ICFUT – CAMPEONATO BRASILEIRO 2013 – SÉRIE B

 

icfut1

Clube PG J V E D GP GC SG A%
Palmeiras-SP 34 14 11 1 2 30 10 20 81,0
Chapecoense-SC 32 13 10 2 1 30 12 18 82,1
Sport-PE 24 14 8 0 6 26 23 3 57,1
Paraná-PR 23 14 6 5 3 19 10 9 54,8
Boa Esporte-MG 23 14 6 5 3 14 14 0 54,8
Figueirense-SC 22 14 7 1 6 28 24 4 52,4
América-MG 22 13 6 4 3 25 19 6 56,4
Joinville-SC 21 14 6 3 5 26 18 8 50,0
Bragantino-SP 19 14 5 4 5 15 13 2 45,2
10º
Avaí-SC 19 14 5 4 5 19 20 -1 45,2
11º
Ceará-CE 17 14 4 5 5 17 18 -1 40,5
12º
ASA-AL 16 14 5 1 8 15 24 -9 38,1
13º
Atlético-GO 16 14 5 1 8 10 19 -9 38,1
14º
Icasa-CE 16 14 5 1 8 17 28 -11 38,1
15º
São Caetano-SP 16 14 4 4 6 17 17 0 38,1
16º
Oeste-SP 16 14 4 4 6 13 20 -7 38,1
17º
Paysandu-PA 15 14 4 3 7 16 22 -6 35,7
18º
Guaratinguetá-SP 14 14 4 2 8 17 23 -6 33,3
19º
América-RN 14 14 3 5 6 14 22 -8 33,3
20º
ABC-RN 8 14 1 5 8 9 21 -12 19,0

15 GOLS
Chapecoense –
Bruno Rangel

10 GOLS
Joinville – Lima

9 GOLS
Figueirense – Rafael Costa
Sport –
Marcos Aurélio

14ª RODADA
09/08 – 19h30 ASA-AL 2 x 0 América-MG
09/08 – 19h30 Ceará-CE 0 x 1 Atlético-GO
09/08 – 21h50 Paysandu-PA 2 x 1 Joinville-SC
09/08 – 21h50 Boa Esporte-MG 1 x 0 Icasa-CE
10/08 – 16h20 América-RN 0 x 0 ABC-RN
10/08 – 16h20 Figueirense-SC 1 x 3 Avaí-SC
10/08 – 16h20 Palmeiras-SP 2 x 1 Paraná-PR
10/08 – 16h20 São Caetano-SP 2 x 1 Sport-PE
10/08 – 21h00 Bragantino-SP 2 x 0 Oeste-SP
11/08 – 16h00 Chapecoense-SC 1 x 0 Guaratinguetá-SP
15ª RODADA
13/08 – 19h30 Avaí-SC x ASA-AL
13/08 – 19h30 Sport-PE x Ceará-CE
13/08 – 19h30 Paraná-PR x Boa Esporte-MG
13/08 – 19h30 Oeste-SP x Paysandu-PA
13/08 – 19h30 América-MG x São Caetano-SP
13/08 – 21h50 Joinville-SC x Palmeiras-SP
13/08 – 21h50 Atlético-GO x Bragantino-SP
13/08 – 21h50 Icasa-CE x ABC-RN
14/08 – 19h30 Guaratinguetá-SP x Figueirense-SC
27/08 – 21h00 América-RN x Chapecoense-SC

Por Cleber Aguiar – Também em má fase, São Paulo-AP reclama de chacota por xará famoso

Fonte: Gazetaesportiva.net

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)
A má fase do São Paulo na temporada gera consequências para quem se inspira no clube do Morumbi. Fundado em 1998, em homenagem ao Tricolor paulista, o São Paulo Futebol Clube do Amapá também atravessa um momento difícil na temporada, mas sofre mais chacota dos adversários por conta da crise do time de Paulo Autuori.

Presidente do time amapaense há dois anos, Adenos Lima Gameleira já percebeu que os torcedores dos outros clubes aumentam a provocação quando a equipe paulista enfrenta turbulência. “O que acontece em São Paulo atinge a gente aqui também. Quando vamos ao estádio, as pessoas ficam vaiando, falando que o time vai ser rebaixado, porque confundem com as cores. Nós levamos gozação, fazem chacota”, declarou o mandatário, em entrevista à Gazeta Esportiva.net.

 

Arte GE.Net

O clube do Amapá foi criado por um grupo de são-paulinos moradores de Macapá, mas vive uma realidade bem diferente do ‘original’. Com uniforme idêntico ao do Tricolor do Morumbi, o clube do Norte também tem o símbolo igual, acrescentando apenas a abreviação ‘AP’ no escudo, em referência ao seu estado de origem. Mas as semelhanças não vão muito adiante, com exceção da má fase de ambos.

Enquanto o time de Autuori aparece na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, a agremiação do Norte ainda não venceu no seu Estadual e apresenta um aproveitamento de apenas 16,6% na competição – dois pontos em quatro rodadas. O clube tem a pior pontuação ao lado dos rivais São José e Santana e só saiu da lanterna na última rodada (depois da igualdade na noite desta segunda-feira por 2 a 2 com o Independente) em função dos critérios de desempate.

Fora de campo, um abismo separa os dois clubes em termos de projeção, torcida, patrimônio, títulos, história e dinheiro. “Não tem nem comparação. O São Paulo sobrevive de patrocínio, torcida… Aqui, nós praticamente tiramos dinheiro do bolso e quase bancamos a torcida também, porque temos de arrumar ônibus e ingressos. Sem isso, só iriam as pessoas próximas do grupo, como familiares”, explicou o presidente, que conta com ajuda de empresários e da Prefeitura.

O elenco no Amapá também não consegue sobreviver apenas com o futebol. Para manter o plantel por três meses, durante a disputa do Estadual, Gameleira revelou que o clube gasta R$ 120 mil, que é um valor bem inferior ao salário de cada uma das estrelas do Tricolor paulista. Além disso, depois do término do Amapazão, parte do elenco terá de procurar outro emprego, até o início da competição de 2013. Alguns atletas, inclusive, seguem outras carreiras mesmo enquanto defendem a camisa vermelha, preta e branca.

“Um dos melhores zagueiros aqui do Amapá, o Glauber, trabalha como vigilante, treina e joga no profissional com a gente”, revelou o dirigente, que tenta dar condições melhores de trabalho ao grupo. “A estrutura aqui é precária, não temos campo gramado para treinar, temos de alugar o espaço. Estamos trabalhando para construir o CT e fazer o trabalho de base”.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Má fase do São Paulo original traz preocupação para clubes com mesmo nome pelo Brasil.

Em função da diferença entre os clubes, Gameleira não entende a má fase do time paulista e concorda com as críticas de parte da torcida são-paulina ao presidente Juvenal Juvêncio. “Acho justo (criticá-lo), porque ele não está fazendo um bom papel, com tudo o que o São Paulo tem. O clube é do povo e tem de escutar o torcedor para saber o que está acontecendo. Com a estrutura que o São Paulo tem, deveria estar melhor”, afirmou.

O mandatário também vê Rogério Ceni como responsável pela crise no Morumbi. “O São Paulo tem de jogar em função dele e, quando chega outro jogador, como Ganso e Lúcio, parece que queima o cara. Pode ser que eu esteja errado, porque estou vendo de longe”, palpitou. Torcedor do Tricolor original, Gameleira se preocupa mais agora em conseguir uma campanha melhor com seu time, já que almeja uma vaga na Copa do Brasil de 2014 e fez até um apelo por isso à Federação de Futebol do Amapá. “Seria um sonho jogar contra o São Paulo aqui”, encerrou.

Por Cleber Aguiar – FPF pune sete torcedores do Santos por briga após jogo contra o Coritiba Seis santistas não poderão frequentar estádios por 90 dias. Outro torcedor terá punição de 120 dias

Fonte: Globo.com

Seis santistas não poderão frequentar estádios por 90 dias. Outro torcedor terá punição de 120 dias

Documento FPF punição torcedores do Santos (Foto: Reprodução)Documento cita membros das  organizadas do
Santos (Foto: Reprodução)

Seis membros das duas principais organizadas do Santos, a Torcida Jovem e a Sangue Jovem, foram proibidos pela Federação Paulista de Futebol de frequentar os estádios por 90 dias. Outro torcedor terá de cumprir punição ainda maior, de 120 dias. A decisão da Federação Paulista de Futebol é devido à confusão generalizada após o empate por 2 a 2 contra o Coritiba, dia 21 de julho, na Vila Belmiro.

Em documento assinado pelo presidente Marco Polo Del Nero, os torcedores foram identificados em documento registrado no 6º BPMI (Batalhão de Polícia Militar). Ainda de acordo com o dirigente, a FPF tem o dever de preservar a disciplina nos campos de futebol.

Torcedores de Santos e Coritiba entraram em confronto nas imediações das ruas José de Alencar e Dom Pedro – onde sai a torcida visitante. A PM interveio, tentando dispersar a confusão com bombas de efeito moral e balas de borracha. O conflito durou quase uma hora, envolvendo santistas e policiais militares e se alastrando pelas imediações da Vila Belmiro.

Segundo a FPF, os punidos por 90 dias são: Anderson da Silva Mariano, Caio de França Scarpa, Diego Ribeiro Santos, Felipe Joaquim Lima, Lucian Matos Neri da Silva e Wagner Gonçalves de Aguiar. Já Hercules Josias da Silva, por ser reincidente, ficará sem ver partidas de futebol no estádio por 120 dias.

Carro danificado - Confusão - Vila Belmiro (Foto: Lincoln Chaves)Confusão teve carro danificado nos arredores da Vila Belmiro (Foto: Lincoln Chaves)

Por Cleber Aguiar – Com verde na Arena Corinthians, muro do Parque São Jorge é pichado

Fonte: Lancenet.com.br

Torcedores/pichadores usaram a sede do clube alvinegro para reclamar das cores que são alusão ao arquirrival Palmeiras. Parte de cima não ficará com o verde para sempre

 

TL (Foto: Reprodução)
Muro do Parque São Jorge pixado (Foto: Reprodução)

Mesmo com a vitória no final de semana frente ao Vitória, por 2 a 0, no Pacaembu, o muro do Parque São Jorge amanheceu pichado na manhã desta segunda-feira. A reclamação era sobre a camada verde da cobertura da Arena Corinthians. Em contato com o LANCE!Net no último mês, a assessoria de imprensa da Odebrecht, empresa responsável pela obra, explicou que, com outras camadas, o “telhado” não ficará com as cores do arquirrival Palmeiras.

 

Por Cleber Aguiar – Com cara de sono, Neymar descontrai com ‘parças’ da Seleção no elevador

Fonte: Globo.com

Atacante do Barcelona intregra grupo do Brasil para amistoso diante da Suíça na quarta-feira

A maratona de jogos pelo Barcelona e agora o amistoso com a seleção brasileira deixaram Neymar um tanto com sono. O resultado foi aquela cara ‘amassada’ ao acordar no hotel na Basileia, na Suíça. Mesmo assim, o jogador não se importou em registrar o momento ao lado dos colegas do Brasil nesta terça-feira.

– Essa resenha nunca acaba ! Kkkkk – escreveu ele no Instagram ao lado de Fred, Hulk, Bernard, Marcelo, Thiago Silva e Maxwell.

Hulk foi outro atleta a publicar a mesma foto e ressaltou o bom ambiente do grupo usando as hashtags #familia, #ambiente e #topppppp.

Brasil enfrenta a Suíça nesta quarta-feira, às 15h45 (de Brasília), na Basileia, com transmissão ao vivo da TV Globo, do SporTV e do GLOBOESPORTE.COM. A preparação para o jogo segue nesta sexta. Os jogadores treinam a partir das 11h15 (de Brasília).

Neymar fred bernard thiago silva marcelo hulk e maxwell brasil eleevador (Foto: Reprodução / Instagram)Neymar descontrai com colegas no elevador (Foto: Reprodução / Instagram)

Por Cleber Aguiar – Festa dos 113 anos da Ponte Preta reúne mais de mil pessoas

Fonte: Futebolinterior.com.br

Ideia era reunir “alguns amigos”, mas evento contou com centenas de pontepretanos

20130801_festa113_pp

Uma festa simples, mas repleta de emoção, bem como manda a tradição da Ponte Preta. Este foi o clima no encontro promovido por conselheiros e torcedores da Macaca em comemoração aos 113 anos de fundação (11 de agosto de 1900) da Ponte Preta. Perto de mil pessoas participaram do evento, nesta segunda-feira à noite, no restaurante Apaloosa’s no bairro Ponte Preta.

 

Idealizado e organizado pelo ex-presidente Lauro Moraes Filho e pelo conselheiro nato, o médico Danilo Villagellim, a festa reuniu ex-dirigentes e ex-jogadores, além de muitos torcedores que costumam freqüentar as arquibancadas do Majestoso. Mas foi uma “reunião família, com as presenças de muitas esposas e filhos.

“O nosso objetivo é de congraçamento, de reunir pessoas que fizeram ou fazem parte da verdadeira história da Ponte Preta. Aquele pontepretano de raiz, que passa de pai para filho”, afirmou Lauro Moraes, muito cumprimentado pela iniciativa de enaltecer a história do clube.

Muitos pontepretanos
Para Danilo Villagellim “este encontro superou as expectativas”, porque foi realizado numa segunda-feira.

“Nós esperávamos contar com apenas 200 a 300 pontepretanos, mas sentimos a força de participação de todos e superamos a mil pessoas. Foi fantástico”.

O mestre de cerimônia foi o jornalista e historiador Zaiman de Brito Franco, que relembrou fatos pitorescos do clube, citou nomes de muitos ex-jogadores presentes e fez uma homenagem especial a Athis, um dos maiores jogadores da história da Ponte, que vestiu a camisa da Macaca na década de 60.

Fogos e Hino
Com o estacionamento completamente lotado, as ruas próximas do Apaloosa’s também abrigaram dezenas de carros. Dentro dele, comida à vontade das 20 às 21h30, com som ao vivo. Depois todos foram convidados a assistir uma queima de fogos, que durou 18 minutos. Muitos rojões e fogos de artifício que coloriram e clarearam o céu.

De volta ao salão, todos cantaram o hino da Ponte Preta…estandarte desfraldado…E cortaram o bolo dos 113 anos, com símbolo do clube no meio dele.

Ex-dirigentes e jogadores
Entre as centenas de pontepretanos, estavam ex-dirigentes de tradição como Furlan Seller, Marcos Garcia Costa, Francisco Salomão, Danilo Villagelim, Marcelo Alencar, Francisco Salomão, Edmir Delbel, José Rubens da Vinha, Armando Mendonça, Peri Chaib, José Bertazolli, Mário Martins entre outros. E também marcaram presença Maurício Lombardi, um dos fundadores da Torcida Jovem, os empresários Nenê Tognolo e Elijá Mandrake

Uma mesa também concentrava muitos ex-jogadores, como Alan, vice-campeão paulista de 1970, Jair Picerni, Vanderlei Paiva, Eugênio, Robson, Polozi e Tuta, vice-campeões paulista de 1977, além de Brinda, Chicão, Marcos Nange, Alan, Monga, Carbone e João Brigatti.

Além da homenagem a Athis, estiveram presentes familiares de Miguel do Carmo (1885 a 1932), que é considerado por historiadores como o primeiro negro a se tornar um jogador de futebol. Este feito está sendo reivindicado por um grupo de pontepretanos para que a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) faça o reconhecimento oficial desta página da história do futebol nacional.