ICFUT – TAÇA LIBERTADORES 2013 – LINK AO VIVO,JOGOS,GOL E TABELA.

241202hp2

 

LINK AO VIVO PARA JOGOS DA LIBERTADORES 2013 – CLIQUE AQUI !

1ª RODADA
22/01 – 21h15 Tigre-ARG 2 x 1 Deportivo Anzoategui-VEN
22/01 – 23h45 León-MEX 1 x 1 Deportes Iquique-CHL
23/01 – 22h00 São Paulo-BRA x Bolívar-BOL
23/01 – 22h00 LDU-ECU x Grêmio-BRA
24/01 – 20h00 Defensor Sporting-URY x Olimpia-PRY
24/01 – 22h15 Deportes Tolima-COL x Universidad César Vallejo-PER
2ª RODADA
29/01 – 20h15 Deportivo Anzoategui-VEN x Tigre-ARG
29/01 – 23h00 Deportes Iquique-CHL x León-MEX
30/01 – 20h15 Olimpia-PRY x Defensor Sporting-URY
30/01 – 22h00 Bolívar-BOL x São Paulo-BRA
30/01 – 22h00 Grêmio-BRA x LDU-ECU
31/01 – 22h45 Universidad César Vallejo-PER x Deportes Tolima-COL

Por Cleber Aguiar – Cheio de mistério, Neymar garante: ‘Roupa suja se lava em casa’

Fonte:Globo.com

Craque santista posta foto com camisa esbanjando bom humor

Neymar vive um bom momento em sua carreira de jogador. Nesta terça-feira, o craque santista fez parte da primeira lista de convocados do técnico Luiz Felipe Scolari, onde enfrentará a seleção da Inglaterra, no dia 6 de fevereiro, no estádio de Wembley. Já no Paulistão, na vitória por 3 a 1 diante do São Bernardo, o camisa 11 marcou dois gols no estádio Primeiro de Maio, mostrando seu “cartão de visitas” na temporada.

Na noite desta terça-feira, deixando um clima de mistério, mas sempre esbanjando bom humor, Neymar postou uma foto, onde veste uma camisa com a seguinte frase: ” Roupa suja se lava em casa”. Na mesma camiseta aparece uma mulher, provalvemente, “lavando” esta roupa suja, em uma máquina de lavanderia.

A pergunta que fica no ar. Tem tanta roupa suja para lavar, craque?

Neymar, roupa suja se lava em casa (Foto: Reprodução  / Instagram)Que roupa suja é  essa, Neymar ? (Foto: Reprodução / Instagram)

Por Cleber Aguiar – À la Neymar, Neilton marca três e coloca o Santos na final da Copinha

Fonte:Globo.com

Invicto, Peixe derrota o Palmeiras, na Arena Barueri, e tenta segundo título da competição, em sua quarta final, contra o Goiás, na próxima sexta-feira

Por Gustavo Serbonchini Barueri, SP

Em noite iluminada, à la Neymar, o atacante Neilton, de 18 anos, fez três gols, o último deles com direito a balãozinho dentro da área, e conduziu o Santos à vitória por 3 a 2 sobre o Palmeiras, na Arena Barueri, nesta terça-feira, garantindo a classificação alvinegra para a final da Copa São Paulo de Futebol Júnior. O adversário da decisão desta sexta-feira, no Pacaembu, será o Goiás, que eliminou o Bahia nos pênaltis – após 1 a 1 no tempo normal, venceu por 3 a 0 nas penalidades.

Diante de mais de 15 mil torcedores, os times começaram bastante nervosos, tanto em relação às jogadas duras quanto na desorganização em campo. O Peixe, um pouco melhor, abriu o placar no primeiro tempo em cobrança de pênalti e diminuiu as esperanças do Palmeiras logo com um minuto do segundo tempo. Neilton marcou os dois. Edílson, aos 11 da etapa complementar, ainda diminuiu e reacendeu o Verdão. Mas novamente Neilton ampliou para o Alvinegro. Aos 30, João Pedro marcou para o time da capital e deixou a torcida santista tensa, mas nada que pudesse atrapalhar a festa dos Meninos da Vila.

O Santos chega para a decisão invicto. Na fase de grupos, os santistas conquistaram duas vitórias e um empate. Já na segunda fase, o Peixe passou por Náutico (5 a 1). Nas oitavas e quartas de final a equipe se classificou nos pênaltis. Vaga conquistada diante do Grêmio Osasco-SP (1 a 1 no tempo normal e 4 a 3 nos pênaltis) e Audax-SP (novo 1 a 1 e 4 a 3 nas penalidades). Ao todo, a equipe de Claudinei Oliveira foi às redes adversárias por 11 vezes e sofreu apenas cinco gols.

Está é a quarta vez que a equipe da Vila Belmiro chega à decisão. O clube tem um título, conquistado em 1984, e dois vices – em 1982 e 2010.

Palmeiras x Santos - Copa São Paulo (Foto: Alex Silva / Ag. Estado)Neilton e Bruno Dybal disputam jogada no primeiro tempo do clássico (Foto: Alex Silva / Ag. Estado)

Nervosismo e Peixe em vantagem

A semifinal entre Palmeiras e Santos começou em exagerado clima de tensão, com os dois times abusando das faltas. Mas o nervosismo que mais chamou atenção foi coletivo. Nenhuma das duas equipes apresentou um esquema tático organizado ou conseguiu construir jogadas conscientes. A maioria dos lances saiu em roubadas de bola ou erro dos adversários.

A pressão exagerada ficou evidente em dois lances do Palmeiras. Vinícius e Edílson, dentro da área, se enrolaram com a bola e perderam jogadas que poderiam levar perigo ao gol defendido por Gabriel Gasparotto.

Com o passar do primeiro tempo, o Santos passou a explorar trocas de passes de primeira em jogadas de velocidade. Em um momento de leve superioridade, o time da Baixada Santista abriu o placar. Neilton foi derrubado por Luiz Gustavo dentro da área, e o árbitro Thiago Luis Scarascati marcou pênalti. O próprio atacante foi para a cobrança e, com direito a corridinha para a bola parecida com a de Neymar, marcou para o Peixe, aos 26 minutos. Na sequência, Narciso sacou o defensor palmeirense para a entrada de Gabriel Dias.

As coisas não mudaram muito após o gol santista. O Palmeiras seguiu errando muitos passes no meio e, assim, não conseguiu criar as jogadas para marcar. Por isso, o Verdinho abusou dos chutes de fora da área que pouco levaram perigo para Gasparotto. Vinícius, destaque da equipe nas últimas partidas, quase não apareceu pela esquerda.

Depois do pênalti, o jogo ficou ainda mais brigado. Os dois times cometeram muitas faltas duras, e ambos os treinadores saíram reclamado da arbitragem.

Neilton gol santos (Foto: Levi Bianco / Ag. Estado)Neilton comemora o segundo gol do Peixe contra o Palmeiras (Foto: Levi Bianco / Ag. Estado)

Em noite de ‘Neymar’, Neilton desequilibra

O Palmeiras voltou para a segunda etapa com a necessidade de crescer na partida para buscar o empate. Mas não teve tempo de se ajeitar em campo quando sofreu o segundo gol. Após jogada dentro da área, Léo Cittadini, um dos destaques do Peixe na campanha, conseguiu passe para Neilton marcar, com menos de dois minutos.

Depois disso, o Verdinho tentou se arrumar em campo. Mas seguiu errando passes e passou a tentar os lançamentos diretos entre a defesa e o ataque. Assim, os zagueiros alvinegros não tiveram dificuldades para levarem vantagem diante dos palmeirenses.

Ainda com dificuldade na criação, o time da capital ‘achou’ o gol que renovou os ânimos. Após roubada de bola, Chico, pela direita, colocou na cabeça de Edílson. O meia subiu sozinho, testou firme no ângulo e diminuiu aos 11 minutos.

Após o gol, o Palmeiras cresceu na partida. O nervosismo que marcou toda a primeira etapa e o início da segunda deu lugar a um toque de bola envolvente que dificultou a vida dos santistas. Estes, por sua vez, contaram com a cadência de Léo Cittadini para tentar acalmar um pouco a partida, que passou a ficar tensa pelos lados do alvinegro. O Peixe ainda arriscou chutes de fora da área com o próprio meia e com Neilton que levaram perigo para Walter.

Mesmo um pouco atrás, aos 22, o Peixe ampliou o placar com Neilton, mas o árbitro marcou impedimento na jogada. Se um pouco antes ele estava irregular no lance, três minutos depois o atacante marcou para valer, um golaço. Deu um balão no zagueiro dentro da área antes de concluir, ampliando a vantagem para o Santos.

Em um momento que parecia que o Palmeiras não teria mais forças para reagir, João Pedro apareceu dentro da área e, aos 30 minutos, entrou de carrinho para colocar novamente a equipe na disputa pela vaga. Porém, a reação alviverde parou por aí. Melhor para o Santos, ainda mais para Neilton, o novo queridinho entre os Meninos da Vila.

Paulo Henrique brilha nos pênaltis contra o Bahia e leva Goiás à final

Goleiro defende quatro cobranças, duas no segundo tempo e duas na disputa decisiva, tem sorte com bola no travessão e garante classificação

Inspirado, o goleiro Paulo Henrique foi o herói da classificação do Goiás para a final da Copa São Paulo de Futebol Júnior. No estádio Nicolau Alayon, em São Paulo, o camisa 1 esmeraldino defendeu quatro cobranças de pênaltis do Bahia, duas repetidas no segundo tempo e duas na disputa extra, teve a sorte ainda de ver uma batida no travessão, e garantiu o time do Centro-Oeste na disputa do título após empate por 1 a 1 com a equipe de Salvador e vitória por 3 a 0 no duelo decisivo.

O Tricolor começou o jogo superior e abriu o placar logo aos 12 minutos, com gol de Matheus. O Esmeraldino correu atrás do prejuízo e arrancou o empate graças a Erick. No segundo tempo, a equipe goiana voltou com tudo e, apesar de ter um jogador expulso, pressionou os baianos. Também estava reservado para a etapa final o brilho da estrela de Paulo Henrique: o goleiro defendeu o pênalti cobrado por Raylan e, mesmo depois de a árbitra mandar repetir por invasão antes do chute, voltou a evitar o gol pulando no canto invertido ao da primeira conclusão.

Paulinho goleiro do Goiás defendendo pênalti contra o Bahia (Foto: Marcos Bezerra / Ag. Estado)Paulo Henrique defende pênalti contra o Bahia (Foto: Marcos Bezerra / Ag. Estado)

Com a confiança adquirida nas penalidades defendidas, Paulo Henrique foi avassalador na disputa decisiva depois dos 90 minutos. Com a frieza de um jogador experiente, fechou o gol e defendeu as duas primeiras cobranças do Tricolor. A terceira foi perdida por Zé Roberto, no travessão. O Esmeraldino só precisou converter suas três para comemorar a classificação.

O adversário do Goiás na final da Copinha será conhecido na noite desta terça-feira. Às 21h (de Brasília), Palmeiras e Santos disputam a vaga na decisão no torneio, que será realizada na próxima sexta-feira.

Bahia começa em vantagem, mas Goiás reage e arranca empate

O Bahia começou a partida parecendo que venceria com facilidade. Explorando bem as laterais, o Tricolor sufocou o Goiás. Sob forte marcação, a equipe esmeraldina teve dificuldade para achar espaços e não ofereceu perigo nos primeiros minutos.

O resultado da blitz tricolor veio logo aos 12. Após uma cobrança de falta da intermediária e bate-rebate na área do Goiás, Matheus pegou a sobra, tentou duas vezes e abriu o placar. Feijão ainda teve chance de ampliar alguns minutos depois, mas bateu para fora.

A resposta não demoraria a chegar. O despertar do time esmeraldino foi no meio da primeira etapa. Com tentativas de Erik e Clayton Sales, o Goiás assustou os jogadores do Tricolor baiano. O goleiro Renan precisou trabalhar bastante para manter a vantagem no placar.

Erik gol Goiás x Vasco Copa São Paulo de Juniores (Foto: Marcos Bezerra / Ag. Estado)Erick comemora o gol sobre o Bahia (Foto: Marcos Bezerra / Ag. Estado)

Aos 41, no entanto, não teve jeito. Após cruzamento na área do Bahia, Maracás falhou e deixou a bola passar. Dos pés de Erick, foi direto para o fundo da meta de Renan. Tudo igual no estádio Nicolau Alayon.

Ryder ainda perdeu uma grande chance de retomar a vantagem para os baianos aos 44 minutos. O atacante recebeu de costas, girou e avançou sozinho até a área. Mas a falha viria no chute: o jogador bateu mal e mandou a bola por cima, longe do gol.

Goiás com um a menos

As equipes fizeram um início de segundo tempo equilibrado. Paulo, pelo Goiás, e Carlos, pelo Bahia, quase marcaram. No entanto, aos oito minutos, um episódio que poderia desequilibrar o confronto: por falta dura em Ryder, Yago levou o segundo amarelo e foi mais cedo para o chuveiro.

Minutos depois, o lance capital da partida. Liniker derrubou Ryder dentro da área. Pênalti a favor do Bahia. Destaque da equipe tricolor, Raylan foi escalado para marcar. Mas o dia não estava favorável: o jogador bateu mal, e Paulo Henrique defendeu com facilidade. Mas a árbitra Regildênia de Holanda deu uma segunda chance à equipe baiana, mandando repetir a cobrança por invasão de área. Raylan foi tentar novamente, mudou de canto… E Paulo Henrique voltou a defender.

O Bahia sentiu desânimo pelos pênaltis perdidos e deu espaço para que o Goiás crescesse na partida. Se não fosse Renan, o placar final teria sido definido nos 90 minutos. O arqueiro tricolor fez grandes defesas em chutes de Erik, que mandou uma bomba de fora da área, e Liniker, que arriscou de longe.

No final do confronto, o Tricolor ainda esboçou uma reação. Afoito pela pressão do cronômetro, o Bahia tentou o triunfo com oportunidades inacreditáveis perdidas por Raylan e Feijão. Sem alteração no placar, restou a definição nos pênaltis.

Nas disputa decisiva, Paulo Henrique voltou a fechar o gol. Com frieza, o goleiro defendeu as duas primeiras cobranças do Bahia, vindas dos pés de Caio César e Ryder. Zé Roberto ainda mandou no travessão o terceiro pênalti do time baiano. Ao Goiás, bastou converter seus três para comemorar a classificação.