ICFUT – Internacional x Santos – 1º grande jogo do ano no Brasil !

Fonte: Folha de São Paulo

Único

Talento de Neymar e Damião valoriza jogo decisivo entre Inter e Santos pela Libertadores

ADRIANO WILKSON
ENVIADO ESPECIAL A SANTOS
MARTÍN FERNANDEZ
DE SÃO PAULO

Eles marcaram quase um terço dos gols de seus times no ano e são os atacantes titulares da seleção brasileira.

São frequentemente assediados por europeus, mas fazem girar uma engrenagem milionária que os mantêm no Brasil, perto de sua torcida.

Juntos, vão tentar o inédito ouro olímpico em Londres a partir de julho. Separados, farão hoje uma das partidas mais esperadas do ano.

O Internacional, de Leandro Damião, e o Santos, de Neymar, foram os dois últimos campeões da Libertadores e são considerados dois dos melhores times do Brasil.

Eles se encontrarão às 21h50 em Porto Alegre. E vão despertar a atenção não apenas de santistas e colorados.

O jogo é fundamental para o futuro imediato dos dois times na Libertadores. Uma vitória santista, por exemplo, garante a classificação do time ao mata-mata do torneio.

Um revés, ao contrário, pode transformar em drama a última partida da fase de grupos, contra o Strongest, no dia 19, cinco dias depois dos festejos de seu centenário.

Pontuar também é fundamental para o Inter, que vê de perto a ameaça dos bolivianos por uma das duas vagas na próxima fase. O Strongest joga amanhã contra o já eliminado Juan Aurich no Peru.

Todos os 36 mil ingressos para o jogo decisivo em Porto Alegre já haviam sido vendidos dois dias antes do apito inicial. E os santistas que não puderem ir ao Sul poderão acompanhar o jogo através da TV aberta pela primeira vez na atual Libertadores.

Mas a qualidade dos dois protagonistas atrairá a atenção não apenas da torcida de cada time. Quem viu o último Santos x Inter, no mês passado, na Vila Belmiro, testemunhou uma das maiores atuações da carreira de Neymar.

Ele fez os três gols da vitória, dois de placa após enfileirar toda a defesa colorada. E não deu chance aos rivais.

O gol de honra dos gaúchos foi do próprio Damião. O camisa 9 marcou 13 tentos no ano, cinco na Libertadores. O camisa 11 anotou 14.

“Espero que ele pise um pouco no freio para gente não ter muito trabalho”, brincou Neymar ontem, antes de embarcar rumo a Porto Alegre.

A fase dos atacantes promete muitos gols. Santos e Inter estão entre os melhores ataques da Libertadores. A equipe paulista tem nove gols, os gaúchos já fizeram 11.

Fora de campo, o duelo também é um marco simbólico para os dois treinadores.

Dorival Júnior, hoje no Inter, era o técnico santista no começo da arrancada rumo à hegemonia no continente. E Muricy Ramalho iniciou a reconstrução do Inter, com o vice do Brasileiro em 2005.

NA TV
Internacional x Santos
21h50 Globo (para SP) e Fox Sports

Santistas temem ímpeto ofensivo de rivais

DO ENVIADO A SANTOS
DE SÃO PAULO

O técnico Muricy Ramalho está preocupado com o ímpeto ofensivo do Internacional no começo do jogo de hoje.

Durante as últimas movimentações antes da partida, treinou bastante sua defesa para bolas alçadas na área.

“Acredito que eles vão querer fazer um gol logo no início para ter uma tranquilidade maior na partida”, declarou o zagueiro Edu Dracena. “Por isso, treinamos nosso posicionamento. Estaremos seguros. Será uma batalha.”

O clima durante o embarque da delegação alvinegra rumo a Porto Alegre, ontem, fazia parecer que o jogadores realmente encaravam o duelo no Sul como uma batalha.

Depois de se despedir com vários beijos de seu filho, o pequeno Davi Lucca, Neymar guardou sob a camisa uma medalha que homenageia a criança. Mas descartou dedicar-lhe golaços como os da última partida contra o Inter.

“Não jogo para fazer golaços. Não quero golaços, quero vencer. Depois da vitória, a gente vê se tem gol bonito ou não”, disse o camisa 11.

Paulo Henrique Ganso também espera pressão colorada no Beira-Rio, mas prevê se aproveitar de espaços deixados na defesa rival. “Vão tentar se impor, mas temos que aproveitar isso.” (AW E MF)

Time de Muricy esconde voos e hotel para tentar evitar tumulto

DO ENVIADO A SANTOS
DE SÃO PAULO

O Santos vai jogar em Porto Alegre, contra o Inter, um adversário que já enfrentou dezenas de vezes, por várias competições. Mas se preparou como se estivesse indo a Assunção, Montevidéu, ou Buenos Aires, participar de uma dessas batalhas típicas da Taça Libertadores.

Primeiro, segurou o quanto pôde a informação sobre horário do vôo entre São Paulo e Porto Alegre, sob a alegação de “preocupação com a segurança” da delegação.

A assessoria do clube pediu à imprensa que não divulgasse o horário dos voos, por “questões de segurança”.

O time desembarcou ontem às 16h50 em Porto Alegre, e foi recebido por seus próprios torcedores. Neymar e Ganso sorriram e acenaram para garotas santistas.

O Santos também não divulgou em que hotel se hospedaria em Porto Alegre.

A intenção era evitar que torcedores do Inter fizessem barulho nas imediações, na noite anterior à partida.

O excesso de precauções tomadas pelo Santos contrariou dirigentes do Inter.

Na véspera, cartolas já haviam criticado Muricy Ramalho, que reclamou da escalação do árbitro da partida.

Também não caíram bem no Beira-Rio as declarações de jogadores do Santos -sobretudo do meia Ganso e do goleiro Rafael -de que pretendiam usar a partida de hoje à noite para eliminar o Inter já na primeira fase da Taça Libertadores. (AW E MF)

Fonte: Site Oficial do Clube

Parabéns, campeão! Inter completa 103 anos de história

O Sport Club Internacional chega ao seu 103º aniversário – comemorado no dia 4 de abril – com uma vasta história de sucesso. Nenhuma alcunha poderia resumir melhor a vocação do Colorado em ganhar títulos importantes do que a de ‘Campeão de Tudo’. É fato: o Inter conquistou absolutamente todos os títulos que disputou. Não falta nenhum troféu no Museu. Desde os Metropolitanos, conquistados nos primeiros anos do Clube, até o expressivo Mundial FIFA foram alcançados nesta jornada vitoriosa que iniciou em 1909. E muitas destas taças foram erguidas por mais de uma vez, ratificando a grandeza do Colorado.

A torcida pode se orgulhar de amar um clube que está no seleto hall dos mais vitoriosos do mundo. Muitos times tradicionais do planeta não possuem um cartel de títulos tão consistente quanto o do Inter. Na década passada, por exemplo, o Campeão de Tudo foi o maior campeão do Brasil, sendo inclusive apontado pela Folha de São Paulo como o melhor time do início do novo século. Nos últimos seis anos, os colorados puderam gritar “É campeão!” em onze oportunidades, sendo que em oito delas o título foi de expressão internacional. Mas esta história de conquistas se renova a cada temporada, como novos feitos relevantes protagonizados por quem nasceu para ser vencedor.

Linha do tempo
Alguns momentos marcantes dos 103 anos do Internacional:

1909 – Fundação
Irmãos Henrique Poppe Leão, José Eduardo Poppe e Luiz Madeira Poppe fundam o Sport Club Internacional no dia 4 de abril de 1909.

Os irmãos fundadores do Sport Club Internacional

1913 – Primeiro título
Quatro anos depois de fundado, Inter conquista o seu primeiro título, o Campeonato Metropolitano. Foi pentacampeão na sequência (1913, 1914, 1915, 1916 e 1917).

1927 – Campeão gaúcho pela primeira vez
Inter vence o Grêmio Bagé no dia 7 de setembro e sagra-se campeão gaúcho. Foi o primeiro dos 40 títulos estaduais conquistados até hoje.

1931 – Inauguração dos Eucaliptos
No dia 15 de março de 1931, Inter inaugura a sua nova casa, o Estádio dos Eucaliptos, no qual permaneceria até o final da década de 1960. No primeiro jogo no novo campo, vence o Grêmio por 3 a 0.

Torcida em momento de vibração nos Eucaliptos

1940 – Rolo Compressor
Década do lendário ‘Rolo Compressor’, um time extremamente ofensivo que durou de 1940 a 1948, conquistado oito títulos estaduais em nove anos. Em 18 de novembro de 1945, o Rolo do Inter ganhou o inédito título de hexacampeão gaúcho, na Timbaúva, estádio do Força e Luz, jogando contra o Pelotas.

O antológico Rolo Compressor, da década de 40

1945 – Superioridade no clássico
Inter assume neste ano a vantagem no número de vitórias no clássico Gre-Nal. Esta superioridade é mantida de forma ininterrupta até os dias de hoje.

1954 – Estragou a festa do rival
No dia 26 de setembro de 1945, Inter goleia o Grêmio por 6 a 2 na inauguração do Estádio Olímpico.

1956 – Força colorada no Panamericano
Com sete jogadores do Inter, Seleção Brasileira, treinada pelo colorado Teté, vence de forma invicta o Panamericano do México.

Da esq. para dir.: Luizinho. Bodinho. Larry, Ênio Andrade e Chinezinho, atacantes da seleção gaucha que representou o Brasil no Pan-Americano de 1956, no México

1957 – Celeiro de Ases
O músico carioca Nélson Silva compõe o hino do Inter.

1967 – Mostrando a cara para o Brasil
Inter é vice-campeão na sua primeira disputa de campeonato nacional, sendo o primeiro time gaúcho a vencer em São Paulo.

1969 – Nasce o Gigante
Construído com a colaboração dos torcedores, o Estádio Beira-Rio é inaugurado no dia 6 de abril de 1969 com o jogo Inter x Benfica. O time colorado vence por 2 a 1, com gols de Claudiomiro e Gilson Porto. Uma nova era abria-se para o Inter.

Estádio Beira-Rio foi concluído em 1969

1975 – Primeiro título nacional
Inter vence o Cruzeiro por 1 a 0 no dia 14 de dezembro de 1975, no Beira-Rio, e conquista o inédito título brasileiro. Figueroa marcou o que ficou conhecido como o ‘Gol Iuminado’

1976 – Bicampeão!
Com vitória de 2 a 0 sobre o Corinthians no dia 12 de dezembro de 1976, em um Beira-Rio completamente lotado, Inter sagra-se bicampeão brasileiro. Dario e Valdomiro marcara os gols que garantiram a segunda estrela ao Colorado.

1976 – Hegemonia gaúcha
Ano da conquista do oitavo título consecutivo do Campeonato Gaúcho. O Octacampenato (1969 a 1976) segue sendo a maioria sequência de títulos no Estado.

1979 – Tricampeão invicto
Finalizando uma década de ouro, Inter supera o Vasco da Gama por 2 a 1, gols de Jair e Falcão, no dia 23 de dezembro de 1979, no Beira-Rio, e ergue pela terceira vez a taça de campeão brasileiro. A campanha colorada foi invicta, com 16 vitórias e 7 empates.

Década de 1970 foi repleta de glórias

1982 – Juan Gamper, em Barcelona
Inter conquista o tradicional torneio espanhol no dia 24 de agosto de 1982 depois de eliminar o Barcelona, de Maradona, e o Manchester City. Nenhum outro time da América Latina repetiu este feito.

1984 – Copa Kirin, no Oriente
Com vitória de 2 a 1 sobre a seleção da Irlanda no dia 5 de junho de 1984, Colorado vence competição disputada no Japão.

1984 – Sele/Inter é prata em Los Angeles
Com os onze jogadores do Inter, Seleção Brasileira conquista a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles.

1989 – Gre-Nal do Século
Na quente tarde do dia 12 de fevereiro de 1989, Inter vence o Grêmio, de virada, por 2 a 1, no Beira-Rio, com dois gols de Nilson. O clássico ficou conhecido como o ‘Gre-Nal do Século’ por valer vaga na final do Campeonato Brasileiro.

Nilson foi o grande personagem do clássico que mexeu com a rivalidade em 1989

1992 – Campeão da Copa do Brasil
Com um gol de pênalti do zagueiro Célio Silva, Inter bate o Fluminense no Beira-Rio no dia 13 de dezembro de 1992 e conquista a Copa do Brasil.

Célio Silva está marcando o gol de pênalti que rendeu o título ao Inter

1997 – Gre-Nal do 5 a 2
Colorado atropela o Grêmio com uma goleada de 5 a 2 em pleno Olímpico, no dia 24 de agosto de 1997, pelo Campeonato Brasileiro. O atacante Fabiano marcou dois gols e eternizou o seu nome na história do clássico.

2004 – Retorno aos confrontos sul-americanos
Time treinado por Muricy Ramalho disputa a Copa Sul-Americana e chega até a semifinal contra o tradicional Boca Juniors. Era um prelúdio do sucesso que seria experimentado na Libertadores de 2006.

2005 – Tetragaúcho
Inter recupera hegemonia estadual com a conquista de quatro títulos consecutivos (2002, 2003, 2004 e 2005).

2006 – Glórias máximas
O ano de 2006 é repleto de conquistas de grande expressão. No dia 16 de agosto o Inter coroa uma campanha vitoriosa na Libertadores, ao superar o São Paulo na inédita decisão do título. Campeão da América, o time treinando por Abel Braga se credencia para a disputa do Mundial FIFA, no Japão. Foi então que o dia 17 de dezembro também entrou para a história colorada, com a inesquecível vitória sobre o Barcelona que deu ao Inter o título de melhor time do mundo. O gol marcado por Adriano Gabiru em Yokohama é um dos momentos mais marcantes dos 103 anos do Clube.


Fernandão (E) ergue a taça mais cobiçada do mundo (Jefferson Bernardes/VIPCOMM)

2007 – Tríplice Coroa
Poucos conseguiram este feito: conquistar de forma seguida a Libertadores, o Mundial e a Recopa. No dia 7 de junho, o Inter vence o Pachuca do México por 4 a 0, no Beira-Rio, com gols de Alex, Pinga, Alexandre Pato e Mosquera (contra), e ergue pela primeira vez a taça da Recopa Sul-Americana. A sequência de títulos fica conhecida como a ‘Tríplice Coroa’.

2008 – Só faltava a Copa Sul-Americana
Ao vencer o Estudiantes de La Plata por 1 a 0, com gol de Nilmar, na prorrogação da final da Copa Sul-Americana realizada no dia 3 de dezembro de 2008 no Beira-Rio, o Inter atinge o status que poucos podem ostentar: o de ‘Campeão de Tudo’. Este era o único título que faltava para completar a farta coleção colorada. Todos os troféus possíveis de serem conquistados estão no Museu do Inter, para orgulho da nação vermelha e branco.


Grupo comemora a conquista inédita da Sul-Americana (Marcelo Campos)

2009 – Centenário de todo mundo
O Inter celebra os seus 100 anos de vida com eventos durante toda a temporada: grande festa no Gigantinho, interatividade com os sócios em diversas ações e show da Ivete Sangalo no Beira-Rio. Em campo, no dia 5 de agosto, o time vence o Oita Trinita por 2 a 1, no Japão, com gols de Alecsandro e Andrezinho, e fatura o título da Copa Suruga Bank, torneio organizado  pela Conmebol que reuniu o campeão da Sul-Americana e da Copa do Japão.

2010 – Bi da América
No primeiro ano pós-Centenário, Inter torna-se bicampeão da Libertadores ao vencer o Chivas Guadalajara, do México, por 3 a 2, com gols de Rafael Sobis, Leandro Damião e Giuliano, no dia 18 de agosto. Assim como foi em 2006, o Colorado teve o privilégio de levantar a taça em pleno Beira-Rio, para deleite da torcida colorada.


Bicampeão da América: Inter ergueu pela segunda vez a taça mais cobiçada do continente

2011 – Bi da Recopa e 40º Gauchão
Campeão de Tudo mantém a rotina de ganhar títulos e conquista o bicampeonato da Recopa Sul-Americana. Vence o Estudiantes por 3 a 1, no Beira-Rio, no dia 24 de agosto, com gols de Leandro Damião (2) e Kleber. Em maio, Inter venceu o Grêmio nos pênaltis, no Olímpico, e garantiu o 40º título estadual.

A história ao alcance dos colorados

O Museu Sport Club Internacional – Ruy Tedesco é um moderno espaço localizado no Beira-Rio (ao lado da loja) onde os colorados podem encontrar centenas de documentos históricos da gloriosa trajetória do Inter de 1909 para cá. São troféus, atas, flâmulas, fotos, vídeos, entrevistas, em um dos mais modernos museus de um clube de futebol da América Latina.

Mais de 100 mil visitantes passaram pelo local desde a sua inauguração, em abril de 2010. A ‘Arquibancada Virtual’, na qual é possível comemorar os principais gols da história do Inter, e o módulo ‘Campanhas’, onde se encontram as principais taças, são os lugares preferidos dos frequentadores do Museu.


Museu do Inter expõe diversos artigos marcantes da história colorada

Saiba mais: (51) 3230-4669 e www.internacional.com.br/museudointer

INTERNACIONAL X SANTOS AO VIVO ICFUT – LIBERTADORES 2012 – CLIQUE AQUI

ICFUT – Libertadores 2012 – Notícias e gols !

Lanús 6 x 0 Olímpia – Copa Santander Libertadores 2012

 

Cruz Azul empata na Venezuela e passa Corinthians na Libertadores

Fonte: Torcidaec.com
https://i0.wp.com/p2.trrsf.com.br/image/fget/cf/619/464/img.terra.com.br/i/2012/04/04/2288189-4250-rec.jpg

O Cruz Azul-MEX visitou o Deportivo Táchira-VEN e empatou por 1 a 1 com na noite desta terça-feira no Estádio Pueblo Nuevo, em San Cristóbal, pelo Grupo 6 da Libertadores. O ponto fora de casa dá ao time mexicano a liderança momentânea da chave do Corinthians nesta edição do torneio continental. Agora, o Cruz Azul assume a liderança do Grupo 6, mesma chave do Corinthians, que cai para segundo com os mesmos oitos pontos da equipe do México. Já o Deportivo Táchira foi a três e permanece na lanterna do grupo, com quatro tentos.

O primeiro gol dos venezuelanos saiu aos 19min do primeiro tempo, em falha do sistema defensivo do Cruz Azul. O goleiro do time mexicano saiu jogando errado e deu de presente para o rival. Maurício Parra recebeu assistência e só teve o trabalho de escolher o canto e marcar. Na próxima rodada, a última da fase de classificação deste Grupo 6, o Deportivo Táchira tem uma pedreira pela frente, uma vez que visita o Corinthians, no Pacaembu. A partida está marcada para o dia 18 de abril, às 21h50 (de Brasília). No mesmo dia e horário, o Cruz Azul dependerá apenas de uma vitória contra o Nacional para carimbar vaga nas oitavas de final da Libertadores.

Com informações do Portal Terra

Confira os jogos desta semana da Copa Libertadores 2012
 
Terça-feira, 3 de abril
 
FINAL – Lanus 6 x 0 Olimpia (Grupo 2)
FINAL – Alianza 1 x 2 Vasco (Grupo 5)
FINAL – Táchira 1 x 1 Cruz Azul (Grupo 6)
 
Quarta-feira, 4 de abril
 
19h30 – Godoy Cruz x Universidad de Chile (Grupo 8)
21h50 – Junior Barranquilla x Universidad Católica (Grupo 3)
21h50 – Emelec x Flamengo (Grupo 2)
21h50 – Inter x Santos (Grupo 1)
 
Quinta-feira, 5 de abril
 
20h15 – Libertad x Nacional (Grupo 4)
22h30 – Juan Aurich x The Stronghest (Grupo 1)
 
Fonte: Estado de São Paulo

Com dois gols de Fellipe Bastos, Vasco sofre, mas vence Alianza fora, quebra jejum e pode garantir vaga na quinta

O Vasco tomou sustos nos minutos finais, mas venceu o Alianza Lima, por 2 a 1, nesta terça-feira à noite, no estádio Alejandro Villanueva, no Peru, e ficou bem próximo da classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores. Com dois gols marcados por Fellipe Bastos, o time cruzmaltino pode garantir a vaga nesta quinta-feira, mesmo sem entrar em campo.

O Vasco chegou aos 10 pontos e assumiu a liderança do grupo 5, enquanto o Libertad-PAR tem sete pontos e o Nacional-URU soma seis pontos. As equipes do Paraguai e do Uruguai se enfrentam na quinta, e uma vitória do Libertad dentro de casa classifica os brasileiros. O Alianza, com apenas três pontos, já está eliminado.

A vitória desta terça também fez o Vasco quebrar um jejum de 11 anos sem vencer um jogo de competição internacional fora do Brasil. O último triunfo vascaíno fora de casa diante de uma equipe estrangeira tinha sido no dia 16 de maio de 2001, 3 a 1 sobre o Deportes Concepción, no Chile, pelas oitavas de final da Libertadores. Neste período de jejum, o Vasco tinha feito dez partidas oficiais fora do território nacional, tendo conseguido apenas dois empates e oito derrotas.

O grande nome do jogo foi Fellipe Bastos, autor dos dois gols da vitória vascaína em chutes de fora da área, enquanto Curiel descontou para o Alianza no final.

Vascaínos comemoram gol de Fellipe Bastos diante do Alianza em Lima

Vascaínos comemoram gol de Fellipe Bastos diante do Alianza em Lima
Crédito da imagem: Reuters

Com Diego Souza e Felipe pouco inspirados, o Vasco sentiu falta de Juninho Pernambucano na armação. Com a falta de criatividade vascaína e os limites técnicos do adversário – lanterna do grupo, com salários atrasados há sete meses -, o jogo às vezes ficou feio, com muitos “chutões” dos dois lados.

Mas o Vasco conseguiu impor sua superioridade, ainda que sem o bom futebol de outros jogos. Nos minutos finais, a equipe brasileira teve Nilton expulso, sofreu pressão dos peruanos que, não fosse por Fagner, em cima da linha, no fim do segundo tempo, teriam chegado ao empate.

O JOGO

Na primeira etapa, o Alianza Lima teve mais chances que o Vasco, mas o time brasileiro soube aproveitar melhor – ou teve mais sorte. O gol vascaíno saiu aos 17 minutos. Fellipe Bastos arriscou de fora da área, a bola desviou no zagueiro e encobriu o goleiro, que não conseguiu alcançar.

Aos 28 minutos, o Alianza Lima teve a primeira chance de perigo ao gol do Vasco. Após cobrança de falta e cruzamento na área, Ibáñez cabeceou rente à trave, para fora. Aos 36, Rabanal recebeu sozinho, pela esquerda, e cruzou. Hurtado se antecipou à zaga e pegou mal, a bola foi por cima do gol.

No segundo tempo, aos 18 minutos, o Vasco quase ampliou. Após cobrança de falta de Fellipe Bastos, Diego Souza desviou para o gol e Libman fez bela defesa. Um minuto depois, Eder Luís recebeu dentro da área e tocou para Diego, na marca do pênalti, de frente para o gol sem goleiro, mas ele demorou e, quando bateu, a bola ficou na zaga.

Aos 22 minutos, Dedé cabeceou bola na trave, após nova cobrança de Fellipe Bastos. Três minutos após, a consagração de Fellipe Bastos. De fora da área, ele acertou lindo chute no ângulo de Libman.

O time da casa descontou após falha da zaga vascaína. Dedé tirou a bola rasteiro, Renato Silva tentou chutar para frente, a bola resvalou no jogador do Alianza Lima e sobrou para Curiel, que chutou bem, por baixo de Fernando Prass.

A torcida vascaína tomou um susto aos 37 minutos. Após cruzamento na área, Arroé dividiu com Fernando Prass, deixou o braço, mas o árbitro não marcou. A bola sobrou para o peruano, que bateu para gol, mas Fagner salvou em cima da linha. Nos acréscimos, Nilton agrediu um jogador do Alianza Lima e foi expulso. A torcida peruana aumentou o volume de objetos jogados sobre o campo e a polícia foi acionada.

FICHA TÉCNICA:
ALIANZA 1 X 2 VASCO

Local: Estádio Alejandro Villanueva, em Lima (Peru)
Data: 3 de abril de 2012 (Terça-feira)
Horário: 22h(de Brasília)
Árbitro: Saúl Laverni (Argentina)
Assistentes: Hernán Maidana (Argentina) e Ernesto Uziga (Argentina)
Cartão Amarelo: Gabanal(Ali); Rômulo(Vas)
Cartão Vermelho:Nilton(Vas)
Gols:
ALIANZA: Curiel aos 31 minutos do segundo tempo

VASCO: Felipe Bastos aos 17 minutos do primeiro tempo e 25 minutos do segundo tempo

ALIANZA: Libman, Carmona, Ascues, Ibáñez e Corrales(Rabanal);, Quinteros, González, Hurtado(Curial), Arroe e Bazan(Viza); Fernández.
Técnico:José Soto

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Dedé, Renato Silva e Thiago Feltri(Rodolfo); Rômulo, Felipe Bastos, Felipe(Nilton) e Diego Souza(Allan); Eder Luis e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges

Santos vai ao Sul para provar que é candidato ao bi

Time tenta vencer adversário mais forte do grupo e garantir 1º lugar para entrar mais forte na fase de mata-mata

SANCHES FILHO / SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO – O Estado de S.Paulo

Santos e Internacional fazem um jogo de campeões pela penúltima rodada da fase de grupos da Libertadores, hoje às 21h50, no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Líder do Grupo 1, com 9 pontos, o atual campeão da competição aposta no talento de Neymar e Ganso para repetir a grande atuação da vitória por 3 a 1 na partida de ida, na Vila Belmiro, no dia 8 de março.

Empatados com o The Strongest, da Bolívia, em segundo lugar com 7 pontos, os gaúchos, mesmo desfalcados de três importantes titulares – Guiñazu, D’Alessandro e Oscar – prometem anular as principais peças santistas e dar o troco para não correr o perigo de não passar da primeira fase.

“A vitória é importante para a nossa classificação, além de complicar a vida do Internacional, que é um adversário tradicional e forte”, disse Ganso ontem, na saída da delegação rumo à capital gaúcha. Para o meia, o Santos vai precisar jogar com inteligência para encontrar os espaços e chegar à vitória. “Os três desfalques deles vão fazer um pouco de diferença, mas mesmo assim vamos ter dificuldades porque o técnico deles (Dorival Júnior) conhece bem a nossa equipe e, além disso, a pressão da torcida vai ser grande.”

A dúvida de Muricy Ramalho para escalar o time foi desfeita no treino de ontem, no CT Rei Pelé, com a confirmação de Henrique como segundo volante, enquanto Adriano, que nem apareceu no campo, apenas fez exercícios na academia, mas viajou com o time. Elano também não treinou porque foi com a mulher ao Rio para depor no processo que movia contra a atriz Nívea Stelmann e que foi arquivado após a audiência de ontem. O volante se juntou ao grupo à noite, em Porto Alegre.

Com essa formação definida por Muricy, o time se torna mais forte ofensivamente, em razão de os laterais, principalmente Juan, terem liberdade para ir ao ataque. O técnico considera Henrique perfeito na cobertura pelos lados do campo, embora com a sua escalação, Arouca seja obrigado a trabalhar mais na marcação.

“Juan sempre foi mais armador do que jogador de marcação, tanto no Flamengo quanto no São Paulo. Como o Santos tem Neymar que ocupa o lado esquerdo, ele entra pelo meio e também ajuda na armação e chega à frente para finalizar. Juan se encaixou bem no nosso esquema de jogo. E como Henrique faz bem a cobertura dos laterais, não corremos riscos”, explicou Muricy. No treino de ontem, o técnico acertou o posicionamento do time.

Neymar. O atacante santista vai atingir mais uma marca histórica, hoje, contra o Inter. O jogo será o 200.º nos seus três anos e 28 dias como profissional. A estreia foi aos 17 anos na vitória por 2 a 1 sobre o Oeste de Itápolis, dia 7 de março de 2009, no Pacaembu. Neymar não fez gol, mas teve o nome gritado pela torcida.

“Estou feliz por atingir uma marca como essa. A minha vontade de jogar essa partida de número 200 é a mesma de quando eu vesti a camisa do Santos pelo primeira vez”, disse. Dos 200 jogos, 173 foram pelo Santos. Os outros 27, pela seleção brasileira: 16 com a camisa do time principal, 10 pela sub-20 e uma pela sub-17.

No embarque para o Sul, ontem, Neymar foi procurado para falar sobre a polêmica em torno da escalação do juiz Sandro Meira Ricci, que o processou pelos comentários que fez em seu Twitter, mas se esquivou. “Não vejo problema nenhum com a escalação. Ele está indo para fazer o trabalho dele e eu vou fazer o meu. Não tenha nada contra ele. O que aconteceu já passou e espero que ele tenha uma ótima atuação”, afirmou. No julgamento do processo, Neymar foi condenada a pagar R$ 15 mil ao árbitro.

Fla aposta na eficiência de Love no Equador

O Flamengo aposta na ótima fase de Vagner Love para tentar uma vitória hoje, às 21h50, contra o Emelec, no Equador, e assim se manter ‘vivo’ na Libertadores. Em terceiro lugar no Grupo 2, o time carioca está em situação desconfortável na competição depois de dois tropeços seguidos contra o Olímpia, do Paraguai (3 a 3 e 3 a 2).

O técnico Joel Santana parecia preocupado ontem com o cansaço da equipe, por causa da maratona de jogos e viagens. O Flamengo só embarcou à tarde para o Equador. “Mas não pode haver desculpa. Time que quer ganhar a Libertadores tem de estar preparado para vencer em qualquer lugar”, disse.

Ele não quis adiantar a escalação do Rubro-negro. Deixou no ar uma dúvida: se optaria por Bottinelli ou Deivid. Se este atuar, Ronaldinho jogaria mais recuado, deixando Vagner Love com o novo parceiro no ataque.

Alguns jogadores admitiram nos últimos dias que estão sob pressão para conseguir bons resultados na Libertadores e consolidar a classificação às oitavas.

Apesar de uma pequena reação no Campeonato Carioca, no qual lidera o Grupo A da Taça Rio, a equipe não tem convencido a torcida.

Por Rogerinho – Violência: jornalistas falam do problema nacional

Após levantamento do LNET!, jornalistas de várias partes do Brasil contam suas impressões locais sobre o grave problema

 

Capa desta terça-feira do LANCE! traz o impactante número de mortes que já aconteceram pelo Brasil desde 1988

 

FONTE – LANCEPRESS!

O levantamento exclusivo do LANCENET!, que revelou o número de 155 mortes ligadas ao futebol desde outubro de 1988 no Brasil, repercutiu em todo o país. O início da série especial, que trouxe o mapeamento da violência por estado, tipo de morte e faixa etária das vítimas, foi comentado por jornalistas, torcedores e até por quem não é apaixonado pelo esporte.

NO L! DESTA QUARTA-FEIRA: JOGO É DETALHE

A pedido do LNET!, jornalistas de várias regiões brasileiras contaram suas impressões sobre o problema, com olhar específico de sua região. O que acontece? Quem são os culpados? O que está sendo feito para coibir?

Veja o que pessoas que têm vivência em estádios e acompanham as ações das facções organizadas locais dizem sobre a situação:

 

GOIÂNIA

Thiago de Castro, repórter da Radio 730

“Em Goiânia, situação chegou a um nível crítico”

“A situação chegou a um nível crítico, extrapolando a rivalidade entre dois clubes e passando a atingir a sociedade, com um grupo de marginais de cada lado, duelando por espaço e usando Goiás e Vila como pano de fundo. É complicado pensar em uma solução a curto prazo, não acredito que apenas a extinção das torcidas (des)organizadas faça a diferença. A verdade é que deveríamos aprender com os ingleses, que diminuíram o problema. A imprensa local cobra e, sempre que se aproxima um clássico, alerta para que as autoridades não deixem repetir os episódios, mas a luta está sendo em vão. As autoridades ainda tentam encontrar saída. A Polícia Civil pediu a extinção da Força Jovem do Goiás e das rivais Esquadrão Vilanovense e da Sangue Colorado. Até hoje, nenhuma decisão do Ministério Público. Quem perde são o campeonato e o estado. Vila e Goiás ainda mantêm status de Maior Clássico do Centro-Oeste, que, aliás, já teve públicos históricos, com mais de 45 mil. No último fim de semana, foram pouco mais de 15 mil – oito mil  trocados por notas fiscais. A sociedade sente medo, sofre e se vê de mãos atadas, enquanto bandidos se infiltram nas torcidas, que também têm pessoas de boa índole.”
PARAÍBA

Rostand Lucena, chefe de esportes da Rádio Caturité

“Na Paraíba, problema é fora dos estádios”

“O nosso estado não tem um histórico tão grande de problemas dentro dos estádios, as confusões acontecem em sua maioria do lado de fora, com as mesmas torcidas, que nunca são alvos de uma atitude mais firme do Ministério Público e da PM. Mas, mesmo assim, o Ministério Público e a Polícia Militar tomaram uma decisão impopular, separando os torcedores por arquibancada, deixando os mandantes nas principais e colocando os visitantes nas menores.”
ALAGOAS

Wellington Santos, repórter da Gazeta de Alagoas

“Alagoas é guerra. Eu não tenho esperança”

“A violência em Alagoas exige atenção máxima da Polícia. E não é só entre torcedores de CRB e CSA em Maceió, mas também quando algum desses clubes vai até Arapiraca enfrentar o ASA. Tenho certeza de que o nível é parecido com Rio e São Paulo. Há casos em que nem acompanhado da família o torcedor escapa de ser agredido. O poder público tenta, mas não consegue garantir segurança. Os ônibus são alvos constantes. A depredação é tanta que as empresas chegam a ameaçar não colocar os veículos em ação nos dias de clássico. É guerra. Até lanchonetes e shoppings são invadidos por torcedores que não têm limites e fazem do futebol um motivo para brigar. Não há motivos para acreditar que acabará.”

 

SERGIPE

Ivanilson Martins, repórter da rádio Jornal 540 AM

“Sergipe x Confiança sempre tem confusão”

“Os conflitos aqui acontecem sempre entre as torcidas do Sergipe e do Confiança. Quando se encontram, sempre acontece alguma confusão. A Secretaria de Segurança instaurou restrições, como proibir que os torcedores fossem aos estádios com uniformes das facções, e isso vigora até hoje. No ano passado, o Ministério Público também proibiu a entrada de instrumentos musicais, mas isso ficou frouxo e, mediante a liberação da federação, alguns conseguem. Apesar das mortes, o clima é tranquilo porque o número de filiados às organizadas é baixo. Assim, a Polícia consegue suprimir as confusões com mais rapidez.”
NATAL

Fábio Pacheco, repórter do Diário de Natal

“Em Natal, crianças mais longe do estádio”

“Aqui só acontecem as brigas no clássico entre ABC e América. Não são torcedores, são marginais que usam o futebol para promover briga. O próprio Ministério Público não consegue identificar quem são essas pessoas porque eles não são integrantes de uma facção organizada, só se infiltram nela para promover desordem. Geralmente, são duelos de gangues, brigas de bairro e até por controle de tráfico de drogas. Isso tem afastado o público dos estádios, principalmente as crianças. Mas, nos últimos anos, até que tem melhorado. A Polícia adotou métodos que são usados no Sudeste e está conseguindo controlar isso.”

Por Rogerinho – Lanús atropela o Olimpia e põe a faca no pescoço do Flamengo no Grupo 2

Argentinos vencem por 6 a 0 e praticamente se garantem. Resultado obriga Fla a derrotar o Emelec, quarta, no Equador, para não ficar em situação crítica

 

FONTE –  GLOBOESPORTE.COM Lanús, Argentina

O Lanús conseguiu na noite desta terça-feira uma imponente goleada sobre o Olimpia, no estádio La Fortaleza, na Grande Buenos Aires. O placar de 6 a 0 foi o mais elástico desta edição da Libertadores e deixou os argentinos muito perto de garantir um lugar nas oitavas de final. Ao mesmo tempo, complicou consideravelmente a situação do Flamengo na competição. O Rubro-Negro precisa vencer seus dois últimos jogos no Grupo 2 para se classificar sem depender de qualquer outro resultado. Pavone (dois), Camoranesi, Regueiro, Valeri e Romero fizeram os gols do triunfo grená nesta terça.

Com o resultado, o Lanús chegou a dez pontos e assumiu a liderança do Grupo 2. O Olimpia, com sete, aparece em segundo lugar. Flamengo (cinco) e Emelec (três), que se enfrentam na noite desta quarta-feira, em Guayaquil, vêm na sequência. Mesmo se perder, o Rubro-Negro não estará eliminado. Entretanto, ainda que empate, o time carioca não vai depender de suas próprias forças na última rodada. Para assegurar a classificação sem ter que secar rivais, o Flamengo tem de vencer tanto o Emelec quanto o Lanús, dia 12 de abril, no Engenhão.

O time argentino garante sua vaga se o Flamengo não vencer nesta quarta. Se os flamenguistas ganharem, o Lanús só precisa empatar no Engenhão. Até mesmo a derrota deve servir. Os grenás só ficam fora se perderem no Rio, se o Olimpia bater o Emelec, em Assunção, e ainda se o time paraguaio descontar uma diferença de 13 gols de saldo (8 a menos 5).

Mariano Pavone comemora gol do Lanús contra o Olimpia (Foto: AP)
Pavone comemora um dos gols que marcou pelo Lanús nesta terça-feira
.

O jogo começou com as equipes se estudando, com o jogo um tanto embolado pelo meio. O Olimpia chegou a dar o primeiro bom chute, com Zeballos, mas o chute da entrada da área saiu em cima do goleiro Marchesín.

O Lanús, quando foi ao ataque, logo mostrou sua força. Aos 12 minutos, Valeri recebeu na área, limpou a marcação e acertou a trave de Martín Silva. No minuto seguinte, não houve jeito. Regueiro fez boa jogada pela direita e cruzou rasteiro para Pavone. O atacante apareceu livre na entrada da pequena área e empurrou para a rede.

A situação do Flamengo
Se ganhar do Emelec: garante vaga com uma vitória simples sobre o Lanús, no Engenhão. Se empatar ou perder no Rio, tem de torcer por tropeço do Olimpia diante do Emelec, em Assunção.
Se empatar com o Emelec: o time se classifica se vencer o Lanús e se o Olimpia não ganhar do Emelec, no Paraguai. Se houver novo empate no Rio, a opção é torcer por vitória do Emelec sobre o Olimpia (por no máximo três gols de vantagem).
Se perder para o Emelec: tem de vencer o Lanús e torcer por um empate no Olimpia x Emelec para avançar às oitavas.

Em vantagem, o Lanús seguiu senhor da partida. O time argentino pouco foi ameaçado pelo Olimpia, que teve Orteman, seu melhor jogador, muito apagado. A superioridade do time da casa se fez valer novamente aos 28 minutos. Camoranesi, volante campeão mundial com a Itália em 2006 (é argentino de nascimento) aproveitou uma bola levantada na área e cabeceou com estilo. A conclusão saiu em cima do goleiro Martín Silva, que papou um frango: 2 a 0 Lanús.

Para completar o mau momento do Olimpia, o meia Marín, um dos maiores destaques do time paraguaio, saiu machucado ainda antes do intervalo. Hobecker entrou em seu lugar e pouco mudou o panorama do jogo.

Na volta para o segundo tempo, o Lanús tratou de matar logo o jogo. Aos 9 minutos, Regueiro fez boa jogada pela direita e serviu Pavone na área. O artilheiro saiu na cara do goleiro e não perdoou.

Com 3 a 0 no placar, o Lanús se manteve no ataque. O time voltou a marcar aos 14 minutos, novamente com Pavone, mas a arbitragem errou ao marcar impedimento do atacante. O quarto gol surgiu aos 25. Regueiro recebeu livre, entrou na área e bateu colocado, no cantinho. A bola ainda tocou a trave antes de entrar.

O Lanús, sobrando em campo, ampliou aos 31 minutos. Valeri soltou a bomba de fora da área e fez 5 a 0 em La Fortaleza. Aos 39, o golpe de misericórdia. Após longa troca de passes dos argentinos, Romero recebeu na área e fechou o caixão paraguaio.

Por Rogerinho – Barcelona e Bayern recebem bolada de R$ 10,2 milhões pela classificação

Catalães já acumularam mais de R$ 53 milhões em premiação na atual edição

Fonte Globoesporte.com –  Agência de notícias Barcelona e Munique

Barcelona e Bayern de Munique faturaram € 4,2 milhões (cerca de R$ 10,2 milhões) apenas por selarem nesta terça-feira a classificação para as semifinais da Liga dos Campeões da Europa, contra Milan e Olympique de Marselha, respectivamente. O time catalão, por exemplo, já acumulou € 22,1 milhões (mais de R$ 53 milhões) em prêmio durante todo o torneio, valor que ainda pode aumentar quase 40% caso a equipe conquiste a competição continental.

Apenas por participar da Champions, cada equipe recebe € 3,9 milhões. E cada partida da fase de grupos vale mais € 550 mil. Em caso de vitória, entram mais € 800 mil no caixa e se o resultado for um empate, mais € 400 mil.

Além disso, os times recebem premiações por classificação em cada fase: oitavas de final, € 3 milhões; quartas, € 3,3 milhões; e semifinais, € 4,2 milhões. O campeão receberá € 9 milhões, enquanto o vice leva € 5,6 milhões.

Além disso, os valores se tornam maiores quando somados os direitos televisivos, que as equipes que participam da Liga dos Campeões recebem. O último campeão – no caso o próprio Barcelona – recebeu € 20,3 milhões desse tipo de fonte.

Por Rogerinho – Barça despacha Milan com pênaltis polêmicos e novo recorde de Messi

Argentino marca dois gols em lances discutíveis e se torna o maior goleador de uma edição da Champions. Time espera por Chelsea ou Benfica na semi

FONTE – GLOBOESPORTE.COM Barcelona, Espanha

Esqueça a polêmica que envolveu as condições do gramado do San Siro na última semana: nada promete ser tão agitado nas próximas semanas como a discussão sobre os pênaltis marcados pelo holandês Björn Kuipers a favor do Barcelona nesta quarta-feira, no Camp Nou, pelo jogo de volta das quartas de final da Liga dos Campeões. O craque Lionel Messi nada teve a ver com isso e, com dois gols e novo recorde, garantiu mais uma classificação de sua equipe às semifinais da principal competição do continente, com vitória por 3 a 1 sobre o Milan.

O argentino marcou em ambas as vezes de pênaltis discutíveis. No primeiro, ele sofreu a falta de Antonini, mas teria voltado de uma posição de impedimento – o lateral italiano, porém, se atrapalhou ao dominar a bola e cometeu a infração com o carrinho, em lance que gerou dupla interpretação (veja os melhores momentos acima). No segundo, o zagueiro Nesta acabou como vilão ao puxar a camisa de Busquets em um escanteio. Nocerino ainda pôs fogo no jogo entre os dois gols, mas Iniesta selou a vaga na etapa final.

Messi marca dol Barcelona contra o Milan (Foto: Reuters)
Messi cobra o primeiro pênalti para abrir o placar: lance gerou polêmica
.

Com os dois gols, Messi tornou-se o maior artilheiro em uma edição da Champions, agora com 14, igualando-se ao brasileiro Mazzola na temporada 1962/63. Ele também ultrapassou a marca dos 50 gols na competição – tem 51 em 66 jogos – e ainda poderá ampliar a marca, já que tem pelo menos mais dois confrontos pela frente. O Barça, por sua vez, igualou o recorde do Real Madrid da década de 50 ao alcançar a semifinal pela quinta vez consecutiva.

O adversário do time de Pep Guardiola será conhecido nesta quarta-feira. Em Londres, o Chelsea receberá o Benfica com a vantagem de ter vencido por 1 a 0 no confronto em Lisboa, na última semana. Na outra chave, o Bayern de Munique derrotou o Olympique de Marselha por 2 a 0 e aguarda possivelmente pelo Real Madrid, que enfrentará o Apoel no Santiago Bernabéu, após ter vencido a partida de ida por 3 a 0.

Árbitro e, claro, Messi roubam a cena

Ibrahimovic na partida do Milan contra o Barcelona (Foto: Getty Images)
Ibrahimovic tenta se livrar da marcação de Piqué: sueco deu passe para gol de Nocerino
.

Seria raro Lionel Messi ter alguém protagonista como ele em um primeiro tempo que o Barcelona marcasse duas vezes – as duas com o argentino. Mas Björn Kuipers tratou de colocar mais polêmica em um clássico já quente desde a última semana.

Foram dois pênaltis assinalados na etapa inicial. O primeiro veio aos nove minutos, quando o Barça já tomava conta do jogo e havia assustado o goleiro Abbiati em duas oportunidades, ambas com Messi – a segunda após um passe sensacional de Fàbregas que caiu no pé direito da Pulga.

O zagueiro francês Mexès saiu jogando errado e entregou o ouro para o argentino, que preferiu o toque para trás. Antonini, porém, se atrapalhou e cometeu a falta no atacante, que teria se aproveitado de uma posição de impedimento na jogada – a bola veio do próprio lateral, que cortou passe de Xavi. Na cobrança, Messi colocou no canto direito e abriu o placar.

O Milan se atrapalhava com a movimentação do setor ofensivo catalão, que alternava de posicionamento. Seedorf também tinha dificuldades em acompanhar Xavi, assim como Ambrosini. Mas bastou uma jogada organizada para os rossoneros comprovarem o temor de Guardiola. Aos 32, Ibrahimovic deu ótima enfiada para Nocerino, livre na grande área, chutar rasteiro: 1 a 1.

Messi e Fabregas comemoram gol do Barcelona contra o Milan (Foto: AP')
Companheiros na base do Barcelona, Fàbregas e Messi comemoram mais um gol do Barcelona
.

A superioridade em campo já era evidente, mas não há como negar que o gol, que àquela altura classificava os italianos, deu novo gás aos donos da casa. Abbiati teve sua meta sufocada até o apito final e até fez um bom trabalho. Só não pôde com mais uma penalidade. Aos 39, Nesta puxou Busquets em cobrança de escanteio e viu Björn marcar a penalidade. Os italianos reclamaram, mas Messi nada tinha a ver com isso. Desta vez no canto esquerdo, o argentino anotou o seu segundo na partida, e 14º em toda a competição, igualando o recorde do brasileiro Mazzola, artilheiro na temporada 1962/63.

Iniesta amplia

Daniel Alves na partida do Barcelona contra o Milan (Foto: Reuters)Antonini e Nesta tiveram muito trabalho com o setor
ofensivo do Barcelona de Dani Alves (Foto: Reuters)

Milan e Barcelona voltaram sem substituições para a etapa final. E o panorama também não mudou. Dono da posse de bola, o time de Guardiola foi apenas colecionando mais finalizações. Aos três, em falta da entrada da área, Xavi fez Abbiati suspirar. Cinco minutos depois, porém, não houve jeito: Iniesta recebeu lançamento de Messi e deu um toque por cima para abrir uma confortável vantagem.

Precisando sair para o jogo, Allegri mexeu: pôs Aquilani e Alexandre Pato; Xavi, que não estava na melhor de suas condições, também deixou o gramado. E os visitantes encontraram espaço para oportunidades. Aos 16, Robinho roubou a bola de Piqué, avançou e concluiu para boa defesa de Valdés – o juiz, no entanto, deu um toque de mão do brasileiro. Do outro lado, a resposta veio da mesma moeda: Messi recebeu na meia-lua e entregou para Thiago Alcântara dentro da área. O brasileiro naturalizado espanhol chutou para fora.

O Milan tinha pressa, mas não conseguiu transformar sua ambição em um futebol que incomodasse de verdade o Barcelona. Alexandre Pato, que havia entrado no decorrer do segundo tempo e jogado pela primeira vez desde fevereiro, sentiu dores musculares e deu lugar a Maxi López. Não fez diferença, e graças a mais gols perdidos pelo Barça no fim, o placar não se transformou em goleada.

barcelona 3 x 1 milan
Valdés, Daniel Alves, Piqué (Adriano), Mascherano, Puyol; Busquets, Xavi (Thiago Alcântara) e Fàbregas (Keita); Cuenca, Messi e Iniesta. Abbiati, Abate, Nesta, Mexès e Antonini; Ambrosini, Nocerino e Seedorf (Aquilani); Boateng (Pato, depois Maxi López); Robinho e Ibrahimovic.
Técnico: Josep Guardiola. Técnico: Massimiliano Allegri.
Gols: Messi, aos dez, Nocerino, aos 32, e Messi aos 40 minutos do primeiro tempo; Iniesta, aos oito minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Antonini, Nesta, Robinho, Maxi López, Nocerino e Mexès (Milan); Mascherano (Barcelona).
Estádio: Camp Nou (Barcelona). Data: 03/04/2012. Árbitro: Björn Kuipers (HOL).

Por Rogerinho – Bayern elimina Olympique e mantém vivo sonho de decidir Liga em casa

Com Robben e Mario Gómez no banco, equipe de Munique derrota os franceses sem muito esforço no jogo de volta das quartas de final

Fonte –  GLOBOESPORTE.COM Munique, Alemanha

Com direito a estrelas no banco de reservas e sem muito esforço, o Bayern de Munique derrotou o Olympique por 2 a 0, confirmou sua passagem às semifinais da Liga dos Campeões e manteve vivo o sonho de disputar a final da competição em casa, na Allianz Arena, palco da partida desta terça-feira.

Para isso, a equipe bávara, que venceu graças a dois gols do atacante croata Olic, vai ter de eliminar Real Madrid ou Apoel – os dois times fazem o jogo de volta nesta quarta – na próxima fase.

Ivica Olic comemora gol do Bayern de Munique contra o Olympique (Foto: Reuters)
Ivica Olic comemora 1º gol do Bayern de Munique contra o Olympique
.

Como havia vencido em Marselha por 2 a 0, o Bayern de Munique se deu ao luxo de poupar seus dois principais jogadores no torneio: o artilheiro Mario Gómez e o holandês Robben. A dupla, entretanto, não fez falta alguma.

 Jupp Heynckes técnico do Bayern de Munique com os jogadores no banco de reserva (Foto: AFP)
Robben e Gómez no banco de reservas

Olic faz dois

Logo aos 13, Ribéry fez jogada individual e cruzou na medida para o croata Olic, substituto de Gómez, dar um carrinho e colocar no fundo da rede.

Na sequencia, o goleiro Mandanda evitou que o Bayern ampliasse com Tymoshchuk, Olic e Müller fazendo defesas espetaculares.

No entanto, aos 37, não teve jeito. Ribéry, sem pena nenhuma do seu ex-clube, roubou bola no campo de defesa do Bayern, puxou contra-ataque e tabelou com Alaba. O meia foi na linha de fundo e cruzou na medida para Olic ampliar: 2 a 0.

Franck Ribery na partida do Bayern de Munique contra o Olympique (Foto: Getty Images)
Ribéry teve participação decisiva nos dois gols do Bayern
.

Bayern diminui o ritmo

Com a vantagem larga (4 a 0 somando os dois confrontos), o Bayern, que não teve o volante Schweinsteiger (suspenso), colocou o pé no freio e sofreu alguns pequenos sustos na segunda etapa. Obviamente por conta da cabeça já estar focada num provável duelo com o Real Madrid nas semifinais.

O clube espanhol venceu a partida de ida diante do Apoel por 3 a 0 e pode perder por até dois gols de diferença no Santiago Bernabéu nesta quarta-feira que, mesmo assim, avança na Champions.

BAYERN DE MUNIQUE 2 X 0 OLYMPIQUE DE MARSELHA
Neuer, Boateng, Lahm, Badstuber, Ribéry, Alaba, Gustavo, Kroos (Pranjic), Tymoshchuk, Olić (Gómez), Müller (Rafinha) Mandanda, Azpilicueta, N’Koulou, Morel, (Amalfitano) Fanni, Cheyrou, Mbia, Brandão (Gignac), Rémy (Kaboré), A.Ayew, Valbuena
Técnico: Jupp Heynckes Técnico: Didier Deschamps
Gols: Olic, aos 13 e aos 37 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Alaba (Bayern), Mbia (Olympique)
Data: 03/04/2012 Estádio: Allianz Arena (Munique, Alemanha). Árbitro: Svein Oddvar Moen(Noruega)