Por Cleber Aguiar – PATO DECIDE, GANSO E FABULOSO ERRAM, E CORINTHIANS ESTÁ NA FINAL

Fonte: Globo.com

Decisão por pênaltis tem erros de craques tricolores. Pato põe Timão na decisão e homenageia namorada com ‘flechadas de amor’

A CRÔNICA

por Diego Ribeiro e Cleber Akamine

Pato, Rogério Ceni, e um pênalti decisivo. Assim como no primeiro clássico do ano entre São Paulo e Corinthians, na fase de classificação do Paulistão, os dois craques ficaram frente a frente na disputa que levou o Timão à decisão do estadual para enfrentar o Santos. Pato precisou bater duas vezes para fazer 4 a 3 nas penalidades e classificar os alvinegros – na primeira cobrança, Rogério Ceni se adiantou demais e a arbitragem mandou voltar.

Na comemoração, Pato imitou um arqueiro, atirando flechas imaginárias pelo ar. Ele explica que foi uma homenagem à namorada, Barbara Berlusconi.

– São flechadas de amor…

O Corinthians agora pega o Santos na final, com o primeiro jogo no Pacaembu, no próximo domingo, e o segundo com o mando do rival na Vila Belmiro. Pelo sétimo ano consecutivo o São Paulo cai na semifinal estadual.

Os principais craques do São Paulo erraram: Ganso chutou por cima, e Luis Fabiano parou em Cássio, que só precisou de uma defesa para ajudar o Corinthians a se classificar. Após a polêmica do último pênalti, os tricolores dispararam em direção ao árbitro Antônio Rogério Batista do Prado, muito mal durante toda a partida.

Rogério Ceni bateu o primeiro e ainda cumprimentou Cássio. Na sequência, se esticou, mas não alcançou a cobrança perfeita de Douglas. Em seguida, Rafael Toloi e Romarinho mantiveram o empate. Na terceira bola, Ganso chutou alto, longe, sem chances de gol. Fábio Santos desempatou, Jadson devolveu a igualdade, que permaneceu com um chute de Alessandro na trave. Fabuloso errou, e Pato decidiu.

Independentemente do resultado, o fato é que os dois rivais precisam melhorar demais se quiserem avançar na Libertadores. O Timão precisa vencer o Boca Juniors no próximo dia 15 de maio, no Pacaembu, enquanto o Tricolor necessita bater o Atlético-MG na próxima quarta-feira, no Independência. Ninguém mostrou gana suficiente para um jogo tão decisivo quanto o Majestoso deste domingo.

Pato comemoração Corinthians São Paulo Paulista (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Pato festeja a classificação do Timão à final do Paulistão (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Muita tensão para pouco futebol

O clássico cercado de expectativas, com jogadores técnicos dos dois lados, não passou de promessa no primeiro tempo. Um jogo muito mais brigado do que jogado, e com enorme colaboração do árbitro Antonio Rogério Batista do Prado, que conseguiu a façanha de irritar as duas equipes. Um pisão de Romarinho em Wellington deu início ao clima tenso, que continuou com entradas duras de Rafael Toloi, nervosismo de Romarinho e reclamações de todos os lados.

Esses fatores emocionais são importantes no clássico, mas não suficientes para vencê-lo. É por isso que não houve grandes chances de gol. O São Paulo sempre um pouco melhor, é verdade, já que jogava em casa e contava com um Luis Fabiano esfomeado para balançar as redes em uma partida decisiva – o melhor chute do primeiro tempo foi dele, de fora da área, rebatido por Cássio.

O Tricolor foi melhor até quando ficou sem Osvaldo, logo aos 10 do primeiro tempo, por causa de uma pancada no quadril – Douglas entrou em seu lugar. A dupla formada por Ganso e Jadson abriu espaços e tentou sempre servir Luis Fabiano. O camisa 9 até fez seu gol, aos 36 minutos, mas estava impedido e o lance foi anulado. O Corinthians, aliás, correu riscos com sua tática defensiva de sempre tentar deixar o adversário na “banheira”.

A equipe de Tite se segurou demais, apostou apenas nos contra-ataques e não levou perigo a Rogério Ceni. Muito marcado, Guerrero travou duelo particular com Rafael Toloi, que reclamou:

– Ele deixa o braço toda hora e eu que levo cartão.

– Muita luta, tem que deixar o braço, futebol tem que ser assim – rebateu Guerrero, na saída para o intervalo.

Retraído e esperando o São Paulo, o Corinthians teve dificuldades para atacar. Emerson Sheik e Romarinho foram muito abaixo da média, aceitando a marcação adversária. Ao menos, os alvinegros conseguiram empatar o placar de gols anulados: Gil mandou a bola para as redes aos 41 minutos, mas também estava impedido. O clássico pegou fogo pela tensão, e não pelo futebol bem jogado.

Emerson jogo Corinthians São Paulo Paulista (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Emerson disputa a bola com Douglas. Jogo foi amarrado (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

 
Só pênaltis dão emoção

Guerrero estava mesmo em um conflito permanente com os zagueiros são-paulinos, irritado com a falta de oportunidades. Por isso, ele resolveu ajudar de outras formas, saindo da área, atuando até como meia e puxando o melhor contra-ataque do Corinthians no jogo: passe perfeito para Emerson Sheik, que chutou para a primeira defesa de Rogério Ceni no clássico. Mesmo com a quase assistência, Guerrero foi substituído por Alexandre Pato.

A intenção de Tite era dar mais velocidade ao contra-ataque, claro, mas o São Paulo percebeu logo a tática corintiana e tratou de não deixar o rival jogar. Ligeiramente melhor, o Tricolor comandou as ações no seu ritmo e chegou perto do gol aos 21 minutos: falta de Jadson, quase desvio de Paulo Miranda e ótima defesa de Cássio.

A qualidade técnica do clássico continuou decepcionante, longe de agradar os quase 30 mil pagantes no Morumbi – público também abaixo do esperado. A arbitragem fraca permitiu novas polêmicas, quase todas envolvendo Emerson Sheik. Uma mão no rosto de Wellington e uma entrada mais forte em Paulo Miranda causaram revolta dos são-paulinos, que queriam a expulsão do adversário. Sheik só levou amarelo. Atento e precavido, Tite o substituiu por Douglas.

O Majestoso estava tão sem graça que o árbitro não quis saber de acréscimos: encerrou a partida com 45 minutos cravados. Com as penalidades, enfim um pouco de emoção após o morno segundo tempo.

Nas cobranças, o Corinthians foi mais preciso. Converteu quatro de cinco cobranças, enquanto o Tricolor desperdiçou duas. O Timão faz mais uma final contra o Santos. A terceira em cinco anos – as outras duas foram em 2009, com título da equipe do Parque São Jorge, e 2011, com conquista santista.

Por Cleber Aguiar – Atlético-MG goleia Tombense e garante vaga na final

Fonte: Gazetaesportiva.net

Em sua outra decisão da semana, o Atlético-MG não encontrou dificuldades para vencer e chegar à final do Campeonato Mineiro. Mesmo tendo vencido a primeira partida, na casa dos adversários, por 2 a 0, o Galo entrou forte, não demorou para mostrar sua superioridade e derrotou o Tombense por 5 a 1, neste domingo, no Estádio Independência.

Com alguns jogadores poupados, a equipe comandada pelo técnico Cuca entrou em campo muito forte no ataque e os gols não demoraram a aparecer. O primeiro, inclusive, saiu logo aos dois minutos de jogo, com Luan. Os outros gols do time vencedor foram marcados por Gilberto Silva, Leonardo Silva, Josúe e Guilherme. Já o único dos visitantes foi marcado por Junior Negão, artilheiro da competição com oito gols.

Agora, o Atlético-MG provavelmente enfrentará o Cruzeiro na final. Embora o outro finalista só seja decido na quarta-feira, com o segundo jogo da semifinal, a Raposa venceu o primeiro contra o Villa Nova por 4 a 0 e pôs um pé na decisão.

O jogo – Mesmo com jogadores importantes sendo poupados, a equipe da casa não perdeu sua força. A substituição de alguns atletas foi boa para outros mostrarem o seu trabalho. Um exemplo disso foi Luan, que logo aos dois minutos recebeu ótimo passe de Marcos Rocha pela direita e deu um carrinho para empurrar para as redes e inaugurar o marcador.

Mantendo a bola dominada, a equipe alvinegra trocava passes no meio de campo em busca de espaços na defesa adversária. Sem pressa, o ataque mostrou eficiência e, Diego Tardelli, aos 11 minutos teve a chance de marcar mais um gol. Em um chute de fora da área, o atacante quase fezum golaço, mas o goleiro fez uma ótima defesa e espalmou para escanteio.

Na cobrança, mesmo a jogada não dando certo, a bola sobrou para Marcos Rocha do lado esquerdo. Com categoria, o lateral achou Gilberto Silva dentro da área e o zagueiro contou com a má saída de Marcelo Carné para ampliar.

Na sequência, o Atlético continuoubem no ataque e quase aplicou uma goleada nos minutos seguintes. Após receber passe de Tardelli, Jô chutou e obrigou o goleiro a fazer boa defesa. Em seguida, Marcos Rocha recebeu passe de Bernard e tentou dar um toque sutil para marcar, mas sem sucesso.

A partir daí, o jogo esfriou, o time da casa ainda continuou atacando, mas sem grande efetividade. Enquanto isso, o Tombense mal chegava ao gol adversário. Um dos lances mais preocupantes nesse período sem grandes oportunidades aconteceu aos 26 minutos, quando Bernard fez uma jogada e logo em seguida pôs a mão no ombro e pediu para sair. Guilherme entrou em seu lugar. O ombro que o atleta demonstrou dores é o mesmo que o deixou fora dos campos por três semanas.

O Atlético-MG voltou a marcar aos 41 minutos, mais uma vez com um zagueiro. Depois de cobrança de falta de Tardelli, que faz a função de Ronaldinho, Leonardo Silva antecipou o zagueiro, fez o terceiro e deixou o resultado muito favorável antes da equipe ir aos vestiários.

Na volta para o segundo tempo, depois de duas chances, Guilherme, mesmo muito marcado, deu um ótimo passe para Josué, que recebeu sozinho e tocou na saída do goleiro para marcar o quarto. A reação do Tombense aconteceu aos 23 minutos. Em jogada pelo lado esquerdo,Leonardo Silva fez pênalti em Alex. Na cobrança, Junior Negão bateu no canto esquerdo de Victor e se isolou na artilharia com oito gols.

Mesmo descontando, a equipe do interior mineiro tomou mais um gol poucos minutos depois. Aos 29, Alecsandro, que entrou no lugar Jô, chutou e o árbitro interpretou que a bola bateu na mão do zagueiro. O próprio atacante e o lateral Richarlyson decidiam quem iria bater até que o nome de Guilherme foi gritado pela torcida. Vaiado por parte do público no Independência e recebendo apoio de outra, ele foi para a cobrança lentamente e deslocou o goleiro para marcar o quinto e dar números finais à partida.

Por Cleber Aguiar – Taça Farroupilha (Final) – INTER SOFRE NA SERRA, MAS BATE JU NOS PÊNALTIS E CONQUISTA O TRI DO GAUCHÃO

Fonte: Globo.com

Partida terminou em 0 a 0 no tempo normal e Inter levou o título na disputa dos pênaltis, por 4 a 3

A CRÔNICA

por Diego Guichard

Um título que valeu por dois. Na tarde deste domingo, o Inter venceu o Juventude por 4 a 3 nos pênaltis, no Centenário, em Caxias do Sul, e saboreu a sua supremacia durante todo o Gauchão. Com a vitória, a equipe do técnico Dunga, que já havia conquistado o primeiro turno, também levou para casa a Taça Farroupilha e, de quebra, o direito de soltar o grito de tricampeão.

A tranquilidade em erguer a taça sem a necessidade de dois jogos finais não foi vista no jogo contra o Juventude. Pelo contrário. Foi uma batalha. Houve equilíbrio durante praticamente toda a disputa, que terminou em 0 a 0, e teve de ser decidida nos pênaltis. Nas cobranças, a maior qualidade e tranquilidade do Inter prevaleceu. Moisés errou o último pênalti e deu o título ao adversário.

Com o 42º título de Estadual assegurado, o Inter agora volta o foco para as competições nacionais. Se prepara para a Copa do Brasil e Brasileirão, enquanto o Juventude inicia os trabalhos visando a disputa da Série D, não sem antes reclamar com intensidade de um gol anulado pelo árbitro Márcio Chagas da Silva, ainda no primeiro tempo.

Primeiro tempo truncando

Assim que o árbitro Márcio Chagas da Silva deu o apito inicial, o time de Dunga projetou-se ao ataque, tentando ocupar o setor ofensivo. Em campo, Dunga escalava o que tinha de melhor: D’Alessandro, Diego Forlán, Damião e companhia.

Só que a ofensividade não está restritamente ligada a efetividade. Do lado Alviverde. Lisca surpreendeu ao colocar o volante Gustavo na vaga do meia Rogerinho. Estava ali claramente armada uma retranca. Só que não se tratava de uma estratégia sem  fundamente. O treinador colocava os 10 jogadores de linha para marcar. Até mesmo os avançados Bergson e Zulu auxiliavam, fechando as subidas dos laterais Gabriel e Fabrício.

Bronca do Ju

Nesse sistema de erro e acerto, o Ju trabalhava em cima dos erros colorados, cedendo a maior posse de bola ao adversário.  Primeiro, aos 10 minutos, Willians acabou desarmado por Bergson na saída de bola. Do lance, surgiu um escanteio. E nesse cruzamento, o lance mais polêmico na partida. O zagueiro Rafael Pereira testou com competência e chegou a comemorar a abertura do placar. Só que Márcio Chagas entendia a marcação de falta em cima de Willians, anulando o gol.

A reposta colorada saiu em lance despretensioso aos 12. Gabriel cruzou em curva, de tal forma que a bola foi em direção a meta. Atendo, Fernando se espichou todo para evitar o prejuízo e acabou se colidindo com a própria trave. Seguiu no jogo, após atendimento médico.

O jogo era truncado, quase sem espaços. Aos 15, Bergson arriscou de fora da área. Muriel defendeu, sem problema. Instantes depois, o mesmo Bergson interceptou saída errada de Gabriel e cruzou para a área. Por detalhe, Zulu chegou atrasado.

Leandro Damião jogo Internacional Juventude (Foto: Itamar Aguiar / Futura Press)Leandro Damião disputa a bola com o zagueiro do Juventude (Foto: Itamar Aguiar / Futura Press)

Se a partida era morna em campo, esquentou com um princípio de confusão. Willians sofreu falta na lateral de Bergson, e houve empurra-empurra. D’Alessandro e Lisca discutiram na lateral, mas o juiz mandou seguiu.

Até o final do primeiro tempo, não foram criadas oportunidades realmente claras. Pelo Inter, Rodrigo Moledo aproveitou cruzamento de Fabrício, mas desviou alto. Só que o Juventude saiu na bronca para o intervalo. O descontentamento estava no semblante fechado e tom de vez do técnico Lisca.

– Nós já sabíamos – resumiu.

Segundo tempo

Parte da torcida do Inter deu mal exemplo durante o intervalo. Houve briga entre torcidas e a Brigada Militar teve de intervir. Mas quando a bola voltou a rolar, os ânimos se acalmavam.

O panorama da partida seguida o mesmo: o Inter com iniciativa e o Juventude nos contra-golpes, de forma inteligente. Aos dois minutos, Fred tentou da intermediária. Bem colocado, Fernando defendeu.

E então veio o lance de Muriel na partida. Depois de cobrança de falta, Diogo ajeitou de cabeça e Zulo bateu como recomenda o manual de centroavantes: com força e velocidade. Só não contava com o braço salvador do camisa 1 do Inter, que se jogava no gramado e operava lance digno de beatificação.

Só que o Juventude recuava em excesso, se defendendo com duas linhas, deixando somente Zulu como referência ofensiva. Já o Inter ciscava, girava, mas pouco finalizava. Veio então um problema para Dunga. Damião caiu no gramado, chorando de dor. Teve de ser substituído por Caio. Ou seja, o treinador mudava o estilo de jogo: centralizava Forlán e abria lances de velocidade com o atleta recém ingresso. Do lado alviverde, Rogerinho entrava na vaga de Bergson.

A partida esquentou e ganhou intensidade nos minutos finais. Por duas vezes, Fernando salvou a equipe de Lisca. Após cruzamento de Forlán, Fabrício cabeceou e o goleiro fez grande defesa. Na sequência, Fred girou na intermediária e fez uma pancada precisa. Mais uma vez, o arqueiro espalmou.

O Inter tomou conta do jogo, amassou o adversário, mas a bola não entrou. Com isso, veio o drama dos pênaltis. E a angústia só aumentou para os colorados. O ídolo D’Alessandro cobrou o primeiro e perdeu. Mas depois Juan, Forlán, Fabrício e Caio marcaram e ainda contaram com o erro de Moisés para coroar a campanha com a taça.

Por Cleber Aguiar – Botafogo vence o Fluminense, conquista a Taça Rio e leva o Campeonato Carioca

Fonte: Portal IG

Como já havia conquistado o primeiro turno, triunfo por 1 a 0 no clássico garantiu também o título estadual ao alvinegro

bota

Com um gol de Rafael Marques no primeiro tempo, o Botafogo derrotou o Fluminense por 1 a 0, neste domingo, em Volta Redonda, e além de conquistar a Taça Rio, também levou o Campeonato Carioca, por ter vencido a Taça Guanabara. Este é o vigésimo título dos alvinegros na história dos Estaduais. A equipe repete o feito de 2010, quando também levou o Carioca de forma direta.

Em um primeiro tempo muito movimentado, mas sem muitas chances claras de gol, o Botafogo acabou marcando o gol aos 40 minutos, com Rafael Marques, aproveitando bola rebatida de Dória. Na etapa final, os alvinegros foram superiores durante boa parte do jogo e ainda despediçou um pênalti com Seedorf.

A partir de agora, o Botafogo passa a pensar na Copa do Brasil, pois terá o jogo de volta contra o CRB, em Volta Redonda. Já o Fluminense foca somente na Libertadores e no confronto da volta contra o Emelec-EQU, nesta quarta-feira, em São Januário. Os tricolores precisam da vitória para avançar na competição sul-americana.

O jogo
O duelo começou tenso, com os jogadores das duas equipes muito nervosos. Os contatos físicos mais bruscos aconteceiam com mais frequência e fez com que o árbitro Marcelo de Lima Henrique distribuísse três cartão amarelos com menos de dez minutos. Com este panorama, nenhum lance de mais perigo foi criado pelos times em Volta Redonda.

Após o primeiros minutos, os ânimos foram sendo acalmados e a partida passou a ficar movimentada. O Fluminense, com a necessidade da vitória, buscava mais o ataque. A primeira boa chance do jogo aconteceu aos 25 minutos quando Carlinhos foi cruzar e quase colocou para a rede. O goleiro Jéfferson estava atento e fez a defesa. Seis minutos depois, foi a vez de Rhayner finalizar e o goleiro alvinegro salvar a equipe. O Botafogo melhorou a partir dai e respondeu em cobrança de falta de Seedorf que Diego Cavalieri defendeu.

No entanto, aos 40 minutos, os alvinegros abriram o placar no Raulino de Oliveira. O lateral direito Lucas arriscou de longe, a bola bateu em Dória e sobrou para Rafael Marques, que finalizou sem chance para Diego Cavalieri.

O revés foi sentido pelos tricolores, que quase sofreram o segundo aos 43 minutos quando Fellype Gabriel recebeu passe dentro da área, mas chutou por cima do travessão. Antes do intervalo, Wellington Nem teve a oportunidade de igualar o placar, mas no momento em que foi finalizar de voleio, foi bloqueado por dois alvinegros. Assim, o Botafogo terminou a primeira etapa muito próximo do título.

Dhavid Normando/Futura Press

Botafogo x Fluminense

No segundo tempo, mesmo com a vantagem no placar, o Botafogo que teve a primeira boa chance, logo com três minutos. Seedorf recebeu pela direita e, na entrada da área, chutou para boa defesa de Diego Cavalieri. Os alvinegros seguiram melhores e quase marcaram seis minutos depois. Em troca rápida de passes, Seedorf tocou para Rafael Marques na área, mas o atacante finalizou por cima do travessão.

Aos poucos, o Fluminense conseguiu equilibrar o confronto e passou a avançar com mais organização. Os tricolores tiveram sua primeira oportunidade aos 20 minutos, com Thiago Neves em chute de fora da área, mas Jéfferson fez boa defesa. A resposta do Botafogo veio em seguida, com Lodeiro, só que o meia tentou de cobertura e colocou para fora.

O Fluminense poderia ter empatado aos 25 minutos, quando Wellington Nem achou Leandro Euzébio livre na área. No entanto, de frente para Jéfferson, o zagueiro optou por esperar um possível pênalti, mas viu o goleiro ir na bola e salvar os alvinegros.

Depois de um período sem muitos momentos de perigo, o Botafogo teve a chance de liquidar a partida aos 35 minutos. Após cruzamento, o árbitro marcou pênalti de Digão em Bolívar. No entanto, no mesmo lance, Dória apareceu para marcar o gol, que acabou invalidado. Na cobrança, Seedorf colocou no travessão.

Nos minutos finais, o Fluminense ainda esboçou uma reação buscando o empate, mas pouco produziu para levar perigo para Jéfferson. Assim, o Botafogo chegou ao título da Taça Rio com uma campanha perfeita, só com vitórias e coroou a conquista do Campeonato Carioca.

 Botafogo 1 x 0 Fluminense – Final

Taça Rio 2013

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 0 FLUMINENSE

Local: Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ)
Data: 5 de maio de 2013, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Dibert Pedrosa (RJ) e Ediney Mascarenhas (RJ)
Cartões amarelos: Gabriel e Marcelo Mattos (Botafogo); Edinho, Leandro Euzébio, Thiago Neves e Wellington Nem (Fluminense)
Gols: BOTAFOGO: Rafael Marques, aos 40min do primeiro tempo

BOTAFOGO: Jéfferson; Lucas, Bolívar, Dória e Júlio César (Lima); Marcelo Mattos, Gabriel, Fellype Gabriel, Seedorf (Lucas Zen) e Lodeiro; Rafael Marques (Vitinho)
Técnico: Oswaldo de Oliveira

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Digão, Leandro Euzébio e Carlinhos; Edinho (Felipe), Jean, Thiago Neves e Wagner; Wellington Nem (Michael) e Rhayner (Samuel)
Técnico: Abel Braga

Botafogo Campeão da Taça Guanabara 2013

Por Cleber Aguiar – Soberano x Todo-Poderoso: jogo dos milhões decide vaga na final

Fonte: Globo.com

Maiores receitas do Brasil, craques badalados e disputa por ‘fama’
apimentam semifinal do Paulista entre Tricolor e Timão no Morumbi

Sozinhos, São Paulo e Corinthians são gigantes. Juntos, ainda maiores. A disputa ferrenha entre os rivais históricos é o que faz ambos quererem cada vez mais conquistas, mais dinheiro, mais poder. Donos das duas maiores receitas do Brasil e de dois dos apelidos mais “grandiosos” do futebol brasileiro (clique aqui e veja o ranking), o “Soberano” e o “Todo-Poderoso” se enfrentam neste domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, na luta por uma vaga na decisão do Campeonato Paulista – contra o Santos, que busca um inédito tetracampeonato. Será um Majestoso dos milhões.

Montagem Ganso Pato, São Paulo x Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)Ganso e Pato representam grandes contratações de São Paulo e Corinthians (Fotos: Marcos Ribolli)

O Tricolor quer voltar a justificar sua soberania, enquanto o Timão não quer de jeito algum perder o poder conquistado com os títulos da Libertadores e do Mundial em 2012. O São Paulo não vence o maior rival no Morumbi desde 2007, por isso precisa voltar a ser o gigante de sempre em sua casa para mostrar que, sim, o “Soberano” ainda está ali, intacto.

Para isso, o clube investiu, teve grandes contratações e ostentou a segunda maior receita do Brasil em 2012 – pouco mais de R$ 282 milhões. A maior representação de tudo isso é Paulo Henrique Ganso, maior contratação realizada entre clubes brasileiros: saiu do Santos para o São Paulo por R$ 23,9 milhões.

Atualmente titular e consolidado, o meia tem o dever de conduzir sua equipe à decisão estadual após seis anos seguidos batendo na trave das semifinais. Perdeu para Santos (2010, 11 e 12), Corinthians (2009), Palmeiras (2008) e São Caetano (2007). Um clube com tantas ambições não quer ter o trauma de uma possível sétima eliminação consecutiva.

Do outro lado, como visitante, um Corinthians mais poderoso do que nunca: apesar da derrota para o Boca Juniors no meio da semana, o clube ainda é o campeão da América, do mundo, dono da maior receita do Brasil e da maior contratação da temporada, Alexandre Pato – que o Timão se dá ao luxo de manter no banco de reservas. Só em 2012, o Alvinegro captou cerca de R$ 358 milhões. Com R$ 40 milhões, arrematou o atacante no início deste ano.

E Pato começa no banco porque Tite tem outras tantas opções de bom nível. Emerson Sheik, Romarinho e Guerrero são os caras da vez no setor ofensivo. Mas, se quiser continuar ostentando o status de “Todo-Poderoso”, o Timão precisa abrir os olhos, manter a hegemonia sobre o rival no Morumbi e evitar uma semana de questionamentos em caso de queda precoce no Paulistão.

O jogaço deste domingo terá arbitragem de Antonio Rogério Batista do Prado, auxiliado por Anderson José de Moraes Coelho e Ricardo Pavanelli Lanutto. A TV Globo transmite o duelo para todo o estado de SP, e o PFC mostra para todo o Brasil pelo sistema pay-per-view. O GLOBOESPORTE.COM acompanha todos os lances em Tempo Real, com vídeos, a partir das 15h30m.

header as escalações 2

São Paulo: Ney Franco faz mistério, mas não trará grandes novidades no Tricolor. Luis Fabiano, que cumpriu suspensão na Libertadores, volta na vaga de Aloísio. O zagueiro Lúcio, expulso diante do Galo, permanece na função mesmo estando fora do duelo da próxima quarta, em Belo Horizonte. A formação é a seguinte: Rogério Ceni, Paulo Miranda, Lúcio, Rafael Toloi e Carleto; Wellington, Denilson, Jadson e Ganso; Osvaldo e Luis Fabiano.

Corinthians: apesar da má atuação em Buenos Aires, na última quarta-feira, o técnico Tite optou por manter a formação que começou o jogo contra o Boca Juniors. Danilo, que preocupava devido a dores nas panturrilhas, está confirmado. Romarinho foi mantido na equipe, deixando Alexandre Pato no banco. Assim, a provável formação do Timão é a seguinte: Cássio; Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo e Romarinho; Emerson Sheik e Paolo Guerrero.
quem esta fora (Foto: arte esporte)

São Paulo: Rhodolfo, com uma lesão no músculo adutor da coxa esquerda, Aloísio, com um problema no músculo adutor da coxa direita, e Fabrício, em tratamento em virtude de uma torção no tornozelo direito.

Corinthians: Renato Augusto, que se recupera de lesão no músculo posterior da coxa direita, e Guilherme Andrade, com lesão grave no joelho e previsão de recuperação de seis meses.

header fique de olho 2

São Paulo: está nos pés ou na cabeça de Luis Fabiano o futuro do São Paulo na temporada. Artilheiro do time na temporada (12 gols), mas em crise recente com as redes, o Fabuloso precisa dar uma resposta nos grandes jogos. A começar por este domingo, diante do maior rival tricolor nos últimos anos.

Corinthians: o atacante Paolo Guerrero não costuma passar muito tempo sem fazer gols. Após deixar o seu de pênalti na goleada sobre a Ponte Preta, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, ele passou em branco no confronto com o Boca Juniors, no meio de semana. Principal referência do setor ofensivo alvinegro, o peruano é artilheiro do Corinthians nesta temporada, com 12 gols marcados em 19 jogos.
header o que eles disseram

Paulo Henrique Ganso, meia do São Paulo: Sempre vamos entrar com motivação. Não tem como entrar numa semifinal contra o principal rival sem motivação. Vamos mudar o chip, esquecer o Atlético-MG. Sabemos que é difícil esquecer aquela partida, mas precisamos voltar nossa concentração para o Paulista”.

Tite, técnico do Corinthians: São 90 minutos decisivos. Temos vários componentes: técnico, tático, físico e emocional. Por ser um jogo só, o emocional ganha um pouco mais de condimento nessa partida. É um clássico importante demais”.

header números e curiosidades

* Quem tem vantagem? Confira o histórico do confronto na Futpédia

* A última vez que São Paulo e Corinthians fizeram uma das semifinais do Campeonato Paulista foi em 2009. Na oportunidade, o Timão levou a melhor derrotando o Tricolor duas vezes: 2 a 1 no Pacaembu, com direito a um gol do volante Cristian no último lance da partida, e 2 a 0 no Morumbi, partida marcada por um golaço de Ronaldo.

* Nos últimos seis anos, o São Paulo foi sempre eliminado do Campeonato Paulista nas semifinais: em 2007 pelo São Caetano, em 2008 pelo Palmeiras, em 2009 pelo Corinthians e nos três últimos anos pelo Santos.

* O São Paulo é o time que mais venceu neste campeonato, conseguindo 14 vitórias em 20 jogos. Já o Corinthians é a equipe que menos perdeu na competição, sofrendo apenas duas derrotas em 20 partidas, mesmo número de Santos e Ponte Preta.

* O Corinthians é o recordista de títulos paulistas com 26 conquistas: a primeira foi em 1914, e a última, em 2009. Curiosamente, costuma ter mais sorte nos anos ímpares, quando conquistou 15 de seus 26 títulos. As seis últimas conquistas estaduais corintianas foram em anos ímpares (95/97/99/01/03/09).

header último confronto v2

 

Na primeira fase do Paulistão, São Paulo e Corinthians se enfrentaram no último dia 31 de março, pela 16ª rodada do torneio estadual. De virada, o Timão bateu o Tricolor por 2 a 1. Jadson abriu o placar no início do jogo, mas Danilo e Alexandre Pato, em lance polêmico com Rogério Ceni (veja mais ao lado), definiram a vitória alvinegra.

ICFUT – Show de Valesca Popozuda vira principal atração na decisão do Acreano

Fonte: Futebolinterior.com.br

Federação local quer atrair público jovem para a grande final. Boa ideia

 A Federação Acreana resolveu contratar uma atração especial para “apimentar” e atrair atenções na final do Campeonato Acreano. A FFAF confirmou o show da funkeira Valesca Popozuda para a grande decisão do torneio, marcada para o próximo dia 26, no Estádio Florestão.

Segundo dirigentes da Federação, a ideia é atrair o público jovem. Para isto, nada melhor do que trazer um dos bumbuns mais aclamados do Brasil para chamar os jovens para ir ao Estádio e apoiar o futebol local.

 A presença de Valesca Popozuda na final do acreano mostra que a federação do pitoresco Estado acompanha as 

tendência do futebol mundial, já que a FIFA e outras tantas confederações. Na final da Copa do Mundo, por exemplo, Shakira tocou.Chegaram a comentar, nas redes sociais, que cada campeonato tem a musa que merece. Uma maldade. É só lembrar que o tributo que apelida a bela Valesca é tão grande quanto a pequena área do Estádio Florestão ou até mesmo a quantidade de gols do artilheiro do Estado.

Valesca tem ligações estreitas com o futebol. Ela é musa da Torcida Jovem Fla, a maior organizada do Flamengo. A musa foi convidada para tocar na apresentação de Ronaldinho Gaúcho no time carioca em 2011.

0002048063241_img 0002048063249_img 0002048063251_img

Por Cleber Aguiar – Finalíssima do Paulistão pode ter três palcos. Federação baterá martelo

Fonte: Globo.com

Se o São Paulo passar, decisão será no Morumbi. Em caso de Corinthians no tempo normal, no Pacaembu. Se o Timão vencer nos pênaltis, Vila

O possível palco da grande decisão do Campeonato Paulista depende do resultado da semifinal deste domingo, às 16h, entre São Paulo e Corinthians, no estádio do Morumbi. São três as possibilidades, levando em consideração a classificação geral dos times. Mas é a Federação Paulista de Futebol quem tem os mandos e decide.

montagem Pacaembu, Vila Belmiro e Morumbi estádios vazios (Foto: Editoria de Arte / Globoesporte.com)Pacaembu, Vila Belmiro ou Morumbi: onde será a finalíssima do Paulistão? FPF decide (Foto: Editoria de Arte)

Hipoteticamente, no entanto, a segunda final pode ter três palcos: Morumbi, Pacaembu ou Vila Belmiro. Entenda quais são as possibilidades:

Caso o São Paulo vença a semifinal deste domingo, o Santos, que passou pelo Mogo Mirim na semi de sábado, faria o primeiro jogo da decisão na Vila Belmiro e decidiria o título no Morumbi. Melhor time da primeira fase, o Tricolor terminou as 19 rodadas com 41 pontos e somou mais três ao vencer o Penapolense nas quartas de final. Portanto, tem 44 – vencendo o Timão, vai a 47.

Se o Corinthians for finalista, há dois cenários. Caso elimine o São Paulo no tempo normal, o Timão teria a vantagem de fazer a decisão com o Peixe no Pacaembu. Com 38 pontos no geral, o time igualaria o Peixe, com 41, mas teria vantagem no saldo de gols (atualmente está 19 a 14).

No entanto, se o Timão empatar com o São Paulo no tempo normal e eliminar o Tricolor apenas nos pênaltis, a vantagem de decidir em casa passaria a ser do Santos, na Vila Belmiro. Isso porque o Corinthians chegaria a 39 pontos na classificação geral e ficaria dois pontos atrás do Peixe, que tem 41.

O vice-presidente do Santos, Odílio Rodrigues, diz que a preferência do clube é atuar na Vila Belmiro – seja o primeiro ou o segundo jogo, mas lembra que é a Federação Paulista quem definirá em reunião na próxima segunda-feira, em sua sede, na zona oeste de São Paulo, os locais das duas partidas finais. Ano passado, por exemplo, Santos e Guarani fizeram os dois duelos no estádio do Morumbi. O Peixe foi campeão.

– Segunda-feira tem reunião do conselho técnico na FPF. O mando é deles, mas permitem a negociação dos clubes. Vamos esperar o outro finalista e ver a melhor composição. A casa do Santos é a Vila Belmiro. Prefiro a Vila – disse, em entrevista à rádio “Jovem Pan”.

Por Cleber Aguiar – Com vantagem e time misto, Atlético-MG tenta ser finalista

Fonte: Folha Online

Com a vantagem de ter vencido o primeiro confronto por 2 a 0, o Atlético-MG enfrenta a Tombense neste domingo, às 16h, no estádio Independência, para ratificar uma vaga na final do Campeonato Mineiro.

Assim como como nas oitavas de final da Taça Libertadores, ante o São Paulo, a equipe do técnico Cuca pode até perder –no caso desta tarde por até dois gols de diferença– para decidir o estadual contra o vencedor da outra semifinal, entre Cruzeiro e Villa Nova.

Este confronto ocorre apenas na quarta-feira, às 20h30, no Mineirão. O Cruzeiro leva uma grande vantagem porque goleou o adversário por 4 a 0 no primeiro duelo.

Invicto no estádio Independência há um ano, o Atlético-MG pode se dar ao luxo de poupar seus principais jogadores contra a Tombense, como Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e Bernard, para o jogo de volta da Libertadores contra o São Paulo, quarta-feira.

No Morumbi, o time venceu por 2 a 1, de virada, após ficar com um homem a mais.

Yasuyoshi Chiba-3.mai.13/AFP
Ronaldinho comemora gol marcado contra o São Paulo no Morumbi pela Libertadores

Por Cleber Aguiar – Internacional recebe o Juventude por título antecipado no Gauchão

Fonte: Gazetaesportiva.net

Do correspondente Vicente FonsecaPorto Alegre (RS)

Em cinco edições do Campeonato Gaúcho desde que o sistema de dois turnos foi adotado, somente em 2009 o Internacional conseguiu o título de ambos, sagrando-se campeão antecipado. Neste domingo, o Colorado tem a chance de repetir a história de quatro anos atrás. Campeão da Taça Piratini, o time de Dunga enfrenta o Juventude, no Centenário, pela decisão da Taça Farroupilha. Vencendo, conquista o tricampeonato sem necessidade de disputar uma final.

Se no meio da semana a equipe sofreu sem D’Alessandro, jogou mal e só empatou com o Santa Cruz pela Copa do Brasil, neste domingo o Inter terá time próximo do ideal para encarar o Papo. D’Ale volta à equipe, e somente Índio e Kleber, que ainda nem estrearam em 2013, ficam de fora.

A principal dúvida de Dunga é na primeira função do meio-campo. Ygor, titular teórico da posição, vem ficando no banco de Aírton, que conta com mais ritmo de jogo. De resto, não há qualquer problema de escalação. D’Alessandro retoma lugar ao lado de Fred na articulação, a defesa está completa e a dupla Forlán-Damião está confirmada na frente.

Os jogadores admitem que atuação em Recife ficou abaixo do esperado. A meta é que ela não se repita neste domingo, contra o Juventude: “realmente não jogamos bem, mas agora precisamos pensar no jogo de domingo. O que aconteceu hoje aqui não pode nos abalar para domingo”, reconheceu o volante Willians, logo após a partida no Arruda. O time titular do Inter só perdeu uma vez em 2013 – para o Veranópolis, por 1 a 0, no início de abril.

Alexandre Lops/Divulgação/Internacional

O volante Willians foi o autor do gol da classificação e deve estar em campo contra o Juventude

O Juventude não ganha do Internacional desde a primeira partida da final de 2008. Levou 8 a 1 no Beira-Rio no jogo de volta e, desde então, nunca mais superou o time da capital. No entanto, a equipe de Caxias vem motivada por ter eliminado o Grêmio, nas semifinais, no último sábado, após uma dramática decisão por pênaltis. Neste Gauchão, o Papo só perdeu dois dos 17 jogos que disputou (um deles justamente para o Inter, por 4 a 1, em Lajeado).O técnico Lisca resolveu não fazer mistério e confirmou a equipe que começará o jogo após um treino aberto à imprensa nesta quinta. A principal volta é do atacante Bergson, que não enfrentou o Grêmio por estar emprestado e ainda pertencer ao Tricolor. “Vamos dar o nosso melhor, a nossa vida. Esperamos sair vencedores no domingo”, disse o meia Diogo Oliveira ao jornal Pioneiro, dando uma mostra do sentimento de mobilização que vive o elenco do Ju.

Mesmo que o adversário seja caxiense, o Inter confirmou a partida para o Estádio Centenário. A equipe de Dunga tem recebido bons públicos nos últimos jogos em Caxias do Sul, e quer manter identificação com a torcida local, já que mandará os jogos do Campeonato Brasileiro na Serra Gaúcha. A expectativa é de ao menos 20 mil torcedores para a final. O maior público do Gauchão até agora é de um jogo entre Grêmio e Caxias, na Arena, que recebeu cerca de 18 mil pessoas.

Caso o Juventude vença o Inter nos 90 minutos ou nos pênaltis, será o campeão da Taça Farroupilha e forçará a decisão do Gauchão em mais dois jogos, nos dias 12 e 19 de maio. A primeira partida, neste caso, ocorreria no Alfredo Jaconi, e o segundo jogo no Centenário, com mando de campo colorado.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL X JUVENTUDE

Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul
Data: 5 de maio de 2013, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro:
Assistentes:

INTERNACIONAL: Muriel; Gabriel, Rodrigo Moledo, Juan e Fabrício; Aírton, Willians, Fred e D’Alessandro; Forlán e Leandro Damião
Técnico: Dunga

JUVENTUDE: Fernando; Moisés, Rafael Pereira, Diogo e Robinho; Fabrício, Jardel, Rogerinho e Diogo Oliveira; Bergson e Zulu
Técnico: Lisca