Por Cleber Aguiar – Com gol aos 44, Corinthians derrota Flu e é octacampeão da Copinha

Fonte: Globo.com

Zagueiro e capitão Antônio Carlos marca duas vezes, garante a vitória por 2 a 1, de virada, e faz a festa de 37 mil torcedores no Pacaembu

Por Gustavo Serbonchini e Marcos GuerraSão Paulo

Um futebol de gente grande. Os garotos do Corinthians mostraram que a bola já não é mais brincadeira e, em uma final emocionante, decidida apenas no fechar das cortinas, conquistaram pela oitava vez o título da Copa São Paulo de Futebol Júnior com uma vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense. Uma vitória que veio do jeito que o corintiano está acostumado: de virada, com um gol aos 44 minutos do segundo tempo e com o estádio lotado. Mais de 37 mil pessoas estiveram no Pacaembu e viram o zagueiro e capitão, Antônio Carlos, se tornar o herói da manhã desta quarta-feira.

Ele marcou os dois gols da equipe paulista e fez da final entre os dois maiores campeões da Copinha um verdadeiro show de bola. Gigantes, os garotos pouco sentiram o calor da capital paulista e proporcionaram um duelo cheio de velocidade, dribles, belas defesas, drama e muita emoção. No fim das contas, melhor para o Timão, que, em sua 15ª final da competição, faturou a oitava taça. 

torcida do Corinthians na final da Copa SP (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)Corintianos fazem a festa com o oitavo título da competição (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)

Calor e equilíbrio

Os corintianos aproveitaram o feriado de aniversário de 458 anos da cidade de São Paulo para lotar o Pacaembu e foram contemplados por um calor escaldante. Porém, em campo, o sol parecia não incomodar os jogadores. Os dois times começaram com a corda toda.

Logo de cara, o Fluminense foi mostrando à torcida alvinegra que não estava na decisão à toa. Aos quatro minutos, Marcos Junio levou a melhor em uma dividida com o zagueiro Marquinhos e obrigou o goleiro Matheus Caldeira a fazer grande defesa. A resposta foi imediata. O lateral-direito Cristiano fez boa jogada individual e disparou um foguete, exigindo Silézio salvasse a meta tricolor.

Passada a tensão inicial do jogo, o Corinthians até começou a ter mais posse de bola e apostava nas jogadas pelas pontas, mas a defesa do Flu freava as investidas com uma defesa bem postada. O time “visitante” adotou uma estratégia de recuar seus jogadores para congestionar o setor defensivo. Mas o Tricolor esteve longe de apenas se proteger. Muito pelo contrário.

Os contra-ataques do Flu deram trabalho a Matheus Caldeira. Higor, Eduardo e, sobretudo, Marco Junio chegavam bem ao ataque, sempre na base das tabelas. Na mais perigosa, aos 21 minutos, o mesmo Junio cabeceou rente à trave.

Nos minutos finais, o sol, enfim, parece ter abatido os jogadores. Os elencos não conseguiram manter o ritmo forte e, apesar das inúmeras tentativas, o placar não foi movimentado.

Antônio Carlos comemora gol do Corinthians na final da Copa SP contra o Fluminense (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)Antônio Carlos comemora gol que deu o empate ao Timão (Foto: Marcos Ribolli / GLOBOESPORTE.COM)

Gol heroico

Na volta do intervalo, o técnico Narciso ainda estava irritado com a atuação aquém do esperado do Corinthians. E a irritação aumentou mais quando a bola voltou a rolar. Logo aos quatro minutos da etapa complementar, Marcos Junio, sempre ele, fez boa jogada pela direita e cruzou para Michael. O goleiro Matheus Caldeira até teve a bola nas mãos, mas se atrapalhou e deixou a bola nos pés de Michael. O vacilo foi fatal. O jogador tricolor vazou Matheus Caldeira. Foi o primeiro gol sofrido pelo arqueiro na Copinha – o reserva Ravi também havia tomado um gol.

A desvantagem no placar assustou o Timão, que se lançou ao ataque, mas não manteve a organização nas armações de jogadas vista no primeiro tempo. O Flu, por sua vez, manteve-se perigoso. Ronan e Marco Junio sentiam-se em casa e, se não fosse pelas boas defesas de Matheus Caldeira, teriam feito o segundo do Tricolor.

Aos poucos, o Corinthians foi se recuperando do susto e conseguindo neutralizar os contra-ataques do Flu. De tanto insistir, enfim, o gol de empate veio aos 21 minutos. Começava a surgir a estrela de um zagueiro. O capitão Antônio Carlos se infiltrou na zaga tricolor e cabeceou à queima-roupa após escanteio de Matheus, sem dar chances para Silézio, para fazer o Pacaembu explodir de euforia.

A empolgação virou apreensão pouco depois. O goleiro Matheus Caldeira sentiu uma contusão, mas não quis deixar o campo. Mesmo mancando bastante, o arqueiro queria seguir à frente da meta corintiana. No entanto, a pressão tricolor era grande. Depois de Higor quase colocar o Flu novamente na dianteira, aos 31 minutos, o técnico Narciso resolveu colocar o reserva Ravi em campo.

Com medo de tomar o gol fatal no fechar das cortinas, o Tricolor começou a cozinhar a partida, tentando levar a decisão para os pênaltis. Um tiro no pé. O Corinthians partiu para o ataque e, no apagar das luzes, fez o gol do título. Coube novamente a ele. O capitão Antonio Carlos, mais uma vez de cabeça, balançou a rede e sacramentou a vitória aos 44 minutos. A torcida passou a gritas “é campeão”. Pode comemorar mesmo, corintiano, o Timão é octacampeão da Copinha.

Por Cleber Aguiar – Corinthians e Fluminense prometem jogo aberto na decisão da Copinha

Fonte: O Estado de São Paulo

Maior vencedor do torneio, time paulista chega para a final com 100% de aproveitamento

Raphael Ramos

SÃO PAULO – Maiores campeões da Copa São Paulo de Futebol Júnior e donos dos melhores ataques da atual edição do torneio, Corinthians e Fluminense prometem um jogo aberto e bastante ofensivo nesta quarta-feira, às 10h, no Pacaembu, na decisão da competição.

O forte Douglas ainda luta pela artilharia, dois gols atrás de Valdívia - Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE
O forte Douglas ainda luta pela artilharia, dois gols atrás de Valdívia

Sete vezes campeão, o Corinthians será o sexto time a terminar a Copinha com 100% de aproveitamento se vencer sem a necessidade da disputa de pênaltis. Se isso acontecer, a equipe também superará a campanha de 1991 da Portuguesa, até agora a melhor da história. Naquele ano, a Lusa foi campeã com nove vitórias e saldo de 27 gols. O time acumula sete vitórias e também tem 27 gols de saldo (marcou 28 e sofreu um).

“Sinto nosso time bastante preparado, jogando sério o tempo todo. Os garotos estão com muita vontade de conquistar o título e acredito que não deixarão essa oportunidade escapar”, disse o técnico Narciso. Será a sua segunda decisão de Copinha. Em 2010, ele perdeu com o Santos para o São Paulo.

Os destaques do Corinthians são o lateral-esquerdo Denner, o meia Matheuzinho e o atacante Douglas, que ocupa o terceiro lugar na artilharia da competição, com seis gols. À frente dele estão Valdivia, do Rondonópolis-MT, com oito gols, e Alex, do Coritiba, com sete.

Apesar de não ter uma campanha tão arrebatadora quanto a do Corinthians, o Flu também chegou em grande forma à final. O time, que já venceu a Copinha cinco vezes, mas há 23 anos não é campeão, perdeu só uma partida. Em seus últimos três jogos, o Tricolor manteve média de quatro gols por partida.

“Temos um padrão de jogo estabelecido e gostamos de jogar com formações mais ofensivas. Esperamos que contra o Corinthians possamos impor esse padrão. Sabemos que cada jogo tem uma história, mas não vamos mudar o nosso estilo por causa do adversário”, prometeu o técnico Marcelo Veiga.

As maiores promessas do Flu são o atacante Marcos Júnior, os meias Higor e Eduardo e o zagueiro Wellington.

CORINTHIANS X FLUMINENSE

Corinthians – Matheus; Cristiano, Antônio Carlos, Marquinhos e Denner; Anderson, Gomes, Giovanni e Matheuzinho; Douglas e Leonardo. Técnico: Narciso

Fluminense – Silézio; Fabinho, Wellington, Léo Lelis e Fernando; William, Rafinha, Higor e Eduardo; Marcos Júnior e Michael. Técnico: Marcelo Veiga

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Horário: 10h
Local: Pacaembu.
TV: Globo, Band, SporTV, BandSports e ESPN Brasil
Rádio: Estadão ESPN – AM 700 – FM 92,5