Por Cezar Alvarenga – Quais os times mais caros da Série B do Brasileirão 2012.

Fonte: Yahoo! Esportes

A Pluri Consultoria fez a pesquisa dos valores de mercado de todos os jogadores que participam da Série B do Brasileirão em 2012. Os valores consideram 55 critérios de avaliação divididos em 12 itens: Idade, fundamentos, qualidade técnica e encantamento, capacidade de definição de jogo, aspectos táticos, força e condicionamento físico, clube e país em que atua, disciplina e espírito de equipe, condição clínica, conquistas, retorno de marketing e convocações para seleção. Veja abaixo os times que têm jogadores mais valiosos no mercado do futebol.

10. Guaratinguetá – R$ 20 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Os destaques são Lenilson (foto) e Tchô, ex-Galo.

9. Grêmio Barueri – R$ 21 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). O time do Barueri conta com Ronaldo Angelim, Marcelinho Paraíba e os ex-palmeirenses Thiago Gentil, Tadeu e Jorge Preá.

8. São Caetano – R$ 22 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Os destaques do time são Marcelo Costa e Pedro Carmona, ambos ex-Palmeiras, e o experiente atacante Somália.

7. Avaí – R$ 36,5 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Cléber Santana (c), ex-Santos e São Paulo, é o craque do time.

6. Ceará – R$ 37 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Na foto, Fernando Henrique (e), goleiro ex-Fluminense, e Apodi, ex-Cruzeiro, comemoram a conquista do Campeonato Cearense 2012.

5.América-MG – R$ 37,3 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Fábio Junior (c) tentará novamente levar o time à Série A.

4. Guarani – R$ 37,5 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Com vários jovens valorizados pelo vice-campeonato paulista, o elenco do Guarani é comandado pelo experiente Fumagalli.

3. Goiás – R$ 38 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). O jovem zagueiro Rafael Tolói (segundo da esquerda para a direita), 21 anos, é um dos mais valiosos do time.

2. Vitória – R$ 50,8 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Os gols de Neto Baiano (foto) têm feito a diferença, mas o time conta com outros famosos como Lúcio Flávio, Pedro Ken, Tartá, Geovanni, Dinei e Marquinhos (ex-Fla e Verdão).

1. Atlético-PR – R$ 55,5 milhões (valor de todos os jogadores do elenco no mercado). Paulo Baier (e) e Guerron (d) são os grandes destaques do Furacão, maior favorito para o título da Série B 2012. Os times que não apareceram no Top 10: 11-América-RN, 12-Joinville, 13-Paraná, 14-CRB, 15- Criciúma, 16-ABC, 17-Bragantino, 18-Boa Esporte, 19-ASA e 20-Ipatinga.

por Cleber Aguiar – Revelação do Paulista pode reforçar Timão no Brasileirão

Fonte:Lancenet.com.br

Diretoria corintiana aguarda ‘sim’ do presidente do Bragantino para anunciar a chegada do meia-atacante Romarinho

Romarinho - Bragantino (Foto: Eduardo Viana) Romarinho do Bragantino na mira do Corinthians (Foto: Eduardo Viana)

Rodrigo Vessoni
Publicada em 18/05/2012 às 06:14
São Paulo (SP)

Depois de contratar Adilson (atacante, ex-XV de Piracicaba) e Guilherme (lateral, ex-Ponte Preta), a diretoria corintiana mira um dos principais destaques do Paulistão: Romarinho, meia-atacante do Bragantino, de 21 anos.

O jogador, que foi revelado nas categorias de base do Rio Branco-SP e iniciou cedo como profissional em Bragança Paulista, ganhou o prêmio de revelação do Estadual – troféu foi entregue na última segunda-feira, na festa dos melhores da competição, na capital paulistaA conversa entre as diretorias dos dois clubes está adiantada, até pela boa relação que há entre o presidente Marquinhos Chedid e a direção do Timão, que já rendeu a transferência de inúmeros jogadores, entre eles, Felipe e Paulinho. Porém, há uma diferença de pensamento em relação às condições do acordo a ser selado.

 

Enquanto Chedid quer uma compensação financeira para liberar Romarinho, de cerca de R$ 1,5 milhão, o Corinthians pretende fazer acordo parecido com aqueles que foram realizados com Adilson e Guilherme, que vieram sem custos e com preço fixado de seus direitos econômicos.

Se agradarem, XV de Piracicaba e Ponte Preta venderão uma parte dos direitos ao Timão que, aí sim, desembolsará dinheiro. Algo que o clube pretende fazer igual com a revelação do Bragantino, que fez seis gols.

A diretoria do Corinthians aguarda que o clube do interior encontre um parceiro disposto a comprá-lo. Ou que, em último caso, Chedid aceite a condição que julga ser imprescindível para selar a negociação. Se conseguir trazer Romarinho, Tite ganhará mais uma opção do meio para frente, mas destro. A maioria dos seus homens criativos são canhotos e mais pensadores.

A CARREIRA

Romarinho começou a carreira no Rio Branco, de Americana (SP), em 2009 e por lá se profissionalizou. Ficou no time americanense até 2010 e depois foi negociado com o Desportivo Brasil (SP), equipe que detém os direitos federativos do atleta até 2013. Mas no primeiro semestre de 2011 foi emprestado para o São Bernardo (SP), de São Bernardo de Campo, e disputou o Paulistão. Chegou ao Bragantino no final de julho para disputar o Brasileiro da Série B.

FICHA TÉCNICA:

Nome: Romário Ricardo da Silva
Posição: Meia-atacante
Apelido: Romarinho
Natural: Palestina (SP)
Nascimento: 12/12/1990 – 21 anos
Altura: 1,74m
Peso: 72 Kg
Último clube: São Bernardo-SP
Categorias de base: Rio Branco-SP

 

Por Cleber Aguiar – Corinthians goleia São Paulo: 28 x 5

Fonte: Trivela.uol.com.br

A Band estava apostando em uma grande audiência no jogo entre São Paulo x Goiás. Vencer a Globo, não, mas havia a expectativa de chegar a mais de dez pontos. Deu tudo errado. A audiência não passou de cinco pontos, com picos de sete. Enquanto isso, a Globo conseguiu 28 pontos de média, com pico de 31. Foi inferior a Corinthians x Emelec da semana passada, que deu 30 pontos.

O massacre vai contra uma tese defendida na Band. Acreditava-se que, por serem obrigados a passar o mesmo jogo da Globo, a audiência seria prejudicada. Quando tivessem um jogo diferente, a média subiria.

“Só se não for o Corinthians”, me disse um amigo global. “Pode parecer chato para as outras torcidas, mas é Corinthians bem na frente e as outras atrás. Estou falando de São Paulo. Então se as duas passam o Corinthians, o telespectador pode escolher pela equipe. Pode preferir o Neto ao Caio, o Fernandinho ao Mauro etc. Por isso, estava chegando a dez pontos. Quanto a gente passa o Corinthians e a Band outro jogo, a diferença aumenta”, explicou o meu amigo.

A preferência da Globo não é pela competição, é pela audiência. Fica claro quando meu amigo respondeu à pergunta seguinte

E se o Corinthians estivesse na Copa do Brasil contra o Goiás e o São Paulo na Libertadores contra o Vasco?

Aí, é bem possível que a gente passasse a Copa do Brasil.

Se o Santos seguir na Libertadores e o Corinthians cair, não há certeza de que a Globo fique com o Santos. Pode passar São Paulo ou Palmeiras, por exemplo. Principalmente se for a final da Copa do Brasil.

por Cleber Aguiar – Santos encara decisão contra o Vélez na Vila Belmiro

Fonte:Lancenet.com.br

Após reunião nesta sexta, diretoria atendeu ao pedido do elenco e confirmou duelo no estádio alvinegro no dia 24 de maio

Torcida do Santos faz festa na Vila Belmiro (Foto: Cássio Lyra) Vem festa por aí! Diretoria confirma jogo de volta no “Caldeirão Alvinegro” (Foto: Cássio Lyra)

Alyson Gonçalo
Publicada em 18/05/2012 às 10:59
Santos (SP)

Após a derrota por 1 a 0 diante do Vélez (ARG) na última quinta-feira, pelas quartas de final da Copa Santander Libertadores, a diretoria do Santos atendeu aos pedidos da comissão técnica e jogadores e se manifestou oficialmente onde será realizado o jogo de volta entre as equipes, marcado para o dia 24 de maio. Precisando reverter o resultado, o clube alvinegro confirmou o segundo duelo contra os argentinos na Vila Belmiro.

Após uma reunião e contabilização de votos, a diretoria alvinegra atendeu aos anseios do elenco santista e descartou a opção de atuar no Pacaembu, já que precisa do “Caldeirão alvinegro” para garantir a vaga para as semifinais da competição sul-americana.

– Fizemos uma votação e chegamos a uma conclusão. Atendendo a um pedido do Muricy Ramalho e jogadores, decidimos optar pela força da Vila Belmiro para garantir a vaga para a próxima fase – disse o vice-presidente do Santos, Odílio Rodrigues.

A diretoria, jogadores e comissão técnica aposta no estádio alvinegro por conta do ótimo retrospecto nesta temporada 2012. Até o momento, o Peixe sustenta 100% de aproveitamento, com oito vitórias, 28 gols marcados, tendo apenas um sofrido, entre jogos do Paulistão e Libertadores.

Para o próximo meio de semana, o Peixe precisa vencer de pelo menos 2 a 0. Apesar de aparentemente difícil, a equipe de Muricy Ramalho não tem muito com que temer nesta temporada. Nos quatro jogos com mando alvinegro na Libertadores, o time venceu por pelo menos o placar necessário para a classificação para a próxima fase.

Entre três partidas na Vila Belmiro e ma no Pacaembu, foram 15 gols anotados. No total, quatro vitórias: nternacional (3 a 1), Juan Aurich (2 a 0), The Strongest (2 a 0) e Bolívar (8 a 0).

Os jogadores e comissão técnica sabem da força do estádio alvinegro e já fizeram coro para o duelo em Santos logo após o término da partida. O técnico Muricy Ramalho e o craque Neymar aposta no Caldeirão na próxima quinta.

– Sempre respeito o lado econômico, mas dessa vez tem de ver o que é melhor para a equipe. A Vila é onde os jogadores se sentem melhor, a torcida pressiona e precisamos dela – disse o técnico.

– É claro que queremos jogar na Vila. Hoje não jogamos tão bem, nem sempre dá para jogar, mas podemos fazer uma grande partida no Brasil, pois nosso time é forte – declarou a Joia.

 

 

Por Cleber Aguiar – Melhor árbitro, PC Oliveira banca o técnico e decora nomes dos atletas

Fonte: Globo.com

Escolhido pelos atletas, paulista revela que estuda táticas dos times, lê tudo antes dos jogos, treina sozinho no campo e prioriza lado psicológico

Por Alexandre Lozetti São Paulo

“Nenhum”. “Não tem”. “Tá difícil”. Foram algumas das respostas dos jogadores das Séries A e B, questionados sobre o melhor árbitro do Campeonato Brasileiro. Sem falar nos 149 atletas que preferiram não opinar.

Entre mortos e feridos, salvou-se Paulo César de Oliveira. O paulista goleou seus adversários na pesquisa realizada em conjunto pelo GLOBOESPORTE.COM e a revista “Monet”. Ele recebeu 75 votos, o triplo do segundo colocado, o gaúcho Leandro Vuaden.

As respostas nos questionários evidenciam certa insatisfação com a arbitragem brasileira. Logo abaixo dos cinco mais votados, vem a opção “Nenhum”, seguida por dois aposentados: Leonardo Gaciba e Carlos Eugênio Simon. Por isso, o popular PC festejou o resultado, e revelou alguns segredos que considera essenciais para conquistar os boleiros.

Paulo Cesar Oliveira (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Paulo César de Oliveira na final do Paulistão: Santos 4×2 Guarani (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

O árbitro, que já participou de 246 jogos na primeira divisão do Brasileirão, faz questão de estudar as equipes antes de cada partida. Desde o sistema tático utilizado pelo treinador até o nome dos atletas. Quando começou a carreira, em 1991, e fez o curso da Federação Paulista de Futebol em 1994, a orientação era para que evitassem informações sobre os jogos, para não se influenciarem. A tendência mudou e Paulo César adota postura totalmente oposta. Consome informações loucamente antes de cada atuação.

– Não posso ser pego de surpresa por uma jogada ensaiada, por exemplo. A bola parada tem decidido muitos jogos. Algumas equipes usam um jogador que sai da posição de impedimento, então falo para o assistente esperar antes de levantar a bandeira, porque ele pode sair para vir outro de trás. Há times que usam um centroavante como pivô, outros que têm dois atacantes rápidos. Nesse caso, preciso usar atalhos para acompanhar mais de perto. Quanto mais informações, melhor – explica o árbitro, que atua sabendo quem são os jogadores pendurados com cartões amarelos.

Grafico Arbitros 3 (Foto: Infoesporte)Paulo César de Oliveira teve o triplo dos votos do segundo colocado na eleição dos atletas (Foto: Infoesporte)

Em campo, o preferido dos jogadores ainda é chamado de “professor” por alguns, mas garante que a maioria, até os mais novatos, falam seu nome. Talvez uma troca de gentilezas. PC acha muito desagradável chamar um atleta pelo seu número de camisa, ou emitir sons vocais como se estivesse brincando com animais. Por isso, no vestiário, analisa a relação dos times e tenta decorar os nomes antes de subir ao gramado.

– Principalmente o goleiro, de quem às vezes tenho de pedir pressa, os laterais, que cobram os arremessos, algumas posições estratégicas. O jogador gosta, sobretudo em jogos de segunda divisão, no interior de São Paulo. Ele para, olha, observa… É um relacionamento com respeito.

Mas tantas cartas na manga não livraram Paulo César de Oliveira de uma carreira polêmica. Aos 38 anos, ele coleciona acaloradas discussões e críticas veementes. Já chegou a ser vetado por Palmeiras, Santos e São Paulo junto à comissão de arbitragem. Nos últimos anos cometeu erros graves no Brasileirão, como por exemplo no jogo entre Internacional e Bahia, quando deu apenas cartão amarelo e marcou jogada perigosa em entrada do zagueiro Bolívar, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo do lateral-esquerdo Dodô, e o tirou dos gramados por seis meses (veja no vídeo acima).

Na ocasião, o comentarista de arbitragem da TV Globo, Arnaldo Cezar Coelho, criticou duramente sua atuação no Beira-Rio.

– Foi a pior arbitragem que eu vi na carreira do Paulo César de Oliveira. Ele inventou aquele tiro livre indireto no lance do Bolívar com o Dodô, se acomodou. Esteve mal posicionado. Foi uma péssima atuação – decretou.

Para evitar novas críticas, o árbitro corre, pedala, apita e se exercita. Em silêncio e isolado, ao contrário dos jogadores, cujos treinos são acompanhados diariamente. Em cena inusitada, ensaia posicionamento, deslocamento e simula marcações de faltas sozinho no campo de sua cidade, Cruzeiro, no interior de São Paulo. Nas viagens, aproveita as horas em hotéis, aviões e aeroportos para repassar o livro de regras. Para completar, trabalha a mente. Em sua opinião, um vilão na carreira de um árbitro.

– Muitos têm talento, mas não conseguem conviver com críticas. É preciso desenvolver o lado psicológico, treinar com chuva, suportar a distância da família, abrir mão de dia das mães, aniversário de casamento… A arbitragem é um sacerdócio – filosofa.

Apesar de ter comemorado a pesquisa, Paulo César jura que não vai usar o resultado para argumentar em possíveis discussões durante uma partida. Até porque ele busca vencer também, pela primeira vez, o prêmio oferecido pela CBF no fim do ano. Com planos de apitar por mais sete temporadas, o árbitro de 38 anos gostaria de trabalhar na instrução de colegas depois de aposentado.

Filho de dona Teresa, irmão de outros dez homens (inclusive o também árbitro Luiz Flávio de Oliveira, que recebeu três votos na pesquisa), o paulista deixou de ser centroavante no time da família para virar centro das reclamações (assista vídeo ao lado sobre o início da carreira de Paulo César, em 1997). Decisão recompensada por notícias como essa, de ser o “queridinho” dos boleiros, às vésperas do início do Campeonato Brasileiro, considerado pelo veterano um dos mais difíceis do mundo pelo grande número de candidatos ao título.

– Recebo com orgulho porque são os jogadores com quem lidamos. E me dá responsabilidade para manter o padrão. Ter credibilidade é muito legal. É legal para o ego, faz bem, mas não posso usar isso para relaxar ou atuar de forma diferente.

Por Cleber Aguiar – Abel Braga desabafa: ‘Jogo começou 11 contra 11, mas terminou 10 contra 12’

Fonte: Lancenet.com.br

Técnico do Fluminense faz duras críticas ao árbitro José Hernando Buitrago, que apitou a partida contra o Boca Juniors

Boca Juniors x Fluminense - Copa Libertadores - Abel (Foto: Marcos Brindicci/Reuters) Abel Braga se mostrou muito irritado com a arbitragem contra o Boca (Foto: Marcos Brindicci/Reuters)

LANCEPRESS!
Publicada em 17/05/2012 às 23:03
Buenos Aires (ARG)

Na entrevista coletiva após a derrota por 1 a 0 para o Boca Juniors (ARG), o técnico Abel Braga deixou bem clara sua indignação com a arbitragem de José Hernando Buitrago. Inclusive, o treinador do Fluminense disse que o colombiano jogou junto do time argentino nesta quinta-feira, na Bombonera, pelas quartas de final da Copa Santander Libertadores.

– Se você analisar que num lance muito mais claro, que evitou um gol do Fluminense (pênalti não marcado), ele não marcou nada. Entramos em campo com 11 contra 11 e terminou o jogo com 10 contra 12 – afirmou Abel Braga, lembrando de um lance já nos acréscimos da etapa inicial, quando Roncaglia evitou com a mão o que seria o gol de Anderson.

Com um a menos Flu segura pressão do Boca e perde por 1 a 0

 

Para o técnico, o Fluminense merecia um resultado melhor na Bombonera, e teve até uma atuação melhor do que a do dono da casa.

– Temos time para vencer o Boca aqui dentro. Cometemos erros por situações que exageramos em alguns momentos, inclusive o jogo estava controladíssimo, então facilmente você vai acertar um contra-ataque daqueles e vai marcar. Estivemos sempre mais perto do gol do que eles. A nossa chave no jogo era os posicionamentos do Wágner, Edinho e Jean.