Por Cleber Aguiar – Danilinho garante vitória do Galo em cima do Timão

Fonte: Lancenet.com.br

Com gol de cabeça, meia-atacante, de apenas 1.63m de altura, superou Cássio, de 1.95m, e assegurou o triunfo do Atlético-MG

Confira as imagens de Atlético MG x Corinthians (Foto: Gil Leonardi) Danilinho, do alto de seus 1,63m, encobriu o goleiro Cássio e garantiu a vitória do Galo sobre o Timão (Foto: Gil Leonardi)

LANCEPRESS!

Belo Horizonte (MG)

Na tarde deste domingo, no Independência, em Belo Horizonte, o Atlético-MG venceu o Corinthians, por 1 a 0, em jogo marcado pelo excesso de cartões amarelos e falta de gols.

O árbitro Wilton Pereira Sampaio não poupou os cartões para ambos os times. Só na primeira etapa foram cinco e, ao final do jogo, André e Fábio Santos foram expulsos.

Com muitos passes errados no primeiro tempo, o Galo dominou com 61% de posse de bola. No entanto, foram poucas as jogadas que assustaram. Aos 16 minutos, André deu um chute perigoso nas mãos de Cássio, que deixou o rebote, mas salvou logo em seguida.

Quinze minutos depois, aos 31, Elton cabeceou mal uma bola cruzada por Alex, que avançou muito bem na linha de fundo, e perdeu uma chance incrível de abrir o placar. No lance seguinte, foi a vez de Mancini mandar para fora, raspando pela lateral do gol de Cássio.

Na volta do intervalo, apenas o técnico Cuca mexeu a equipe, promovendo a entrada de Junior Cesar, recém-chegado do Flamengo, e Escudero. Logo aos quatro minutos, em jogada ensaiada do Timão, Chicão lança a bola na entrada da área, mas Elton não alcança.

Aos 18 minutos, o Corinthians conseguiu armar um contra-ataque com Willian, que chegou em velocidade na área, mas Rafael Marques apareceu em cima, para tirar a bola com o ombro.

Mas não demorou muito para o gol sair: no minuto seguinte, Réver cruzou para Danilinho, de 1.63m de altura, que cabeceou e encobriu o goleiroCássio, de 1.95, que pouco pôde fazer para impedir. Esse foi o segundo gol que o Corinthians levou de cabeça no Brasileirão. No jogo de estreia do torneio, contra o Fluminense, Leandro Eusébio marcou desta forma.

No final do jogo, o juiz mostrou o cartão vermelho para Fábio Santos, por reclamação, e, logo em seguida, para André, do Galo, que chutou a bola após o apito de paralisação do lance. Ambos já tinham o amarelo e estão suspensos na próxima rodada do campeonato.

As equipes voltam a jogar daqui a dez dias, no meio da próxima semana. O Atlético-MG recebe o Bahia, novamente no Independência, na quarta-feira, dia 6 de junho, às 20h30. Já o Corinthians joga no Pacaembu, na quinta-feira, às 20h30, contra o Figueirense.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 1 X 0 CORINTHIANS

Local: Estádio do Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data/Hora: 27/05/2012 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Cristhian Passos Sorence (GO)
Renda/público: R$ 520.660,00 / 14.740 pagantes

Cartões Amarelos: Marcos Rocha, Mancini, Richarlyson e André (CAM); Willian, Willian Arão, Leandro Castán e Fábio Santos (COR)
Cartões Vermelhos: Fábio Santos, aos 37’/2°T (COR); André, aos 38’/2°T (CAM)
GOLS: Danilinho, aos 19’/2°T (1-0)

ATLÉTICO-MG: Giovanni; Marcos Rocha, Réver, Rafael Marques e Richarlyson (Leonardo Silva, 36’/2°T); Dudu Cearense (Junior Cesar, Intervalo), Pierre, Bernard e Mancini (Escudero, Intervalo); Danilinho e André. Técnico: Cuca.

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Willian Arão (Douglas, 25’/2°T), Willian (Liedson, 28’/2°T) e Alex; Danilo e Elton (Gilsinho, 37’/2°T). Técnico: Tite.

Por Cleber Aguiar – Coritiba faz gol relâmpago, mas perde para o Botafogo

Fonte: Gazetaesportiva.net

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Curitiba (PR)

 

O Coritiba marcou um gol relâmpago no Estádio Couto Pereira, tomou a virada e perdeu por 3 a 2 para o Botafogo. Com o resultado, o Alviverde, que está com a cabeça voltada para as semifinais da Copa do Brasil, segue sem somar seu primeiro ponto na competição, enquanto os cariocas continuam na briga pela ponta da classificação, somando seis pontos em duas partidas.

O Coxa começou arrasador, com Lincoln, logo no primeiro minuto, chutando da entrada da área e balançando as redes após desvio da zaga.O Glorioso deixou tudo igual com Lucas, aos 18 minutos, aproveitando boa troca de passes. Virada veio com Vitor Junior, aos 25 minutos.

Após o intervalo, aos cinco minutos, Lucas Mendes aproveitou jogada em cobrança de escanteio e testou para empatar. No entanto, aos 40 minutos, em contra-ataque fulminante, Lucas recebeu e tocou na saída do goleiro para fechar a contagem.

Na próxima rodada, o Coritiba volta campo na quarta-feira, dia 06 de junho, diante da Portuguesa, novamente no Alto da Glória. No dia seguinte, o Botafogo terá pela frente o Cruzeiro, no Engenhão, no Rio de Janeiro.

O jogo – Nem deu tempo dos times se esquentarem em campo e, logo no primeiro minuto, Lincoln recebeu na entrada da área, chutou cruzado, e contou com desvio de Dória para sair comemorando o primeiro gol da partida. O meia alviverde tentou repetir a dose aos quatro minutos, mas carimbou a zaga carioca. O Coxa começou em ritmo alucinante. Aos sete minutos, Lincoln fez jogada de efeito e cruzou para Renan salvar.

O Glorioso respondeu aos 10 minutos, em bela jogada de Lucas que terminou com um chute no travessão. O jogo era bom no Alto da Glória. Aos 11 minutos, Roberto, de cabeça, perdeu grande oportunidade. O Botafogo equilibrou as ações e, em um vacilo da defesa alviverde, aos 18 minutos, bola trabalhada pela direita para Lucas, que dominou e fuzilou para o gol para deixar tudo igual.

A virada não demorou a acontecer. Aos 25 minutos, Márcio Azevedo cruzou e Vitor Junior só teve o trabalho de empurrar para as redes. O Coritiba se perdeu na partida e não conseguia retomar o ritmo. Aos 35 minutos, Lincoln, na cara do gol, furou e desperdiçou a chance de empatar. Fellype Gabriel dominou come estilo no meio da área, aos 40 minutos e, no complemento, deixou a bola escapar.

Na segunda etapa, o time da casa voltou com Ayrton no lugar do criticado Jonas. Aos quatro minutos, Everton Costa chutou cruzado e Renan fez bela defesa. Porém, após a cobrança de escanteio, Lucas Mendes subiu no meio da defesa e testou firme para as redes. A virada esteve próxima aos 11 minutos, com Everton Ribeiro, que cabeceou pela linha de fundo, com perigo.

Polêmica aos 15 minutos com Roberto sendo travado dentro da área e indo ao chão. O árbitro mandou seguir, para bronca geral da torcida. O Coritiba cresceu na partida e estava mais próximo do terceiro gol. Aos 21 minutos, um verdadeiro petardo de Roberto que obrigou Renan a fazer um alinda defesa e ceder escanteio.

O técnico Marcelo Oliveira apostou na entrada de Anderson Aquino para buscar a vitória. Ainda assim o Fogão atacava, como aos 32 minutos, em chute de Fellype Gabriel, por cima da meta. Aos 40 minutos não teve perdão. Em contra-ataque fulminante, Lucas recebeu em velocidade e chutou na saída do goleiro para definir o placar final. Elkeson ainda teve a chance de marcar o quatro, aos 45 minutos, mas parou nas mãos de Vanderlei.

 

 

Por Cleber Aguiar – Santos e Sport ficam no 0 a 0 na Vila Belmiro

Fonte: Tribuna Online

Créditos: Irandy Ribas

O Santos não conseguiu encontrar espaços e pouco criou, quase não levando perigo ao adversário

Em jogo sem brilho e sem grandes emoções, o Santos ficou apenas no empate por 0 a 0 contra o Sport, neste domingo, na Vila Belmiro. Foi o segundo empate seguido do Peixe no Brasileirão, em duas rodadas disputadas. O próximo jogo da Alvinegro será contra o Fluminense, quarta-feira, na Vila Belmiro, também pelo Nacional.

Desfigurado pelos inúmeros desfalques, e ainda recuperando-se da batalha travada no meio de semana contra o Vélez Sarsfield pela Libertadores, o Santos não apresentou um grande futebol. Mesmo sendo superior ao adversário, a equipe pouco criou para chegar á vitória.

Primeiro tempo

A primeira etapa da partida viu as duas equipes encurtando os espaços no meio de campo. Os dois times não se arriscaram muito, oscilando jogadas no ataque, e buscando aproveitar as poucas chances de contra-ataque.

O Santos se ressentiu das ausências dos seus principais jogadores. Neymar, entregue à Seleção Brasileira, e Ganso, recuperando-se de artroscopia no joelho direito, fizeram falta. No gol, Aranha entrou no lugar de Rafael, também na Seleção.

Galhardo reapareceu na lateral, após jogar na primeira rodada do Brasileirão. Sua atuação, no entanto, durou apenas 28 minutos. O jogador acabou se ressentindo de uma lesão e foi substituído por Maranhão.

O Santos teve as suas melhores chances nos minutos finais do primeiro tempo, mas não conseguiu converter as finalizações. Aos 41 minutos, Felipe Anderson penetrou na área pela esquerda, finalizou no canto direito do goleiro Magrão, que conseguiu fazer a defesa.

Aos 43, Alan Kardec recebeu passe na linha de fundo pela esquerda e cruzou na área. A bola passou por Magrão e sobrou para Maranhão. O lateral pegou mal mal e chutou longe do gol.

Créditos: Irandy Ribas

As duas equipes não apresentaram uma grande futebol na Vila Belmiro, fazendo justiça ao empate por 0 a 0


Segundo tempo

Logo no início da etapa final, mais problemas para o técnico Muricy Ramalho. Aos 4 minutos, Bernardo também sentiu uma lesão e foi obrigado a deixar o gramado. Henrique entrou no seu lugar.

Aos 9 minutos, Magrão salvou a sua equipe, evitando o gol do Santos. Após bela jogada de Felipe Anderson, a bola chegou até Juan dentro da área. O lateral dominou e chutou com perigo, para grande defesa do goleiro do Sport.

O Santos passou a dominar as ações. Apesar de ter maior posse de bola, o Peixe atacou de forma desordenada, sem criar grandes chances de perigos. As melhores oportunidades aparecerem em lances de bola parada, mas nada que proporcionasse grandes dificuldades à defesa do Sport.

Aos 27, Muricy jogou sua última cartada. Procurando dar maior força ao seu ataque, o treinador promoveu a entrada de Rentería no lugar de Gerson Magrão.

Na última boa chance da partida, aos 40 minutos, Edu Dracena tocou de cabeça na saída de Magrão, a bola saiu com perigo à esquerda do gol. O lance, no entanto, não valia nada, após a arbitragem marcar impedimento.

No final, o empate sem gols fez justiça ao que as duas equipes apresentaram em campo.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 0 X 0 SPORT

Santos: Aranha; Galhardo (Maranhão), Edu Dracena, Durval e Juan; Adriano, Arouca, Felipe Anderson e Bernardo (Henrique); Gérson Magrão (Rentería) e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

Sport: Magrão; Moacir, Bruno Aguiar, Edcarlos e Rivaldo (Jheimy); Rithely, Tobi, Marquinhos Paraná (Reinaldo) e Thiaguinho; Marquinhos (Renato) e Felipe Azevedo. Técnico: Wagner Mancini.

Cartões amarelos: Galhardo e Arouca (Santos); Edcarlos e Thiaguinho (Sport)

Árbitro: Márcio Chagas da Silva

Local: Vila Belmiro

Por Cleber Aguiar – Fabuloso marca, São Paulo supera desfalques e bate o Bahia em casa

Fonte: Globo.com

Com pouco mais de nove mil torcedores no Morumbi, paulistas não fazem grande jogo e contam com o faro de gol do camisa 9 para vencer por 1 a 0

Por Marcelo Prado São Paulo

  • deu certo

    alterações

    Com um time lento, previsível e sem criatividade, Leão arriscou no intervalo, colocando Osvaldo e Fernandinho. O time melhorou e conquistou a vitória.

  • personagem

    Luis Fabiano

    Com duas rodadas, o atacante mostra que está bem de pontaria – já fez dois gols. Porém, insiste em reclamar e já levou dois cartões amarelos.

  • decepção

    Lulinha

    Cria das categorias de base do Corinthians, o meia era uma das esperanças de Falcão no jogo. No entanto, só apareceu em chute no 1º tempo.

O rendimento mostrado pelo São Paulo esteve longe de ser um primor. Com nada menos de dez desfalques, a equipe teve dificuldades em campo, encontrou um Bahia fechadinho dentro de sua proposta tática e teve de suar muito para vencer por 1 a 0. Como já virou rotina na maioria dos jogos em 2012, o herói foi Luis Fabiano, que marcou o seu 15º gol em 17 partidas disputadas neste ano e levou a equipe a conquistar os primeiros três pontos no Campeonato Brasileiro.

A atuação do Bahia mostrou que o técnico Paulo Roberto Falcão terá muito trabalho para levar a equipe a algum lugar de destaque na competição. Os baianos permanecem com um ponto, fruto do empate sem gols com os reservas do Santos na primeira rodada, em Pituaçu

Por causa dos amistosos da Seleção, o Campeonato Brasileiro sofrerá uma pausa. As equipes só voltarão a campo dentro de dez dias. No dia 6 (quarta-feira), o São Paulo pega o Inter no Beira-Rio, em Porto Alegre. No mesmo dia, o Bahia pega o Atlético-MG, no estádio Independência, em Belo Horizonte.

rafinha são paulo junior bahia brasileirão 2012 (Foto: Alex Silva / Agência Estado)Rafinha, do São Paulo, disputa com Júnior, do Bahia (Foto: Alex Silva / Agência Estado)

Primeiro tempo de poucas emoções

Do grupo com quem costuma trabalhar, Emerson Leão perdeu dez peças para o duelo deste domingo. Além das já sabidas ausências de Rogério Ceni, Wellington, Fabrício e Cañete (todos machucados) e Lucas, Casemiro e Bruno Uvini (na Seleção Brasileira), o treinador ficou sem Rhodolfo e Douglas (vetados pelo departamento médico de última hora) e João Filipe (liberado devido a um problema médico com o filho). O banco de reservas tinha apenas seis atletas, o que obrigou a comissão técnica a chamar o meia Dener, da base, de última hora.

Com tantos problemas, Leão escalou uma zaga que nunca atuou junto (Paulo Miranda e Edson Silva) e desistiu de montar um esquema agressivo, com três homens de frente, como havia falado na sexta. O time foi a campo no 4-4-2, com Maicon no meio-campo, Piris na lateral e Rafinha no ataque. No Bahia, com quatro importantes peças fora (Morais, Souza, Madson e Ávine), o técnico Falcão ainda retirou o ex-palmeirense Gerley e improvisou Hélder na lateral-esquerda.

Os primeiros 45 minutos foram fracos tecnicamente. Um São Paulo lento e sem criatividade encontrou um Bahia que priorizou a marcação e procurou valorizar ao máximo a posse de bola. Pelo meio, Jadson era bem vigiado, enquanto Maicon, que disputava sua terceira partida como titular, não aproveitou a chance. Aos 18, ele perdeu um gol inacreditável, na pequena área, após cruzamento de Rafinha. No mais, o Tricolor só levou perigo em um chute cruzado de Luis Fabiano. Pelas laterais, Cortez pouco apareceu, e Piris errou todos os cruzamentos que tentou.

O Bahia, por sua vez, tinha em Júnior sua principal esperança ofensiva. O camisa 9 até tinha vontade e se movimentava, mas o resto do time não o acompanhava. Denis, que até então era um mero espectador, só foi trabalhar aos 32, em chute de fora da área de Lulinha.

Jogo mais aberto no segundo tempo, e Luis Fabiano marca

A ofensividade que faltou no primeiro tempo sobrou na etapa complementar e, com isso, o jogo cresceu bastante de rendimento nos primeiros 15 minutos. Irritado, Leão fez duas alterações no intervalo. Sacou os inoperantes Rafinha e Maicon para colocar Osvaldo e Fernandinho. Isso tornou o time mais agressivo, mas também causou problemas na marcação.

Já o Bahia, que voltou com Gerley na vaga de Hélder, assustou em dois lances antes dos cinco minutos, mas Denis fez boas defesas. Na sequência, Fernandinho quase fez um golaço. Ele arrancou da esquerda, passou por três e, cara a cara com Lomba, foi travado por Titi, que salvou de carrinho.

luis fabiano são paulo gol bahia (Foto: Werther Santana / Agência Estado)Luis Fabiano fez o gol da vitória do São Paulo num Morumbi vazio (Foto: Werther Santana / Ag. Estado)

Com mais movimentação, o São Paulo chegou ao seu gol aos 12, com Luis Fabiano, que aproveitou sobra na área após cruzamento da direita de Piris e, de pé direito, fuzilou Marcelo Lomba, que nada pôde fazer: festa no Morumbi para um atacante que vive grande fase.

Em desvantagem, o Bahia saiu mais para o jogo. Falcão sacou o meia Magno e colocou Ciro para fazer companhia no ataque a Rafael, que ficou com a vaga de Junior, que saiu cansado. O jogo mudou de figura porque o São Paulo, em vez de tomar a iniciativa, passou a esperar seu rival para sair no contra-ataque. Dessa maneira, Fernandinho perdeu boa chance. Jadson, em cobrança de falta, exigiu grande defesa de Marcelo Lomba.

Nos últimos dez minutos, o Bahia partiu para o tudo ou nada, tomou conta do meio-campo e encurralou o São Paulo. Rafael, de bicicleta, assustou Denis que, aos 44, fez grande defesa em chute de Fahel de fora da área. Nos acréscimos, Osvaldo, após passe de Jadson, acertou a trave de Marcelo Lomba. Depois, foi só esperar o juiz Wagner Reway apitar e comemorar.

ICFUT – BRASILEIRÃO SERIE A – 2012 – GOLS,JOGOS, CLASSIFICAÇÃO E LINK AO VIVO AQUI NO ICFUT

LINK AO VIVO DOS JOGOS DA SÉRIE A DO BRASILEIRÃO 2012 – CLIQUE AQUI

Naútico 0 x 0 Cruzeiro pela 2ª rodada do Brasileirão 2012
Flamengo 3×3 Internacional Campeonato Brasileiro 2ª Rodada
Portuguesa 0x1 Vasco Campeonato Brasileiro 2ª Rodada
Atlético-GO 1×1 Ponte Preta Campeonato Brasileiro 2ª Rodada

 

Clube PG JG VI EM DE GP GC SG %A
1  Vasco da Gama-RJ 6 2 2 0 0 3 1 2 100.0
2  Internacional-RS 4 2 1 1 0 5 3 2 66.7
3  Botafogo-RJ 3 1 1 0 0 4 2 2 100.0
4  Figueirense-SC 3 1 1 0 0 2 1 1 100.0
5  Fluminense-RJ 3 1 1 0 0 1 0 1 100.0
6  Atlético-MG 3 1 1 0 0 1 0 1 100.0
7  Flamengo-RJ 2 2 0 2 0 4 4 0 33.3
8  Atlético-GO 2 2 0 2 0 1 1 0 33.3
9  Cruzeiro-MG 2 2 0 2 0 0 0 0 33.3
10  Sport-PE 1 1 0 1 0 1 1 0 33.3
11  Palmeiras-SP 1 1 0 1 0 1 1 0 33.3
12  Bahia-BA 1 1 0 1 0 0 0 0 33.3
13  Santos-SP 1 1 0 1 0 0 0 0 33.3
14  Náutico-PE 1 2 0 1 1 1 2 -1 16.7
15  Ponte Preta-SP 1 2 0 1 1 1 2 -1 16.7
16  Portuguesa-SP 1 2 0 1 1 1 2 -1 16.7
17  Grêmio-RS 0 1 0 0 1 1 2 -1 0.0
18  Corinthians-SP 0 1 0 0 1 0 1 -1 0.0
19  São Paulo-SP 0 1 0 0 1 2 4 -2 0.0
20  Coritiba-PR 0 1 0 0 1 0 2 -2 0.0
2ª RODADA
26/05 – 18h30 Portuguesa-SP 0 x 1 Vasco da Gama-RJ
26/05 – 18h30 Atlético-GO 1 x 1 Ponte Preta-SP
26/05 – 18h30 Flamengo-RJ 3 x 3 Internacional-RS
26/05 – 21h00 Náutico-PE 0 x 0 Cruzeiro-MG
27/05 – 16h00 Coritiba-PR x Botafogo-RJ
27/05 – 16h00 Santos-SP x Sport-PE
27/05 – 16h00 São Paulo-SP x Bahia-BA
27/05 – 16h00 Atlético-MG x Corinthians-SP
27/05 – 18h30 Fluminense-RJ x Figueirense-SC
27/05 – 18h30 Grêmio-RS x Palmeiras-S

Por Cleber Aguiar – Atlético-GO e Ponte Preta empatam em 1 a 1

Fonte: Folha Online

Em partida com muitas oportunidades de ataque, Atlético-GO e Ponte Preta empataram em 1 a 1 pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro no estádio Serra Dourada, em Goiânia –Bida abriu o marcador para os donos da casa, enquanto Roger empatou para os visitantes.

O resultado é ruim para ambos os times, que ainda não venceram na competição –o Atlético-GO soma dois pontos e ocupa a 8ª colocação, enquanto a Ponte, na 14ª posição, soma seu primeiro ponto no Brasileiro.

No primeiro tempo, as duas equipes partiram para o ataque, embora a Ponte Preta tenha tido mais oportunidades. No entanto, a equipe de Campinas pecou na hora dos lançamentos: só na etapa inicial, foram quatro impedimentos da Ponte Preta, sendo três do atacante Roger.

E quem abriu o placar foi o Atlético-GO, com o meia Bida, que recebeu um cruzamento de Elias e mandou um voleio aos 10min, sem chances para Lauro. Aos 16min, Marcinho aproveitou uma bobeada de Elias e lançou Roger, em posição regular, que acertou a trave.

O segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro: com lançamento de Marcinho para Roger, que deslizou para chutar em cima de Roberto –só que o atacante estava em posição de impedimento.

E, de tanto insistir, o jogador da Ponte Preta conseguiu: em cruzamento de João Paulo, Paulo Henrique furou e Roger surgiu em posição regular para empatar a partida em 1 a 1.

As duas equipes ainda correram atrás do gol da vitória nos 15 minutos seguintes, mas, à medida que a partida se aproximava do final, os jogadores insistiam em chutões de fora da área, sem sucesso. Aos 47min, a Ponte Preta teve a chance de virar a partida, quando Renê Júnior recebeu em ótima posição, mas demorou para chutar e mandou para fora.

Na próxima rodada, o Atlético-GO volta a jogar no Serra Dourada, onde recebe o Grêmio na quarta-feira (6), às 19h30. No mesmo dia, só que às 21h50, a Ponte Preta recebe o Flamengo no estádio Moisés Lucarelli.

Por Cleber Aguiar – Em jogo ruim, Náutico e Cruzeiro empatam no Recife e seguem sem vencer no Brasileirão

Fonte: Portal UOL

Em partida fraca e com lances bizarros, Cruzeiro e Náutico não passaram do empate em 0 a 0, neste sábado, no estádio dos Aflitos, em Recife, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado foi ruim para as duas equipes, que seguem sem vencer na competição nacional.

O Cruzeiro empatou pela segunda vez e ainda não balançou as redes no Brasileiro. Na estreia, o time comandado por Celso Roth também não passou do 0 a 0 com o Atlético-GO, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Com dois pontos somados, a equipe celeste ocupa o nono lugar, mas pode cair na tabela no completo da rodada neste domingo.

A situação do Náutico é um pouco pior. Derrotado na primeira rodada pelo Figueirense, por 2 a 1, em Florianópolis, o time pernambucano somou, com o empate diante da torcida, apenas um pontos e está na 14ª posição, próximo à zona de rebaixamento.

A partida deste sábado mostrou que as duas equipes precisam melhorar bastante para a sequência do Brasileirão. No Cruzeiro, Celso Roth comandou a equipe pela segunda vez. No jogo em Recife, o treinador promoveu as estreias dos volantes Tinga, que foi substituído na etapa final, e Willian Magrão, contratados na semana passada.

Num primeiro tempo ruim e marcado por lances bizarros, Náutico e Cruzeiro criaram poucas chances de gol e não conseguiram balançar as redes. Somente nos primeiros 45 minutos, foram cometidas 34 faltas, sendo 21 do time mineiro e 13 dos pernambucanos.

A fraca atuação das equipes ficou evidente nos erros de passes de ambos os lados e em lances marcantes. Aos 8min, o goleiro Fábio deu um susto na torcida cruzeirense, ao errar numa saída de bola e ser desarmado por Cleverson, que não aproveitou a oportunidade. “Foi excesso de confiança”, admitiu Fábio.

Outro a chamar a atenção foi Diego Renan, que voltou a ser titular do Cruzeiro e tem sido bastante criticado pela torcida. Aos 28min, o lateral foi cortar uma bola na grande área e furou feio. Para sua sorte, a bola ficou com o goleiro Fábio.

Aos 37min, foi a vez do árbitro Luiz Flávio de Oliveira protagonizar lance inusitado. Depois de expulsar o volante Charles, por ter recebido o segundo cartão amarelo, ele consultou o assistente e voltou atrás na marcação. Em seguida, mostrou o amarelo para Diego Renan.

No segundo tempo, o Náutico voltou com mudanças e adotou uma postura mais ofensiva. O time pernambucano passou a atacar mais o Cruzeiro e teve chances para abrir o placar. Porém, as duas equipes permaneceram errando muitos passes.

Aos 18min, Araújo, que minutos antes havia perdido uma chance na cara do gol, recebeu na frente e chutou para a defesa de Fábio. No rebote, o volante Derley furou na hora de finalizar e desperdiçou grande oportunidade para o Náutico.

Na reta final, a partida ficou aberta e com as duas equipe tentando uma última cartada, mas os erros permaneceram. No último lance, Fábio fez grande defesa e evitou o gol do Náutico.

Por Cleber Aguiar – No Canindé, Vasco vence a Portuguesa com golaço de Alecsandro

Fonte: Gazetaesportiva.net

Jogando no estádio do Canindé, diante de sua torcida pela primeira vez desde o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro, a Portuguesa inovou com a formação 3-5-2 e também com o futebol envolvente para cima do Vasco, ainda ‘de ressaca’ após a eliminação na Copa Libertadores, na última quarta-feira, pelo Corinthians. O problema é que a estrela do atacante Alecsandro brilhou aos 20 minutos do primeiro tempo e a equipe carioca venceu fora de casa, por 1 a 0.

Mesmo com a visita do recém-contratado Dida, que treinou em dois períodos no Canindé e ficou no estádio para a partida da nova equipe, sendo aplaudido de pé pela torcida lusitana, a equipe não teve poder de reação. No segundo tempo, principalmente, eram muitas chances criadas, mas sem ninguém para concluir. Quando aparecia, dava errado. Não era dia da Lusa.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Alecsandro marcou o único gol da partida aos 20 do primeiro tempo, uma das únicas jogadas ofensivas do Vasco

Com a vitória sobre a Lusa, o Vasco assume a liderança provisória do Campeonato Brasileiro, com seis pontos. As equipesvoltam a campo, pela terceira rodada, na quarta-feira (dia 6 de junho), às 19h30 (de Brasília). Enquanto o cruz-maltino recebe o Náutico em São Januário, o rubro-verde visita o Coritiba no Couto Pereira.O Jogo – A Lusa começou a partida com a estratégia definida de ocupar espaços dentro do campo de defesa do Vasco, forçando o adversário ao erro, e não permitir que Éder Luis e Diego Souza tivessem liberdade para armar a equipe visitante. Com três zagueiros, a exposição foi quase nula no primeiro tempo. Mas quando aconteceu, foi fatal para o time paulista.

Aplicado taticamente, o Vasco esperou que a Portuguesa desperdiçasse uma série de oportunidades para abrir o placar e administrar a partida a partir de um único lance. Logo aos três minutos, Raí serviu Ricardo Jesus em profundidade e o camisa 9 da Portuguesa bateu forte, para desvio de Renato Silva. Na batida de Raí no escanteio, o Vasco fez o corte, mas a bola sobrou para Ananias, na entrada da área. O tiro saiu forte e Fernando Prass defendeu no meio do gol.

Fernando Dantas/Gazeta Press

O Vasco de Diego Souza virou líder do Brasileirão

Diego Souza tentava organizar o meio-campo vascaíno, mas a marcação da Lusa era forte na saída de bola e a única solução eram bolas levantadas. Dominar a partida, de certa forma, acomodou o time da Portuguesa, que levou o primeiro gol aos 20 minutos. E não foi um mero gol. Foi de placa.Após passe de Diego Souza, Fagner fez cruzamento do lado direito do ataque e Alecsandro se posicionou à frente de Gustavo para acertar uma bicicleta monstruosamente perfeita. O atacante vascaíno marcou um belo gol, seu segundo só no Campeonato Brasileiro, para espantar de vez a ‘zica’ da eliminação da Copa Libertadores, quarta-feira, diante do Corinthians.

O Vasco era pressionado pela Portuguesa, que sabia se movimentar no campo ofensivo e contra-atacar no momento certo. Quando a Lusa se aproximava do primeiro gol, o atacante do Vasco acertou um lindo lance e deixou a equipe visitante à frente do marcador. O gol do inesperado.

Por mais que a Lusa tentasse se mostrar fria, o gol abalou os comandados de Geninho, que demoraram a reagir. Aos 26 minutos, Ricardo Jesus ficou sozinho na grande área do Vasco, sem a ajuda dos companheiros. O 9 da Lusa ainda deu sorte com o desvio de Rodolfo, mas nada aconteceu em mais uma cobrança de escanteio de Raí. No lance seguinte, Boquita desarmou Diego Souza e partiu para o campo de ataque. Ananias não acompanhou e o passe saiu para ninguém.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Rodriguinho entrou no 2º tempo na vaga de Ricardo Jesus para dar velocidade à Lusa, mas o ataque ficou carente de referências

Com tudo sob seu controle, o Vasco tentava partir na velocidade de Éder Luis, mas a Lusa apertou a marcação na saída de bola. A formação com três zagueiros dava resultado, sem espaço para o Vasco avançar. Reintegrado ao elenco e fazendo sua reestreia com a camisa da Lusa, Gustavo foi o melhor homem da defesa lusitana.Aos 36 mintuso, Éder Luis saiu em disparada na frente de Léo Silva e serviu Diego Souza no meio da área. O camisa 10 olhou para o lado e já tocou rápido para Alecsandro, em bela triangulação do cruz-maltino. Quando o autor do gol recebeu, fintou a marcação e bateu colocado, rente à trave de Gledson.

A Lusa pecava pela falta de criatividade, mas ainda teve uma boa chance aos 44, quando Henrique e Ananias fizeram tabela na diagonal da entrada da área e o meio-campista obrigou Fernando Prass a praticar boa defesa em tiro forte. Após um minuto de boa marcação do Vasco, o primeiro tempo foi encerrado no Canindé.

Na etapa complementar, a Lusa manteve a tendência do primeiro tempo e se manteve no campo de ataque. Logo aos três minutos, Raí cobrou escanteio na primeira trave e Luis Ricardo apareceu, em jogada ensaiada, para bater por cima do gol de Fernando Prass. Aos seis minutos, já com Douglas no lugar do lesionado Rodolfo do lado do Vasco, a Lusa chegou outra vez, agora com passe preciso de Luis Ricardo para Ananias, que puxou a bola para o lado esquerdo e bateu colocado, rente à trave de Fernando Prass, e à la Iniesta.

Conformado com a vantagem, o Vasco era pressionado pela Portuguesa, que aparecia no campo ofensivo e ameaçava a vitória parcial dos cariocas. Naquele momento, Geninho promoveu as entradas de Michael, para dominar o setor de meio-campo e Rodriguinho, para aumentar a velocidade no ataque no lugar de Ricardo Jesus.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Sob os olhares de Dida, Gledson foi pouco exigido

Aos 18 minutos, a Portuguesa fez boa triangulação dentro da área do Vasco, com passe preciso de Boquita para Michael, que levou carrinho frontal de Douglas. Heber Roberto Lopes não entendeu o lance como falta e a bola seguiu rolando. A torcida da Lusa viu o time atacando o Vasco e aumentou o volume dos gritos, apoiando a equipe em busca do gol de empate.Luis Ricardo avançou ao campo de ataque e fez passe preciso para Rodriguinho, que fintou e deslocou Fernando Prass, que mandou a bola para escanteio. Raí cobrou por cima do gol vascaíno. Cinco minutos mais tarde, aos 28, Luis Ricardo fez boa jogada pela direita do ataque e cruzou para o meio da área. Rodriguinho fez o pivô e deixou a bola livre. Sem atacante de referência, a Lusa perdeu mais essa chance.

Aos 31 minutos, Luis Ricardo levantou a bola na área, Ananias envolveu a marcação e Rodriguinho balançou as redes. O assistente acabou marcando impedimento de Ananias, que participou da jogada. Naquele momento da partida, a Portuguesa tinha chances demais e poder de fogo de menos para correr atrás do empate.

O massacre dos últimos minutos, com chances desperdiçadas por Ananias, em chute interceptado pelo companheiro Vandinho, e Gustavo, de cabeça após cobrança de escanteio, não foi suficiente para a Portuguesa igualar o marcador.

Por Cleber Aguiar – Fla rasura o dever de casa, mas Inter reage e arranca empate

Fonte: Globo.com

Após ficar duas vezes em desvantagem de dois gols, Colorado chega ao placar de 3 a 3 no Engenhão. Ronaldinho Gaúcho é substituído e vaiado

A CRÔNICA
por GLOBOESPORTE.COM

Os flamenguistas dirão que o time vacilou mais uma vez, cedendo o empate em uma partida que parecia ganha. Os colorados darão valor a uma equipe que, muito desfalcada, nunca se entregou e conseguiu uma grande reação no Engenhão, chegando ao placar de 3 a 3 após estar perdendo por 3 a 1, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. 

Dependendo do ponto de vista, muda também o personagem do jogo. No caso do Inter, sobressaiu a figura de Dátolo, que comandou o time na segunda etapa e marcou o terceiro gol – os outros dois foram de Gilberto e Fabrício. Para o Flamengo, as atenções e tensões estiveram em Ronaldinho Gaúcho. Foi hostilizado antes do jogo (ouvindo “ô Ronaldinho, preste atenção, muito respeito com a camisa do Mengão”), comemorou seu gol de pênalti reverenciando a torcida, perdeu a bola do lance de empate e foi vaiado ao ser substituído por Deivid. Airton e Vagner Love também marcaram para os donos da casa.

O Flamengo, que empatou com o Sport na primeira rodada, acumula dois pontos no nacional. O Inter, que vinha de uma vitória sobre o Coritiba, soma quatro. Os dois times só voltam a jogar no dia 6 de junho, uma quarta-feira. O carioca enfrentará a Ponte Preta em Campinas, e o gaúcho receberá o São Paulo.

Ibson, que fez sua estreia pelo Flamengo e teve boa atuação, lamentou o resultado e se desculpou com os torcedores no Engenhão, que recebeu público de 14.238 pagantes (19.274 presentes), com uma renda de R$ 391.125.

– Temos que trabalhar bastante, pois o Flamengo é uma equipe que quer ser campeã. Fizemos 3 a 1 e deixamos empatar. Pedimos desculpas à torcida, que veio apoiar, e vamos tentar melhorar – afirmou.

Pelo lado colorado, Dorival Júnior também teve com o que se preocupar apesar da boa reação do time. O técnico discutiu no início do segundo tempo com Fabrício e, após a partida, deu a entender que haverá punição:

– Aquilo foi inesperado e será conversado com a diretoria e com o atleta. Será trabalhado como sempre no Inter, todos os casos foram punidos dentro daquilo que aconteceram.

Flamengo faz 2 a 0 com 16 minutos

O Inter começou com uma marcação adiantada, o que dificultou muito as saídas de bola do Fla. A zaga rubro-negra abusava da ligação direta com o ataque, e o meio de campo pouco conseguia jogar. No entanto, num bom avanço de Léo Moura pela direita, a bola foi alçada na área, Nei se precipitou e jogou a bola para escanteio no lado oposto. Na segunda cobrança fechada feita por Ronaldinho Gaúcho, Muriel chegou a salvar o gol, mas a bola sobrou para Aírton completar de pé esquerdo e abrir o marcador, aos oito minutos.

ronaldinho gaucho flamengo gol internacional (Foto: Alexandre Loureiro / Vipcomm)Ronaldinho Gaúcho samba na comemoração do segundo gol do Fla (Foto: Alexandre Loureiro / Vipcomm)

A equipe colorada manteve a postura ofensiva e quase empatou em cabeçada de Gilberto, no minuto seguinte. Porém, o Flamengo também passou a marcar a saída de bola da defesa adversária e, depois de uma falha incrível de Índio, o zagueiro fez pênalti infantil em Ibson, que sairia da área com a bola. Ronaldinho Gaúcho bateu bem, aos 16, e aumentou: 2 a 0.

A partir daí, o contra-ataque passou a ser melhor opção para o Fla. O Inter – que teve os desfalques de Oscar e Leandro Damião, na Seleção; João Paulo, D’Alessandro, Sandro Silva e Kleber, lesionados; e Bolívar, suspenso – lutava para tentar diminuir, mas quase sempre seus atacantes eram barrados com faltas longe da área. Mas nem sempre Welinton e González achavam as pernas rivais, e numa escapada pela direita, aos 27, Josimar conseguiu penetrar na área e bateu cruzado. Paulo Victor fez boa defesa a escanteio.

Os problemas defensivos rubro-negros continuavam, e após nova saída de bola com um chutão errado, a bola bateu na canela de Luiz Antonio. Gilberto se aproveitou e tocou na esquerda para Fabrício, que chutou cruzado. O mesmo Gilberto desviou e diminuiu o placar, aos 33.

O Rubro-Negro, então, partiu para o ataque novamente e teve uma excelente oportunidade dois minutos depois, com Ibson. Ele entrou livre, mas falhou ao tentar driblar Muriel, que fez grande defesa e ficou com a bola. Em seguida, o ataque do Fla fez ótima jogada, mas, quando Ibson chutou dentro da área para marcar o terceiro, a bola desviou no cotovelo direito de Nei e foi a escanteio. O árbitro André Luiz de Freitas Castro marcou apenas escanteio.

Inter aproveita erro de Ronaldinho e empata

O Inter voltou para a etapa final com Maurides no lugar de Josimar e tomando as iniciativas de ataque. Logo aos dois minutos teve ótima chance. Após um bate-rebate dentro da área rubro-negra, a bola sobrou para Gilberto, que tentou bater colocado, mas apenas atrasou para Paulo Victor. O castigo veio rápido, no primeiro ataque do Flamengo no segundo tempo, Vagner Love recebeu livre na área de Léo Moura, driblou Moledo e bateu de canhota, no canto direito de Muriel para fazer o terceiro, aos três minutos.

Gilberto marcou no jogo contra o Flamengo (Foto: Alexandre Lopes / Inter, DVG)Gilberto comemora o primeiro gol do Inter no empate com o Flamengo (Foto: Alexandre Lopes / Inter, DVG)

Com a boa vantagem, o time da casa passou a esperar a equipe gaúcha para explorar os espaços no seu sistema defensivo. O Inter tentava na base do toque de bola criar uma chance para fazer o segundo, mas encontrava muitas dificuldades. Para tentar resolver o problema, o técnico Dorival Júnior trocou Gilberto por Marcos Aurélio, aos 16. E deu sorte: aos 21, Fabrício deu belíssimo chute de fora da área e acertou o ângulo esquerdo de Paulo Victor, que nada pôde fazer para impedir o gol.

Após uma bola perdida por Ronaldinho no meio do campo, o Inter chegou ao empate, em chute de Dátolo de fora da área, colocando a bola no canto esquerdo do goleiro rubro-negro. A torcida do Flamengo passou a protestar fortemente, e o time avançou, deixando espaços perigosos na sua complicada defesa. Depois de tirar Aírton para pôr Amaral, Joel Santana substituiu Ronaldinho Gaúcho pela primeira vez desde que voltou a trabalhar no clube da Gávea. O camisa 10 saiu muito vaiado para a entrada de Deivid. Renato Abreu também entrou em campo, no lugar de Luiz Antonio.

O jogo ficou inteiramente aberto, mas as chances claras de gol rarearam. O Flamengo, no entanto, é que teve a melhor oportunidade, aos 44, em cabeçada de Welinton que Muriel defendeu bem para escanteio. O time da casa ainda tentou pressionar, mas a defesa colorada aguentou firme e segurou o empate.