Por Cleber Aguiar – Maior e com os favoritos, Copa do Brasil 2013 promete menos zebras

Fonte: Globo.com

Competição, a começar nesta quarta, invadirá Brasileirão, terá 86 clubes, sendo 13 debutantes, e o retorno dos times que disputam a Libertadores

O caminho considerado mais curto para a Libertadores promete ser também cheio de obstáculos. A competição que de longe mobiliza a maior quantidade de clubes do futebol nacional terá um número recorde e o retorno dos grandes astros da companhia. Tudo bem: Desportiva Ferroviária e Atlético-AC disputaram primeiro uma seletiva pela última vaga – vencida pela equipe capixaba. Mas nesta quarta-feira, 3 de abril de 2013, é que será dado o pontapé inicial e oficial da Copa do Brasil mais robusta da história.

A competição terá as maiores forças do futebol brasileiro. Que estarão na ponta dos cascos”
Junior, comentarista da TV Globo

De abril a novembro, passarão por ela 86 clubes, juntando todas as fases. Oitenta times dão a largada – 13 jogos serão nesta quarta-feira – num mata-mata para classificar 40 para a segunda fase. Permanece no regulamento que uma vitória dos visitantes por dois gols de diferença elimina a partida de volta nas duas primeiras fases. Nas oitavas, os cinco clubes na Libertadores (Corinthians, Fluminense, Atlético-MG, Grêmio e Palmeiras), além do Vasco, ocupante da vaga aberta no critério técnico do Brasileirão pelo São Paulo, campeão da Copa Sul-Americana – aliás, único grande ausente da Copa do Brasil -, entram na briga e dão o charme que andava em falta.

Para os mais críticos, acabou a moleza. Sim, desde 2001, quando foram retirados da disputa os clubes que jogavam a Libertadores devido à simultaneidade de datas das duas competições, a Copa do Brasil tinha perdido em qualidade. Por outro lado, ganhara em emoção ao aumentar as chances dos pequenos de mostrar ousadia. Como o Santo André, em 2004, e o Paulista, em 2005, campeões em cima da dupla Fla-Flu. Os clubes do interior paulista até eliminaram outros grandes no caminho, mas naquele momento sem a força dos atuais times que disputam a maior competição sul-americana.

Info_TIMES-COPA-BRASIL-05 (Foto: Infoesporte)

– Sem dúvida, agora vai ser muito difícil acontecer o que houve com o Palmeiras no ano passado (o time foi campeão do certame em 2012 e depois caiu para a Série B no Brasileiro). A competição terá as maiores forças do futebol brasileiro. Que estarão na ponta dos cascos por terem disputado a Libertadores. E os que não conseguirem o título sul-americano terão nova chance de se redimir e voltar no ano seguinte pela Copa do Brasil. Vão fazer de tudo para ganhar. Aí vai ser bom até para tentar reparar alguma injustiça – afirmou o ex-jogador Junior, atual comentarista da TV Globo.

“Não existe zebra na Copa do Brasil. Um time não chega até a final e vence por sorte”
Péricles Chamusca, técnico campeão no Santo André em 2004, hoje na Lusa

Campeão em 1990 pelo Flamengo, em final contra o Goiás, um dos maiores ídolos da história rubro-negra acha que zebras como a do Santo André em 2004 e do Paulista em 2005 serão cada vez mais raras agora. Mas Péricles Chamusca, técnico campeão pelo clube do ABC paulista em 2004, hoje na Portuguesa, que jogará a Copa, vê a coisa de outra forma.

– Não existe zebra na Copa do Brasil. Um time não chega até a final e vence por sorte. Tanto no Brasiliense (foi vice-campeão em 2002) quanto no Santo André (campeão em 2004) eu tinha um grupo de qualidade, com alguns jogadores de destaque, que eram os líderes da equipe. Eram times centrados, que não se assustavam com o peso da camisa adversária e ainda tinham a posse de bola. Foram bons trabalhos, nada foi por acaso.

Neymar volta com status

Se os pequenos são vistos como zebra ou não, o certo é que os técnicos dos gigantes do futebol brasileiro não escondem a preocupação, principalmente por conhecerem pouco o adversário. É o caso de Muricy Ramalho, técnico do Santos, que fará sua estreia dia 10 de abril no Albertão contra o modesto Flamengo do Piauí.

– Estamos atentos ao adversário, colhendo informações. Esses times mudam muito, às vezes montam uma equipe só para esse jogo, que é importante. Isso é uma dificuldade a mais para nós – reconheceu o treinador, que este ano, fora da Libertadores, vê a competição um melhor caminho e uma tábua de salvação.

Estamos atentos ao adversário, colhendo informações. Esses times mudam muito”
Muricy Ramalho, técnico do Santos

Falar de Santos é falar também de Neymar, craque que estourou justamente no título da Copa do Brasil de 2010. Três anos depois,  retorna à competição com outro status.

Antes promessa, tornou-se um dos maiores jogadores do planeta depois da conquista diante do Vitória e promete tornar o bye-bye Brasil santista uma procissão de fãs enlouquecidos, tal como numa beatlemania. Teresina promete ficar pequena com sua chegada para o jogo.

Pato, Seedorf e Dunga estreiam

O astro do Santos já sabe o que vai encontrar pela frente Brasil afora. Mas outras estrelas vão sentir pela primeira vez o calor do torcedor pelo interior do país. É o caso de Alexandre Pato. Nos tempos de Inter, o atacante nem teve tempo de participar da competição. Após a conquista do Mundial de Clubes, partiu para o Milan e agora, de volta e com a camisa do Corinthians, vai dar seu alô à Copa do Brasil com 23 anos e a partir das oitavas.

O veterano e astro holandês Seedorf, que completou 37 anos nesta segunda-feira, é outro que debutará. O palco será o Bezerrão, no dia 17 deste mês, contra o Sobradinho-DF.

Mosaico Copa do Brasil apresentação Neymar Dunga Pato (Foto: Editoria de Arte / Globoesporte.com)Neymar estourou com o título da Copa do Brasil conquistado pelo Santos em 2010. Agora, volta como pop star. Outros, como o técnico Dunga, Pato e Seedorf, farão sua estreia  (Foto: Editoria de Arte / Globoesporte.com)

Seja novo, seja veterano ou seja treinador de seleção brasileira que disputou Copa do Mundo. Dunga, técnico do Brasil na Copa de 2010, na África do Sul e agora no Inter, terá sua primeira experiência na competição nesta quarta-feira, contra o Rio Branco do Acre, na Arena da Floresta, às 22h. E vai comandar um dos favoritos para vencer a competição, junto com os grandes que virão da Libertadores. Com um elenco redondo, o Colorado, também de ressaca por não figurar na principal competição sul-americana, tem tudo para fazer uma boa campanha.

Fla e Cruzeiro apostam fichas

É o que querem também os outros grandes que iniciam a empreitada. Praticamente eliminado da Taça Rio e, por consequência, do Campeonato Carioca, o Flamengo reconhece que o jeito agora é apostar suas fichas na Copa do Brasil. O time entra em campo no Mangueirão, às 22h, diante do Remo, que pode se tornar adversário difícil.

– Será um novo desafio para um grupo que está sendo formado, por pessoas que foram contratadas e promessas que subiram. Vamos tentar encaixar o time da melhor forma possível para tentar chegar ao titulo – disse o meia Gabriel, ex-Bahia.

Outro gigante fora da Libertadores, o Cruzeiro começa a apostar as fichas no dia 10, contra o CSA, em Alagoas. Tetracampeã do certame ao lado do Grêmio, a Raposa sabe que o novo formato dificultará mais o caminho para o título. É o que pensa também o goleiro do Fluminense Diego Cavalieri.

– Agora aumentou o número de participantes e consequentemente diminui o tempo de descanso no nosso calendário, que já é corrido.  Mas é uma competição importante nacionalmente, e quando o Fluminense entrar em campo vai ser com a intenção de vencer. A Copa do Brasil tem lá o seu charme. Alguns times não muito conhecidos para o grande público podem causar grandes surpresas eliminando favoritos por ser mata-mata. É interessante – disse.

Será um novo desafio para um grupo que está sendo formado”
Gabriel, meia do Flamengo

Um dos primeiros a surpreender foi o Criciúma, campeão em 1991 sob o comando de Luiz Felipe Scolari, que na época nem era Felipão. Com o clube no nome de profissão, Sílvio Criciúma guarda a medalha da Copa do Brasil entre os pertences dos tempos de jogador. Deixou a zaga e saiu das quatro linhas em 2008. Era quase um aspirante aos 20 anos, quando participou da maior conquista do Tigre. Situação que o faz sonhar com a segunda medalha, desta vez como auxiliar técnico. O time estreia nesta quarta, contra o Noroeste, no interior paulista.

– O caminho ficou maior, e a concorrência, muito grande em relação ao ano em que fomos campeões. Os clubes começaram a valorizar este caminho mais curto para a Libertadores. Porém, o Criciúma já conquistou e tem as mesmas condições dos concorrentes, apesar de haver pelo menos quatro favoritos em virtude de virem da Libertadores. Mas a partir do momento que começa, cada um dos 80 times tem as mesmas chances.

Dado o recado, é esperar para ver.

copabrasil

Por Cleber Aguiar – Palmeiras tem sua primeira decisão

Fonte: O Estado de São Paulo

Obrigado a vencer o Tigre, da Argentina, para não se complicar na competição continental, Alviverde encara seus problemas hoje à noite no Pacaembu

9010_545609148795561_871625983_n

LINK AO VIVO PALMEIRAS X TIGRE – LIBERTADORES 2013 – CLIQUE AQUI !

DANIEL BATISTA – O Estado de S.Paulo

O Palmeiras tem a primeira grande decisão da temporada hoje à noite no Pacaembu e não deve esperar vida fácil. A torcida, mesmo descrente com o desempenho do time, promete fazer barulho – a expectativa é de um público de25 mil torcedores. Muitas coisas estão em jogo. A principal delas é a classificação para as oitavas de final da Taça Libertadores que, no momento, está ameaçada. Por isso, vencer os argentinos do Tigre é mais do que uma obrigação, é uma necessidade.

São 90 minutos que separam o Palmeiras do céu e o inferno. Se vencer, pode chegar ao segundo lugar do Grupo 2, ficar em uma boa situação para conseguir a classificação e dar sobrevida ao trabalho de Kleina. O Alviverde é o terceiro do grupo, com três pontos, assim como o Tigre, que aparece logo abaixo, pelo saldo de gols. O Libertad lidera com oito e o Sporting Cristal está em segundo, com cinco – as duas equipes têm quatro jogos.

Mas uma derrota pode fazer a vaga se tornar um sonho distante e a pressão em cima do treinador se tornar próxima do insustentável. Depois do jogo de hoje, o Palmeiras tem ainda o Libertad, em casa, e o Sporting Cristal, no Peru. A diretoria nega intenção de demitir Kleina em caso de fracasso hoje, mas ele sabe que a corda já estará em seu pescoço, pronta para ser puxada.

Fora de campo, os jogadores e a comissão técnica esperam por apoio, mas sabem que os aplausos poderão virar vaias depois de um simples lance errado. “Temos que fazer valer o mando e mais uma vez tenho de fazer apelo ao torcedor pedindo apoio”, disse Kleina.

A Mancha Alviverde, torcida organizada rompida com o clube, está de volta. Suspensa pela Federação Paulista de Futebol de frequentar os estádios no estado, ela tem liberdade quando a partida é da Conmebol. E os torcedores prometem pegar no pé do time do início ao fim do jogo.

Além da questão extracampo, Kleina tem mais um problema para resolver. O temor dele no início da temporada aconteceu. Jogadores que chegaram depois do período de inscrições na Libertadores, ou que já foram inscritos por outros clubes, estão se destacando no Paulistão, mas não poderão atuar na competição continental.

Três titulares no estadual desfalcam a equipe por não estarem inscritos. Casos do zagueiro André Luiz, do volante Léo Gago e do atacante Leandro. Além disso, o meia Rondinelly, que poderia ser uma opção, também fica fora pelo mesmo motivo.

Como desafios se tornaram uma dura rotina para o Palmeiras, este jogo apresenta mais um problema para Kleina superar. Outros importantes titulares estão machucados: o zagueiro Henrique, o meia Valdivia e os atacantes Maikon Leite e Kleber.

“Acredito que eu terei em torno de 19 jogadores para usar”, projetou o treinador, que deverá encher o banco de reservas com garotos da base que ainda nem sequer jogaram, como Bruno Dybal, Luiz Gustavo e Emerson.

A volta de Souza. A boa notícia é o retorno ao time titular do volante Souza, recuperado de uma entorse no tornozelo esquerdo, que o afastou do time por um mês. Ele atuou pouco mais de 20 minutos na partida contra o Linense, sábado passado, e foi um dos destaques, cobrando a falta na cabeça para o gol da vitória marcado por Marcelo Oliveira.

E existem ainda dois jogadores que entram em campo pressionados, pois sabem que podem ter a última – ou uma das últimas – oportunidades de mostrar serviço. Na zaga, Marcos Vinícius tem mais uma chance, após estrear marcando um gol contra com apenas 45 segundos de jogo, contra o Mirassol.

Outro que está na berlinda é o atacante Vinícius. Apontado como uma revelação do clube, ele sofre uma enxurrada de críticas pelas más atuações, mas é mantido no time pela falta de opções.

PALMEIRAS

Fernando Prass

Weldinho

Maurício Ramos

Marcos Vinícius

Juninho

Márcio Araújo

Charles

Souza

Wesley

Vinícius

Caio

Técnico:

Gilson Kleina

TIGRE

Javier García

Alejandro Donatti

Echeverría

Orbán

Gastón Díaz

Galmarini

Diego Ferreira

Cisterna

Matías García

Bottta

Santander

Técnico:

Nestor Gorosito

Juiz: Patricio Polic (Chile)

Local: Pacaembu, em São Paulo

Horário: 21h30

Transmissão: SporTV

Por Cleber Aguiar – Contra o Barcelona, Lucas quer aparecer

Fonte: Folha de São Paulo

lucas_psg_reu-3

COPA DOS CAMPEÕES
Há pouco mais de três meses no PSG, brasileiro encara hoje seu maior desafio na Europa

RAFAEL REISDE SÃO PAULO

Foram pouco mais de três meses e 11 jogos desde que deixou o Brasil. Mas Lucas, 20, assegura que já não é o mesmo jogador que em dezembro trocou o São Paulo pelo Paris Saint-Germain.

Seu time enfrenta o Barcelona hoje, em Paris, pelas quartas de final da Copa dos Campeões. Na véspera de seu maior desafio na Europa, Lucas falou à Folha por e-mail sobre enfrentar Messi e conviver com Ibrahimovic.

Folha – O quanto o Lucas do PSG é diferente do Lucas que saiu do São Paulo?
Lucas – Dentro de campo, creio que estou evoluindo na disciplina tática, no posicionamento sem a bola e aprendendo a jogar em meio a dificuldades como frio, gramado escorregadio. Fora de campo, estou enriquecendo culturalmente, morando numa cidade fantástica, onde tenho a possibilidade de conhecer lugares lindos e aprender coisas novas.

E o que falta para assimilar da cultura do futebol europeu? Qual sua maior dificuldade?
Estou jogando no futebol francês há três meses e, apesar do pouco tempo, estou surpreso com minha adaptação. Mas ainda tenho muito que aprender e evoluir. Acredito que as principais dificuldades são a falta de entrosamento com os colegas e o clima do país.

Atuar na Europa é um caminho necessário para evoluir?
Não generalizo, mas digo que no meu caso está sendo muito importante a experiência de jogar na França para o meu amadurecimento profissional.

O que vai dar para aprender nos duelos com o Barcelona?
Podemos aprender muita coisa com os caras que fazem hoje um futebol bonito, dinâmico e eficiente. Imagino que a parte tática seja o ponto forte do Barcelona.

O que você sente quando pensa que enfrentará alguns dos melhores do mundo?
Sempre acompanhei os jogos do Barcelona. É um time de muita qualidade e tem o melhor jogador do mundo. O Messi é um gênio, e sou fã dele. Será maravilhoso enfrentar o Barcelona. Acabei de chegar à Europa, e um confronto como esse dá a chance de mostrar do que se é capaz.

Como vencer o Barcelona?
A gente sabe que o Barcelona é uma equipe que tem muita posse de bola, toca muito. Temos as nossas táticas também, mas isso não posso falar, né? (risos).

Recentemente, uma declaração sua sobre o Ibrahimovic [disse à Fox Sports que o sueco é arrogante] repercutiu aqui no Brasil. Afinal, como é o Ibrahimovic do dia a dia? A imagem de um cara difícil de lidar que ele carrega é real?
Fui mal interpretado nesta entrevista. Eu disse que o Ibra é um jogador que reclama, briga, xinga dentro de campo. Isso é normal no futebol, um atacante que quer vencer e ajudar sua equipe. Não falei nenhuma mentira. Mas o Ibra é um cara que sempre me tratou muito bem aqui no PSG, conversamos bastante e nos damos muito bem. É uma pessoa muito gente boa no dia a dia. Ele tem esse jeitão, mas a gente se dá bem.