Por Cleber Aguiar – A hora do último teste para o Vasco

Fonte: O Dia Online

Cruzmaltino entra em campo contra o Figueirense neste sábado

O DIA

Santa Catarina – A uma semana da estreia no Brasileirão, o Vasco entrará em campo neste sábado, em amistoso contra o Figueirense, às 16h, no Orlando Scarpelli, para o seu último teste. Ainda muito longe do ideal, o técnico Paulo Autuori quer pelo menos confirmar que o mês sem jogos foi produtivo e suficiente para introduzir na equipe seu sistema tático.

Vasco disputa amistoso em Floripa

De olho na partida com a Portuguesa, dia 25, o comandante revelou que não vai fazer tantas alterações no time em relação à partida da última semana contra o Tupi. Ainda existe uma dúvida no gol entre Michel Alves e Diogo Silva, mas a tendência é que o Gigante da Colina seja escalado com Nei, Luan, Renato Silva e Yotún; Sandro Silva, Fellipe Bastos, Wendel e Dakson; Eder Luis e Tenorio.

Mesmo sem contar com os reforços que tanto pediu à diretoria do clube desde a eliminação no Estadual de forma melancólica, Paulo Autuori tem arregaçado as mangas para criar uma base na equipe. Por isso, ele não fez mistério e afirmou ter a última oportunidade de avaliar seu time antes do Brasileirão.

“Vou entrar em campo contra o Figueirense já pensando na estratégia que vamos utilizar para o primeiro jogo do Campeonato Brasileiro. Tiveram algumas parcerias que gostei de ver e que vou repetir. A ideia é que, a partir de segunda-feira, os jogadores já vão saber quem vai estar no time titular contra a Portuguesa”, definiu Paulo Autuori.

O treinador acredita que com os jogadores que tem à disposição o Vasco poderá mostrar serviço nas primeiras cinco rodadas da competição — o Campeonato Brasileiro depois fará uma pausa para a Copa da Confederações. Segundo ele, o mais importante já aconteceu, pois os jogadores assimilaram o traba</CL>lho feito em São Januário.

“Estou feliz porque todos os atletas assimilaram o trabalho no aspecto tático. Todos estão conscientes das nossas limitações, mesmo estando bem fisicamente e tecnicamente. Minha preocupação é que os jogadores saibam o que tem de ser feito taticamente. Sou obsessivo nisso, pois, neste momento, tenho precisado de todas as opções possíveis”, disse.

Leonardo fora dos planos. Diretoria assegura goleiro

Leonardo chegou no início do ano para acabar com a carência no ataque. Ele, entretanto, tem convivido com lesões nos dois tornozelos e perdeu espaço no Vasco. A diretoria confirmou ontem que vai negociar o centroavante com outro clube.

Quem também pode deixar São Januário é o goleiro Alessandro, que não foi relacionado para o amistoso com o Tupi, semana passada, e não viajou com o grupo para Florianópolis. No caso do camisa 1, o diretor René Simões, porém, assegura a permanência dele em São Januário.

“Paulo Autuori está observando os outros goleiros e isso não quer dizer que o Alessandro está fora. Ele faz parte do grupo”, afirmou o dirigente.

Sobre Leonardo, que continua treinando com o restante do grupo, René agora espera uma proposta para abrir mão do atleta. “É uma situação que vamos estudar com todas as partes envolvidas quando a proposta chegar”, disse.

Por Cleber Aguiar – Joias Perdidas: esperanças no Inter, Diego e Diogo viram ‘ciganos da bola’

Fonte: Globo.com

Com encontros e desencontros, gêmeos não se tornam os craques que um Inter bem diferente do atual imaginava, mas têm carinho da torcida colorada

Por Diego GuichardPorto Alegre

Em época de vacas desnutridas, em que o Inter ainda não tinha na sala de troféus taças como as da Libertadores ou do Mundial de Clubes, as principais esperanças da torcida repousavam sobre a base. Mas a pressão não desabava em cima de um só jogador. Dois nomes envergavam o futuro vermelho no início dos anos 2000. Colecionadores de títulos durante a formação, os gêmeos Diego e Diogo eram perspectiva de dias melhores para os colorados. Tornaram-se sinônimos de esperança.

Filhos de João Carlos – ex-lateral-direito do Inter de 1979 – , Diego e Diogo estão hoje a quilômetros de distância um do outro e também do clube em que foram lançados. Continuam ligados, porém, pelo sentimento. O primeiro é camisa 10 do Nacional, de Portugal, e o segundo busca a vaga de titular no ABC, de Natal.

Diego e Diogo na base do Inter (Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS)Diego e Diogo nos tempos de base do Inter (Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS)

Em conversa com o GLOBOESPORTE.COM, ambos falam do passado no Inter com saudade. Há todo um tom nostálgico entre eles, de um passado que poderia ser mais vitorioso, com mais títulos .

– Nós fomos lançados para o grupo profissional em época de muita pressão e cobrança. Todo mundo escutava falar de Diego e Diogo. Não que tenhamos decepcionado, mas se subíssemos em um momento como o de hoje, com uma base a mais, acho que seria mais fácil. Não me arrependo. Foi através dali que fomos para o mundão. Mas, claro, queríamos dar títulos ao clube – afirmou Diego.

Divisor de águas

Gêmeos Diogo e Diego, ex-Inter (Foto: Divulgação)Gêmeos Diego e Diogo quando jogavam
juntos no futebol chinês (Foto: Divulgação)

Enquanto o Inter atravessava provavelmente o momento mais drástico de sua história, escapando do rebaixamento somente na derradeira rodada do Brasileirão de 2002, a diretoria, comandada pelo presidente Fernando Carvalho, projetava a temporada seguinte focada em reformulação. O conceito baseava-se na renovação do elenco a partir da valorização das categorias de base. E o orgulho do torcedor se renovava quando escutava os nomes de Diego e Diogo, que soavam quase interligados um ao outro.

Personagens constantes em categorias de base da Seleção, os gêmeos alcançaram protagonismo, no entanto, no time colorado sub-15, em 2000. Comandada pela dupla, a equipe infantil conseguiu o feito que somente seria conquistado pelo grupo profissional seis anos depois. A euforia foi tanta que o Beira-Rio passou a ostentar o letreiro “Campeão do Mundo Sub-15”.

– O Inter não ganhava nada, não tinha título de expressão. Acho que se criou uma esperança para o clube. Foi legal, teve um reconhecimento – relembrou Diego.

A excitação da torcida contagiou a imprensa. A partir de então, Diego e Diogo se tornaram populares nas páginas de jornais e em reportagens de televisão. Eram considerados como “joias raríssimas”, conforme jornais da época.

Só que esse status-relâmpago oferecido aos garotos também gerou certo problema: quadruplicou a responsabilidade dos meninos que iniciavam a vida de boleiros profissionais. Eles passaram a conviver com pressão, mesmo somente com 17 anos, na época.

– Quando éramos da base, estávamos loucos para nos tornarmos logo profissionais. Quando aconteceu, criou-se uma carga em cima de nós – opinou o atacante.

ABC x Sport (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)Diogo em campo pelo ABC contra o Sport Recife
(Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Especialmente Diego viveu momentos importantes pelo Inter. Logo na primeira temporada, em 2003, assegurou a vaga de titular. Ao lado de Daniel Carvalho e Nilmar, formou o chamado “trio de ouro”, ajudando o clube a conseguir boa campanha no Brasileirão (ficou a um ponto da vaga na Libertadores). Só que, naquela temporada, as convocações para a seleção sub-20 acabaram prejudicando o desempenho do time gaúcho. Os três participaram do Sul-Americano da categoria, em que o Brasil acabou derrotado na decisão pela Argentina. Já no fim do ano, Diego ficou fora da lista para o Mundial. Nilmar e Daniel Carvalho foram titulares na campanha do título e acabaram tendo trajetória mais expressiva do que a do colega de Beira-Rio.

Na temporada seguinte, em 2004, Diego cresceu a partir do meio do ano, com Muricy Ramalho no comando. Participou da campanha na Sul-Americana e viu o clube cair para o Boca Juniors na semifinal. Chegou a marcar um gol na Bombonera.

Faltaram oportunidades, na visão de Diogo

O outro irmão, Diogo, também recorda dessa arrancada da carreira com carinho. Só que há uma pequena frustração no meia do ABC: a falta de oportunidades. Ao contrário de Diego, ele não conseguiu emendar uma sequência para ganhar a chance de ser titular.

– Poderia ter recebido mais oportunidade, mais chance no Inter, por saber o nosso potencial… Na base, éramos os destaques. O clube poderia ter nos dado mais confiança. Tivemos inúmeras oportunidades de sair do Inter, mas a ideia era sempre ficar, dar o retorno esperado – avaliou Diogo.

Gêmeos Diogo e Diego, ex-Inter (Foto: Arquivo pessoal)Diego e Diogo à mesa com um amigo: dupla era considerada joia rara no Inter  (Foto: Arquivo pessoal)

E então os gêmeos se separaram pela primeira vez. Diogo acabou emprestado para clubes como Figueirense, Paulista, Coritiba (em que foi campeão da Série B), Ipatinga e Bragantino. Em 2005, Diego passou uma temporada no Santos. E quando teve a oportunidade de enfrentar o Inter, em um Beira-Rio lotado? A torcida se manifestou pela cria colorada, em tom de reverência, respeito.

– Até hoje, quando estou no Brasil, os colorados são bem simpáticos comigo e com o Diogo. Criou-se aquele vínculo com o Inter. Quando voltei, em 2005, para jogar com o Santos no Beira-Rio, o estádio todo gritou meu nome. Foi emocionante – lembrou.

Fomos lançados para o grupo profissional em época de muita pressão e cobrança. Todo mundo escutava falar de Diego e Diogo. Não que tenhamos decepcionado, mas se subíssemos em um momento como hoje, acho que seria mais fácil.”
Diego,
ex-atacante do Inter

Só que o destino do mundo da bola quis novamente que o futebol dos irmãos se cruzasse. Em 2008, Diego chegou ao Guangzhou Pharmaceutical, da China. Na temporada seguinte, foi a vez de Diogo ser contratado. Os gêmeos estavam juntos novamente, e o sucesso foi imediato: viraram ídolos da torcida.

Para Diogo, principalmente, foi como uma retomada. Depois de alguns problemas de lesões, ele voltava a atuar bem, se destacava… No aniversário dos gêmeos, em 1º de abril de 2009, uma surpresa: os dois receberam bolo no intervalo de uma partida, ainda no gramado.

– Foi um presente bem diferente, difícil de acontecer. Teve jogos em que eles levaram faixas minhas e do Diogo – contou o irmão.

Mas então houve uma notícia desagravável. O Guangzhou acabou punido por “negociar resultados”. Logo, a associação acabou rebaixada e fechou por alguns meses. E os irmãos voltaram a se separar.

Diogo circulou no meio futebolístico. De volta ao Rio Grande do Sul, atuou por Caxias e Novo Hamburgo. Também passou por Botafogo-SP, Bonsucesso e Sport antes de chegar ao ABC.

– Sei que tenho condições para atuar nas séries A e B. Confio no meu futebol e vejo que tem muito espaço. Depende só de mim.

Já Diego está há três anos no Nacional da Ilha da Madeira, de Portugal. E pretende ficar por lá por pelo menos mais uma temporada, quando encerra o contrato.

Com 28 anos, Diego e Diogo ainda têm vida longa no futebol. Sobre as origens, lamentam a falta de títulos maiores pelo Inter. Mas sentem que fazem parte de uma geração que catapultou a instituição para a fase atual.

Por Cleber Aguiar – BRASILIENSE: Brasiliense tenta confirmar título em inauguração de nova casa

Fonte: Futebolinterior.com.br

Jacaré decide estadual contra Brasília na inauguração do Mané Garrincha

 A reabertura do Estádio Mané Garrincha será em grande estilo. Brasiliense e Brasília decidirão quem ficará com o título de Campeonato Candango. A partida acontecerá neste sábado, às 16 horas, com o Jacaré

jogando com a vantagem do empate para levantar o título estadual de 2013.

 

O Brasília, por sua vez, precisa ganhar por um ou mais gols de diferença para ser campeão candango. O regulamengo confuso garante o título estadual com um empate, pois o artigo 6º do regulamento aponta que caso o Brasilia vença, as duas equipes se igualariam em número de vitórias (8). O critério seguinte seria o saldo de gols. Na primeira partida, o Jacaré venceu por 1 a 0.

“O Regulamento do Candangão é claro. Eu participei da confecção deste regulamento e conheço o seu conteúdo. Ele repete praticamente o mesmo do ano passado”, afirmou Roberto Marques, diretor de futebol do Brasília.

Outra grande polêmica aconteceu fora dos gramados. Apenas dois mil torcedores conseguiram comprar ingressos para o duelo. Os outros 20 mil foram distribuídos aos convidados e operários que trabalharam na obra de construção do Mané Garrincha.

Problemas
O time do técnico Márcio Fernandes tem desfalques do atacante Rodrigo Tiuí e o meia Lucas, ambos entregues ao departamento médico. Já o lateral direito Thiago Crispim está à disposição do treinador.

“Trabalhamos bastante, agora é a hora de buscarmos o título. É triste saber que poucos torcedores tiveram oportunidade de comprar ingressos”, afirmou Márcio Fernandes em entrevista à Rádio Mais FM.

Na espera
O Colorado do DF aguarda pelo seu departamento médico para saber qual time entrará em campo, pois tanto o volante Pedro Ayub como o atacante Giba estão lesionado. O zagueiro Danilo Mendes foi punido por quatro jogos de suspensão, pela expulsão frente ao Brasiliense. O departamento jurídico do clube trabalha para conseguir um efeito suspensivo.

“Temos problemas de lesões, mas temos de buscar forças para irmos ao encontro da vitória. Nas duas vitórias que tivemos frente ao Brasiliense foram por dois gols de diferença”, disse Gauchinho, técnico do Brasília, à Rádio Mais FM.

Por Cleber Aguiar – Santos acerta com Henrique, do Mogi Mirim, mas ‘segura’ anúncio

Fonte: Globo.com

Peixe tem acordo para contratar centroavante do Sapão, mas só deve divulgar depois da final do Paulistão. Atleta admite conversas

Por Guto Marchiori e Marcelo HazanMogi Mirim, SP e Santos, SP

Henrique Mogi Mirim Santos Atacante (Foto: Rafael Bertanha / E aí? Produções)Henrique foi vice-artilheiro do Mogi no Paulistão, com
oito gols (Foto: Rafael Bertanha / E aí? Produções)

O Santos tem tudo acertado para contratar o centroavante Henrique, do Mogi Mirim. Destaque do Sapão no Campeonato Paulista, com oito gols marcados, o atleta de 23 anos teria seu vínculo encerrado no fim do mês de maio, mas vai para a Baixada Santista. Apesar disso, a diretoria do Alvinegro não se pronuncia sobre negociações durante a semana que antecede a final do estadual contra o Corinthians, neste domingo, às 16h, na Vila Belmiro. O anúncio deve ser feito após a decisão. Duas fontes do Peixe e uma do clube do interior confirmam a informação.

O próprio Henrique admite que conversa com o Peixe, mas ainda adota cautela para não atrapalhar o desfecho da sua transferência. Livre e jovem, o atleta tem o perfil procurado pela diretoria, que observava destaques do estadual para pinçar contratações sem fortes investimentos.

– Meu procurador está cuidando desta situação, mas no momento não posso comentar o assunto. Sei que existe o interesse do Santos, mas prefiro aguardar para saber como vai ser essa definição – diz o centroavante.

Henrique formou o ataque do Mogi Mirim ao lado de Roni, que foi vendido ao São Paulo. A melhor apresentação do camisa 9 foi diante do Botafogo-SP, na goleada por 6 a 0, pelas quartas de final. Naquele jogo, ele marcou três vezes.

Henrique Mogi Mirim (Foto: Nelson Antoine / Ag. Estado)Henrique atuou com a camisa 9 do Sapão e agora deve jogar pelo Peixe (Foto: Nelson Antoine / Ag. Estado)

Em função do fim da parceria entre Energy Sports e Mogi, quase toda a base do time destaque do interior no estadual foi desfeita.

Além de Henrique, o Santos tem tudo certo com outro atacante: Willian José, do Grêmio. Apenas detalhes separam o anúncio oficial do acordo entre santistas e gremistas, já que o clube gaúcho vai repassar o jogador por empréstimo.

Com a contratação iminente de dois novos centroavantes, crescem as chances de o Peixe negociar André com o Vasco. O jogador pertence ao Atlético-MG, mas está emprestado até o fim do ano. Para liberá-lo, porém, o Santos quer receber uma compensação financeira do clube carioca. Em São Januário, o acordo é dado como “99%” fechado.

O Mogi Mirim se desfez de todo o time titular no Paulistão. Apenas João Paulo (lateral-esquerdo) e Roger Gaúcho (meia) ainda não definiram por quais times irão atuar, mas não ficarão. Os outros titulares foram para: Daniel e Magal (Ponte Preta), Caramelo e Roni (São Paulo), Lucas Fonseca (Bahia), Tiago Alves (Palmeiras), Wagner (São Caetano) e Val (Flamengo).

Confira a ficha técnica de Henrique:

Nome completo: José Henrique da Silva Dourado
Data de nascimento: 15/09/1989 (23 anos)
Posição: Atacante
Altura: 1,79m
Peso: 77 kg
Clubes na carreira: Santo André (2011), Cianorte-PR (2011-12), Chapecoense-SC (2012), Cianorte-PR (2012) e Mogi Mirim (2013).

Por Cleber Aguiar – Palpiteros.com coloca fã perto de Neymar

Fonte: Futebolinterior.com.br

O torcedor precisa mostrar que entendem mesmo de futebol

 Foi com o objetivo de aproximar ainda mais o torcedor brasileiro do ídolo da Seleção Brasileira, que surgiu a ideia do Desafio Neymar Jr de 

videogame, que foi ao ar na última quarta-feira, fruto de uma inciativa da rede social Palpiteros.com em parceria com um site de e-commerce que está oferecendo a ação.

Para participar da açãotodos podem encontrar as informações sobre como concorrer noperfil oficial da rede parceira,através doendereçowww.palpiteros.com/groupone então concluir seu cadastrona rede Palpiteros.com e dar seus palpites sobre os jogos das quatro primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro, que começa neste sábado.

O torcedor precisa mostrar que entendem mesmo de futebol. A promoção é gratuita. Todos podem participar e arriscar a chance de mostrar que pelo menos no videogame alguém pode barrar Neymar Jr.

Ganhará a promoção o torcedor que tiver seguido as regras da campanha e feito o maior número possível de pontos nos palpites pré-jogo que já estão disponíveis no Palpiteros através do link www.palpiteros.com/groupon.

“É a oportunidade que muitos garotos das regiões mais afastadas do país terão para estar ao lado do seu ídolo e mostrar que também entendem de futebol”, completou Eduardo Ruschel, CEO e fundador do Palpiteros.

Neymar Jr também falou sobre a ação: “Sempre fico feliz de proporcionar alegria ao torcedor brasileiro. E fazer isso com um dos meus passatempos prediletos, é ainda mais gostoso”, comentou, animado sobre enfrentar um fã no videogame.

Por Cleber Aguiar – Miranda marca, Atlético bate Real, quebra jejum e leva a Copa do Rei

Fonte: Globo.com

Na prorrogação, zagueiro brasileiro faz o gol da vitória por 2 a 1 e
garante o título para os colchoneros, que não venciam o rival há 14 anos

Na última vez que o Atlético de Madri havia vencido o Real Madrid, o zagueiro Miranda tinha apenas 15 anos e se limitava a sonhar em atuar na Europa. Pois coube ao defensor brasileiro a honra de quebrar o jejum dos colchoneros contra o maior rival. E em grande estilo: com um gol de cabeça na prorrogação, o brasileiro garantiu a vitória por 2 a 1 sobre os merengues, que deu o título da Copa do Rei, em pleno Santiago Bernabéu, nesta sexta-feira.

Os 14 anos de sofrimento da torcida colchonera sem vitória no clássico – o triunfo mais recente foi em outubro de 1999 – foram recompensados com juros em apenas 120 minutos. Além do fato de ganhar um título na casa do rival, o Atlético quebra um jejum de 25 jogos sem derrotar o Real. De quebra, ostenta um retrospecto impressionante no estádio merengue: nas últimas seis vezes que disputou uma final no Santiago Bernabéu, o time vermelho e branco saiu vencedor. Ao todo, já são 10 títulos da Copa do Rei.

Mosaico Copa do Rei Real Madrid Atletico de Madri final (Foto: Editoria de Arte)

Miranda, porém, não foi o único protagonista de uma partida tensa, repleta de faltas e cartões. José Mourinho, com sua saída do Real cada vez mais desenhada, foi expulso no segundo tempo por reclamar do árbitro. Diego Costa e Falcao brilharam no ataque colchonero, enquanto Cristiano Ronaldo levou perigo, quase decidiu o jogo para os merengues, mas perdeu a cabeça no fim da partida e recebeu o cartão vermelho após um entrevero com Gabi, dando início a uma rápida confusão fora dos gramados. Courtois, por sua vez, fez uma defesa espetacular no fim, em chute de Özil quase na pequena área, sacramentando o triunfo do Atlético.

Real aproveita nervosismo rival e sai na frente

A princípio, parecia que o longo jejum do Atlético atrapalharia novamente os jogadores da equipe. Muito nervosos, os colchoneros mal conseguiam trocar passes no início da partida e eram pressionados pelo Real Madrid. Cristiano Ronaldo, em particular, estava à vontade em campo. Com espaço, o craque deu o primeiro susto em Courtois num chute de fora da área, que foi desviado pela zaga e quase encobriu o arqueiro.

Aos 13 minutos, porém, não teve jeito. Após escanteio cobrado da direita, CR7 subiu livre, sem ser incomodado por Godín e Falcao, e cabeceou no canto direito do gol, abrindo o placar para os merengues. Àquela altura, a hegemonia blanca não dava sinais de acabar.

Cristiano Ronaldo comemora gol Real Madrid Atletico de Madri (Foto: AP)Cristiano Ronaldo sai para festejar seu gol, o primeiro na partida (Foto: AP)

El Tigre e Diego Costa despertam o Atlético

O Atlético, porém, acordou. Mais ligado no jogo, o time, na base da raça, conseguiu equilibrar as ações, embora a falta de criatividade ainda atrapalhasse na hora de criar jogadas. Entretanto, a nova postura foi suficiente para os colchoneros voltarem à partida. Bastou um momento de inspiração de Falcao, até então isolado na zaga merengue.

Aos 34 minutos, o artilheiro colombiano resolveu surpreender. Em vez de esperar a bola no ataque, recuou ao meio de campo. Seu perseguidor Albiol veio atrás, mas em vão. Após deixar o zagueiro na saudade, Falcao deu um belo passe para Diego Costa, que bateu na saída de Diego López para deixar tudo igual e se garantir como artilheiro isolado da Copa do Rei, com oito gols.

Diego Costa gol Atlético de Madri Real Madrid final Copa do Rei (Foto: Reuters)Diego Costa extravasa após marcar o gol de
empate do Atlético de Madri (Foto: Reuters)

Segundo tempo movimentado

O empate tirou o medo do Atlético. No segundo tempo, mais solto, o time colchonero abdicou da postura mais recuada para encarar o rival. Com isso, a partida ficou movimentada, com chances de gol dos dois lados.

Pelo Atlético, Filipe Luís acertou um belo chute de primeira, após cruzamento de Gabi, que passou perto do gol de Diego López, aos 14 minutos. Mas foi o Real que assustou mais. Primeiro, aos 16, Cristiano Ronaldo fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Benzema, que acertou a trave. No rebote, Özil tentou a finalização, mas Juanfrán tirou em cima da linha. Depois, aos 23, CR7, à la Ronaldinho Gaúcho, mandou a bola na trave após cobrança de falta.

Aos poucos, porém, a tensão tomou conta da partida. Em vez de lances de gol, o jogo passou a se resumir a faltas no meio de campo e cartões amarelos. Özil chegou a dar uma bolada no bandeirinha, enquanto Diego Costa foi advertido, levando o técnico Simeone ao desespero. Para completar, Mourinho foi expulso aos 31 minutos, ao deixar a área técnica para criticar o árbitro. O Atlético ainda ensaiou uma pressão no fim, mas, com o futebol esquecido, o duelo se encaminhou naturalmente para a prorrogação.

Miranda vira herói

No tempo suplementar, as forças mudaram de lado de vez. O Real Madrid fez logo três alterações, tentando minimizar o cansaço, mas foi o Atlético, com a mesma equipe que iniciou a partida, que dominou as ações e se aproximou do gol. Primeiro, Diego Costa recebeu ótimo passe de Arda Turan, mas chutou fraco, para boa defesa de Diego López.

MIranda gol Real Madrid Atletico de Madri (Foto: Reuters)Miranda cabeceia para o fundo das redes: momento histórico para o Atlético (Foto: Reuters)

Entretanto, a torcida colchonera não precisou esperar muito para soltar o grito redentor de gol. Aos oito minutos do primeiro tempo da prorrogação, Koke cruzou da direita, e Miranda se antecipou a Diego López no primeiro pau para empurrar a bola para as redes, libertar o Atlético do jejum e garantir a festa do lado vermelho e branco de Madri.

Depois disso, o futebol deu lugar às polêmicas. Cristiano Ronaldo se desentendeu com Gabi e foi expulso. Do lado de fora, Diego Simeone e Diego Costa partiram para cima do banco de reservas do Real, com Pepe e seus colegas exaltados. Em campo, faltas, cartões amarelos e vermelhos – Gabi foi o agraciado – e discussões. Mas o torcedor do Atlético não deve ter visto. Estava muito ocupado comemorando nas arquibancadas.

Atletico de Madri taça Copa do Rei Real Madrid (Foto: EFE)Com a taça, jogadores do Atlético dão início à festa colchonera (Foto: EFE)

Por Cleber Aguiar – Mercadão nacional! Veja que jogadores estão disponíveis para o seu time

Fonte: Lancenet.com.br

LANCE!Net lista peças que não estão sendo muito utilizadas e seriam negócios fáceis

Com os estaduais chegando ao fim e o Brasileirão se aproximando, é hora de pensar em reforços para a competição nacional mais importante do ano. Opções no mercado brasileiro não faltam e o LANCE!Net garimpou os jogadores – do gol ao ataque – que sairiam com uma certa facilidade de seus clubes e poderiam dar certo com novos ares.

A constatação é que as peças disponíveis não podem ser descartadas. Tem até ex-Seleção Brasileira, como o volante Renato, do Botafogo, que é reserva. Para a posição dele ainda aparecem, por exemplo, o flamenguista Ibson, que já foi oferecido ao Corinthians, e o são-paulino Fabrício.

Por falar no Tricolor paulista, o clube também tem outro que já passou pela Seleção e está disponível no mercado: lateral-esquerdo Cortez. Sem espaço entre os titulares, ele, assim como Fabrício, fez parte do grupo de afastados pela diretoria depois da eliminação tricolor da Libertadores da América. Sem sair da lateral, Cicinho não vai renovar com o Sport e está aberto a propostas.

 

A prateleira futebolística também tem opções para a zaga. Alguns itens estão com um pouco de poeira, como Alex Silva, do Flamengo, e Victorino, do Cruzeiro. Os dois tem sofrido com lesões. O primeiro, por enquanto, está saudável, enquanto o uruguaio não joga há mais de sete meses. Uma opção mais eficaz pode ser o botafoguense Antônio Carlos. Ele virou reserva com a ascensão de Dória e a chegada de Bolivar.

Na seção dos jogadores mais criativos, as ofertas são o chileno Valdivia, que o Palmeiras está louco para vender. Quem preferir um artigo não tão frágil pode conversar com Alexandre Kalil e tentar tirar o meia-atacante Guilherme do Atlético-MG. Contratação mais cara do futebol mineiro, ele não conseguiu seu espaço entre os titulares do Galo.

Outro nome é Jorge Henrique. Afastado do Corinthians por indisciplina, acertar com o atacante será um negócio fácil. Wallyson, que fez parte da barca do São Paulo, também é uma opção.

Dando uma passadinha de olho nos goleiros, Marcelo Lomba não está nos planos do Bahia, assim como Júlio César, terceira opção para a meta do Corinthians.

A lista é extensa e não para nos jogadores citados. Quem vai às compras? Tenham um bom Vaivém.

Montagem-Encostados_LANIMA20130516_0205_48 Montagem-Encostados_LANIMA20130517_0114_47

ATLÉTICO-MG
– Guilherme (A)
– André (A)
– Neto Berola (A)
– Serginho (V)

BOTAFOGO
– Antônio Carlos (Z)
– Renato (V)
– Henrique (A)
– Lucas Zen (V)

CORINTHIANS
– Júlio Cesar (G)
– Chicão (Z)
– Douglas (M)
– Jorge Henrique (A)
– Zizao (A)

CRUZEIRO
– Victorino (Z)
– Nirley (Z)

FLAMENGO
– Alex Silva (Z)
– Ibson (V)

GRÊMIO
– Fábio Aurélio (LE)

INTERNACIONAL
– Dátolo (M)
– Gilberto (A)
– Cassiano (V)
– Dalton (Z)

PALMEIRAS
– Wendel (V)
– Valdivia (M)

SANTOS
– Guilherme Santos (LE)

SÃO PAULO
– Cortez (LE)
– Cañete (M)
– Fabrício (V)
– João Filipe (Z)
– Wallyson (A)

VASCO
– Thiago Feltri (LE)

MAIS POR AÍ…
– Marcelo Lomba (G, Bahia)
– Magal (LE, Bahia)
– Danny Morais (Z, Bahia)
– Pablo (LE/Z, Bahia)
– Cicinho (LD, Sport)
– Felipe Menezes (M, Sport)