Por Cezar Alvarenga – Rogério Ceni retruca acusações de Ney Franco.

Fonte: Yahoo! Esportes

O atrito entre o goleiro e o técnico se arrasta de a Copa Sul-Americana ano passado. (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

(Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

Após duras acusações vindas de Ney Franco, o goleiro Rogério Ceni não deixou barato, rebateu em alto tom o ex-técnico do São Paulo. O capitão negou ter qualquer tipo de influência na diretoria do clube e afirmou que se ele fosse dirigente, Ney Franco já teria sido demitido do São Paulo há muito tempo.

“Eu não vi tudo direito, mas vi algumas coisas. Eu não tenho muito para falar do Ney Franco, para ser honesto, nem o momento acho que cabe muito. Mas para vocês não ficarem sem nada, é que se eu tivesse toda a influência no São Paulo que ele acha que eu tenho, ele estava no olho da rua há muito tempo. Eu não esperaria, se eu tivesse o poder de decisão. Então, eu sou apenas um funcionário do clube, eu não decido, eu não mando. Mas se eu tivesse condições de ter a influência que ele acha que eu tenho, ele já estaria longe há muito tempo. Não tenho mais nada para falar do Ney, faz parte do passado”, afirmou Ceni após a partida contra o Kashima Antlers no Japão.

Ney Franco afirmou ontem, em entrevista ao jornal O Globo, que não teve em 2013 o capitão que precisava e que Rogério nos bastidores estava minando o zagueiro Lúcio e o meia Paulo Henrique Ganso, grande aposta do Tricolor para essa temporada. Ganso por sua vez preferiu não dar pitaco sobre a polêmica criada entre o capitão e o ex-treinador.

“Não cheguei a ver. Não estou sabendo de nada. Falou que fui minado? Não vi. Não posso falar. Procuro nem ver esse tipo de matéria, só jogar tranquilo. Eu me sinto super bem no São Paulo”, afirmou o atleta.

O técnico perdeu o cargo após a derrota para o Corinthians na primeira partida decisiva da Recopa Sul-Americana, logo após a parada de quase 30 dias que o time teve por conta da Copa das Confederações.

A relação ruim entre os dois vêm do ano passado, quando o São Paulo ainda jogava a Copa Sul-Americana. Na partida contra a LDU de Loja, o goleiro queria a entrada de Cícero na equipe são-paulina, enquanto Ney Franco colocou o atacante William José no ataque. Após o jogo Ney Franco veio à público demonstrar seu descontentamento com a atitude do goleiro.

Por Cezar Alvarenga – São Paulo perde a Copa Suruga com gol no último minuto.

Fonte: UOL Esportes

Ganso comemora ao marcar para o São Paulo contra o Kashima Antlers

O São Paulo terminou a excursão ao exterior com uma derrota para o Kashima Antlers, por 3 a 2, na Copa Suruga. A equipe, que perdia por 2 a 0, conseguiu buscar o empate, mas sofreu um gol no último minuto de jogo e volta para o Brasil com um saldo melancólico da excursão: em quatro jogos, três derrotas e somente uma vitória.

Paulo Autuori enviou antes ao Brasil Jadson, Osvaldo, Rafael Toloi e Fabrício, que participaram da conquista da Copa Eusébio, contra o Benfica. Por isso, o time entrou modificado em relação à equipe que venceu o jogo em Portugal, com Maicon no meio e Ademílson no ataque.

O São Paulo chega ao Brasil na sexta-feira e já enfrenta a Portuguesa, pelo Campeonato Brasileiro, no domingo. A equipe busca uma recuperação no torneio. Atualmente, a equipe do Morumbi ocupa a 18.ª colocação na tabela e precisa sair da zona de rebaixamento, mesmo objetivo do rival lusitano.

Apático em campo, o São Paulo foi envolvido pela equipe japonesa no primeiro tempo. Mesmo com mais posse de bola, o time tricolor não conseguia criar chances. O Kashima, por sua vez, apostava na velocidade e na disciplina tática de seus jogadores. Com isso, era muito mais efetivo. A estratégia deu resultado aos 24min, em uma falha coletiva da zaga são-paulina.

Shibasaki recebeu ótimo lançamento na ponta direita, tirou de Lucão e toucou para Osako. O atacante foi mais rápido que Douglas e Ceni, deu um chapéu no goleiro e mandou para o fundo das redes. O gol deixou o São Paulo ainda mais perdido em campo. Os japoneses aproveitaram para ampliar aos 39min, novamente com Osako que, lançado por Juninho, se antecipou aos zagueiros e desviou para o gol.

No segundo tempo, o São Paulo partiu mais para o ataque. Se por um lado chegava mais, por outro dava mais espeço ao adversário. Aos 13min, o meia Paulo Henrique Ganso se livrou da marcação e acertou um belo chute de fora da área, diminuindo para os brasileiros. Logo em seguida, porém, em um contra-ataque Silvinho fez pênalti em Osaka.

Os são-paulinos reclamaram muito da marcação, por considerarem que a falta foi fora da área. Osaka foi para a cobrança e Rogério Ceni defendeu. No entanto, o árbitro mandou voltar por considerar que o goleiro se adiantou. Novamente, os brasileiros se revoltaram, especialmente o capitão. Na segunda cobrança, o atacante japonês chutou para fora.

O São Paulo ganhou motivação com a chance desperdiçada pelo rival e se mostrou mais confiante. Aos 29min, o lateral direito Douglas fez bom cruzamento para Ganso, que tocou de primeira para Aloísio dentro da pequena área. Sem goleiro, bastou ao atacante empurrar a bola para o gol e empatar a partida. 

No último minuto, o São Paulo foi castigado. Em um chute despretensioso de fora da área, a bola desviou em Osako e enganou Rogério Ceni, fechando o placar e dando o título de bi-campeão da Copa Suruga ao Kashima Antlers.