Por Cleber Aguiar – No vestiário, Felipão se irrita e insulta equipe de TV

Fonte:Globo.com

Técnico ofende jornalistas da TV Gazeta que registravam imagens de Valdivia chateado após a expulsão no jogo contra o Coritiba

Por Sergio Gandolphi Barueri, SP

 

O Palmeiras ganhou do Coritiba por 2 a 0, na noite desta quarta-feira, em Barueri, e se aproximou do título da Copa do Brasil – pode até perder por um gol de diferença na partida de volta, quarta-feira que vem, em Curitiba. Mas Luiz Felipe Scolari saiu de campo furioso.

A caminho do vestiário, ele reclamava com dirigentes sobre a arbitragem de Wilton Pereira Sampaio, principalmente por causa da expulsão de Valdivia. O trecho entre o gramado e o vestiário é chamado de “zona mista”, local onde os jornalistas credenciados podem fazer entrevistas com os jogadores, e era ali que o meia chileno se encontrava após a expulsão, revoltado.

Ao notar que jornalistas faziam o registro da desolação de Valdivia, Felipão partiu para cima da equipe da TV Gazeta – havia várias outras no local, inclusive a do GLOBOESPORTE.COM, que fez as imagens acima e parou de gravar assim que o treinador começou os ataques.

– Aqui não é lugar para você, não – disse Felipão, ao repórter da TV Gazeta.

Depois, na entrevista coletiva, diante de todos os jornalistas, inclusive aquele que foi ofendido, o treinador falou sobre o caso, lembrando que já precisou se defender no STJD por conta de situação semelhante.

– No jogo do Grêmio fui citado pelo Tribunal. Eu tenho de fazer uma defesa, porque as televisões me captaram discutindo e bravo com alguma coisa – disse Felipão.

O técnico fez questão de deixar claro que sua maior preocupação é com a possibilidade de vir a ser julgado e suspenso por sua reação, já que o que ocorre no estádio pode ser citado na súmula do árbitro. Ele notou que havia um fiscal da CBF por perto.

– Quando desço para o vestiário, ali é a minha área, e não da televisão. Se captar, não pode exibir. Quando vi vocês com um “canhão”, fiquei bravo mesmo. Amanhã, esse mesmo cara (fiscal da CBF) vai colocar tudo na televisão. Se eu passo reto, não captou imagem, não tem nada. O maior prazer deles é botar isso no ar – disse o treinador, simulando rabiscos na mesa de entrevistas, dando a entender que se referia realmente à súmula do jogo.

Felipão Murtosa Rubens Sampaio (Foto: Marcos Ribolli / globoesporte.com)Felipão, entre o auxiliar Murtosa e o médico Rubens Sampaio (Foto: Marcos Ribolli / globoesporte.com)

Por Cleber Aguiar – Palmeiras usa maior trunfo, ‘goleia’ Coxa por 2 a 0 e fica perto do título Com atuação irregular e um jogador a menos no segundo tempo, Verdão usa bola parada de Assunção contra rival incompetente nas finalizações

Fonte:Globo.com

Palmeiras 2 x 0 Coritiba
Final
DESTAQUES DO JOGO
  • momento decisivo

    19 min
    Thiago Heleno fez gol importante para o título ao ganhar de Pereira e desviar de cabeça a bola após falta cobrada por Assunção. Boa vantagem do Palmeiras!

  • nome do jogo

    Bruno
    Goleiro não apareceu tanto no jogo inteiro, mas foi importante no início, em chances de Júnior Urso, Gil, Willian e Everton Costa. Garantiu tranquilidade do time.

  • arbitragem

    Confuso
    Wilton Sampaio não deu falta escandalosa em Everton Costa, o pênalti foi discutível e Valdivia levou amarelo por fingir que jogaria a bola no adversário.

A CRÔNICA
por Alexandre Lozetti

 

Falta para o Palmeiras, e a galera vibra na Arena Barueri! Momentos que fizeram da torcida, consciente do que seu time podia fazer, a melhor em campo. O Coritiba era muito superior enquanto o jogo estava 0 a 0. Superioridade difícil de ser traduzida em palavras, mas também em gols. Por isso os palmeirenses iam à loucura com a possibilidade de um cruzamento ou um chute de Marcos Assunção. Conhecem bem a equipe que têm…

O primeiro passe encontrou Jonas e Betinho agarradinhos. O árbitro decidiu dar pênalti. O gol de Valdivia foi uma bênção para o Palmeiras, que parecia estar de folga. Um castigo para o Coritiba, que pecou pela incapacidade de concluir as boas jogadas criadas. E uma bonita homenagem para Barcos. Na comemoração, o Mago virou Pirata, ergueu um braço e tapou o olho com o outro, assim como faz o argentino, operado nesta quarta por apendicite.

No segundo gol, já na etapa final, a bola foi caprichosa. Dos pés de Assunção, passou pelas costas de Lincoln e pela cabeça de Thiago Heleno antes de cair no coração dos mais de 28 mil palmeirenses na Arena. O Palmeiras não fez quase nada, mas quase tudo deu certo e o título da Copa do Brasil está muito próximo após a vitória por 2 a 0, na noite desta quinta-feira.

Valdivia, Palmeiras x Coritiba (Foto: Marcos Ribolli  / Globoesporte.com)Palmeiras e Coritiba fizeram jogo ‘pegado’ na Arena Barueri (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Destaque negativo para a arbitragem lamentável de Wilton Pereira Sampaio. Não deu faltas escandalosas, inventou outras, não teve critério ao distribuir cartões amarelos e, para concluir seu trabalho, ignorou pênalti de Marcio Araújo em Tcheco, já na reta final do confronto.

Na próxima quarta-feira, no Couto Pereira, o Coritiba terá de vencer por três gols de diferença para conquistar a Copa do Brasil pela primeira vez. O Verdão, em busca do bi, jogará por empate, ou derrota por diferença mínima. Se o Coxa ganhar por 2 a 0, o título será decidido nos pênaltis. Antes, pelo Brasileirão, compromissos fora de casa. No domingo, os paranaenses visitam o São Paulo, às 16h (de Brasília), e os paulistas enfrentam a Ponte Preta, às 18h30m.

Dos pés de Assunção, parte 1

Não foi preciso nem um minuto de jogo para ver a estratégia de Marcelo Oliveira: adiantar a marcação do Coxa e pressionar o adversário em seu campo de defesa. Deu certo. O Palmeiras não viu a cor da bola. Ou melhor, Bruno viu. E bem de pertinho. O contra-ataque parecia infalível quando Júnior Urso deixou Marcio Araújo para trás, mas o goleiro saiu com precisão e fez a defesa. Urso ficou uma fera, assim como Everton Ribeiro, que corria livre pelo meio e não recebeu a bola. Fome de Urso…

Betinho, substituto do hospitalizado Barcos, aparecia mais quando tentava ajudar a marcação do que em lances ofensivos, mais um sinal de que alguma coisa estava fora da ordem. Os desavisados poderiam pensar que o jogo era no Couto Pereira, já que o Coritiba perdia uma chance atrás da outra. Everton Costa, o mais adiantado, foi muito bem, não perdeu um domínio de bola, abriu espaço para os companheiros e quase teve seu calção tirado pelo marcador num lance que, por incrível que pareça, o árbitro Wilton Pereira Sampaio não marcou falta. Mas Everton não é aquele centroavante com faro de gol.

As chances caíram nos pés de Willian, Gil… E Bruno, ora com sorte, ora competente, garantia o placar em branco. Placar que foi mexido depois que o árbitro resolveu marcar pênalti de Jonas em Betinho. Valdivia, que já havia sofrido a falta que originou o cruzamento e a falta dentro da área, bateu com precisão:1 a 0. Mas já era como uma goleada para o Palmeiras!

Valdivia, Palmeiras x Coritiba (Foto: Marcos Ribolli  / Globoesporte.com)Valdivia homenageia Barcos na comemoração do gol (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

 

Dos pés de Assunção, parte 2

O Palmeiras melhorou a marcação no meio de campo, parou de deixar que o adversário jogasse sozinho. A entrada de Lincoln no lugar de Everton Ribeiro tornou o Coritiba mais lento. Melhor para o Verdão, que aos poucos foi fazendo da Arena Barueri o caldeirão tão sonhado por Luiz Felipe Scolari, saudoso do Palestra Itália.

Mais uma falta na intermediária fez o torcedor se levantar e arregalar os olhos. Pareciam saber que a bola terminaria na rede. Só não esperavam que graças a um toque de cabeça de Thiago Heleno. Euforia total. 2 a 0. Goleada histórica!

Com um resultado importante no primeiro jogo, o Palmeiras já começou a se preocupar com o segundo quando Valdivia recebeu o segundo cartão amarelo. Expulso, não vai jogar no Couto Pereira. Menos pior que o outro lado também terá um desfalque importante. O zagueiro Emerson, líder da defesa, levou o terceiro amarelo.

Com um a mais, Marcelo Oliveira colocou Tcheco em campo, e o Coxa melhorou. Aos 32, ele teve a chance de marcar, mas foi derrubado por Márcio Araújo. Pênalti claro, ignorado pela arbitragem.

E a melhor oportunidade foi de quem entrou com a camisa verde. Maikon Leite recebeu um presentaço de Betinho e arrancou, arrancou, driblou o goleiro Vanderlei e se desequilibrou na hora de chutar. Na hora de garantir a vitória. Na hora de, talvez, garantir o troféu para a nova sala que ficará pronta no ano que vem.

Tudo bem, Maikon. Pelo menos garantiu emoção por mais uma semana. Esperança do Coritiba de reverter o placar dentro do que costumam chamar de “inferno verde”. Expectativa do Palmeiras de voltar a conquistar um título depois de quatro anos. E de poder colorir de verde uma cidade que anda preta e branca por demais.

Valdivia, Palmeiras x Coritiba (Foto: Marcos Ribolli  / Globoesporte.com)Valdivia apanhou, reclamou, provocou e foi expulso (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)