Por Cleber Aguiar – Responsáveis por arenas de Grêmio e Verdão analisam projeto do Santos

Fonte: Globo.com

Especialistas ouvidos pelo GLOBOESPORTE.COM aprovam estádio fora de Santos e valorizam momento econômico da Baixada Santista

Por Lincoln Chaves Santos, SP

grêmio arena arena do grêmio (Foto: Wesley Santos/Divulgação)Dirigentes santistas já conheceram a Arena do
Grêmio (Foto: Wesley Santos/Divulgação)

O projeto do Santos de ter um novo estádio, nos moldes de uma arena multiuso, é cercado de desafios e conceitos já conhecidos de outros dois grandes do futebol brasileiro. Um deles é o Grêmio, que inaugura neste sábado a arena que leva o nome do clube com um amistoso contra o Hamburgo, da Alemanha. Outro é o Palmeiras, que tem 45% da Arena Palestra concluída – a previsão é de que as obras terminem no segundo semestre de 2013.

Tricolores e alviverdes adotaram caminhos opostos. Diferente do que planeja o Santos, os dois clubes optaram pela demolição de seus estádios. O Grêmio, porém, decidiu construir a arena em outro terreno, cerca de 12,5 quilômetros (ou 23 minutos) distante do Olímpico. Já o Palmeiras optou por erguer sua nova casa na área do antigo Palestra Itália.

Segundo Eduardo Antonini, presidente da Grêmio Empreendimentos (responsável pela gestão da Arena), a opção pela mudança de ares se deu pela necessidade de um local mais amplo às obras planejadas para viabilizar o estádio – o empreendimento conta com shopping, centro de convenções, salas comerciais, hotel, edifício-garagem e complexo habitacional.

– Teremos todo um corredor de desenvolvimento, dando suporte ao estádio. Além de hotel, shopping e centro de eventos, serão mais de três mil apartamentos. Na verdade, criamos um “novo bairro”. Em Amsterdam também foi assim. Trata-se do mesmo conceito –  destacou.

No caso do Palmeiras, a conclusão de que o ideal seria erguer o estádio no terreno do próprio Palestra surgiu a partir do que Rogério Dezembro, diretor de novos negócios da WTorre (construtora que está erguendo a arena alviverde), vê como fundamental na concepção do empreendimento: o plano de negócios.

– Construir um estádio não é barato, especialmente com padrão Fifa. O plano estudado orientou o projeto de arquitetura da Arena. Colocamos os bois à frente da carroça, e não o contrário. Isso é padrão no mundo, mas no Brasil, era inédito – explicou.

Arena Palestra Itália (Foto: Divulgação)Arena Palestra Itália está 45% concluída e deve ficar pronta no final de 2013 (Foto: Divulgação)

Bons olhos

Antonini e Dezembro veem com bons olhos a possibilidade de o Peixe erguer sua sonhada arena fora de Santos – no caso, em Cubatão, também na Baixada Santista. Antonini destacou o exemplo do próprio Grêmio, cujo novo estádio será de mais fácil acesso aos torcedores que residem na região metropolitana de Porto Alegre.

– O Olímpico fica na zona sul, na ponta da cidade, enquanto a Arena do Grêmio está ao lado do aeroporto, na entrada (de Porto Alegre). Para a região metropolitana, o acesso fica mais fácil. No caso do Santos, uma situação interessante, merecedora de estudo, é a de uma possível arena nas proximidades das rodovias de acesso (a São Paulo). O empreendimento continuaria perto de Santos, mas próximo aos torcedores da capital, onde se encontra a maioria dos santistas – apontou.

– Realmente, é preciso pensar “fora da caixa”, não se limitar a Santos, mas ser abrangente em termos de Baixada. Nesse caso, o plano de negócios deveria levar em conta as zonas de impacto. Elas definem parâmetros como quem a arena vai atender, qual a renda dessa população ou qual o entretenimento daquela região. Além disso, considerar meses de verão e não verão, porque há uma mudança radical no perfil da população – emendou Dezembro.

O diretor da WTorre destacou, ainda, a expansão econômica vivida por Santos em função dos investimentos na indústria do petróleo e do pré-sal, além da posição geográfica da cidade no litoral. Características que, para o especialista, não podem ser esquecidas dentro de um de estudo de viabilidade.

– Santos passa por um crescimento acelerado, com investimentos que têm atraído grandes empresas. É uma cidade central em relação a Guarujá, Riviera de São Lourenço, Praia Grande e Itanhaém, que recebem muita gente nas férias. Além disso, a indústria do petróleo vai concentrar muitos profissionais e eventos. Haverá demanda para um centro de convenções? Que atividades poderiam ser criadas e hospedadas em uma arena multiuso? Há uma vocação que merece ser estudada – analisou.

Vila Belmiro Santos x Palmeiras (Foto: Marcelo Hazan / Globoesporte.com)Apesar de almejar novo estádio, Santos não vai abandonar Vila (Foto: Marcelo Hazan / Globoesporte.com)

O Santos, enquanto isso, está atento a projetos em andamento no Brasil e mesmo no exterior. Prova disso é que, recentemente, dois integrantes do Comitê de Gestão estiveram em Portugal estudando a viabilidade da Arena do Dragão, casa do Porto.

– Estamos acompanhando. Eu mesmo já fui conhecer a Arena do Grêmio, temos pessoas do clube acompanhando as obras como um todo. Os conceitos para esse segmento das arenas são novos, suscetíveis a erros e acertos. Há vários modelos econômicos e de operação, e temos que estar atentos a isso. Até para estudar a viabilidade – concluiu o vice-presidente santista, Odílio Rodrigues.

Por Cleber Aguiar – Chelsea desembarca calado no Japão para o Mundial de Clubes

Fonte: O Estado de São Paulo

Neste domingo, os jogadores e a comissão técnica da equipe inglesa chegaram ao aeroporto de Narita

A delegação do Chelsea foi a última a desembarcar no Japão para a disputa do Mundial de Clubes. Neste domingo pela manhã (horário de Brasília), os jogadores e a comissão técnica da equipe inglesa chegaram ao aeroporto de Narita e logo se encaminharam para Yokohama, onde estreiam na competição, na próxima quinta-feira.

 

David Luiz, Piazon e Oscar - Kiyoshi Ota/EFE
Kiyoshi Ota/EFE
David Luiz, Piazon e Oscar

Os jogadores do Chelsea só pisaram em solo japonês depois que seu adversário na semifinal já estava definido. Eles estavam no avião quando o Monterrey, do México, passou com facilidade pelo Ulsan Hyundai, por 3 a 1, em Toyota, e avançou no torneio.

Os ingleses foram os últimos a chegarem porque atuaram no último sábado pelo Campeonato Inglês, quando venceram o Sunderland por 3 a 1. No confronto, o volante Romeu precisou deixar o gramado ainda no primeiro tempo por conta de uma contusão e dificilmente atuará no Mundial.

Com quatro brasileiros no elenco (David Luiz, Ramires, Lucas Piazon e Oscar), o Chelsea chega ao Japão como um dos favoritos ao título. O primeiro treino da equipe está marcado para a tarde desta segunda-feira (4 horas de Brasília) já em Yokohama.

Por Cleber Aguiar – Fora de casa, United tira invencibilidade do City e dispara no Inglês

Fonte: Folha Online

O United venceu por 2 a 0 o clássico de Manchester fora de casa, neste domingo, encerrou a invencibilidade do arquirrival e vice-líder City no Campeonato Inglês, e aumentou para seis pontos sua vantagem na ponta, após 16 rodadas.

Havia 37 partidas que o time azul não perdia no seu estádio.

Os atacantes Rooney, duas vezes, e Van Persie marcaram os gols dos visitantes. O volante marfinense Yayá Touré descontou.

  Andrew Yates/AFP  
Rooney (ajoelhado no centro) festeja um dos seus gols no clássico ante o City
Rooney (ajoelhado no centro) festeja um dos seus gols no clássico ante o City

O mais produtivo ataque da competição, do United, autor de 39 gols, prevaleceu sobre a então melhor defesa, que havia sofrido somente 11.

Sábado, o City visitará o Newcastle, enquanto o United receberá o Sunderland, que habita a zona de rebaixamento.

CONFIRA OS JOGOS DA 16ª RODADA DO CAMPEONATO INGLÊS:

SÁBADO
Arsenal 2×0 West Bromwich
Aston Villa 0x0 Stoke City
Southampton 1×0 Reading
Sunderland 1×3 Chelsea
Swansea 3×4 Norwich
Wigan 2×2 Queens Park Rangers

DOMINGO
Manchester City 2×3 Manchester United
13h Everton x Tottenham
14h West Ham x Liverpool

SEGUNDA-FEIRA
Fulham x Newcastle

Por Cleber Aguiar – Com direito a provocação, Grêmio repete placar do Mundial e vence Hamburgo na estreia da Arena !

Fonte:Lancenet.com.br

André Lima foi o primeiro a marcar no estádio tricolor; Marcelo Moreno fez o gol da vitória

Eduardo Moura

HOME - Grêmio x Hamburgo (Foto: Ricardo Rimoli)
André Lima foi o primeiro a marcar gol na Arena do Grêmio (Foto: Ricardo Rimoli)

O torcedor temeu. Mas no fim, felicidade. No primeiro jogo na nova casa, na noite deste sábado, o Grêmio venceu o Hamburgo por 2 a 1 e inaugurou a Arena com vitória, repetindo o placar do duelo de Tóquio contra o time alemão, na final do Mundial de Clubes. O primeiro gol do estádio foi de André Lima, o Guerreiro Imortal.

ANDRÉ LIMA, O PRIMEIRO DA ARENA

O clima festivo da inauguração se manteve para o duelo com o Hamburgo. O apoio e os gritos da arquibancada jogaram os gremistas ao ataque. A promessa de “caldeiração” se fez presente. Logo aos 7 minutos, Leandro arrancou pela direita e arrematou no travessão. O êxtase estava próximo.

Dois minutos depois, a história à frente dos olhos dos tricolores. Elano levantou bola na área em escanteio. André Lima se antecipou à zaga alemã e desviou. Pela primeira vez, a bola se chocou com as redes das metas da Arena. Em uníssono, o grito dos gremistas comemorando o primeiro gol da nova casa. Na comemoração, o camisa 99 imitou Kidiaba e provocou o rival Internacional – no Gre-Nal da última rodada do Brasileirão, o goleiro Renan fez o gesto na despedida do clássico do Olímpico.

A sequência da partidda teve ritmo mais lento. Nas arquibancadas, muita emoção entre os torcedores. Gritos de pedido de marcação e reclamações quanto a erros eram ouvidos, mesmo com o clima festivo. O Grêmio poucas vezes passou por apuros. Rudnevs perdeu chance na frente de Grohe aos 35.

O ponto negativo ficou por conta da Geral do Grêmio. Após fazer uma festa animada, os torcedores começaram uma briga na arquibancada, aos 22, que se estendeu até o invervalo. A polícia precisou intervir e deteve alguns gremistas.

No retorno do intervalo, muitas substituições dos dois lados. Westermann e Son entraram no Hamburgo. Léo Gago, Marquinhos, Marcelo Moreno e Marco Antônio foram as mudanças de Vanderlei Luxemburgo.

TENSÃO ATÉ OS MINUTOS FINAIS

O início do segundo tempo esteve morno, com a torcida parecendo cansada com a longa festa. Sem a condução da Geral, pouco se ouviu os cantos das arquibancadas. A primeira chance do Tricolor teve Marcelo Moreno e Souza como protagonistas. O volante deu combate e fez desarme limpo no campo de ataque. Já o centroavante avançou pela direita após o passe do camisa 5, mas ao invés de arriscar para o gol, preferiu o passe para Leandro, que saiu equivocado. Westermann respondeu com um chute de longa distância que Grohe espalmou pela linha de fundo.

Com o passar do tempo, a partida diminuiu em intensidade. Luxa fez mais duas trocas. Colocou Rondinelly e Saimon na equipe gremista. O amistoso perdeu também em qualidade. Muitos erros de passe e fundamento dos dois lados. A partir dos 20 minutos, o clube alemão passou a ter mais iniciativa no jogo e criar mais situações no ataque. O Grêmio só criou aos 22, com Marco Antônio dando passe por cima e Marquinhos não conseguindo finalizar. Antes, Berg havia arriscado de longe, sem sucesso.

A proximidade dos alemães com o gol se tornou perigosa. Westermann arriscou de fora da área, após cruzamento de escanteio, e estragou a festa. Marcelo Moreno tentou cortar e tirou a bola do caminho de Marcelo Grohe: 1 a 1. Na comemoração, um torcedor solitário do Hamburgo esticou uma faixa nas tribunas celebrando o gol alemão.

Com o gol, os visitantes diminuíram um pouco o ritmo. Aos 31, Marquinhos tentou de fora da área e obrigou o goleiro Drobny a fazer defesa em dois tempos. E aos 42 minutos, novamente um centroavante vai às redes. E garante a vitória na inauguração da Arena. Marcelo Moreno completa cruzamento de Marquinhos de perna esquerda para colocar o Tricolor na frente.

A verdade é que as chances de gol e o futebol pouco importavam. A festa era para a Arena e seu primeiro jogo. A torcida, protagonista. E Foi o que aconteceu com a proximidade do apito final.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 2 X 1 HAMBURGO

Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 08/12/2012 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Amarilla (Fifa-PAR)
Renda/Público: Não divulgados.
Cartões amarelos: Leandro e Saimon (GRE); Tesche (HAM)
Cartões vermelhos: nenhum

Gols: André Lima, 9’/1ºT(1-0), Westermann, 25’/2ºT(1-1) e Marcelo Moreno, 42’/2ºT (2-1).

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Werley (Saimon, 18’/2ºT), Naldo e Anderson Pico (Tony, Intervalo); Fernando (Marco Antonio, Intervalo), Souza, Elano (Marquinhos, Intervalo) e Zé Roberto (Léo Gago, Intervalo); Leandro (Rondinelly, 18’/2ºT) e André Lima (Marcelo Moreno, Intervalo) – Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

HAMBURGO: Drobny, Bruma, Paul Scharner, Rajkovic (Diekmeier, 19’/2ºT), Aogo (Westermann, Intervalo), Sala, Rincon, Tesche (Arslan, 19’/2ºT) Ilicevic (Skjelbred, 36’/2ºT), Marcus Berg, Rudnevs (Son, Intervalo) – Técnico: Thorsten Fink.

Por Cleber Aguiar – Sob os olhares do Corinthians, Al Ahly vence e se garante na semifinal

Fonte:Globo.com

Debaixo de neve, time do Egito supera o Sanfrecce Hiroshima e será o adversário do Timão na próxima quarta. Brasileiros assistem ao confronto

Por GLOBOESPORTE.COM Toyota, Japão

O Corinthians já sabe qual será seu adversário na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa, que está sendo realizado no Japão. Presente no estádio de Toyota, o elenco brasileiro acompanhou de perto a vitória do Al Ahly, do Egito, por 2 a 1 sobre os anfitriões do Sanfrecce Hiroshima, na fria manhã deste domingo. O confronto aconteceu debaixo de neve, e a temperatura no momento era de apenas dois graus, com sensação térmica de menos dois.

Os jogadores do Corinthians, que treinaram mais cedo, chegaram com o jogo em andamento. Equipados com gorros, luvas e, é claro, grandes casacos, tiveram uma noção de como atua o Al Ahly, que é o maior campeão egípcio, com 35 títulos nacionais. Além da comissão técnica, estavam no estádio: Danilo, Alessandro, Chicão, Ralf, Fábio Santos, Willian Arão, Julio Cesar, Danilo Fernandes, Anderson Polga, Wallace, Guilherme Andrade, Giovanni e Edenílson.

Tite arquibancada Sanfrecce x Al Ahly (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Tite acompanha o confronto entre Sanfrecce e Al Ahly (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

A estreia do Timão será no mesmo local, na próxima quarta-feira, às 19h30m (8h30m horário de Brasília). O Chelsea joga no dia seguinte com o Monterrey, do México, que derrotou o Ulsan, da Coreia do Sul, por 3 a 1 nas quartas de final. Ambas partidas terão transmissão ao vivo do SporTV e acompanhamento em Tempo Real no GLOBOESPORTE.COM.

Egípcios começam bem e abrem o placar

O jogo começou movimentado. Logo aos dois minutos, o Al Ahly quase abriu o placar. Gedo recebeu belo lançamento, dominou dentro da área, mas acabou finalizando para fora. Na jogada, o goleiro Shusaku se machucou e teve que ser substituído por Masuda.

De tanto pressionar, os egípcios chegaram ao primeiro gol aos 14. Após uma bela triangulação, Handi recebeu cruzamento pela direita e, sozinho, apenas teve o trabalho de colocar para o fundo das redes. Tocando bem a bola, o Al Ahly parecia que seguia para uma vitória tranquila, mas os japoneses equilibraram o jogo. Apoiado pela torcida, que compareceu em bom número ao estádio, o Sanfrecce Hiroshima assustou aos 24. Depois de uma cobrança de falta, a zaga afastou mal e a bola sobrou para Mizumoto, que chutou forte, mas parou no goleiro Ekramy.

Mohamed Aboutrika gol Al Ahly (Foto: Getty Images)Mohamed Aboutrika comemora o gol da classificação para as semifinais (Foto: Getty Images)

O primeiro tempo mudou de figura definitivamente. O Al Ahly se perdeu e recuou bastante. Assim, acabou levando o empate. Após um escanteio pela esquerda, a zaga afastou para o alto, Mikic subiu e tocou de cabeça para Sato, que, de primeira, chutou forte para igualar tudo. O atual campeão japonês se animou e quase virou aos 37. Takahagi recebeu cruzamento rasteiro de Mikic, mas perdeu na cara do gol.

Sato perde três grandes chances de empatar

Assim como no primeiro tempo, o Sanfrecce Hiroshima voltou para a etapa final dominando as iniciativas. Melhor tecnicamente, a equipe japonesa trocava passes e buscava entrar na defesa adversária. Enquanto isso, o Al Ahly buscava os contra-ataques. E o objetivo deu certo aos nove minutos. O experiente Aboutrika, de 34 anos, recebeu na grande área, dominou e tocou na saída do goleiro para marcar o segundo gol. Masouda chegou a tocar na bola, mas não conseguiu a defesa. Silêncio no Estádio Toyota.

Hisato Sato gol Sanfrecce (Foto: Reuters)Sato marcou o gol do Sanfrecce (Foto: Reuters)

Os japoneses só conseguiram uma reação aos 23. Takahagi dominou lançamento longo na esquerda e cruzou na área, mas Sato chegou atrasado e perdeu uma boa chance de empatar. O próprio Sato voltou a deixar de fazer mais um na partida. Aos 35, ele recebeu sozinho entre os zagueiros e finalizou na saída do goleiro, mas a bola saiu.

O Sanfrecce Hiroshima foi para cima. Quatro minutos depois, Sato recebeu no bico da pequena área e chutou forte, mas o goleiro do Al Ahly faz milagre e segurou o resultado. Festa dos jogadores egípcios pela vaga nas semifinais do Mundial de Clubes da Fifa.