Por Rogerinho – Inter vence com dois gols de Jô e termina em primeiro do Grupo 1

Com os reservas, equipe de Dorival Júnior faz 3 a 1 no Pelotas na tarde deste sábado no Beira-Rio. Na quarta, Colorado pega o Grêmio

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM

Não teve Pelotas, calor e falta de entrosamento. O Inter, mesmo com os reservas, venceu o time do técnico Beto Almeida por 3 a 1 na tarde deste sábado no Beira-Rio, pela última rodada da Taça Piratini – 1º turno do Gauchão -, e confirmou a primeira colocação no Grupo 1, com 16 pontos. Jô, duas vezes, e Elton fizeram os gols da partida para os colorados. Guly, irmão de Cavani, descontou.

A equipe de Dorival Júnior não se importou com a temperatura que apontava quase 40°C, imprimiu um ritmo forte, amassou o adversário durante todo o confronto e quase não foi ameaçada. Na próxima quarta-feira, o Inter enfrenta o Grêmio, pelas quartas de final, de novo no Beira-Rio.

O jogo

Apesar do calor de 41,6°C que marcava no gramado do Beira-Rio, o Inter iniciou a partida tentando matar o jogo. Nos primeiros minutos, o time trocava passes. Aos quatro minutos de jogo, João Paulo cruzou escanteio fechado. O goleiro Bruno afastou o perigo. Aos oito, o Pelotas arriscou de fora da área. Danilo Portugal chutou fraco. Sem dificuldades, Renan ficou com a bola.

O primeiro lance de perigo ocorreu aos 11 minutos da primeira etapa. João Paulo cobrou escanteio na cabeça de Fabrício. Bruno demonstrou que seria o grande adversário colorado, fazendo bela defesa e colocando para escanteio. Após a cobrança, o goleiro tirou. Gilberto arriscou e o camisa 1 do Pelotas voltou a salvar. O Inter seguiu na pressão. Em outro escanteio, Fabrício finalizou, mas Bruno, mais uma vez, evitou.

Aos 16, Gilberto cobrou falta perigosa. Principal nome da partida até então, o goleiro do Lobão mandou para escanteio. Mas em seguida, não conseguiu impedir o gol colorado. João Paulo bateu e a bola caiu no pé esquerdo de Jô. O atacante dominou e chutou forte, no canto esquerdo do camisa 1, abrindo o placar aos 17 minutos.

 

Jô comemora gol do Internacional contra o Pelotas (Foto: Wesley Santos / FuturaPress)
Tão criticado pela torcida colorada, Jô marcou duas vezes e teve boa atuação contra o Pelotas

O Pelotas não demonstrava reação. O Inter trocava passes, gastando o tempo. Renan era um mero espectador. Aos 30, o time vermelho quase ampliou. Fred saiu em velocidade mas, na hora do arremate, chutou fraco.

O calor não arrefeceu a ambição do Inter. Aos 32, Gilberto arriscou de fora da área. Bruno defendeu no susto. No rebote, Jô tentou, mas o goleiro do Lobão brilhou e tocou para escanteio. João Paulo passou para Fabrício. O lateral cruzou e Elton cabeceou. O camisa 1 evitou. E, na cobrança, acabou vencido. João Paulo colocou na cabeça de Elton, que não desperdiçou: 2 a 0.

Vaga sem sustos

O início do segundo tempo pareceu uma repetição da primeira etapa. Logo aos seis minutos, o Inter fez o terceiro. Em bela troca de passes, Gilberto tocou para Fred. O garoto lançou Jô. Com tranquilidade, o centroavante deslocou Bruno e mandou para o fundo das redes.

Aos 11, Jô quase marcou o seu terceiro. Fabrício cobrou falta na cabeça do centroavante, que colocou no travessão. No rebote, o camisa 9 tocou para fora. O Pelotas só foi incomodar Renan aos 19 minutos. E quase marcou. Odair cobrou falta da intermediária. A bola passou pelo goleiro colorado e explodiu no travessão.

Com a vitória assegurada, o Inter começou a administrar o resultado. Dorival modificou a equipe. Colocou Marcos Aurélio no lugar de Gilberto. Pouco depois, tirou Sandro Silva para a entrada de Fransérgio. Ainda sacou Fred e deu uma oportunidade para Zé Mário. Os colorados trocavam passes sem pressa.

Aos 30, Josimar, sem marcação, tentou o arremate. O chute saiu rasteiro, no canto direito do goleiro Bruno. Dois minutos depois, após inversão de jogada, Elton recebeu na entrada da área. O lateral arriscou, mas a bola saiu por cima. No minuto seguinte, Jô mandou uma bomba, que também foi para fora.

O Pelotas tentou o gol de honra. Aos 35, Foguinho pegou forte na bola e acertou a trave. Um minuto depois, ele mesmo, após receber passe de calcanhar de Guly, arriscou. Renan fez grande defesa.

Aos 41, conseguiu. Guly chutou forte. O goleiro colorado salvou. No rebote, Foguinho foi derrubado por Josimar dentro da área. Fabrício Neves Corrêa não teve dúvidas e marcou pênalti. Na cobrança, Guly deslocou Renan e anotou.

Mas não houve tempo para mais nada. O Inter ficou tocando a bola até o árbitro encerrar a partida.

Por Rogerinho – Pelaipe lamenta Gre-Nal e faz ressalvas ao desempenho do Grêmio

Diretor-executivo gremista afirma que o time deveria estar “jogando mais”

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM Porto Alegre

Kleber na partida do Grêmio contra o São José (Foto: Edu Andrade / Ag. Estado)
Grêmio perdeu para o São José-RS por 2 a 1
.

Após a derrota por 2 a 1 para o São José-RS, na tarde deste sábado, os jogadores e o treinador do Grêmio comemoraram a realização de um Gre-Nal na próxima quarta-feira, no jogo único eliminatório pelas quartas-de-final da Taça Piratini – o primeiro turno do Campeonato Gaúcho. Mas o diretor-executivo do clube, Paulo Pelaipe, não pensa da mesma forma.

Segundo o dirigente, o clássico marcado para o Estádio Beira-Rio não chega em boa hora. Mesmo tentando evitar críticas públicas ao trabalho de Caio Júnior, ele afirmou que o Grêmio pode produzir mais com os jogadores que têm.

– O Gre-Nal chega em uma hora muito ruim, a equipe não está produzindo o que esperávamos, a derrota foi merecida hoje, e temos equipe para jogar mais – justificou, para completar:

– As avaliações serão feitas internamente, mas as coisas têm que melhorar. Temos a consciência de que o Grêmio só se classificou pela perda de pontos do Cruzeiro que teve a inscrição irregular de um jogador.

No início da semana Pelaipe tentará confirmar as contratações do meia uruguaio Cristian Rodriguez, do Porto, e dos zagueiros Guillermo Burdisso (Arsenal-ARG) e Leandro Almeida (Dinamo de Kiev). Mas o dirigente não estabelece um prazo para os desfechos.

– As negociações estão em andamento, mas não é possível fazer nenhum tipo de previsão – concluiu.

Por Rogerinho – Juan marca, e Santos cai na folia de carnaval com vitória sobre o Mirassol

Lateral faz boa estreia pelo Peixe e marca o primeiro gol da vitória por 3 a 1, neste sábado. Inspirado, Neymar bem que tentou, mas não marcou

 

FONTE –  GLOBOESPORTE.COM Mirassol, SP

A folga de carnaval dos titulares santistas só começaria oficialmente depois da partida contra o Mirassol, neste sábado. Nada que impedisse Neymar & Cia. de iniciarem a folia ainda no gramado do estádio José Maria Maia, em Mirassol. Abram alas, o bloco do Santos quer passar no Paulistão! Juan, estreante da noite, mostrou harmonia nota 10 com o restante dos companheiros e marcou o primeiro gol na boa vitória por 3 a 1. Mestre-sala e porta-bandeira, Ganso e Neymar também fizeram boa partida e agora caem no samba ainda mais empolgados neste domingo. E Borges, o responsável pela comissão de frente, desencantou.

A derrota para o The Strongest, da Bolívia, por 2 a 1, irritou o técnico Muricy Ramalho: o cansaço da Libertadores não seria desculpa e estavam todos escalados para este sábado. Azar do Mirassol, que pagou o pato pelo excesso de erros alvinegros em La Paz. O Peixe começou empolgado e não demorou a marcar o primeiro. Borges ampliou, de pênalti, no início da segunda etapa e Edu Dracena fechou o placar que deu ao time a quinta colocação.

Já o Mirassol, que vinha de três jogos sem perder e parecia recuperado do mau início de competição, foi derrotado mais uma vez. Preto marcou o gol de honra da equipe, que chegou a pressionar no segundo tempo, sem forças para empatar. Para piorar, ampliou a “maldição” contra os grandes: nunca venceu nenhum dos quatro na Série A1 do Paulista e caiu para a 12ª posição.

O Santos se reapresenta na segunda-feira, mas só volta a campo na Quarta-Feira de Cinzas, contra o Comercial, às 19h30 (de Brasília), na Arena Barueri – o gramado da Vila Belmiro segue em reforma. No Gilbertão, em Lins, o Mirassol enfrenta o Linense no mesmo dia e horário.

Juan comemora gol do Santos contra o Mirassol (Foto: Ag. Estado)
Juan comemora seu primeiro gol pelo Santos, em jogo contra o Mirassol

 

Peixe começa ligado, e Juan brilha

Foi só Neymar dar as caras na porta do vestiário para que dezenas de crianças cercassem o craque na subida ao gramado. Os holofotes estavam voltados ao camisa 11, mas quem chamou a responsabilidade no primeiro tempo foram Paulo Henrique Ganso e o estreante Juan. Com chutes de longa distância, enfiadas de bola e boa movimentação, a dupla chegou com perigo nos primeiros minutos. E o Peixe não demorou a abrir o placar. Após bola cruzada pela direita e cabeçada de Arouca, o lateral-esquerdo pegou a sobra da zaga: de longe, soltou o pé e marcou um golaço, o primeiro pelo Peixe.

A desvantagem logo aos 12 minutos de jogo obrigou o Mirassol a mudar de estratégia. Antes na defensiva, o time comandado pelo meia Xuxa (que usava a camisa 105 em referência ao número de jogos pelo clube) ensaiou lançar-se mais ao ataque, sem sucesso. A avenida se abriu ainda mais para o Peixe desfilar sua habilidade.

Henrique e Ibson comandavam a marcação e facilitavam a vida do setor ofensivo. Ganso, Neymar, Fucile e Juan tinham muita liberdade para criar – todos eles se movimentavam muito no campo de ataque. Mas só até os 30 minutos. Cansados do jogo tenso na Bolívia, os santistas colocaram o pé no freio e pareciam ficar à espera de nova chance para ampliar.

O zagueiro Dezinho aproveitou um vacilo no meio de campo do Santos e partiu como elemento surpresa do Mirassol. Lançou-se ao ataque no fim da primeira etapa e chutou em cima de Durval, em um dos raros avanços do time da casa – que se animou nos últimos minutos, mas não mostrou qualidade para empatar quando Santos se acomodou. Aliás: a derrota pouco elástica poderia até ser comemorada no intervalo.

Ganso no jogo do Santos contra o Mirassol (Foto: Ag. Estado)
Paulo Henrique Ganso fez boa partida contra o Mirassol
.

Mirassol assusta, mas Santos acorda e mata o jogo

Se o Mirassol tinha esperanças em partir com tudo para cima e conseguir o empate rapidamente, o plano ruiu no primeiro minuto de jogo. Ganso cruzou na área, a bola tocou na mão de Acleisson e o juiz marcou pênalti – lance polêmico. Borges, que parecia fora de sintonia e apagado no primeiro tempo, cobrou com segurança e desencantou na temporada. A vantagem de dois gols era tudo que o Santos queria para “cozinhar” a vitória. Faltou combinar com o Mirassol.

Minutos depois de o Peixe marcar, Ibson falhou na entrada da grande área, Xuxa roubou a bola e Preto chutou forte para diminuir. O goleiro Aranha, que ainda não havia trabalhado na partida, estava desligado no lance e só assistiu a bola entrar. O gol animou o Mirassol e foi muito sentido pelo Peixe, que seguia perigosamente administrando a vantagem simples. Muricy logo constatou o abatimento e lançou Elano para movimentar o meio de campo alvinegro. Ibson, o responsável por “entregar a paçoca” para o Mirassol, foi quem saiu.

Mas quem tem Neymar sabe que pode surpreender a qualquer minuto. O camisa 11 arrancou no contra-ataque em velocidade, tabelou com Juan e tentou Elano na área. O lateral-esquerdo ficou com a sobra, levantou na área e a zaga afastou o perigo. Era o que o Santos precisava para animar. Um minuto depois, Elano cobrou falta na área e o capitão Edu Dracena antecipou-se à marcação em jogada ensaiada: testou firme no alto, sem chances para o goleiro Fernando Leal. Borges e Dimba, no fim, também perderam chances claras de gol.

Neymar parecia bastante incomodado em cair na folia sem deixar um golzinho sequer em Mirassol. Aos 25, o atacante fez boa jogada individual e arriscou na grande área, sem sucesso. Minutos depois, repetiu o lance e chutou por cima da meta – quanto mais apanhava, mais ele se animava. Só não marcou aos 35, inclusive, porque enfeitou demais. Depois de receber lindo passe enfiado de Ganso, Neymar esperou a saída do goleiro e tentou por cobertura, mas sem a força necessária. Nada que vá tirar a empolgação da festa do craque no carnaval de Salvador.

Borges comemora gol do Santos contra o Mirassol (Foto: Ag. Estado)
Borges marca de pênalti e comemora gol do Santos contra o Mirassol

Por Rogerinho – Vasco 100%: gol de Kim mantém campanha perfeita e ajuda o Flu

Atacante vai a campo no segundo tempo e faz o gol da vitória de 1 a 0 sobre o Boavista, resultado decisivo para o Flu

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

Para o Vasco, agora à espera do Flamengo, foi a manutenção de uma campanha impecável, com 100% de aproveitamento – são sete vitórias seguidas. Para o Boavista, a eliminação. Para o Fluminense, a garantia da vaga. Ao fazer 1 a 0 no time de Saquarema, neste sábado, no Engenhão, o time cruz-maltino completou sua trajetória sem pontos perdidos na Taça Guanabara – a vaga e a liderança no Grupo B já eram uma certeza. Mas o resultado foi determinante para o rival tricolor. Se o Boavista vencesse, estaria classificado.

Cristóvão mandou a campo um time misto. O rendimento não foi lá muito animador, mas jogadores como Jonathan e William Barbio, no segundo tempo, mostraram serviço. Kim teve oportunismo. Logo depois de entrar no lugar de Alecsandro, fez o gol da vitória – o seu primeiro pelo clube.

O resultado levou o Vasco a 21 pontos, com a liderança do Grupo B com folgas. O Fluminense, segundo colocado, fez 13. O Boavista, eliminado, ficou com 11. Na quarta-feira, às 22h, Vasco e Flamengo se enfrentam no Engenhão na primeira das semifinais do primeiro turno. Um dia depois, é vez de Fluminense e Botafogo duelarem, às 21h.

 

Antes e depois

 

O jogo do Vasco estava atrelado ao do Fluminense. Tanto que foi uma partida antes e outra depois da informação de que o Tricolor estava vencendo o Bangu. Na prática, o time cruz-maltino pouco tinha a ver com a história. O resultado interessava mesmo era ao Boavista, que disputava classificação com o Flu.

Nos primeiros minutos, enquanto o empate interessava ao Boavista, o Vasco foi um time mais incisivo, sempre rondando a área adversária. Depois que o Fluminense abriu o placar contra o Bangu, a equipe de Saquarema se viu obrigada a atacar. A igualdade não interessava mais.

Mas nenhum dos times conseguiu mexer no placar. O Vasco ameaçou duas vezes com Diego Souza: em falta batida de longe, colocada, com perigo, e em chute da entrada na área, em meio a dribles. A melhor oportunidade, porém, foi de Douglas. O zagueiro só não marcou porque o goleiro Tiago caiu bem para defender o cabeceio à queima-roupa.

O crescimento do Boavista foi territorial. Mas pouco conclusivo. As chances dos concorrentes à segunda vaga do Grupo B praticamente se resumiram a chutes de longe. Foram tentativas que incomodaram Fernando Prass, mas não a ponto de assustar.

Kim comemora gol do Vasco contra o Boavista (Foto: Marcelo Sadio / Site Oficial do Vasco da Gama)
Kim, com 22 às costas, comemora com Barbio, camisa 44
.

Vitória

O segundo tempo manteve o panorama do período anterior. O Vasco atacou com jogadas mais trabalhadas, sem pressa; já o Boavista reagiu na correria, com chutes de longe. Chances claras foram produto raro.

A principal coube a William Barbio. Com oito minutos, o cabeludo arrancou pela direita, livrou-se da marcação e mandou chute cruzado. A bola lambeu a trave e saiu.

O jogo ficou morno. Nos minutos finais, o Boavista tentou arriscar. Quase marcou. Marlon, de cabeça, exigiu que Fernando Prass voasse para espalmar.

Mas quem se deu bem foi o Vasco. Cristóvão colocou Kim no lugar de Alecsandro, nulo no jogo. Pouco depois, o reserva aproveitou bela jogada de Jonathan e bateu colocado, no ângulo esquerdo do goleiro rival, para dar a vitória ao Vasco e a classificação ao Fluminense.

Por Rogerinho – Bloco do espanta-zebra: Botafogo bate o Macaé e se classifica em 1º

Herrera, Felipe Azevedo e Elkeson balançam as redes, Alvinegro faz 3 a 0, garante carnaval tranquilo e agora espera o rival na semifinal da Taça GB

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

O Botafogo não teve maiores dificuldades neste sábado para vencer o Macaé, no estádio Cláudio Moacyr, em Macaé. Fez 3 a 0 e se classificou em primeiro lugar do Grupo A para as semifinais da Taça Guanabara, graças ao saldo de gols superior ao do Flamengo (13 a 9), segundo colocado. Substitutos de Loco Abreu e Andrezinho, que ficaram fora por lesão, Herrera e Felipe Azevedo marcaram os dois primeiros gols. Elkeson completou a vitória. Numa espécie de “bloco do espanta zebra”, os alvinegros, que precisavam apenas do empate, animaram o carnaval da torcida e mostraram a boa fase do sistema ofensivo, que marcou 12 vezes nos últimos três jogos.

A notícia ruim fica por conta da suspensão de Maicosuel para a semifinal, contra adversário ainda indefinido – pode ser Boavista, Fluminense, Friburguense ou Volta Redonda. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo por reclamação, ainda no primeiro tempo. E deixou o gramado do Moacyrzão lesionado e talvez não tivesse condições de jogo mesmo que não fosse punido.

O Botafogo teve o domínio da partida desde o início. Com boa troca de passes e muita movimentação, virava o jogo com velocidade para buscar os espaços na fechada defesa do Macaé. Renato distribuía a bola com a tranquilidade que faltava a Maicosuel, afobado em muitas jogadas desperdiçadas.

As ultrapassagens de Elkeson foram uma boa arma botafoguense, mas faltava o precioso último passe para Herrera, que pouco tocava na bola. Como o time da casa pouco atacou, o Botafogo não conseguiu explorar os contra-ataques, um dos seus pontos fortes. A exceção aconteceu em forte investida de Elkeson que terminou em chute sem ângulo para a defesa de Luís Henrique.

Herrera comemora gol do Botafogo contra o Macaé (Foto: Fernando Soutello / Divulgação AGIF)
Herrera observa a bola entrar no primeiro gol do Botafogo
.

O Macaé ameaçava apenas em chutes de longa distância. Foi assim com Wagner e Valdir, mas Jefferson mostrou boa colocação. O Botafogo, marcando cada vez mais na frente, fez um grande bloqueio na saída de bola macaense. Numa das roubadas de bola, Márcio Azevedo arriscou de fora da área e levou perigo. O Botafogo enfim conseguiu tirar o zero do placar aos 27 minutos, numa jogada em que Herrera aliou velocidade e técnica. Substituto de Loco Abreu nesta partida, ele aproveitou chutão longo de Marcelo Mattos, esperou a bola quicar e tocou por cima do goleiro Luis Henrique. 1 a 0.

O gol não serviu apenas para deixar o Botafogo em vantagem. Foi fundamental para tirar o Macaé de trás. O time da casa foi obrigado e sair para o jogo e, consequentemente, dar espaços. O Alvinegro aproveitou e começou o seu arsenal de contra-ataques, criando uma chance atrás da outra. Numa delas, Maicosuel passou voando pela esquerda, foi acionado por Elkeson e cruzou para Felipe Menezes concluir de letra e fazer mais um belo gol para ampliar a contagem: 2 a 0.

Elkeson do Botafogo no jogo contra o Macaé (Foto: Satiro Sodré / Divulgação Agif)
Elkeson teve boa atuação contra o Macaé
.

Elkeson tem boa atuação e marca o terceiro

O Botafogo voltou com a mesma empolgação para a segunda etapa, levando a zaga do Macaé à loucura com as jogadas de Elkeson, sempre muito insinuante. Herrera teve um gol anulado logo nos primeiros instantes – o árbitro alegou toque de mão de Antônio Carlos no início do lance – e perdeu outra chance incrível pouco depois, finalizando na mão do goleiro Luís Henrique.

Em boa vantagem no placar, o Botafogo diminuiu um pouco o ritmo, mas continuou criando chances. Elkeson quase marcou em chute de pé esquerdo. O Macaé era praticamente inofensivo, o que acabou determinando aos poucos o relaxamento aos alvinegros. A troca de passes ficou mais lenta, assim como o ritmo de subida para o ataque.

Para dar números finais à partida, Elkeson deixou o seu aos 42, em cabeçada que contou com a colaboração do goleiro Luís Henrique. No sábado de carnaval, o Botafogo fez a sua parte para evitar surpresas. No bloco espanta-zebra, o Alvinegro deixou a ressaca para outra hora. Agora é pensar na semifinal.

Por Rogerinho – W. Nem faz carnaval na defesa do Bangu, Flu vence e vai às semifinais

Com gol, assistência e pênalti sofrido, atacante dita o ritmo. Boavista perde,
e Tricolor avança para pegar o Botafogo em busca da decisão da Taça GB

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

Ao começar a temporada treinando no terceiro time do Fluminense, Wellington Nem mostrou a tranquilidade necessária para buscar o seu espaço na equipe. Com gol, assistência para Araújo e pênalti sofrido para Fred balançar a rede na vitória de 3 a 0 sobre o Bangu, neste sábado, em São Januário, o jovem jogador mostrou a Abel Braga que a titularidade é questão de tempo. E, para deixar o carnaval completo, o Tricolor garantiu a sua classificação para as semifinais da Taça Guanabara graças também à derrota do Boavista para o Vasco no Engenhão. O time de Saquarema garantiria a vaga de tivesse vencido.

O compromisso tricolor para tentar chegar à final do primeiro turno é na próxima quinta-feira, às 21h (de Brasília), contra o Botafogo, no Engenhão. Ao Bangu resta trabalhar para dar a volta por cima na Taça Rio, uma vez que, em oito jogos até agora, não fez um ponto sequer.

O Fluminense começou desorganizado, sofrendo com o jogo brusco do Bangu e com os sucessivos erros de passe, principalmente de Diguinho e Carlinhos. O time da Zona Oeste parava todas as jogadas com falta, evitando que Thiago Neves, cérebro do time, fosse acionado. Araújo mostrava muita disposição, mas não conseguia fazer as vezes de criador. Antes dos 25 minutos, a cobrança de Fred à esquerda do gol foi uma das poucas coisas a animar a torcida, que esperava muito mais.

Fred comemora gol do Fluminense contra o Bangu (Foto: Agência Photocâmera)
Fred cumprimenta Wellington Nem, o melhor em campo
.

A melhor opção para a equipe tricolor era a velocidade de Wellington Nem, que fazia bons deslocamentos e tabelas. O atacante deixou Araújo na cara do gol, mas a zaga acabou chegando antes para fazer o desarme. Pouco depois, no entanto, Nem mostrou sua experiência, apesar da juventude, para cavar um pênalti marcado pelo árbitro Wagner Magalhães. Na cobrança, Fred tirou o zero do placar: 1 a 0.

O gol deixou o Flu mais solto em campo, principalmente Wellington Nem. Puxando a responsabilidade, ele deu bela assistência para Araújo receber dentro da área e bater cruzado para ampliar o placar: 2 a 0. A vantagem deu tranquilidade ao time, que aproveitou também a inferioridade técnica do Bangu para colocar a bola no chão e trocar passes.

O Bangu voltou com postura um pouco mais agressiva para o segundo tempo, enquanto o Flu voltou a errar muito. Uma das poucas chances aconteceu quando Fred deu belo passe para Nem, que chegou junto com o goleiro William Alves e acabou finalizando em cima do goleiro. O pífio erro de passe de Fred no meio de campo foi o retrato da oscilação do time, que não jogava bem e dava campo ao adversário.

Araújo comemora gol do Fluminense contra o Bangu (Foto: Wallace Teixeira / Photocamera)
Araújo comemora gol contra o Bangu
.

Uma das razões para a atuação abaixo da média do Flu era o fraco rendimentos dos laterais Bruno e Carlinhos. Com isso, o time centralizava as jogadas e facilitava a vida da zaga do Bangu. Para sair da mesmice, Wellington era disparado a melhor opção. Foi o que aconteceu quando Fred apareceu pela direita e cruzou rasteiro. A defesa não fez o corte e a bola sobrou na segunda trave para Nem dominar e bater firme para fazer 3 a 0.

Nome do jogo, Nem seguiu com seu repertório de dribles e arrancadas, fazendo a festa da torcida. Aos 30 minutos, foi substituído para a entrada de Jean, arrancando aplausos e protestos da torcida contra a decisão de Abel Braga de poupar o jogador.

Com Lanzini no lugar de Thiago Neves, e Wagner na vaga de Araújo, o Flu ganhou fôlego, mas as jogadas não encaixaram. Sem Wellington Nem, o jogo perdeu o brilho, mas o jovem jogador cumpriu a missão e colocou o Fluminense nas semifinais da Taça Guanabara.

Por Rogerinho – Com gols de R10 e Vagner Love, Flamengo avança para pegar o Vasco

Rubro-Negro sai perdendo, mas alcança virada no segundo tempo e se classifica. Jogo pela semifinal da Taça Guanabara será na quarta, às 22h

 

FONTE – GLOBOESPORTE.COM

Não é o melhor dos sambas. Não é a mais afinada das baterias. Mas o Flamengo pelo menos garantiu um pouco de paz no carnaval ao assegurar presença no desfile das campeãs da Taça Guanabara. Com virada de 3 a 1 sobre o Resende, neste sábado, em Volta Redonda, o time de Joel Santana avançou como segundo colocado para as semifinais do primeiro turno do Campeonato Carioca. Enfrentará o Vasco na quarta-feira, às 22h (de Brasília), no Engenhão.

Os gols que iniciaram a reviravolta foram de uma dupla que (assim esperam os rubro-negros) parece disposta a se entender. O primeiro foi de Ronaldinho. O segundo foi de Vágner Love. Ambos ocorreram na etapa final, depois de o Resende abrir o placar com Marcelo Régis – até agora, o único gol levado pelo Fla no Estadual. Negueba completou o placar. Neste sábado de carnaval, diferentemente de três anos atrás, o 3 a 1 foi para o Flamengo, e não para o Resende.

O líder do Grupo A foi o Botafogo, que bateu o Macaé por 3 a 0. Seu adversário será definido ainda neste sábado. O Flamengo fechou a fase de classificação com os mesmos 15 pontos do rival, mas com saldo inferior. O Resende, com 12, foi eliminado. A partida no Raulino de Oliveira teve 8.609 pagantes (10.959 presentes), com renda de R$ 168.765.

 

Primeiro tempo de eliminação

O Flamengo terminou o primeiro tempo eliminado. E não haveria razões para ser diferente: nem nos eventuais lances de brilho individual de Ronaldinho Gaúcho – um pouco de luz em uma atuação novamente apagada -, nem na falta de embocadura de Vagner Love, sempre um segundo atrás da jogada. Talvez, vá lá, por uma ou outra boa tentativa de Léo Moura. Mas o assustador para a torcida rubro-negra é que o Flamengo foi, nos 45 minutos iniciais, justamente aquilo que vem sendo na largada de 2012: um time sem sal, com jogadores que parecem estrangeiros uns aos outros.

A equipe de Joel Santana dominou o primeiro tempo. Seria muito esquisito se fosse diferente. Afinal, ao Resende o empate valia o ouro da classificação. Mas a predominância rubro-negra em Volta Redonda não foi exatamente rica. Boa parte da etapa morreu no limbo do meio-campo.

Ronaldinho esteve envolvido nos principais momentos flamenguistas. Teve vitória individual, na base da técnica, e discrição tática. Ele bateu duas faltas por cima do gol adversário. E deu dois bons passes. No primeiro, pela esquerda, buscou Deivid na área. A bola passou pelo atacante e caiu nos pés de Wellington. O chute foi cortado pela zaga. No segundo, na entrada da área, voltou a encontrar Deivid, que bateu colocado. O goleiro Mauro, bem na partida, defendeu.

Mas foi em um estalo de Léo Moura que o Flamengo mais se aproximou do gol. Ele rumou em diagonal na direção da área, aos dribles, e mandou o chute – travado na hora certa por Filipe Machado. A chance só não foi a melhor dos 45 minutos iniciais porque Marcel, logo com um minuto de jogo, mandou cabeceio no travessão defendido por Felipe. Faltaram milímetros para o Resende pular na frente.

Ronaldinho Gaúcho comemora gol do Flamengo contra o Resende (Foto: Fabio Castro / Ag. Estado)
Ronaldinho Gaúcho comemora gol do Flamengo sobre o Resende
.

Segundo tempo de classificação

O Flamengo, com Bottinelli no lugar de Luiz Antonio, começou o segundo tempo precisando de um gol, já que o Botafogo vencia o Macaé por 2 a 0. O gol saiu. Mas para o Resende. Aos dois minutos, Marcelo Régis, com um hectare de liberdade dentro da área rubro-negra, cabeceou para o fundo da rede de Felipe. Não foi acossado por ninguém. O curioso é que o lance havia sido ensaiado um minuto antes, com Iúri tão abandonado pelos marcadores quanto Marcelo Régis – mas desta vez Felipe conseguiu espalmar.

O Flamengo precisava agir. E precisava de Ronaldinho. Pouco depois do gol, ele tentou da entrada da área, sem perigo. E em seguida marcou. Em cruzamento de Bottinelli, o camisa 10 apareceu na área para um raro gol de cabeça. Parecia centroavante: conclusão firme, certeira, fora do raio de ação de Mauro.

O gol empolgou o Flamengo, que precisava de mais um. E conseguiu encontrá-lo. Léo Moura, da direita, mandou para a área. Vágner Love se antecipou à defesa, desviou a bola e determinou a virada. Era o renascimento rubro-negro, com a marca de seu reforço de peso – mal no primeiro tempo, decisivo no segundo.

Os ponteiros do relógio mudaram de cor. Passaram a correr a favor do Flamengo. E o time de Joel Santana foi competente. Soube controlar o jogo. Levou um susto quando Marcelo Régis chegou um segundo atrasado, quase em cima da linha, mas logo garantiu a vitória. Léo Moura fez lançamento às costas da zaga. Negueba arrancou, desviou de Mauro e fez o gol.

Aí foi deixar o tempo passar. O Resende não tinha forças para reagir. E o Flamengo, pelo menos por um fim de semana, poderá sambar em paz.

Por Rogerinho – Com Adriano e reservas, Timão joga bem e vence o São Caetano no ABC

Willian marca e coloca o Corinthians com os mesmos 20 pontos do lider Palmeiras. Sem chances, Imperador atua até 30 minutos da etapa final

FONTE – GLOBOESPORTE.COM

Na estreia como titular de sua maior estrela, o Corinthians mostrou que o time de operários continua fazendo toda a diferença. Sem os titulares, de folga pela recente estreia na Taça Libertadores, os reservas tiveram uma boa atuação e venceram o São Caetano por 1 a 0, neste sábado, no estádio Anacleto Campanella, no ABC, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. Willian fez o gol que garantiu um carnaval mais tranquilo ao Alvinegro.

O Imperador mostrou que, aos poucos, vai evoluindo. Ainda não foi a empolgante atuação esperada por Tite e pela torcida, mas a melhora é nítida. Faltou ritmo e também contar com um setor de criação mais ativo. Foram dois chutes sem perigo contra o gol e um belo passe para Ramírez quase marcar. Aos 29 minutos do segundo tempo, ele deixou o gramado sob aplausos da Fiel.O terceiro triunfo como visitante coloca o Timão na vice-liderança do estadual, com os mesmos 20 pontos do Palmeiras. A diferença a favor do rival está no saldo de gols: nove contra sete. Na próxima rodada, o Alvinegro enfrenta a Portuguesa, quarta-feira, às 22h, no Pacaembu, em São Paulo, possivelmente com o retorno dos principais jogadores.

O São Caetano não consegue entrar no grupo dos oito melhores que avançarão à segunda fase. O Azulão permanece com 11 pontos. O time volta a jogar também na quarta-feira, diante do Mogi Mirim, às 17h, no estádio Romildo Ferreira.

Adriano no jogo co Corinthians contra o São Caetano (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)
Adriano se esforçou no jogo contra o São Caetano
.

Só dá Timão no primeiro tempo
Apesar de jogar fora de casa e com sua equipe considerada reserva, o Corinthians controlou boa parte dos primeiros 45 minutos. Sobrou domínio para jogar quase o tempo todo no campo do adversário, mas faltou qualidade para conseguir a vantagem no placar em uma etapa inicial castigada pelo calor de mais de 30 graus no ABC paulista.

O São Caetano viveu seu melhor momento logo aos 30 segundos, em cruzamento da direita que Betinho finalizou e Danilo Fernandes espalmou para fora. Depois disso, o Azulão se preocupou com a defesa e não soube aproveitar os espaços dados pelo adversário, principalmente nas costas de Ramon.

Adriano foi discreto e voluntarioso. Estar mais magro não necessariamente significa atingir o ápice da forma física. O Imperador mostrou vontade, brigou em todos os lances, mas teve problemas com a falta de velocidade. Seguido de perto por Preto Costa e Jorge Luiz, o centroavante teve apenas uma finalização, prensada, para fora.

Ele também contou com a ajuda dos companheiros para receber a bola. Ramírez foi o mais lúcido na armação, dono da melhor chance, em desvio de cabeça pela linha de fundo. Ainda mais discreto que ele esteve Douglas, o novo “gordinho” do Timão. Acima do peso, o armador abusou dos passes errados e nada produziu para Adriano e Willian.

Ramirez, do Corinthians, no jogo contra o São Caetano (Foto: Marcos Ribolli / globoesporte.com)
Ramirez criou duas boas chances de gol
.

Willian garante a vitória alvinegra
O domínio corintiano continuou no segundo tempo. Márcio Araújo tentou dar mais qualidade ao setor ofensivo do São Caetano com a entrada de Ailton no lugar de Geovane, mas não deu certo. Mesmo encurralando o rival, o Timão não conseguiu encontrar espaços perto da área. Willian, por exemplo, acertou a cabeça de Adriano em um perigoso chute de longa distância.

Mas era questão de tempo para o gol do Corinthians sair. Se a forma ainda não é das melhores, Douglas mostrou que a qualidade técnica ainda pode fazer a diferença. Aos 18 minutos, o meia deu bom passe e encontrou Willian na área. O atacante recebeu sem marcação e bateu forte, no canto direito de Luiz.
Tite tratou de dar mais velocidade ao setor ofensivo para jogar nos contra-ataques. Douglas e Adriano deram lugar a Vitor Júnior e Elton, respectivamente. Antes de sair, o Imperador ainda deu grande passe para Ramírez quase marcar na entrada da área. A bola passou muito próxima da trave direita.

O São Caetano só deixou a defesa nos minutos finais. Mesmo assim, sem assustar em nenhum momento. Coube ao Corinthians se proteger na defesa e administrar o placar para curtir o carnaval na cola do rival Palmeiras.

Willian comemora gol do Corinthians contra o São Caetano (Foto: Marcos Ribolli / globoesporte.com)
Willian comemora o gol do Corinthians contra o São Caetano