Por Cleber Aguiar – Estaduais: Pequenos querem mais pelos direitos de TV

Fonte: lancenet.com.br

Distância do valor recebido pelos grandes gera reclamação dos menores e ajuda a explicar diferença técnica entre as equipes

Madureira x Fluminense - Gramado (Foto: Rafael Moraes) Madureira de Duba não foi páreo para o Fluminense no Estadual (Foto: Rafael Moraes)

Igor Siqueira
Publicada em 14/04/2012 às 07:05 
Rio de Janeiro (RJ)

A desigualdade social atrapalha os Estaduais. Parece até discurso de socialista, mas é nesta tecla que os times pequenos estão batendo ultimamente. E o principal alvo de reclamação é o abismo entre os valores repassados referentes aos direitos de transmissão televisiva dos campeonatos.

Esta diferença é apontada pelos próprios pequenos como uma das razões que deixam os Estaduais menos competitivos e, consequentemente, menos atrativos ao torcedor.

– É uma verdadeira covardia. Os grandes levam a maior parte da receita da TV e não temos condição de investir na equipe. Futebol se faz com dinheiro. Em Minas, até a Federação ganha mais que os pequenos – reclamou Edvaldo Soares, presidente do Democrata-GV, que após seis anos se segurando para não ser rebaixado, precisa de um milagre para escapar em 2012.

Mas não é só em Minas que a disparidade de valores gera reclamação. No Rio, onde metade dos times pequenos recebem até 90% menos que os grandes, a insatisfação já foi motivo de reunião entre os clubes de menor investimento. Ainda mais porque o Carioca, com todos os seus problemas, é o que chega ao maior número de estados.

– Os pequenos já avisaram que são contra redução no número de participantes, mas somos a favor do aumento do repasse da TV – afirmou o presidente do Madureira, Elias Duba.

Nem em São Paulo, estado onde a televisão paga mais pelos direitos de transmissão, os pequenos deixam de reclamar. Também pudera! Recebendo 81% menos que os grandes…

– Por isso que não dá ninguém nos jogos entre pequenos. Não tem dinheiro para montar time bom e aí ninguém vai. Acho que isso deveria ser revisto. Hoje ganhamos R$ 1,9 milhão. Para os times que ficaram, deveria pelo menos dobrar – comentou Valmor Peruzzo, presidente do rebaixado Catanduvense.

E assim caminham os pequenos. Sempre com o pires na mão.

 

A grana da TV nos Estaduais
Carioca
Flamengo e Vasco faturam R$ 600 mil/jogo. Botafogo e Fluminense R$ 428 mil/jogo. Entre os pequenos, há os que, de acordo com a classificação no ano anterior, recebem R$ R$ 108 mil/jogo e R$ 60 mil/jogo.
Paulista
No campeonato mais valorizado do Brasil, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos recebem R$ 10 milhões por competição. Enquanto isso, os pequenos ganham R$ 1,9 milhão por edição. Uma diferença de 81%.
Mineiro
A divisão da verba anual é: 32% para Atlético e outros 32% para Cruzeiro. O América e a Federação levam 8% cada. Enquanto os nove pequenos levam 2,2% do montante da TV.

Preparação mais cedo já não resolve mais

Já foi o tempo em que a arma utilizada pelos times pequenos de começar a preparação mais cedo e chegar aos Estaduais com equipes superiores fisicamente aos grandes resolvia alguma coisa.

A disparidade técnica entre os clubes tem sido tão grande, que a “correria” não significa mais fator de desequilíbrio. Em 2012, os placares comprovam a tendência.

Na Taça Guanabara todos os grandes estrearam com vitórias tranquilas. E ainda mais: o único que foi derrotado por um pequeno no primeiro turno do Carioca foi o Fluminense, que, pensando na Libertadores, se deu mal na terceira rodada, contra o Boavista. Outro dado da disparidade é que último pequeno finalista do Estadual foi o Madureira de 2006.

No Paulistão, os grandes ficaram mais da metade da primeira fase sem serem batidos pelos pequenos. O primeiro tropeço só veio na 13 rodada, quando os reservas dos Santos levaram a pior diante do Mogi Mirim.
O saldo da soberania é que os grandes garantiram a classificação com quatro rodadas de antecipação. Um marasmo de quase um mês, até a fase de mata-mata.

Em Minas, o Atlético estava com 100% de aproveitamento até o último fim de semana, quando deixou o clássico com o Cruzeiro com um empate. A Raposa só perdeu um jogo, para o Guarani de Divinópolis.

Com a palavra
Elias Duba – Presidente do Madureira
Pequeno valorizado é bom para os grandes

Além dos grandes usarem reservas, outro ponto que esvazia os Estaduais é que os times pequenos não têm condições de montar elencos fortes. O problema é a diferença de verba que é repassada pela TV para os grandes e os pequenos.

Eu tenho que ter responsabilidade e não vou gastar mais do que posso para contratar jogadores. O campeonato seria mais competitivo, mesmo com 16 times, se os pequenos fossem mais valorizados. Tudo bem que em meio a isso tudo ainda saímos sem prejuízo, mas com recursos, os elencos seriam mais fortes.

Com a valorização dos pequenos, os grandes também ganham. Afinal, seria um meio de contratar jogadores com valor menor. O Dedé, por exemplo, que é o cara mais badalado do Vasco, veio do Volta Redonda.

Com a palavra
Eduardo Tironi – Editor executivo do LANCE!
O último argumento a favor também morreu

Desde que a agonia dos Estaduais começou, e lá se vão uns dez anos, um argumento ainda tentava manter a competição relevante: os pequenos chegam com força porque têm mais tempo para treinar e sempre provocam algumas surpresas. O Estadual, então, seria cheio de equilíbrio e emoção na fase classificatória.

Já era. Os pequenos, cada vez mais fracos, não fazem nem cosquinha mais e as fases de classificação viraram meros desfiles monótonos para o torcedor e para os clubes grandes, e um martírio para os pequenos, que só apanham.

Um problema tem ligação com outro: a fragilidade dos pequenos faz o torcedor do interior perder o interesse nos seus times. Portanto, o argumento de que eles precisam dos Estaduais para sobreviverem também cai por terra. Na verdade, jogando apenas para serem sparrings, os pequenos não movimentam a comunidade local, desconectam de suas raízes, viram simplesmente clubes de aluguel para empresários que levam para lá seus jogadores com pouca ou nenhuma relação com a região. Não à toa, os jogos entre os pequenos têm públicos vergonhosos. Contra os grandes, os estádio enche… de torcedores da capital

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s