sassá) e Seedorf; Rafael Marques

.quem esta fora (Foto: arte esporte)

Flamengo: um problema no joelho direito tirou João Paulo da partida decisiva. O lateral-esquerdo sofreu a lesão ainda nos minutos iniciais da vitória sobre o Bahia, há uma semana, e desde então fez tratamento intensivo. Apesar de liberado pelo departamento médico na última segunda-feira, não tem condições de jogo e está descartado. Outras ausências são o zagueiro Samir, que se recupera de um problema no abdômen, o volante Cáceres, que vai operar uma hérnia na região da virilha, e o meia Gabriel, com uma lesão no joelho. Já Marcelo Moreno, que deixou o recreativo de terça-feira queixando-se de dores também no joelho, é dúvida.

Botafogo: o lateral-direito Lucas e o meia Cidinho estão se recuperando fisicamente depois de passarem por cirurgias. Edílson está suspenso e Elias, além de uma lesão na coxa esquerda, também não pode atuar por já ter defendido o Resende na Copa do Brasil. Recuperado de uma lesão na coxa direita, Gabriel está sendo preparado para o confronto com o Atlético-MG, sábado, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro.

header pendurados (Foto: ArteEsporte)

Flamengo: André Santos.

Botafogo: Alex, Dória, Gabriel e Lodeiro.

header_na_historia (Foto: arte esporte)

Apesar dos anos de tradição do clássico carioca, Flamengo e Botafogo se enfrentaram pela Copa do Brasil apenas uma vez, justamente na partida de ida das quartas de final da edição deste ano, e empataram em 1 a 1. Na história do duelo, o Rubro-Negro teve vitória importante sobre o Glorioso em 2009. Na ocasião, o Fla venceu por 1 a 0, gol de Adriano, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, e arrancou rumo ao título da competição. Veja mais detalhes da partida pelo Brasileiro no Futpédia.

Por Cleber Aguiar – Estudantes de escolas privadas terão aulas durante a Copa

Fonte: Folha de São Paulo

FÁBIO TAKAHASHI
CIDA ALVES

Bola e caderno vão disputar a atenção dos estudantes nas escolas particulares durante a Copa no Brasil.

Os colégios privados de São Paulo têm divulgado nos últimos dias seus calendários para 2014, mantendo as férias do meio de ano em julho.

Com isso, a maior parte da Copa, que vai de 12 de junho a 13 de julho, será disputada durante o período letivo.

A decisão difere da rede estadual de ensino, que antecipou o recesso para que coincida com o período dos jogos.

A manutenção do calendário tradicional no sistema privado é uma orientação dos sindicatos das escolas particulares e dos professores.

Já anunciaram que seguirão essa lógica Bandeirantes, Dante Alighieri, Móbile, Santa Cruz, Vera Cruz e Vértice, além da rede marista, que conta com 16 colégios pelo país, incluindo o Arquidiocesano em São Paulo.

Os representantes das escolas dizem ser possível conciliar os jogos com as atividades letivas e que a antecipação das férias poderia trazer prejuízos pedagógicos.

“Temos provas no final de junho, não daria para antecipar as férias”, afirmou o professor Ricardo Aguirre, do colégio Bandeirantes.

Editoria de Arte/Folhapress

POLÊMICA

A decisão divide os pais nas escolas da capital.

Os colégios particulares deverão dispensar os estudantes apenas no período dos jogos do Brasil. O que pode atrapalhar quem quiser assistir aos jogos das outras seleções, no estádio ou pela TV.

De 12 a 30 de junho, período que devem coincidir aulas com as partidas, estão marcados 54 jogos do torneio.

“O aluno pode estar com a cabeça em outro lugar. Decidimos evitar interferência”, disse Maria Elizabete da Costa, coordenadora da Secretaria da Educação, ao explicar por que a pasta antecipou as férias na rede pública.

Para isso, o ano nas escolas estaduais começará antes do usual, em 27 de janeiro.

Na rede privada, porém, há uma dificuldade adicional para a antecipação das férias: convenção trabalhista determina que as férias dos professores deve ser em julho.

Uma alteração só pode ser feita após aprovação em órgãos internos dos colégios.

Segundo a União, cabe às escolas a definição de seus calendários letivos.

A Lei Geral da Copa chegou a determinar que colégios teriam de coincidir as férias com o Mundial, mas o governo decidiu manter a autonomia das escolas. A Prefeitura de São Paulo não definiu o calendário letivo nem se haverá feriado em dia de jogo.

Análise: Trânsito pré-jogo não será afetado por escolas na Copa

SERGIO EJZENBERG

As escolas particulares de São Paulo vão manter programação normal de aulas durante os jogos da Copa do Mundo, no ano que vem.

No Estado, essas escolas têm um total aproximado de 2 milhões de alunos –apenas 20% do universo de estudantes matriculados na educação básica.

Na cidade de São Paulo, portanto, isso não vai ser a causa do esperado congestionamento previsto para antes dos jogos, como tem acontecido mesmo quando a Copa não é no Brasil, sempre que joga o escrete canarinho.

O congestionamento será provocado pelo fluxo concentrado das pessoas encerrando atividades praticamente ao mesmo tempo. Os jogos serão à tarde, e todos que puderem esticarão o período de trabalho da manhã, saindo para um almoço tardio sem retorno ao trabalho.

Todos, praticamente ao mesmo tempo, tentando chegar ao lugar em que assistirão à partida com amigos e família.

Essa concentração de viagens não ocorre nos dias normais, pois o fluxo do pico da tarde é escalonado entre 16h30 e 23h30, devido ao horário diferenciado de encerramento das atividades do comércio de rua, do comércio de shoppings, dos escritórios, da construção civil, das indústrias e dos serviços.

Nas duas ou três horas que antecedem os jogos, esse escalonamento não existirá.

O sistema viário e o sistema de transporte público não têm capacidade para suportar essa concentração, congestionando e superlotando de modo previsível.

O congestionamento acontecerá em todas as grandes cidades do país, não importa onde seja o jogo. Mas isso não afetará o felizardo público pagante, que muito antes já terá chegado aos estádios.

SERGIO EJZENBERG é engenheiro e mestre em transportes pela Escola Politécnica da USP

Alemanha e África do Sul não ‘criaram’ feriados durante a Copa

RAFAEL REIS

África do Sul e Alemanha, sedes das duas edições mais recentes, da Copa do Mundo, não transformaram os dias das partidas de suas seleções em feriados nacionais.

Os países mantiveram as datas dos jogos como dias úteis para os trabalhadores públicos e privados locais.

A medida expôs problemas, como o trânsito nas cidades da África do Sul.

Por outro lado, a medida não piorou a qualidade do serviços prestados aos milhares de turistas.

Só a derrota por 3 a 0 dos sul-africanos para o Uruguai, em 16 de junho, coincidiu com um feriado já existente no país.

Ao contrário do sul-africano, o calendário da Alemanha não teve nenhum feriado no período em que foi disputado o Mundial de 2006, entre 9 de junho e 9 de julho.

Família acredita que colégio será ‘flexível’ durante a Copa

CIDA ALVES

A biomédica Ingrid de Freitas, 43, torce para que o colégio Bandeirantes, onde estudam as filhas Gabriela, 15, e Laura, 13, facilite os planos da família de assistir à seleção brasileira na Copa de 2014.

A escola está entre as instituições da rede privada na capital paulista que decidiram manter o calendário escolar durante o campeonato.

Ela e o marido fizeram reservas para conseguir ingressos de jogos do Brasil já previstos na tabela do mundial: o de abertura, em 12 de junho, em São Paulo; o de 17 de junho, em Fortaleza, e o jogo de 23 de junho, em Brasília.

Se forem contemplados no sorteio da Fifa, terão de bolar um esquema para os jogos. O colégio deve dispensar apenas alunos com atividades no horário dos jogos da seleção.

Apesar das filhas estudarem no período da tarde, quando vão ocorrer as partidas do Brasil, a falta de férias para as meninas pode dificultar a vida da família.

“Acredito que o colégio acabará sendo flexível e não haverá aulas nos dias de jogos do Brasil. Ou, pelo menos, não terão nenhuma atividade muito importante para os alunos nessas datas”, diz Ingrid.

Marlene Bergamo/Folhapress
Ingrid e o marido Alexandre com as filhas Gabriela (esq.) e Laura, na casa da família em São Paulo
Ingrid e o marido Alexandre com as filhas Gabriela (esq.) e Laura, na casa da família em São Paulo