Por Cleber Aguiar – Peixe x Timão: clima de ‘despedidas’, tetra inédito e a busca por redenção

Fonte: Globo.com

Na mira de Barcelona e Real, Neymar pode sair com conquista histórica.
Alvo do Inter de Milão, Paulinho quer título para compensar Libertadores

MONTAGEM - Neymar santos e Paulinho Corinthians (Foto: Montagem sobre fotos de Ricardo Saibun / Santos F.C e Daniel Augusto Jr / Agência Corinthians)Neymar e Paulinho: despedida? (Montagem sobre
fotos de Ricardo Saibun e Daniel Augusto Jr)

Chamativo, craque. Repertório inesgotável de dribles. O melhor jogador do Brasil. Traz no DNA a molecagem dos Meninos da Vila: este é Neymar. Discreto, eficiente. Improvável goleador. Mistura da raça exigida por corintianos com a técnica apreciada por quem gosta de futebol: este é Paulinho. Pessoas diferentes, jogadores de estilos opostos. Mas ligados pela tradição do centenário clássico alvinegro. Eles são os destaques de Santos e Corinthians, finalistas do Paulistão. Mas para tristeza das duas torcidas, a decisão deste deste domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pode ser a última dos dois pelos seus clubes.

Na mira de Barcelona e Real Madrid, Neymar poderá selar o fim de um casamento de muitos títulos levantando o troféu do inédito tetracampeonato estadual. E Paulinho briga pela redenção corintiana, após a eliminação na Libertadores, com um título que a Fiel conhece mais do que ninguém (são 26 conquistas estaduais), mas que ainda está em falta na chamada “era Tite”. Tudo sob os olhares do Inter de Milão, que tentará nova investida sobre o volante na janela do meio do ano.

Após a vitória por 2 a 1 no jogo de ida, domingo passado, no Pacaembu, basta ao Timão um empate para quebrar a sequência de títulos santistas. Se quiser fazer história e virar o único time a ser tetra paulista na era do profissionalismo, o Peixe precisa vencer por dois ou mais gols para levantar a taça após o tempo normal. Se vencer por um, força a decisão por pênaltis.

Depois da exclusão do árbitro Rodrigo Braghetto, que tem uma empresa prestadora de serviços ao Corinthians – ele decidiu se aposentar da profissão após a decisão da Federação Paulista de Futebol (FPF) -, Guilherme Ceretta de Lima foi escalado para mediar o clássico. Ele será auxiliado por Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis.

O GLOBOESPORTE.COM acompanha a decisão em Tempo Real, com vídeos, e a TV Globo transmite a partida ao vivo para os estados de SP, RJ, PR, TO, MS, MT, SE, AL, PE, PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP, DF, PE e RS (à exceção das cidades de Pelotas e Rio Grande).
header as escalações 2

Santos: Muricy Ramalho não confirmou a equipe, mas sinalizou que deve repetir a formação utilizada no segundo tempo da primeira final. Se confirmar essa possibilidade, o time titular terá as entradas de Felipe Anderson e André. O comandante diz ainda aguardar até o último momento por Montillo, mas o mais provável é que o argentino só retorne contra o Joinville, na próxima quarta-feira, pela Copa do Brasil. Assim, o provável Santos é o seguinte: Rafael, Bruno Peres, Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior, Arouca, Cícero e Felipe Anderson (Montillo); Neymar e André (Miralles).

Corinthians: apesar da eliminação na Taça Libertadores da América, no meio de semana, o técnico Tite manteve a formação que vem utilizando desde o início do mata-mata do Paulistão. Alexandre Pato segue no banco de reservas. O meio-campo será composto por Danilo, centralizado, com Emerson Sheik e Romarinho pelas pontas. O Timão começa o jogo na Vila Belmiro com Cássio, Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf e Paulinho; Danilo, Romarinho e Emerson Sheik; Paolo Guerrero.

quem esta fora (Foto: arte esporte)

Santos: Giva (pubalgia) e Montillo (estiramento coxa esquerda).

Corinthians: Jorge Henrique (afastado por indisciplina), Renato Augusto (lesão no músculo posterior da coxa direita) e Guilherme Andrade (lesão grave no joelho).

header fique de olho 2

Santos: Neymar. Na luta pela artilharia do Paulistão – tem 12 gols, um a menos que William, da Ponte Preta – Neymar não marca desde o dia 17 de abril, na vitória por 2 a 0 sobre o Flamengo-PI. Desde então, são cinco jogos em jejum. Na finalíssima, o Peixe conta com ele para reverter a vantagem do Corinthians.

Corinthians: Paulinho. Autor do primeiro gol do Timão na vitória no jogo de ida contra o Peixe e também do único gol no empate com o Boca Juniors, no meio de semana, ele se consolidou como peça imprescindível do meio-campo corintiano, especialmente pelos avanços rápidos. É uma preocupação a mais para a defesa adversária.

header o que eles disseram

Muricy Ramalho, técnico do Santos: “Todas as decisões são importantes, vivemos disso. Esse grupo é renovado e já deu resultado. Isso é importante. O tetracampeonato vai ficar para a história. A gente vive disso, e graças a Deus estou em mais uma final”.

Tite, técnico do Corinthians: “A responsabilidade não modifica porque saímos da Libertadores, a responsabilidade é sempre de títulos, vai sempre ter o mesmo peso. Grandes trabalhos sempre disputam títulos. Nossa ambição é grande por essa conquista”.

header números e curiosidades

* Quem tem vantagem? Confira o histórico do confronto na Futpédia

* Clássico mais antigo do futebol paulista, Santos e Corinthians se enfrentaram pela primeira vez no dia 22 de junho de 1913, no Parque Antarctica, que futuramente teria o nome trocado para Palestra Itália. Em partida válida pelo Paulistão, o Santos venceu por 6 a 3, gols de Milton (dois), Arnaldo (dois), Ambrósio e Ricardo. César Nunes, Luis Fabi e Peres descontaram para o Timão.

* Santos e Corinthians terminaram nas duas primeiras posições do Paulistão em oito oportunidades, seis delas em campeonatos por pontos corridos. O Timão levou a melhor em 1928 e 1929. Já o Peixe foi campeão em 1955, 1962, 1968 e 1984.

* No século 21, esta é apenas a quarta vez que o Paulistão tem uma decisão entre dois grandes do estado. Em 2003, Corinthians e São Paulo fizeram as finais, e o Timão foi campeão com duas vitórias por 3 a 2. Em 2009 e 2011, Corinthians e Santos decidiram o título, com cada equipe levando o troféu uma vez.

* Desde o Brasileirão de 2006 que não acontece uma vitória por mais de dois gols de diferença nos jogos entre Santos e Corinthians. A última vez que isso aconteceu foi no dia 5 de outubro, na vitória santista por 3 a 0 no Pacaembu, gols de Kleber, Zé Roberto e Leandro.

header último confronto v2

 

Corinthians e Santos se encontraram no estádio do Pacaembu, no último domingo, pelo jogo de ida da decisão do Campeonato Paulista. Superior na partida, o Timão teve chance de abrir grande vantagem, mas não aproveitou as oportunidades. Fez 2 a 0, com gols de Paulinho e Paulo André, ambos em jogadas de bola parada, mas deixou o Peixe descontar no fim, com o zagueiro Durval.

Por Cleber Aguiar – Trio Fifa vai apitar clássico Ba-Vi do próximo domingo, na final do Baianão

Fonte: Globo.com

Wilson Luiz Seneme será o árbitro da decisão do campeonato estadual

08352800_1336265440

O clássico do próximo domingo entre Bahia e Vitória terá trio de arbitragem da Fifa. A Federação Bahiana de Futebol divulgou a escala para a partida que vai decidir o Campeonato Baiano 2013. O paulista Wilson Luiz Seneme (Fifa) vai apitar o confronto e será auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho e Marcio Eustáquio Santiago.

A partida será realizada às 16h do próximo domingo, no Barradão. Como venceu o jogo de ida, na Arena Fonte Nova, por 7 a 3, o Rubro-Negro pode perder por até quatro gols de diferença e, ainda assim, ser campeão baiano deste ano. A partir das 15h30, você acompanha todas as emoções da decisão do Baianão em Tempo Real no GLOBOESPORTE.COM.

Por Cleber Aguiar – Cruzeiro x Atlético-MG: Clima de ‘ainda não acabou’ nos dois lados da final

Fonte: Lancenet.com.br

Precisando vencer por 3 a 0 e necessitando de manter a vantagem, Cruzeiro e Atlético, respectivamente, vão ao Mineirão sabendo que não há nada definido na decisão

Cuca e Marcelo Oliveira (Fotos: Gil Leonardi e Divulgação/Cruzeiro)
Cuca e Marcelo querem dar continuidade ao sucesso estadual de ambos. Só um conseguirá. (Fotos: Gil Leonardi e Divulgação/Cruzeiro)

O jogo que decidirá o campeão mineiro de 2013 envolve um sentimento comum entre os jogadores envolvidos na disputa Cruzeiro x Atlético-MG. Por um lado, os celestes buscam motivação até de filmes hollywoodianos (‘300’, por exemplo) para reverter a desvantagem do jogo de ida e vencer por três gols de diferença.

Do lado alvinegro do confronto, a ideia é não dar chance para o azar. Como? Levando o superclássico mineiro como se não houvesse o privilégio de levantar a taça mesmo com uma derrota de até 2 a 0 para o rival. Com futebol vistoso e usando força máxima, o Galo quer ‘rodar a faca’ que conseguiu cravar no peito do adversário, no Independência.

O Mineirão será celeste, com apenas 10% da capacidade destinados à torcida do Galo. Não haverá batalha dos torcedores, através de gritos, como visto na inauguração do estádio, mas a cidade de Belo Horizonte, naturalmente, irá respirar o clássico durante todo este domingo.

Treinos secretos foram usados pelos dois lados. Atlético e Cruzeiro estão em um ótimo início de temporada. Enquanto o Galo pretende ir para Tijuana, nas quartas da Libertadores, com faixa de campeão no peito, a ideia da Raposa é levar o título de forma histórica e atropelar na Copa do Brasil, contra o Resende, no jogo de volta.

Para o técnico Cuca, o trabalho feito na semana é o que direcionará o Galo para vencer, mais uma vez, o Cruzeiro, em um domínio que a equipe celeste ainda não foi derrotada (Novo Mineirão).

– O nível de concentração aqui está altíssimo, a confiança para fazer um bom resultado vem do trabalho feito na semana – afirmou.

Já o técnico Marcelo Oliveira acredita que a mobilização da China Azul, ainda acreditando no título, será a força-extra para a missão complicada da Raposa.

– A mobilização e o trabalho feito durante esta semana foram muito bons. Digo em todos os setores do clube, inclusive a torcida. Trouxe uma satisfação enorme, o que a gente espera retribuir em campo – disse Marcelo Oliveira.

Por Cleber Aguiar – Achei! Ruy Cabeção veta filhas em jogos por temer violência de torcidas

Fonte: Globo.com

Emprestado ao América-RN após ter sido destaque do Alecrim no Campeonato Potiguar com 35 anos, ele cita o caso Kevin Spada

Por Tiago MenezesNatal

Ruy Cabeção, volante do América-RN (Foto: Jocaff Souza)Ruy Cabeção treina no América-RN, seu novo clube
(Foto: Jocaff Souza)

Ruy Cabeção já não é um garotinho com o sonho de se tornar um jogador profissional cercado de fama e dinheiro. Aos 35 anos, o agora volante, ex-lateral, já se preocupa com o futuro longe dos gramados e defende a aposentadoria remunerada para os ex-atletas do futebol. Mas antes de pôr um ponto final na carreira, ainda pretende voltar a disputar alguns dos principais campeonatos do Brasil. Recém-contratado por empréstimo pelo América-RN para a disputa da Série B do Brasileiro após ter sido destaque do Alecrim no Campeonato Potiguar, ele não esconde temer a violência das torcidas nas arquibancadas. A ponto de não permitir mais que a mulher e as filhas compareçam aos estádios para assistirem a seus jogos.

– Desde os meus oito anos, quando comecei a frequentar estádios, eu vejo no noticiário que aconteceram brigas, confusões, e que morreu gente. Hoje eu estou com 35 anos, e o noticiário é o mesmo. E nada é feito. Eu, sinceramente, não vejo saída para essa situação. Já cheguei a ser perseguido por torcedores na época do Botafogo. Por isso, eu não levo mais a minha família para os jogos. Não quero que uma das minhas filhas seja o próximo Kevin Spada (torcedor boliviano que morreu após ser atingido por um rojão atirado por um torcedor do Corinthians).

 

A violência no futebol é algo que tira o Cabeção do sério. Mas há outras preocupações. Com passagens por clubes tradicionais do futebol brasileiro, como Cruzeiro, Botafogo, Grêmio e Fluminense, Ruy chegou ao Alecrim, de Natal, após um anúncio feito no microblog Twitter .Pouco depois de ter renovado o contrato até 2016, acabou aceitando proposta de empréstimo para o América-RN, sob o desafio de levar o clube potiguar de volta à elite nacional. E, para que isso aconteça, o “tiozão” garante que ainda tem muita lenha para queimar.

Lema seguido à risca

Uma das frases que Ruy Cabeção costuma postar com frequência no Twitter é “trabalhar sempre, desistir nunca”. Segundo o jogador, esse é seu lema de vida e resume muito bem tudo o que já enfrentou em quase 30 anos de futebol. Ele relembra alguns sacrifícios que precisou fazer para se tornar jogador e destaca o apoio que sempre recebeu da família.

Ruy Cabeção, do Alecrim (Foto: Gabriel Peres/Divulgação)Ruy Cabeção espera ter oportunidade de jogar o Campeonato Brasileiro (Foto: Gabriel Peres/Divulgação)

– Eu comecei a jogar bola com seis anos. Na época de juvenil, no América-MG, eu acordava às 5h e pegava dois ônibus para chegar ao treino. Depois, eu ia direto para a aula. Só dormia meia-noite e meia, e na manhã seguinte já começava tudo novamente. Muito sacrifício. Mas é assim mesmo. Trabalhar, trabalhar e trabalhar sempre. Desistir nunca, porque só assim é que a gente conquista as coisas na vida.

Saudade e ‘adoção’

Ruy Cabeção, do Alecrim (Foto: Gabriel Peres/Divulgação)Ruy Cabeção mata saudade da família pela
internet  (Foto: Gabriel Peres/Divulgação)

Ruy não tem papas na língua e fala sobre qualquer assunto sem problema algum. Uma das poucas coisas que o fazem tirar o sorriso do rosto e se emocionar é falar sobre as duas filhas. Ele diz que morar longe das herdeiras é a sua maior dor, mas afirma que tem uma estratégia para amenizar o sofrimento.

– Isso me incomoda muito, porque eu sei que não vou ver a minha esposa e as minhas filhas quando chegar em casa. Mas chega uma hora em que a gente já não deve sacrificar tanto as pessoas. Eu prefiro que elas fiquem em Belo Horizonte, perto da minha mãe e da minha sogra. Por isso, eu tento me aproximar dos jogadores mais jovens e “adotá-los”, para que eles preencham esse vazio que eu sinto.

Direito trabalhista

A aposentadoria é algo que preocupa Ruy Cabeção. Aos 35 anos, o jogador sabe que a carreira está chegando ao fim e já começa a planejar a vida pós-futebol. Ele defende a ideia de que os atletas devem se aposentar como qualquer outro profissional e convoca os colegas de trabalho para se juntarem a essa luta.

– Eu acho que todo trabalhador tem direito a uma aposentadoria. A gente trabalha com carteira assinada, e todos os nossos impostos são recolhidos. Então, o jogador também tem que receber uma ajuda do governo para não acabar na miséria. Cerca de 90% dos jogadores de futebol do Brasil ganham menos que dois salários mínimos. Fico me perguntando como esse pessoal vai conseguir tirar o sustento da família no futuro.

Contra o fim dos estaduais

Ruy Cabeção, volante do América-RN (Foto: Jocaff Souza)Ruy Cabeção defende a manutenção dos estaduais
(Foto: Jocaff Souza)

O fim dos campeonatos estaduais é um assunto que volta e meia aparece nas discussões de mesa de bar e debates de programas de rádio e TV. Ruy é totalmente contra essa hipótese e tem argumentos fortes para a manutenção das disputas regionais.

– Muitos atletas trabalham apenas quatro meses durante o ano e vivem os outros oito meses com o dinheiro que ganharam durante os estaduais. O que vamos fazer com os jogadores que ficam sem emprego durante dois terços do ano? É nos estaduais que eles tentam mostrar serviço e buscar uma vaga em uma outra equipe que tenha calendário até o fim do ano. Temos estádios gigantescos espalhados pelo país. O que a gente vai fazer com eles caso os estaduais acabem?

Ressurgimento no Alecrim

Segundo Ruy, o fator financeiro pesou muito para jogar na capital do Rio Grande do Norte. Ele revela que o acerto com o Alecrim só foi concretizado na época porque o técnico Roberto Fernandes, do América-RN, o convenceu a aceitar a proposta da equipe natalense. Com o bom desempenho, Roberto Fernandes acabou puxando-o com Elton para disputar a Série B no Mecão.

Ruy Cabeção é a estrela do Alecrim no Campeonato Potiguar (Foto: Augusto Gomes)Ruy Cabeção foi um dos astros do Alecrim no Campeonato Potiguar (Foto: Augusto Gomes)

– Uma das coisas que me convenceram a jogar em Natal foi a conversa que tive com o professor Roberto. Nós tivemos um momento muito bom no Náutico, e, quando surgiu a proposta do Alecrim, foi para ele que eu liguei e procurei me informar. Hoje a gente vê equipes tradicionais com dificuldades de cumprir com as suas obrigações. São poucas as que pagam os salários em dia. Sobre isso, não tive o que reclamar do Alecrim. E isso traz uma tranquilidade muito grande para o profissional.

Ruy Cabeção, do Alecrim (Foto: Tiago Menezes)Ruy apostou em projeto do Alecrim, que não atingiu
objetivos no Estadual (Foto: Tiago Menezes)

Como não tinha mais chances de chegar à final do Estadual nem de se classificar para a Série D do Brasileiro, o Alviverde, sem calendário oficial para o restante da temporada, acabou emprestando Ruy e Elton para o América. Outras “estrelas” do time, como Claiton (ex-Inter, Botafogo, Flamengo e Atlético-PR) e Stefano Seedorf (holandês primo do craque Clarence Seedorf, do Botafogo), poderão ter férias forçadas até o fim do ano. Mas o volante, que anunciou a renovação de contrato até 2016, acha que poderá ser útil ao América.

– Agora é casa nova. O estado é o mesmo e estou muito feliz com a oportunidade. Mas isso só foi possível graças ao Alecrim, onde renovei por mais três anos e agora consegui esse acerto com o América. Vamos conhecer os novos companheiros, para que nós possamos fazer um grupo forte para esse difícil campeonato, que é a Série B.

Ruy Cabeção espera cumprir bem a missão. E se depois tiver que retornar ao Alecrim, garante ter motivação extra.

– Montamos um grupo qualificado, com grandes jogadores, mas infelizmente não alcançamos o objetivo traçado pela diretoria. Mas valeu a tentativa do presidente Anthony (Armstrong). Foi uma atitude bem arrojada, de tentar resgatar um clube que passava por dificuldades financeiras há vários anos. O importante é que ele tem o pensamento de continuar com esse projeto. E eu quero fazer parte desse processo de ressurgimento do Alecrim – disse.

Por Cleber Aguiar – ALAGOANO: Mesmo com regulamento esdrúxulo, CRB sagra-se bi-campeão

Fonte: Futebolinterior.com.br

O galo venceu o “clássico das multidões! nos pênlatis

 Em um dos “clássicos das multidões” mais emocionantes dos últimos tempos, o CRB foi prejudicado por um regulamento muito polêmico que não leva em conta o saldo de gols na final e precisou ir até os pênaltis para sagrar-se bi-campeão alagoano.
Com a vitória no tempo regulamentar por 1 a 0, gol de Elyeser, o CSA conseguiu levar o jogo para a prorrogação, que acabou sendo marcante no alagoano deste ano, já que as semifinais também haviam sido decididas em prorrogações. Porém, desta vez nem o tempo extra foi suficiente para decidir o campeão alagoano e somente nas penalidades o CRB conseguiu o título.O jogo
Como era esperado, CRB e CSA fizeram um bom jogo no Rei Pelé. Assim como na partida de ida, realizada no sábado passado, o Galo começou indo para cima do Azulão, mas não conseguiu inaugurar o placar. Mesmo precisando de gol para levar a partida para a prorrogação, o CSA ficou mais acuado no campo de defesa e só assustou em raras jogas de contra-ataque.

A primeira boa chance de gol aconteceu aos 16 minutos. Depois da falha de Rogerinho, Everton Luiz acertou um cruzamento na cabeça de Schwenck, que ajeitou para Carlão, mas o atacante acabou dando de peixinho na bola, que passou ao lado do gol do CSA. A resposta do Azulão apareceu aos 24 minutos. Diego Clementino balançou a trave do goleiro Galatto, mas a jogada já estava parada por ter sido assinalado impedimento.

O Galo perdeu o goleiro Galatto, que saiu chorando de campo com uma lesão e foi substituído por Tiago. Mesmo assim, o time regatiano continuou em cima do CSA e só não foi para o intervalo na frente do placar porque o Azulão se segurou bem no campo de defesa. Jairo e Schwenck assustaram nos instantes finais da primeira etapa.

Gol para ir à prorrogação
Mesmo com alterações, o CSA manteve a mesma postura no segundo tempo e foi pressionado pelo CRB em seu campo de defesa. O Galo cansou de desperdiçar gols e o Azulão só foi começar a atacar em busca do gol a partir dos 30 minutos da segunda etapa. Antes disso, o CRB teve mais posse de bola e dominou a partida.

Aos seis minutos do 2º tempo, Carlão recebeu um cruzamento da direita e cabeceou para o gol, mas a bola passou ao lado do gol defendido pelo goleiro Flávio. A resposta do CSA veio três minutos depois, quando o artilheiro Everaldo acertou a trave do gol defendido por Tiago.

A melhor chance da segunda etapa foi aos 15 minutos e foi do Galo. Carlão tabelou com Schwenck e ficou livre para finalizar para o gol, depois de bom chute, o goleiro Flávio foi buscar no cantinho e fez a defesa.

Quando o CSA resolveu atacar, acabou abrindo o marcador. Depois de grande jogada de Marielson, Clementino recebeu e tocou para Elyeser ficou cara a cara com o goleiro Tiago e marcou um golaço, para a tristeza da torcida regatina presente no Rei Pelé. O gol deu ainda mais ânimo ao CSA e o CRB não conseguiu chegar mais ao ataque, com isso, a decisão foi para a prorrogação.

Prorrogação e pênaltis
No início da prorrogação, assim como foi no tempo regulamentar, o CRB pressionou o CSA, que se mostrava um time mais cansado em campo. Por outro lado, a torcida do Azulão, feliz pelo time ter conseguido chegar até a prorrogação, cantava mais forte no Rei Pelé. Sem chances de gol, os primeiros 15 minutos continuou sem definir a partida.

Nos últimos 15 minutos, o CRB continuou em cima do CSA. Aos cinco minutos Pikachu por muito pouco não marcou em um chute de fora da área, mas a bola foi desviada para escanteio. O Azulão se segurou e a partida acabou indo para os pênaltis.

Nas cobranças de pênaltis, acabou sendo feita a justiça e o CRB levou a melhor, sagrando-se bi-campeão alagoano.

CRB 0 x 1 CSA
Fase
Final
Rodada
Data
18/05/2013
Horário
16h00
 
Local
Estádio Rei Pelé, em Maceió (AL)
 

Árbitro
Péricles Bassols

Assistentes
Altemir Hausmann-RS e Fábio Pereira-TO

 
 

 

 
 

Cartões Amarelos
CRB:Éverton Luiz, Jairo, Walter Minhoca, Audálio
CSA:Rodolfo, Eliéser, Robson
 
 

Gols
CSA: Eliéser 34′ 2T
 

CRB

Galatto (Tiago);
Paulo Sérgio, Audálio, Marcus Vinícius e João Victor;
Everton Luiz, Johnnattan, Walter Minhoca e Jairo (Pikachu); 
Schwenck e Carlão (Denílson).

Técnico: Ademir Fonseca

 

CSA

Flávio;
Leandrinho (Marielson), Leandro, Adalberto e Rogerinho (Anderson Oliveira);
Robson, Rodolfo (Fabiano), Elyeser e Alex Henrique;
Everaldo e Diego Clementino.

Técnico: Beto Almeida

Por Cleber Aguiar – De saída? Corinthians recebe proposta milionária por Romarinho

Fonte:Futebolinterior.com.br

Bayer Leverkusen ofereceu 12 milhões de euros pelo jogador

roma

 O Corinthians foi eliminado pelo Boca Juniors na última quarta-feira na Libertadores, no domingo, joga a final paulista contra o Santos, mas em 2012, conquistou títulos importantes e seus jogadores vem sendo observados por clubes de todo o mundo. Neste sábado, recebeu uma proposta oficial, do Bayer Leverkusen, de 31 milhões de reais pelo meia-atacante Romarinho.
A comissão técnica pediu para que o jogador ficasse no clube, mas a diretoria estuda a proposta e afirmou que tem outros clubes interessados na contratação do jogador. Caso a negociação seja concretizada, o Corinthians receberá uma bolada, já que possui 40% dos direitos federativos do atleta, que foi contratado quando estava no Bragantino.Mesmo pela excelente proposta pelo jogador, a diretoria do Corinthians não mostrou interesse pela negociação. Jovem e titular, os mandatários acreditam que poderão receber ainda mais num futuro. Nesta janela de transferência, o único que deve deixar o time é o volante Paulinho, que tem recebido muitas propostas pelas boas atuações que tem feitas.

Após a decisão paulista, a diretoria deve realizar uma entrevista coletiva para explicar o futuro do time. O volante Maldonado e o goleiro Walter, ex-União Barbarense, devem ser anunciados de forma oficial. Além do meia Ibson, que está em negociação com o clube.

Por Cleber Aguiar – CSKA empata com Krasnodar, mas garante título do Campeonato Russo

Fonte: Gazetaesportiva.net

cska_vagnerlove_campeao_ap.jpg_95

Após conquistar três títulos russos entre 2003 e 2006, o CSKA Moscou passou por jejum na competição mais importante de seu país. No entanto, neste sábado, o time da capital russa empatou por 0 a 0 com Kuban Krasnodar, na Arena Khimk, e garantiu o tetracampeonato do torneio nacional com uma rodada de antecedência.

Com o resultado obtido neste sábado, o CSKA chegou aos 64 pontos, abrindo seis pontos de vantagem para o atual campeão, Zenit, que ainda enfrenta o Volga, neste domingo, no Stadion Petrovskij. O clube de São Petersburgo ainda pode alcançar o rival de Moscou na pontuação, mas levaria desvantagem no número de vitórias (20 a 17).

Aualmente, o CSKA conta com os brasileiros Mário Fernandes e Vágner Love em seu elenco. Contatado junto ao Grêmio por 10,5 milhões de euros (aproximadamente R$ 27,4 milhões) em maio de 2012, o lateral direito teve participação efetiva na campanha do título ao disputar 27 partidas, sendo 26 como titular. Já o centroavante, campeão em 2005 e 2006, retornou ao clube no início deste ano após passagem pelo Flamengo e marcou cinco gols em oito jogos.

O CSKA volta a entrar em campo no próximo domingo, às 06h30 (de Brasília), quando mede forças com o Rostov, no Stadion Olimp 2, em partida válida pela 30ª rodada. Já em 1º de junho, o clube de Moscou enfrenta o Anzhi Makhachkala , no Stadion Akhmat-Khadi Kadyrova, na final da Copa da Rússia.

Por Cleber Aguiar – BRASILIENSE: Romarinho marca e Brasiliense é octacampeão

Fonte: Futebolinterior.com.br

Bocão fez o primeiro gol no novo Estádio Mané Garrincha

 O título do Campeonato Brasiliense é do Jacaré. O Brasiliense venceu o Brasília por 2 a 0, na partida de volta da grande decisão, no novo Estádio Mané Garrincha, neste sábado, e se tornou octacampeão Estadual. Os gols foram marcados por Bocão, Washington e Romarinho. No duelo de ida, O Esquadrão Amarelo já tinha vencido pelo placar mínimo. O ex-atacante do Palmeiras foi o vice-artilheiro da competição com dez gols.

Com apenas 12 anos de existência, o Brasiliense alcança o mesmo número de títulos Estaduais do Brasilía. O Gama segue na frente com dez, mas vê o rival encostando nos últimos anos.

A partida era dada como especial principalmente por dois atletas do Brasiliense. O capitão e veterano Baiano completou na decisão o seu 30º jogo com a camisa do Jacaré. Já Iranildo conquistou o segundo título no Estádio Mané Garrincha. Em 1997, vestindo a camisa do Flamengo, o jogador foi campeão da Copa dos Campeões da Libertadores, onde reunia todos os brasileiros campeões da competição continental.

Mais cedo, o Estádio Mané Garrincha recebeu uma visita ilustre da presidente Dilma Rousseff, juntamente com o governador Agnelo Queiroz. Dilma deu o pontapé inicial do novo estádio, que abrigou cerca de 20 mil pessoas nesse sábado.

Tudo igual…
Empolgado com a estreia no novo Estádio Mané Garrincha, o Brasiliense começou dando pressão no Brasília nos 15 minutos iniciais. Bocão, Washington e Baiano chegavam com perigo ao gol adversário, mas Marcão foi bem quando solicitado e impediu o Jacaré de abrir o marcador.

O Brasília respondeu logo depois e por pouco não balançou a rede. Luquinhas fez boa jogada e Giba ficou perto de guardar, se não fosse Luan, que afastou o perigo, jogando a bola para escanteio. Depois do lance, a partida ficou truncada. O Jacaré, mesmo com mais posse de bola, insistia em jogar pelo meio, o que fez com que esbarrasse na forte marcação adversária.

Aos 36 minutos, Iranildo perdeu boa chance cara a cara com o goleiro, porém, a jogada animou o Brasiliense que foi para cima. Três minutos depois, Bocão fez um belo gol, mas o árbitro marcou impedimento do jogador, anulando assim o gol do Jacaré. Em seguida, Giva também marca para o Brasília, mas o juiz marcou novamente posição irregular.

Brasiliense marca dois e fica com a taça
O segundo tempo mal começou e o Brasiliense abriu o placar, dando um grande passo rumo ao título. Bocão aproveitou belo passe e chutou cruzado para o fundo das redes. O lateral marcou o primeiro gol do novo Estádio Mané Garrincha. Aos 14 minutos, por pouco Peninha não fez o segundo, acertando a trave do Brasília.

Aos 18, Giba quis dar uma de Maradona, bateu com a mão na bola, mas Welder fez linda defesa. Porém, o árbitro já tinha parado o lance e acabou punindo o jogador com o cartão amarelo.

Para selar o marcador, Washington e Romarinho deixaram os seus. Aos 34 minutos, Romarinho, filho do craque Romário, fez uma linda jogada e tocou para Washington mandar para o fundo das redes, marcando o segundo do Brasiliense. Aos 47, assim com o pai, Romarinho fez o terceiro do Jacaré e o gol do título. Com a camisa do Vasco, Romário cansou de marcar gols decisivos, que gerou títulos para o clube.

Confira a partida da grande decisão:
Sábado

Brasiliense 2 x 0 Brasília

Ficha Técnica

Brasiliense 3 x 0 Brasília
Fase
Final
Rodada
Data
18/05/2013
Horário
16h00
 
Local
Estádio Boca do Jacaré, em Brasília (DF)
 
 
 
 Renda
Não divulgada

 

 Público
Não divulgada
 

Cartões Amarelos
Brasiliense:Fábio Braz, Baiano, Éverton, Julio Bastos, Washington
Brasília:Miltão, Giba, Luquinhas, Júnior, Danilo, Vitinha
 
 

Gols
Brasiliense: Romarinho 47′ 2T, Bocão 4′ 2T, Washington 34′ 2T
 

Brasiliense

Welder;
Bocão, Fábio Braz, Luan e Jefferson;
Júlio Bastos, Everton (Luis Augusto), Baiano e Iranildo (Peninha);
Gizo (Romarinho) e Washington

Técnico: Márcio Fernandes

 

Brasília

Markão;
Bruno (Matozinho), Miltão, Danilo e Kaká;
Marciel, Alisson (Paulinho), Valdeir (Junior) e Vitinha;
Luquinhas e Giba

Técnico: Gauchinho