Por Rogerinho – Empate no jogo, vitória na vida: volta de Jobson tem assistência e aplausos

Atacante volta a jogar após seis meses de suspensão por doping, exibe o velho sorriso, é bem recebido pela torcida e dá passe para o gol de Cidinho

FONTE – GLOBOESPORTE.COM

Aos 34 minutos do primeiro tempo, o técnico Oswaldo de Oliveira olha para o banco de reservas do Botafogo e, quase como num código, pede a ida de Jobson para o vestiário. Naquele momento, depois de seis meses de suspensão por doping, o jogador iniciava o aquecimento com o preparador físico Ricardo Henriques para voltar do intervalo com a camisa 11 na tentativa de ajudar o time a vencer o Bangu, neste sábado, em Moça Bonita.

O empate em 1 a 1 não foi o resultado esperado por torcedores, comissão técnica, jogadores e dirigentes, mas a vitória pessoal de Jobson já estava assegurada. A longa espera pela volta aos campos deu sinais em seu rendimento. A explosão ainda não foi a mesma e a finalização, no péssimo gramado de Moça Bonita, ainda não saiu como deveria.

Com uma faixa de apoio a Jobson na arquibancada e os gritos pelo jogador, sua entrada para o aquecimento no campo já se transformou em um evento. Sem esconder o sorriso e a satisfação, mostrou estar ansioso por sua reestreia com a camisa do Botafogo. Depois de acompanhar os primeiros 30 minutos sentado, levantou correndo ao receber o chamado para ir ao vestiário aquecer.

Jobson Botafogo x bangu (Foto: Pedro Vilela / Futura Press)
Jobson arrisca um chute no jogo contra o Bangu

Na volta do intervalo, a placa subiu com o número 11 no lugar do 13, de Loco Abreu. Desta vez, nem o uruguaio deve ter ficado chateado, afinal a entrada de Jobson significava uma vitória da vida. Com o médico Roberto Hallal, responsável por seu tratamento, nas tribunas de Moça Bonita, ele deu seu primeiro toque na bola com apenas um minuto de jogo no segundo tempo. Um passe simples para Felipe Menezes, mas motivo de comemoração dos torcedores.

Aos sete minutos, Jobson deu sua primeira arrancada. Ele tabelou com Felipe Menezes, recebeu na frente, mas acabou desarmado até com facilidade pelo zagueiro. Ainda tímido no jogo, procurava seu espaço no campo. Em uma boa jogada pela esquerda, errou um cruzamento, aos 16 minutos, mas ainda assim foi aplaudido.

Jobson Botafogo x bangu (Foto: Thales Soares / Globoesporte.com)
Jobson se prepara para entrar em campo

Aos 20 minutos, o atacante deu seu primeiro chute, mas a bola explodiu na defesa e foi para longe. Na parada técnica, Jobson torceu sua camisa para aliviar o peso do suor. Afinal, voltar depois de sete meses sem jogar uma partida oficial não é tarefa das mais corriqueiras.

Na volta para o jogo, o momento de maior tensão. Jobson recebe a bola livre dentro da área e faz o gol, mas a arbitragem marca impedimento, aos 23 minutos, frustrando a torcida e provocando todos os gritos possíveis de revolta de quem foi ao estádio ver o retorno do jogador aos campos.

Apos 28 minutos, Jobson teve sua melhor participação no jogo. Ele deu bom passe para Cidinho abrir o marcador e deixar os torcedores do Botafogo na esperança de que o atacante tem tudo para brilhar em sua volta.

Enquanto Jobson ajudava o time a vencer o jogo, o médico Luiz Fernando Medeiros foi em direção à mesa do delegado do confronto entre Botafogo e Bangu. Ao lado de representantes da Federação do Rio e do Bangu, participou do sorteio para o exame antidoping. O atacante não foi sorteado, sobrando para Márcio Azevedo e o meia Jeferson.

Sorteio antidoping Botafogo x bangu (Foto: Thales Soares / Globoesporte.com)
Sorteio para o exame antidoping. Nome de Jobson não saiu

Logo depois do sorteio, no entanto, o Bangu empatou com um gol de Almir, ex-Botafogo. Jobson levou a mão ao rosto, limpou o suor e esperou a nova saída. Aos 33, ele conseguiu criar uma boa chance, mas pegou mal na bola e ela passou por cima do travessão. Pouco depois, aos 40, deu passe para Herrera chutar e parar na defesa.

A última chance do Botafogo de vencer caiu justamente nos pés de Jobson. Depois de um escanteio, a bola sobrou em seus pés. Ele se livrou de dois marcadores e chutou, mas novamente a defesa bloqueou. No fim, o atacante ainda saiu aplaudido. Mais do que um ponto conquistado, ele celebrou neste sábado uma vitória na vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s