ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE A: Rodada que abre o returno pode mudar liderança e G4

Fonte: futebolinterior

Acompanhe todos os resultados do Brasileiro no melhor Placar Ao Vivo

Campinas, SP, 28 (AFI) – Oito jogos abrem nesta quarta-feira a primeira rodada do segundo turno do Brasileirão, e a curiosidade fica para saber se o Atlético-MG seguirá como líder isolado. Ainda na parte de cima da tabela, Vasco e Grêmio podem trocar de posições no G4.

Depois de deixar escapar a vitória no clássico contra o Cruzeiro, o Atlético-MG quer voltar a somar três pontos, desta vez contra a Ponte Preta, às 20h30, noEstádio Independência, em Belo Horizonte. Galo vem de empate com o Cruzeiro, que o manteve em primeiro lugar, com 43 pontos. Já o time campineiro, que venceu a Portuguesa, por 2 a 1, aparece em 13.º, com 23.
E caso o Galo não faça sua parte, quem pode liderar a competição é o Fluminense, que joga contra o Corinthians, às 22 horas, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro. O Tricolor das Laranjeiras vem de vitória sobre o Vasco, por 2 a 1, que lhe manteve em segundo lugar, com 42 pontos. O Timão perdeu para o São Paulo, por 2 a 1, estacionou nos 24 pontos e caiu para 12.º

Outro duelo importante acontecerá entre Grêmio e Vasco, às 22 horas, no Estádio Olímpico, em Porto Alegre. O Imortal vem de vitória no Gre-Nal, por 1 a 0, chegou aos 37 pontos e assumiu a terceira posição. Acontece que, o rival carioca vem logo atrás, com 35 pontos e em quarto – perdeu na última rodada para o Fluminense, por 1 a 0.

Vindo de derrota para o Santos, o Palmeiras terá pela frente outro clássico nesta quarta, desta vez contra a Portuguesa, às 20h30, no Estádio do Canindé, em São Paulo. Verdão foi derrotado pelo Peixe, por 2 a 1, e permaneceu na zona de rebaixamento do Brasileirão – 17.º, com 16 pontos. A Lusa, que perdeu para a Ponte, por 2 a 1, aparece em 14.º, com 22 pontos.

E por falar em Santos, o clube praiano vai em busca da quarta vitória consecutiva nesta quarta, contra o Bahia, às 19h30, na Vila Belmiro, em Santos. Peixe tem 26 pontos e é o décimo colocado. Já o clube baiano, que terá a estreia do técnico Jorginho – substitui Caio Júnior -, vem de empate com o Atlético-GO, tem 17 pontos e é apenas o 16.º na classificação.

Ainda jogam nesta quarta-feira: Coritiba (15.º) x Internacional (6.º); Náutico (11.º) x Figueirense (20.º); e Atlético-GO (18.º) x Cruzeiro (8.º).

Mais jogos!
O complemento da rodada acontece nesta quinta-feira com mais dois jogos. Enquanto o São Paulo vai em busca de mais uma vitória no Brasileirão, desta vez diante do Botafogo, no Morumbi; o Flamengo quer superar o Sport, no Engenhão, para continuar sonhando com uma vaga na Libertadores.

Confira os jogos da 20.ª rodada:

Quarta-feira
19h30

Santos-SP x Bahia-BA
Coritiba-PR x Internacional-RS

20h30
Portuguesa-SP x Palmeiras-SP
Náutico-PE x Figueirense-SC
Atlético-MG x Ponte Preta-SP

22 horas
Grêmio-RS x Vasco da Gama-RJ
Fluminense-RJ x Corinthians-SP
Atlético-GO x Cruzeiro-MG

Quinta-feira
21 horas

Flamengo-RJ x Sport-PE
São Paulo-SP x Botafogo-RJ

Links ao vivo para os jogos

ICFUT – Palmeiras tenta Alex para a Libertadores, mas vê plano frustrado

Fonte: lancenet

Meia vive momento turbulento no Fenerbahçe (TUR), com quem tem contrato até junho de 2013, mas diz que é difícil a sua liberação em janeiro

Alex - Fenerbahçe (Foto: Murad Sezer/Reuters)
Alex é ídolo no Fenerbahçe (Foto: Murad Sezer/Reuters)

Com o objetivo de montar um elenco forte para a Copa Santander Libertadores de 2013, o Palmeiras consultou o meia Alex nas últimas semanas. A resposta foi que é muito difícil ele sair do Fenerbahçe (TUR) nesse momento.

Se vingasse a busca, o jogador de 34 anos só poderia voltar ao Brasil a partir de janeiro, já que a janela de transferências está fechada.

A iniciativa de procurar o maestro partiu da cúpula palmeirense. A intenção era encaminhar a negociação com o ex-camisa 10 alviverde e, então, oferecer o “presente” para Luiz Felipe Scolari.

Alex tem contrato até junho de 2013 e vive um momento turbulento com o técnico Aykut Kocaman. No último sábado, foi barrado pelo treinador e sequer foi relacionado para um jogo da Liga Turca. Na semana passada, havia ficado no banco de reservas na derrota por 2 a 1 para o Spartak Moscou (RUS), na Rússia. Esse confronto vale vaga na fase de grupos da Liga dos Campeões. Hoje as equipes voltam a se enfrentar, dessa vez na Turquia, e Alex foi convocado pela comissão técnica.

O estafe do meia alega ciúmes de Kocaman, já que Alex está a quatro gols de se tornar o maior artilheiro do Fenerbahçe na Liga Turca, e o técnico é o dono da marca (136 a 140).

Com a negativa de Alex, a diretoria tenta atender os pedidos de reforços de Felipão para a próxima temporada. Em conversa com dirigentes na semana passada, Scolari falou em até cinco nomes de bom nível técnico para deixar o elenco com condições de brigar pela Libertadores.

A cúpula fez as contas e calculou em cerca de R$ 20 milhões os gastos para atender a maioria das solicitações. Apostam que se montarem um elenco forte será mais fácil convencer Felipão a seguir no clube. O contrato dele se encerra em dezembro, um mês das eleições presidenciais, e o presidente Arnaldo Tirone quer estender o vínculo de Scolari por ao menos uma temporada.

Além dos atletas graúdos citados por Felipão, o lateral-direito Ayrton, do Coritiba, e o meia Cleber Santana, no Avaí, mas do São Paulo, interessam ao Verdão.

ICFUT – Zico provoca torcida do Corinthians e diz: "estão longe da do Fla"

Fonte: terra

Ídolo flamenguista participou do lançamento da candidatura de Wallim Vasconcellos (esq.) para presidente. Foto: Cirilo Junior/Terra

Ídolo flamenguista participou do lançamento da candidatura de Wallim Vasconcellos (esq.) para presidente
Foto: Cirilo Junior/Terra

Direto do Rio de Janeiro

Maior ídolo rubro-negro, Zico viveu um período de desgosto com o Flamengo, após sua frustrada passagem pelo comando do futebol do clube, em 2010. O prestígio imensurável que o ex-jogador tem não foi suficiente para que o retorno dele tivesse um final digno de sua história no clube. Zico saiu triste, e vinha preferindo evitar até mesmo comentários sobre o Flamengo.

Na noite desta última terça-feira, o atual treinador da seleção do Iraque voltou a demonstrar esperança em relação ao Flamengo, ao anunciar apoio à candidatura de Wallim Vasconcellos à presidência do clube. E ao mencionar a grandeza do clube rubro-negro, exaltou sua torcida, o grande patrimônio, segundo o ex-jogador, da instituição. Zico não conteve a empolgação ao falar do tamanho e da paixão dos torcedores, especialmente no interior do País, e aproveitou para provocar o Corinthians, clube que tem a segunda maior torcida do Brasil, atrás justamente do Flamengo.

"Com todo o respeito ao Corinthians, mas eles estão bem longe da gente", afirmou Zico, ao falar a uma plateia de cerca de 300 pessoas, no Cine Leblon, na zona sul do Rio.

O maior jogador da história do Flamengo lembrou que tem viajado por todo o Brasil com seu projeto Zico 10, e vem testemunhando a força da torcida rubro-negra em todo o país. Segundo ele, a maciça presença de flamenguistas é um dos legados de que mais se orgulha dos anos em que vestiu a camisa vermelho e preta. Acrescentou que muitas pessoas que passam pela administração do clube não tem noção do que o Flamengo representa em regiões interioranas.

"De 200 pessoas que estavam lá em Laguna (SC), 199 estavam com camisa do Flamengo. Aí vou para o Pará, em Itaituba e Santarém, é só Flamengo. Acho que essas pessoas, quando trabalham aqui, tem que ter noção do que é o Flamengo, não só no Brasil, como no mundo inteiro. Ainda tenho essa felicidade, por estar trabalhando fora do Brasil, ver o que representa o Flamengo", explicou.

Em recado à chapa a qual declarou apoio, Zico disse que o Flamengo precisa voltar a pensar grande. E essa ambição passa pelo plano de internacionalizar o clube, ampliando a fama do time carioca no exterior com a conquista de mais títulos.

"Esse é um olhar que falta às pessoas que estão dentro do Flamengo. É preciso internacionalizar o Flamengo, e não ficar vivendo de um título mundial que teve há 30 anos. O Flamengo é muito grande para ficar dimensionado só aqui dentro dessa forma".

Zico participou do lançamento da candidatura de Wallim à presidência do Flamengo. As eleições estão marcadas para dezembro. Ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o candidato encabeça chapa que conta com executivos que fizeram carreira de sucesso no mercado de negócios. Estão no grupo o ex-presidente do Banco Central, Carlos Langoni, o sócio-diretor do grupo EBX, Flávio Godinho e o presidente da Visa do Brasil, Rubén Osta. Integram ainda a chapa Rodolfo Landim, ex-presidente da Petrobras Distribuidora, e David Zylberstajn, que comandou a Agência Nacional do Petróleo (ANP) de 1998 a 2001.

A maior parte dos executivos não têm histórico de atuação política no clube. Eles alegam que decidiram disputar o controle administrativo do por não se conformarem com os rumos que a atual administração, comandada por Patricia Amorim, vêm dando ao clube.

Mestre de cerimônias do evento, o humorista Claudio Manoel, do Casseta e Planeta Urgente, disse estar cansado de ficar torcendo para que o Flamengo não seja rebaixado, e ironizou a atual presidente rubro-negra, ex-nadadora do clube. "A gente sabe o que a presidente faz. Ela nada", criticou.

Nem mesmo os atrasos de salários escaparam da língua afiada do humorista. "A única coisa que o Flamengo paga em dia hoje é mico", brincou Claudio Manoel.

ICFUT–Entrevista com Elano

Fonte: uol

Elano comemora boa fase em Porto Alegre e novo momento na carreira profissional

Elano comemora boa fase em Porto Alegre e novo momento na carreira profissional

Elano pede que torcida do Santos apoie Ganso e admite que ficou ‘desamparado’ no clube

Elano atingiu sucesso no Santos e de lá saiu após momentos conturbados. Problemas internos no elenco, ficar fora da final do Mundial por opção de Muricy Ramalho, vida pessoal exposta na mídia, tudo empurrou o meia para fora do clube. Destaque da última Copa do Mundo, menos de dois anos depois, ele viveu incertezas.

Carmelito Bifano/UOL Esporte
  • "Uma mudança sempre gera algo positivo", diz. Elano chegou ao Grêmio em julho e reencontrou o bom futebol. Em Porto Alegre, o meia disputou todos os jogos e é tido como responsável pela boa fase do time.
    Ao contrário do que poderia acontecer, ele mede palavras para falar do Santos. Não quer parecer ingrato com o time que o abriu as portas e descarta ter passado por problemas internos no elenco. De longe, pede apoio da torcida ao amigo Paulo Henrique Ganso – envolvido em negociação e podendo deixar o clube – e sequer cita percalços da vida pessoal.
    "Tive uma história maravilhosa no Santos. Não posso deixar de exaltar a minha gratidão. O meu respeito e o carinho pelo Santos serão sempre muito grande. Por tudo que vivi lá dentro. Agradeço desde o meu primeiro treinador, o Giba, que foi quem me levou para o Santos, até o último que foi o Muricy", disse em bate-papo sincero e descontraído com a reportagem do UOL Esporte nesta terça-feira.

UOL Esporte: Elano, por que você resolveu sair do Santos?
Elano: Tive uma história maravilhosa no Santos. Não posso deixar de exaltar a minha gratidão. O meu respeito e o carinho pelo Santos será sempre muito grande. Por tudo que vivi lá. Agradeço desde o meu primeiro treinador, o Giba, até o último que foi o Muricy. Mas houve alguns desgastes normais e naturais, principalmente quando se trata de Brasil. Às vezes as coisas não saem como a gente queria, principalmente, pela desclassificação na segunda Libertadores. Algumas coisas começaram a recair sobre mim que indiretamente eu não era o responsável. Eu junto com o grupo é que tínhamos a responsabilidade de uma desclassificação e me senti um pouco desamparado. Decidi sair antes de ter uma proposta na mão. Depois meu empresário falou do Grêmio. Conversei com a minha esposa e expus a importância de uma nova oportunidade, de um projeto maravilhoso que o Grêmio tem. Voltar a trabalhar com um treinador e jogadores que conheço… Então, o projeto que o Grêmio ofereceu para a minha família me trouxe muita luz, com novos objetivos e em um novo clube.

UOL Esporte: Houve uma queda de rendimento tua por questões táticas, ou o Muricy Ramalho não soube lidar com as disputas internas do elenco?

Elano: Não sei. É difícil falar de problemas… Não sei se diria problemas. Personalidades, maneiras e jeitos, cada um tem o seu. Eu, particularmente, em todos os clubes que trabalhei ou na seleção, o meu relacionamento com todos sempre foi respeitoso. Não tive problemas no Santos. Não vi problemas internos no Santos se tratando de campo [comissão técnica e jogadores]. Jogar ou não, faz parte do treinador e do jogador, aceitar ou não. Tudo foi bem natural, bem tranquilo, não vejo problema interno.

Boa fase no Grêmio


O torcedor está percebendo que a equipe está querendo. Mesmo nas derrotas, todos viram que buscamos algo mais. E a vitória no Gre-Nal confirmou isso. Não estamos felizes com a situação de 10 anos sem título do clube. Isso incomoda muito os jogadores, mesmo quem chegou depois. Queremos fazer história, acabar com isso

  • UOL Esporte: Foi um marco para você ter ficado fora da final do Mundial de Clubes, contra o Barcelona? Te magoou muito?
    Elano: Lógico que fico triste. A final do Mundial e a semifinal [da Libertadores] contra o Corinthians, no Pacaembu, são situações que pela qualidade que demonstro em grandes jogos acredito que poderia ter ajudado da melhor forma. Mas é o que falei: é um lado respeitoso do jogador com o treinador. Na final do Mundial o Muricy [Ramalho] conversou comigo depois, sobre a escalação, que eu não sabia. Ele conversou comigo no ônibus, antes de entrar no vestiário, por ser um atleta profissional exemplar e que cumpro com as minhas obrigações de forma respeitosa. Isso me deixou contente. Disse para ele que aquele momento tinha que ser de alegria. Que tínhamos que nos fechar, independente de qualquer coisa, pois não era momento de pensamento negativo. As coisas foram muito naturais. A chateação… o jogador fica triste, é normal, mas não houve nada mais do que isso.
    UOL Esporte: Quando no Santos, sua vida pessoal ficou exposta [Elano viveu romance e fim dele com a atriz Nívea Stelmann]. Isso também te prejudicou dentro de campo? Foi bom sair do foco?
    Elano: Toda mudança é importante. Ainda mais se tratando de um clube que eu conhecia todos e conquistei tudo. Às vezes a mudança é importante. Sou tão abençoado e agradeço muito a Deus por estar no Grêmio porque a minha adaptação foi muito rápida. Pelo carinho das pessoas de Porto Alegre. Pela maneira que fui tratado pelos jogadores. Além do principal, que é o time estar jogando bem e vencendo. Estamos bem colocados. Foi importante a mudança por toda essa questão. Agora, o lado da pressão.. foi melhor ou foi pior, confesso que falei muitas vezes… Não me importo muito, pois sempre sigo o meu caminho. O que vem acontecendo comigo desde que cheguei, foram oito ou nove jogos, em um mês e pouco, são coisas normais na minha carreira. Estou muito feliz, pois é esse Elano que eu quero continuar sendo.
    UOL Esporte: Pretende voltar ao Santos um dia?
    Elano: Agora não penso, mas não posso dizer que não voltaria, mesmo que não fosse para jogar, um dia trabalhar, não sei… Como disse, sou muito grato às pessoas que me ajudam. Seria muito ingrato e injusto se eu dissesse que jamais voltaria para o Santos. Como também seria ingrato ao Grêmio de dizer que eu sairia e voltaria. Então, neste momento, nada disso me passa pela cabeça porque quero ter mais cinco ou seis anos de carreira. Respeito muito a minha história no Santos, mas, no momento, a minha cabeça está extremamente focada para a equipe do Grêmio.
Gol marcado em Gre-Nal


Fiz história. É muito bom. Fiz gols em Brasil e Itália, Brasil e Argentina, Brasil e Portugal, Santos e Corinthians, Santos e São Paulo, e agora pude fazer gol em Gre-Nal. Marcar nestes jogos é para a vida toda. Na lembrança e na história do torcedor. Você sai na rua e as pessoas te agradecem

  • UOL Esporte: Tem um caso semelhante ao seu de saída do Santos ocorrendo, que é com o Paulo Henrique Ganso. O que você tem falado com ele, se é que tem, e o que pode ser dito disso?
    Elano:  Falar algo seria muito difícil, pois não sei o que está realmente acontecendo. Se tivesse lá, poderia ser mais claro. Agora, se pudesse pedir, mesmo de longe, seria para a torcida apoiar. Enquanto ele está no Santos, os torcedores têm que dar as mãos a ele. Porque é um jovem, que passou por períodos difíceis como a cirurgia, e queira ou não, tem que ser respeitado por querer estar dentro de campo. Esse é o único recado que gostaria de dar. Para que o torcedor apoie, pois a gente não sabe o que a diretoria faz, não sabe qual a postura dele. Peço que tenham respeito enquanto ele tiver contrato para que possa fazer o seu trabalho em paz. O jogador precisa de paz e tranquilidade para render. A qualidade que ele tem é indiscutível.
    UOL Esporte: Seu caso poderia ser exemplo para ele sair e ser feliz?
    Elano:  Como disse, toda a mudança é uma motivação diferente. Quem pode te responder é ele. Eu e a diretoria do Santos que decidimos minha saída. Tem situações em que precisamos tomar uma decisão. Espero que ele saia pela porta da frente, como ocorreu comigo. O lado do torcedor é importante e ele [torcedor] esteve do meu lado neste período. Às vezes, fico meio receoso de falar das coisas do Santos porque tem muita gente que interpreta as de várias maneiras. Jamais vou querer ser ingrato e a torcida do Santos sempre me apoiou nos momentos difíceis. Com o Paulo Henrique, peço as mesmas coisas. Vi agora no Pacaembu, contra o Palmeiras [Ganso foi vaiado], e fiquei muito chateado porque eu acho que ele não merece.
Lesão na Copa do Mundo


Me preparei, fiquei um ano me preparando, sem contar Eliminatórias, Copa América e amistosos.Tive oportunidade de fazer dois jogos e marcar dois gols. Tinha altas expectativas. Fiquei muito feliz que fui colocado na seleção da primeira rodada e estava na segunda.Com o Brasil avançando, tinha a possibilidade de ganhar algum prêmio. Disputar o título de uma Copa do Mundo, poder ser campeão. Tudo passou naquele momento e, para mim, tudo isso ficou para trás. É muito triste, mas bola para frente, a vida continua

  • UOL Esporte: Pelo desempenho que deste ao time, o Grêmio é, hoje, ‘Elanodependente’?
    Elano: Eu me vejo uma peça importante no Grêmio, mas vejo os jogadores totalmente empenhados. Hoje, até aqueles que não jogam estão totalmente empenhados, focados e concentrados para conquistar as vitórias. Com a minha chegada e com a qualidade e a inteligência de jogadores como Gilberto [Silva], Zé Roberto, de conduzir…  Temos a possibilidade de fazer uma história maravilhosa no Grêmio. Porque é um estádio que vai ser demolido e temos a possibilidade de fazer história aqui e começar uma nova dentro do outro. O que eu fiz no Santos, nem quando eu morrer vai ser apagado. A história vai continuar. Estamos construindo uma historia muito bonita aqui e esperamos um final feliz. Não vejo um Grêmio dependendo só de mim. Me vejo como uma peça importante, mas o Grêmio é mais que isso.
    UOL Esporte: Com a boa fase no Grêmio, você volta a pensar em seleção brasileira?
    Elano: Esse é o meu objetivo. Seleção é uma consequência. Se continuar fazendo o que venho fazendo no Grêmio e a gente continuar com uma grande sequência de vitórias, brigar por títulos, a seleção é consequência. Para a seleção brasileira tem que ir os melhores naquele momento. Respeito todas as convocações, mas vou buscar a minha. A Copa do Mundo está logo ali. Tive a possibilidade de fazer uma grande Copa do Mundo, não consegui acabar por uma fatalidade, mas o meu objetivo é poder voltar.
    UOL Esporte: E a adaptação a Porto Alegre….
    Elano: A adaptação foi muito fácil, pois a cidade tem muita qualidade. Se come muito bem. As minhas filhas estão extremamente adaptadas na escola. Fiz a minha mudança. Fiz amigos e conheço os lugares. É uma cidade pequena, as coisas são próximas e isso é muito gostoso. Onde vou tenho o carinho das pessoas. Independente de serem torcedores do Grêmio, todos têm um respeito muito grande pelo meu trabalho. Isso é muito gratificante. Então, quando tudo isso acontece, a cabeça e o coração ficam limpos para trabalhar.
    UOL Esporte: Você percebe ter a característica do futebol gaúcho… pegada, marcação…
    Elano: É bem engraçado, pois vocês que acompanham a história dos times do Grêmio sabem que eles são bem aguerridos. Times dedicados no posicionamento, força, mas que sempre tiveram qualidade técnica. Mesmo assim, os meias que têm essa qualidade também marcam. O Zé Roberto é extremamente importante. A gente brinca que somos dois meias e marcamos. Às vezes, marcamos os volantes como eles nos marcam. Isso é importante e o equilíbrio está nessa versatilidade. O Zé tem muito isso. Ele é impressionante.

ICFUT – Neymar rumo à falência? Revista questiona, mas pai nega

Fonte: globo

Texto no site da Forbes, principal revista norte-americana de negócios, coloca em xeque o futuro da saúde financeira do popstar da Vila Belmiro

Iate comprado por Neymar, Azimut 78 (Foto: Divulgação / Site Oficial Azimut Yachts)O iate ‘absurdamente caro’ de Neymar
(Foto: Divulgação / Site Oficial Azimut Yachts)

A forma como o craque Neymar, do Santos, tem gastado sua fortuna chamou a atenção da Forbes, principal revista norte-americana de negócios. O jornalista Anderson Antunes assina artigo no site da revista colocando em xeque o futuro da saúde financeira do popstar da Vila Belmiro. A reportagem exalta o talento do atleta nas quatro linhas, mas enumera as extravagâncias do jogador, dizendo que o atacante está torrando seu dinheiro. Para ler o artigo em inglês, clique aqui.

Entre as várias aquisições do atleta citadas na publicação estão uma mansão em um condomínio fechado do Guarujá, no valor de aproximadamente R$ 4 milhões, um apartamento triplex de R$ 1,5 milhão em Santos, uma Porsche Panamera Turbo (com preço variado entre R$ 800 mil e R$ 1,1 milhão), além de um iate usado de R$ 16 milhões, classificado pela reportagem como a "cereja do bolo" e "absurdamente caro".

A Forbes ressalta que Neymar não está entre os atletas mais bem pagos do mundo para ter "brinquedos desse tipo", mas também lembra que o craque ainda fará bastante dinheiro por pelo menos mais dez anos.

Questionado sobre o assunto e a possível falência, Neymar da Silva Santos, pai do atacante santista, rebateu. De acordo com ele, diretor maior da empresa que leva o nome do atleta, há vários profissionais que ajudam a gerir os negócios do jogador, inclusive as finanças.

– Eu garanto que a vida do Neymar está bem cuidada. Não tem como isso (falência) acontecer – diz Neymar pai, em entrevista ao Jornal A Tribuna.

Atualmente, além do salário no Santos, o jogador recebe dinheiro de dez patrocinadores que exploram sua imagem na mídia. Recentemente, aliás, o atacante fechou com a Gulliver, empresa especializada na linha de brinquedos infantis, que criou uma campanha de produtos só do atacante.

Neymar e o pai em Florianópolis (Foto: Marcelo Hazan / globoesporte.com)Pai de Neymar administra os gastos do filho  (Foto: Marcelo Hazan / globoesporte.com)