Por Cezar Alvarenga – Adriano consegue nova chance e acerta contrato de 6 meses com o Internacional.

Fonte: Yahoo! Esportes

adriano

O Internacional acertou a contratação do atacante Adriano Imperador. Uma reunião nesta segunda-feira entre a diretoria do Colorado e o empresário João Bandeira sacramentou a negociação.

O contrato do centroavante vai ser por produtividade e terá duração de 6 meses. O craque foi um pedido especial do técnico Dunga. O treinador acredita que o jogador vai reencontrar o bom futebol com a camisa do Inter.

João Bandeira vai viajar nesta segunda para o Rio de Janeiro e vai levar o contrato para Adriano assinar. O Colorado já tem um plano de marketing para usar a imagem do Imperador. O atacante deve usar a camisa 99 da equipe colorada e vai chegar em Porto Alegre na noite da próxima quarta-feira.

Os dirigentes do Internacional ainda não confirmam o acerto, mas as informações dão conta de que o negócio foi concretizado. Adriano não joga profissionalmente desde março de 2012, quando atuava pelo Corinthians.

O atacante vinha treinando forte para entrar em forma e já havia declarado que iria retornar aos gramados no segundo semestre de 2013. O Imperador chega para ser o provável substituto de Leandro Damião, que deve ser negociado com clube europeu.

Por Cleber Aguiar – Sem camisa, Alexandre Pato grava cena com Tatá Werneck no CT do Corinthians

Fonte: Globo.com

Atacante do clube paulista é o mais novo alvo de Valdirene; veja fotos

Alexandre Pato vai entrar na banheira.... (Foto: Amor à Vida/TV Globo)Alexandre Pato vai entrar na banheira…. (Foto: Amor à Vida/TV Globo)

Alexandre Pato gravou na manhã desta segunda-feira, 17/06, suas cenas ao lado de Tatá Werneck. O jogador do Corinthians faz uma participação como o novo alvo da periguete Valdirene.

Pato e Tatá posam no campo do Corinthians (Foto: Amor à Vida/TV Globo)Pato e Tatá posam no campo do Corinthians

Dessa vez, a piradinha vai ter a ajuda de uma maria chuteira para se passar por massagista. Enquanto está escondida no vestiário, ela acaba vendo o gato entrar na banheira para relaxar, após o treino. Mas depois, quando vai para a massagem,  ele percebe logo que a menina não bate bem da cabeça.

Amigo de Neymar, que já tinha participado de Amor à Vida no início da novela, Alexandre Pato nunca tinha gravado uma participação em novelas. Confira entrevista exclusiva:

Você está pronto para fazer parte das loucuras da Valdirene, personagem de Tatá Werneck?
Sim! Estou animado e me sinto honrado em ter recebido este convite! A Valdirene já é um grande sucesso.

Você chegou a assistir às cenas da participação do Neymar na novela?
Assisti e foi muito engraçado.

É a primeira vez que você faz uma participação em novelas. Qual a sua expectativa? Acha que a sua experiência com comerciais pode ajudar?
É minha primeira vez e espero corresponder ao grande talento da Tatá Werneck! Será um novo desafio, mas espero atuar muito bem.

E nem imagina que Valdirene está ali, afiando as garras... (Foto: Amor à Vida/TV Globo)… e nem imagina que Valdirene está ali, afiando as garras (Foto: Amor à Vida/TV Globo)

Você já viveu alguma situação parecida? Qual foi a maior loucura que uma fã já fez para chegar perto de você?
Assim como esta, não. Tenho um fã italiano que tatuou o meu rosto na coxa dele. E uma outra fã italiana que fez o meu autógrafo no pulso. Estas são grandes homenagens!

Você teria vontade de atuar no cinema ou na TV, a exemplo de outros atletas de sucesso?
Por enquanto, meu foco é 100% treinar e jogar. Quem sabe mais para frente… Mas também quero saber se me saí bem como ator!

Pato e Tatá Werneck (Foto: Amor à Vida / TV Globo)Pato e Tatá Werneck (Foto: Amor à Vida / TV Globo)

A sequência foi gravada no Centro de Treinamento do Corinthians. E as cenas devem ir ao ar a partir do dia 24/06. Fique ligado em Amor à Vida e não perca mais uma aventura de Valdirene!

ICFUT – Musa visita GE.net e faz ensaio inspirado na Copa das Confederações

Fonte: Gazeteaesportiva.net

[videolog 986748]

Bruno Ceccon

Assim como Neymar, Aline Bernardes se preparou arduamente para o dia 15 de junho de 2013, data da estreia do Brasil na Copa das Confederações. Na véspera da vitória da Seleção sobre o Japão, a modelo de 26 anos, chamada de musa do torneio pela Revista Sexy, visitou a Gazeta Esportiva.net para um ensaio exclusivo.

Desinibida, Aline fez caras e bocas diante dos cliques do fotógrafo Sergio Barzaghi. Vestiu a camisa 10 da Seleção, posou com a bandeira do Brasil e usou parte de seu vasto repertório de biquínis verde e amarelos. Na galeria de fotos especial, é fácil comprovar que a preparação para a Copa das Confederações foi bem feita. E muito.

O ensaio sensual protagonizado por Aline a convite da GE.net é um aperitivo do que os ‘leitores’ poderão devorar na edição de julho da Revista Sexy. Satisfeita com o resultado das fotos da publicação voltada para público masculino, ela atiça a curiosidade dos fãs.

“Sou bem desinibida”, diz a musa, sorrindo. “Já fiz alguns trabalhos desde que comecei a atuar como modelo e isso me ajudou a perder a vergonha. Apesar ter sido um ensaio nu, foi super tranquilo. As fotos ficaram sensacionais. Acho que todos vão gostar”, apostou.

Palmeirense de coração, Aline costuma desfilar pela Mancha Verde no Carnaval, algo que não a impede de encarnar o papel de musa da Copa das Confederações. Recentemente, a modelo visitou o Itaquerão, estádio do Corinthians e palco da abertura do Mundial-2014, causando furor entre os operários.

“Gosto de futebol desde pequena. Na minha família, as mulheres estão sempre envolvidas com futebol. Ultimamente, não tenho conseguido ir ao estádio por causa do meu trabalho, mas vou sempre que posso. Sou palmeirense desde criança”, explicou Aline.

Convocado pelo técnico Luiz Felipe Scolari para a Copa das Confederações, o atacante Hulk é, de longe, o mais contestado pela torcida brasileira. Diferentemente do grande público, Aline gosta do paraibano. Não exatamente por suas qualidades dentro do gramado.

“De todos os jogadores da Seleção, o que mais me chama a atenção é Hulk por causa do porte físico, por ser grandão. Eu gosto mais de homem, sabe?”, pergunta Aline, enfatizando a palavra “homem”. “O Hulk e o Júlio César se encaixam mais no perfil que eu admiro”, completou.

A modelo atualmente mora com seu namorado, e promete jamais ter se envolvido com boleiros. “Já tive proposta e tem alguns que são meus amigos, mas nunca saí com jogadores e não pretendo. As coisas para eles são muito fáceis, as mulheres estão sempre atrás deles, querendo. Não gosto disso e desejo alguém que seja só meu”, disse.

Apesar da trajetória conturbada da Seleção nos últimos tempos, marcada pela troca de Mano Menezes por Luiz Felipe Scolari, Aline acredita na possibilidade de ver o time campeão da Copa das Confederações. Após superar o Japão na estreia, o Brasil encara o México na noite desta quarta-feira, em Fortaleza.

“Eu estava meio assim, mas depois da vitória contra a França no amistoso já fiquei esperançosa. Esses jogadores quase nunca atuaram juntos e vão se entrosar cada vez mais. Precisamos confiar para que eles possam trazer esse título para a gente”, afirmou a musa, otimista.

66077_20130614202403 66079_20130614202504 66081_20130614202611 66082_20130614202715 66092_20130614203259 66100_20130614204357

Por Cleber Aguiar – Jogadores lamentam queda do Independiente, o ‘rei de Copas’

Fonte: Folha Online

Após o Independiente cair para a segunda divisão argentina, ídolos se manifestaram em solidariedade.

O clube de Avellaneda foi rebaixado após perder para o San Lorenzo por 1 a 0, em casa, no sábado. Mas mesmo um triunfo não garantiria a equipe vermelha na elite.

San Martín e Argentino Juniors precisavam perder na rodada, mas venceram Estudiantes e Colón, pela ordem. Na Argentina, os rebaixados são definidos pela média de pontos nos últimos três anos.

Desde o torneio de janeiro de 2012 o time fez campanhas medíocres. No total, somou 128 pontos em 113 jogos.

O atacante Aguëro, 25, revelado pela equipe em 2003 e que hoje defende o Manchester City, foi um dos primeiros. Pelo Twitter, declarou sua paixão e prometeu encerrar a carreira no clube.
Ricardo Bochini, 59, meia na fase áurea nos anos 70, sugeriu uma reformulação inspirada no River Plate, que caiu em 2011 e brigou pelo título desta temporada.

Já Daniel Bertoni, 58, atacante no mesmo período de Bochini, apontou erros das administrações do clube para a queda. “Quando se faz coisas ruins, o resultado é esse”, disse ao canal C5N.

Pedro Monzón, 51, zagueiro campeão mundial pelo clube em 1984, estendeu a crítica às trocas de técnicos. Ainda apelou aos torcedores para não abandonarem a equipe na segunda divisão.

Martin Acosta /Reuters
Adrian Fernandez (à frente) e Leonel Miranda (dir.), do Independiente, após a queda para a Série B do Campeonato Argentino
Adrian Fernandez (à frente) e Leonel Miranda (dir.), do Independiente, após a queda para a Série B do Campeonato Argentino

“Que lotem todos os campos e acreditem na salvação do Independiente”, disse em entrevista ao diário “Olé”.

A reação dos torcedores vermelhos após a queda não foram parecidas com as vividas pelo River Plate há três anos, quando houve brigas com a polícia, mas também houve violência no estádio.

Alguns torcedores mais revoltados arrancaram cadeiras e as arremessaram em direção ao campo. Não houve registro de feridos ou presos.

Desde dezembro de 2011, quando Javier Cantero assumiu a presidência, o Independiente iniciou uma fase turbulenta com os torcedores organizados. Eles tiveram regalias cortadas pelo cartola.

O trabalho de reorganização também não caminhou como planejado. Desde a taça da Copa Sul-Americana de 2010, o Independiente, que compõe o grupo de cinco grandes do país, não tem conquistas relevantes.

Sete vezes campeão da Libertadores, bimundial e 14 vezes campeão nacional, o Independiente, ao lado do Boca Juniors, era o único clube nunca rebaixado na Argentina durante a era profissional –a partir de 1931.

A despedida da elite será no próximo domingo contra o Colón, fora de casa, pela última rodada do Argentino.

Por Cleber Aguiar – Caso assine, Bielsa será o terceiro argentino a comandar o Santos

Fonte: O Estado de São Paulo

Clube alvinegro já teve outros dois comandantes do país vizinho: o conhecido Ramos Delgado e o nem tão falado Abel Picabéa

Por Fernando Prandi Santos, SP

Marcelo Bielsa no treino do Atlhetic Bilbao (Foto: Reuters)Marcelo Bielsa é esperado no início deste semana,
na Vila Belmiro (Foto: Reuters)

O Santos espera por uma visita do técnico Marcelo Bielsa no começo desta semana para assinar contrato de um ano e meio com o ex-treinador do Athletic de Bilbao, da Espanha, e das seleções do Chile e da Argentina. Se tudo der certo, o Peixe terá pela terceira vez um argentino à frente do seu time. Os outros dois foram Ramos Delgado, entre 1977 e 78, e Abel Picabéa, de 1946 a 47.

Mais conhecido pelos santistas, Ramos Delgado também foi zagueiro do time de 1967 até 72. Na maior parte deste período, vestiu a braçadeira de capitão e levantou as taças do campeonato brasileiro de 1968 e dos títulos paulistas de 1967, 68 e 69. Com Ramos Delgado de técnico, o Peixe jogou 26 vezes, venceu nove, empatou nove e perdeu outras oito partidas.

Já Abel Picabéa também foi jogador, mas jogou apenas no São Cristóvão, do Rio de Janeiro, e no San Lorenzo, da Argentina. Além do Santos, ele também foi técnico de outros times brasileiros, como Palmeiras, Fluminense, Vasco e Portuguesa Santista. Sua campanha à frente do Alvinegro foi de 71 jogos, 38 vitórias, 15 empates e 18 derrotas.

Depois da dupla, o Santos não teve mais nenhum técnico argentino, apenas jogadores “hermanos”. O atual elenco conta com três deles, que ainda não caíram nas graças da torcida. O atacante Miralles está insatisfeito com a reserva e pediu para ser negociado. O jovem Pato Rodríguez, o Patito, chegou ao clube no ano passado, como promessa, mas não deslanchou. Enquanto Montillo, contratado por R$ 16 milhões, ainda não conseguiu jogar o esperado pela torcida e a diretoria.

Veja todos os estrangeiros que já comandaram o Peixe:

Futebol amador:
1912 Harold Cross – Irlanda
1916-19 Juan Bertone – Uruguai
1919 Ramón Platero – Uruguai

Futebol profissional:
1934 Pedro Mazullo – Uruguai
1934-35 Caêtano di Domenica – Itália
1937 Franz Gaspar – Hungria
1939-40 Issac Goldenberg – Áustria
1940-41 Dario Letona – Peru
1944 Ricardo Diez – Uruguai
1946-47 Abel Picabéa – Argentina
1948 Diego Ayala – Paraguai
1950 Caêtano di Domenica – Itália
1951 Luiz Comitante – Uruguai
1954 Giuseppe Ottina – Itália
1977-78 Ramos Delgado – Argentina

Por Cleber Aguiar – Após suposta traição, Gilton, ex-Paraná, é queimado pela esposa

Fonte: Futebolinterior.com.br

Enciumada, companheira do jogador jogou água quente no atleta

 

lateral-gilton-ribeiro-do-parana-clube-arquivo-1371243805638_615x300Não existe animal mais perigoso em todo reino animal do que mulher traída. Capaz de qualquer coisa para se vingar, ela pode fazer loucuros. Que o diga o lateral-esquerdo Gilton, ex-Paraná e Joinville. O jogador foi queimado com água fervente enquanto dormia pela namorada enquanto dormia.

O jogador teve 20% do corpo queimado e passou por cirurgia no hospital Evangélico de Curitiba. Desde a última sexta-feira, ele está internado em estado estável, sem risco aparente de morte. Os médicos ainda não definiram quanto tempo ficará internado.

“O jogador passou por procedimentos cirúgicos no rosto e tórax assim que chegou ao hospital e depois foi transferido para um quarto. O estado de saúde é estável, mas ainda não há previsão de alta para o paciente”, divulgou o hospital em nota.

Mesmo com a agressão, o lateral optou por não registrar ocorrência contra a companheira. A atitude teria sido motivada por uma forte crise de ciúmes. a Moça teria flagrado uma troca de mensagens com outra mulher pelo celular e ficou bastante irritada.

Com 24 anos, Gilton tem passagens por Joinville, Chapecoense e pelo futebol japonês, onde jogou no Cereso Osaka, Albirex Niigata e Kashima Antlers. Nesta temporada disputou o primeiro semestre pelo Paraná, mas foi dispensado em maio. Era cotado para disputar a Série B pelo Sport.

Por Cleber Aguiar – Patinhos feios em festa de gala, Taiti e Nigéria duelam no Mineirão

Fonte: Globo.com

Campeões da África e da Oceania têm os elencos mais modestos da
Copa das Confederações, mas ‘Águias’ são bem superiores no papel

Por Juliano Costa Belo Horizone, MG

LINK AO VIVO – TAITI X NIGÉRIA – CLIQUE AQUI !

Nigéria e Taiti, às 16h de um dia útil, em Belo Horizonte. O duelo menos badalado desta estrelada Copa das Confederações, nesta segunda-feira, no Mineirão, reúne um campeão africano com um único representante em time de elite (o volante Obi Mikel, do Chelsea) contra uma equipe amadora, que tem apenas um profissional (o atacante Marama Vahirua, do Panthrakikos, da Grécia). Só 17.210 ingressos foram vendidos antecipadamente, menor número da competição. O SporTV e o GloboEsporte.com transmitem a partida ao vivo.

Numa Copa das Confederações com estrelas como Neymar, Iniesta, Suárez, Balotelli, Chicharito e Kagawa, os times de Nigéria e Taiti pintam como os “primos pobres”. São as duas seleções de menor valor no torneio, de acordo com levantamento feito pela Pluri Consultoria. Neymar, sozinho, tem valor de mercado estimado em R$ 191,4 milhões, mais do que o time inteiro da Nigéria (R$ 188,9 milhões). A comparação com o Taiti é ainda mais cruel. O elenco completo desta pequena nação da Oceania é avaliado em R$ 7 milhões – o brasileiro mais “barato” no grupo de Felipão é o goleiro Jefferson, cotado em R$ 11,8 milhões.

Obi Mikel treino Nigéria (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Obi Mikel treina no Mineirão: mais conhecido entre os nigerianos (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Nesse jogo de cifras modestas, Mikel desponta como estrela solitária. Avaliado em R$ 68,4 milhões, é mais caro do que jogadores brasileiros como Dante, Luiz Gustavo, Paulinho e Bernard. Responsável por “carregar o piano” no meio-campo cheio de craques do Chelsea, o volante foi inscrito com a camisa 10 na Copa das Confederações. Será, disparado, o rosto mais familiar à torcida mineira em campo.

Atual campeã africana, a Nigéria já não tem, há tempos, um grupo de jogadores famosos, como Kanu, Okocha e Oba-Oba Martins. O time foi todo reformulado, e ainda corre risco de ser eliminado pela seleção do Malaui nas eliminatórias para a Copa de 2014. No elenco que chegou ao Brasil apenas na madrugada deste domingo, por causa do protesto dos jogadores devido a acerto de premiação no torneio classificatório para o Mundial, oito atuam em seu próprio país, cinco em times do segundo escalão europeu (CSKA Moscou, Dínamo de Kiev, Werder Bremen, Celtic e Sporting Braga) e os demais em equipes de lugares como Chipre, Israel e Noruega, ou de divisões inferiores à elite de Alemanha, Itália e Portugal. Segundo o técnico Stephen Keshi, foi uma opção dele trazer jogadores mais jovens ao Brasil. Mikel é mesmo o único mais conhecido.

Disparidade no ranking

Marama Vahirua treino taiti (Foto: Marcos Ribolli)Marama Vahirua no treino Taiti: único profissional
da seleção da Oceania (Foto: Marcos Ribolli)

Ainda assim, qualquer resultado que não seja uma vitória confortável dos nigerianos será considerado zebra. A Nigéria é a 31ª no ranking da Fifa, 107 posições à frente do Taiti, que chega ao Brasil credenciado por ser o atual campeão da Oceania, em sua primeira participação em um torneio oficial fora de seu próprio continente. A equipe foi campeã batendo a Nova Caledônia na decisão. E a Austrália? Cansada do nível fraco de seus vizinhos, a equipe da terra dos cangurus decidiu, desde as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, filiar-se à Federação Asiática. Já a Nova Zelândia, outro país da região com um pouco mais de tradição no futebol mundial, foi eliminada pela Nova Caledônia nas semifinais da Copa da Oceania.

Assim, o Taiti chegou ao Brasil. Com camisas floridas, colares de concha, papete (calçado típico da região) e uma única pretensão: perder com o mínimo de gols possível. Vale lembrar que a maior goleada da história da Copa das Confederações foi um 6 a 0 do Brasil sobre a Austrália, na final do torneio de 1997. E Espanha e Uruguai ainda cruzarão o caminho dos taitianos, que andaram perdendo até para o time das Ilhas Salomão nas eliminatórias para a Copa de 2014.

Vamos tentar aprender para que possamos melhorar o nosso futebol em 10 ou 15 anos”
Eddy Etaeta, técnico do Taiti

– Somos realistas. Vamos competir contra Nigéria, Espanha e Uruguai. E sabemos que há um grande hiato entre o futebol de altíssimo nível que estas seleções podem fazer e o nosso. Vamos tentar aprender para que possamos melhorar o nosso futebol em 10 ou 15 anos – disse o técnico Eddy Etaeta, que comanda um caminhoneiro e um contador, dentre outros amadores, na seleção do Taiti.

– Não estou dizendo que jogaremos de igual para igual com a Nigéria. Não é provável. Mas mentalmente digo que estamos prontos. Vamos lutar como leões e tentar representar nosso país da melhor medida possível – emendou Vahirua.

Stephen Keshi, técnico da Nigéria, repetiu três vezes em entrevista coletiva na véspera do jogo que “respeita o Taiti” e que “não existe time fraco numa competição como a Copa das Confederações”. Ele admitiu, porém, que conhece “pouco ou quase nada” sobre o adversário.

– Vamos nos preparar para o Taiti como vamos nos preparar para pegar a Espanha, o Uruguai e seja lá quem for o nosso adversário – disse Keshi.

Stephen Keshi coletiva Nigéria (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Stephen Keshi, técnico da Nigéria, prega respeito ao Taiti (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Curiosidade

O Taiti já jogou um torneio de base importante: o Mundial Sub-20 de 2009, no Egito. Na ocasião, os taitianos perderam para os próprios nigerianos. Cinco jogadores do Taiti estiveram em campo naquela partida: Teheivarii Ludivion, Heimano Bourebare, Steevey Chonh Hue e os irmãos Alvin e Lorenzo Tehau. Da Nigéria, nenhum.

Local: Mineirão, 16h (Brasília)
Árbitro: Joel Aguilar, El Salvador

Taiti: Xavier Samin (Mikaël Roche); Vincent Simon, Tamatoa Wagemann, Jonathan Tehau, Teheivarii Ludivion e Edson Lamaire; Lorenzo Tehau, Henri Caroine, Steevy Chong-Hue e Marama Vahirua; Alvin Tehau. Técnico Eddy Etaeta.

Nigéria: Vincent Enyeama; Efe Ambrose, Godfrey Oboabona, Kenneth Omeruo e Uwa Echiejile; John Ogu, Obi Mikel e Sunday Mba; Anthony Ujah, Ahmed Musa e Nhamdi Oduamadi; Técnico Stephen Keshi.

Por Cleber Aguiar – Série D: Botafogo-PB anuncia Fausto

Fonte: Futebolinterior.com.br

O atacante Fausto (foto), ex-Linense/SP, tem chegada prevista a João Pessoa para a próxima quarta-feira (19), quando deve se apresentar no Centro de Treinamento da Maravilha do Contorno. O atleta tem 32 anos, e no currículo tem passagens pelo Goiás, Juventude/RS, Aschaffenburg-ALE, Uberlândia, Diagoras Rodos-GRE, Botafogo/SP, entre outros.

Fauto foi artilheiro do Campeonato Paulista Série A3 2008, com 25 gols, e Série A 2 2010, com 24 gols. O goleador foi Campeão com o Linense em 2010.

O também atacante Romarinho, ex-Auto Esporte, se apresenta a Comissão Técnica já nesta segunda-feira (17), quando inicia os treinamentos com o elenco no CT. Ele tem 23 anos e já vestiu as camisas do Olinda e do Sport.

O Botafogo volta a entrar em campo no dia 07 de julho, quando vai a Maceió, enfrentar o CSA, em jogo válido pela terceira rodada da Série D.

Fichas Técnica
Nome: Jefferson José Lopes de Andrade
Posição: Atacante
Naturalidade: Recife (PE)
Data de Nascimento: 14/11/1989
Peso: 75
Altura: 177
Último clube: Auto Esporte

Nome: Fausto Luís Momente Silva
Posição: Atacante
Data de nascimento: 12/12/1980
Naturalidade: Mirandópolis (SP)
Peso: 83 kg
Altura: 1,82 m Último clube: Linense/SP.

Por Cleber Aguiar – ‘Ronaldinho Gaúcho e Kaká estarão na Copa do Mundo’, diz Roberto Carlos

Fonte: O Estado de São Paulo

Ex-lateral e agora técnico do Sivasspor, da Turquia, aposta que a dupla retornará à seleção brasileira em 2014

Vítor Marques – O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – Roberto Carlos, aos 40 anos, inicia uma nova carreira, a de treinador, após um flerte com a função de cartola. Porque a história como jogador, longeva e vencedora, terminou na Rússia, no Anzhi, em 2012. “Vivi 25 anos dentro do campo à base de emoções, diretor não é para mim”, disse ao Estado, já de volta ao Brasil após regressar da Turquia, onde acabou de assinar contrato de técnico com o Sivasspor.

Ex-lateral da seleção será comentarista de uma emissora mexicana na Copa das Confederações - Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters
Ex-lateral da seleção será comentarista de uma emissora mexicana na Copa das Confederações

O ex-lateral-esquerdo vai acompanhar do Brasil a Copa das Confederações. Ele será comentarista de uma emissora de televisão mexicana. Na entrevista a seguir, Roberto Carlos dá sua opinião sobre o momento da seleção brasileira, ainda apontada por ele como favorita à conquista agora e na Copa do Mundo. E garante, com a bagagem de quem conhece Felipão, que Ronaldinho Gaúcho e Kaká vão disputar o Mundial de 2014. “O Felipão faz tudo pensado, pode ficar tranquilo, eles estarão na lista da Copa do Mundo, ele já conhece os dois”, afirmou, antes do jogo do Brasil contra o Japão, em Brasília.

ESTADO – Como você vê a seleção que disputa a Copa das Confederações?

ROBERTO CARLOS – Depois do último jogo contra a França dá aquele gostinho bom. Vejo que o Brasil tem tudo para fazer uma ótima Copa das Confederações e, claro, montar um time para a Copa do Mundo. Podemos chegar à final da Copa das Confederações e ano que vem temos tudo para chegar forte na Copa do Mundo, como sempre chegamos.

ESTADO – Após Dunga e Mano Menezes, a dupla Felipão e Parreira era a melhor solução para a seleção?

ROBERTO CARLOS – São pessoas que já conhecem bem os jogadores e sabem o que têm de fazer. Eles já foram vencedores com a seleção. É montar o time e tenho certeza de que seremos campeões.

ESTADO – Após sua saída da seleção, houve um hiato na lateral esquerda. Isso está superado?

ROBERTO CARLOS – Sim, demoramos muito para encontrar um lateral-esquerdo, mas hoje acho que estamos bem servidos, tanto com o Marcelo como com o Filipe Luis. Hoje não teremos dificuldades nessa posição.

ESTADO – Em 2010, acha que você tinha condições de ter ido à Copa?

ROBERTO CARLOS – Pelo que fiz no Corinthians em 2010 tinha total condição de estar entre os dois nomes na lista, talvez não como titular, mas poderia ter feito parte daquele grupo.

ESTADO – Acha que pesou contra você ainda a imagem da derrota para a França, em 2006? Por isso o Dunga riscou sua geração daquela convocação?

ROBERTO CARLOS – Todo mundo estava esperando um momento de deslize nosso para eliminar a gente. Infelizmente é uma coisa normal no futebol brasileiro, isso não vai mudar nunca. Por isso eu desejo sorte a esse novo grupo da seleção brasileira e que esse grupo faça história, porque se perder já tem que mudar de novo, é assim.

ESTADO – Mas o Felipão também não convocou o Ronaldinho Gaúcho. Na sua opinião, ele ainda tem espaço na seleção?

ROBERTO CARLOS – Acho que na Copa do Mundo, ano que vem, tanto ele quanto o Kaká vão estar no grupo que vai disputar a Copa do Mundo, porque Copa do Mundo é diferente de Copa das Confederações. Os dois têm espaço na seleção, com certeza. O Felipão faz tudo pensado, pode ficar tranquilo que eles estarão na lista da Copa do Mundo, ele já conhece os dois.

ESTADO – Neymar vai jogar no Barcelona. Gostaria que ele fosse para o Real, pela sua relação com o clube de Madri?

ROBERTO CARLOS – Queria que ele fosse para o Real Madrid, mas entendo que a decisão é familiar. Desejo sorte a ele, que ele seja feliz nessa nova etapa, porque agora é que vem o que é bom. Se ele quiser ser o melhor do mundo, vai depender dele, da adaptação dele. Ele tem tudo para ser o melhor do mundo, para ter o mesmo sucesso no Barcelona que ele teve no Santos. Só que Europa não é igual ao Brasil. O futebol europeu vai obrigar o Neymar a aprender (taticamente), muda um pouco em relação às nossas características. Mas em um, dois meses ele aprende e vai fazer muita coisa boa.

ESTADO – Por que você decidiu virar treinador?

ROBERTO CARLOS – Fiquei praticamente dois anos no Anzhi e quando fui diretor (depois de parar), não tive tanto contato com jogador, com bola, mas sim controlando o time… E isso não me fazia muito bem, porque eu vivi 25 anos da minha carreira dentro do campo à base de emoções. Acho que diretor não é para mim, não me sentia à vontade.

ESTADO – Você fez algum curso ou estágio com algum treinador?

ROBERTO CARLOS – Fiz na Espanha. Tirei minha licença de treinador e conversei com alguns treinadores com os quais trabalhei como jogador. Falei com o José Mourinho, com Guus Hiddink e com o Zico. Para o Mourinho disse que seria segundo treinador (auxiliar técnico) e ele me disse que não, que para mim seria melhor começar como primeiro treinador pela minha experiência.

ESTADO – Como e por que surgiu o convite do Sivasspor?

ROBERTO CARLOS – Eu tinha falado com um empresário da Turquia, e esse empresário me disse que o presidente do Sivasspor queria saber se eu tinha licença de treinador. Quando falei que sim, falaram comigo diretamente. Só que ainda tinha contrato com o Anzhi e disse que depois voltaríamos a falar. Foi muito rápido. Depois acertamos tempo de contrato, será de dois anos.

ESTADO – Qual é a ambição do seu clube?

ROBERTO CARLOS – A diretoria quer e pensa que podemos conquistar uma vaga na Liga Europa, mas vou tentar colocar o time na Liga dos Campeões. Acho que é possível. O futebol turco hoje está melhor e até mais equilibrado do que quando eu estava jogando lá (no Fenerbahçe). Tem mais qualidade, vai ser difícil chegar entre os três primeiros, mas vejo como algo possível ir à Liga dos Campeões.

ESTADO – Como vai jogar a equipe dirigida por Roberto Carlos?

ROBERTO CARLOS – Depende muito da qualidade do time. Primeiro eu contratei um estafe técnico bom, e a partir daí a gente vai conhecer melhor o time, os jogadores. Depois vamos montar o sistema. Penso no 4-2-3-1 e gostaria de mudar um pouco as características do futebol turco, que é de muita marcação e correria. Nos cinco primeiros jogos devo testar outros sistemas para sentir qual é o melhor para minha equipe.

ESTADO – Pensa em levar algum jogador brasileiro ao Sivasspor?

ROBERTO CARLOS – Quero levar dois brasileiros, um com experiência. Estou pensando no Cicinho (lateral-direito, ex-São Paulo e Real Madrid). E um brasileiro mais jovem, que eu estou procurando aqui na Capital. Quero um jogador de qualidade. O time está com dinheiro para investir.

ESTADO – Você encerrou sua carreira de jogador atuando na Rússia. Valeu mesmo a pena?

ROBERTO CARLOS – Todo mundo sabe que eu queria ficar no Corinthians, mas não precisava passar por situações desagradáveis. Por isso o Anzhi apareceu na hora certa.

ESTADO – Mas você sofreu com o racismo lá. Foi o pior momento que passou jogando futebol?

ROBERTO CARLOS – Depois pediram desculpa. Não é que foi desagradável, o problema é que foi comigo e era um jogo que estava sendo transmitido para toda a Rússia, e causou uma notícia forte no futebol russo. Mas depois contornei tudo, não foi isso que me fez sair da Rússia. Saí de lá porque eles nunca me deram um cargo no qual eu poderia me sentir importante.

ESTADO – Você fez parte do time do Palmeiras que saiu da fila, em 1993, há 20 anos. Como analisa o momento do clube?

ROBERTO CARLOS – É uma pena o Palmeiras estar na segunda divisão. Talvez a falta de organização tenha levado o clube a ficar nessa situação. Agora estão tentando retomar aquela fase boa. Depois o time volta para a Primeira Divisão. A gente torce muito para que um time grande como o Palmeiras, como o Corinthians, não passe por isso.

ESTADO – Quer dirigir um clube no Brasil?

ROBERTO CARLOS – Tudo é possível. Deixa começar minha carreira primeiro. Quem sabe um dia treine um time no Brasil?