Por Cleber Aguiar – Deivid é recebido pela torcida do Coritiba e quer vaga na Libertadores

Fonte: Globo.com

Jogador desembarca na capital paranaense durante a manhã de terça para assinar contrato. Logo depois, se junta ao grupo em Atibaia (SP)

Por Gabriel Hamilko Curitiba

Deivid já começou a sua ambientação no Coritiba. O atacante desembarcou em Curitiba na manhã desta terça-feira e foi direto para o estádio Couto Pereira para conversar com a imprensa, conhecer as instalações alviverdes e assinar o contrato. A pressa pela estreia do novo camisa nove é visível. A diretoria do Coritiba já pediu para entrar com pedido de inscrição no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF. Se for inscrito até o final do dia, pode entrar em campo contra a Portuguesa, na quarta-feira. A tendência é que entre em campo contra o Flamengo, seu ex-clube, no sábado, em Curitiba.

Após Deivid terminar os exames médicos e todo o processo burocrático, embarca imediatamente para Atibaia, no interior paulista, e se junta ao grupo coxa-branca. Além dele, a expectativa é que o peruano Ruidíaz também faça sua estreia.

A nova contratação alviverde foi recebida no Couto Pereira por um grupo de 20 torcedores, que soltaram fogos de artifício, sinalizadores e cumprimentaram Deivid. Além do apoio da torcida, o jogador posou para fotos com o presidente Vilson Ribeiro de Andrade.

Assediado por várias equipes, após se desligar do Flamengo, Deivid diz que um projeto grande foi apresentado para ele no Coritiba, motivo suficiente para o convencer. Com 32 anos e um contrato até abril de 2015, o atacante pode até se despedir no Couto Pereira.

– Tive algumas propostas de times de São Paulo e do Rio e optei pelo Coritiba pela grandeza do clube. Chego com o intuito de poder ajudar a conquistar, com responsabilidade e espero ganhar títulos. Não quero ter uma passagem apagada. Vim para vencer. Não podemos ter dois títulos disputados em casa, na Copa do Brasil, e perder.

A posição do Coritiba não é a mais confortável no Campeonato Brasileiro, brigando para fugir da zona do rebaixamento – está em 16ª , com 22 pontos. Mesmo assim, Deivid ainda acredita em uma classificação coxa-branca para a Taça Libertadores da América do ano que vem.

– O projeto é tentar botar o clube na Libertadores. Acho que tem condição ainda no Brasileiro. Quando fui campeão pelo Santos, a gente estava em penúltimo e passamos o Atlético-PR na penúltima rodada e fomos campeões. Tem que acreditar. mentalizar e tornar real. Faz tempo que o clube não ganha um campeonato de expressão, só no regional. É muito pouco pela grandeza do clube.

Deivid já garantiu a camisa nove do Coritiba (Foto: Gabriel Hamilko / GloboEsporte.com)Deivid já garantiu a camisa nove do Coritiba (Foto: Gabriel Hamilko / GloboEsporte.com)

Por Cleber Aguiar – Entrevista de Vanderlei Luxemburgo para o jornal Estado de São Paulo.

Fonte: O Estado de São Paulo

‘O futebol brasileiro não é valorizado’, diz Vanderlei Luxemburgo

Treinador critica os que defendem o Barcelona como modelo a ser seguido e vê em Neymar o ídolo do País para 2014

LUIZ ANTÔNIO PRÓSPERI, PAULO FAVERO – O Estado de S. Paulo

Longe dos holofotes, o técnico Vanderlei Luxemburgo está encantado com a estrutura do Grêmio. O treinador garante que está em um momento diferente da carreira e já passou da fase de busca por afirmação. Contratado pelo clube gaúcho no início da temporada, fez uma imersão de quatro meses no Rio Grande do Sul, para mesclar o estilo aguerrido da equipe com a técnica que tanto gosta de ver em suas equipes.

Luxemburgo gostaria de usar sua experiência para ajudar na Copa - Alex Silva/AE
Alex Silva/AE
Luxemburgo gostaria de usar sua experiência para ajudar na Copa

O treinador garante que aprendeu com todos no Grêmio, desde o presidente até a torcida. Sabe que o time tem chances de conquistar o Brasileiro, mas prefere desviar o foco para uma vaga na Libertadores. Nesta entrevista exclusiva, Luxemburgo fala sobre o futebol praticado no País, sobre a Copa de 2014 e defende a permanência de Neymar no Brasil.

Quem é o favorito à conquista do Brasileiro?

O título só vai ser decidido quando faltarem cinco rodadas. A gente não pode falar que o Atlético-MG já ganhou, que o Grêmio vai ganhar. Muitos times iniciam mal e embalam depois. Quem falar que sabe vai bater com a cara no muro.

Os jogadores não falam em título. Está realmente longe?

Como posso pensar em disputa de título se estou atrás? Eu quero ir chegando mais perto. Se continuarmos vencendo e eles também, não ganharemos. Mas se vencermos e eles não, a gente encosta. O discurso é de pensar no nosso objetivo, que hoje é o da Libertadores. Essa é a realidade. A grande mudança é que o técnico hoje tem o projeto de levar o time para a Libertadores, isso aumenta a receita em até R$ 30 milhões. Isso está dentro dos contratos formatados nos clubes com os treinadores, como meta. O São Paulo foi campeão seguido da Libertadores porque antes havia disputado seis vezes seguidas. Esse ano falei: “Acho que o Corinthians vai ser campeão da Libertadores”, pois o time vinha de várias disputas anteriores, perdendo, sofrendo. As pessoas entenderam que a Libertadores é a Copa dos Campeões da América do Sul. Isso está valorizado.

Como foi a sua adaptação?

Muito boa, é uma cultura diferente, um estilo de futebol diferente, e é preciso se adaptar sem se abrir mãos dos meus conceitos. O Grêmio é famoso por ter um estilo aguerrido e determinado, mas os times vencedores sempre foram técnicos. O do Felipão tinha Carlos Miguel, Goiano, Emerson, Paulo Nunes e Dinho, que no São Paulo não errava passe. Hoje o time joga bonito, mas com o perfil do clube. Fiquei praticamente quatro meses sem sair do Rio Grande Sul para identificar como era isso e montar um time dentro da cultura do Grêmio.

Como foi a montagem do time?

Eu cheguei numa decisão contra o Caxias, fora de casa. Empatamos e perdemos nos pênaltis. Teve jogo que cometi erro, mas fomos superando as dificuldades. Houve um avanço muito grande desde que chegamos. Com Elano e Zé Roberto ganhamos qualidade, e já tinha uma estrutura e uma base boas. Mas estamos correndo em busca de uma melhor classificação. A fase crucial do Brasileirão é julho, agosto e metade de setembro, com 18 jogos nesse período. E quando perco algum titular, temos jogadores que já estavam no clube e que entram sem problema, como o Marco Antônio e o Léo Gago, que eram titulares antes. A base foi mantida. Levei o Pará, que é um jogador consistente, não é nota 4 nem 10, é nota 7, bastante regular. Todo time precisa de um jogador assim. Recuei o Gilberto Silva para quarto-zagueiro porque ele é pesado e não tem mais a mesma mobilidade. Trouxe o Werley, que já conhecia do Atlético. Recuei o Souza para segundo volante, temos também o Fernando…

Quando surgiu a ideia da contratação do Elano?

Quando vi ele saindo no túnel do Santos, com a torcida vaiando e ele balançando a cabeça, falei para o Paulo Pelaipe (diretor executivo): “Está na hora de tirarmos ele de lá”. Como o Santos estava atrás de atacante, trocamos pelo Miralles. Trouxemos o Elano motivado, com 30 anos. Um jogador do nível dele precisa de ânimo novo, foi recebido de braços abertos, com nova proposta. Aí começou a render. Ele e o Zé Roberto são jogadores inteligentes, que entendem as mudanças táticas. Isso facilita a vida do treinador.

Antigamente se falava que um técnico só teria projeção se estivesse no eixo Rio-São Paulo. Como você vê isso?

Acabou esse negócio de que se não está no eixo Rio-São Paulo está fora. Eu, Felipão, Muricy, Abel Braga já passamos dessa fase. Quando se está começando, até para jogador, é diferente. Antigamente tinha de ir para um grande centro para ir para a seleção brasileira. Hoje não é mais assim. Tem muito jogador que é vendido para a Europa sem passar pelos grandes centros. O Hulk é um bom exemplo disso. Na Copa de 2014 teremos muitos brasileiros naturalizados que nunca fizeram carreira por aqui.

Você vê o Barcelona como exemplo a ser seguido?

Existe uma desvalorização muito grande do futebol brasileiro. Falam que o Barcelona é um exemplo de time. Mas quantos times no Brasil fizemos como este? Um monte. O Flamengo de Zico tinha 70% de posse de bola. O Santos, que foi campeão da Libertadores, dava espetáculo toda hora. E é recente. Não estou criticando o Barcelona, mas é questão de olhar com bons olhos. Quando falei que iria colocar o Ronaldinho no Flamengo como o Messi joga no Barcelona, me criticaram, pois achavam absurdo não ter centroavante. É a cultura do Brasil. A Copa de 1970 foi o maior exemplo de que não precisa ter centroavante, o Tostão estava nessa posição, mas fazia igual o Messi, atuava como meia adiantado.

Só que os times no País não têm um futebol vistoso…

Quem inventou três zagueiros no Brasil? Isso fez com que acabassem os laterais e os meias, eu venho combatendo isso há muito tempo. Quando fizemos isso na Copa de 90, fiquei muito preocupado com o futebol brasileiro. Fomos imitar os europeus, com o estilo de jogo deles, e esquecemos que tínhamos de incentivar a nossa qualidade, sem abrir mão da modernidade e do compromisso tático. O que aconteceu? Mudamos nosso estilo, perdemos a nossa irresponsabilidade na arte de jogar futebol, que é a maior qualidade que o atleta brasileiro tem. A parte individual quebra a parte tática. Não podíamos tirar essa magia.

Você já usou três zagueiros…

Claro que até eu usei essa formação, não sou burro. Se não tenho lateral, só ala, tenho de fazer isso. O mercado fez isso comigo. Aí fui ver jogo de juvenil e via três zagueiros. No Grêmio, apenas falei para o pessoal que, se colocassem três zagueiros, o lateral não iria aprender a fazer cobertura, zagueiro também não, e teria de tirar alguém do meio. Por que não tem mais meia-esquerda no Brasil? Tem de deixar o jogador talentoso na categoria de base apenas jogar bola. Tem de trabalhar em um campinho reduzido, para que ele tenha mais contato com a bola. Em muitos clubes, tiraram os ex-jogadores e colocaram os professores, que treinam os meninos em campos oficiais. Sabe quantas vezes o garoto pega na bola? Onde foi formado o Pelé, o Zico, o Maradona? Na várzea, jogando bola. Se não tem mais a várzea, cria minicampos nos centros de treinamentos. Na Gávea falei e no Grêmio também para fazerem um campo esburacado de 20 m x 20 m. Aí ninguém entendeu. É para dar destreza aos meninos. A gente jogava no paralelepípedo. Se não tem mais, temos de criar isso, incentivar.

Você pretende ajudar de alguma forma na Copa 2014?

Aqui no Brasil não chamam a gente para nada, essa é a grande verdade. Mesmo com a experiência que temos de técnico, ex-jogador, não somos chamados. Talvez o único cara que é solicitado no Brasil para tudo é o Parreira.

E como treinador, vai comandar alguma seleção?

Já tive um monte de convites, mas não me vejo trabalhando numa seleção para jogar contra o Brasil. Não me preparei para isso. O Brasil está bem encaminhado pelo Mano e vou ficar como espectador.

Você tem alguma frustração na carreira?

A única coisa que me deixou chateado foi no Atlético-MG, onde tive um presidente que é muito bom, o Kalil. Eu quebrei a perna e aquilo me deixou frustrado por não poder contribuir da maneira que queria. Foram quatro meses de afastamento, na cadeira de rodas, isso me deixou mal. Não retribuí o que ele fez para mim. Foi um dos grandes dirigentes com quem trabalhei.

Você acha que o Neymar precisa sair do Brasil para crescer profissionalmente?

O mercado brasileiro oferece a condição de crescer aqui. Hoje, paga-se melhor que em muitos lugares da Europa. Não vai acrescentar nada para a carreira dele sair do Brasil para depois voltar e jogar a Copa do Mundo aqui. Ele está entre os três maiores jogadores do mundo e é melhor ficar aqui, corrigindo seus defeitos e ser o grande nome do Brasil. O único problema que vejo é que a imprensa criou uma proteção muito grande para o Neymar. Ele tem grande talento, mas não precisa ser protegido. Parece que não se pode marcar duro. O que não pode ser é desleal. E o Neymar está sofrendo para tirar isso de dentro dele, que faz parte do processo de crescimento. A gente viu isso agora na Olimpíada, ele sofreu com isso.

E o Ganso, pode voltar a render um bom futebol?

Eu conheço muito bem o Ganso. O problema dele, a meu ver, é que o clube e o agente têm de proteger o jogador. Ele é extremamente talentoso, mas está aéreo. Ou você provoca um movimento para que ele fique satisfeito ou deixa ele sair. Não pode antagonizar.

Você já se envolveu em polêmicas, uma deles que dizia que ganhava dinheiro de jogadores…

Falam que eu levo dinheiro de jogador. Nunca levei e não vou levar. Será que com 60 anos de idade, 46 de futebol e desde 1983 trabalhando como técnico se tivesse alguém que me deu alguma grana não teria aparecido? Se eu um dia largar o futebol, vou montar alguma coisa na área, porque é isso que sei fazer. E vou ganhar muito mais dinheiro do que ganho.

ICFUT – Jornal lista maiores salários do futebol

Fonte: uol

O português Cristiano Ronaldo, uma das principais estrelas do futebol há algumas temporadas, é apenas o 10º jogador mais bem pago do mundo. O salário do atacante do Real Madrid, cerca de 10 milhões de euros por ano, é inferior ao do meia Conca, ex-Fluminense e atualmente no Guangzhou, da China, e de Touré e Aguero, do Manchester City.

MAIORES SALÁRIOS DO FUTEBOL

JOGADOR CLUBE EUROS/ANO (MILHÕES)
Eto’o Anzhi 20
Ibrahimovic PSG 14,5
Rooney M. United 13,8
Touré M. City 13
Aguero M. City 12,5
Drogba Shanghai Shenhua 12
Torres Chelsea 10,8
Conca Guangzhou 10,6
Messi Barcelona 10,5
C. Ronaldo Real Madrid 10

 

Em lista do jornal espanhol Marca, o clube russo Anzhi é quem paga o maior salário a um atleta. O atacante camaronês Eto’o recebe 20 milhões de euros por temporada, quantia superior em mais de 5 milhões à do segundo colocado.

Recém transferido para o PSG, da França, o sueco Ibrahimovic aparece na vice-liderança, seguido de três jogadores de clube ingleses. Rooney, do Manchester United, é o 3º, e Touré e Aguero, do City, completam o top 5.

Assim como Ronaldo, seu maior rival nos principais prêmios do futebol nas últimas temporadas, o argentino Lionel Messi, não aparece bem colocado. O astro do Barcelona é o 9º da lista, com 500 mil euros a mais que Ronaldo e, diferentemente do jogador do Real, estaria satisfeito com seu salário.

O português tomou as manchetes esportivas no final de semana após comemorar discretamente seus dois gols na primeira vitória do Real Madrid no Campeonato Espanhol. Após a partida, Ronaldo disse que estava triste e a diretoria sabia o motivo.

A tristeza de Ronaldo estaria relacionada ao clima com os demais jogadores no vestiário e o atacante estaria chateado com o brasileiro Marcelo, que declarou publicamente que o goleiro Iker Casillas merecia ganhar a Bola de Ouro da Fifa – prêmio em que Ronaldo concorre. A imprensa espanhola chegou indicar insatisfação de Ronaldo com seu salário e especulou sua saída para o PSG, mas o clube francês negou interesse no jogador.

ICFUT–RJ: Música, privacidade, mulheres: a casa de shows que virou lar de boleiros

Fonte: globo

Com menos de um ano de funcionamento, boate da Zona Oeste vira sensação da noite carioca e ganha fama de oásis de jogadores de futebol

Segunda-feira. Dia do descanso, da ressaca do fim de semana. Bares e boates fechados e silêncio nas ruas mais badaladas. Assim funciona em quase todo o Rio de Janeiro, mas nos 3,5 mil m² de uma luminosa e imponente casa de shows na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, cerca de seis mil pessoas sacolejam ao som do pagode e do funk. Espalhados pelos 200 camarotes com seus cordões gigantescos, camisas apertadas e bebidas na mão estão os jogadores de futebol. Uns famosos, outros nem tanto. Mas todos atraídos pelo perfil que o empreendimento, aberto há nove meses, tem.

Especial Barra Music (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Longe dos cartões postais do Rio, o Barra Music é atração para gente do todos os tipos. Os eventos são sucesso de público, uma rotina da casa (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Inaugurado em novembro de 2011 com um investimento inicial de R$ 10 milhões, o Barra Music transformou-se em point dos jogadores durante a semana – há programação fixa às segundas e quintas – e pesadelo para treinadores e dirigentes dos clubes cariocas. Antes de deixar o Flamengo, o técnico Joel Santana citava o local como um dos “culpados” pelo fracasso de seu trabalho.

– Os caras moram lá. Nunca vai dar certo.

Não foram poucas as vezes em que Ronaldinho atrasou-se para um treino matinal após passar a madrugada por lá. Até em casos policiais a casa foi envolvida. Em dezembro, quando ainda era jogador do Corinthians, Adriano foi acusado – e depois inocentado – de balear uma jovem na mão ao sair de um show do cantor Leandro Sapucahy. Outros tantos, não apenas do Flamengo, batem ponto semanalmente. Há até jogadores de outros estados que encaram a viagem pela noitada – na segunda-feira, dia 20 de agosto, o atleticano Jô esteve presente na roda de samba do grupo Revelação. O deputado federal Romário, famoso por gostar de hip hop, foi pela primeira vez ao lugar em um show do Trio Ternura.

– Sou amigo de um dos donos, já tinha sido convidado e estou comemorando o aniversário de um amigo. Sei que os jogadores gostam, meu filho (Romarinho) frequenta a casa. É ampla, muito bonita, a música é boa. Quero estar aqui outras vezes. Não sou mais jogador de futebol, agora sou político, mas no meu tempo curtia mais hip-hop, funk. Não tenho nada contra pagode – afirmou.

Mas por que tanto fascínio? As respostas resumem o estereótipo da profissão. Lugar espaçoso, certa dose de privacidade, mulheres com vestidos curtos e justos – quase embalados a vácuo –, trilha sonora predileta da classe e localização ideal para o público-alvo. Gerente de marketing e artístico da casa, Walnir Oliano reconhece o perfil favorável à presença de jogadores:

Nós trabalhamos com uma programação que atrai muitos jogadores de futebol, que inclui pagode e funk, que invariavelmente a maioria dos jogadores de futebol curte mais. Como nós temos isso no mesmo dia e em dias alternados, e geralmente em dias que são mais propícios para que possam vir, eles aparecem para curtir. Segunda, por exemplo, temos pagode."

Walnir Oliano, gerente de marketing e artístico

– Talvez haja uma identificação muito grande porque o jogador de futebol gosta de movimento, gosta de ver gente, de espaço. Eles curtem boates pequenas, mas elas não combinam muito com o perfil deles. E nós trabalhamos com uma programação que atrai muitos jogadores de futebol, que inclui pagode e funk, que invariavelmente a maioria dos jogadores de futebol prefere. Os dias também são propícios. Segunda, por exemplo, temos pagode. É um dia em que não tem jogo, já jogaram no fim de semana e estão descansando.
A proposta do Barra Music é semelhante à de outra casa que “bombou” e reinou como lugar preferido dos jogadores na última década: a Via Show, encravada no início da rodovia Presidente Dutra, estrada que liga o Rio de Janeiro a São Paulo. Porém, a localização fez a novata roubar o posto.

– Hoje, a maioria mora na Barra. Então ficou mais cômodo para aqueles que frequentavam casas noturnas em outros lugares. Ainda mais em tempos de Lei Seca – completou Oliano.

O camarote misterioso
Não há passagens secretas na casa de shows. A entrada dos famosos ocorre pelos fundos. Enquanto eles não chegam, seus convidados, quase sempre belas mulheres, aguardam por ali. Assim que o jogador estaciona o carro, um assessor vai à recepção para a retirada das pulseiras que dão acesso aos camarotes. Em certos casos, são os próprios atletas que buscam os ingressos.
O camarote premium, espaço preferido e disputado pelos grandes astros do futebol, desperta curiosidade dos frequentadores. O local, para 25 pessoas, não é luxuoso. Tem uma porta que controla a entrada – diferente das grades dos demais -, sofás, mesas de metal e o grande diferencial: vidros com películas escuras nas laterais para evitar olhares curiosos. A cada noite há sempre o mistério: quem está dentro da área reservada? O que os convidados fazem por trás da proteção?

Especial Barra Music (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Romário e amigos no Barra Music
(Foto: André Durão / Globoesporte.com)

– O que acontece? Nada que não ocorra em outros locais. Os jogadores podem beber à vontade e se distrair com amigos e amigas. As pessoas têm criatividade e devem pensar que acontecem várias orgias ao som do funk, mas não é assim – disse um amigo de um jogador.

Por noite, um jogador gasta entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil com bebidas e petiscos para seus convidados. A consumação elevada garante a entrada gratuita para a comitiva. Mulheres não abrem a carteira. Por isso, elas se posicionam estrategicamente atrás dos camarotes.

– A mulherada fica ouriçada na área dos camarotes. Nesse espaço de 30, 40 metros, elas ficam esperando alguém chamar para entrar, principalmente os jogadores. É assim a noite toda – disse um dos garçons.
A recepcionista Paula da Silva confirma em parte a tese. Moradora do bairro do Anil, na Zona Oeste, ela vai ao Barra Music pelo menos duas vezes por semana, principalmente às segundas, quando está de folga.
– Eu venho para o Barra Music porque é um lugar com muita gente bonita, encontro amigos, gosto da música. Já fui abordada por jogadores aqui, conheço muitas meninas que são chamadas para entrar nos camarotes. Acho que a casa ganha mais glamour com a presença dos jogadores. Eu ficava com um jogador do Fluminense, conheço muitos jogadores, mas não venho aqui por causa deles.

Especial Barra Music (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Paula conta que já foi abordada por jogadores de futebol na casa de shows (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Já fui abordada por jogadores aqui, conheço muitas meninas que são chamadas para entrar nos camarotes. Acho que a casa ganha mais glamour com a presença dos jogadores."

Paula da Silva, frequentadora do Barra Music

No espaço mais popular do Barra Music, a pista, os boleiros também estão presentes. Não os famosos, que atraem flashes e pedidos de autógrafos, mas aqueles que seguem o estilo. Camisas apertadas, brincos e cordões, bonés de aba reta e relógios nada discretos. Gente que aproveita a noite sem o mesmo glamour, mas se diverte.

Mestre de capoeira e jogador de futebol amador, Lúcio de Oliveira, de 36 anos, vive há seis em Munique, na Alemanha. Na segunda vez no Barra Music, abriu mão dos camarotes e passou a noite na pista, com outros três amigos.
– São poucas casas no Brasil como esta. É um lugar com gente bonita, o som é bom. Conheço muitos jogadores de futebol que frequentam aqui. Alguns desconhecidos e outros famosos. Esses nunca estão sozinhos. Estão sempre cheios de amigos e mulheres. Acho que a presença dos jogadores gera mais mídia para a casa, atrai mais gente. Tem os jogadores mais novos, que ninguém conhece ainda, e aquela rapaziada que se passa por atleta (risos).

Para a direção, a fama de atrair jogadores não atrapalha. Pelo contrário.
– Toda mídia é bem-vinda. Não exploramos isso comercialmente. É uma coisa natural. A casa tem um potencial muito grande. As pessoas ficam encantadas, inclusive as pessoas de fora do Rio de Janeiro. Tivemos a Rio+20 e recebemos uma grande quantidade de turistas de várias partes do mundo. Como a casa é muito atraente, acaba recebendo personalidades, não só do mundo do futebol – disse o gerente de marketing e artístico.

Info_Barra-Music-2 (Foto: infoesporte)

ICFUT – Ida de Adriano à favela e discurso de folga dividem diretoria do Fla e irritam Dorival

Fonte: uol

Adriano terá que explicar sua ausência à diretoria e comissão técnica do Flamengo

Adriano terá que explicar sua ausência à diretoria e comissão técnica do Flamengo

A ausência de Adriano no treino da tarde da última segunda-feira foi a senha para um dia muito tumultuado no Flamengo após quase duas semanas de relativa paz com o Imperador. A ida do jogador à favela Vila Cruzeiro no horário da atividade programada para o CT Ninho do Urubu e o discurso de folga adotado pela assessoria pessoal do atacante dividiram a diretoria e irritaram o técnico Dorival Júnior.

ADRIANO É VISTO EM FAVELA COM BEBIDA ALCOÓLICA APÓS FALTAR A TREINO DO FLAZulmair Rocha/UOLApós quase duas semanas de um comportamento exemplar e muitos elogios por parte de companheiros e comissão técnica, Adriano teve uma "recaída" nesta segunda-feira e deu motivos de sobra para os críticos que insistem em questionar sua capacidade de se recuperar e voltar a jogar um bom futebol. O Imperador faltou ao treino do Flamengo marcado para a parte da tarde e foi visto na comunidade da Vila Cruzeiro, na Zona Norte do Rio de Janeiro, organizando um churrasco e comprando bebidas alcoólicas nas vielas do local

Tudo começou por volta das 15h30, quando fisiologistas, médicos e preparadores aguardavam Adriano para mais uma sessão de treinamentos, conforme estabelecido em programação previamente informada ao Imperador. Com o passar do tempo e a confirmação da primeira falta do camisa 10, os rubro-negros ligaram o alerta para aquele que seria também o primeiro grande problema do jogador em seu retorno.

Enquanto a diretoria confirmava a ausência, a assessoria de imprensa pessoal do jogador dizia haver uma folga programada e que Adriano não teria cometido qualquer indisciplina. O fato irritou os comandantes do Flamengo, já que o discurso oficial do clube estava sendo questionado pelo "staff" do atleta.

Imediatamente, membros da diretoria contrários à contratação de Adriano fizeram contato com representantes do departamento de futebol e incendiaram ainda mais o clima. Enquanto alguns tentavam defender o Imperador, outros detonavam seu comportamento e falavam que ele não era digno de nova chance com a camisa do Flamengo.

Alheio aos bastidores do clube, o técnico Dorival Júnior não se pronunciou, mas confidenciou a amigos e pessoas próximas seu desapontamento com a atitude de Adriano. Sempre muito cauteloso em seu discurso sobre um retorno do atleta, ele argumentava que não poderia admitir tal postura do jogador no grupo.

DISCURSOS DIFERENTES EM FALTA NO FLA

DIRETORIA DO FLA
ASSESSORIA DE ADRIANO

Jogador tinha treino marcado às 15h, não compareceu e não deu qualquer justificativa para a ausência
Adriano já havia combinado com diretoria e comissão técnica uma folga para a última segunda-feira em função do desgaste dos últimos dias

Como uma bola de neve, novos problemas foram surgindo e aumentando as polêmicas. Durante a noite, após a divulgação de que o jogador tinha passado parte do dia na favela da Vila Cruzeiro, na zona norte da cidade, havia sido flagrado com bebidas alcoólicas e ainda teria participado de uma acidente com seu carro, a paz que ainda restava deixou de existir.

A comprovação da indisciplina de Adriano e o fim da história de "folga para descansar" fizeram a diretoria definir o cumprimento de uma cláusula no contrato que adverte o atleta e o multa em seu salário. A divulgação oficial, no entanto, só deverá ocorrer após reunião com o jogador, que poderá relatar sua versão sobre o ocorrido durante o dia.

Ainda assim, mesmo com um "direito de resposta" a Adriano, membros da diretoria e da comissão técnica perderam a paciência com o jogador. Para muitos, o camisa 10 provou que não conseguirá aproveitar a nova chance dada pelo clube.

OPINIÃO DOS BLOGUEIROS
  • JUCA KFOURI: Além do Flamengo, que não colabora para o indispensável tratamento contra dependência do Imperador, erra também quem faz as manchetes, insensível para o drama de uma pessoa que está doente e não é de hoje.

  • NETO: Por mais que ele queira, não consegue mais honrar compromissos. Nem psicó

ICFUT – Ministério do Esporte divulga balanço de estádios da Copa

Fonte: lancenet

Fortaleza, Belo Horizonte, Salvador e Brasília têm os projetos mais avançados dentre as 12 cidades-sede do Mundial

Especial Obras nos Estádios - Brasília Obras em Brasília estão 72% concluídas (Foto: Monitoramento/ME/Portal da Copa)

O Ministério do Esporte divulgou nesta segunda-feira um novo balanço com a situação dos 12 estádios da Copa do Mundo de 2014. De acordo com o levantamento, que também incluiu imagens recentes das obras, Belo Horizonte, Fortaleza, Brasília e Salvador têm as intervenções mais avançadas.

 

 

Confira a avaliação do Ministério do Esporte:


BELO HORIZONTE
As obras atingiram 78% de seu percentual e vai cumprir o prazo de entrega em dezembro deste ano. O campo passa por um nivelamento que vai permitir a preparação para a drenagem.
BRASÍLIA
Obras estão no patamar de 72%. Arquibancada superior está 85% finalizada.
CUIABÁ
A Arena Pantanal alcançou 47% de sua conclusão e a previsão de término é julho de 2013.
CURITIBA
As demolições necessárias alcançaram nível de 50%. No total, 45,12% da obra está concluída. Os maiores avanços foram na área nova no estádio, no segundo andar e na entrada da Arena da Baixada.
FORTALEZA
O Castelão está com 87% das obras prontas e a entrega está prevista para dezembro deste ano.
MANAUS
Obras da Arena Amazônia com 44% de sua execução física. Conclusão prevista apenas para dezembro do ano que vem.
NATAL
Com um ano de obras, a Arena das Dunas alcançou patamar de 30%. Início da montagem de arquibancadas previsto para setembro.
PORTO ALEGRE
Em agosto, 75% da marquise do Beira-Rio deve estar retirada. Reforma alcançou 33% de conclusão.
RECIFE
Uma das maiores de cabeça dos organizadores da Copa, a Arena Pernambuco tem apenas 51,64% de sua conclusão. Para estar pronta em fevereiro de 2013, a previsãom é que 6% do percentual de conclusão seja atingido a cada mês.
RIO DE JANEIRO
Maracanã com 62% de obras concluídas. última peça pré-moldada da arquibancada e último anel de compressão da cobertura estão colocados.
SALVADOR
Avanço das obras chegaram a 70% em agosto, com a conclusão da montagem da superestrutura do projeto.
SÃO PAULO
A Arena Corinthians está com 48% de conclusão. A previsão de término da obra segue para dezembro de 2013.

ICFUT – Túlio Maravilha fará seu primeiro treino pelo Botafogo nesta terça-feira

Fonte: lancenet

Atacante está se preparando para marcar seu milésimo gol

Túlio Maravilha (Foto: Alexandro Auler)
Túlio Maravilha começará os treinos rumo ao milésimo (Foto: Alexandro Auler)

O atacante Túlio Maravilha vai fazer seu primeiro treino pelo Botafogo nesta terça, às 15h, no Caio Martins, em Niterói. O artilheiro está se preparando para fazer alguns jogos e marcar seu milésimo gol na carreira.

De acordo com o chefe do departamento médico alvinegro, Túlio será tratado como um jogador normal do elenco. Por sua vez, o técnico Oswaldo de Oliveira afirmou que vai avaliar a condição física e técnica do atacante para saber se pode contar com ele ou não.