Por Cleber Aguiar – Santos, 100 anos de Futebol Arte – Trailer Oficial

Fonte: Futebolinterior.com.br

Filme “Santos, 100 anos de Futebol Arte” tem mais de 500 unidades vendidas em 24 horas

“Santos, 100 anos de Futebol Arte”, filme oficial do centenário, já teve mais de 500 unidades comercializadas desde o início da pré-venda, na tarde da última segunda-feira (26), na Vila do Santos – loja oficial do Peixe na internet. Vendido pelo valor de R$ 32,90, o DVD tem entrega prevista para 14 de abril, dia do aniversário do Peixe. Clique aqui e garanta o seu!

O longa foi realizado pela produtora Canal Azul, em coprodução com a ESPN e o Grupo Bandeirantes de Comunicação. A pré-estreia do filme acontece às 19 horas desta terça-feira (27), no Cine SESC da Rua Augusta, nº 2.075, em São Paulo, dentro da programação do Festival É Tudo Verdade.

Além da apresentação, o filme será exibido no dia 18 de abril no CineMiramar (Av. Marechal Floreano Peixoto, nº 44 – 2º andar), em Santos, e no dia 19 de abril no Cine Livraria Cultura (Rua Padre João Manoel, nº 100 – Cerqueira), em São Paulo.

Com direção e roteiro da premiada cineasta Lina Chamie e produção de Ricardo Aidar, “Santos, 100 anos de Futebol Arte” contou com mais de um ano de intensa pesquisa em acervos no Brasil e no exterior, possibilitando o resgate de um material raro e inédito que vai mostrar a trajetória do clube.

Com 93 minutos, o longa traz depoimentos emocionantes de ídolos como Pelé, Robinho, Neymar e PH Ganso, além de entrevistas com torcedores famosos como a jornalista Barbara Gancia, o apresentador Marcelo Tas, os escritores José RobertoTorero, José Miguel Wisnik e Xico Sá, além do rapper Mano Brown que “contracena” com Cosmo Damião, fundador da torcida Jovem do Santos. A trilha sonora que embala as imagens é composta por nomes como Bee Gees, Pink Floyd, Prodigy e Darius Milhaud.

O filme é patrocinado pelo Carrefour e Besni, com o apoio cultural da Netshoes e Tenys Pé Baruel.

Ficha técnica

Direção e Roteiro: Lina Chamie

Produção: Ricardo Aidar e Katia Lund

Produção-executiva: André Canto e Sylvio Rocha

Montagem: Ricardo Farias

Fotografia: Miguel Vassy

Coprodução: ESPN e Grupo Bandeirantes de Comunicação

Realização: Canal Azul

DEPOENTES POR ORDEM DE APARIÇÃO

COSMO DAMIÃO / MANO BROWN / MARCOS GORDINHO / BARBARA GANCIA / NUNO RAMOS/ PELÉ / DIEGO / JOÃO DORIA JR / LINA CHAMIE / SEU MANECO / WALDIR A. SANTOS / FELIPE GRECHE BARBOSA / JOSÉ “JOTA” PAULO FERNANDES / ALEXANDRE RENZO / GABRIEL LOMBARDI / ROBINHO / GUILHERME GUARCHE / JOSÉ ROBERTO TORERO / FORMIGA / LUIS ALVARO DE OLIVEIRA RIBEIRO / PEPE / RODRIGO MARUCA / FELIPE MELLO / ANDRÉ VILLAÇA / LUIZ ZANIN / JOSÉ MIGUEL WISNIK / CARLOS ALBERTO TORRES / ZUCA / CAO HAMBURGER / XICO SÁ / ODÍLIO RODRIGUES FILHO / PITA / GILBERTO COSTA / ARMÊNIO NETO / RODOLFO RODRIGUEZ / SEGINHO CHULAPA / GIOVANNI / CAMANDUCAIA / CABRALZINHO / ELANO / LÉO / EMERSON LEÃO / MÔNICA WALDVOGEL / FELIPE RAMALHO ALVES SANTOS / RODRIGO “DIG BOM” RODRIGUES / NEYMAR / P. H. GANSO / JAMELLI / MARTA NUNES / RAFAEL / EDU DRACENA / MENGÁLVIO / LIMA / MILTON NEVES / MARCELO TAS.

DIREÇÃO

Lina Chamie

Lina Chamie é formada pela New York University e obteve seu mestrado pela Manhattan Schoolof Music (1991). Trabalhou mais de 10 anos no departamento de cinema da New York University, em Nova Iorque.

Dirigiu vários filmes, entre eles, o premiado curta-metragem “Eu Sei Que Você Sabe”. “Tônica Dominante”, seu longa-metragem de estreia, recebeu, entre outros prêmios, o Kodak Vision Award – WIF – Los Angeles; e o prêmio da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de Melhor Fotografia em 2001.

O seu segundo longa-metragem, “A Via Láctea”, recebeu o prêmio Casa de América no “Cine en Construccíon” no Festival Internacional de San Sebastían, Espanha 2006. “A Via Láctea” teve estreia mundial no festival de Cannes e desde então foi visto em mais de 30 países, recebendo inúmeros prêmios e o prestigio da crítica nacional e internacional.

Sobre o Canal Azul

O Canal Azul é uma produtora especializada na criação e produção de conteúdo audiovisual, sobretudo para as mídias Cinema, TV e Internet. São obras, entre documentários, séries e programas, realizadas em parceria com os maiores grupos de comunicação do Brasil e do mundo como ESPN, Grupo Bandeirantes de Comunicação, Globosat, Rede Globo, Rede Record, TV Cultura, Discovery Channel, National Geographic Channel, ZDF e Twentieth Century Fox, veiculadas em mais de 130 países e em 35 línguas.

 O filme sobre o centenário do Santos é o primeiro de uma série sobre o clube. “Meninos da Vila – a Magia do Santos” será dirigido por Katia Lund e já está em fase de produção e “Santos de todos os gols”, previsto para 2014, completam a trilogia produzida pelo Canal Azul.

As últimas produções do Canal Azul no segmento esportivo foram para o Sport Club Corinthians através de uma trilogia que começou com o filme “23 anos em 7 segundos”, dirigido por Di Moretti e Júlio Xavier. Em seguida “Todo Poderoso: o filme – 100 anos de Timão”, com direção de André Garolli e Ricardo Aidar, e “4x Timão – A Conquista do Tetra Corinthiano”, com direção de Di Moretti. Para reforçar o posicionamento da produtora na produção de documentários sobre futebol, foi acertado com a Sociedade Esportiva Palmeiras uma trilogia que começa com o filme 12 de junho de 93 – contando a história sobre um dos mais importantes títulos do Palmeiras com a direção do jornalista esportivo Mauro Beting.

Acompanhe o Santos FC nas mídias sociais:
Orkut: http://www.orkut.com.br/santosfc
Facebook: http://www.facebook.com/santosfc
Youtube: http://www.youtube.com/santostvoficial
Flickr: http://www.flickr.com/santosfc
Twitter: @santosfc | @santosfcaovivo | @multiplicacao

ICFUT – Campeonato Paulista de futebol 2012 – 28/03/2012

Fonte:Futebolinterior.com.br

[videolog 746344]

Paulistão: Rodada pode classificar Mogi Mirim e acirrar briga pela Série D

O time de Guto Ferreira precisa de apenas um vitória para confimar a vaga

JOGOS AO VIVO DO CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL – CLIQUE AQUI

 A 16ª rodada do Campeonato Paulista Chevrolet, que começa nesta quarta-feira, pode ser pra lá de especial para o Mogi Mirim. Dentro de casa, o Sapão da Mogiana pode ser o terceiro time a confirmar a classificação para a próxima fase da competição. Para isso basta um simples vitória sobre o Ituano, às 19h30, para a equipe confirmar a vaga e de quebrar garantir o direito de disputar a Série D do Campeonato Brasileiro.

A rivalidade entre Palmeiras e Corinthias seguirá acesa nesta quarta-feira. Os dois times podem assumir a liderança do torneio aproveitando que o primeiro colocado São Paulo só entra em campo na quinta-feira. No caso do Timão as coisas são mais simples, basta uma vitória sobre o XV de Piracicaba, no Pacaembu, pelo lado alviverde, o time precisa de um tropeço do maior rival e uma vitória sobre o Paulista, fora de casa.

Vai carimbar?
O jogo é válido pelo Campeonato Paulista, mas o que realmente vai entrar em campo é a briga por uma vaga na Série D do Brasileiro. Nesta quarta-feira, Mogi Mirim e Ituano se enfrentam no Estádio Romildo Gomes Ferreira, às 19h30, em um confronto onde os dois times lutam por um lugar na competição nacional.

Sensação do Paulistão e defendendo uma invencibilidade de oito jogos, seis vitórias e dois empates, o Sapão da Mogiana se encontra na quinta colocação, com 30 pontos. Uma vitória garante matematicamente os donos da casa nas quartas-de-final e também na Série D. Animado com a vitória sobre o Botafogo, por 1 a 0, o Galo de Itu chegou aos 18 pontos e é o 11º colocado.

Reservas pela ponta
O Corinthians não dá muita importância para o confronto desta quarta-feira, contra o XV de Piracicaba, às 22 horas, no Estádio Pacaembu, e por isso vai entrar com um time praticamente todo reserva. Enquanto isso, o adversário entra bastante motivado, querendo acabar com um jejum de 17 anos e deixar a zona de rebaixamento.

Com a classificação garantida após a vitória no clássico sobre o Palmeiras, por 2 a 1, o Timão está mais tranquilo no Paulistão, aparecendo na vice-liderança, com 34 pontos, mas uma vitória garantiria a liderança, pelo menos de forma provisória, já que o São Paulo enfrenta o Catanduvense apenas na quinta-feira. O Tricolor tem a mesma pontuação, mas leva vantagem nos critérios de desempate.

Enquanto isso, o XV de Piracicaba se encontra na 17ª colocação, com 11 pontos e vem animado com a vitória sobre o Guaratinguetá, por 2 a 0. Se vencer, o time deixa a degola e fica na torcida por uma derrota do Catanduvense contra o São Paulo. Além disso, o Nhô Quim tenta quebrar um longo jejum, que já dura 17 anos, de não vencer nenhum dos quatro grandes (Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos).

Vai voltar?
O Palmeiras perdeu a liderança após ser batido pelo Corinthians, mas tem a chance de retomar a ponta nesta quarta-feira, quando enfrenta o Paulista, às 22 horas, no Estádio Jayme Cintra. Para isso acontecer, o Verdão precisa vencer e torcer para o Timão tropeçar diante do XV de Piracicaba. O líder São Paulo entra em campo apenas na quinta-feira, contra o Catanduvense.

Além de ser derrotado por seu maior rival no último domingo – perdeu por 2 a 1 -, o Palmeiras viu também a invencibilidade no Paulistão ir por água abaixo. Com isso, o time alviverde estacionou nos 32 pontos e caiu para a terceira colocação, sendo ultrapassado por São Paulo e Corinthians, ambos com 34. O Verdão se apega ao bom aproveitamento que tem fora de casa no Paulistão para bater o time de Jundiaí. São cinco vitórias, um empate e uma derrota.

A derrota para o Oeste, por 2 a 1, acabou dificultando o Paulista na luta por uma vaga no G8, já que estacionou nos 19 pontos em nono lugar. A diferença para o Bragantino, oitavo colocado, é de quatro pontos. O primeiro pensamento do time de Jundiaí é na Série D do Brasileiro e para isso acontecer precisaria terminar na frente de Linense, Ituano e Mirassol.

Revanche?
O empate com sabor de derrota no dérbi contra o Guarani, por 1 a 1, já é passado na Ponte Preta. Na luta por uma vaga à segunda fase do Campeonato Paulista, a Macaca encara um adversário que está “entalada na garganta” desde o Brasileiro da Série B. O duelo será contra a Portuguesa, nesta quarta-feira, às 19h30, no Estádio Moisés Lucarelli.

Na Divisão de Acesso do ano passado, a Lusa “passeou” e ganhou os dois confrontos. No Majestoso, goleou por 3 a 0, enquanto no Canindé bateu, por 2 a 1. Os tempos, no entanto são outros. Na Série B, os paulistanos estavam voando baixo e ganharam o apelido de “Barcelusa”. Hoje, tentam se recuperar de um início de Paulistão decepcionante.

Apesar da cautela, o momento favorece os campineiros. Mesmo após o empate no dérbi, o time segue distante dos primeiros fora do G8. Atualmente, os alvinegros estão no sétimo lugar, com 25 pontos. Seis a mais que Paulista e Linense, nona e décimo, respectivamente. Já a Lusa tem poucas chances de classificação, já que ocupa apenas a 13ª colocação, com 17 pontos.

Jejum
Na zona do rebaixamento, o Botafogo tenta manter a esperança de permanecerna elite do Paulistão e encerrar uma série de seis derrotas consecutivas no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, nesta quarta-feira, às 19h30, contra o São Caetano.

A última vitória diante o torcedor da equipe aconteceu ainda na segunda rodada, no distante dia 25/01. De lá para cá foram quase dois meses e tropeços para Comercial, Santos, Mogi Mirim, Ponte Preta, Palmeiras e Ituano todos no Santa Cruz.

A péssima campanha refletiu na classificação, pois o Botafogo é o vice-lanterna do Paulistão, com dez pontos. O São Caetano, por sua vez, também não faz boa campanha. O time do ABC não vence há oito partidas sendo cinco empates e três derrotas, campanha que deixou o time na 14ª posição, com 16 pontos.

É vencer ou vencer
O Comercial aposta suas últimas fichas para evitar o rebaixamento no Campeonato Paulista Chevrolet. E para superar o jejum de vitórias que já dura 11 rodadas, o Bafo aposta na força de sua torcida. Com direito a promoção de ingressos, o time joga com a obrigação de vencer o concorrente direto Oeste, nesta quarta-feira, às 19h30, no Estádio Palma Travassos.

Nos últimos 11 jogos, o Comercial conquistou apenas dois empates. A má sequência o derrubou para a última posição, com oito pontos, e uma nova derrota deve praticamente sacramentar seu rebaixamento. Hoje, o site Chance de Gol aponta que os alvinegros possuem 97,8% de chances de cair.

Em compensação, o clube de Itápolis tenta manter o embalo de duas vitórias consecutivas. Nas últimas rodadas, o time bateu Portuguesa, por 3 a 2, e o Paulista, por 2 a 1. Com isso, assumiu 15ª posição, com 16 pontos, fora da degola, e ainda na briga por vaga à Série D do Brasileiro.
Confira os jogos da 16ª rodada:

Quarta-feira
19h30
Ponte Preta x Portuguesa

Mirassol x Bragantino
Comercial x Oeste
Mogi Mirim x Ituano
Botafogo x São Caetano
22 horas
Corinthians x XV de Piracicaba

Paulista x Palmeiras

Quinta-feira
19h30
Santos x Guaratinguetá

São Paulo x Catanduvense
Guarani x Linense

Por Eder – Cássio fala sobre sua estreia com a camisa do Timão

Fonte Agência CORINTHIANS

 

Assim que as atividades foram encerradas no CT Joaquim Grava, nesta terça-feira (27), os jogadores Ramon e Cássio concederam entrevista coletiva na sala da imprensa.

O goleiro, que fará seu jogo de estreia nesta quarta-feira (28), contra o XV de Piracicaba, falou sobre a ansiedade. “Nós sempre ficamos nervosos na primeira partida, mas o professor confiou em mim e me deu esta chance. Estou preparado, só tenho que me dedicar como nos treinos e tudo dará certo”, afirmou o arqueiro. Que completou: “Só o fato de jogar pelo Corinthians já é uma pressão. Não podemos escolher quando jogar, toda partida aqui é importante. Estou preparado e espero fazer um bom jogo amanhã”, finalizou.

Ramon falou sobre a união do elenco. “A força do grupo está prevalecendo. Nós buscamos a liderança, o importante é vencer e convencer. Prefiro ganhar de 1 a 0, mas jogar bem ao invés de fazer 3 a 0 e jogar um péssima partida”, disse o lateral. O jogador também falou sobre como é entrar em campo pelo Timão. “É muito importante jogar com a camisa do Corinthians. A torcida não liga para quem a usa, desde que use com orgulho e dê o seu melhor”, encerrou o atleta.

ICFUT – Liga dos Campeões 2011/2012

Fonte: Folha.com

JOGOS AO VIVO DA LIGA DO CAMPEÕES – CLIQUE AQUI

Contra o Barcelona, Milan revê espelho do que era nos anos 90

RAFAEL REIS
DE SÃO PAULO

Enfrentar o Milan é, para o Barcelona, como olhar no espelho e viajar no tempo.

O time italiano foi, duas décadas atrás, praticamente tudo o que a equipe catalã representa nos dias atuais.

Antes do Barcelona, o último clube a gozar de um incontestável rótulo de melhor do mundo por anos a fio foi o Milan do fim da década de 1980 e começo da de 1990.

  Olivier Morin – 27.mar.2012/France Presse  
Robinho (dir.) dá risada junto com os seus colegas durante treino do Milan
Robinho (dir.) dá risada junto com os seus colegas durante treino do Milan

Entre 1989 e 1995, o time rubro-negro só ficou fora de duas finais da Copa dos Campeões. Faturou três títulos. O bicampeonato em anos consecutivos, conquistado em 1989 e 1990, não foi repetido por ninguém desde então.

Dentro da Itália, foram quatro troféus em sete temporadas. Três deles na sequência: 1992, 1993 e 1994.

No melhor momento, esse Milan tinha Rijkaard, Gullit e Van Basten, um trio de holandeses que representava boa parte do talento disponível no futebol de sua geração.

O Milan que marcou época jogava bonito em um país cujas maiores características sempre foram a solidez defensiva e a rigidez tática.

O Barcelona de Lionel Messi, já aclamado com um dos maiores esquadrões da história, levantou três Copas dos Campeões desde 2006.

Mas ainda não conseguiu se tornar tão frequente em decisões europeias quanto o antecessor –foi campeão em todas as finais que alcançou.

Vencedor das três últimas temporadas espanholas, redefiniu o conceito de futebol bem jogado e se transformou em um modelo de sucesso.

E fez tudo isso baseando sua melhor fase em um trio até mais talentoso que o do Milan de 20 anos atrás, composto por Messi, Xavi e Iniesta, todos formados no clube.

Hoje, o time italiano terá de detê-los para ter certeza que, ao fim da temporada, o Barcelona não irá lhe tirar o rótulo de última equipe bicampeã europeia de fato.

O confronto de ida das quartas de final, em Milão, será o terceiro entre os clubes nesta Copa dos Campeões.

Barcelona e Milan estiveram no mesmo grupo. Foram dois jogos apertados, com um triunfo por 3 a 2 dos espanhóis e um empate em 2 a 2.

“Não queria que nos encontrássemos. Quando você joga contra o Milan, sabe que ele pode te eliminar”, afirmou o técnico Pep Guardiola, que alertou sobre o perigo do sueco Ibrahimovic, seu antigo desafeto.

NA TV
Milan x Barcelona
15h45 Band, Globo, ESPN e ESPN HD

  Allsport UK  
Ruud Gullit, do Milan, e Maradona, do Napoli, disputam jogada em maio de 1988 pelo Campeonato Italiano
Ruud Gullit, do Milan, e Maradona, do Napoli, disputam jogada em maio de 1988 pelo Campeonato Italiano

 

Apoel 0x3 Real Madrid

Kaká brilha, Real vence por 3 a 0 e cola na semi da Champions

THIAGO BRAGA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Com uma assistência e um gol de Kaká, que começou no banco, o Real Madrid venceu o Apoel, em Nicósia (Chipre), por 3 a 0 e deixou a sua classificação para as semifinais da Copa dos Campeões muito bem encaminhada.

Na partida de volta, dia 4 de abril (quarta-feira), os espanhóis podem até perder por dois gol de diferença que avançam. Os cipriotas, que estão pela primeira vez em sua história na fase de mata-mata do torneio, precisam fazer 3 a 0 para pelo menos levar a decisão para prorrogação. Se vencer por quatro gols de diferença ou por três, desde que faça quatro ou mais gols (4 a 1, 5 a 2…), eliminará o Real.

  Patrick Baz/France Presse  
Kaká festeja com Marcelo gol do Real Madrid
Kaká festeja com o lateral esquerdo Marcelo o segundo gol do Real Madrid sobre o Apoel, no Chipre

O técnico José Mourinho surpreendeu e deixou os brasileiros Marcelo e Kaká no banco de reservas. E escalou uma dupla de centroavantes, formada por Higuaín e Benzema.

“Nós somos favoritos, não podemos negá-lo. Apoel e Real não podem se comparar. Somos favoritos pelo nosso potencial esportivo e econômico. Mas os respeitamos muito, estudamos sua evolução. Será uma partida complicada”, disse Mourinho, antes do jogo.

Um estudo feito pelo site “Transfer Market”, especializado em avaliações no futebol, apontou que o elenco do Real Madrid vale 36 vezes mais do que o do Apoel: 542 milhões de euros contra 15 milhões de euros.

Só Kaká custa ao Real Madrid o mesmo que todo o elenco do rival. O salário de Cristiano Ronaldo é ainda maior: € 12 milhões por temporada.

O JOGO

Sabendo de toda a sua desvantagem perante o clube espanhol, maior vencedor da Copa dos Campeões, com nove taças, o técnico Ivan Jovanovic, mesmo jogando em casa, armou uma retranca feroz na tentativa de parar Cristiano Ronaldo, Özil, Benzema e companhia.

Com 6min, os visitantes já tinha 66% de posse de bola. Mas o Real trocava passes de um lado ao outro, rodando a bola, mas sem conseguir criar chances de gol. A primeira, casual, foi aos 11min quando, no rebote da zaga, a bola sobrou para Özil, que chutou, mas Chiotis espalmou.

A tática de Jovanovic dava certo. Ele conseguia travar o time do Real Madrid, encurtando o espaço e dificultando a troca de passes dos espanhóis. O time voltou a chegar só aos 30min. Sahin acionou Cristiano Ronaldo na esquerda, que bateu cruzado, mas o goleiro Chiotis defendeu em dois tempos.

  Thanassis Stavrakis/Associated Press  
Cristiano Ronaldo e Higuain (de branco) disputam jogada contra rivais do Apoel
Cristiano Ronaldo e Higuain (de branco) disputam jogada contra rivais do Apoel

Era um jogo de ataque contra defesa. E estava claro que o Real em pouco tempo marcaria. O gol só não saiu porque Benzema, já na pequena área e sem goleiro, chutou por cima cruzamento de Sahin, perdendo um gol inacreditável.

Para o segundo tempo, o Real voltou muito mais ligado. E passou a pressionar, ser mais incisivo e chutar de fora da área, embora a pontaria não fosse das melhores.

Para se ter ideia da supremacia dos espanhóis, no primeiro ataque efetivo do Apoel, aos 13min da segunda etapa, Aìlton fez um salseiro na esquerda e foi derrubado por Sérgio Ramos. Falta lateral para os cipriotas. O estádio irrompeu em gritos, como se fosse um gol. A zaga espanhola, porém, rechaçou a cobrança de Charalambides e acabou com a festa dos donos da casa.

Mesmo mais efetivo do que no primeiro tempo, Mourinho mudou o time. Sacou Higuaín e Fábio Coentrão para promover as entradas de Kaká e Marcelo, na tentativa de dar mais força ao ataque da equipe. E deu resultado. Em 4min, pressão total que quase resultou no gol, mas o Apoel se segurou como pôde.

Mas aos 29min, não teria jeito. Kaká deu lindo passe na cabeça de Benzema. O centroavante, livre, desta vez não desperdiçou, e de cabeça marcou.

O que se viu depois foi uma pressão que o Real ainda não tinha praticado em toda a partida. O Apoel acusou o golpe e se safou em três oportunidades de levar o segundo. O que só não aconteceu graças ao goleiro Chiotis.

Só que Chiotis não conseguiu evitar o segundo tento, aos 36min. Bela tabela entre Marcelo e Cristiano Ronaldo, que devolveu de calcanhar para o lateral, que invadiu a área e cruzou para trás. Kaká, livre, bateu para ampliar.

No fim, aos 43min, o gol que praticamente assegurou a classificação. Contra-ataque rápido do Real. Cristiano Ronaldo saiu em velocidade, tocou para Özil, que cruzou para Benzema marcar o seu segundo na partida.

Chelsea vence em Portugal e fica a um empate da semifinal da Champions

RAPHAEL MARCHIORI

O Chelsea abriu vantagem no duelo com o Benfica por uma vaga na semifinal da Copa dos Campeões. Nesta terça-feira, no estádio da Luz, o time inglês venceu por 1 a 0 e agora joga por um empate na partida de volta, no dia 4 de abril.

O gol do jogo foi marcado pelo marfinense Kalou, aos 30min do segundo tempo.

Com a vitória, o Chelsea poderá empatar no Stamford Bridge para se classificar à semifinal. O vencedor deste duelo enfrentará o time que passar do confronto entre Milan e Barcelona.

Já o Benfica terá de vencer por dois gols de diferença ou por um gol desde que marque mais de um tento na partida de volta (2 a 1, 3 a 2…). Outro 1 a 0, mas em favor dos portugueses, levará a decisão para a prorrogação.

  Armando Franca/Associated Press  
Ex-jogador do Benfica, David Luiz (à esq.)abeceia a bola na partida do Chelsea em Lisboa
Ex-jogador do Benfica, David Luiz (à esq.)abeceia a bola na partida do Chelsea em Lisboa

ICFUT – Copa Libertadores 2012 – Noticías 28/03/2012

Nacional-URU 1 x 0 Alianza Lima-PER – Copa Libertadores 2012

Fonte: Gazetaesportiva.net

Flamengo encara ‘decisão’ contra o Olimpia pela Libertadores

Gazeta Press Assunção (Paraguai)

 

O Flamengo tem um jogo fundamental para seu futuro na Copa Libertadores nesta quarta-feira, quando visita o Olimpia no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai, às 22h (de Brasília), pelo desfecho da quarta rodada do Grupo 2 do torneio continental. Atualmente o Rubro-Negro é o vice-líder da chave com cinco pontos, dois a menos que o Lanús, da Argentina. Mas se for derrotado deixará a zona de classificação para as oitavas de final, já que será superado pelos próprios paraguaios, que aparecem na terceira colocação com quatro pontos.

As duas equipes se reencontram menos de duas semanas depois de terem empatado por 3 a 3 no Rio de Janeiro. Naquela ocasião os flamenguistas abriram 3 a 0, mas acabaram cedendo o empate. O resultado gerou muitas críticas por parte da imprensa e da torcida e aumentaram as cobranças sobre o técnico Joel Santana e seus comandados.

“Realmente será um jogo complicado porque temos na nossa mente tudo o que aconteceu naquela ocasião. Esperamos um Olimpia muito complicado de ser batido, pois é um time que não desiste do resultado, tem muita técnica e é equilibrado dentro de campo. Mas o Flamengo também tem seus objetivos na competição e vamos em busca de um triunfo”, disse o atacante Vagner Love.

A expectativa é de um jogo de muita rivalidade. Não apenas pelo que aconteceu no jogo do Rio de Janeiro, mas também pela maneira como os estrangeiros costumam ser recebidos no Defensores del Chaco. Normalmente a torcida paraguaia usa até de pedras e exagera nas hostilidades. Algo para o que o Flamengo também está preparado.

“Estamos indo para uma guerra e temos consciência disso. Mas estamos focados na realização de uma grande partida e na conquista dos três pontos”, disse Joel Santana, pouco antes da viagem ao Paraguai.

Sobre o resultado que espera em campo, o Flamengo adota o discurso de que jogará pela vitória, mas admite que o empate será um bom resultado, pois manterá a equipe na zona de classificação.

“O Flamengo sempre entra em campo com o pensamento de vitória. Mas se ao fim de noventa minutos o jogo terminar empatado não devemos nos desesperar, pois seguiremos na frente. O que não pode é a gente perder”, disse o lateral esquerdo Junior Cesar.

Para este compromisso, o Flamengo tem reforços em relação ao confronto contra o Volta Redonda, quando ganhou por 4 a 2 pela Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca: o zagueiro chileno Marcos González e os meias Darío Bottinelli e Ronaldinho Gaúcho. Em compensação, o volante Kléberson e o atacante Diego Maurício, que se destacaram no fim de semana, ficaram de fora da viagem por não estarem inscritos na Libertadores.

Pelo lado do Olimpia, o técnico Gerardo Pelusso passou os últimos dias respondendo a perguntas sobre como marcar Ronaldinho Gaúcho. Ele descartou uma marcação individual.

“Não vou ser hipócrita de dizer que o Ronaldinho Gaúcho não preocupa. Mas também não vou impor uma marcação individual, pois o Flamengo não é só o Ronaldinho, tem também o Vagner Love, o Leonardo Moura e outros grandes jogadores. Não podemos deixar nenhum deles passear sozinho em campo”, disse Gerardo Pelusso.

Em relação ao time que vai a campo Pelusso vai manter força máxima e repetir a escalação que atuou no jogo de ida. Ele poupou titulares no fim de semana, quando o Olimpia derrotou o Guarani por 1 a 0 e segue na liderança do Torneio Apertura do Paraguai com vinte pontos conquistados.
OLIMPIA-PAR X FLAMENGO-BRA

Local: Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (Paraguai)
Data: 28 de março de 2012 (Quarta-feira)
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Enrique Osses (Chile)
Assistentes: Francisco Mondria (Chile) e Carlos Astroza (Chile)

OLIMPIA: Martín Silva, Francisco Nájera, Adrián Romero, Enrique Meza e Sebastián Ariosa; Eduardo Aranda, Fabio Caballero, Sergio Orteman e Vladimir Marín; Maxi Biancucchi e Luis Caballero
Técnico: Gerardo Pelusso

FLAMENGO: Felipe, Leonardo Moura, Marcos González, David Braz e Junior Cesar; Willians, Muralha, Luiz Antonio, Darío Bottinelli e Ronaldinho Gaúcho; Vagner Love
Técnico: Joel Santana

Com Thiago Neves, Abel define Fluminense para encarar Zamora

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

O Fluminense está definido para o duelo desta quinta-feira, às 22h(de Brasília), diante do Zamora no Estádio La Carolina, em Barinas, na Venezuela, pela quinta rodada do Grupo 4 da Copa Libertadores. Na manhã desta terça-feira o técnico Abel Braga comandou um treino tático nas Laranjeiras e anunciou que o meia Thiago Neves será titular diante dos venezuelanos. A escalação do jogador era dúvida por conta de um estiramento muscular na parte posterior da coxa direita, sofrido durante a vitória por 2 a 1 sobre o Boca Juniors, na Argentina.

“Conversei com o Thiago Neves e perguntei se ele preferia entrar no decorrer da partida, jogando entre quarenta e cinco e sessenta minutos, ou se ele preferia começar no time e ver quanto aguentaria em campo. Ele não pensou duas vezes e disse que gostaria de jogar desde o início. Portanto, decidi dessa maneira e ele vai estar cem por cento ao longo do período que permanecer no gramado. Mas com certeza isso não vai durar os noventa minutos”, comentou Abel Braga, sem esconder a satisfação  pela recuperação do atleta.

Desde de segunda-feira que o jogador já dava sinais de que estaria em campo diante do Zamora. “Podem contar comigo, pois estarei em ação para ajudar o Fluminense neste difícil compromisso pela Copa Libertadores. Tenho cansado nos treinos, não devo aguentar os noventa minutos ainda, mas estou preparando para jogar”, afirmou o apoiador.

Thiago Neves ganhou o direito de escolher se ia começar jogando ou ficar no banco de reservas por conta da determinação que mostrou ao longo dos treinamentos. Desde que a lesão foi diagnostica o atleta vem realizando com o máximo de disciplina todo o tratamento. Sua presença nas Laranjeiras era constante inclusive nos finais de semana e nas folgas dos demais jogadores.

“O Thiago Neves se empenhou muito por essa recuperação e espero que tudo o que aconteceu fique para trás. Ele é um atleta muito importante para o nosso grupo, um cara de conjunto. Dentro de campo então nem se fala, pois se apresenta para receber a bola o tempo todo, sua movimentação é constante e facilita a nossa maneira de atuar”, elogiou Abel Braga.

Outra boa notícia que Abel Braga recebeu foi a recuperação do lateral esquerdo Carlinhos, que deixou a vitória por 2 a 0 sobre o Bonsucesso, no sábado passado, pela Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca, com dores no joelho esquerdo, já que recebeu uma pancada no local. Em tratamento desde a noite de sábado, ele se recuperou e treinou normalmente com o elenco.

Na atividade, o comandante dividiu o elenco em três grupos e trabalhou a movimentação dos homens de frente, assim como o apoio dos laterais. Depois, ensaiou algumas jogadas de bola parada, com Thiago Neves e Deco tendo a missão de fazer as cobranças. O foco da atividade deixa evidente que o Fluminense espera uma forte retranca dos venezuelanos.

Pelo que se viu na atividade desta terça-feira e com a recuperação de Thiago Neves o Fluminense vai a campo nesta quinta-feira com a seguinte escalação: Diego Cavalieri, Bruno, Anderson, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Deco e Thiago Neves; Wellington Nem e Fred.

Após o treinamento os jogadores seguiram diretamente para o aeroporto onde embarcaram para Caracas, capital da Venezuela, seguindo depois para Barinas em vôo fretado. Nesta quarta-feira acontecerá um treino em território venezuelano.

Com nove pontos conquistados e na liderança do Grupo 4, o Fluminense pode garantir de maneira antecipada a sua classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores. Para isso o Tricolor, que tem cem por cento de aproveitamento, precisa ganhar e torcer para que o Arsenal não derrote o Boca Juniors em duelo argentino também programado para esta quinta-feira em La Bombonera, em Buenos Aires.

 

 

 

Por Cleber Aguiar – No dia do adeus, Edmundo repassa carreira: ‘Vivi uma vida de férias’

Fonte: Globo.com

Ex-atacante, que se despede nesta quarta em amistoso entre Vasco e Barcelona-EQU, diz que gosto pelo Rio o fez desperdiçar chances de se projetar internacionalmente

Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro

Na última vez que disputou uma partida, Edmundo chorou com os milhares de torcedores do Vasco, que amargou o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro. Pouco mais de três anos depois, o dia é de sorrir. Empenhado em deixar uma última impressão feliz, o já ex-atacante, agora com 40 anos, promove nesta quarta-feira, em São Januário, às 19h30m (de Brasília), um amistoso de despedida dos gramados. O adversário é o Barcelona de Guaiaquil, no confronto que o Animal define como aquele que gostaria de ter disputado em 1998. Naquela ocasião, o time cruz-maltino conquistou o título da Libertadores já sem aquele que fora seu maior astro na campanha vitoriosa do Brasileirão um ano antes. A arbitragem será de Marcelo de Lima Henrique, auxiliado por Wagner de Almeida Santos e Jackson Lourenço. O SporTV transmite o jogo ao vivo, e o GLOBOESPORTE.COM acompanha em Tempo Real.

Nas últimas semanas, Edmundo procurou se condicionar da melhor maneira para o seu adeus. Ele realizou cinco treinos com o Vasco, que terá sua equipe titular contra Barcelona – já os equatorianos escalarão uma equipe reserva reforçada pelo veterano Nicolás Asensio, que disputou a final da Libertadores de 98. O objetivo do ex-atacante era estar o mais perto possível do nível dos demais atletas e, assim, segundo ele, não causar uma nova decepção. Mas em meio a tanta preparação, ele sabe que dificilmente conterá a emoção. O clube prepara uma série de homenagens Edmundo, que começam antes de a bola rolar.

Edmundo São Januário Vasco (Foto: Gustavo Rotstein/Globoesporte.com)Edmundo em São Januário: local de sua despedida oficial será a casa do Vasco (Foto: Gustavo Rotstein/Globoesporte.com)

E nos últimos dias, Edmundo passou a limpo uma carreira de 16 anos como profissional. Foram títulos, atuações antológicas e polêmicas. Mas numa trajetória de altos e baixos, algo foi constante: o amor pelo Vasco, pelo qual atuou 240 vezes e marcou 135 gols. E o desejo de estar perto do clube e do país foi, segundo ele, algo que o impediu de ter uma projeção ainda maior, principalmente no cenário internacional. Em entrevista ao GLOBOESPORTE.COM, o Animal refletiu sobre sua caminhada e mostrou que a imaturidade da juventude foi seu maior marcador.

GLOBOESPORTE.COM – O ano de 1997 foi o mais marcante da sua carreira, com você sendo o principal nome do Vasco na conquista do Campeonato Brasileiro. Muito falam que você foi o melhor jogador do mundo naquela temporada. Concorda?

Edmundo – Isso é muito relativo. Hoje os europeus olham com mais respeito para o Brasil e para o nosso futebol. Não sou saudosista, sei que vivi bem aquele momento. Claro que gostaria de ter sido lembrado. Não fui, mas tenho a certeza de que os torcedores do Vasco acham que fui o melhor naquele ano. Isso é o que importa, porque naquele momento defendi e honrei a camisa do Vasco. Quando você trabalha bem e com afinco, está pago, é o retorno. Não sou vaidoso a esse ponto, não vivo de passado.

Ao longo daquela temporada houve o acerto entre Vasco e Fiorentina para a sua contratação. No fim de 1997, você foi para a Itália já campeão e consagrado. Em algum momento pensou em não ir?

Tudo é momento. Era uma negociação maravilhosa para o Vasco e para mim financeiramente. Não me arrependo. O problema é que depois que acertei com Fiorentina apareceram clubes de mais expressão interessados, o que poderia me dar mais projeção. Falavam em Milan e Chelsea. Fiquei muito ligado ao Vasco depois daquele título. Estava lá, mas com a cabeça aqui.

Na época você chegou a criticar Florença, dizendo que era uma cidade onde tudo era velho…

Ale e Edmundo no treino do Vasco em 1992 (Foto: Eurico Dantas / Ag. O Globo)Edmundo em 1992, ano que estreou como
profissional (Foto: Eurico Dantas / Ag. O Globo)

Era uma questão de adaptação. Saí do Rio com 40 graus para uma cidade pequena e muito fria. Foi coisa de moleque. Às vezes a gente fala o que nem pensa. Para querer falar bem do Rio, falei mal de outra cidade. Em 2010 e no passado estive em Florença e incrivelmente fui reconhecido. Inclusive, fui na casa que morei. Agora os prazeres são outros. Tem a comida, o vinho… É uma cidade culturalmente fantástica, e agora enxergo tudo com outros olhos. Até de certa forma me arrependo por ter criado algum tumulto quando saí.

Acredita que se não fosse seu comportamento impulsivo naquela época, poderia ter atingido um patamar ainda maior na carreira?

Tudo na vida tem prós e contras. Quando fui para o Palmeiras, em 1993, tive propostas de uma série de clubes que não pagariam o mesmo que eu ganhava. Fui para a Fiorentina com 26 anos, uma idade considerada avançada, mas já com uma condição financeira boa. Mas acredito que se tivesse saído do Brasil em 1993 ou 94, teria mais projeção e maior respeito dos brasileiros em geral. Naquela época, havia especulações de Real Madrid, Barcelona e Paris Saint-Germain. O negócio é que a qualidade de vida do Brasil não se consegue ter em nenhum outro lugar do mundo. A gente acaba pecando por gostar de jogar aqui e de frequentar lugares que não são considerados ideais para atletas. Mas, sinceramente, fui muito feliz. Praticamente vivi uma vida de férias, porque no Brasil nós temos trabalho duro e lazer logo ao lado. Posso sair de um treino e ir à praia jogar futevôlei. Na Fiorentina, os jogadores ficavam oito meses programando as férias. Aqui nós temos férias todos os dias. Optei por isso. Sei que poderia ter jogado em times de maior expressão, disputado a Bola de Ouro e ter ido para a Seleção com mais moral. Mas não me arrependo. Fui feliz dentro da minha carreira e principalmente aqui no Vasco.

Você costuma dizer que não se arrepende de nada do que fez. Mas se pudesse voltar atrás, teria defendido o Flamengo, em 1995? Isso por se tratar do maior rival do Vasco, seu clube de coração.

Foi uma fase negativa dentro e fora de campo. Então, a gente tenta esquecer. Se tivesse a certeza de que daria tudo errado, não teria feito. Hoje, sabendo que deu tudo errado, não faria diferente. Mas não tenho absolutamente nada a falar do Flamengo. Fui apenas um jogador que passou por lá e não fez sucesso, como aconteceu com tantos outros. Fiz sucesso em outros clubes e principalmente contra o Flamengo, e isso acaba marcando. Não tem isso de rivalidade pelo fato de eu ser Vasco. Não tenho raiva. Procuro guardar coisas boas, pensar o bem. Tenho amor, carinho e respeito pelo Vasco, mas não é por eu amar o Vasco que tenho que odiar os rivais.

Que palavra ou frase poderia resumir a carreira que se encerra definitivamente nesta quarta-feira?

É difícil resumir em uma frase, mas o que eu poderia dizer para todo mundo de uma vez só é muito obrigado. Ao longo da minha carreira , recebi muita coisa boa e também dei. Diria que tenho muito que agradecer pela minha vida, por ter talento e saúde. Por isso, muito obrigado seria a frase ideal. Saí de uma família pobre e venci na vida, que é o sonho de todo brasileiro.

Prováveis escalações:

Vasco: Fernando Prass, Fagner, Dedé (Rodolfo), Renato Silva e Thiago Feltri; Romulo, Juninho, Felipe e Edmundo; Eder Luis (Wiliam Barbio) e Alecsandro. Técnico: Cristóvão Borges.

Barcelona: Morales, Mercado, Cedeño, Ordoñez e Espinoza; Torres, Rosero, De la Torre e Asencio; Bueno e Mina. Técnicos: Carlos Gruezo e Flavio Perlaza.

ICFUT – Noticías – Torcidas Organizadas – 28/03/2012

Fonte: O Estado de São Paulo

Torcidas tentam marcar ‘revanche’

Por meio do monitoramento de redes sociais, Polícia Civil identifica articulação de integrantes da Gaviões da Fiel e da Mancha Alviverde para agendar nova briga

Amanda Romanelli – O Estado de S.Paulo

A Polícia Civil já sabe que integrantes das torcidas organizadas Mancha Alviverde e Gaviões da Fiel tentam marcar um novo confronto para vingar a morte de dois torcedores palmeirenses. André Alves Lezo, de 21 anos, morreu na noite de domingo, e Guilherme Vinícius Jovanelli Moreira, de 19, teve morte encefálica na madrugada de ontem.

As informações foram detectadas pelo setor de inteligência da Polícia Civil em mensagens trocadas pela internet, em redes sociais. “Há denúncias de mais confrontos e retaliação por causa da morte desses torcedores”, afirmou Margarette Barreto, titular da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), que investiga a briga entre palmeirenses e corintianos.

O confronto ocorrido no domingo, por volta das 10 horas, na Avenida Inajar de Souza (zona norte de São Paulo), já seria uma resposta dos integrantes da Gaviões da Fiel a outro crime (leia abaixo). O clássico entre Corinthians e Palmeiras só começaria às 16 horas, no Estádio do Pacaembu, distante quase 10 km do local da briga.

Ontem, a Polícia Civil começou a agir na busca pelos culpados da confusão que envolveu pelo menos 300 pessoas. Com mandados de prisão, busca e apreensão, os policiais foram às sedes da Mancha Alviverde e da Gaviões da Fiel e também às residências de suspeitos. Foram detidas seis torcedores, todos ligados à organizada palmeirense.

O nome dos torcedores não foi divulgado, mas a polícia confirma que um deles é Tiago Alves Lezo, irmão gêmeo de André. Tiago já havia sido detido no domingo, após denúncia por porte de arma. Como na ocasião nada foi encontrado, o torcedor passou por um exame residuográfico e foi liberado. Com prisão temporária de 30 dias decretada, os detidos serão investigados e interrogados – ontem à tarde foram transferidos para o 77.º DP, no bairro de Santa Cecília.

Na busca realizada na sede da Gaviões, outra pessoa foi detida, mas por porte de maconha, sem envolvimento no caso. Também foram encontrados R$ 150 mil, cuja procedência deverá ser comprovada para ressarcimento. Em todos os locais visitados, a polícia apreendeu computadores para analisar dados e mensagens postadas em redes sociais.

De acordo com Margarette Barreto e o delegado Jorge Carlos Carrasco, diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), outros mandados serão cumpridos nos próximos dias – a Polícia Civil não informa o número total de pessoas procuradas para preservar os objetivos da investigação.

“Indivíduos fugiram do Estado de São Paulo, mas até já sabemos o paradeiro deles. Alguns foram para o Rio de Janeiro”, disse Carrasco. “A gente prossegue na investigação, até para também poder prender integrantes da outra facção (Gaviões da Fiel)”, garantiu a delegada.

Buscas. Um dos objetivos da polícia é descobrir quem são os responsáveis pelas mortes de André e Guilherme Vinicius. “As investigações prosseguem para identificar os autores específicos dos homicídios. Mas estamos investigando o confronto como um todo, porque não ocorreu apenas o crime de homicídio”, afirmou Margarette. Segundo ela, os envolvidos podem ser indiciados também por lesão corporal, tentativa de homicídio e formação de quadrilha.

O delegado Jorge Carlos Carrasco pediu à Federação Paulista de Futebol (FPF) que mantenha a proibição da entrada em estádios das duas torcidas organizadas envolvidas até a elucidação dos crimes. “Nós estamos preparando um trabalho para a identificação de todas as torcidas. Temos que catalogar esse pessoal que frequenta estádio. Alguns são até reincidentes na bagunça”, afirmou. “Estamos conversando com a Federação, Polícia Militar e Ministério Público, e com certeza traremos alguma coisa nova que permita esse controle.”

Torcedor que morreu ontem estava banido

Guilherme Vinicius Jovanelli Moreira, o torcedor que teve a morte cerebral confirmada ontem, era um dos torcedores que não podiam entrar nos estádios paulistas por determinação da Federação Paulista de Futebol desde o último dia 22. O motivo foi uma briga entre membros da Mancha Alviverde e da Pavilhão Nove, torcida do Corinthians. No dia 5 de fevereiro, o ônibus da Mancha passou em frente à sede da torcida corintiana, que o apedrejou. Os torcedores palmeirenses, incluindo Vinicius “Zulu”, desceram e partiram para a briga sob a Ponte dos Remédios, na Marginal do Tietê.

André Alves Lezo, de 21 anos, que morreu na noite de domingo, e seu irmão gêmeo Tiago cursavam o terceiro ano de engenharia civil na Uninove. Tiago foi detido ontem pela Polícia Militar. No domingo, ele já havia sido detido por porte de arma.

O irmão mais velho dos dois, Lucas Alves Lezo, é vice-presidente da Mancha desde novembro do ano passado. O cabeça da chapa vitoriosa é Marcos Ferreira, que não se manifestou.

Os pais dos três irmãos são um policial militar e uma mãe evangélica, que participava de iniciativas da facção ligadas à assistência social.

Marcos Ferreira, bem como Lucas e Rafael Scarlati, não têm antecedentes criminais.

Na diretoria da Gaviões da Fiel, apenas o vice-presidente Wagner da Costa e o segundo secretário Wildner Paula Rocha possuem antecedentes.

Costa foi condenado por furto em 2005, e cumpriu pena de dois anos de serviços prestados à comunidade. Já Rocha, o “Pulguinha”, foi condenado em 2000 por porte de arma, crime de pequeno potencial ofensivo, e também teve pena alternativa.

Fonte: Folha de São Paulo

As armas

Polícia faz apreensão nas organizadas e prende torcedores, mas busca soluções para a violência

LUCAS REIS
MARCEL RIZZO
DE SÃO PAULO

A Polícia Civil iniciou ontem uma ofensiva contra as torcidas organizadas Mancha Alviverde e Gaviões da Fiel, cujo conflito armado de domingo resultou na morte de um palmeirense. Outro torcedor do clube teve decretada ontem morte encefálica.

As ações paliativas se resumem à apreensão de documentos, computadores e R$ 150 mil e à prisão de seis torcedores, cinco do Palmeiras.

A Gaviões diz que o corintiano da lista, preso com maconha, prestava serviço à torcida mas não é ligado a ela.

Há mais mandados expedidos para novas prisões, inclusive de corintianos, mas a polícia diz que muitos deixaram o Estado de São Paulo.

No entanto, quando questionada sobre ações definitivas para impedir novos atos de violência, a Polícia Civil adotou discurso parecido com o que o poder público tem

ensaiado recentemente.

“Estamos conversando com federação paulista, Polícia Militar, Ministério Público. Traremos alguma coisa nova que nos permita esse controle”, declarou o delegado Jorge Carrasco, do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Durante entrevista coletiva, a polícia informou que a briga que vitimou André Alves Lezo, 21, e Guilherme Vinicius Jovanelli Moreira, 19, que teve a morte cerebral confirmada ontem, foi combinada pela internet e tratou-se de uma retaliação pela morte de um corintiano em 2011.

Segundo a polícia, a Mancha Alviverde sabia da emboscada e conhecia o risco iminente de conflito naquele local, mas não pediu escolta.

“Eles [Mancha] sabiam que havia o risco de acontecer. Não há mocinhos. Alertamos sobre o risco”, disse Margarette Barreto, delegada do Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), que investiga o caso.

A polícia também informou que manterá presos os cinco torcedores por 30 dias.

“O objetivo [das prisões] é evitar novos confrontos, que estão sendo tratados na internet”, disse Carrasco.

Até agora, nenhuma arma foi apreendida. A polícia se baseia apenas nas poucas imagens do tumulto e testemunhos. A locação de um galpão próximo ao local do crime por corintianos também está sendo investigada.

Tiago Alves Lezo, irmão de uma das vítimas e de Lucas, vice-presidente da Mancha, é um dos presos. Alguns, segundo a polícia, têm passagem por briga de torcida.

“Estamos preparando um trabalho para a identificação de ambas as torcidas”, disse Carrasco, citando o cadastramento de torcedores, que já começou inúmeras vezes, mas jamais foi concluído. “Vamos poder acompanhar as torcidas em tempo real.”

Controle não é eficaz, admite federação

VIOLÊNCIA
Barrados de estádios não são obrigados a comparecer a delegacia durante jogos de seus clubes

DE SÃO PAULO

Não há como controlar o acesso aos estádios dos torcedores impedidos administrativamente pela FPF (Federação Paulista de Futebol) de frequentar jogos de futebol, admitiu a entidade à Folha.

Atualmente 26 pessoas estão em uma lista que é enviada para fiscais e para a Polícia Militar antes de todas as partidas realizadas no Estado de São Paulo. Essas proibições correspondem a seis meses de trabalho.

Hoje, num único dia, devem ser publicados mais 34 nomes, ligados às torcidas do São Paulo e do Guarani.

“Como é uma decisão administrativa da federação, sem poder judicial, realmente não há um controle eficaz. Tentamos fazer o reconhecimento do torcedor na entrada, mas é difícil”, disse Marcos Marinho, chefe de segurança e arbitragem da FPF.

“Pode passar alguém”, admitiu. Marinho disse que até agora nenhum listado foi encontrado em estádios.

O palmeirense Guilherme Vinicius Jovanelli Moreira, 19, o 27° nome na lista, teve morte cerebral confirmada ontem. Apesar da proibição, ele estava ao lado de torcedores que iriam ao clássico Corinthians x Palmeiras, no Pacaembu, no domingo. Houve confronto na zona norte.

A Mancha Alviverde, da qual Moreira era filiado, liderava a lista, com 11 nomes. Entre eles estão o presidente Marcos Teixeira e o vice Lucas Lezo, irmão de André, morto na briga campal.

A Torcida Jovem, do Santos, tem dez filiados proibidos. Dois listados não são ligados a organizadas.

Pelo artigo 41 do Estatuto do Torcedor, pessoas que se envolverem em tumultos dentro, fora ou no trajeto aos estádios podem ser proibidas de frequentar arenas.

É nisso que a FPF se baseia, mas ela não tem o poder de exigir que eles se apresentem em delegacias duas horas antes e duas horas depois dos jogos. Essa é uma decisão que cabe somente à Justiça.

“O ideal é um convênio entre Justiça e federação. Que passemos os nomes, e eles obriguem o torcedor a fazer serviço comunitário durante o jogo”, disse Marinho.

HISTÓRICO

Todos os barrados se envolveram em alguma confusão entre torcidas com boletim de ocorrência registrado. É a polícia quem envia à federação os nomes, e a entidade decide a punição.

Há casos de brigas na rua, confrontos dentro do estádio, posse e arremesso de rojão e até desacato. As suspensões podem ser dadas sem data para acabar, como no caso dos palmeirenses e corintianos da Pavilhão Nove que se enfrentaram embaixo da ponte dos Remédios, na zona norte da capital, em fevereiro.

Existem outras penas que duram de seis meses a dois anos. Segundo Renato Ramos, funcionário público de 27 anos e presidente da Fúria Andreense, organizada do Santo André, sua punição de 180 dias foi por desobediência à ordem policial ao sentar em local proibido em um jogo de divisões inferiores.

“Só recebi um e-mail da federação informando da punição. Mais nada. Não fui ao estádio por respeito à orientação, mas poderia entrar em qualquer arena do Estado”, disse Ramos. (LR e MR)

Gaviões vai ao jogo, e Mancha não terá escolta

DE SÃO PAULO

Suspensa pela federação paulista, a Gaviões da Fiel informou ontem que não foi notificada oficialmente e que, por isso, vai comparecer normalmente ao jogo de hoje, contra o XV de Piracicaba, no Pacaembu.

“A diretoria e o conselho da Gaviões são contrários às atitudes de domingo. Quando os autores forem descobertos, serão expulsos imediatamente”, disse Davi Gebara, advogado da torcida.

Sobre a suspensão, ele diz que a Gaviões estuda o caso. “Vamos entrar com mandado de segurança se necessário. O que ocorreu domingo foi um ato isolado.”

No mesmo horário, o Palmeiras jogará em Jundiaí, contra o Paulista. De acordo com o tenente-coronel Carlos Savioli, os torcedores do Palmeiras que forem a Jundiaí serão escoltados até a rodovia, quando a Polícia Rodoviária assumirá o trabalho de segurança.

“Vamos escoltar a torcida, com exceção da Mancha Alviverde, que está proibida. E, no Pacaembu, faremos o trabalho com o efetivo comum, 120 homens.

Estamos atentos a tudo”, completou Savioli.

A reportagem não conseguiu contatar representantes da Mancha. (LR E MR)

Mortes de torcedores pesam ao país, diz Del Nero

RODRIGO MATTOS
ENVIADO ESPECIAL A ZURIQUE

 Novo representante do Brasil na cúpula da Fifa, o presidente da federação paulista, Marco Polo Del Nero, admitiu que as duas mortes em brigas de torcidas em São Paulo são um “peso” sobre o país que organiza a Copa-2014.

“É o país da Copa. Qualquer país que vai fazer uma competição internacional e tem duas mortes não é confortável. Isso pesa para nós todos”, disse Del Nero. As mortes aconteceram no Paulista, torneio sob sua gestão.

O dirigente disse estar à procura de soluções e propôs que os clubes assumam o controle das organizadas.

Essa seria mais uma tentativa após diversos fracassos anteriores. Já foi aprovada lei mais dura contra torcedores, organizadas foram banidas anteriormente dos estádios, os setores delas têm identificação, já existe lista de exclusão de baderneiros, além de policiais especializados em investigar torcedores.

Todas essas medidas foram defendidas por Del Nero, mas não foram suficiente para fazer cessar a violência.

Del Nero admite não ser capaz nem de impedir que as organizadas banidas, Gaviões da Fiel e Mancha Alviverde, frequentem os estádios. Só pode vetá-las de seus setores específicos, onde há carteiras de identificação.

“Vamos aos órgãos de segurança pública. O Ministério Público está atuante, a polícia está. Tem que se fazer alguma coisa a mais. O quê eu não sei. Mas que [o torcedor] possa ser punido efetivamente”, declarou o cartola.

Ele pediu um grupo maior da polícia para investigar as torcidas. O objetivo seria tirar esses “1.200 bandidos” das arenas. Del Nero também formulou proposta aos clubes.
“Os clubes tinham que construir suas torcidas uniformizadas. O torcedor tem que ser associado aos clubes. Com isso, acabaria com essas organizadas que são um grande negócio. E o clube não recebe nada”, afirmou.

Para Del Nero, o controle dos clubes não afetaria o direito dos torcedores de fazer críticas contra os dirigentes de seu próprio time.

O presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local), José Maria Marin, lamentou as mortes, disse que medidas preventivas foram tomadas e pregou maior investigação sobre os torcedores.

Marin, entretanto, não apresentou soluções novas para o problema da violência ligada ao futebol.

  Gabo Morales – 7.nov.11/Folhapress  
Marco Polo Del Nero, após participar de uma reunião em São Paulo
Marco Polo Del Nero, após participar de uma reunião em São Paulo