ICFUT – STJD pune Timão e Vasco com perda de quatro mandos e portões fechados

Fonte: lancenet

Dois primeiros jogos serão sem público. Os outos dois terão só torcida visitante. Timão levou multa maior pois sua torcida foi quem começou confusão em Brasília

Julgamento (Foto: Igor Siqueira)
Julgamento foi nesta quarta (Foto: Igor Siqueira)

Corinthians e Vasco foram punidos nesta quarta-feira em julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por causa da briga entre torcedores no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Ambos perderam, em primeira instância, quatro mandos de campo e foram multados. A quantia aplicada ao Timão foi maior – R$ 80 mil – já que a torcida corintiana iniciou a confusão. O Vasco vai ter que pagar R$ 50 mil.

Atendendo pedido da procuradoria, o relator Francisco de Assis Pessanha Filho fez um pedido – aceito – que as duas primeiras perdas de mando sejam cumpridas com portões fechados e as outras duas subsequentes sejam com portões semifechados, com venda de ingressos só ao time visitante.

– Não há que se falar em outra hipótese a não ser a condenação. As singelas medidas tomadas pelo clube mandante foram insuficientes e os atos de violência foram provocados em quase sua totalidade pelo segundo denunciado, o Corinthians – afirmou o relator, em seu voto.

A aplicação da pena de fechamento dos portões não é prevista no Código Brasileiro de Justiça Desportiva, mas o relator usou o artigo 283 do CBJD, que dá ao STJD a brecha para aplicar a legislação internacional, caso as leis brasileiras sejam omissas em algum ponto. E assim ele fez, usando o precedente aplicado pela Conmebol contra o Corinthians na Libertadores para determinar os portões fechados.

Como a decisão foi da Terceira Comissão Disciplinar, em primeira instância, cabe recurso ao Pleno do STJD. Os clubes vão avaliar se usarão da prerrogativa do recurso.

A definição sobre em quais confrontos a pena será aplicada será da CBF.

O ARTIGO USADO PARA QUE OS PORTÕES FOSSEM FECHADOS

Art. 283. Os casos omissos e as lacunas deste Código serão resolvidos com a adoção dos princípios gerais de direito, dos princípios que regem este Código e das normas internacionais aceitas em cada modalidade, vedadas, na definição e qualificação de infrações, as decisões por analogia e a aplicação subsidiária de legislação não desportiva.

ICFUT–COPA DO BRASIL: A vitória do Timão e a eliminação da porcada

Por J Edmar

1.

Eu aguardei o jogo “de volta”,

Pra poder falar sobre a primeira;

(Aturei gozação a semana inteira,

De bambis, sardinhas e porcada)…

Eu tinha certeza desta REVERSÃO,

Mas não pude escapar da “zoação”

Por parte da “minoria”, inconformada!

2.

Eu tive que engolir muita babaquice,

(Vindas desta gente mal gerada);

Foi uma situação só comparada,

Àquele “episódio” contra o Tolima…

Mas desta vez não teve “chabú”,

Pois com esta vitória, no Pacaembu,

O Timão deu a “VOLTA POR CIMA”!

3.

E uma das torcidas que mais zoou,

Foi aquela que habita um CHIQUEIRÃO;

Mas esqueceram que toda gozação,

Leva a outras, do mesmo porte…

“Eles” foram HUMILHADOS no Paraná

E ainda têm que nos aturar..

(ETA TORCIDINHA DE POUCA SORTE)!

4.

Não só perderam… Se FODERAM!

(tiveram seu timinho eliminado);

Tiraram o seu sarro, antecipado,

Continuar lendo

ICFUT – Brocou! Hernane tem noite iluminada e ajuda Flamengo a derrotar o Vitória

Fonte: lancenet

Inspirado, Brocador marcou os dois gols do triunfo do Flamengo por 2 a 1 sobre o time baiano. Juan descontou para os visitantes

No confronto de Rubro-Negros, o Flamengo derrotou o Vitória por 2 a 1, na chuvosa noite desta quarta-feira, no Maracanã. Hernane, que jogou na vaga de Marcelo Moreno, convocado para a seleção boliviana, fez os dois gols do triunfo carioca, em confronto válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com os tentos, o atacante, artilheiro do Fla em 2013, chegou à marca de 20 gols nesta temporada. O gol do Vitória foi marcado por Juan, ex-jogador do time da Gávea, no fim da partida.

Graças ao Brocador, o time da Gávea encerrou uma sequência de quatro partidas sem vencer e chegou à 12ª posição, com 22 pontos. Já a equipe baiana, que teve a estreia do técnico Ney Franco, segue estacionada na décima colocação, com o mesmo número de pontos do rival desta noite.

Na próxima rodada, os comandados de Mano Menezes enfrentam o Cruzeiro, no domingo, às 16h, no Mineirão. Já o Vitória recebe o Atlético-MG, sábado, às 18h30, no Barradão.

HERNANE BRILHA E DÁ VANTAGEM AO FLA

A partida começou com o Vitória errando muitos passes. Por conta disso, o primeiro lance perigoso foi do Flamengo, aos dois minutos. Hernane e Rafinha, dupla que foi titular durante o Campeonato Carioca, demonstrou que o entrosamento ainda é o mesmo. O Brocador recebeu do jovem, entrou na área e chutou para uma difícil defesa de Wilson.

A resposta da equipe baiana, que não demorou muito para acontecer, foi ocasionada também por um erro de passe do adversário, aos 11. Luiz Antonio entregou a bola de graça para Renato Cajá, que deu ótimo passe Alemão. Com calma, o centroavante rolou para Max Bianchucci, porém, teve o chute abafado por Felipe.

Com o ímpeto ofensivo superior ao do Vitória, o Flamengo concentrava a maioria dos ataques em Rafinha, que, pelo lado direito, levou perigo duas vezes à defesa adversária antes dos 20 minutos. Embora o jovem fosse a válvula de escape de Mano Menezes, foi pelo lado esquerdo que o Rubro-Negro carioca abriu o placar. Aos 23, Elias, sempre ele, deu ótima assistência para Hernane, que, com tranquilidade, tocou por cima do goleiro: 1 a 0.


Hernane toca por cima do goleiro para marcar (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Apesar do gol, a partida seguia morna. O Fla dependia de lampejos de Elias para criar alguma situação de perigo. Já o time baiano, refém de Renato cajá, praticamente não ameaçava o gol de Felipe. Em meio a este cenário improdutivo, foi Hernane que voltou a dar brilho ao jogo. Aos 43, Gabriel cobrou escanteio pela esquerda, na cabeça do Brocador, que testou a bola no ângulo esquerdo de Wilson, ampliando o placar.

SEGUNDA ETAPA SEM EMOÇÃO

O segundo tempo começou com uma alteração forçada no time de Mano Menezes. Como Chicão sentiu dores, o treinador do Fla colocou Diego Silva no jogo, trazendo o jovem Samir, que fazia o papel de lateral-esquerdo, para zaga.

Com a alteração rubro-negra, foi o Vitória que começou ameaçando. Logo no primeiro minuto, Maxi apareceu pela direita e cruzou, colocando Felipe para fazer defesa.

À medida que o tempo ia passando, Ney Franco fazia alterações no Rubro-Negro baiano. Antes dos 25, Marquinhos e Dinei já haviam entrado no time, nas vagas de Luís Alberto e Alemão, respectivamente. A produtividade do Vitória aumentou, mas não chegava a criar angústia na torcida flamenguista.


Vitória apresentou dificuldades na criação das jogadas (Foto: Paulo Sergio/LANCE!Press)

Aos 28 minutos, a jogada mais bonita do ataque visitante foi criada. Renato Cajá lançou Dinei, que, de peito, ajeitou para Maxi Bianchucci. O primo de Messi bateu de primeira, para boa defesa de Felipe. Após essa jogada, Cajá, o jogador mais lúcido do Vitória, deixou o gramado para a entrada de Leilson.

Com o resultado caminhando e o aumento da chuva, o Flamengo passou a tocar a bola no ataque para administrar o resultado. Aos 46, Juan, ex-jogador do Fla, fez um belo gol de perna esquerda. Mas, para a sorte do time de Mano, não havia mais tempo para o empate. Vitória do Flamengo, que encerrou o jejum de quatro jogos sem vencer.

ICFUT – Santos erra muito e perde invencibilidade para o ‘invencível’ Atlético-PR

Fonte: lancenet

O Peixe foi até o Durival de Brito pegar o Furacão e foi derrotado após seis partidas intacto no Brasileirão: 2 a 1. Paranenses não perdem há 11 na competição nacional…

Atlético-PR x Santos - Marcelo Cirino (Foto: Felipe Gabriel/ LANCE!Press)
Atlético-PR bateu o Santos no Durival de Brito (Foto: Felipe Gabriel/ LANCE!Press)

No duelo de duas equipes que já não perdiam há um bom tempo neste Brasileirão, nesta quarta-feira, o Atlético-PR levou a melhor sobre o Santos e venceu o jogo por 2 a 1, no Durival de Brito, em Curitiba. Em grande fase na competição e forte no G4, o Furacão mostrou eficiência no ataque e resolveu a partida logo no primeiro tempo. Agora são 11 partidas sem saber o que é derrota. Já o Peixe, que segue figurando no meio da tabela, abusou dos erros e tentativas de chuveirinhos para área e voltou a perder depois de seis jogos na competição (eram quatro empates e duas vitórias).

Enquanto Marcelo e Marco Antônio anotaram para os donos da casa, Emerson Palmieri, que havia entrado no segundo tempo, descontou para o time da Vila Belmiro. Depois de tomar dois gols, os alvinegros pressionaram até o final, mas não conseguiram o empate. Vale lembrar que, sob o comando de Vágner Mancini, o time paranense segue invicto. Furacão firme e forte lá em cima!

A primeira etapa no Durival de Brito foi bastante corrida e com uma disputa muito forte pela bola no meio de campo. Apesar do equilíbrio em grande parte dos 45 minutos, o Atlético-PR fez valer as oportunidades de gol que teve e saiu com o 2 a 0 no placar.

Em uma pressão inicial, os donos da casa acharam de cara um caminho para atacar: Léo. Nas costas do experiente camisa 3, o rápido Marcelo deu trabalho desde o começo. Em uma destas escapadas, o atacante deixou o santista para trás, passou também por Durval e soltou a bomba da entrada da área. A bola até era defensável e em seu canto, mas Aranha falhou e o placar foi aberto logo aos 6 minutos.

Depois do tento, o Peixe equilibrou a partida. Mais ousado no ataque, criou algum perigo, mas nada de colocar a bola para dentro. A insistência nos cruzamentos não dava certo e a zaga adversária levou a melhor em quase todas as tentativas.

E foi pelo alto que veio o segundo baque. O zagueiro Luiz Alberto testou, Aranha bateu roupa e, no rebote, Marco Antônio colocou para dentro em chute firme da marca do pênalti. Outra falha do goleiro alvinegro e marcador dobrado aos 37. A reação ficava mais difícil.

Segundo tempo: Erros e nada de recuperação

O Santos iniciou a etapa final em Curitiba buscando o primeiro gol. Com uma marcação mais adiantada, conseguiu ficar mais com a bola nos pés, mas os erros de passes não deixaram o volume de jogo resultar em chances concretas.

Faltava sempre aquele último passe para os atacantes, que pouco pegaram na bola durante os 90 minutos. Thiago Ribeiro até tentou voltar para criar jogadas, mas não era a dele. Os velhos chuveirinhos continuaram e a segura defesa do Furacão cansou de rebater bolas.

Conforme os minutos foram passando, o Atlético-PR foi crescendo e usando o contra-ataque como grande arma. Os lances de perigo não foram poucos, mas nada do terceiro.

O técnico Claudinei Oliveira até tentou colocar um time mais ofensivo em campo após as substituições, mas a garotada santista não conseguiu se livrar da forte marcação paranaense. Na base da bola aérea, Emerson chegou a descontar aos 42 minutos, mas nada do empate. E lá se foi a série de seis partidas sem derrota no Brasileirão…

Próximos jogos

Na próxima rodada, o Santos iniciará uma maratona recebendo o Goiás, no sábado, às 18h30, dentro da Vila Belmiro. Maratona porque na semana seguinte o Peixe terá três jogos em seis dias. Já o Atlético-PR irá até São Januário enfrentar o Vasco, no próximo domingo, às 18h30.

ICFUT – No duelo de paulistas, Gilberto faz dois e Portuguesa bate a Ponte Preta

Fonte: lancenet

Com dois gols de Gilberto, Lusa vence a segunda seguida, mas ainda permanece na zona de rebaixamento

Portuguesa x Ponte Preta (Foto: Moises Nascimento/AGIF)
Gilberto marca dois na vitória da Lusa e é o artilheiro da equipe (Foto: Moises Nascimento/AGIF)

Pelo jeito, a ajuda que a Portuguesa buscou com a contratação de um psicólogo para melhorar o emocional dos jogadores deu resultado. A equipe venceu a Ponte Preta por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, no Canindé. Com dois gols de Gilberto, artilheiro do time na competição com sete gols, a Lusa conseguiu a sua segunda vitória consecutiva e a quarta na competição, mas ainda permanece na zona de rebaixamento.

O JOGO

O início da equipe rubro-verde na partida não foi arrasador como na vitória sobre o Bahia por 4 a 2, na última rodada, mas foi no primeiro tempo que a Lusa abriu o placar. O jogo começou equilibrado. Com uma proposta mais defensiva, a Ponte Preta segurou o time da casa e apostava apenas nos contra-ataques, tendo criado poucas oportunidades no campo ofensivo. Sem criatividade, os times erraram muitos passes.

Somente a partir dos 15 minutos a Lusa começou a tomar a iniciativa do jogo e teve a primeira grande chance com o atacante Diogo. O atleta recebeu bola na área, livrou-se da marcação, mas bateu à direita do gol. Sem Ramírez, que está defendendo a seleção peruana, a Macaca perdeu sua principal arma de criação de jogadas e o atacante William ficava isolado na frente batalhando contra os zagueiros adversários. Aos 35 minutos, o clima esquentou no gramado. O atacante Chiquinho, da Ponte Preta, se desentendeu com Souza, da Lusa e recebeu cartão amarelo.

No lance seguinte, o jogador da Portuguesa deu o troco com um carrinho por trás e  Leandro Bizzio Marinho advertiu o meia também com cartão.

Foi aos 39 minutos que o jogo frio mudou o rumo. Diogo recebeu bola de Bruninho na área, deu um toque à frente, e foi derrubado pelo volante Fernando Bob. Pênalti para a Lusa. Na cobrança, Gilberto bateu com categoria e abriu o marcador. O gol acordou a Macaca, que tentou responder com Chiquinho, com um belo chute de fora da área. O goleiro Lauro espalmou para frente e William quase aproveitou o rebote, mas não conseguiu empatar.

SEGUNDO TEMPO RUBRO-VERDE

O primeiro gol de Gilberto fez com que a Portuguesa entrasse confiante na segunda etapa. Logo aos três minutos, Diogo ganhou a bola de Sacoman na direita e fez cruzamento na área da Macaca. Régis afastou mal a bola, que sobrou para Gilberto fazer o segundo dele e da Portuguesa no jogo.

Enquanto a equipe da casa criava boas jogadas com Luis Ricardo, Souza e Rogério, sempre pressionando, a Ponte Preta não estava bem em campo. Aos 48 minutos, Adrianinho em cobrança de falta, diminiu a diferença, mas não conseguiu evitar a décima derrota da equipe campineira na competição.

PRÓXIMOS JOGOS

Neste sábado, às 21h, a Portuguesa enfrentará o Grêmio, em Porto Alegre, pela 19ª rodada do Brasileirão. Já a Ponte Preta receberá outro gaúcho, o Internacional, no mesmo dia, um pouco mais cedo, às 18h30, no Moisés Lucarelli.

ICFUT – Internacional aproveita Corinthians sem centroavante e vence em casa

Fonte: lancenet

Time de Dunga domina praticamente os 90 minutos e vê um Corinthians com pouca criação dentro de campo. Alvinegros fora do G4 e gaúchos mais perto…

Internacional x Corinthians - D´Alessandro (Foto: Ricardo Rímoli/ LANCE!Press)
D’Alessandro marcou o gol colorado na partida (Foto: Ricardo Rímoli/ LANCE!Press)

A falta de um centroavante na equipe do Corinthians fez a diferença no Estádio do Vale, nesta quarta-feira, em Novo Hamburgo (RS). O Internacional, que não tinha nada a ver com isso, fez a lição de casa e venceu por 1 a 0. Com poucas peças ofensivas à disposição, os alvinegros quase não criaram chances e foram dominados praticamente os 90 minutos. Com falta bem batida de D’Alessandro, o Colorado deu fim aos empates e subiu na tabela.

Enquanto o time gaúcho tinha quase todo o elenco à disposição de Dunga, Tite sofreu sem Alexandre Pato e Guerrero, que estão com as seleções Brasileira e peruana, respectivamente. O time do Parque São Jorge tentou cruzar bolas, mas Emerson e Romarinho não resolveram. Com o resultado, o Timão segue fora do G4 e viu acabar uma invencibilidade de dez jogos.

Primeiro tempo: polêmicas e mais polêmicas

Se faltaram lances perigosos de ambos os lados na etapa inicial, não sobraram polêmicas para o árbitro Paulo Godoy Bezerra, de Santa Catarina. Os primeiros minutos foram de um Corinthians com a marcação bem adiantada e obrigando a defesa do Colorado a se desfazer da bola de qualquer jeito. Em uma saída errada, logo no primeiro minuto, Emerson Sheik perdeu uma boa oportunidade para abrir o placar.

Logo depois, com o a partida mais equilibrada, veio a jogada de maior discussão da noite. Leandro Damião tentou alcançar cruzamento da direita e trombou forte com Cássio, que antes conseguiu afastar a bola. No rebote, de fora da área, Fabrício colocou para dentro com o goleiro ainda caído no chão, aos 23 minutos. O árbitro e o bandeira validaram o tento, mas, logo de depois, com o auxílio do quarto árbitro, voltaram atrás e anularam o gol alegando falta em cima corintiano. A reclamação do Inter não foi pouca…

O técnico Tite, que havia invadido o campo para esbravejar contra a arbitragem, foi expulso logo depois. Cássio, que protagonizou a jogada, teve de ser substituído por Danilo Fernandes. Por conta da forte pancada, o camisa 12 apresentou tontura ao seguir em campo.

Se a confusão de minutos antes já não era o bastante, o time da casa voltou a reclamar. Desta vez de um pênalti, aos 36. Emerson furou ao tentar afastar uma bola da área e, no movimento do corpo, acabou encostando a mão na redonda. O árbitro interpretou que o atacante não teve a intenção e mandou o jogo seguir.

Depois disso, a partida ficou mais pegada e entradas mais duras foram acontecendo. Muito equilíbrio em campo e nada de gols nos 45 primeiros minutos em Novo Hamburgo (RS).

Segundo tempo: pressão e resultado

Quando a bola rolou para a segunda etapa, o Internacional entrou disposto a resolver o jogo nos primeiros minutos. Na base da pressão, criou lances perigosos logo de cara. Com o Timão retraído, a recompensa veio somente aos 8 minutos.

Após o árbitro marcar toque de mão de Douglas na direita do ataque gaúcho, D’Alessandro acertou a cobrança de falta no ângulo de Danilo Fernandes. Para ajudar, Romarinho chegou a desviar a redonda antes de ela morrer no fundo da rede.

Tite acabou expulso no Estádio do Vale por invadir o campo (Foto: Ricardo Rímoli/LANCE!Press)

Pronto. Com a vantagem o Colorado passou a cozinhar o jogo. Sentindo a falta de um centroavante, já que Pato e Guerrero estão com suas respectivas seleções, o Corinthians não conseguia furar a defesa vermelha. Quando cruzava bola na área para os pequeninos Romarinho e Emerson, Juan e Índio brincavam de rebater o perigo para frente. A vida corintiana ficava cada vez mais difícil.

Com o tempo passando, os erros foram aumentando e nada de criar jogadas de gol. O Internacional, na sua, assustava nos rápidos contra-ataques. Foi por pouco que não veio o segundo. Apesar das tentativas, o placar não foi alterado.

Próximos jogos

Agora o Corinthians voltará a campo pelo Brasileirão contra o Náutico, no próximo domingo, às 16h, no Pacaembu. Já o Internacional irá até Campinas (SP) para enfrentar a Ponte Preta, no sábado, às 18h30, no Moisés Lucarelli.

ICFUT – Toque de craque: R10 marca duas vezes de falta e evita vitória do Flu

Fonte: lancenet

Tricolor consegue neutralizar adversário e fica em vantagem na primeira e segunda etapa, contudo, genialidade de Ronaldinho nas faltas iguala o placar no Independência

Atlético-MG x Fluminense - Gol do Ronaldinho (Foto: Gil Leonardi/ LANCE!Press)
Ronaldinho fez a diferença no Independência (Foto: Gil Leonardi/ LANCE!Press)

O mesmo raio caiu duas vezes no Independência. O Fluminense saiu na frente contra o Atlético-MG no primeiro tempo e Ronaldinho empatou em cobrança de falta perfeita. Na segunda etapa, o roteiro se repetiu. O Tricolor novamente abriu vantagem e o camisa 10, com a maestria que todos conhecem, novamente garantiu a igualdade em bola parada. No bom jogo em Belo Horizonte, coube ao craque fazer a diferença. Empate justo no 2 a 2 que pouco modificou o panorama das equipes na tabela de classificação.
Os cariocas seguem em situação delicada no Campeonato Brasileiro. Estão na 16° colocação, com 19 somados, mesmo número da Portuguesa.  No entanto, o Flu supera o rival por ter uma vitória a mais. O Galo, com 21 pontos, segue na zona intermediária, em 13°.
As equipes voltam a campo no próximo sábado. O time de Vanderlei Luxemburgo encara o Bahia, às 18h30, no Maracanã. Já os comandados de Cuca visitam o Vitória, no Barradão.
FLU LARGA NA FRENTE, MAS R10 EMPATA
A partida começou equilibrada em Belo Horizonte. Jogando em casa, o Galo tentava pressionar o Fluminense que, por sua vez, se fechava para tentar sair nos contragolpes. O primeiros dez minutos foram marcados mais por estudos do que por chances reais de gol.
Aos 13 minutos, o Fluminense armou um contra-ataque com toque de Wágner para Rafinha pelo lado direito. O jovem teve uma avenida pela frente, entrou na área e cruzou rasteiro. Luan, que fazia a cobertura do lance afastou errado. Melhor para Wágner, que concluiu rasteiro para vencer o goleiro Victor.

O Fluminense jogava com três volantes e conseguia neutralizar o adversário. Tudo se encaminhava para uma vitória parcial do Tricolor no intervalo. Porém, aos 47 minutos, uma falta na entrada da área foi o convite necessário para Ronaldinho entrar no jogo. O camisa 10 cobrou com categoria por cima da barreira. A bola bateu na trave e entrou caprichosamente, sem chances para Diego Cavalieri: 1 a 1.
HISTÓRIA SE REPETE NA ETAPA FINAL
O segundo tempo começou com uma chance de gol do Atlético Mineiro no primeiro minuto e depois reassumiu a configuração da primeira etapa. A diferença era que se o Fluminense estava bem postado defensivamente e seguia dificultando a criatividade do adversário, por outro lado perdeu a força dos contra-ataques transformando a partida praticamente sem oportunidades.

Diego Cavalieri apenas observa a cobrança de falta de R10 (Foto: Gil Leonardi/ LANCE!Press)

A partida seguiu inalterada até os 27 minutos. Foi quando Richarlyson e Pierre não conseguiram fazer o corte em disputa no meio-campo, Samuel deu um toque para frente e Rhayner entrou correndo em disparada até a entrada da área. Sozinho, o meia invadiu a área e deu um belo toque por cima de Victor para colocar o Tricolor em vantagem.
Segundos após colocar o Fluminense na frente, Rhayner fez falta em Neto Berola e como já tinha amarelo, acabou expulso. Aos 31, Ronaldinho cobrou escanteio, Tardelli subiu sozinho e fez Cavalieri espalmar. Com um a mais, o Flu recuava de vez e o Galo ia pra cima com a força da torcida.
O roteiro do primeiro tempo se repetiu. Aos 37, falta próxima à área para o Atlético. Ronaldinho na bola. Cobrança perfeita, sem chances para Cavalieri. Novo empate em Belo Horizonte.

ICFUT – Cruzeiro vence Bahia na Fonte Nova e leva o Troféu Osmar Santos 2013

Fonte: lancenet

Com resultado, Raposa garantiu primeira posição até o fim do turno e levou o Troféu Osmar Santos dado pelo LANCE! ao campeão simbólico do primeiro turno

Bahia x Cruzeiro - Everton Ribeiro (Foto: Romildo de Jesus/LANCE!Press)
Everton Ribeiro vibra após marcar (Foto: Romildo de Jesus/LANCE!Press)

Com gols de Borges, Éverton Ribeiro e Júlio Baptista, o Cruzeiro venceu o Bahia por 3 a 1 na noite desta quarta-feira, na Fonte Nova. A vitória, em Salvador, rendeu ao time celeste mais três pontos na caminhada em busca do título do Brasileiro de 2013. Os atuais quatro pontos de vantagem sobre o Atlético-PR, segundo colocado, também fazem com que o time de Marcelo Oliveira conquiste o Troféu Osmar Santos, o Osmarzão, dado pelo LANCE! ao "campeão" do primeiro turno.

Na próxima rodada, Cruzeiro enfrenta o Flamengo, no Mineirão, domingo, às 16h. Enquanto o Bahia, encara o Fluminense, sábado, no Maracanã, às 18h30.

Melhor em campo, Cruzeiro encaminha vitória na etapa inicial

A partida começou melhor para a equipe mineira. Embora nenhuma dos times conseguisse ameaçar a meta adversária, o time celeste se apresentou com maior controle de jogo, tocando melhor a bola e marcando mais presença no campo de ataque. Os donos da casa responderam com jogadas aéreas e na bola parada, mas a melhor chance dos primeiros 20 minutos aconteceu por baixo. Madson aproveitou uma sobra dentro da área e bateu cruzado. O chute mascado passou perto da trave direita de Fábio.

Após passar ligeira pressão do Tricolor, o Cruzeiro desceu ao ataque e, enfim, conseguir inaugurar o marcador. Willian colocou a bola na cabeça de Borges, que, livre de marcação, balançou as redes para o líder do Brasileiro.

Mais tranquilo após o gol inicial, o Cruzeiro voltou a controlar a partida. Antes ofensivo, o Bahia recuou, facilitando as jogadas ofensivas da Raposa, que eram comandadas por Júlio Baptista.

Os jogadores celestes passavam a sensação de que bastava forçar um pouco mais para encontrar o segundo gol. E ele veio aos 39 minutos, em outro golaço de Éverton Ribeiro, aos 40 minutos. O camisa 17 recebeu cruzamento da direita, se livrou de três adversários e finalizou no ângulo de Marcelo Lomba. Mais uma pintura do meia, que havia marcado outro golaço contra o Flamengo, no Mineirão.

Bahia diminui, mas ‘La Bestia’ garante o título do primeiro turno

O Cruzeiro voltou do vestiário pouco ligado, e passou a oferecer espaços para o Bahia. O time da casa sentiu o bom momento e foi ao ataque. O resultado da pressão tricolor foi o gol de Fahel, aproveitando o escanteio pela esquerda, e raspando na bola para diminuir o marcador, aos 25 minutos.

Com o susto, o time celeste voltou a ter mais atenção durante o restante da partida. Melhor tecnicamente, o Cruzeiro colocou a bola no chão, mas já não contava mais com Borges no ataque, substituído por Ricardo Goulart. O forte calor também foi outra ‘arma’ dos anfitriões contra o time mineiro, com vários jogadores, dentre eles Éverton Ribeiro, mostrando grande desgaste físico.

O placar perigoso deixou a partida mais movimentada nos minutos finais, mas, quando o clima parecia ficar ainda mais tenso nos acréscimos, Júlio Baptista marcou para o Cruzeiro e decretou a vitória celestem, na Fonte Nova. Marcelo Lomba ofereceu rebote na cabeçada de Dedé, e ‘La Bestia’ soltou um foguete de perna esquerda para marcar o terceiro gol. Vitória garantida e Cruzeiro mais líder do que nunca.