ICFUT – ENTREVISTA DA FOLHA : LUÍS ÁLVARO X MÁRIO GOBBI

Fonte: Folha de São Paulo

Frente a frente

Folha reúne cartolas de adversários da Libertadores para conversa no Pacaembu

BERNARDO ITRI
DO PAINEL FC

Pouco tempo antes do jogo que vai levar Corinthians ou Santos à final da Libertadores, presidentes dos dois clubes ficaram frente a frente, em encontro promovido pela TV Folha.

Entre as diversas troca de elogios que um fazia ao outro, o corintiano Mário Gobbi e o santista Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro falaram sobre o primeiro jogo, arbitragem, doação de ingressos a organizadas e de uma suposta ajuda da CBF para o time de seu diretor de seleções.

Folha – Acham que a CBF, ao não convocar jogadores corintianos e ter chamado o Neymar para os últimos amistosos, favoreceu o Corinthians para a semifinal?

Luis Álvaro – Os clubes são a grande força motriz do futebol brasileiro. Damos assistência, remuneramos o atleta e damos todas condições. A CBF não tem participação na criação de um talento. O caso Neymar é emblemático. Um garoto que desequilibra, mas quando você submete a uma carga de exigências psicológicas, reflexos são inevitáveis.

Folha – O Andres Sanchez disse que era só pedir a desconvocação

LAOR – Então ele foi injusto. Liguei para ele e pedi para ele falar com o Mano. Eram quatro amistosos que não tinham importância especial. Mas não acho que houve favorecimento.

Mário Gobbi – O Corinthians é quase nada favorecido. Acho que o Santos paga um ônus de ter um time com craques.

Folha – Concordam em a Conmebol escalar árbitros brasileiros?

MG – O Luis Alvaro me telefonou para saber disso, que na visão dele seria muito bom. E eu disse a ele que concordava plenamente. E enviamos ofício à Conmebol pedindo que escalassem árbitros brasileiros.

LAOR – Fui até no vestiário cumprimentar o juiz após o jogo.

Folha – Vocês têm dado ingressos às torcidas organizadas?

LAOR – As organizadas são insumo do espetáculo. Faço questão de estimular a presença de quem é absurdamente apaixonado pelo clube. Eu sentei com as lideranças e fiz um pacto. Não boto dinheiro na mão das organizadas, mas disponibilizo uma determinada carga de ingressos. Em troca, respeito ao adversário.

Folha – O Tite pode ser demitido caso seja derrotado?

MG – Pode perder Libertadores e Brasileiro que não mando embora. Eu sei o comando que ele tem, a competência técnica e tática. O Corinthians não quer mais mandar técnico embora.

Folha – Quais são seus palpites para o jogo de quarta?

MG – Só quero que o Corinthians não erre quase nada.

LAOR – Meu pai me ensinou uma sábia lição. Se o Mário quiser apostar, aposto no Corinthians. Por uma razão simples: se o Corinthians ganhar, eu vou ficar chateado que meu time perdeu, mas vou ficar aliviado porque ganhei uma grana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s