ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE A: Resultados, gols, classificação final e artilharia

Fonte: futebolinterior

Galo é vice-campeão e Sport o último rebaixado à Série B

Rodada final também teve empate no Grenal na despedida do Olímpico

Campinas, SP, 02 (AFI) – O Brasileirão de 2012 terminou na tarde deste domingo com oito jogos, e como não poderia ser diferente foi marcado por muita emoção nos clássicos estaduais. Com o Fluminense já tetracampeão, restou ao Atlético-MG conquistar o vice-campeonato e o Sport ser o último rebaixado à Série B de 2013.

Na Arena Independência, o Atlético-MG precisou suar para vencer o Cruzeiro, por 3 a 2, e comemorar o segundo lugar no Brasileirão. Com a vitória, o Galo chegou aos 72 pontos e ficou cinco atrás do líder Flu. Foi vice-campeão, porque o Grêmio não foi além do zero a zero com o Internacional. Já o Cruzeiro, permaneceu com os mesmos 52 e na nona posição – preferência para disputar a Sul-Americana na próxima temporada.

Outro jogo de arrancar suspiro dos torcedores aconteceu no Estádio dos Aflitos, onde o Náutico venceu o Sport por 1 a 0 e rebaixou o rival para a Série B. O Timbu se despediu no Brasileirão na 12.ª posição, com 49 pontos, e assim como o Cruzeiro, possibilidade de disputar a Sul-Americana. Leão foi o último rebaixado – já tinham caído Palmeiras, Atlético-GO e Figueirense.

Ainda contra a degola, a Portuguesa jogou com o regulamento embaixo do braço, empatou com a Ponte Preta, por 0 a 0, no Canindé, e ficou com a permanência no Brasileirão. Lusa encerrou o campeonato na 16.ª posição, com 45 pontos, e Macaca em 14.º, com 48. Dupla não conseguiu preferência para a Sul-Americana no ano que vem.

O Bahia também foi outro a se livrar do rebaixamento na última rodada, já que venceu o Atlético-GO, por 1 a 0, em Goiânia. Tricolor se despediu do Nacional com 47 pontos e na 15.ª posição. O time goiano já estava rebaixado e só entrou em campo animado com uma possível “mala branca” de R$ 200 mil enviada pelo Sport.

São Paulo carimba passaporte e Grenal empatado
O Corinthians vai levar na bagagem para o Japão uma derrota para o time reserva do São Paulo e o canto de "o freguês voltou", entoado em alto e bom som por mais de 20 mil tricolores no Pacaembu, neste domingo. Se servia como teste para o Mundial, o time alvinegro não passou na prova. Apesar de ter saído na frente, a equipe de Tite levou a virada com um gol de Douglas e dois de Maicon, e encerrou o Brasileirão com uma derrota por 3 a 1 e ouvindo ‘olé’. Se serve de atenuante, o árbitro anulou um gol legal corintiano no primeiro tempo, que seria o de empate em 2 a 2.

Os dois times ainda jogam duas vezes no ano. O São Paulo entra em campo nesta quarta-feira, na Argentina, na primeira partida da final da Copa Sul-Americana. No dia 12 decide a competição no Morumbi, contra o Tigre. No mesmo dia o Corinthians estreia no Mundial de Clubes. A viagem é na madrugada desta terça.

Nem os versos de Carlos Gardel ou as palavras de Érico Verissímo seriam capazes de descrever um final mais trágico para o Estádio Olímpico. Com dois jogadores a mais, o Grêmio viu o maior rival, Inter, ser o Imortal na tarde deste domingo, e arrancar um empate sem gols, na última rodada do Campeonato Brasileiro.

De quebra, o empate sem gols não foi nada bom para o time na classificação. Isto porque, o resultado, somado à vitória do Atlético-MG, fez o Grêmio cair para a terceira posição, com 71 pontos. Com isso, o Tricolor terá que disputar a pré-Libertadores. O Inter, por outro lado, terminou apenas na décima posição, com 52 pontos.

Encerrando os jogos, o Coritiba venceu o Figueirense, por 3 a 0, no Couto Pereira, e ficou próximo de disputar a Sul-Americana em 2013. No Rio de Janeiro, o Vasco venceu o Fluminense por 2 a 1.

Confira os resultados da 38ª rodada:

Sábado

Flamengo-RJ 2 x 2 Botafogo-RJ
Santos-SP 3 x 1 Palmeiras-SP

Domingo

Grêmio-RS 0 x 0 Internacional-RS
Portuguesa-SP 0 x 0 Ponte Preta-SP
Atlético-MG 3 x 2 Cruzeiro-MG
Coritiba-PR 3 x 0 Figueirense-SC
Náutico-PE 1 x 0 Sport-PE
Fluminense-RJ 1 x 2 Vasco da Gama-RJ
São Paulo-SP 3 x 1 Corinthians-SP
Atlético-GO 0 x 1 Bahia-BA

Gols

 

 

 

 

 

 

 

Classificação final

Clube PG JG VI EM DE GP GC SG %A
1  Fluminense-RJ 77 38 22 11 5 61 33 28 67.5
2  Atlético-MG 72 38 20 12 6 64 37 27 63.2
3  Grêmio-RS 71 38 20 11 7 56 33 23 62.3
4  São Paulo-SP 66 38 20 6 12 59 37 22 57.9
5  Vasco da Gama-RJ 58 38 16 10 12 45 44 1 50.9
6  Corinthians-SP 57 38 15 12 11 51 39 12 50.0
7  Botafogo-RJ 55 38 15 10 13 60 50 10 48.2
8  Santos-SP 53 38 13 14 11 50 44 6 46.5
9  Cruzeiro-MG 52 38 15 7 16 47 51 -4 45.6
10  Internacional-RS 52 38 13 13 12 44 40 4 45.6
11  Flamengo-RJ 50 38 12 14 12 39 46 -7 43.9
12  Náutico-PE 49 38 14 7 17 44 51 -7 43.0
13  Coritiba-PR 48 38 14 6 18 53 60 -7 42.1
14  Ponte Preta-SP 48 38 12 12 14 37 44 -7 42.1
15  Bahia-BA 47 38 11 14 13 37 41 -4 41.2
16  Portuguesa-SP 45 38 10 15 13 39 41 -2 39.5
17  Sport-PE 41 38 10 11 17 39 56 -17 36.0
18  Palmeiras-SP 34 38 9 7 22 39 54 -15 29.8
19  Atlético-GO 30 38 7 9 22 37 67 -30 26.3
20  Figueirense-SC 30 38 7 9 22 39 72 -33 26.3
LegendaPG – Pontos Ganhos | JG – Jogos Disputados | VI – Vitórias | EM – Empates
DE – Derrotas | GP – Gols Pró | GC – Gols Contra | SG – Saldo de Gols
%A – Porcentual de Aproveitamento de Pontos


 
 
Classificados à Taça Libertadores.
 
 
Classificados à Sul-americana
 
 
Rebaixados à Serie B
 
 
Classficados à Libertadores

 

Artilharia

Atualizado em 02/12 às 20h25

20 GOLS
Fluminense –
Fred

17 GOLS
São Paulo – Luis Fabiano

14 GOLS
Figueirense Aloísio
Palmeiras – Barcos
Portuguesa – Bruno Mineiro
Santos – Neymar

13 GOLS
Náutico – Kieza

12 GOLS
Flamengo –
Vagner Love

Por Cezar Alvarenga – Em jogo de viradas, Atlético vence o Cruzeiro e é vice-campeão do Brasileirão.

Fonte: Yahoo! Esportes

Pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2012, Atlético-MG e Cruzeiro fizeram, mais uma vez, um clássico mineiro para testar cardíaco. Em nova chuva de gols, o Galo levou a melhor depois de tomar uma virada. Com o placar de 3 a 2 (gols de Bernard, Léo Silva e Réver), combinado com o empate sem gols do Grêmio diante do Internacional, Alvinegro mineiro venceu o maior rival e ainda garantiu vaga direta na fase de grupos da Libertadores do ano que vem.

O Jogo

Quem foi que achou que o clássico mineiro seria apagado? O Atlético-MG era o único que possuía algo a buscar – o vice-campeonato e a vaga direta na fase de grupos da Libertadores -, mas o Cruzeiro estava disposto a atrapalhar os planos do Galo, e o árbitro Paulo César Oliveira teve que mostrar pulso firme para contralar o ímpeto de ambas equipes.

Com a torcida empurrando, o Galo saiu na frente logo no começo. Guilherme, contestado, cruzou para Jô desviar, Bernard não vacilou e bateu de primeira, em um lance em que a zaga celeste não teve o que fazer. Galo 1 a 0, e o Independência veio abaixo.

Contudo, o lado direito do Atlético-MG bobeou na marcação, e o Cruzeiro quase empatou, mas a trave salvou o goleiro Victor, que, potsariormente, tirou a bola do pé de Martinuccio. Everton havia caído no gramado no lance e, no contra-ataque atleticano, o juiz paralisou o jogo para o atendimento do jogador cruzeirense.

Enquanto o lado direito cochilava, Bernard e Richarlyson, pela esquerda, davam trabalho para a zaga celeste. Do lado azul do duelo, Montillo era o centro das ações, deslocado pela direita e driblando bem a marcação cerrada. O Cruzeiro detinha os escanteios, e o Galo, os contra-ataques. Em um deles, Ronaldinho deixou Tinga na saudade e descobriu Guilherme livre na esquerda. Com o pé ruim, o camisa 10 só arrancou suspiros do torcedor.

Mas Guilherme iria se redimir novamente. Ele deu o passe para Jô girar ao redor de Leandro Guerreiro e sofrer um pênalti aos 36 minuto, cuja cobrança Ronaldinho, surpreendentemente, errou, e Fábio defendeu.

Com isso, o Cruzeiro cresceu no jogo. Richarlyson deixou o corredor na esquerda livre, Montillo cruzou, e Martinuccio chegou de trás para cabeçear sem defesa para o goleiro Victor.

Segundo tempo

Se o Atlético-MG conseguiu marcar o primeiro gol logo no começo do jogo, o Cruzeiro deixou o Independência caladinho com um tento também aos cinco minutos, mas do segundo tempo. Dormindo em campo, o Galo viu Everton chutar no canto de Victor, totalmente livre dentro da área.

Três minutos depois, houve a primeira confusão entre os jogadores. Tinga e Leandro Donizete se atracaram e receberam o cartão vermelho.

A expulsão afetou mais o Cruzeiro, que perdeu o homem de ligação no meio de campo. De tanto cruzar em escanteios, finalmente o Atlético foi feliz. Léo Silva, sempre ele, empatou o clássico depois de cobrança de escanteio.

E a tarde era mesmo dos zagueiros-artilheiros. Se Léo Silva havia anotado seu sétimo gol no Brasileiro, Réver se motivou e testou outra cobrança de escanteio perfeita. Nova virada na partida, com o capitão alvinegro fazendo seu sexto gol na competição.

No fim, Anselmo Ramon ainda recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 3 X 2 CRUZEIRO

Local: Independência, Belo Horizonte (MG)

Data/Hora: 02/12/2012 – 17h (de Brasília)

Árbitro: Paulo Cesar Oliveira (SP)

Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)

Público e Renda: 21.232 pagantes e R$ 753.000,00

Cartões amarelos: Pierre (CAM), Anselmo Ramon (CRU), Thiago Carvalho (CRU), Marcos Rocha (CAM), Ronaldinho (CAM) e Charles (CRU)

Cartões vermelhos: Tinga, 8’/2ºT (CRU), Leandro Donizete, 8’/2ºT (CAM) e Anselmo Ramon, 43’/2ºT (CRU)

GOLS: Bernard, 5’/1ºT (1-0), Martinuccio, 46’/1ºT (1-1), Everton, 5’/2ºT (1-2), Leonardo Silva, 14’/2ºT (2-2) e Réver, 29’/2ºT (3-2)

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Richarlyson (Triguinho, 45’/2ºT); Pierre, Leandro Donizete, Guilherme (Neto Berola, 7’/2ºT), Ronaldinho (Serginho, 31’/2ºT) e Bernard; Jô. Técnico: Cuca

CRUZEIRO: Fábio, Ceará, Leandro Guerreiro, Thiago Carvalho e Everton (Souza, 37’/2ºT); Charles, Marcelo Oliveira, Tinga e Montillo (Elber, 42’/2ºT); Anselmo Ramon e Martinuccio (Wellington Paulista, 37’/2ºT). Técnico: Celso Roth.

 

Por Cezar Alvarenga – Com dois a mais na despedida do Olímpico, Grêmio empata com Inter e fica em terceiro no Brasileirão.

Fonte: Yahoo! Esportes

Primeiro tempo: o Olímpico não merecia

O clima festivo começou ainda na manhã deste domingo. E seguiu tarde adentro. Os gremistas celebraram o final de uma era e a última partida do Estádio Olímpico Monumental com felicidade e alegria. Ou seja, fora de campo, tudo era festa. No gramado, porém, o estádio merecia homenagem melhor.

Os dois técnicos iniciaram o jogo com formações cautelosas: três volantes e apenas um atacante, de área, na frente. Tanto Osmar Loss quanto Luxemburgo optaram pela garantia de um time mais fechado. Logo cedo, por um choque com Ygor, o zagueiro Werley foi substituído por Saimon.

Nas quatro linhas, o que se viu foi um reflexo disso. O Grêmio precisava, naquela altura, vencer para garantir vaga direta na Copa Libertadores. O Atlético-MG praticamente iniciou a partida ganhando do rival Cruzeiro, o que obrigava os gaúchos a ter vantagem sobre o Inter.

O Tricolor até teve mais iniciativa, mas criou sua única chance aos 38 minutos, quando Anderson Pico deu um pouco de beleza ao jogo e, com uma janelinha, passou como quis por Edson Ratinho. André Lima completou o cruzamento na altura da marca do pênalti, à direita do gol de Muriel.

Já os colorados abusaram dos lançamentos longos de zagueiros e laterais. Leandro Damião cansou de disputar no alto – e perder – com os gremistas. Guiñazú, que deveria cumprir as tarefas de meia, parecia desconfortável na função. Em sua única jogada de produtividade, lançou Fred pela esquerda. O garoto cruzou na área, e Leandro Damião se antecipou a Naldo para desviar pela linha de fundo.

A arquibancada explodiu mesmo foi com a perda dp pênalti de Ronaldinho Gaúcho no clássico mineiro e o subsequente gol do Cruzeiro. Explosão de felicidade com a então classificação direta à Libertadores, mesmo com o empate. O intervalo chegou com o 0 a 0 no placar.

Segundo tempo digno de Gre-Nal

Parece que toda a emoção do clássico estava guardada para a etapa final. Logo nos primeiros minutos, Saimon deu grande lançamento para Elano, às costas de Fabrício. O meia encobriu Muriel, mas o goleiro colocou a mão na bola fora da área e evitou o gol. Expulsão e falta boa para o Grêmio. Antes da cobrança, porém, muita confusão. Fred, de 19 anos, catimbou o jogo como veterano, foi até Elano e deu com o bico para tirar a bola do lugar. A partir daí, o empurra-empurra padrão de todo clássico brasileiro foi deflagrado. Luxemburgo, irritadíssimo, tirou Saimon e Anderson Pico do bolo de atletas. Ainda que tenha entrado para separar a briga, o treinador foi expulso.

Luxa demorou quase cinco minutos para deixar o campo. Na área técnica, Antônio Lopes Júnior fez às vezes de técnico. Logo depois do jogo reiniciado, o Inter teve mais um golpe: Leandro Damião agrediu Saimon e deixou o Internacional com nove jogadores em campo.

A partir desse momento, não poderia ser diferente: o Inter se fechou com duas linhas de quatro e viu o Grêmio dominar a partida. Leandro, que entrara no lugar de Anderson Pico, arriscou de dentro da área, aos 22, nas mãos de Renan. E o Olímpico murchou um pouco após a comunicação da virada do Galo diante da Raposa.

A pressão aumentou. Aos 30, André Lima parou em Rodrigo Moledo, já sem Renan no lance. Na sequência, menos de um minuto depois, Zé Roberto virou bicicleta da entrada área e exigiu defesa firme de Renan. No minuto seguinte, o camisa 10 arrematou rasteiro e obrigou o pulo rápido do camisa 12 e toque sutil para evitar o gol. Houve ainda antecipação de André Lima em Índio, após cruzamento de Elano, com uma finalização forte, sobre a meta colorada.

A sucessão de lances acendeu a torcida azul. Os gritos e a festa voltaram no concreto do já saudoso Olímpico. O Grêmio parecia retomar os tempos da inauguração do estádio, em 1954, com um 2-3-5: uma linha com dois zagueiros, três meio-campistas à frente e cinco jogadores enfiados na defesa do Inter.

E assim foi até os minutos finais. Leandro, mais uma vez, aos 42, perdeu chance dentro da área. Antes, Cassiano havia assustado com uma quase-cabeçada – Pará salvou na hora certa. O atacante, que havia entrado no segundo tempo, saiu para a entrada de Forlán. Sem ter o que fazer no ataque, o Inter se colocava atrás e esperava.

A confusão de fato iniciou após um lance entre Osmar Loss e Saimon, fora de campo. Saimon peitou o interino colorado, que revidou. Ambos se agrediram em campo e foram expulsos. Fred saiu em defesa de seu treinador e agrediu o zagueiro gremista. Vilson, e, depois, discutiu fortemente com D’Alessandro. No meio da confusão, um foguete saiu da social gremista e acertou o preparador físico Flávio Soares, que foi atendido pela ambulância do Olímpico. Logo após o reinício da partida, Héber Roberto Lopes apitou o fim do jogo e foi cercado pelos gremistas, inconformados.

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO 0 X 0 INTERNACIONAL

Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)

Data/hora: 2/12/2012 – 17h (de Brasília)

Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)

Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) Ivan Carlos Bohn (PR)

Renda/Público: Não divulgados.

Cartões amarelos: André Lima (GRE); Fred e Renan (INT)

Cartões vermelhos: Muriel, 2’/2°T (INT), Leandro Damião, 13’/2ºT (INT) e Saimon, 52’/2ºT (GRE)

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Werley (Saimon, 32’/1ºT), Naldo e Anderson Pico (Leandro, 17’/2ºT); Fernando (Marquinhos, 22’/2ºT), Souza, Léo Gago, Elano e Zé Roberto; André Lima – Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

INTERNACIONAL: Muriel, Edson Ratinho (Renan, 4’/2ºT), Rodrigo Moledo, Índio e Fabrício; Ygor, Josimar, Guiñazu, Fred (Cassiano, 17’/2ºT e depois Folrán 42’/2ºT) e D’Alessandro; Leandro Damião – Técnico: Osmar Loss.

Por Cezar Alvarenga – Em jogo treino no Pacaembu visando o Mundial, Corinthians perde para São Paulo.

Fonte: Yahoo! Esportes

O clássico entre São Paulo e Corinthians, neste domingo, no Pacaembu, tinha tudo para ser uma espécie de amistoso. Com o Sampa priorizando a Copa Sul-Americana e o Timão já de olho no Mundial, as equipes entraram em campo com jogadores suplentes. Melhor para o Tricolor, que pôde contar com a maestria de Paulo Henrique Ganso e vencer por 3 a 1 na última rodada do Brasileirão.

Logo no início do primeiro tempo, o São Paulo levou um susto ao assistir o Corinthians abrir o placar com Guerrero. O corintiano aproveitou a bobeada de João Felipe e bateu cruzado ao gol de Denis. Apesar do gol, no fim do primeiro tempo, o atacante peruano foi substituído após sentir uma pancada no joelho direito. Ele será avaliado nesta segunda-feira para saber a gravidade da lesão.

No entanto, bastou dois minutos de desvantagem no placar para que Ganso mostrasse a sua genialidade dentro de campo. Com duas assistências, ele serviu Douglas e Maicon, que fizeram os dois gols no primeiro tempo e viraram para o São Paulo no Pacaembu.

O Corinthians até chegou ao gol de empate com Emerson Sheik, no entanto, o bandeira assinalou um impedimento inexistente do atacante e manteve o Tricolor à frente do placar. Na jogada, a defesa dava condição para o corintiano marcar.

No segundo tempo, o Timão voltou melhor e teve duas boas chances de empatar, primeiro com Jorge Henrique e depois com Chicão. Porém, o camisa 23 foi expulso por um chute em Casemiro e, com um a menos, ficou difícil para o Alvinegro.

Sorte do São Paulo, que aproveitou a vantagem numérica e ampliou o placar. Aos 31 minutos, Wallace, o último homem na defesa, errou ao fazer a linha de impedimento e deixou Maicon em condição legal. O meia recebeu na direita e marcou o terceiro do Tricolor (e segundo dele). Com gritos de “olé” da torcida, o Sampa encerrou a participação no Nacional de maneira majestosa.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 3 X 1 CORINTHIANS

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)

Data/hora: 2/12/2012, às 17h (horário de Brasília)

Árbitro: Rodrigo Braghetto

Assistentes: Rogério Pablo Zanardo (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)

Renda/Público: R$ 403.275,00 / 22.436 pagantes

Cartões Amarelos: Douglas, Willian José, Maicon, Edson Silva (SAO); Douglas, Sheik (COR)

Cartões Vermelhos: Jorge Henrique, aos 23’/2ºT (COR); Willian José, aos 45/’2T (SAO)

Gols: Guerrero, aos 12’/1ºT (0-1); Douglas, aos 14’/1ºT (1-1); Maicon, aos 23’/1ºT (2-1); Maicon, aos 31’/2ºT (3-1)

SÃO PAULO: Denis, Lucas Farias (Cañete – 16’/2ºT), João Filipe, Edson Silva e Henrique Miranda (Ademilson – 8’/2ºT); Casemiro, Douglas, Maicon (João Schimidt – 38’/2ºT) e Ganso; Cícero e Willian José. Técnico: Ney Franco.

CORINTHIANS: Cássio, Alessandro (Martínez – 19’/2ºT), Wallace, Chicão e Fábio Santos; Ralf e Paulinho; Douglas, Danilo (Edenílson – 33’/2ºT) e Emerson Sheik; Guerrero (Jorge Henrique – 40’/1ºT). Técnico: Tite.