ICFUT – Pressão cresce e ameaça poder de José Maria Marin na CBF

Fonte: lancenet

 

Presidente sofre ataques por seu envolvimento com a ditadura militar, por críticas ao ministro do Esporte e pelo atraso das obras da Copa

José Maria Marin (Foto: Mowa Press)
José Maria Marin tem sofrido pressão de todos os lados (Foto: Mowa Press)

As declarações de Ronaldo – membro do Comitê Organizador Local da Copa de 2014 – que em entrevista ao "O Globo" defendeu a saída de José Maria Marin da presidência da CBF, intensificaram a movimentação dos que vêm pedindo a mudança de comando das duas entidades. Nos últimos meses, o desgaste do cartola tem se acentuado principalmente pela ligação de seu nome com a prisão e morte do jornalista Vladimir Herzog, durante a ditadura militar, e a divulgação de fitas gravadas em que ele critica o ministro do Esporte Aldo Rebelo, afirmando que ele não tem poder e nada decide no governo.

No próximo dia 19, os presidentes das 27 federações estaduais estão convocados a participarem de uma assembleia geral da CBF. Foi num evento como esse que Ricardo Teixeira, pressionado pelas denúncias de corrupção e sem apoio do governo brasileiro ou da Fifa, anunciou a sua renúncia, abrindo caminho para a ascensão de Marin. Um presidente de Federação ouvido peloLANCE!Net afirma que "ainda é prematuro julgar que alguma coisa semelhante possa ocorrer agora", mas admite que as pressões em torno do presidente da CBF e do COL estão crescendo "além do esperado para um período de véspera de Copa das Confederações".

Por mais que não haja sinais claros de uma oposição a Marin na CBF, a situação do cartola já não é tão cômoda. Há algumas semanas, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Barros Carvalho, tentou articular uma carta desagravo em favor do presidente, no mesmo momento em que crescia o movimento "Fora, Marin", patrocinado pelo deputado Romário (PSB-RJ), presidente da Comissão de Esporte e Turismo da Câmara. A falta de apoio dos colegas presidentes de federações, contudo, fez Carvalho desistir da ideia e a carta sequer chegou a ser redigida.

Romário tem sido peça chave na campanha contra Marin. O ex-jogador não poupa críticas ao andamento das obras de preparação para a Copa de 2014, atribuindo ao COL e à gestão de Marin boa parte dos problemas que, segundo ele, podem comprometer o evento e a credibilidade do país no exterior. Em outra frente, o deputado e o filho de Herzog, Ivo, entregaram na segunda-feira passada na sede da CBF uma petição intitulada "Fora, Marin", pedindo a saída do dirigente com o apoio de 54 mil assinaturas coletadas na Intenet.

O mesmo presidente de federação ouvido pelo LANCE!Net – e que faz questão de dizer que não é a favor da destituição de Marin – diz que "essa briga política" pode ser considerada hoje a maior ameaça à sobrevivência de Marin no COL e na CBF:

– O presidente abriu o leque de seus inimigos. Não estão apenas dentro do esporte, esse pessoal ligado aos direitos humanos e à luta contra os efeitos da ditadura é muito mais ativo. Eles são mais mobilizadores e gritam mais alto.

Na avaliação desse dirigente, isso pode aumentar as pressões do governo federal – já insatisfeito com o imobilismo do COL e as críticas a Aldo – e levar uma aliança com a Fifa para destituir Marin da organização da Copa de 2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s