Por Cleber Aguiar – Um perfil de Clarence Seedorf, um cidadão do mundo

Fonte: O Estado de São Paulo

GONÇALO JUNIOR

O carisma do meia holandês coloca o Botafogo em evidência em países como Itália, Holanda e Suriname

Bebês prematuros, aqueles que nascem antes das 38 semanas de gestação, normalmente não conseguem respirar sozinhos. Sofrem de apneia (ausência de respiração), gemem bastante e até podem ficar roxos nos momentos de crise. Por isso, precisam de cuidados especiais o tempo todo. A construção de uma unidade neonatal respiratória no Hospital Acadêmico de Paramaribo, capital do Suriname, contribuiu com a redução de 30% da mortalidade dos prematuros desde 2005. Tudo por causa de aparelhos mais modernos e que facilitam os cuidados com os pulmões dos pequeninos surinameses.

Clarence Seedorf: meia do Botafogo - Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE
Clarence Seedorf: meia do Botafogo

Você não está lendo o texto errado. Foi Clarence Seedorf, a maior contratação da história do Botafogo, que financiou a reforma de R$ 300 mil do hospital por meio de sua fundação Champions for Children, instituição sem fins lucrativos que desenvolve projetos sociais no mundo todo, começando pelo Suriname, terra natal do jogador. O camisa 10 participou da cerimônia de inauguração do setor e visitou o país duas vezes para acompanhar os trabalhos. Logo apoiada pelo governo, a iniciativa acelerou um processo que levaria entre cinco e dez anos de acordo com os profissionais do hospital.

Seedorf é assim: quando o procuramos no campo, está cuidando dos projetos sociais. Quando achamos que está no Brasil, está no Suriname. Ou na Itália. Ou nos Estados Unidos. Tem uma grande ação para cada um dos sete idiomas que fala (português, holandês, francês, inglês, italiano, espanhol e o crioulo).

O berço vem em primeiro lugar. A inscrição “mi sab’ dat mi lob Srana” (sei que amo o Suriname) está na entrada da unidade neonatal. Seedorf nasceu em 1975, um ano depois da independência do País, saiu ainda jovem e adotou a cidadania do colonizador, a Holanda. Mesmo assim, transformou em lenda o sobrenome do avô, filho de escravos que, apesar da alforria, carregou o Seedorf do antigo senhor alemão.

Daria para fazer um livro sobre os projetos sociais de Seedorf, mas, por questões de espaço, vai tudo em sete linhas: a Champions for Children possui seis projetos em vários países, entre eles, Camboja, Quênia e Brasil. Em Salvador, o craque investiu 50 mil na construção de um centro de recreação e esportes no bairro de Alagados, um dos mais pobres da Bahia.

Esse comprometimento chegou aos ouvidos de Nelson Mandela. Em 2009, o jogador foi condecorado como membro do “Champions Legacy”, grupo que ajuda a manter o legado do líder sul-africano. São só bambambãs, como David Rockefeller e Bill Clinton, que se destacam por esforços filantrópicos no mundo. E Seedorf muda para o inglês.

“Testemunhar a fome que estrangulava a Etiópia na década de 80, quando eu era apenas uma criança, teve um efeito profundo em mim e despertou meu desejo de dar forma ao meu destino”, declara em tom solene na apresentação de sua fundação.

AMOR
Entre tantas línguas, o coração do craque escolheu a de Camões. Ou melhor, a de Neguinho da Beija-flor. Quando Seedorf e a brasileira Luviana completaram sete anos de casamento, o holandês preparou uma festa surpresa em Milão. Mandou chamar o puxador de samba e pediu que cantasse a preferida da amada: a música Negra Ângela (Hoje eu vi um lindo negro anjo/Anjo negro, lindo anjo/Negra Ângela).

Esse foi um dos pontos altos de uma história de conto de fadas. Os dois se conheceram no início da década de 90, quando Luviana, então passista de Mocidade Independente de Padre Miguel, viajou com a escola para uma temporada de shows na Itália. Ela era de família humilde, moradora do Realengo que ganhava a vida com apresentações como mulata. “Foi o casamento de um príncipe e uma princesa”, derrete-se o compositor Jorginho Estrela Negra, uma espécie de cupido e amigo do casal até hoje.

Jorginho conta que Luviana é uma primeira dama com jeito de primeira ministra. Foi ela quem bateu o pé para que o jogador aceitasse a proposta do Botafogo, deixando de lado uma oferta salarial de R$ 1,5 milhão por mês do chinês Guangzhou Evergrande, mesmo time do argentino Darío Conca, além de outras propostas de cair o queixo da Inglaterra, Estados e Unidos e Catar. Seedorf balançou, mas cedeu (no Botafogo, recebe por volta de R$ 700 mil de salário, além de luvas de R$ 1,5 milhão). “Prevaleceu a vontade dela de voltar ao Brasil e vê-lo no seu time do coração”.

O desejo de Luviana foi compartilhado por duas mil pessoas, que foram ao aeroporto para recebê-lo em julho, quando assinou contrato de dois anos. E o exército de “seedorfianos” não para de crescer. Em apenas três meses no Botafogo, Seedorf conseguiu resgatar parte do orgulho dos torcedores, que amargam um jejum de 17 anos sem títulos nacionais. Levantamento do departamento de Marketing do clube aponta que o número de sócios-torcedores triplicou, passando de quatro para 12 mil desde que o holandês chegou. “O torcedor reagiu à chegada do Seedorf quase como se fosse um título”, compara o diretor de Marketing Marcelo Guimarães.

PROSA E POESIA
O  holandês não joga só com o nome. Ele fica no meio do caminho entre a prosa europeia (direta, vertical, rumo ao gol) e a poesia latina (a imprevisibilidade do drible). No Campeonato Brasileiro, vem se reinventando como atacante. Jogando mais avançado, marcou sete gols em 14 jogos – faltam três para ele quebrar seu recorde em uma temporada. “Ele é parecido com o Chico Buarque: quietinho, na dele, mas agrada todo mundo”, comparou o técnico Oswaldo de Oliveira. “Todos falam que penso e jogo como brasileiro e isso está me ajudando”, diz o atleta que passou as férias no Rio nos últimos dez anos.

Seedorf está aqui, mas continua em todo lugar, em sete idiomas. A assessoria de imprensa do Botafogo tem um calhamaço com 40 solicitações de entrevistas, entre elas, da Holanda, Itália e até Austrália. No Suriname, o apresentador de TV Desney Romeo afirma que a audiência do seu programa semanal “Futebol no Brasil”, transmitido às segundas-feiras pela emissora ABC, aumentou com a contratação do meia. Como o Suriname ainda tem dificuldades para medir a audiência, o apresentador se baseia na participação ao vivo dos telespectadores para tirar a conclusão. “Na próxima semana, vou sortear uma camisa do Botafogo”, orgulha-se.

Essa camisa ainda não é tão comum como a do Milan, Ajax, alguns dos times que Seedorf defendeu. O clube carioca ocupa poucas linhas em sua biografia. Pudera. Esse amor tem apenas três meses, é prematuro e ainda não consegue respirar direito. Precisa de cuidados especiais em uma unidade neonatal. Mas Clarence já está cuidando dos sofridos pulmões dos botafoguenses.

OS NÚMEROS DE SEEDORF

7 IDIOMAS – Clarence Seedorf fala fluentemente holandês, francês, inglês, italiano, espanhol, crioulo e  português.

36 ANOS – É a idade do craque do Botafogo, que nasceu um ano depois da independência do Suriname, seu país de origem e ex-colônia holandesa.

R$ 700 MIL – É o salário mesnal do holandês, que recusou o dobro para jogar na China. Estados Unidos, Inglaterra e Catar também fizeram propostas milionárias para contratá-lo.

12 MIL – É o número de sócios-torcedores cadastrados hoje no Botafogo. Antes da chegada do craque holandês, três meses atrás, o número era de apenas 4 mil sócios-torcedores.

10 ANOS – Foi o período que Seedorf jogou no Milan, no qual conquistou duas Copas dos Campeões. Ele também defendeu o Ajax, Sampdoria, Real Madrid e Inter de Milão.

16 ANOS – Eera a idade de Seedorf quando iniciou sua carreira no Ajax, em 1992. Na Holanda, estreou aos 18 anos. 

Por Cleber Aguiar – De volta, Alex mexe com cartolas

Fonte: O Estado de São Paulo

GONÇALO JUNIOR

Após oito anos no futebol da Turquia, meia já desperta interesse de grandes clubes e seu destino deve ficar entre Palmeiras, Coritiba e Grêmio

Quando o Fenerbahçe anunciou ontem a rescisão do contrato de Alex, dirigentes de vários clubes torceram as mãos de ansiedade. Pessoas próximas ao jogador afirmam que o seu destino, no entanto, está restrito ao Coritiba, Grêmio ou Palmeiras.

Alex saiu do Fenerbahçe após ter desavenças com o atual treinador do time - Murad Sezes/Reuters-16/5/2010
Murad Sezes/Reuters-16/5/2010
Alex saiu do Fenerbahçe após ter desavenças com o atual treinador do time

O Coritiba é o clube em que iniciou a carreira, é do coração. Em junho, nas férias, Alex se reuniu com os dirigentes, ouviu o projeto para as próximas temporadas. Paralelamente, terminou de construir uma casa no Parque Barigui, bairro nobre de Curitiba. Ficou de pensar na proposta.

O plano B é encerrar a carreira no clube em que Vanderlei Luxemburgo estiver, qualquer que seja (os dois são amigos pessoais e Alex tem grande admiração pelo atual técnico do Grêmio). A terceira via é o Palmeiras, equipe no qual foi campeão da Libertadores e cujos dirigentes ficaram entusiasmados com a disponibilidade do jogador.

“Alex é um jogador que sempre interessou ao Palmeiras, mas, como tinha um vínculo com outro clube, era difícil trazê-lo. Sem dúvida é um jogador que seria importante em uma Libertadores, mas ainda precisamos conversar com ele”, disse o vice-presidente Roberto Frizzo.

Um fator importante pode embaralhar essas opções: a tabela do Campeonato Brasileiro. Aos 35 anos, Alex confidenciou a amigos que não tem mais gás e disposição para jogar na segunda divisão (hoje, o Palmeiras está na zona de rebaixamento, o Coritiba tem dois pontos de vantagem para a degola e o Grêmio está na zona da Libertadores).

Atritos. Esses caminhos foram traçados pelo meia quando começaram os atritos com o novo treinador, o turco Aykut Kocaman. Desde o primeiro semestre, Alex vive um lento processo de fritura – chegou a ser barrado contra o Spartak de Moscou pela fase classificatória para a Copa dos Campeões. A diretoria se alinhou ao treinador, que afastou outros jogadores e membros da comissão técnica e teria dito que “Alex era o último que faltava”. O jogador tentou sair na última janela de transferências, mas não conseguiu acordo.

As divergências estão dentro e fora de campo. Nas quatro linhas, Alex discordava do esquema defensivo do treinador, que insistia em encher o meio de volantes. Por isso, discutiram no vestiário várias vezes. As questões externas envolvem vaidades e picuinhas do técnico. Kocaman ficou incomodado com a possibilidade de o brasileiro superá-lo como maior artilheiro do clube na Liga Turca – Alex rescindiu seu contrato com quatro gols a menos (140 a 136). Proibido de dar entrevistas, Alex também era criticado pela diretoria pelo uso do Twitter.

O técnico manteve seu nome na posteridade, mas mexeu em um vespeiro. Alex é uma celebridade na Turquia. No dia 15 de setembro, por exemplo, foi homenageado com a inauguração de uma estátua gigante, em frente ao estádio do clube. Sua esposa, Daiane, não consegue ir ao supermercado e quem tem uma foto com o camisa 10 também vira celebridade. Ontem, após o anúncio da saída do craque, centenas de torcedores do Fenerbahçe foram protestar em frente ao seu condomínio de luxo. Contrários à decisão da diretoria, diziam que não deixariam Alex sair do clube.

“O país é seguro, mas ficamos preocupados com algum ato impensado. Os turcos são muito mais fanáticos que nós”, diz Edson Mauad, ex-dirigente do Coritiba e sogro do jogador.

Na semana que vem, Alex promete falar. É muito grato à torcida e não quer sair sem dar uma explicação. Deve ficar mais três semanas na Turquia antes de decidir seu destino.

ICFUT – Sob insultos da torcida, Conselho aprova diretas no Palmeiras

Fonte: lancenet

Organizadada faz manifestação na Academia de Futebol para pressionar. Projeto terá de passar pelo crivo dos sócios em Assembleia no fim de novembro

B1 e B2‏ - (Foto: Caio Carrieri)
Bananas de Pijama representam presidente Arnaldo Tirone e o vice Roberto Frizzo (Foto: Caio Carrieri)

Depois de mais de duas horas de reunião na Academia de Futebol, o Conselho Deliberativo do Palmeiras aprovou por unanimidade a mudança no estatuto do clube que prevê eleições diretas para presidente e vice a partir de novembro de 2014. Em janeiro do ano que vem, o pleito segue de maneira indireta, pelo Conselho.

No próximo dia 22, novo encontro acontecerá para a discussão das emendas (tempo de mandato, formação de chapas entre outros temas).

Apenas 191 dos cerca de 280 conselheiros aptos a votar participaram da reunião. As ausências mais sentidas foram do ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo do presidenciável Paulo Nobre, que alegaram compromissos pessoais.

Torcida palmeirense protesta e pede ‘Diretas Já’ no clube

A votação aconteceu de maneira aberta. Apenas dois conselheiros foram a favor da escolha secreta – entre eles o diretor jurídico Piraci Oliveira. Até o ex-presidente Mustafá Contursi, contrário ao projeto, apoiou.

O próximo passo para que o novo modelo seja adotado é ter o crivo de 50% dos sócios mais um em Assembleia geral prevista para o fim de novembro. Estarão aptos a votar associados com no mínimo três anos completos com o título. Confira quais são as alterações no quadro abaixo. Ainda estão sendo discutidas algumas emendas pelos conselheiros.

O encontro do Conselho foi sob forte pressão da torcida do lado de fora do centro de treinamento. Cerca de 400 torcedores se dirigiram ao local e, do lado de fora do CT, manifestaram-se pela aprovação da mudança de estatuto.

A primeira chamada da reunião estava prevista para 19h. Pouco antes disso, a Mancha Alviverde, principal organizada do clube, chegou à Academia com faixas, batuques e proferiram cânticos a favor do novo projeto e contra dirigentes. Dentre os cânticos ofensivos, entoaram "Diretoria, vai se f…, sou palmeirense e estou cansado de sofrer" e "Conselho, preste atenção! Ou as Diretas ou vai direto pro caixão".

Em tom de ironia, dois torcedores se fantasiaram de "Bananas de Pijama" para representar o presidente Arnaldo Tirone e o vice Roberto Frizzo. Alegam que a dupla é banana por ter pulso fraco para determinadas decisões.

Cada conselheiro que chegava ao CT ouvia de dentro do carro xingamentos e cobranças para que o projeto fosse aprovado. Por volta das 21h, a Mancha deixou o local e alguns torcedores "comuns" ainda permaneceram até o fim da votação.

Veja as alterações. Emendas serão discutidas no dia 22

Modelo atual
Atualmente, o presidente do Palmeiras é eleito por cerca de 280 conselheiros. O presidente e os quatro vices são definidos de forma individual por cada eleitor, não precisando serem da mesma chapa. Por exemplo, o presidente eleito pode ser da situação e um dos vices, da oposição. As votações acontecem em janeiro, a cada dois anos (a próxima será no início de 2013), e posse ocorre no dia seguinte. O mandato tem a duração de dois anos.

Modelo proposto
A ideia é que os associados com três anos como titular possam votar. O tempo do mandato permanece o mesmo (dois anos). As chapas agora vão ser fechadas (com presidente e vices definidos). Elas precisam ter, no mínimo, 10% dos votos do conselho no primeiro turno para seguirem para a eleição dos associados. As chapas passam pela escolha dos conselheiros no mês de outubro e são eleitas pelos sócios em novembro. Os eleitos assumem o cargo em dezembro.

O que falta para aprovar?
O próximo passo para que o novo modelo seja adotado é ter o crivo dos sócios em uma Assembleia Geral prevista para o fim de novembro. Estarão aptos a votar associados com no mínimo três anos completos com o título. Como foi ratificada pelos conselheiros, a proposta agora precisa da aprovação de 50% dos sócios mais um. Novas alterações dependem das emendas que serão discutidas pelo Conselho no próximo dia 22.

ICFUT – CBF não adia jogos do Santos, que perderá Neymar por quatro partidas

Fonte: lancenet

Peixe pediu mudança nas datas dos duelos contra Vasco e Atlético-MG, mas não foi atendido. Camisa 11 deve voltar ao time apenas no dia 20, contra a Ponte Preta

HOME Neymar - Seleção Brasileira (Foto: Mowa Press)
Neymar jogou apenas dez partidas desse Brasileirão (Foto: Mowa Press)

Não teve conversa. O pedido do Santos para a CBF adiar dos jogos contra o Vasco e Atlético-MG, pelo Brasileirão, nos dias 14 e 17 de outubro, foi recusado. A solicitação foi realizada pelo clube para evitar a ausência do craque Neymar, que estará à serviço da Seleção Brasileira para os amistosos contra Iraque e Japão, nos dias 11 e 16 de outubro.

Com o veto, o Peixe tem a confirmação de que não poderá contar com a sua principal estrela nos próximos quatro jogos. Após expulsão contra o Grêmio, ele cumprirá suspensão automática contra o Internacional, no sábado. As outras ausências serão nos duelos contra Vasco e Atlético, além da partida contra o Botafogo, no Engenhão, dia 10 – ele se apresenta à Seleção no dia 07 e, por isso, também será desfalque.

Desta forma, a tendência é que o camisa 11 volte ao time contra a Ponte Preta, dia 20, no Moisés Lucarelli.

– Recebemos a notificação da CBF no fim da tarde desta segunda-feira. Eles recusaram o pedido para o adiamento dos jogos contra Vasco e Atlético-MG, nos quais temos o mando de jogo. Tentamos o que era possível, agora teremos que acatar a decisão e atuar sem a presença de nosso principal jogador – disse Odílio Rodríguez, vice-presidente da equipe santista.

A entidade máxima do futebol enviou ainda outro ofício à equipe alvinegra nesta segunda. Nele, um parecer positivo sobre a mudança do palco da partida contra o Atlético-MG. Inicialmente, o jogo estava marcado para a Vila Belmiro, mas agora será realizado no Pacaembu. O pedido foi feito para aumentar o público no confronto.

Neymar ajudou o Santos em apenas 10 dos 27 jogos da equipe até o momento. Por conta de convocações para a equipe canarinha, ele foi desfalque em 13 partidas (oito por conta da disputa da Olimpíada de Londres e cinco devido aos amistosos da Seleção ao longo da temporada). Folga para os titulares no início do Brasileirão (dois), indisposição estomacal (um) e suspensão (um) completam a lista.

ICFUT – IFFHS aponta Barça ainda no topo do ranking; Timão é o melhor brasileiro

Fonte: globo

Com a sétima posição, Corinthians está à frente de Santos (13º), Flu (15º) e Vasco (17º). Bayern de Munique foi insuperável em setembro

O Bayern de Munique foi a melhor equipe de setembro segundo os critérios da Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS), mas ainda assim o Barcelona continua a encabeçar a classificação geral. O clube alemão venceu todas as suas partidas nacionais e internacionais e alcançou a máxima pontuação, deixando para trás o Paris Saint-Germain.

Barcelona comemora gol sobre o Sevilla (Foto: Reuters)O Barcelona segue como a melhor equipe do ano, segundo o IFFHS (Foto: Reuters)

No ranking geral, o Barcelona segue na frente, imediatamente seguido por Universidad de Chile, Boca Juniors, Real Madrid e Atlético de Madri.

Entre os brasileiros, o melhor é o Corinthians, que aparece empatado com o Bayern na sétima colocação.

Também figuram entre os 100 primeiros clubes da lista Santos (13º), Fluminense (15º), Vasco da Gama (17º), Internacional (36º), Grêmio (67º), Flamengo (77º) e São Paulo (81º).

Classificação mundial:.

1º Barcelona (ESP) 343 pontos.

.2º Universidad de Chile (CHI) 300

.3º Boca Juniors (ARG) 286

.4º Real Madrid (ESP) 281

.5º Atlético de Madri (ESP) 264

.6º Chelsea (ING) 256

.7º Bayern de Munique (ALE) 248

7º Corinthians (BRA) 248

.9º Athletic Bilbao (ESP) 240

10º Vélez Sarsfield (ARG) 227

13º Santos (BRA) 217

15º Fluminense (BRA) 212

17º Vasco da Gama (BRA) 208

36º Internacional (BRA) 172

67º Grêmio (BRA) 138

77º Flamengo (BRA) 129

81º São Paulo (BRA) 126

ICFUT – Em reação fulminante, Orlândia empata com Joinville e leva a Liga

Fonte: globo

Após desvantagem de quatro gols, time paulista encosta no placar no início do 2º tempo e marca gol do 1º título do torneio a dois minutos do fim da partida

No início do ano, a diretoria do Orlândia apostou em um projeto ambicioso, montando uma super-equipe comandada por ninguém menos que o craque Falcão. Dez meses depois, o clube acaba de colher o primeiro fruto do grande investimento, ao conquistar a Liga Futsal pela primeira vez em sua história. Jogando na Arena João Mambrini, em São Sebastião do Paraíso (MG), o Orlândia arrancou um empate em 4 a 4 com o Joinville, na noite desta segunda-feira, após ir para o intervalo perdendo por quatro gols de diferença. A equipe grená havia vencido fora de casa e tinha a vantagem do placar igual para ser campeão.

O time paulista precisou de apenas cinco minutos para fazer três gols, mas somente aos 18 do segundo tempo é que o gol do título inédito veio, nos pés de Vinicius. Além do camisa 77, Jé (dois) e Falcão anotaram para Orlândia, enquanto Ricardinho (dois), Café e Leco fizeram para o Joinville.

Jogadores de Orlândia com o troféu da Liga Futsal de 2012 (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)Jogadores de Orlândia com o troféu da Liga Futsal de 2012 (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)

Marcação forte e ataque produtivo de Joinville

Jogando com três fixos, o Joinville buscou cadenciar a partida nos primeiros minutos. Aos cinco, Café girou para cima de Junai e mandou por cima do gol de Guitta, na primeira finalização do jogo. Um minuto depois, os visitantes abririam o placar. Em cobrança de falta ensaiada, Neto rolou para Ricardinho, que bateu firme para fazer 1 a 0.

Em desvantagem, o Orlândia acordou em quadra e, aos sete, Ciço chutou com perigo para a defesa de Tiago. O mesmo Ciço voltaria a colocar Tiago para trabalhar aos oito, soltando uma bomba no ângulo para mais uma intervenção do goleiro do Joinville e da seleção brasileira. O Tricolor seguia recuado e apostando nos contra-ataques, o que acabou dando certo. Aos 11, Café foi lançado na frente e tocou por baixo de Guitta: 2 a 0.

O time paulista não se abateu e, segundos depois, Deives carimbou a trave em jogada individual. Aos 15, foi a vez de Marinho criar mais uma chance para o Orlândia. A finalização, porém, foi fraca, nas mãos de Tiago. A pressão orlandina continuou nos minutos finais e, aos 18 Ciço arriscou da intermediária e o goleiro do Joinville foi buscar mais essa. Entretanto, quem marcou novamente foi o Tricolor Catarinense. Em contra golpe mortal, Thiago Carioca avançou pela esquerda e deixou Ricardinho livre para marcar o terceiro. O gol fez o técnico Cidão colocar Rubinho como goleiro-linha. A ousadia acabou custando caro ao Orlândia, que levou o quarto a 54 segundos do fim, com Leco: 4 a 0, placar da etapa.

Vander Carioca, Ricardinho e Neto, de Joinville na final da Liga Futsal contra Orlândia (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)Vander Carioca, Ricardinho e Neto vibram com a vantagem catarinense  (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)

Orlândia reage e gol do título vem no final da partida

A equipe paulista voltou para o segundo tempo disposta a reverter o resultado. Logo a um minuto, Falcão ajeitou para Jé, que encheu o pé para fazer o primeiro. O Joinville mal teve tempo de respirar. Aos dois, o mesmo Jé, de carrinho, marcou o seu segundo gol na partida, diminuindo para 4 a 2.

Embalado por sua vibrante torcida, o Orlândia sentiu o momento favorável e continuou pressionando o adversário. Aos 15, Vinicius arrancou em velocidade e serviu Falcão, que não perdoou, deixando os donos da casa a um gol do empate que lhes daria o título.

Jé, do Orlândia, na final da Liga Futsal contra Joinville (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)Jé marcou os dois primeiros gols da reação de Orlândia (Foto: Luciano Bergamaschi / CBFS)

A sorte parecia mesmo ter mudado de lado. Um minuto depois, o Joinville perdeu dois gols em seqüência, um com Leandrinho e outro com Leco. Aos sete, foi a vez de Vander Carioca carimbar a trave de Guitta, que acabou se safando de levar o quinto. Aos poucos, os times foram diminuindo o ritmo, aguardando o momento certo para o golpe final.

Faltando cinco minutos para o término, o técnico Cidão lançou Augusto como goleiro-linha. Aos 18, Tiago, por muito pouco, não marcou em chute de longe, após um erro do ataque orlandiano. Quando o jogo parecia caminhar para a prorrogação, Falcão encontrou Vinicius livre e o camisa 77 mandou para o fundo do gol, para delírio da torcida orlandiana. O Joinville ainda foi para o tudo ou nada, jogando com Neto como goleiro-linha, mas não houve tempo para mais nada. Não foi desta vez que o time catarinense levou o seu primeiro caneco.

Orlândia: Guitta, Junai, Augusto, Caio, Deives, Di Fante, Ciço, Marinho, Falcão, Rubinho e Vinicius. Técnico: Cidão

Joinville: Tiago, Neto, Ricardinho, André, Café, Dudu, Thiago Carioca, Leco, Julio, Murilo, Leandrinho e Vander Carioca. Técnico: Fernando Ferretti

ICFUT – Garoto em estado terminal tem melhora após visita de palmeirenses

Fonte: globo

Menino de 13 anos ouviu dos médicos que tinha só mais um dia de vida. Foi quando jogadores o visitaram. Hoje, pode até receber alta

Wesley Marcos Assunção Maurício Ramos (Foto: Daniel Romeu / Globoesporte.com)Wesley, Assunção e Maurício Ramos visitaram José
Erasmo (Foto: Daniel Romeu / Globoesporte.com)

A história da fantástica recuperação de um menino de 13 anos que está internado no Hospital Infantil Darcy Vargas, no Morumbi, com câncer, comoveu torcedores do Palmeiras ao ser revelada pelo assessor do clube, Fábio Finelli, em seu Facebook, na tarde desta segunda-feira.

Em estado terminal, o garoto José Erasmo ouviu dos médicos que tinha apenas mais um dia de vida. Como seu grande sonho era conhecer os jogadores do Palmeiras, seus pais entraram em contato com o clube, que rapidamente se mobilizou. Finelli explica em seu relato que nem todos os atletas puderam ir ao hospital, já que a visita foi na véspera (dia 7 de setembro) de uma viagem para enfrentar o Atlético-MG em Belo Horizonte (o jogo acabou 3 a 0 para o Galo).

– Maurício Ramos acompanhado da esposa, Marcos Assunção, Wesley e César Sampaio foram ao Hospital na sexta-feira. O garoto, debilitado, apenas gesticulava nos poucos momentos em que conseguia abrir os olhos – relata Finelli.

– A visita foi cercada de emoção, principalmente por parte dos pais do José Erasmo. Maurício Ramos entregou sua camisa. O garoto já estava com um pôster do Palmeiras campeão da Copa do Brasil, que foi assinado pelos atletas que ali estavam – emenda o assessor.

A previsão pessimista não se confirmou. Nesta segunda, dia 1º de outubro, Maurício Ramos recebeu uma ligação dos médicos do Hospital. Ele foi informado de que José Erasmo não só abriu os olhos como está se alimentando regularmente. O garoto já gesticula e também voltou a falar.

– Por um milagre Divino, está prestes a receber alta e voltar para casa – diz Finelli, em seu texto.

O maior sonho de José Erasmo, agora, é ir à Academia de Futebol, segundo o assessor.

– Só não foi ainda porque, obviamente, continua com certas limitações. Não pode pegar friagem, por exemplo. Ninguém sabe o que vai acontecer. São muitos obstáculos ainda a serem superados. Mas fica aqui uma prova do quanto um simples gesto pode mudar a vida de uma pessoa. Através desta história, podemos tirar diversas conclusões – conclui Finelli, no relato que emocionou diversos palmeirenses nesta segunda-feira.

Veja abaixo o texto de Finelli, na íntegra:

Aconteceu na semana passada. O nome do garoto é José Erasmo, de 13 anos. Palmeirense doente, está internado no Hospital Infantil Darcy Vargas, no Morumbi, com câncer.

De acordo com os médicos, ele tinha APENAS MAIS UM DIA DE VIDA. O último sonho da vida dele, ou primeiro, porque não dizer, era conhecer o Palmeiras. Conhecer os jogadores do Palmeiras. Ganhar uma camisa autografada do Palmeiras.

Por uma questão de tempo, nem todos os jogadores puderam ir ao Hospital. A visita foi feita às pressas no dia 07 de setembro; a viagem do Palmeiras para BH (jogo contra o Atlético-MG) aconteceria no sábado (08), data limite em que os médicos davam de vida para este ilustre palmeirense.

Maurício Ramos acompanhado da esposa, Marcos Assunção, Wesley e César Sampaio foram ao Hospital na sexta-feira. O garoto, debilitado, apenas gesticulava nos poucos momentos em que conseguia abrir os olhos.

A visita foi cercada de emoção, principalmente por parte dos pais do José Erasmo. Maurício Ramos entregou sua camisa. O garoto já estava com um pôster do Palmeiras campeão da Copa do Brasil, que foi assinado pelos atletas que ali estavam.

Nesta terça-feira, dia 1o. de outubro, Maurício Ramos recebeu uma ligação dos médicos do Hospital. O pequeno José Erasmo não só abriu os olhos como está se alimentando regularmente. Não só gesticula como também voltou a falar. Por um milagre Divino, está prestes a receber alta e voltar para casa.

Hoje, o maior sonho do José Erasmo é ir à Academia de Futebol. Só não foi ainda porque, obviamente, continua com certas limitações. Não pode pegar friagem, por exemplo.

Ninguém sabe o que vai acontecer. São muitos obstáculos ainda a serem superados. Mas fica aqui uma prova do quanto um simples gesto pode mudar a vida de uma pessoa. Através desta história, podemos tirar diversas conclusões.