Por Cleber Aguiar – Contra o Bolívar, Santos precisa reverter placar para ir às quartas

Fonte: Gazetaesportiva.net

Do correspondente Rodrigo MartinsSantos (SP)

Perto de conquistar mais um título paulista, o Santos volta as suas atenções para as oitavas de final da Copa Libertadores da América. Isto porque o Peixe precisa vencer o Bolívar (Bolívia), em jogo marcado para esta quinta-feira, às 19h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro, para avançar até as quartas de final dacompetição. Na primeira partida entre os dois times, La Academia ganhou por 2 a 1, no dia 25 de abril, em La Paz.

No entanto, uma vitória santista por 2 a 1 leva a decisão da vaga para os pênaltis. Se os bolivianos marcarem dois ou mais gols na Vila, os alvinegros terão que derrotá-los por dois ou mais gols de diferença para se qualificarem a etapa seguinte da Libertadores.

O volante Arouca opinou sobre o duelo de volta com os bolivianos e destacou que o Santos precisa jogar o seu melhor futebol para não ter surpresas e ir às quartas de final do principal torneio de clubes das Américas.

“O maior exemplo para esse jogo contra o Bolívar foi o que nós passamos contra o Strongest (Bolívia). Eles também exploraram bem a altitude lá (na capital boliviana) e aqui se armaram bem recuados. No meu modo de ver, o Bolívar é superior ao Strongest, mas deve adotar uma tática parecida. Eles vão procurar exercer um poder de marcação forte e devem vir bem recuados. Por isso, o nosso objetivo é colocar a bola no chão e impor o nosso ritmo, jogando em casa. Precisamos da vitória e vamos fazer o máximo para consegui-la”, afirmou.

Mesmo com o foco em reverter o placar diante do Bolívar, o Peixe ainda carrega consigo a lembrança dos incidentes na partida de ida, em La Paz. Alguns torcedores do clube boliviano atiraram laranjas e bananas na direção dos santistas. O atacante Neymar foi o principal alvo da ira da torcida de La Academia.

Autor de dois gols na final do Paulista, Neymar é uma das grandes armas do Santos contra Bolívar, na Vila

“Essa guerra precisa acabar. Não é porque é Libertadores que as torcidas devem continuar jogando coisas no gramado. Ficamos triste que isso aconteça, pois é apenas um jogo de futebol”, destacou a Joia, negando que haja um clima de vingança contra os bolivianos.O técnico Muricy Ramalho, que também ficou irritado coma hostilidade sofrida por sua equipe na Bolívia, quer ver os alvinegros apenas jogando futebol. “Eles fizeram um monte de coisas lá. O que nós passamos lá foi um absurdo, só que ninguém faz nada. Seja em La Paz ou em qualquer outro lugar, a Conmebol não faz nada. Mas não podemos pensar em revanchismo. O nosso troco tem que ser na bola. Até porque, nós não sabemos ‘guerrear’. Temos que jogar”, comentou.

Para esse importante compromisso pela Copa Libertadores, Muricy poderá contar com o retorno do goleiro Rafael. Recuperado de uma distensão no ligamento colateral medial do joelho direito, o camisa 1 estará de volta ao time. Em compensação, o lateral direito Fucile segue em tratamento por conta de uma entorse no pé esquerdo e está fora. Por isso, o volante Henrique será improvisado no setor mais uma vez.

No Bolívar, que está desde o último domingo à noite no país, o técnico argentino Guillermo Angel Hoyos realizou alguns treinamentos na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo, procurando preparar os seus atletas para o compromisso perante o Santos, atual campeão da Libertadores.

Para o treinador do Bolívar, a sua equipe não pode limitar-se apenas a defender enfrentando o Peixe, fora de casa. “Temos que realizar um jogo agressivo, tratando de manter a posse de bola o maior tempo possível. Temos que aproveitar a velocidade de nossos laterais e de nossos atacantes, pelas laterais, para tentar surpreendê-los”, disse Hoyos.

Já o zagueiro argentino Pablo Frontini, além de preocupado com o conjunto santista, sinalizou com uma atenção especial a Neymar. “A nossa ideia é atacar, pressioná-los e não dar espaço ao time deles. Temos que ter atenção, principalmente com o Neymar, que é um jogador muito rápido, habilidoso e que desequilibra”, encerrou.

O grande desfalque da equipe boliviana ficará por conta de Ferreira, que chegou a atuar durante 15 minutos do confronto anterior entre os dois times. O atleta voltou a sentir dores musculares e será substituído por Cantero nesta quinta-feira.

FICHA TÉCNICA 
SANTOS X BOLIVAR-BOL

Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP) 
Data: 10 de maio de 2012, quinta-feira 
Horário: 19h30 (horário de Brasília) 
Árbitro: Martín Vázquez (Uruguai) 
Assistentes: Carlos Pastorino e Carlos Changala (ambos do Uruguai)

SANTOS: Rafael; Henrique, Edu Dracena, Durval e Juan; Adriano, Arouca, Elano e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Alan Kardec 
Técnico: Muricy Ramalho

BOLIVAR-BOL: Argüello; Rodríguez, Frontini e Valverde; Álvarez, Flores, Cardozo, Campos e Lizio; Arce e Cantero
Técnico: Guillermo Ángel Hoyos

ICFUT – COPA DO BRASIL 2012 – 09/05/2012

Cruzeiro 1 x 2 Atlético-PR – Gols – Copa do Brasil 2012 | 09/05/2012

Grêmio 2 X 0 Fortaleza | 09/05/2012

Botafogo 1 x 2 Vitória – Copa do Brasil 2012

Palmeiras 4 x 0 Paraná Copa do Brasil 2012 09/05/2012

 

Oitavas-de-final
1ª RODADA
25/04 – 19h30 Portuguesa-SP 0 x 0 Bahia-BA
25/04 – 21h50 Paraná-PR 1 x 2 Palmeiras-SP
25/04 – 21h50 Goiás-GO 2 x 0 Atlético-MG
26/04 – 19h30 Coritiba-PR 4 x 1 Paysandu-PA
2/05 – 19h30 Fortaleza-CE 0 x 2 Grêmio-RS
2/05 – 21h50 Atlético-PR 1 x 0 Cruzeiro-MG
2/05 – 21h50 Vitória-BA 1 x 1 Botafogo-RJ
2/05 – 21h50 Ponte Preta-SP 1 x 0 São Paulo-SP
2ª RODADA
3/05 – 19h30 Paysandu-PA 0 x 1 Coritiba-PR
3/05 – 21h50 Atlético-MG 2 x 1 Goiás-GO
9/05 – 19h30 Botafogo-RJ 1 x 2 Vitória-BA
9/05 – 22h00 Cruzeiro-MG 1 x 2 Atlético-PR
9/05 – 22h00 Palmeiras-SP 4 x 0 Paraná-PR
9/05 – 22h00 Grêmio-RS 2 x 0 Fortaleza-CE
10/05 – 19h30 Bahia-BA x Portuguesa-SP
10/05 – 21h50 São Paulo-SP x Ponte Preta-SP

Por Cleber Aguiar – Com gols de Diego e Falcao, Atlético de Madri ganha sua 2ª Liga Europa

Fonte:Folha Online

VINÍCIUS BACELAR
COLABORAÇÃO PARA FOLHA

Com dois gols do atacante colombiano Falcao Garcia e um do meia brasileiro Diego, o Atlético de Madri venceu o Athletic Bilbao por 3 a 0, no estádio Nacional de Bucareste, na Romênia, e conquistou a sua segunda Liga Europa. O primeiro troféu veio em 2010.

Rafa Rivas/France Presse
Diego comemora gol com Falcao
Diego comemora gol com Falcao

Com os dois gols desta quarta-feira, Falcao chegou aos 12 tentos na competição, isolou-se na artilharia e alcançou a incrível marca de 29 gols em apenas duas edições do torneio. Na temporada passada, quando decidiu o título a favor do Porto, ele fez 17 gols pelo time português.

Ao Athletic Bilbao resta a decisão da Copa do Rei contra o Barcelona, que será realizada no dia 25 de maio, curiosamente no estádio Vicente Calderón, do Atlético de Madri.

Três brasileiros iniciaram a partida como titulares. Todos pelo Atlético de Madri. O zagueiro Miranda (ex-São Paulo), o lateral esquerdo Filipe Luis (ex-Figueirense) e o meia Diego (ex- Santos).

O JOGO

Era o duelo entre os dois ataques mais positivos da Liga Europa e entre os dois técnicos argentinos (Bielsa e Simeone).

Logo aos 6min, o camisa 9 do Atlético de Madri mostrou porque é o artilheiro das duas últimas edições da competição. O colombiano pedalou na frente do zagueiro Amorebieta, chutou de esquerda e acertou o ângulo de Irazoiz. Golaço. Atlético de Madri, 1 a 0.

O Athletic Bilbao, treinado por ‘El Loco’ Bielsa, chegou à decisão do torneio com futebol vistoso. Envolvente, o time despachou o Manchester United e o Schalke (semifinalistas da Copa dos Campeões da temporada passada), além do Sporting. Mas, na final espanhola, pouco ameaçou a meta defendida por Courtois na etapa inicial.

Pior. Falhou na defesa com Amorebieta. O brasileiro Miranda recuperou a bola, acionou López na área, que tocou para Falcao. Ele girou, driblou Aurtenetxe e bateu firme de esquerda. Era seu 12º tento nesta edição da Liga Europa e o 29º nas duas últimas.

Na segunda etapa, o Athletic apertou, mas cedeu contra-ataques. Falcao ainda chutou uma bola na trave e o meia Diego, líder de assistências da Liga Europa, definiu o marcador aos 39min, ao fazer um gol de esquerda.

Por Cleber Aguiar – Vasco bate o Lanús nos pênaltis e vai encarar o Corinthians nas quartas

Fonte:Globo.com

Equipe cruz-maltina perde no tempo normal por 2 a 1. Felipe, Juninho, Carlos Alberto, Renato Silva e Alecsandro fizeram gol nas penalidades

Vascaínos comemoram o gol contra o Lanús
(Foto: Reuters)

Foi dramático, mas o Vasco conseguiu se classificar para as quartas de final da Libertadores após vencer o Lanús por 5 a 4 nas cobranças de pênaltis, nesta quarta-feira, no estádio La Fortaleza, na Grande Buenos Aires. No tempo normal, o placar foi 2 a 1 para os argentinos, mesmo resultado da vitória cruz-maltina em São Januário. Nas penalidades, Felipe, Juninho, Carlos Alberto, Renato Silva e Alecsandro marcaram os gols. Do lado argentino, Romero carimbou o travessão.

A equipe vascaína vai enfrentar nas quartas de final o Corinthians, que eliminou o Emelec. A Conmebol ainda irá divulgar as datas dos confrontos, mas a segunda partida será no Pacaembu, pois o time paulista fez campanha melhor na fase de grupos.

Durante os 90 minutos, o Vasco viveu altos e baixos.  Nilton, escalado no lugar de Felipe, abriu o placar com um belo chute do meio da rua no primeiro tempo. Mas o time recuou muito na segunda etapa, permitiu a virada e precisou disputar a vaga na marca da cal.

Bomba de Nilton põe o Vasco na frente

O técnico Cristóvão Borges optou por escalar uma formação mais defensiva para jogar na casa dos argentinos. Desta forma, Felipe foi o escolhido para ficar no banco de reservas e dar lugar a Nilton. Juninho começou entre os 11. Apesar de o time demonstrar mais dificuldade para sair com qualidade do campo de defesa para o ataque sem o camisa 6, o Vasco controlou bem a partida no início.

E coube ao escolhido de Cristóvão dar tranquilidade ao time. Aos 18 minutos, a zaga do Lanús cortou mal, Juninho pegou o rebote e tocou para Nilton. O volante pegou de primeira uma bomba (97km/h) que foi parar no canto direito do goleiro. Na comemoração, ele não escondeu a emoção e chorou.

– Fiquei quase um ano parado (cirurgia no joelho). Só quem esteve ao meu lado sabe da dificuldade que foi. Minha filha já tem quase um ano e eu não tinha feito um gol para ela ainda. Fui muito feliz no chute de longa distância. É uma emoção muito grande – disse Nilton na saída para o intervalo.

Lanús x Vasco, Comemoração (Foto: EFE)Goleiro do Lanús observa a bomba de Nilton
entrar em seu gol (Foto: EFE)

Apesar da necessidade do Lanús de correr em busca da vitória, o Vasco manteve maior posse de bola do que o adversário (51% ao fim do primeiro tempo) e levava perigo nos contra-ataques. Fagner teve boa chance pelo lado direito, mas se enrolou ao cortar para o meio dentro da área e tentar a finalização de perna esquerda. Diego Souza também teve boa oportunidade. O camisa 10 balançou na frente do marcador e tentou surpreender com um chute colocado no ângulo, mas errou o alvo.

O Lanús pouco criou. Pavone e Camoranesi chegaram a ameaçar, mas Regueiro, que fez o gol em São Januário, novamente foi o mais perigoso. Nas costas de Fagner, o jogador do time argentino desviou de cabeça à direita do gol de Prass. Na primeira etapa, o Vasco finalizou sete vezes, enquanto os donos da casa chutaram seis.

Vasco recua e permite a reação do Lanús

O Lanús voltou do vestiário disposto a ir para o tudo ou nada e adotou uma postura ainda mais ofensiva com a entrada de Teófilo Gutiérrez no lugar de Pizarro. O jeito que o time argentino arrumou foi cruzar bolas na área do Vasco. Renato Silva, Rodolfo e, principalmente, Nilton, iam afastando do jeito que era possível.

Mas o crescimento do Lanús no jogo, que já se refletia na inversão da vantagem da posse de bola (53% para os argentinos), resultou em gol. Aos 15 minutos, Valeri deu bom passe para Pavone, que, dentro da área, se livrou de Prass e mandou para a rede: 1 a 1. No lance, Regueiro puxou a camisa de Renato Silva, mas o árbitro não observou.

A pressão do Lanús ficou ainda maior, e a bola não parava de rondar a área vascaína. Valeri e Gutiérrez tiveram boas chances em bate-rebates dentro da área, mas não conseguiram finalizar adequadamente. Neste momento, o Vasco se limitava a dar chutões na direção de Diego Souza e Eder Luis.

Diante do domínio do Lanús, Cristóvão colocou o volante Allan no lugar de Diego Souza para tentar deixar o meio de campo mais equilibrado. Os argentinos, no entanto, seguiram no ataque e sempre com perigo para a meta de Prass. Quem assustou o adversário pelo lado cruz-maltino foi Juninho em cobrança de falta que o goleiro Marchesín defendeu bem.

Aos 32 minutos, a pressão do Lanús surtiu efeito. Valázquez mandou uma bomba de fora da área, Prass não defendeu e soltou na boa para Gutiérrez, que só empurrou para o fundo do gol. Com a decisão indo para os pênaltis, Cristóvão apostou em Carlos Alberto e Felipe nos lugares de Eder Luis e Diego Souza, mas não havia tempo para muita coisa e disputa foi para as penalidades. Nelas, o Vasco foi perfeito e se classificou.

Por Cleber Aguiar – Corinthians não empolga, mas bate o Emelec e chega às quartas de final

Fonte:Globo.com

Com atuação instável, Timão aproveita fragilidade dos equatorianos e se classifica para a próxima fase. Rival alvinegro será o Vasco

A CRÔNICA
por Carlos A. Ferrari e Gustavo Serbonchini

Corinthians, Libertadores e sofrimento, talvez, possam ser sinônimos num futuro breve. Os mais de 34 mil alvinegros que compareceram ao Pacaembu nesta quarta-feira voltaram a conviver com a tensão da busca do inédito título sul-americano. Em uma noite nervosa, de erros e uma atuação instável, o Timão fez o básico para se classificar diante de um adversário bastante limitado: venceu o Emelec por 3 a 0 e avançou às quartas de final. O adversário será o Vasco da Gama

O amplo placar não traduz o que o Corinthians realizou em campo. O início de jogo também mascarou o rendimento. Com apenas sete minutos, Fábio Santos colocou o Timão em vantagem. A equipe, contudo, foi se perdendo aos poucos e quase complicou um triunfo que parecia fácil. Erros na defesa, problemas na armação e um atacante muito dependente da inspiração de Emerson. Paulinho, perto da metade da etapa final, acabou com a angústia. Alex, já nos últimos minutos, fez o terceiro e matou o jogo.

O triunfo faz o Corinthians quebrar uma série negativa. A equipe não vencia no mata-mata do torneio desde 2000, ao eliminar o Atlético-MG. Depois disso, perdeu para Palmeiras (no mesmo ano), River Plate (oitavas de 2003 e 2006), Flamengo (oitavas de 2010) e Tolima (prévia de 2011).

Corinthians x Emelec, Alex (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Alex sofre com a marcação dos jogadores do Emelec (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Gol logo no início
Em uma partida cercada de tensão, a experiência e o talento de Emerson sobressaíram. Sheik foi essencial para que o Corinthians encaminhasse sua classificação às quartas logo nos primeiros minutos. Tite apostou todo o início de jogo pelo lado esquerdo, setor em que o veterano atacante de 33 anos atormentou os marcadores e abriu caminho para o triunfo. Logo aos sete, em um espaço mínimo, ele encontrou Fábio Santos na área. O lateral ganhou a dividida com dois marcadores e tocou no canto direito de Dreer para colocar o Timão em vantagem.

O Emelec só acordou para atacar a partir dos 15 minutos, quando finalmente passou a ter seus jogadores do meio de campo mais próximos para tocar a bola. Giménez era o mais perigoso do time equatoriano. As chances, porém, foram poucas. A melhor delas esteve nos pés do argentino Figueroa, batendo errado na entrada da área. No mais, apenas cruzamentos pelo alto, todos afastados pela zaga.

Com o adversário avançado, o Corinthians teve espaço para levar perigo novamente e ficar perto de garantir a classificação ainda na etapa inicial. Faltou sorte e pontaria. Em erro da zaga equatoriana, Paulinho dominou a bola no peito e soltou uma bomba na marca do pênalti. Dreer espalmou milagrosamente. Em seguida, foi a vez de Willian se antecipar à marcação após cruzamento de Sheik, mas desviar por cima.

O Timão quase se complicou quando diminuiu seu ritmo ofensivo. O Alvinegro recuou para procurar os contra-ataques e passou a cometer erros, sobretudo na saída de bola, irritando a torcida em alguns momentos. Mesmo assim, por muito pouco o segundo gol não saiu já perto da ida para o intervalo. Depois de cruzamento para a área, Paulinho apareceu de surpresa na área e cabeceou na trave.

Corinthians x Emelec, Fabio Santos (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com) Fábio Santos abriu o placar logo no início do jogo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Paulinho tira o Timão do sufoco
Os sustos dados pelo Corinthians no começo do jogo trocaram de lado. Tite trocou Edenílson, machucado, por Alessandro, mas o Emelec percebeu alguns pontos de instabilidade na defesa do Timão e voltou para a etapa final disposto a atrapalhar. Já no primeiro minuto, Cássio foi obrigado a salvar a equipe paulista daquele que poderia ser um duro golpe nos alvinegros. Em cobrança de falta, Valencia chutou muito forte e o goleiro fez ótima defesa no canto direito.

A queda de rendimento do Corinthians fez a torcida entrar em alerta. O Timão passou a errar passes em demasia e a permitir que o adversário crescesse cada vez mais. Faltou qualidade para o Emelec tirar proveito da noite atrapalhada da defesa brasileira. Do outro lado, as falhas se acumulavam. Nem mesmo a presença de dois armadores, Alex e Danilo, permitiu que o Alvinegro segurasse o jogo no campo ofensivo.

O respiro corintiano veio apenas aos 19 minutos. Taticamente mal, a equipe de Tite colocou as mãos na vaga em um lance de bola parada. Chicão cobrou falta da intermediária para a área. Paulinho apareceu entre os zagueiros e desviou de cabeça, acertando o canto esquerdo de Dreer. Explosão de alívio no Pacaembu.

O segundo gol era o que faltava para o Emelec se entregar. A partir disso, o Corinthians passou a tocar a bola e gastar o tempo que faltava. Aos 40, com o adversário sem força, a equipe ainda encontrou o terceiro gol. Alex recebeu passe na área e tocou na saída de Dreer.

Emerson Sheik Corinthians x Emelec (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Emerson Sheik foi um dos melhores em campo  (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)