Por Cleber Aguiar – Ituano firma parceria com Middlesbrough e empresta dois jogadores

Fonte: Gazetaesportiva.net

Fundando em 1876, o tradicional clube inglês Middlesbrough é o novo parceiro do Ituano. Em entrevista ao site oficial da agremiação britânica, o presidente Tony Mowbray confirmou o acordo, que consistirá no intercâmbio de atletas e também na atuação do mandário da equipe paulista, Juninho Paulista, na descoberta de jovens talentos do futebol da América do Sul.

Revelado pelo Ituano em 1993, Juninho Paulista acumulou três passagens pelo Middlesbrough (1995-1997, 1999-2000 e 2002-2004) em sua carreira e se tornou ídolo do clube. Aos 38 anos, o ex-atleta é gestor do clube do interior de São Paulo desde 2009 e foi a principal peça para firmar a parceria entre as agremiações.

O acordo foi selado após o diretor esportivo do Ituano, Tiago Cruz, passar alguns dias na Inglaterra para analisar a negociação. No segundo semestre do ano passado, o Ituano já havia enviado os atletas Carlos Rodrigo Correa e Eduardo Favretto para um periodo de treinamentos no Middlesbrough. Agora, os jovens Marcos Rhoden e Rafael Peireira, de 19 anos, serão emprestados ao time britânico até o final desta temporada.

 

Gazeta Press

Revelado pelo Ituano em 1993, Juninho Paulista se tornou ídolo atuando pelo Middlesbrough

 

“Por causa de nossa conexão com Juninho, acho que isso é algo que pode ser benéfico. Não temos uma presença constante na América do Sul e não temos olheiros por lá”, explicou Mowbray. “Se há jogadores com passaporte europeu e que se enquandram em nosso orçamento, por qual motivo não podemos fazer essa parceria com Juninho? Esperamos colher frutos ao longo dos anos”, completou.

Apesar do empréstimo, os atletas recomendados pelo Ituano não atuarão pela equipe principal do Middlesbrough, que ocupa a sexta colocação na segunda divisão do Campeonato Inglês. A ideia principal do projeto é contribuir no desenvolvimento dos jogadores brasileiros.

“O clube de Juninho não nos enviará o próximo Neymar. Se eles tivessem um jogador como esse, ele custaria 20, 30 ou 40 milhões de euros (aproximadamente R$105,7 milhões). Eles não vão mandar dois atletas que estejam ajudando a equipe em um campeonato que disputam”, encerrou Mombray.

ICFUT – TORCIDA INDEPENDENTE DO SÃO PAULO DESFILOU PELO GRUPO 2 DE SÃO PAULO E ENCANTOU !!!

Fonte: Independentecarnaval.com.br

logo

ACONTECEU! QUE VENHA O RESULTADO OFICIAL PARA COMEMORARMOS!

ANDRÉ NASCIMENTO

ACONTECEU!

E foi MUITO melhor do que qualquer um poderia imaginar!

INDEPENDENTE passou, hipnotizou, encantou e confundiu os espectadores no Autódromo de Interlagos na noite deste domingo.

Passou porque infelizmente acabou o desfile, poderíamos ficar ouvindo mais umas doze horas de puro ritmo, misturado com a riqueza visual das alegorias que foram para a avenida.

Hipnotizou porque foi um show de magia.

Encantou porque não existia uma só pessoa naquela arquibancada que não soubesse cantar o samba e cantava como se empurrasse o nosso glorioso SÃO PAULO FC para um gol de MAIS UM título mundial, uma vibe sem igual.

E confundiu, pois chovia em Interlagos e as pessoas estavam tão empolgadas que pareciam estar num deserto com um sol de 40 graus na cabeça; a chuva não foi páreo para a INDEPENDENTE.

As arquibancadas repletas de camisas brancas, de balões da nossa entidade.

Tive a oportunidade de ajudar em alguns preparativos e circular nos bastidores, pude fazer a leitura de cada componente que aguardava sua hora de evoluir, era nítida a ansiedade, o nervosismo, para que tudo desse certo e saísse como o planejado até que era chegada a hora.

A voz do locutor do evento anunciava que era a nossa vez, hora de mostrar tudo o que começamos a planejar um dia após a apuração do carnaval em 2012. Muitas coisas passaram pela minha cabeça nesse momento, até que fui tomado em lágrimas.

A cadência da Bateria Ritmo Forte fazia renovar as energias, com que tivéssemos mais orgulho de ser INDEPENDENTE.

Os fogos que celebravam a nossa entrada  na avenida tão acostumada a receber eventos de muita velocidade teria em instantes a nossa entidade passeando devagar, evoluindo com perfeição; a medida em que era cantado o samba de exaltação eu me vi ali, chorando copiosamente, tomado por uma emoção que eu tenho certeza ter contagiado a todos.

Um desfile irretocável, de alegorias dignas de grupo especial.

E podem esperar, nós vamos chegar!

E foi assim que a INDEPENDENTE passou, no ritmo, evoluindo com maestria, casais de mestre-sala e porta-bandeira dando show em seus bailados sincronizados, encantando com seus sorrisos e simpatia, como o título pede!

Tudo isso será recompensado pois como eu já pontuei e vale a pena ressaltar, foi perfeito!

Ao término do desfile a torcida gritava euforicamente: “É CAMPEÃO”, “É CAMPEÃO”.

O que posso dizer?

Que a NOSSA VITÓRIA NÃO SERÁ POR ACIDENTE!

Faltam três dias para confirmarmos isso.

Quem viver, verá!

E você? Conte pra gente o que sentiu durante o desfile nos comentários abaixo. Envie sua foto no Autódromo para contato@independentecarnaval.com.br. Faremos um post especial somente com as imagens que vocês nos enviarem.

Em breve todas as fotos oficiais do show do GRCES INDEPENDENTE!

#SouMaisVoceIndependente

ICFUT – HOJE TEM TORCIDA JOVEM DO SANTOS, CAMISA 12 DO CORINTHIANS E TUP DO PALMEIRAS NO GRUPO 1 DE SÃO PAULO – NO LINK AO VIVO

bannergrito

LINK AO VIVO – GRUPO 1 DAS ESCOLAS DE SÃO PAULO – CLIQUE AQUI !

LINK AO VIVO DESFILES DE SÃO PAULO, ACESSO,GRUPO I,GRUPO II,GRUPO III,GRUPO IV E BLOCOS ESPECIAS

JUST – TV LINK AO VIVO CARNAVAL DE SÃO PAULO – CLIQUE AQUI

Carnaval Globeleza Logo

GRUPOS ESPECIAS DE SÃO PAULO – CLIQUE AQUI !

 

Carnaval em São Paulo – CLIQUE AQUI !

 

Desfile das escolas do Rio – CLIQUE AQUI

TORCIDA JOVEM DO SANTOS

VEJA FICHA TÉCNICA TORCIDA JOVEM

FICHA TÉCNICA – TORCIDA JOVEM – CLIQUE AQUI

aviso-carnaval

images

CAMISA 12 – CORINTHIANS

VEJA FICHA TÉCNICA

CAMISA 12 – FICHA TÉCNICA – CLIQUE AQUI

sdfasdf

TUP – PALMEIRAS

VEJA  FICHA TÉCNICA 

TUP – FICHA TÉCNICA – CLIQUE AQUI

Grupo I – UESP
Sambódromo – segunda-feira (11/02)
Dom Bosco Unidos de São Lucas
Colorado do Brás Imperial
Camisa 12 Moc. Unida Mooca
T.U.P. 10ª Tradição Albertinense
Uirapuru da Mooca 11ª Prova de Fogo
Torcida Jovem 12ª Barroca Zona Sul

ICFUT – CARNAVAL 2013 – Seis escolas de samba abrem 1º dia de desfiles de carnaval em Campinas

Fonte: G1.com.br

Festa na saída do Tunel Joá Pentado começa às 19h30 desta segunda (11).
Rei Momo, Rainha e 2 blocos também passarão pela ‘Avenida do Samba’.

Realeza é eleita para o carnaval de 2013 em Campinas (Foto: Carlos Bassan)Realeza é eleita para o carnaval de 2013 em
Campinas (Foto: Carlos Bassan)

Seis escolas de samba de Campinas (SP) abrem o primeiro dia de desfiles de carnaval na Avenida Ruy de Almeida Barbosa, na saída do Túnel Joá Penteado, na Vila Industrial, na noite desta segunda-feira (11). Com carnaval modesto, 11 agremiações participam este ano da festa. Na terça-feira (12), as outras cinco escolas encerram os desfiles. A expectativa é que 30 mil pessoas participem do evento nos dois dias de carnaval, segundo a Prefeitura. Em 2012, os desfiles ocorreram de forma descentralizada em três pontos da Campinas (veja programação completa abaixo).

Dependendo das categorias ‘Pleiteantes’, ‘Acesso’ e ‘Especial’, as agremiações receberão verba que varia entre R$ 39 mil e R$ 56 mil da Prefeitura. Segundo o presidente da Liga das Escolas de Samba de Campinas, Edson Joia, o carnaval será modesto. “Foi feito em cima da hora. Não teve planejamento”, afirma. Mesmo assim, ele assegura que o carnaval será de folia e beleza. 

Enredos das escolas do Grupo Especial
Para abrir o carnaval, a escola de samba Unidos de Vila Rica traz fantasias e carros alegóricos que representam os diversos ritmos do Brasil. O enredo “Brasil brasileiros: de ritmos e festa” canta a passagem dos 300 componentes na Avenida do Samba. 

Com a comissão de frente em uma dança que imita o adestramento dos leões no circo, a escola de samba Leões da Vila Padre Anchieta traz a temática circense com seus 300 integrantes na avenida. Além de carros com malabaristas e contorcionistas, a presidente da escola, Elizeth Campagnuci Silva, revela que a ala da comunidade traz para a avenida alunos de escolas de circo do bairro Padre Anchieta com números de malabares e perna de pau.

Já a escola Estrela D’Alva volta à Avenida do Samba com o mesmo tema que no ano passado. O enredo “Com a boca no mundo: quem não se comunica se estrumbica”  leva fantasias inéditas para os 300 componentes, mas segundo a presidente Claudelina Moraes, os carros mudaram pouco. “A gente fez um carnaval em uma semana”, afirma a presidente sobre a demora para a definição se a cidade teria ou não a festa.

A Renascença levará para a avenida o “carrossel das ilusões”, com muitas brincadeiras, ilusionismo e mágica. Segundo o presidente Anderson Rodrigues de Araújo, o último carro a desfilar, chamado de “Abra Cadabra” será o destaque da escola. A escola conta com 370 componentes. “Começamos a correr, mas tá tudo pronto. Conseguimos tudo no tempo hábil”, conta Araújo.

A escola Acadêmicos dos Amarais cantará as causas e as consequências do aquecimento global na Avenida do Samba. Segundo o presidente Rubens Vieira da Silva, o samba enredo fala sobre a preservação do verde e da reciclagem. “Vamos falar sobre as atitudes para evitar as tragédias climáticas”, conta. Com 250 componentes e carros alegóricos, Vieira da Silva diz que o destaque será um carro alegório todo verde. “Representa a preservação da espécie”, explica.

Com o samba enredo sobre a história do vinho, a Ponte Preta Amor Maior entra na avenida com 450 integrantes e muitas surpresas. “O destaque é o carro alegórico, mas é surpresa”, afirma o diretor da escola, Paulo Maguila. Segundo ele, a preparação do carnaval deste ano foi complicada. “Tivemos que correr atrás de tudo, você não acha mais nada. Tem que amar muito. Eu faço o que posso e o que não posso pra dar certo”, conta Maguila.

Em homenagem ao bairro Vila Princesa, a escola de samba Unidos do Shangai promete um carnaval em tons de vermelho. Com o enredo “Vila Princesa é coisa chique”, 350 componentes desfilam na Avenida do Samba. “Foi uma correria, o tempo é pouco, mas os carros alegóricos estão bem bonitos”, conta o presidente Messias Souza da Silva.

Para encerrar os desfiles na Avenida do Samba, a Rosa de Prata contará a história da estrada de ferro Madeira-Mamoré. Com 600 componentes, o presidente da escola, Marcos Jeremias, afirma que tudo está pronto para a festa. “A gente trabalha o ano todo e vamos mostrar nosso trabalho. É uma competição”, diz. Como destaque, um carro alegórico de 4 metros de largura por 8 de comprimento imita um trem que passa pela ferrovia brasileira.

Confira os horários dos desfiles da noite de segunda-feira (11)

Horário Escola de Samba ou Bloco Carnavalesco
19h30 Apresentação da Realeza: Rei Momo e Rainha e Abertura do Desfile
20h às 20h40 Bloco Ibaô Afoxé
20h às 20h40 Bloco dos Cadeirantes
20h45 às 21h35 Águia de Ouro – Grupo de Pleiteantes
21h40 às 22h35 Acadêmicos de Madureira – Grupo de Acesso 
22h40 às 23h35 Unidos de Vila Rica – Grupo Especial
23h40 às 0h45 Leões da Vila Padre Anchieta – Grupo Especial
0h50 às 01h55 Estrela D’Alva – Grupo Especial
02h00 às 03h05 Renascença – Grupo Especial

Confira os horários dos desfiles da noite de terça-feira (12):

Horário Escola de Samba ou Bloco Carnavalesco
19h30 Apresentação da Realeza: Rei Momo e Rainha e Abertura do Desfile
20h às 20h40 Bloco Bola de Neve
20h45 às 21h35 Unidos do Paranapanema – Grupo de Acesso
21h40 às 22h35 Acadêmicos dos Amarais – Grupo Especial
22h40 às 23h35 Ponte Preta Amor Maior – Grupo Especial
23h40 às 0h45 Unidos do Shangai – Grupo Especial
0h50 às 01h55 Rosa de Prata – Grupo Especial

ICFUT – CARNAVAL 2013 – 1º NOITE DE DESFILE DO CARNAVAL DO RIO DE JANEIRO.

images

DESFILE DA INOCENTES DE BELFORD ROXO 2013

DESFILE DO SALGUEIRO 2013

DESFILE DA UNIDOS DA TIJUCA 2013

Toquinho é destaque no desfile da União da Ilha – Carnaval do Rio na Marquês de Sapucaí 2013

Mocidade Independente de Padre Miguel – Desfile com a história do Rock in Rio

DESFILE DA PORTELA 2013

ICFUT – CARNAVAL 2013 – Escolas de samba de Santos levam emoção ao sambódromo lotado

Fonte: Tribuna Online

Carolina Iglesias

Mesmo sem o luxo das agremiações paulistas e cariocas, o que se viu no primeiro dia de desfiles das agremiações santistas, que compõem o Grupo Especial, foi um misto de emoção e garra. 

Com o sambódromo lotado, 6.400 integrantes de cinco escolas arrancaram aplausos emocionados do público, que acompanhava, com o coração apertado, mais uma disputa acirrada pelo título do Carnaval santista.

Entre a noite de domingo e a madrugada de segunda-feira, cinco escolas passaram pela Passarela do Samba, Dráusio da Cruz, na Zona Noroeste, encantando foliões. E a ansiedade e nervosismo para quem já se apresentou não acaba nesta segunda. Afinal, até madrugada de terça-feira, o sambódromo será palco para o desfile de outras cinco agremiações santistas. A apuração do resultado acontece na quarta-feira, ao meio dia, no Teatro Municipal.

A 60ª edição do evento na Cidade foi aberta pelo grupo Afoxé Filhos de Ijesa, que trouxe ao sambódromo a magia da África. Na sequência, a Corte Carnavalesca saudou aos cerca de 10 mil espectadores, que aguardavam ansiosos o início da festa popular. 

Mocidade Independente de Padre Paulo

A difícil tarefa de iniciar os desfiles do Grupo Especial ficou a cargo da Mocidade Independente de Padre Paulo, que este ano retornou à elite do carnaval santista.

 
 

Créditos: Bruno Miani/A Tribuna

Mesmo com um susto no meio da apresentação, a Padre Paulo esbanjou alegria e simpatia no desfile

A apresentação da escola foi marcada por um susto logo nos primeiros minutos. No entanto, o desaparecimento de parte das fantasias da ala das baianas, além de problemas técnicos no carro de som, não tirou o brilho da escola que trouxe em seu enredo a história da maçonaria. 

Com um desfile modesto, mas contagiante, a escola de samba abordou alguns dos principais acontecimentos que mudaram a trajetória do mundo e do País, desde os primeiros registros do surgimento da maçonaria. Destaque para membros da maçonaria famosos, como Duque de Caxias, o santista José Bonifácio e até mesmo o imperador Dom Pedro. 

Real Mocidade Santista

Segunda escola a se apresentar na Passarela do Samba, a Real Mocidade levantou a plateia, invadindo o sambódromo com uma legião de bonecos. O abre-alas da agremiação, um dos mais emocionantes da noite, apresentou bonecos de fantoche e integrantes fantasiados de bonecos de barro.

 
 

Créditos: Bruno Miani/A Tribuna

A Real Mocidade foi a segunda escola a desfilar e animou o sambódromo com uma legião de bonecos

Entre as novidades no sambódromo, a participação do diretor teatral Amauri Alves, da Cia. Histórias do Baú, que representou a luta da região pelo resgate e pela manutenção dessa arte.

“O que vimos na avenida é fruto de cinco meses de trabalho, de empenho que envolveu toda a comunidade”, destacou o presidente da agremiação Edson Ferreira, conhecido como Edinho.

Amazonense

Forte candidata ao título, a agremiação Mocidade Amazonense, nascida em Vicente de Carvalho, foi a terceira escola do Grupo Especial a invadir a passarela do Carnaval de Santos. 

Com versos inspirados no mestre Luiz Gonzaga, a escola deu um show na avenida e mostrou que mesmo não sendo santista, está no coração de grande parte dos foliões.

Com o samba enredo na boca do povo, a agremiação trouxe à avenida histórias, tradições e personagens do nordeste brasileiro, representados por meio da literatura de cordel, reisado, frevo, além das tradições nordestinas do boi bumbá. Após 55 minutos de apresentação, a escola deixou a avenida com a sensação de dever cumprido.

Brasil

Penúltima escola a desfilar, a Brasil, tradicional agremiação do bairro da Aparecida, retratou a essência dos recados transmitidos das mais diferentes formas ao longo da História da Humanidade que, apoiada na tecnologia, alterou os formatos e os meios de enviar suas mensagens. 

Entre as novidades que levou à Passarela do Samba, destaque para as alas coreografadas, que incrementaram a apresentação da escola, e a altura e tamanho dos carros alegóricos, que este ano acompanharam a tendência dos desfiles realizados em São Paulo e no Rio.
Vila Mathias

A noite de desfiles foi encerrada pela caçula do Carnaval santista, a Vila Mathias, que optou por uma apresentação leve e harmoniosa, na tentativa de garantir a continuidade no Grupo Especial.

Com o enredo Um Chuá de Cores pelos Pincéis da Vila, a agremiação, criada em 2008 cumpriu a promessa de colorir o sambódromo, porém não veio com carros tão grandiosos como os utilizados pelas outras agremiações. A escola não apresentou problemas na evolução durante o desfile que durou até as 5h45 desta segunda-feira.

 
 
 

Créditos: Bruno Miani/A Tribuna

A Brasil deu destaque para as alas coreografadas, que incrementaram a apresentação da escola

ICFUT – CARNAVAL 2013 – Luto, mulheres e Elke Maravilha marcam desfile do Grupo de Acesso

Fonte:Globo.com

Compositor da Leandro de Itaquera morreu horas antes de apresentação.
Campeã e vice garantem vagas no Grupo Especial de SP em 2014.

Belas morenas à frente da bateria da Leandro de Itaquera (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)Belas morenas à frente da bateria da Leandro de Itaquera (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

O desfile das oito escolas do Grupo de Acesso do carnaval paulistano, ocorrido na noite de domingo (10) e na madrugada desta segunda-feira, foi marcado por belas passistas, pelo luto por causa da morte de um integrante da Leandro de Itaquera e pela atriz Elke Maravilha, homenageada pela Estrela do Terceiro Milênio.

As apresentações começaram por volta das 21h20 de domingo (10), com a Unidos de Santa Bárbara, estreante no Grupo de Acesso. Sob chuva, a agremiação vencedora do Grupo 1 da União das Escolas de Samba Paulistanas (Uesp) em 2012 levou ao Sambódromo do Anhembi, na Zona Norte de São Paulo, um enredo sobre a paz.

Unidos de Santa Bárbara abre desfiles do Grupo de Acesso em São Paulo (Foto: Nathália Duarte/G1)Unidos de Santa Bárbara abriu desfiles do Grupo
de Acesso em SP (Foto: Nathália Duarte/G1)

Na comissão de frente, hippies acompanhados de uma kombi caracterizada transmitiam a mensagem do “paz e amor”. O primeiro setor tratou dos pequenos atos de gentileza, tema do abre-alas da agremiação. O setor também retomou a história do profeta Gentileza, um pregador que ficou famoso na década de 80 por fazer pinturas em viadutos da região central do Rio de Janeiro.

O enredo, cujo intérprete foi Jorginho de Soares, citou ainda a história de Jesus Cristo. Já o terceiro setor focou no bem estar ambiental. As alas mostraram o bom aproveitamento da água e a preservação das matas e dos animais. Para finalizar, a Unidos de Santa Bárbara falou da coleta seletiva e da reciclagem do lixo. O destaque da bateria foi a madrinha Tatiana Oliveira. Welson e Waleska formaram o casal de mestre-sala e porta-bandeira.

Comissão de frente da Camisa Verde e Branco levantou público (Foto: Ardilhes Moreira/G1)Comissão de frente da Camisa Verde e Branco levantou público (Foto: Ardilhes Moreira/G1)

A segunda a passar pelo Anhembi foi a Unidos do Peruche, que entrou na avenida pouco depois das 22h30. Rebaixada em 2011, a escola levou ao Sambódromo uma homenagem aos índios. Com a trégua da chuva que atingia a avenida no início da noite, a comissão de frente mostrou integrantes vestidos de índios e fazendo danças tradicionais. O abre-alas retratou o mistério da tradição do mundo segundo a mitologia da região do Xingu. Nos dois primeiros setores, o desfile seguiu retratando diversas tribos do Brasil, a resistência à colonização europeia e lendas amazônicas.

Já no terceiro setor, a escola mostrou a presença do índio no cinema e na arte brasileira. Ao fim, a Unidos de Peruche mostrou a contribuição indígena para as festas do país. O destaque foi para a festa do Boi Garantido e do Boi Caprichoso, de Parintins. A rainha de bateria da escola é a apresentadora Lola Melnick e a madrinha é Dani França. Já o casal de mestre-sala e porta-bandeira foi formado por Ruhanan Pontes e Ana Paula Sgarbi.

Com o objetivo de voltar à elite do carnaval de São Paulo, a escola Camisa Verde e Branco, terceira a passar pelo Anhembi nesta noite, contou a história de um velhinho que volta à infância e passa por aventuras no mundo da imaginação. O desfile da agremiação começou pouco depois das 23h30 e levantou a arquibancada.

Na comissão de frente, o personagem principal do enredo volta a ser criança e acorda em um reino encantado. A apresentação luxuosa contou com castelos, reis e rainhas, bruxas e até mesmo um dragão de duas cabeças.

No primeiro setor, o personagem principal descobre um reino no fundo do mar, com sereias e outros seres. Já o segundo setor retrata uma cidade futurista com diversos super-heróis, como o Super Homem e a Mulher Maravilha. O quarto e último setor representou uma cidade dos sonhos, com casas de chocolate, sorvetes aos montes e brinquedos como um carrossel.

No final, o velhinho percebe que tudo não passou de um sonho. O intérprete da escola foi Igor Sorriso. Já o destaque da bateria foi a Rainha do Carnaval 2013, Ariellen da Silva.
A Imperador do Ipiranga, que entrou no Sambódromo por volta da 0h35, apresentou um apelo a favor das crianças. Com o enredo “Ouviram do Ipiranga um grito de esperança”, a escola da Zona Sul tratou da exploração infantil.

Já na comissão de frente, uma polêmica. A ala tratou do aborto. O primeiro setor mostrou o tema de forma abrangente, apontando as diversas formas de exploração das crianças. O segundo tratou das leis que foram criadas para ajudar a melhorar a situação dos menores. Já o terceiro setor apresentou formas de ajuda às crianças, com referências a organizações não governamentais, família e Igreja.

O carro do último setor foi um dos destaques do desfile, pois retratou instituições que ensinam crianças a fazer arte com material reciclado. A alegoria trouxe um grande boneco de lixo com prateleiras em que objetos feitos por crianças foram exibidos. Outro destaque foi a rainha de bateria, Khawany de Oliveira, e o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, José Roberto Vicente e Daniela Motta. O intérprete do samba da escola foi Evandro Malandro.
 

Baianas da Leandro de Itaquera rodopiam no Sambódromo (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)Baianas da Leandro de Itaquera rodopiam no Sambódromo (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

Por volta da 1h40, a Leandro de Itaquera entrou no Anhembi. Antes, porém, fez um minuto de silêncio em memória do compositor Ronald Elias Balvetti, o Xixa, que morreu horas antes do desfile. A agremiação foi buscar nas suas origens a inspiração para seu enredo. A escola vai homenagear o negro e toda a sua herança cultural no país. “A escola foi fundada por negros, então queremos preservar a tradição do carnaval com esse tema. A palavra-chave é resistência negra, desde a escravidão até hoje”, disse o carnavalesco Rodrigo Cadete.

Com o enredo “O leão guerreiro mostra sua força! É a garra e a bravura do negro, no quilombo Leandro de Itaquera”, a abertura mostra uma corte negra de Palmares com o símbolo da escola, o leão, no abre-alas. O desfile seguiu com os ciclos do ouro, do açúcar e do café, em que os negros trabalharam para construir a riqueza do país.

No próximo setor, a escola mostrou as heranças culturais dos negros no Brasil em diversas áreas, como arte, culinária e música. O término apresentará a Leandro de Itaquera como um quilombo paulistano, “uma escola de negros que preserva sua herança cultural”, como Cadete ressaltou.

Segundo o carnavalesco, um dos destaques da escola é a bateria, que entrou na avenida caracterizada de Xangô. À frente da bateria está a rainha Viviane Santos. Murilo Felix e Karin Darling são o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira.

O desfile deste ano da Pérola Negra começou por volta das 2h45. A agremiação retratou a peça “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna. Segundo o carnavalesco André Machado, levar a história para a avenida era um velho sonho. “Estava engavetado havia oito anos. Então apresentei para a Pérola Negra neste ano e toparam, pois é fácil, barato e oportuno”, disse.

A peça conta a história dos amigos João Grilo e Chicó no sertão nordestino. A comissão de frente mostrar a chegada do circo na cidade paraibana de Taperoá e os palhaços anunciando que o espetáculo vai começar. O abre-alas foi puxado por dois calangos, animal típico do Nordeste.

O resto do desfile trata do julgamento após a morte dos personagens. O segundo carro tem um túnel, por onde uma ala que entrava por uma ponta e saía por outra, representando a passagem dos homens ao mundo dos mortos. Um lado da alegoria representava anjos e o outro, os demônios.

O terceiro carro do desfile, cujo samba foi interpretado por Douglinhas Aguiar, teve como foco a acusação do diabo, que mostra para onde João Grilo e Chicó irão caso sejam condenados. A alegoria era toda laranja e vermelha, retratando o inferno. Já o último carro mostrou a compadecida, que é a advogada dos personagens. Ela foi apresentada em uma escultura de 8 metros. A escola teve como rainha de bateria Keile Vitoriano. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira foi André e Gisa.
 

Elke Maravilha foi homenageada pela Estrela do Terceiro Milênio (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)Elke Maravilha foi homenageada pela Estrela do Terceiro Milênio (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

Cerca de uma hora depois a Estrela do Terceiro Milênio entrou na avenida homenageando a atriz e apresentadora Elke Maravilha. Segundo o carnavalesco Eduardo Felix, a escola contou toda a trajetória dela, desde sua chegada ao Brasil até os trabalhos atuais. O intérprete principal da escola foi André Pantera.

A comissão de frente, chamada de “Caixa de Pandora”, mostrou as origens de Elke. Ela é filha de pai russo e mãe alemã, então alas mostraram homens e mulheres vestidos com características dos dois países. O abre-alas representou a Catedral de São Basílio, que fica na Praça Vermelha, em Moscou, na Rússia – país em que Elke nasceu.

O segundo carro representou a carreira de Elke no cinema e no teatro, mostrando algumas de suas obras. Já a terceira alegoria vai ser um setor bem alegre, segundo o carnavalesco. “Elke foi eternizada pelos excluídos, pois ela é madrinha dos gays, dos presidiários, dos portadores de hanseníase e é madrinha das prostitutas. Vamos falar um pouco disso”, comentou carnavalesco Eduardo Felix. O último carro foi a alegoria em que a própria Elke desfilou na avenida. A estrutura foi enfeitada com diversas estrelas e o símbolo da escola, a coruja.

A rainha de bateria é Elaine Cristina. Já o casal de mestre-sala e porta-bandeira é Alex e Edilaine. O enredo é “Reluz na constelação da Terceiro Milênio uma maravilha de estrela chamada Elke”.

A última a se apresentar, por volta das 4h50, foi a Morro de Casa Verde. Com o enredo “Ecoou no morro um grito de liberdade”, a escola de samba levou ao Anhembi diversas lutas sociais. Segundo o carnavalesco Arisvaldo Oliveira Soares, a comissão de frente da escola homenageou personagens como Irmã Dulce e Chico Xavier.

No primeiro setor, o enredo, que tem como intérprete Adeílton Almeida, tratou da liberdade sexual e racial. Mostrou a chegada de Dilma Roussef à Presidência do Brasil na ala das baianas, e também a ascensão do negro, tendo o presidente americano Barack Obama como referência.

Ala colorida do desfile Morro Casa de Verde, escola que desfilou no Grupo de Acesso de São Paulo (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)Ala colorida do desfile da Morro Casa de Verde (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

O segundo setor foi ainda mais político, tratando da liberdade política e da campanha das “Diretas Já”. O terceiro setor abordou a liberdade religiosa, com uma alegoria que trouxe o coração de Cristo circundado de símbolos de diversas outras religiões, como budismo, umbanda e espiritismo.

Para fechar, a escola voltou ao tema sexual para representar uma grande festa LGBT, aos moldes da Parada Gay. “É um desfile inteiramente luxuoso, requintado”, comentou Soares. A rainha de bateria será Daiane Macedo. O primeiro casal de mestre sala e porta bandeira é formado por Diego e Carol.

O resultado da categoria será divulgado no dia 12 de fevereiro, e as escolas vencedoras se apresentam novamente no dia 15, das 22h às 4h, começando pelas duas primeiras colocadas do Grupo de Acesso e, em seguida, com o desfile das cinco primeiras colocadas do Grupo Especial.

Por Cleber Aguiar – Nigéria vence Copa Africana e garante vaga na Copa das Confederações

Fonte: Globo.com

Super Águias completam o Grupo B da competição, que será disputada no Brasil em junho, ao lado de Espanha, Uruguai e Taiti

Sensação do futebol africano entre os anos 90 e a primeira década da virada do milênio, com participações em quatro das últimas cinco edições da Copa do Mundo, a Nigéria voltou a ter protagonismo neste domingo. As Super Águias venceram Burkina Faso por 1 a 0, conquistaram a Copa Africana de Nações pela terceira vez e, consequentemente, garantiram vaga na Copa das Confederações, que vai ser disputada entre os dias 15 e 30 de junho deste ano no Brasil.

A vaga africana foi a última a ser preenchida na competição. A Nigéria entra no Grupo B ao lado de Espanha, Uruguai e Taiti. A estreia será no dia 17 de junho contra os taitianos no Mineirão, em Belo Horizonte. A seleção africana poderá enfrentar o Brasil apenas na fase final, mas há uma péssima lembrança para os brasucas caso o confronto aconteça: as Águias venceram a Seleção por 4 a 3 nas semifinais das Olimpíadas de 1996 e acabaram ficando com a medalha de ouro. Na cerimônia de entrega das medalhas, os brasileiros, que ficaram com o bronze, não subiram ao pódio.

Nigéria comemora gol sobre Burkina Faso (Foto: AFP)Águias felizes: nigerianos comemoram o gol do título continental (Foto: AFP)

Nigéria domina e, mesmo com falhas, chega ao gol

No primeiro tempo, a Nigéria permitiu-se deixar a defesa desprotegida para priorizar o ataque. Foi dominante durante os 45 minutos iniciais, mas nem tão brilhante na criação de jogadas. As duas equipes erraram incontáveis passes. No caso dos nigerianos, especialmente o último. Faltava às Águias a única qualidade de Burkina Faso: um homem de referência no ataque, no caso, Bancé, único a arriscar alguma coisa pelos Garanhões.

Brown teve uma chance espetacular para abrir o placar para a Nigéria aos nove minutos. Após cobrança de escanteio, o goleiro Diakité saiu mal do gol e deixou a bola escapar. Brown ficou com o rebote, mas, mesmo diante do gol vazio, chutou por cima do travessão. As melhores chances dos nigerianos foram criadas pelas pontas, especialmente pela direita, uma verdadeira avenida.

Cerimonia Abertura Copa Africana de Nações, Nigéria x Burkina Faso (Foto: AFP)Torcedores da Nigéria fazem a festa em Joanesburgo (Foto: AFP)

Moses tinha liberdade para atuar pelos dois lados e deu trabalho a Diakité, como aos 19 minutos, quando cruzou e obrigou o arqueiro rival a defender em dois tempos. O primeiro chute de Burkina Faso foi feito apenas aos 24 minutos. Bancé arriscou de fora da área, mas a bola passou longe dos postes. Três minutos depois, o grandalhão cobrou falta e, desta vez, a bola passou mais perto do gol.

Mas o jogo estava feio. Nos dois lados, todos os passes saíam com muita força e os atacantes ou tinham que correr muito para tentar dominá-la ou não conseguiam manter o controle. Foi justamente numa jogada em que a bola foi tratada com rispidez que nasceu o gol nigeriano. Aos 39 minutos, Moses tentou chutar, a bola bateu na defesa e subiu, sobrando para Mba, que deu um lençol em Koffi e, sem deixar a bola cair, chutou para o fundo da rede. Um belo gol, apesar de tudo.

Sunday Mba e Djakaridja Kone, Nigéria x Burkina Faso (Foto: AFP)Sunday Mba foi o autor do gol do título (Foto: AFP)

Nigéria não marca, leva susto, mas confirma a vitória

Na segunda etapa, Moses e Conté seguiam como as principais atrações. O burkinense teve duas tentativas nos dez minutos iniciais, mas novamente, os tiros saíram pela culatra. A partida ficou mais equilibrada com o passar do tempo e com o aumento do desespero dos Garanhões. A Nigéria quase pagou um preço alto demais por não transformar a superioridade em gols.

Aos 27 minutos, Musa recebeu um ótimo passe dentro da área. Poderia ter chutado de primeira, parado, pensado, tomado um chá para escolher com calma qual parte do pé seria a mais eficiente para o chute… estava tudo fácil demais. Tão fácil que o jogador caiu sozinho antes de receber a bola. Na jogada seguinte, Burkina Faso por pouco não o castigou.

Nakolma, com um bom passe por trás da defesa, deixou Sanou em ótimas condições. O burkinense chutou cruzado, mas o goleiro nigeriano conseguiu evitar o gol, se esticando para fazer a defesa com a ponta dos dedos. Foi a melhor chance de Burkina Faso na partida. A seleção tentou alguns contra-ataques, mas raramente incomodava Diakité. Título merecido para as Águais, que voltaram a honrar o prefixo “Super”.

Cerimonia Abertura Copa Africana de Nações, Nigéria x Burkina Faso (Foto: AP)Figurantes fazem forma do continente africano na cerimônia de encerramento da competição (Foto: AP)