Por Rogerinho – Vasco abre 2 a 0, mas, em ritmo lento, vê Bonsucesso empatar

Visitantes marcam duas vezes no segundo tempo e impõem aos cruz-maltinos o primeiro tropeço diante de pequenos neste Carioca

Fonte – globoesporte.com

A primeira impressão era de uma vitória fácil em São Januário, graças a uma escalação ofensiva, um início arrasador e um gol logo aos dois minutos. Mas o Vasco, que abriu 2 a 0 aos 13 do segundo tempo, atuou em ritmo lento e apresentou falhas defensivas na sua estreia na Taça Rio. Foi punido com o empate por 2 a 2 com o Bonsucesso, no seu primeiro tropeço diante de uma equipe pequena neste Campeonato Carioca.

Após a derrota para o Fluminense na final da Taça Guanabara, Cristóvão Borges fez algumas mexidas no time que iniciou a partida nesta quarta-feira, com Juninho e Diego Souza sendo substituídos por Felipe e Tenorio. O camisa 6 marcou o segundo gol vascaíno, mas pouco participou das jogadas de ataque. O equatoriano mostrou apenas muita disposição. Alecsandro abriu o placar, marcando pela nona vez neste campeonato. Diogo e Marco Goiano deixaram o placar em igualdade.

O Vasco volta a campo no próximo sábado para enfrentar o Olaria, em Moça Bonita, e a tendência é que os reservas sejam escalados. O planejamento é trabalhar os titulares para o jogo contra o Alianza Lima, na próxima terça-feira, pela Libertadores. Já o Bonsucesso joga contra o Bangu no domingo em Edson Passos.

Vasco marca cedo, mas erra muitos passes

Com uma escalação ofensiva, o Vasco não demorou a mostrar o resultado. Logo aos dois minutos, Fagner recebeu passe de Fellipe Bastos na linha de fundo e cruzou para Alecsandro. Em posição de impedimento, o atacante concluiu sem dificuldade, abrindo o placar. Foi o seu nono gol em dez partidas no Campeonato Carioca.

Num time com três atacantes, o camisa 9 se manteve mais próximo à área adversária, como nos jogos anteriores. Tenorio recuava para participar das jogadas de meio-campo, pelo centro ou por uma das pontas, enquanto na outra se posicionava Wiliam Barbio.

Vasco x Bonsucesso (Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo)
Saulo sai do gol e fica com a bola em disputa com Rodolfo

Parecia que a goleada seria questão de tempo. Mas o que se viu foi um Vasco perdido nos muitos erros de passe. Assim, poucas vezes conseguiu chegar ao ataque em boas condições de concluir. A defesa, que não teve Dedé (com a Seleção Brasileira), apresentou insegurança, sobretudo com Rodolfo. No ataque, Tenorio se movimentava muito, mas sem conseguir apresentar opções aos jogadores do meio-campo. Barbio levava perigo com sua velocidade pelos lados do campo, mas o restante da equipe não acompanhava o ritmo.

Sem articulação, o Vasco aos poucos passou a ceder espaços ao Bonsucesso, que se aproveitou principalmente da insegurança da defesa para chegar mais perto do gol de Fernando Prass. Ao time da casa restou apostar nos contra-ataques e, mesmo assim, não conseguiu levar perigo ao adversário.

Barbio, a exceção

O Vasco voltou para o segundo tempo com mudanças. A começar pelo uniforme: a camisa preta foi trocada pela branca. Além disso, saíram Fellipe Bastos e Tenorio, que foram substituídos por Nilton e Juninho Pernambucano. O objetivo foi dar maior consistência ao meio-campo e fazer a bola chegar ao ataque com mais qualidade.

O que se viu, entretanto, foi um Vasco em ritmo lento – à exceção de Wiliam Barbio. Quando decidiu aumentar a velocidade, principalmente nos passes, o time teve bons resultados. Com Nilton mais preso à defesa, a dupla experiente teve maior liberdade para criar. Aos 13 minutos, Juninho tabelou com Felipe pelo lado esquerdo e cruzou rasteiro. O camisa 6 recebeu e tocou com categoria para fazer 2 a 0.

A vantagem poderia dar tranquilidade, mas aos 18 minutos o Bonsucesso marcou seu gol contando com uma falha coletiva da defesa vascaína. Diogo cobrou falta cruzada pela direita, a bola passou por toda a área sem que ninguém desviasse e entrou no canto direito de Fernando Prass.

O que já parecia complicado ficou ainda pior. Com extrema liberdade para trocar passes e espaço para encaixar os contra-ataques, o Bonsucesso usou as duas facilidades para chegar ao empate, aos 25 minutos, com Marco Goiano. A desorganização do Vasco ainda permitia que o adversário continuasse a levar perigo e chegar perto da virada.

Apesar do esforço, ficou claro que o Vasco não tinha poder de reação. Trocava passes sem objetividade e não conseguia furar o bloqueio montado pelo Bonsucesso à frente de sua área, mesmo depois da expulsão de Jefferson aos 41 minutos. Dessa forma, terminou a partida com um empate que fez o Campeonato Carioca ainda ter gosto amargo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s