ICFUT – Verdão mantém boa fase e vence mais uma no Paulistão

Palmeirense desde a infância, o atacante Leandro, recém-chegado ao Verdão, saiu do banco aos 24 minutos do segundo tempo para decidir a partida contra o União Barbarense. Aos 36, quando o time tinha um a menos, já estava “cansado” de pressionar e não marcar um gol e o empate em 0 a 0 parecia iminente, o camisa 38 decidiu com um belo gol e garantiu a vitória alviverde por 1 a 0, neste domingo, no Pacaembu.

A vitória sobre o Leão da 13 serve não só para o Verdão subir na classificação do Paulista, como também acabar com uma sina negativa. Desde o dia 22 de julho (contra o Náutico, por 3 a 0, em Barueri, pelo Brasileirão) o Verdão não ganhava em um domingo e desde 20 de outubro (2 a 0, em Araraquara, também pelo Nacional) não conseguia vencer aos finais de semana.

Com o resultado, o Palmeiras pula para o quarto lugar do Estadual (a rodada ainda tem três jogos às 18h30). Já o Barbarense segue na zona de rebaixamento, com apenas cinco.

Melhor em todo o duelo, o Verdão criou as principais chances do jogo, mas esbarrou nos erros de finalizações. As mudanças de Gilson Kleina no segundo tempo, porém, surtiram efeito: Valdivia, Caio e Leandro entraram bem e o time conseguiu os três pontos.

O Palmeiras voltará a campo pelo Estadual apenas no dia 10 de março, contra o São Paulo, já que a partida contra o Paulista, que seria domingo que vem, foi adiada para o dia 14. No entanto, quinta o Verdão joga pela Libertadores, contra o Libertad, no Paraguai. O próximo compromisso do União Barbarense é sexta-feira, contra o Oeste, fora de casa.

O jogo

Do começo ao fim só deu Palmeiras. Com a mesma formação que empatou com o Corinthians na última rodada (2 a 2, no Pacaembu), os donos da casa tiveram domínio absoluto na primeira etapa e o goleiro Fernando Prass foi pouquíssimo exigido. A soberania, no entanto, não foi convertida em gols.

Enquanto o Barbarense cometeu erros bizarros e apresentou baixíssimo nível técnico, o Verdão até criou bons lances, mas esbarrou em erros de finalização ou no último passe.

O primeiro lance de perigo alviverde demorou para acontecer. Aos 18, Vinícius disparou pela esquerda, fez fila e chutou forte, tirando tinta da trave. Wesley, aos 20, e Vilson, aos 32, também chegaram perto, mas o placar seguiu em branco.

A tônica do segundo tempo foi a mesma, com o Palmeiras “em cima” e o Barbarense tentando sair nos contra-ataques, mas com pouca qualidade. Percebendo que o time tinha dificuldades na criação, o técnico Gilson Kleina sacou Wesley – mal na partida – e promoveu a entrada do chileno Valdivia, muito aplaudido pela torcida.

Logo em um de seus primeiros lances o Mago brilhou. Ele deu lindo lançamento para Vinícius, que cara a cara com o gol chutou nas mãos de Walter. No rebote, Souza tentou de bicicleta, mas mandou sem força.

Aos 23 minutos, o ímpeto palmeirense diminuiu um pouco com a expulsão de Marcelo Oliveira. O time do interior se empolgou com a vantagem numérica, foi mais ao ataque, mas seguiu cometendo muitos erros.

Mesmo com 10, o Verdão seguiu atacando e, de tanto insistir, conseguiu o gol da vitória aos 36. Pouco mais de dez minutos após entrar em campo, Leandro recebeu na entrada da área e bateu com força, no canto de Walter, que não conseguiu alcançar a bola. Festa verde, em dia de recorde de público no Pacaembu neste ano.

Nos minutos finais o Barbarense ainda pressionou, mas Fernando Prass e as deficiências da equipe alvinegra impediram o empate.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 UNIÃO BARBARENSE

Local: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 24/2/2013 – 16h
Árbitro: Rodrigo Guarizo do Amaral (SP)
Assistentes: Vicente Romano Neto e Alex Ang Ribeiro

Renda/ público: R$ 476.310/ 19.128
Cartões amarelos: Itaqui, Bruno Pires, Juliano e Edilson (UBA); Leandro (PAL)
Cartões vermelhos: Marcelo Oliveira (PAL)
GOL:
 Leandro 36’/2T (1-0)

PALMEIRAS: Fernando Prass, Weldinho, Maurício Ramos, Henrique, Marcelo Oliveira, Vilson, Márcio Araújo (Caio), Souza, Wesley (Valdivia), Patrick Vieira, Vinícius (Leandro). Técnico: Gilson Kleina.

UNIÃO BARBARENSE: Walter, Alex, Juliano, Edson Borges, Guilherme Batata, Júnior Goiano (Edilson), Itaqui, Bruno Pires (Rafael Silva), Cesinha, Caihame (Dairo), Bachin. Técnico: Moisés Egert

Fonte: Lancenet

ICFUT – Sem Neymar, Santos vence o XV

Sem Neymar em campo, coube a André tirar o Santos do sufoco no Campeonato Paulista. Em uma noite de uma apresentação bastante irregular, principalmente no primeiro tempo, o Peixe contou com o oportunismo de seu centroavante na etapa final para comandar a virada por 2 a 1 sobre o XV de Piracicaba, neste domingo, na Vila Belmiro. Cesinha marcou para o Nhô Quim.

Montillo, Santos x XV de Piracicaba (Foto: Ricardo Saibun/Agência Estado)Montillo disputa jogada em vitória do Santos na Vila Belmiro (Foto: Ricardo Saibun/Agência Estado)

O suado triunfo e os dois gols de André foram acompanhados por Pelé e Neymar, suspenso pela expulsão contra a Ponte Preta. Em áreas diferentes do estádio, os ídolos alvinegros não se encontraram depois da polêmica entrevista do Rei do Futebol aoEsporte Espetacular em que criticou o comportamento recente do craque.

O resultado faz o Santos quebrar a sequência negativa de resultados no estadual – um empate e duas derrotas. O placar coloca a equipe do litoral na quarta colocação, com 17 pontos, dois abaixo dos líderes São Paulo e Ponte Preta. No domingo, o Alvinegro faz o clássico contra o Corinthians, às 16h, no Morumbi.

Já o XV de Piracicaba acumula o terceiro confronto seguido sem vencer e fica em situação perigosa, com apenas nove pontos, um acima da zona do rebaixamento. O clube do interior chegou aos 12 pontos e recebe o Mirassol, sexta-feira, às 19h30m, no estádio Barão de Serra Negra.

Peixe joga mal, e Nhô Quim carimba a trave

De seu camarote na Vila Belmiro, Neymar pôde constatar, mais uma vez, como o Santos é dependente dele. Suspenso pela expulsão contra a Ponte Preta, o atacante viu o Peixe sofrer com um número excessivo de passes errados no ataque, mas com sorte de ter a trave como aliada para não terminar o primeiro tempo em desvantagem.

O garoto Giva, escalado na vaga e vestindo a camisa 11 do ídolo alvinegro, foi o melhor do sistema ofensivo. Veloz e com boa movimentação pelos lados, criou as duas melhores oportunidades para os santistas. André, bastante questionado no clube, desperdiçou ambas. Montillo e Cícero ficaram abaixo do esperado e pouco apareceram na criação.

Sem ser pressionado, o XV de Piracicaba não se limitou a defender e chegou a dominar a partida em alguns momentos. Dos pés do artilheiro Márcio Diogo saiu o principal lance da etapa inicial. Após belo drible no lateral Bruno Peres, ele deu um leve toque na bola na saída do goleiro Rafael e acertou a trave.

O Santos não conseguiu responder à altura. O time teve problemas na ligação da defesa para o ataque. Arouca, responsável pela transição, também não esteve em noite inspirada. Muricy foi à loucura na beirada do campo com os erros de Bruno Peres e refletiu na torcida, que vaiou o time na saída para o intervalo.

André faz dois e decide para o Santos

Muricy voltou dos vestiários com a orientação de aproximar os jogadores de ataque. A instrução, porém, não foi seguida pela equipe. O XV controlou a partida e chegou ao gol aos sete minutos. Após cobrança de falta de Diguinho pela direita, Cesinha desviou de cabeça de costas, a bola tocou na trave, bateu em Rafael e entrou.

A desvantagem dez o Santos acordar para buscar ao ataque, mas sem muita organização. O time passou a insistir em cruzamentos para a área e chegou à igualdade, aos 25, depois que Luiz Eduardo colocou o braço direito na bola após levantamento. André cobrou o pênalti e deixou tudo igual.

Com o XV mais recuado, o Santos aproveitou para continuar pressionando. A virada veio aos 28 minutos. Montillo cobrou escanteio, Giva desviou e André, na mesma linha dos defensores, tocou de cabeça.

A partir disso, o Peixe passou a administrar o resultado e a esperar o adversário. O XV, porém, não teve forças para reagir. Muricy tratou de reforçar a marcação para impedir qualquer sufoco nos minutos finais e conseguiu um resultado importante para amenizar a cobrança no clube.

Fonte: Globo Esporte

ICFUT – Com gol aos 51 minutos, Guerrero salva o Timão contra o Bragantino

 

FICHA TÉCNICA
BRAGANTINO 2 X 2 CORINTHIANS

Local: Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP)
Data/Hora: 24/2/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho (SP)
Auxiliares: Fabricio Porfirio de Moura (SP) e Claudenir Donizeti Gonçalves da Silva (SP)

Renda/Público: R$ 377.406 /  8.822 pagantes
Cartões Amarelos: Geandro, Raphael Andrade, Neto, Graxa e Robertinho (BRA); Fábio Santos (COR)
GOLS: Léo Jaime, a 1’/2ºT (1-0); Alexandre Pato, aos 2’/2ºT (1-1);  Lincolm, aos 9’/2ºT (2-1) e Guerrero, aos 51’/2ºT (2-2).

BRAGANTINO: Rafael Defendi; Diego Macedo, Serginho, André Astorga, Kadu e Raphael Andrade; Geandro (Robertinho, Intervalo), Neto e Malaquias (Cairo, 34’/2ºT); Léo Jaime (Graxa, 28’/2ºT) e Lincolm. Técnico: Mazola Júnior.

CORINTHIANS: Cássio; Edenílson, Gil, Paulo André (Guilherme, 24’/2ºT) e Fábio Santos (Igor, 30’/2ºT); Ralf, Paulinho, Douglas (Guerrero, 16’/2ºT) e Renato Augusto; Romarinho e Alexandre Pato. Técnico: Tite.

Fonte: Lancenet